sábado, 24 de janeiro de 2015

Extremismo islâmico e perseguição aos cristãos ganham força no Iêmen


Extremismo islâmico e perseguição aos cristãos ganham força no Iêmen
Ontem (22), pressionado por milícia xiita, o presidente do Iêmen renunciou ao cargo. 14º país mais opressor aos cristãos, a Constituição declara que o islã é a religião oficial do Estado e a Sharia (lei islâmica) é a fonte de toda a legislação.
Segundo informações publicadas pelo jornal Estado de S.Paulo, o presidente do Iêmen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, renunciou ao cargo nesta quinta-feira, horas depois de um acordo para dividir o poder com milícias xiitas que tentavam derrubá-lo. 
No país, há certa liberdade religiosa para os estrangeiros, mas o evangelismo é proibido e os iemenitas que deixam o islã podem enfrentar a pena de morte – isso faz o Iêmen um dos países menos evangelizados do mundo. 
A violência anticristã é promovida, principalmente, pela família e autoridades do país. Atividades missionárias realizadas por expatriados já resultaram em uma série de detenções e deportações. Além disso, acredita-se que os cristãos estejam sob vigilância constante e a insegurança causada pelos movimentos islâmicos extremistas torna o país muito instável.
Diante das novas reviravoltas que têm acontecido no país, ore para que esses eventos não piorem, ainda mais, a situação dos cristãos. 
Conheça mais sobre a perseguição aos cristãos no Iêmen aqui.

Franklin Graham diz aos muçulmanos que aceitem a Jesus Cristo secretamente


 Franklin Graham diz aos muçulmanos que aceitem a Jesus Cristo secretamente
Os muçulmanos que se convertem, podem exercer sua fé em segredo, de acordo com Franklin Graham, filho do evangelista Billy Graham.
"Deus, eu acredito em Você e acredito que o Seu filho, Jesus Cristo, morreu pelos meus pecados. Eu quero Te convidar para entrar no meu coração, eu quero o seu perdão e eu quero que minha vida seja transformada". Essas são palavras que podem fazer parte de uma oração silenciosa por um muçulmano, para que ele não seja morto.
Graham disse que os muçulmanos podem ser perdoados em nome de Jesus Cristo, e assegurou que eles não devem realizar o Jihad, que é a guerra feita para estabelecer a crença em Alá, a fim de agradar a Deus. "Deus os ama e que Ele irá os aceitar através da fé em seu filho, Jesus Cristo".

CPAD

ELES QUEREM DOMINAR TUDO PELA VIOLÊNCIA - Cristãos argelinos são barrados no aeroporto por policia muçulmana , apenas por carregarem Bíblias


Cristãos argelinos são barrados no aeroporto por carregarem BíbliasDois jovens cristãos argelinos foram interpelados pela polícia no aeroporto de Oran, e submetidos a um longo interrogatório na sexta-feira, 16 de janeiro, depois de oficiais encontrarem Bíblias de uso pessoal na bagagem de cada um.
“Os dois estavam no aeroporto Ahmed Ben Bella Oran a espera de um voo da companhia aérea nacional Air Algeria com destino a um país vizinho. Uma vez que cada um deles tinha uma Bíblia em sua bagagem, eles foram levados pela polícia e submetidos a um longo interrogatório. Todas as perguntas se referiam aos motivos que os levaram a mudar de religião”, explica Kader, líder de uma igreja evangélica em Oran. Após o interrogatório os dois foram autorizados a embarcar no avião.
Kader acredita que o interrogatório é parte de “uma tentativa deliberada de intimidar os cristãos" na Argélia. "Situações como essa são injustas e violam a lei", afirmou. Ele se refere à Constituição argelina que garante no capítulo quatro, o artigo 29, a liberdade de religião e de consciência.
De acordo com Kader, a lei argelina proíbe formalmente a pregação para muçulmanos e a distribuição de livros cristãos (Bíblias ou outros escritos explicando o cristianismo), mas não condena a posse de uma Bíblia pessoal. "Apesar disso, autoridades do país se acham no direito de interrogar os cristãos em suas crenças pessoais, simplesmente porque eles carregam uma Bíblia", concluiu.

BONZINHOS ESSES MUÇULMANOS , NÉ - Arábia Saudita aplica lei religiosa e decapita mulher


Arábia Saudita aplica lei religiosa e decapita mulher
Um acontecimento no último dia 12 de janeiro dá fortes indícios que o Estado Islâmico não é o único movimento muçulmano que defende a decapitação como forma de punição. Eles estão apenas levando a cabo o cumprimento da sharia – leis religiosas muçulmanas.
Um vídeo ganhou as redes sociais e causou grande polêmica. A gravação mostra autoridades da Arábia Saudita decapitando publicamente uma mulher na cidade de Meca, local mais sagrado da religião islâmica.
Laila Abdul Muttalib Basim, nascida em Myanmar, mas que residia na Arábia Saudita, teve sua cabeça cortada com golpes de espada após ter sido arrastada por quatro policiais pelas ruas. Ela era acusada de ter violentado sexualmente e matado sua filha de sete anos. O vídeo mostra a mulher gritando repetidas vezes “não matei, não matei” e pedindo clemência.
Um homem vestido de branco com uma espada ritual dá três golpes até dividir a cabeça do restante do corpo. O ministro do Interior da Arábia Saudita afirmou em comunicado que a sentença levava em conta a gravidade do crime. Segundo ativistas de direitos humanos, a prática vem crescendo no país. Foram 78 decapitações em 2013; 87 em 2014 e neste ano já chagaram a sete apenas em janeiro.
Um dos principais fornecedores de petróleo do mundo e importante parceiro comercial dos EUA, a Arábia Saudita geralmente não recebe o mesmo tipo de acusações de violação de direitos quanto outros países árabes. Segundo a lei vigente, vários crimes, incluindo homicídio, violação sexual, adultério ou assalto à mão armada podem ser punidos com pena de morte.
Os métodos mais comuns, são a decapitação e o apedrejamento. Também há casos em que o culpado é açoitado publicamente, como o caso recente do blogueiro Raif Badawi, sentenciado a mil chicotadas e 10 anos de prisão por ter criado um site onde defende o liberalismo, incluindo a diminuição da influencia da religião no país. Ele receberá chicotadas publicamente todas as sextas-feiras – dia sagrado no Islã – durante 18 meses, quando sua pena será completa.
Na Arábia Saudita não existe liberdade religiosa, as igrejas são proibidas e até mesmo carregar uma Bíblia é considerado crime.

Líder de Igreja na Nigéria diz: “o mundo assiste cristãos morrerem como animais”


Líder de Igreja na Nigéria diz: “o mundo assiste cristãos morrerem como animais”
O presidente da Convenção Batista da Nigéria(NBC) diz, se referindo aos cristãos: “O meu povo está sendo morto como animais e todo o mundo está apenas assistindo”. E faz um apelo para que haja intervenção internacional urgente para parar a violência do grupo radical islâmico Boko Haram, que aterrorizam o norte e o leste do país.
Em uma entrevista para Baptist World Alliance (Aliança Batista Mundial), o reverendo Samson Ayohunle  expressou “consternação” com a atitude da comunidade internacional ante a face da tamanha destruição e desumanidade cometida contra o povo nigeriano, mais especificamente aos cristãos no país.
“A mesma seriedade com que está se intervendo contra os ataques do ISIS (Estado Islâmico) na Síria e no Iraque, ou com os problemas causados pelo Taliban no Afeganistão, não está sendo demostrado no caso da Nigéria”, disse Samson.
Ele acusou a comunidade mundial de desvalorizar as vidas dos nigerianos, dizendo: “Isso não importa para o resto do mundo, se Boko Haram continua a matar centenas de pessoas todas as semanas? São essas pessoas menos humana do que aqueles que estão sendo mortas em outro lugar onde eles passaram a intervir diretamente? O meu povo está sendo morto como animal e todo o mundo está apenas assistindo.”
Ayokunle estava respondendo ao mais recente surto de ataques de Boko Haram, um grupo jihadista que busca estabelecer a lei islâmica na Nigéria.
Boko Haram realizou o massacre em Baga no estado nigeriano do nordeste de Borno, no início de janeiro deste ano, fazendo com que um número desconhecido de mortos, embora estimativas variam de dezenas a mais de dois mil. Em abril de 2013, mais de 185 pessoas foram mortas e mais de duas mil casas em Baga foram destruídos como resultado de combates entre as forças armadas nigerianas e Boko Haram.
Até 2014, o grupo matou mais de cinco mil civis em ataques que ocorrem principalmente no nordeste, centro norte e centro da Nigéria. Desde 2009, o Boko Haram raptou mais de 500 pessoas, incluindo o sequestro de 276 estudantes de Chibok em abril de 2014. Estima-se que 1,5 milhão fugiram de suas casas por causa de ameaças e ataques.
“A situação é patética.” Ayokunle declarou. “As principais metas em todos estes ataques são os cristãos primeiros e qualquer outra pessoa que se oponha a eles. Qualquer cidade que entrar, depois de matar os cristãos lá, eles vão em frente para derrubar todas as igrejas não poupando as mesquitas. Grandes cidades cristãs, tais como Gwoza e Mubi entre outros caíram para eles. cristãos em cidades como Michika e Baga também estão na corrida. “
O líder Batista nigeriano disse que “a igreja está sob o cerco de severa perseguição.” Batistas foram diretamente afetadas. “Nenhuma igreja cristã está de pé mais em Mubi, onde mais de dois mil batistas fugiram da cidade através dos Camarões quando Boko Haram atacaram.”
Estes cristãos batistas, disse ele, voltou para a Nigéria através de uma outra cidade chamada Yola no Estado de Adamawa, mas nunca para suas casas novamente. “Eles tornaram-se deslocado e agora estão vivendo em campos de refugiados correndo por comida, sem alojamento decente e nu.”
Ayokunle disse edifícios Batista, incluindo os gabinetes das secretarias de Fellowship Baptist Conferência da NBC, foi queimado em Mubi, e na casa do presidente da conferência foi vandalizado. O presidente da conferência e pastores batistas fugiram para a cidade de Jos, no estado Plateau, outra região que tem sido atacado por Boko Haram. “Nossa Baptist High School, em Mubi foi fechado enquanto Escola nossos Pastores Batistas ‘em outra cidade vizinha, Gombi, foi indefinidamente desligado.”
Ele agradeceu o apoio da oração dos batistas e outros cristãos e solicitou apoio financeiro para ajudar aqueles que foram deslocadas pelos ataques terroristas. “Continue a se juntar a nós em oração para que as portas do inferno não pode prevalecer contra a Igreja de Cristo na Nigéria.”

Manuscrito mais antigo do Novo testamento é encontrado

Há, aproximadamente três anos, uma equipe de cientistas encontrou o que seria a cópia mais antiga de um Evangelho. O fragmento em papiro do livro de Marcos fazia parte da máscara de uma múmia.  A pesquisa foi divulgada na época, mas somente agora conseguiram comprovar a autenticidade do documento.
 
O material está entre os itens de pesquisa da equipe de Craig Evans, doutor em Estudos Bíblicos, que trabalha em parceria com a Universidade Evangelista de Acadia, no Canadá.
 
O grupo reúne mais de 30 especialistas. Para eles, é oficialmente o manuscrito mais antigo do Novo Testamento. Antes da descoberta, as cópias mais antigas eram do segundo século depois de Cristo. Testes indicam que o fragmento do livro de Marcos encontrado pelos cientistas foi escrito entre o ano 80 e 90 d.C.
 
O especialista explica que o papiro era um material muito caro e foi utilizado na confecção da máscara funerária por alguém que, possivelmente, não tinha conhecimento do que se tratava. Usando uma técnica delicada, eles eliminam as camadas de tinta, para, então, ler o conteúdo do material, mesmo após milhares de anos.
 
Questionado sobre como a copia do documento chegou ao Egito, sendo que o Evangelho foi escrito em Roma, Evans esclarece: “No antigo Império Romano, o correio tinha a mesma velocidade de hoje em dia. Uma carta escrita em Roma poderia chegar a um destinatário no Egito poucas semanas depois. Marcos escreveu seu evangelho no final da década de 60 d.C. Logo, seria possível encontrar uma cópia dele no Egito 20 anos depois”.
 
Evans também afirma que existem outros documentos. “Estamos recuperando vários documentos antigos, do primeiro, do segundo e do terceiro século depois de Cristo. Não apenas documentos bíblicos. Há também textos gregos clássicos ou cartas pessoais”.
 
Em relação à cópia do Evangelho de Marcos, ele explica que será revelada somente quando todas as descobertas forem publicadas em uma revista especializada.
 
Cientistas encontram cópia mais antiga do Evangelho
Imagem ilustrativa

FINAL DOS TEMPOS - Garota de 18 anos vai casar com o pai biológico após dois anos de namoro


Foto: Getty Images

O incesto é um dos maiores tabus da sexualidade. A prática é considerada repulsiva na maioria das culturas, mas pode ser mais frequente do que imaginamos. Ainda nos anos 1980, Barbara Gonyo, fundadora de um grupo de apoio para crianças adotadas, cunhou o termo atração sexual genética para definir a atração e sentimentos surgidos entre crianças adotadas e seus pais biológicos.

Por causa da polêmica causada por esse tema, poucas pessoas relatam suas experiências. No entanto, a revista norte-americana New York Magazine traz a história de uma garota de 18 anos, da região dos Grandes Lagos (norte dos EUA) e que vai casar com o pai biológico após um namoro de dois anos.
Segundo o relato da moça, os pais a conceberam aos 18 anos, no baile de formatura do colegial e se separam durante a gestação dela. “Os problemas psicológicos da minha mãe contribuíram para o término do relacionamento. Criada pelos avós maternos, a menina pouco teve contato com o pai - as visitas eram marcadas por discussões do casal.
Quando ela tinha 15 anos, o pai escreveu a ela. Ela comentou sentir falta do pai e a mãe perguntou a ela como era possível sentir falta de alguém que que ela mal conhecia. De acordo com a menina, “a mãe sempre se relacionava com caras errados e ela não se sentia próxima dos padrastos - eu sentia falta de uma figura paterna”.
Apenas aos 17 anos, ela pôde reencontrar o pai. Controladora, a mãe tinha a senha de acesso ao Facebook da jovem. Quando o pai a adicionava no Facebook, o pedido era rejeitado pela mãe. Após o contato via Internet, eles começaram a se ver pessoalmente - o pai mora a 30 minutos da casa da mãe.
Depois de um tempo, ela pediu para passar uma semana com o pai - ele morava com a namorada. Na quarta noite, eles se beijaram e ela acabou perdendo a virgindade com o pai biológico. “Não me senti estranha, foi como se eu estivesse fazendo amor com um homem com quem eu estava junto há anos”.
Em seu depoimento, ela diz que a família materna os vêem como pai e filha, já a família paterna os vê como um casal. Eles pretendem se mudar para Nova Jersey, pois lá o incesto entre adultos não é considerado ilegal. O casal também deseja ter filhos biológicos e não teme riscos à saúde do bebê. O que você acha da história?




VIA  GRITOS  DE  ALERTA / INF. YAHOO

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...