quinta-feira, 1 de setembro de 2016

A Ressurreição de Lázaro, os Judeus e Tradição Judaica (João 11:1-44)

resurrection of Jesus“1 Ora, um certo homem estava doente, Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta”.
A história começa introduzindo-nos Lázaro (em hebraico Eliezer, que significa  Deus vai ajudar) que reside em Betânia (em hebraico Beit Aniah, o que significa a Casa dos Pobres). Estes nomes hebraicos não são coincidência.
Betânia não ficava longe de Jerusalém (havia também uma Betânia do outro lado do rio Jordão). Há muitas razões para pensar que esta era uma aldeia muito especial. É provável que esta aldeia tenha servido como um dos centros diaconais de Judeus Essênios. Estes centros eram espalhados por todo o antigo mundo Judaico. Os Essênios (uma seita Judaica) eram conhecidos por seu compromisso de servir os pobres e doentes. Aliás, parece haver uma forte ligação entre os setores da comunidade dos Essênios e os primeiros crentes Judeus do movimento de Jesus, mas este é um assunto para outra ocasião.
“2 E Maria era aquela que ungiu o Senhor com bálsamo e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava doente”.
É interessante e surpreendente que João faz este comentário tão cedo. A razão é porque o incidente de Maria ungindo Jesus não é registrado até o próximo capítulo. Isto quer dizer que João escreveu seu Evangelho depois dos outros Evangelhos, esperando que as pessoas estivessem familiarizadas com a história  ou, mais provavelmente, que a história já houvesse circulado por via oral e João assumiu que os ouvintes estivessem familiarizados com ela.
“3 Então as irmãs mandaram dizer a ele: “Senhor, aquele que tu amas está doente”. 4  Mas Jesus, ouvindo isto, disse: “Esta doença não leva à morte. É para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela”.
Aqui há paralelos notáveis​​  entre a ressurreição de Lázaro e a cura do homem que era cego de nascença. Em um caso, a luz é dada e, no outro caso, a vida. Curiosamente ambos os temas são os principais temas  citados em João 1:4 : “4 Nele estava a vida e a vida era a luz dos homens.  5  A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela”. Também, a razão tanto para a morte de Lázaro como para a cegueira do homem era  a glória de Deus (João 9:2-3 e João 11:4).

“5  (Ora, Jesus amava Marta e a sua irmã e a Lázaro.) 6  Então, quando soube que Lázaro estava doente, ficou ainda dois dias no lugar onde estava. 7  Depois disto, disse a seus discípulos: “Vamos para a Judéia de novo”.
Se lermos os vss. 5-6 eles fazem pouco sentido (já que Jesus os amava, por que ele não veio imediatamente). Se lermos o texto com atenção, rapidamente vamos perceber que o versículo 5 é um comentário inserido entre parênteses entre os vss. 4 e 6. Isso significa que o versículo 6 (“Então, quando ele ouviu …”) continua como o fim do vs.4 (“é para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.”) Assim, para que ninguém pensasse que Jesus não amava verdadeiramente a família, foi adicionado o comentário entre parênteses  – “Ora  (você deve saber ), Jesus amava a Marta e a sua irmã e a Lázaro”.
“8 Os discípulos disseram-lhe: “Rabi, ainda agora os Judeus procuravam apedrejar você, e você vai lá de novo?” 9  Jesus respondeu: “Não são doze as horas do dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo. 10  Mas, se alguém andar de noite, tropeça, porque a luz não está nele”.
Se tentarmos entender os Judeus aqui como sendo o povo Judeu, a frase soaria completamente ridícula. Claramente, as autoridades hierosolimitanas que buscavam a vida de Jesus estão em consideração aqui. Temos que continuar a lembrar da afirmação de João no prólogo que resumiu a vida de Jesus, morte e ressurreição:  “A luz resplandece nas trevas,  e as trevas não prevaleceram contra ela” (João 1:5) Jesus está se referindo a luz que ilumina o mundo. Lembre-se, em João o mundo nem sempre significa a humanidade em geral, às vezes significa a Judéia e seus habitantes. (João 7:3).
“11 Depois de dizer essas coisas, disse-lhes: “Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou despertá-lo.” 12  Os discípulos disseram-lhe: “Senhor, se ele está dormindo, ele vai se recuperar.” 13  Ora Jesus tinha falado da sua morte, mas eles pensavam que ele quis dizer repouso do sono. 14  Então Jesus lhes disse claramente: “Lázaro morreu, 15  mas eu estou alegre  por não ter estado lá com ele, de modo que vocês  vão crer. Mas vamos ter com ele. ” 16  Então Tomé, chamado Dídimo, disse aos seus condiscípulos: “Vamos nós também, para que possamos morrer com ele.” 17  Ora, quando Jesus chegou, ele descobriu que Lázaro já estava há quatro dias na sepultura”.
Jesus esclarece para seus discípulos que seu amigo Lázaro morreu. O que é importante no vs.17 é a declaração de João de que quando Jesus chegou a Betânia, já era o quarto dia. Isso explica por que depois de ouvir a notícia de que Lázaro estava muito doente,” ele ficou ainda dois dias no lugar onde estava.” ( João 11:6 ) Jesus sabia quanto tempo levaria para viajar para Betânia. Ele estava determinado a chegar, não só depois da morte de Lázaro, mas quando, de acordo com a crença Judaica popular, a ressurreição não era mais possível – no quarto dia!
“18 Betânia ficava perto de Jerusalém, cerca de duas milhas, 19  e muitos dos Judeus tinham ido visitar Marta e Maria para consolá-las  acerca de seu irmão”.
Lázaro, que pode ter sido um Essênio,  e sua família eram dedicados totalmente ao serviço dos pobres e doentes em Betânia. Ele era muito respeitado pelos hoi Ioudaioi. Muitos, na esperança de trazer-lhes o conforto tão necessário, chegaram a chorar junto com Marta e Maria. É nesta história que Jesus faz o seu ataque final contra a fortaleza da incredulidade dentro da elite sacerdotal de Jerusalém. Ele estava prestes a ressuscitar um membro respeitado da sociedade religiosa hierosolimitana  sob as vistas dos membros do hoi Ioudaioi. Isso exigiria uma resposta de fé nEle. Maria e Marta estavam sendo consoladas por seu próprio povo da classe dominante  hierosolimitana .
“20 Então, quando Marta ouviu que Jesus estava chegando, foi-lhe ao encontro, mas Maria ficou sentada em casa. 21  Marta disse a Jesus: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. 22  Mas, mesmo agora eu sei que tudo quanto pedirdes a Deus, Deus vai lhe dar”.
Marta disse a Jesus que se ele tivesse vindo durante os três dias em que a ressurreição era possível, ele poderia ter ressuscitado seu irmão. Sua fé foi ainda mais longe e disse que “mesmo agora sei que tudo quanto pedirdes a Deus, Deus vai lhe dar!”
“23 Jesus disse-lhe: “Teu irmão há de ressuscitar.” 24  Marta disse-lhe: “Eu sei que ele vai ressuscitar na ressurreição do último dia”.
Marta é cuidadosa, procurando não elevar muito suas esperanças. Ela provavelmente pensou consigo mesma: “Jesus parece estar dizendo que meu irmão será ressuscitado, mas ele poderia estar se referindo a um futuro distante”.
“25  Disse-lhe Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá,26  e todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá”.
O ponto de Jesus era simples. Marta deve parar de pensar nele como o único que pode pedir a Deus  a ressurreição e receber uma resposta favorável do alto. Ela deve entender vez que Jesus é o Logos de Deus, o Deus que dá a vida. Nas próprias palavras de Jesus – “Eu sou a Ressurreição e a Vida”.
“Você acredita nisso? 27  Disse-lhe: “Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo” 28  Quando disse isso, ela foi e chamou sua  irmã Maria, dizendo em segredo, “O Mestre está aqui e está chamando por você.” 29  E quando ela ouviu isto, levantou-se rapidamente e foi até ele. 30  Ora, Jesus ainda não havia entrado na aldeia, mas ainda estava no lugar onde Marta o encontrara”.
Aparentemente, Jesus manteve-se fora da aldeia por um tempo, uma vez que decorreu um tempo suficiente para que ocorressem encontros e conversas. O vs. 30 é outro comentário entre parênteses em  que o autor está esclarecendo o significado de sua história enquanto ela se desenrola.
“31 Então os Judeus que estavam com ela na casa, consolando-a, viram Maria levantar-se depressa e sair e seguiram-na, supondo que ela ia ao túmulo para chorar ali”.
O que é importante aqui é que o autor destaca o fato de que quando Jesus falou com Maria fora da aldeia, alguns dos hoi Iouidaioi que tinham vindo para consolar a família a seguiram. Isso indica que eles testemunharam essa  conversa. Os hoi Ioudaioi que seguiram Jesus fora da vila tanto viram o que aconteceu como ouviram a maior parte da conversa entre Jesus e Maria.
“32  Ora, quando Maria chegou onde Jesus estava e o viu, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido”.
Maria repete o lamento de Martha (João 11:21). Podemos imaginar que isto tenha sido tratado em seu círculo familiar.
“33  Quando Jesus a viu chorar e os Judeus que tinham vindo com ela, também chorando, ele moveu-se muito em espírito e perturbou-se”.
Aqui vemos Jesus participar do sofrimento da humanidade e seu vínculo com os hoi Ioudaioi como nunca se viu antes neste Evangelho. Jesus viu Maria e membros do hoi Ioudaioi  lamentarem sentidamente a passagem de Lázaro. Ele ficou profundamente perturbado.
O modo como os enterros ocorrem em determinada cultura nos dão  uma boa indicação da visão do mundo do povo. A cultura cristã é sempre solene, mas festiva quando se trata do enterro de um homem justo. O luto é sempre misturado com esperança e celebração. Na cultura Judaica, enquanto que a ressurreição dos justos também é  afirmada, há uma forte crença de que, quando um homem justo morre o mundo sofre uma perda.
O equilíbrio entre o bem e o mal pende, pelo menos naquele momento, para o mal. Enquanto um homem justo é levado do mundo antes do mal, aqueles que permanecem perderam significativamente e, em certo sentido, são deixados à própria sorte.
“34 E ele disse: “Onde o pusestes?” Disseram-lhe: “Senhor, vem e vê”.
Será útil aqui uma breve incursão nas práticas funerárias Judaicas do primeiro século. Os Judeus do primeiro século na Terra de Israel enterravam as pessoas duas vezes. Quando alguém morria o corpo era primeiro acondicionado num pano e colocado numa caverna durante um período de tempo prolongado. Depois que o corpo estava decomposto e restando somente os ossos, eles eram recolhidos em uma caixa especial chamada ossuário. O ossuário era então colocado junto com os outros ossuários dos membros da família, e colocado no túmulo da família. Jesus, percebendo que o primeiro enterro já havia ocorrido, perguntou onde tinham colocado o corpo. Eles responderam: “Senhor, vem e vê”. A palavra Senhor, usada aqui no Grego, não é uma confissão de fé que Jesus é o Deus encarnado, mas simplesmente um termo de referencia  respeitoso.
“35 Jesus chorou. 36  Então os judeus disseram: “Vejam como ele o amava!”
Não existe nenhuma outra parte das Escrituras que mostra Jesus tão profundamente emocionado. Sua plena divindade e plena humanidade encontram-se aqui na expressão de sua dor. Ele não apenas pranteou. Ele chorou. Sua reação (embora soubesse que estava prestes a ressuscitar Lázaro) foi totalmente compatível com a prática Judaica de luto e pranto. Os hoi Ioudaioi que testemunharam esta interação concluíram que Jesus realmente amava a mesma pessoa que eles tanto apreciavam  por seu serviço à comunidade dos pobres e sofredores.
“37 Mas alguns deles disseram: “Não poderia ele, que abriu os olhos ao cego também ter impedido que este homem morresse?”
Pode-se ver que a crise da oposição dos hoi Ioudaioi  a Jesus foi se aprofundando. Agora não eram somente  aqueles da Galiléia Judaica e alguns membros do sistema que começaram a ter interesse em Jesus. Muitos dos que vieram para o consolar a família de Lázaro estavam tendo uma visão positiva de Jesus. Seu lamento foi “Não poderia ele, que abriu os olhos ao cego também ter impedido que este homem morresse?” Lembre-se, eles não estavam falando sobre a ressurreição. Seu raciocínio é, portanto, muito lógico. Se Jesus podia dar visão para o cego de nascença, que nunca tinha visto a luz, certamente ele poderia ter curado um homem que estava doente. Uma ação era muito maior que o outra. No entanto, nenhum deles percebeu o que Jesus estava prestes a fazer.
“38 Então Jesus, novamente profundamente comovido,  foi  ao sepulcro. Era uma gruta, e tinha uma pedra posta sobre ela. 39  Jesus disse: “Tirai a pedra”. Marta, irmã do defunto, disse-lhe: “Senhor, por este tempo haverá um odor, pois ele está morto há quatro dias”.
Marta disse a Jesus para ficar longe da entrada do túmulo uma vez que o cheiro de um corpo em decomposição seria esmagador. Ela mais uma vez ressaltou que Lázaro estava morto há 4 dias. Deve ser lembrado que a chegada de Jesus foi perfeitamente programada para a ressurreição  ocorrer no 4 º dia, quando se acreditava que a ressurreição não seria mais possível.
“40  Jesus lhe disse: “Eu não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?” 41  Então tiraram a pedra. E Jesus, levantando os olhos  disse: “Pai, eu te agradeço porque me ouviste. 42  Eu sei que sempre me ouves, mas eu disse isso por causa das pessoas que estavam ao redor, para que creiam que tu me enviaste”.
Anteriormente Jesus tinha dito a Marta que ter chegado no quarto dia não iria limitá-lo. A ressurreição não era algo que ele faria com a ajuda de seu pai. A Ressurreição e a Vida são ambas a essência do que é Jesus. Ele é de fato a Palavra / Logos / Memra do Deus de Israel, e ele estava destinado a mostrar ao mundo a glória de seu Pai.
“43  E, havendo dito estas coisas, clamou com grande voz: “Lázaro, vem para fora”.
Alguns túmulos eram extremamente profundos e eles literalmente incluíam um túnel para chegar ao verdadeiro lugar onde os corpos estavam depositados. Portanto, não é surpreendente que quando a pedra, que funcionava como uma porta, fosse revolvida Jesus chamaria Lázaro em voz alta. Isto não era para tornar este evento mais dramático, mas era para que Lázaro ressuscitado pudesse fisicamente ouvir de longe a voz do seu Doador da vida.
“44  O homem que tinha morrido saiu, com as mãos e os pés amarrados com tiras de linho, e seu rosto envolto num lenço. Jesus disse-lhes: “Desligai-o e deixai-o ir”.
João (ou quem escreveu este Evangelho que mais tarde foi atribuído a João) era uma testemunha que estava preocupada com detalhes. Ele menciona algo que nenhum outro Evangelho diz. Lázaro, quando saiu do sepulcro, não estava coberto com um pedaço de pano, mas com dois. Seu rosto tinha um pano  separado da mortalha do corpo. Hoje, quando os enterros Judaicos antigos são descobertos, esta descrição tem se  confirmado. Os  Judeus de fato enterravam do jeito que  João descreveu. João era um habitante do local. Ele era de dentro. Ele era uma testemunha ocular.

Os doze novos líderes das doze tribos antigas (João 13: 1-20)


12 apóstolos para 12
1 Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que sua hora tinha chegado a partir deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que habitavam o mundo, eu te amo até o fim.

Após os acontecimentos recentes, discutidos no capítulo anterior, queera claro para Jesus que seria a última Páscoa com seus discípulos amados gastos. Você deve se lembrar que ele tinha chegado a esta decisão, quando o Deus - gregos temendo olhou para ele . O conteúdo deste capítulo trata mão em mão com o confronto anterior entre a hoi Ioudaioi ea apresentação de Jesus mesmo que o bom pastor.
Lá, ele acusou a liderança atual de Israel para ser os maus pastores que não se importa com as ovelhas Este verso começa por afirmar que, como o Bom Pastor de Israel, Jesus amava as suas ovelhas com o maior empenho e dedicação possível.
2 Durante a ceia, quando o diabo tinha posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse, 3 Jesus, sabendo que o Pai tinha posto tudo em suas mãos, e ele tinha vindo de Deus e ia para Deus, 4 ele levantou-se da ceia. Ele tirou o manto e, tomando uma toalha, amarrou-a na cintura. 5 Depois deitou água numa bacia, começou a lavar os pés aos discípulos ea enxugar-lhos com a toalha que estava em torno de sua cintura.
Nesta passagem, é claro que era uma de suas últimas interações com os discípulos, Jesus quis modelar algo muito importante. No entanto, é crucial que nós não vemos isso simplesmente como um exemplo pessoal para todos os crentes (embora a princípio, é claro, se aplica a todos). O jantar foi muito especial, porque foi uma das últimas sessões de treino de Jesus com a nova liderança de Israel, ele estava prestes a deixar aquele lugar. Isto está em contraste com a de hoje, quando em muitas igrejas os apóstolos e seu gabinete não são consideradas muito importantes.
O número doze não era uma coincidência. Jesus escolheu doze apóstolos, porque seu plano incluiu a renovação completa de Israel. Os 12 chefes das tribos de Israel deviam ser substituídos pelos 12 apóstolos judeus que levaria Israel a um resgate futuro definido renovada.
Basta ler esta descrição da Nova Jerusalém:
"Eu tinha um grande e alto muro com doze portas; e nas portas doze anjos, e nomes inscritos, que são os das doze tribos dos filhos de Israel; No oriente havia três portas; norte três portas, sul, três portas; ao ocidente três portas. E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro "(Apocalipse 21: 12-14).
Como lemos no versículo 3, "sabendo que o Pai tinha posto tudo em suas mãos" Jesus levantou-se para lavar os pés dos seus discípulos. Como mencionado acima, este foi um dos últimos e mais importantes sessões de treinamento de liderança que teria com aqueles que estavam a tornar-se bons pastores de Israel. Eles tiveram que governar Israel com compaixão, cuidado e sentido de pertença. Isso foi em contraste com os "maus pastores" Jesus tinha vindo a substituir. Nós não deve continuar, antes, pelo menos mencionar o fato de que, embora Deus tinha deixado tudo nas mãos de Jesus, não queria dizer que agora as pessoas devem servi-lo (uma conclusão bastante lógica), mas agora ele deve servir.
6 Ele chegou a Simão Pedro, que lhe disse: "Senhor, lavar os meus pés?" 7 Jesus respondeu-lhe: "O que estou fazendo você não entende agora, mas você vai entender mais tarde." 8 Pedro disse: "Nunca me lavarás os pés." Jesus respondeu. "Se eu não te lavar, parte comigo" 9 Simão Pedro disse: "Senhor, não somente os meus pés, mas também as mãos ea cabeça "10 Jesus disse-lhe:" Alguém que se banhou não necessita, exceto para lavar os pés, pois está todo limpo; e vós estais limpos, mas não todos "11 Ele sabia quem iria traí-lo .; portanto, ele disse, "nem todos estão limpos" 12 Então, depois de lhes ter lavado os pés, tomou o manto, voltou para a mesa e disse-lhes. Você sabe o que eu fiz para eles? 13 Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. 14 Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15 Por exemplo, eu ter-lhes dado para que, como eu vos fiz, vós também.
Pedro faz sua oposição conhecido simplesmente expressando a perplexidade dos outros discípulos. Jesus respondeu que se não permite que você lave seus pés, Peter não seria capaz de participar no serviço fundamental de bons pastores. Peter, talvez pensando que Jesus estava falando sobre a limpeza das ofertas cerimoniais de água que passar por toda a cerimônia (mikvah). Jesus especifica que ele não tem a cerimônia de água em mente, em vez disso, ele requer apenas seus líderes servidores têm o coração humilde e total compromisso para servir o povo de Deus. Jesus mais tarde Peter iria desafiar o contexto da profecia do mal dos pastores de Israel de Ezequiel: "Apascenta as minhas ovelhas" (Ezek.34).
16 Em verdade, em verdade, vos digo que o servo não é maior que seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.
Era agora a tarefa da família mais jovens ou de criada para lavar os pés empoeirados dos convidados apenas entrando na casa de fora. Jesus realizou o trabalho do servo. Os discípulos eram servos de Jesus. A conclusão foi inevitável. Se ele fez, quanto mais eles devem estar dispostos a fazer? Eles devem tornar-se pastores de confiança e altruístas para ser verdadeiramente do povo de Deus - Israel.
17 Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se o fizer. 18 Não falo de todos vós; Eu sei quem escolhi. Mas Escritura deve ser cumprida: "Aquele que come o pão comigo levantou o pé contra mim." 19 Agora vos digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer acreditar que eu sou.
Embora este não é seu foco, Jesus prediz eventos futuros. Tudo foi feito para que os apóstolos sentiram fortalecidos em sua fé diante de um momento muito difícil em serviço (para a maior parte final com o martírio), que estava à frente deles.
20 Em verdade, em verdade vos digo: Quem receber aquele que eu enviar, recebe a mim; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou.
Sobre este último ponto, Jesus demonstra mais uma vez a importância dos doze apóstolos deixados no local. Ele lhes deu toda a autoridade necessária para governar. Recebê-los receberia Jesus, bem como receber Jesus significava receber seu Pai. Segue-se, portanto, que qualquer um que recebe um dos doze apóstolos receberam o mesmo Deus.

O que era a casa de Jesus? Depende de quem você perguntar.



Dois dias depois, ele saiu dali e foi para a Galiléia.  Porque Jesus mesmo testificou que um profeta não tem honra na sua própria terra.  Quando ele chegou à Galiléia, os galileus o receberam, porque tinham visto todas as coisas que fizera em Jerusalém na ocasião da festa; porque também eles tinham ido à festa.  Então veio Jesus voltou a Caná da Galiléia, onde tinha transformado a água em vinho. E havia um oficial de Cafarnaum, cujo filho estava doente.  Quando ele soube que Jesus tinha vindo da Judéia para a Galiléia, foi ter com ele e rogou-lhe que descesse e curasse o seu filho, que estava prestes a morrer.  Então Jesus lhe disse: Se não virdes sinais e prodígios, vocês não vão acreditar.  O oficial do rei disse-lhe: Senhor, desce antes que meu filho morra. 50 Jesus disse-lhe: Vai, o teu filho vive. E o homem creu na palavra que Jesus disse, e saiu.  Quando ele já ia descendo, os seus servos o conheci, e disse-lhe: 'O teu filho vive.  Então ele perguntou-lhes a hora em que ele ficou ainda melhor. E eles disseram ontem à sétima hora a febre o deixou.  O pai sabia que era a hora em que Jesus lhe dissera: O teu filho vive; e ele acreditava, com toda a sua casa.  Este segundo sinal que Jesus fez quando foi da Judéia para a Galiléia.
A diferença entre os Evangelhos sinópticos e o Evangelho de João, durante séculos tem confundido os comentadores.Alguns trabalharam duro para conciliar cada jota e til, enquanto outros concluíram que John contradiz os Evangelhos Sinópticos (Marcos, Mateus e Lucas). Muitos comentadores estão localizados no meio destas posições. Eles reconheceram que, em essência, os Evangelhos contam uma história sobre Jesus. Eles também reconheceu que algumas das diferenças fundamentais não pode ser rejeitada e não deve ser ignorado. A próxima seção pode ser devidamente numeradas entre essas tradições divergentes que contam a mesma história a partir de diferentes ângulos e perspectivas.
Chegamos ao João 4: 43-45 relatando os acontecimentos relacionados com parada Jesus no final de Siquém, em Samaria.Aqui vemos que Jesus não voltar para a Judéia, mas continua a sua jornada para a Galiléia. Além disso, a ausência do incidente com a mulher samaritana nos Evangelhos Sinópticos, há outra característica importante em que os Sinópticos e João são separados. João diz que a razão pela qual Jesus não voltou para a Judéia, mas veio para a Galiléia, foi porque "Jesus mesmo testificou que um profeta não tinha honra na sua própria terra" (literalmente terra natal, no sentido de pátria na língua Inglês) "(4,44). O que é, é claro, marcante, é que os nomes John Judéia como a pátria de Jesus, onde ele pertencia e não galileu como fazem os Sinópticos (Mt 13:. 54-57, Marcos 6,1-4, Lucas 4,23-24) .
Junto com esta leitura alternativa da identidade de Jesus, João pinta um quadro de rejeição e aceitação de Jesus aos seus leitores, que também é muito diferente da imagem nos sinóticos. Galiléia e Samaria são muito sensíveis a Jesus. As pessoas de lá recebê-lo com muito poucas excepções, enquanto que tudo o que ele faz em sua terra da Judéia parece ter uma oposição significativa.
Há um paradoxo e tensão aqui. Na Judéia (terra natal de Jesus em João), Jesus enfrentou perseguição. Ele nasceu lá, e casa de seu pai, o Templo do Deus de Israel, em Jerusalém (não na Galiléia ou Samaria), mas é a partir daí que a verdadeira oposição a seu ministério vem. Não é verdade que a incredulidade foi apenas na Judéia, afinal, os discípulos judeus na Galiléia, Jesus iria sair depois de suas declarações sobre seu corpo e sangue (João 6:66). Em geral, você não pode negar que Samaria e da Galiléia foram muito mais receptivos do que a Judéia. Em João, a Judéia é a verdadeira casa de Jesus. Ele pertence a Judéia, sobre o que pertence em outro lugar. É provável que devemos entender João 1: 11-12. Dentro deste contexto "11 Ele veio para os (criação), e seu (a loudaioi - liderança da Judéia e seus seguidores) não O receberam" Haverá muito mais isso no meu próximo livro "o rei de todo o Israel Evangelho de João e o conflito judaico-samaritano." Ele deve estar disponível no dia 1 de abril de 2015.

AS CHAVES PARA O CAPÍTULO DE TRANSIÇÃO:


Alguém escreveu no comentário no meu último post: "Estamos ansiosos para a" chave "." Bem, não é apenas uma chave, mas um conjunto de chaves para toda a história do messianismo oculta de Jesus, que é fornecido em Lucas. Pelo que sabemos, Lucas foi o único autor do cristianismo primitivo considerou necessário para completar a história de vida "escondida" Jesus com a história de seus discípulos proclamam abertamente as coisas secretas dos Evangelhos, e seu trabalho dois volumes, Lucas nos fornece recursos valiosos para entender a natureza dessa mudança repentina entre os Evangelhos e Actos. O último capítulo do Evangelho não só serve como uma transição literária maravilhosa para o segundo volume, mas também como uma chave espiritual, ou um conjunto de teclas espirituais sobre a questão do "oculto e revelou Messias".
Em Lucas 24, lemos a história sobre dois discípulos que viajam ... para uma aldeia chamada Emaús , no primeiro dia da semana.Eles foram completamente perplexo com tudo o que tinha acontecido com o Mestre, e falou para o outro sobre esses eventos. Agora, ao longo do caminho, o mesmo Jesus ... veio a eles  - mas eles não reconocieron- ele. Eles falaram; Jesus respondeu-lhe quando ele perguntou-lhes sobre as últimas notícias de Jerusalém, ficaram surpresos que ele não sabe o que aconteceu, mas não reconocieron- ele. Ele começou a ensinar as Escrituras, e que eles devem lembrar seus ensinamentos, que muitas vezes lhes havia ensinado - . Mesmo assim, eles não foram capazes de reconocerle-  seus olhos foram cegados dereconhecê-lo 
Temos visto em artigos anteriores que a ideia do Messias de estar irreconhecível entre o povo de Israel, era uma ideia muito comum na mentalidade judaica. Vimos que essa maneira de se referir à vinda do Messias como ocultos e revelados , poderiam ser consideradas como representativas do século Judaísmo I. A este respeito, o episódio de Emaús só fornece uma prova adicional a esta ideia. A diferença é que Lucas mostra muito claramente como e por que eles não o reconheceram e é isso que vamos discutir hoje-.
* * *
Vamos tentar entender o que aconteceu com os olhos dos discípulos no caminho de Emaús. Lemos que seus olhos foram contidos . Em Inglês e grego, o verbo contido (frenagem impedido) é a voz passiva do verbo parar . Em essência, isso significa que o que aconteceu com os discípulos, a sua incapacidade de reconhecer Jesus, não depende deles em tudo. Alguém estavasegurando sua vista até que chegou o tempo determinado.  Assim, quando chegou o tempo determinado, esse mesmoalguém abriu os olhos e sabiam que ele era:  . Em seguida, seus olhos se abriram e eles o reconheceram  Mais uma vez aqui, como no verso 16, o texto utiliza a voz passiva, seus olhos se abriram. verbo grego  usada aqui significa " para ser completamente aberto, totalmente" e isso acontece várias vezes na Septuaginta. Uso da forma activa do verbo é notável.Por exemplo, no livro de 2 Reis 6:17, Eliseu está orando para o Senhor para abrir os olhos de seu servo, Senhor, eu oro, abrirseus olhos para que ele possa ver. E o Senhor abriu os olhos do jovem, e viu .
Em quase todos os lugares da Septuaginta onde este verbo na forma ativa, o sujeito da frase é o próprio Deus, que nos leva a uma conclusão muito importante: Deus é o único que pode abrir nossos olhos espirituais. Por exemplo, as palavras de Lucas, em o final deste capítulo: E Ele abriu o entendimento, para que pudessem compreender as Escrituras  , deve ser lido como uma declaração de fé: Lucas obviamente acreditava que Jesus é Deus e que é a razão pela qual Ele tem autoridade para abri-los .De acordo com Lucas, o Senhor e Ele sozinho tem o poder de parar o entendimento e os olhos - e Ele é o único que podeabrir , desbloquear o entendimento e os olhos. Os olhos dos discípulos sobre a estrada para Emaús foram parados soberanamente apenas por Sua mão -de forma alguma poderia ter reconhecido Jesus até que ele abriu os olhos.
A este respeito, gostaria de recordar uma cena que discutido no post anterior: a cena familiar da sinagoga de Nazaré capítulo 4 do Evangelho de Lucas. Ao ler estes versos, um está sempre surpreendidos com a atmosfera tensa que enche a sinagoga quando Jesus lê o profeta Isaías. Qual é a origem de sintomas de estresse E o quê? E os olhos de todos os que estavam na sinagoga estavam fixos nele ... Então, todos lhe davam testemunho e agradavelmente maravilhado com as palavras que saem de sua boca .  em outras palavras, os corações daqueles que ouviam Jesus queimados, eram obviamente sensível à proximidade de Deus ea presença do Espírito Santo - é evidente que eles foram percebendo que aquele que estava diante deles tinha algo especial, uma autoridade extra-humana-. olhos OS de todos os que estavam na sinagoga estavam fixos nelecom um intenso desejo e expectativa para ver Nele, Aquele que em seu coração sentiu que era. I, que queria desesperadamente para obedecer à voz de seu coração e reconhecer -lo como Messias -Mesmo assim, não pudieron-. Por quê? Qual foi a diferença entre os discípulos de Emaús e companheiro de Jesus em Nazaré? Em ambos os casos os seus corações queimados - e em ambos os casos, os olhos estavam fixos em Jesus, foram realizadas de volta pelo mesmo Senhor.(Sabemos que ninguém pode parar ou abrir a vista de alguém). No entanto, aos olhos dos discípulos de Emaús estrada, em ofinal foram abertos no partir do pão (mais uma vez, pelo próprio Senhor) -enquanto os olhos do povo de Nazaré continuou frenados-.
Esta é a nossa chave para hoje - Chave Número 1 - uma chave para a compreensão da história de Israel e Jesus chave: só Deus mesmo pode parar ou abrir os olhos espirituais. Sua decisão era dela e só, no caso dos discípulos, cujos olhos Abriu -lo e que, em última instância reconheceu-o, e, no caso da sinagoga, aos olhos de pessoas permaneceu contido  , sem reconhecer -lo .
[1] Lucas 24:16
[2] Em grego, assim como em Inglês, temos a forma passiva  ( εκρατουντο ) do verbo  parada  ( Κρατεω ).
[3] Lucas 24:31
[4] Διανοιγω
[5] Lucas 24:45
[6] Lucas 4:20, 22

Porque eu não voto em candidato(a) comunista ?


.

Mais um ano de eleições, as mesmas propagandas, as mesmas promessas e as mesmas denúncias. Que vença o menos corrupto! (pensam alguns).

Para além disto, aparentemente, poucas pessoas sabem que os partidos políticos são motivados por ideologias, que constituem o fundamento dos seus planos e de suas decisões.

Muitas pessoas rejeitam este fato, chegando ao ponto de acreditarem que os partidos no fim são todos iguais, achando que eles se importam apenas com os votos. Mas será que isto é verdade?

Mas a realidade não é esta. É evidente que os partidos desejam votos, somente assim eles obterão poder político, para assim, implantarem seus projetos, e moldarem a sociedade de acordo com a sua própria visão de mundo.

Visão de mundo, ou cosmo-visão, eis a palavra chave. Cosmo-visão, como o nome diz, é a forma como um indivíduo percebe a realidade, ou seja, é por ela que o indivíduo tomará as suas decisões, é através dela que cada indivíduo sabe o que é certo e errado, a verdade e a mentira.

Cosmo-visão e religião são sinônimos, ou seja, cada religião possui uma cosmo-visão própria, pela qual o fiel irá guiar a sua vida.

Existe uma frase de efeito muito difundida no Brasil, talvez no mundo, que diz: "Religião e política não se misturam". Porém se analisarmos com calma, veremos que esta frase é no mínimo uma mentira. Como vimos anteriormente, um indivíduo se guia pela sua cosmo-visão, para este indivíduo a sua cosmo-visão  é a verdade sobre a vida, e sobre a realidade de todas as coisas ao seu redor, então como alguém poderia negar isto na hora de votar? Como um indivíduo poderia negar a sua cosmo-visão na hora de votar?

Esta frase, é na verdade uma ridicularização das crenças em favor de uma verdade política, ou seja, "a verdade" do partido político. É o mesmo que alguém dizer que quando vota a sua cosmo-visão se torna a do partido que ele escolheu, negando assim a sua própria cosmo-visão.

Por exemplo, digamos que um indivíduo acredite que o aborto é errado, e que deveria ser proibido, e que deveria ser crime. Será que faz sentido que este indivíduo vote num partido que defende o aborto?

Como dito anteriormente, cada partido tem sua plataforma política, seus planos, aquilo que ele objetiva colocar em prática, institucionalizar, criando leis e executando campanhas de mudança de consciência nacional.

Portanto, quem nega a sua cosmo-visão na hora de votar, é no mínimo hipócrita, pois diz que algo para ele é verdade, mas na hora de votar nega esta verdade, colocando a cosmo-visão do partido como verdade sobre a sua própria, negando seus valores, negando aquilo em que ele mesmo acredita, ou diz acreditar.

Cristianismo e política.

O cristianismo é uma cosmo-visão, e como cristão sei que a minha luta não é política, pois não faço parte deste mundo, não sou cidadão do mundo, estou aqui como um peregrino.

"Responderam: De César. Então lhes disse: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus." (Mateus 22:21)

"(Os cristãos) residem em seus próprios países, mas só como transeuntes; compartilham o que lhes corresponde em todas as coisas como cidadãos, e suportam todas as opressões como os forasteiros. Todo país estrangeiro lhes é pátria, e toda pátria lhes é estranha… Se acham na carne, e, com tudo, não vivem segundo a carne. Sua existência está na terra, mas sua cidadania está no céu. Obedecem as leis estabelecidas, e ultrapassam as leis com suas próprias vidas." Epístola a Diogneto (125-200 d.C.)

Como sabemos, vivemos em um país de regime democrático, sendo o voto ao mesmo tempo um dever e um direito, ou seja, somos chamados a participar do processo democrático. Não vejo aqui incompatibilidade alguma entre votar e a palavra de DEUS, muito pelo contrário, acredito que votar é cumprir com o que foi dito em Mateus 22:21 pelo Senhor Jesus Cristo.

Porém, existe um pequeno detalhe, o cristão é também chamado para ser sal no mundo e luz na terra:

"Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus." (Mateus 5:13-16)

Vejam, podemos votar, porém a nossa motivação não deve ser política, se vamos votar, votemos para a glória de DEUS.

"Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus." (1 Coríntios 10:31)

Eis que o mundo tem avançado em direção a cultura do inferno, como cristãos sabiamos que isto haveria de acontecer, é profético. 

Como disse o irmão Paul Washer:

"1 Timóteo 4.1 diz: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios”. Paulo prossegue e diz a Timóteo que todo o inferno irromperá na cultura, que tudo se tornará confuso e os homens agirão como bestas." (Paul Washer, 10 Acusações contra a igreja moderna.)

No entanto isto não reduz nossas obrigações como cristãos, por acaso deixaremos de fazer a vontade de DEUS, enquanto vemos o mundo ir pro inferno?

Vamos ficar de braços cruzados esperando que todos sejam condenados? Vamos esperar que toda a cultura mergulhe na maldade?

Claro que não!

Vamos então coadunar com toda esta maldade? Vamos apoiar partidos políticos que promovem-nas?

Claro que não!

Por isto, como podemos votar em partidos que promovem toda esta sujeira e ficar de consciência limpa? Como podemos apoiar partidos que promovem tudo que é do anti-cristo? Somos hipócritas se fizermos tal coisa.

Marxismo, Comunismo/Socialismo e a  Esquerda.

Hoje é sabido que existem partidos cuja ideologia política é baseada em princípios anti-cristãos: Os partidos de linha marxista(comunistas/socialistas). O marxismo é uma ideologia perversa, fruto das maquinações de um homem que sentia um profundo ódio de DEUS.

Os partidos como o PT, PSOL, PSTU, PCdoB etc, têm promovido a mudança da nossa cultura, relativizando a verdade, relativizando os valores e subvertendo até mesmo a doutrina de igrejas.

Recentemente, soube que um pastor deu o púlpito de sua igreja para uma promotora da ideologia de gênero ( feminista ). A ideologia de gênero é uma das piores depravações que se tenha notícia. É a ideologia de gênero, que tem destruído os papéis do homem e da mulher na sociedade e na família, que tem questionado a sexualidade bíblica, que tem sido o fundamento da promoção e defesa do homossexualismo.

Não estou querendo dizer com isto que outros partidos, que não de esquerda, não possam também promover valores anti-cristãos, mas o maior problema é que os partidos de esquerda tem por fundamento a ideologia marxista (marxista cultural) que é, antes de tudo, anti-DEUS e anti-Cristã, como podemos ver claramente nas citações de seus idealizadores e seguidores:

“O homem faz a religião, a religião não faz o homem… A religião é o suspiro da criatura atormentada, o sentimento de um mundo sem coração, como o é o espírito de estados fora do tempo. Ela é o ópio do povo.” (Karl Marx, em “Manifesto Comunista”)

“Deus é uma mentira.(sic)” (Vladimir Lenin)

“O homem que se ocupa em louvar a Deus se suja na sua própria saliva.” (Vladimir Lenin

“Nós odiamos o cristianismo e os cristãos.” (Anatoly Lunatcharsky, marxista revolucionário russo)

"Desejo vingar-me d' Aquele que governa lá em cima." (Karl Marx)


É tempo de vigiar, já passou da hora de acordar. Nossa luta não é política, não devemos apoiar um partido político por uma causa política, devemos antes de tudo ver se estes partidos defendem valores que estão de acordo com valores bíblicos. 

Não nos esqueçamos do que diz a palavra de DEUS:

"Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens."  (Atos 5:29)

Devemos obedecer a DEUS, ainda que isto implique em não apoiar a nenhum candidato ou partido político. O mundo é mal e não vai melhorar, importa fazermos a vontade de DEUS e ir em direção contrária a correnteza do mundo.

Que DEUS abençoe a todos nós.





Autor: Abraão
Fonte: O inverno da Fé

COLEIRA ERVA DE SANTA MARIA - PREÇOS ESPECIAIS PARA REVENDA

ENTRE NO LINK ABAIXO E COMPRE PARA REVENDA . https://petpetsbrasil.loja2.com.br/3600225-COLEIRA-ERVA-DE-SANTA-MARIA-REPELENTE-A-PULGAS-...