sábado, 11 de agosto de 2012

Padre que chamou evangélicos de “otários”, elogia pastor Marco Feliciano e critica governo por incentivo a instituições pró-aborto. Assista


No programa Parresia, o padre Paulo Ricardo Azevedo Junior criticou a distribuição de verbas por parte do governo federal a instituições que trabalham pela legalização do aborto.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Padre que chamou evangélicos de “otários”, elogia pastor Marco Feliciano e critica governo por incentivo a instituições pró-aborto. AssistaPadre Paulo Ricardo é conhecido entre os evangélicos pelo vídeo em que critica abertamente os protestantes, classificando-os como “otários e orgulhosos”.
Porém, neste vídeo, o padre menciona o deputado federal João Campos (PSDB-GO), presidente da bancada evangélica, e também o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), durante a leitura de um requerimento elaborado pela Frente Parlamentar Evangélica, que cobra explicações do governo federal a respeito da distribuição de verbas para instituições pró-aborto.
-Gostaria de mencionar o valoroso pastor Marco Feliciano, que tem batalhado muito. Parabéns, pastor! Deus o abençoe – afirmou o padre, em reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelo parlamentar.
Assista no vídeo abaixo, o comentário do padre Paulo Ricardo Azevedo Junior sobre a política de financiamento de instituições pró-aborto, por parte do governo federal:
Redação Gospel+

Em carta, arcebispo de Campinas pede que fiéis não votem em quem defende o aborto

O arcebispo metropolitano de Campinas (a 94 km de São Paulo), dom Airton José dos Santos, orienta, em carta enviada os fiéis a não votar em candidatos que defendam o aborto.



O material, direcionado a paróquias e comunidades de católicos, foi divulgado no começo do mês. Para dom Airton José dos Santos, “o aborto não é uma questão religiosa, é uma questão da sociedade”.

Na carta, dom Airton, que assumiu a arquidiocese em abril, escreveu que a escolha dos votos, tanto para prefeito quanto para vereador, deve ser feita analisando se o candidato tem um compromisso com a vida “desde sua concepção”.

Além do aborto, a carta orienta sobre valores como honestidade, competência, transparência, vontade de servir o bem comum, entre outros itens, importantes para “um bom discernimento sobre os candidatos”, segundo ele.

Ainda segundo o texto, dom Airton convoca o cidadão, cristão leigo, a participar de debates e reflexões sobre os programas dos candidatos e orienta que os espaços da comunidade ou paróquia não privilegiem nenhuma sigla partidária.

Candidatos

Quatro dos sete candidatos à Prefeitura de Campinas falaram sobre o assunto, sendo que apenas a candidata Silvia Ferraro (PSTU), única mulher que disputa a liderança da cidade, é favorável à descriminalização do aborto.

Para Silvia, o tema deve ser tratado como uma questão de saúde pública e não como questão política ou religiosa.

“Defendo a vida das mulheres que estão morrendo por serem obrigadas a buscar clínicas clandestinas para a realização do procedimento. Hoje, no Brasil, a estimativa é de que uma em cada 1.000 mulheres que fazem aborto morram por ano em procedimentos realizados em condições totalmente inadequadas. Por isso sou favorável a descriminalização do aborto”, disse.

A candidata ainda considerou a carta uma hipocrisia da parte da Igreja Católica. “A igreja condena inclusive o uso de métodos contraceptivos. Eu defendo a vida das mulheres e quero educar a população e distribuir os métodos em toda a rede pública, inclusive a pílula do dia seguinte”, disse.

Os outros três candidatos que atenderam à reportagem demonstraram-se favoráveis à opinião do arcebispo. “Eu sou médico parteiro e como tal sou a favor do parto e absolutamente contra o aborto. Não faço e nunca fiz aborto”, disse o candidato à reeleição Pedro Serafim (PDT).

Jonas Donizette (PSB), que lidera as pesquisas, além de ser contra o aborto, elogiou a iniciativa da igreja. “Eu achei a orientação muito boa e concordo plenamente com a opinião do arcebispo”, afirmou.

"Pessoalmente, sou a favor da vida. A legislação sobre o tema é federal, e como prefeito, nesta e em outras matérias, cumprirei o que determina a lei neste e em outros temas de saúde pública", disse o candidato Marcio Pochmann (PT).

Procurados, os outros três candidatos José Ferreira Campos Filho (PRTB), Rogério Menezes (PV) e Arlei Medeiros (PSOL) não comentaram o assunto.

Fonte: UOL

Cristãos que acreditam na Bíblia são chamados de idiotas e extremistas

Cristãos que acreditam na Bíblia são chamados de idiotas e extremistas
Os cristãos do Reino Unido estão revoltados após terem sido chamados de “extremistas” e “idiotas” por acreditarem no criacionismo descrito na Bíblia.
Cristãos que acreditam na Bíblia são chamados de idiotas e extremistasDe acordo com o Instituto Cristão do Reino Unido, a rede de TV BBC admitiu que o apresentador Jeremy Paxman ofendeu os cristãos, mas que essa opinião é pessoal.
Paxman fez essas declarações durante uma entrevista como o famoso biólogo ateu Richard Dawkins durante o programa BBC Newsnight. Durante a conversa em frente às câmeras, Dawkins declarou que a história da criação bíblica é apenas um mito conhecido, mas ressaltou que, nos Estados Unidos, 40% das pessoas acreditam que a história da criação descrita em Gênesis é literal e verdadeira.
“Eles provavelmente acham que a esposa de Ló foi transformada numa estátua de sal”, acrescentou. Logo em seguida, Paxman perguntou: “Você realmente se importa que haja tanta gente idiota por aí? Dizendo bobagens religiosas e dizendo acreditar em num Gênesis literal…”
Embora admita que as observações do apresentador foram ofensivas, o canal BBC rejeitou a ideia que Paxman violou as regras de imparcialidade e diz que ele não sofrerá nenhuma punição. Em nota oficial, a assessória da BBC reconhece que os comentários “eram ofensivos para algumas pessoas da audiência e que não havia nenhum propósito editorial claro para serem usados no Newsnight”.
O Instituto Cristão também reclama que os evangélicos britânicos estão preocupados por terem sido classificados como “extremistas”, e comparados aos muçulmanos radicais.
EM uma matéria recente, o jornal The Guardian falava sobre o veto de novas escolas sustentadas por grupos religiosos, o Conselheiro Alan Judd escreveu: “Proibir os crentes de fundarem novas escolas poderia excluir um grande número de pessoas capazes, bem-intencionadas e experientes que podem fazer muito para elevar os níveis da educação. O problema é como sempre, quando isso é levado ao extremo, quer sejam cristãos evangélicos , muçulmanos ou judeus radicais. Tais pedidos necessitam de um exame cuidadoso pois não deve haver crenças religiosas e ideológicas nas escolas… As crianças devem ser capazes de participar de uma sociedade mais ampla, sem ter seus horizontes estreitados pelo fundamentalismo”.
O motivo da reclamação é que nessas escolas, as origens do universo seriam ensinadas a partir de uma visão religiosa e não científica. O veto insinua que a educação religiosa é uma doutrina que contraria várias teorias científicas, entre elas a evolução.
Steve Clifford, diretor executivo da Aliança Evangélica, disse que “é errado e preocupante que algumas Conselheiro do governo classifique os evangélicos de extremistas. Há aproximadamente dois milhões de evangélicos no Reino Unido, esta é a porção da igreja que mais cresce em todo o mundo. Eles levam sua fé a sério, mas isso não os torna extremistas.”
Traduzido de God Discussion

Pastor diz que igreja está aberta para Naldo, se ele quiser

Jaime Soares, pastor da Assembleia de Deus de Bonsucesso, igreja da Zona Norte do Rio que era frequentada por Naldo Benny desde antes da...