quarta-feira, 21 de maio de 2014

PF faz operação contra pedofilia na internet; cinco são presos em flagrante


A PF (Polícia Federal) cumpriu na manhã desta quarta-feira (21) 40 mandados de busca e apreensão em 14 Estados brasileiros, como parte de uma ação contra a pornografia infantil pela internet.

O primeiro balanço da operação Proteja Brasil informa que cinco pessoas foram presas em flagrante (duas no Rio Grande do Sul, uma em Goiás, uma em Minas Gerais, uma no Paraná).

Cerca de 200 policiais federais cumpriram os mandados. Além dos Estados onde foram efetuadas as prisões, a operação foi realizada em Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Pernambuco, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins.

"A deflagração, coordenada pela Urcop [Unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil pela Internet] é parte de um plexo de ações de prevenção e repressão da PF, com o objetivo de conter os crimes de abuso e violência sexual infantojuvenil no Brasil, principalmente no período da Copa do Mundo", diz o comunicado. O foco é o combate à difusão de imagens de pedofilia pela internet.

Os investigados que mantiverem esse conteúdo armazenado em seus computadores podem ser presos em flagrante, como previsto no artigo 241-B do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). Para esses casos, a pena é a reclusão de um a quatro anos, além de multa.

De janeiro de 2013 até hoje, informa a PF, foram instaurados 1.441 inquéritos para investigar crimes de pornografia infantil. A polícia também informa que cem pessoas foram detidas pelo crime de pedofilia em suas três últimas operações para combater a exploração sexual de crianças e adolescentes (Glasnost, Pureza 2 e Infância Segura).

Fonte: UOL

Polícia Civil cumpre mandado contra falsa loja maçônica


Estimativa é de que o grupo em um luxuoso templo maçônico em forma de castelo tenha dado golpe de mais de R$ 4 milhões.

Policiais civis da Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas (DEDC) deflagraram, na manhã desta quarta-feira (21), a Operação Castelo de Areia, nas cidades Curitiba e Campo Largo. A Grande Loja Mista do Rito Memphis-Misraim, um luxuoso templo maçônico em forma de castelo, localizada em Campo Largo, era a sede de um grupo de maçons irregulares, não reconhecidos pela Maçonaria. Estima-se que eles deram um prejuízo em torno de R$ 4 milhões. Foram presas sete pessoas e cumpridos onze mandados de busca e apreensão.

Open in new windowSegundo o delegado-adjunto da Delegacia de Estelionato e Desvio de Carga (DEDC), Matheus Laiola, foi erguido um luxuoso templo no formato de um castelo em Campo Largo, para que lá fossem realizadas reuniões de uma pseudo Maçonaria. O casal Samuel Mineiro da Trindade, 34 anos, e Bianca Moreira da Silva, 28 anos, eram responsáveis pela Loja Maçônica. Eles e outras seis pessoas, também presas na manhã desta quarta, participavam da organização criminosa.

De acordo com as informações da Polícia Civil, esse grupo usava programas de TV, para anunciar a associação à rede, veiculado em um canal de televisão e no site www.grandeloja.org.br, para anunciar a associação à rede onde as vítimas eram convidadas a investir em um negócio que lhe daria ótimo rendimento. “Era utilizada a estrutura da suposta Maçonaria e de seus membros como pano de fundo para tentar dar credibilidade aos negócios”, disse Laiola. Prometia-se lucros aos participantes, que inicialmente teriam que contribuir para poder entrar e na sequência eram lesados, algo aos moldes de uma pirâmide.

Trindade e Bianca apresentavam o programa na televisão vestidos de maneira a dar um ar de seriedade e ao mesmo tempo de ostentação. Eles posavam para fotos que seriam postadas no site vestidos com roupas luxuosas e ao lado de carros valiosos.

Depois de conseguirem a vantagem ilícita, eles começavam a se esquivar do pagamento, momento em que a vítima percebia ter caído em um golpe.

As possibilidades de investimentos eram nos negócios da Grande Loja Mista do Rito de Memphis-Misraim, como venda de material de iniciação, apostilas que ensinam os rituais, CDs com mensagens, programa na TV que permite angariar novos adeptos, dentre outros. “Os membros que se apresentavam às vítimas estavam sempre com veículos de luxo, ostentando riqueza”, lembrou Laiola. “Foi montada toda uma estrutura criminosa, com divisão de tarefas de cada indivíduo, para, juntos, lesarem o patrimônio alheio. Representamos pelas prisões preventivas de todos os envolvidos e diversos mandados de busca e apreensão, tendo o Ministério Público concordado e o Judiciário aceito integralmente”, disse o delegado.

“Conseguimos apreender diversos documentos durante o cumprimento dos mandados comprovando o que estávamos investigando. Apreendemos, inclusive, uma arma de fogo com um dos investigados, que acabou sendo preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Esta é mais uma Operação da DEDC em que acabamos desmantelando uma outra Quadrilha que agia no Paraná”, explicou o delegado-titular da DEDC, Marcelo Lemos de Oliveira.

Além de Trindade e Bianca, foram presos preventivamente José Geraldo Ferreira, 55 anos, Marcelo Lopes Reinecken, 33 anos, Edson da Cunha Souza, 52 anos, Paulo Henrique Costa, 49 anos, e Eloir Antônio Padilha, 52 anos. Também foi feita apreensão de armas e dinheiro.

Até o final da manhã, a Polícia havia identificado 20 vítimas do golpe. Cerca de 50 policiais de diversas delegacias da região cumprem 17 mandados.

Fonte: Bem Paraná

HEREGE - Mark Driscoll diz que Jesus também cometeu erros

O professor de psicologia e blogueiro evangélico Warren Throckmorton está acusando o conhecido pastor Mark Driscoll, da Mars Hill Church de Seattle, de ter apagado “parte do sermão questionável”.
Em uma mensagem recente, chamada “Capacitado pelo Espírito para falhar”, Driscoll pregou cerca de 6 minutos sobre o que ele mesmo classificou como possível heresia. O material original tem cerca de 57 minutos de duração, mas Throckmorton conseguiu cópia de um trecho omitido pelo site oficial da igreja.
Semanalmente os sermões de Driscoll são disponibilizados na íntegra em vídeo, áudio e texto através do site da igreja. Desta vez, parece que membros da direção da igreja teriam concordado com a edição que foi disponibilizada para o público.
A questão é uma fala do pastor sobre o fato de Jesus Cristo, sendo homem, ter cometido erros. Embora faça uma distinção entre “erros” e “pecados”, Throckmorton afirma que o que está em questão é a integridade do ensinamento de Driscoll. Recentemente, o conhecido pastor esteve envolvido em uma grande polêmica por ter fraudado os rankings de livros mais vendidos no país para promover suas obras e entrar na lista de best sellers do jornal New York Times.
Ele falava sobre o trecho de Atos 6, quando os apóstolos erraram ao não dar a mesma atenção para aos necessitados gregos da igreja que destinavam aos judeus. O argumento do pastor era que Cristo não deve ter feito tudo corretamente na primeira tentativa (ou seja, Jesus cometeu erros, mas nunca pecou).
Ele introduz a argumentação com uma frase que chama atenção “O que eu vou dizer a vocês agora pode ser uma heresia. Não tenho certeza. Vamos ver….  Jesus nunca pecou, verdade? Bom, vocês foram bem ensinados, eu acho. Ok, Ele nunca violou qualquer mandamento da Bíblia, mas a questão é… estão prontos? É possível que tenha cometido erros?”
Citando o livro de Lucas, lembrou que Cristo “crescia em sabedoria, estatura e graça diante de homens e de Deus”, e que isso significava que Jesus passou por um processo de aprendizado e isso inclui erros. A guisa de ilustração, descreveu como teria sido a infância de Jesus. Elaborou como Cristo, enquanto criança, tinha dificuldades iguais a de todas as crianças.
E elencou: Jesus não conseguia andar de bicicleta sem rodinhas na primeira vez que tentou. Também não conseguiu escrever corretamente da primeira vez quando aprendia algo nas escola, precisando apagar e corrigir. Por fim, levantou a hipótese de que ele não era um arremessador perfeito no time de beisebol da escola, perdendo algumas bolas.
Obviamente os exemplos de Driscoll serviam para fortalecer seu argumento usando elementos contemporâneos. Para Throckmorton, o grande problema é a influência que o pastor da Mars Hill tem sobre os evangélicos jovens em todo o mundo, uma vez que seus vídeos são muito divulgados pela internet.
Para seus críticos, Driscoll errou ao tentar usar possíveis erros de Jesus quando jovem como justificativa para os líderes errarem também. Essa seria uma maneira de Driscoll justificar seus próprios erros, atacando o que chamou de “perfeccionismo religioso” ao qual Cristo não estaria sujeito.
Throckmorton questiona duas coisas: 1) se Driscoll não tinha certeza e até mesmo considerou a possibilidade de estar ensinando heresia por que foi em frente? 2) Se considerava seu argumento correto, por que apagou posteriormente este trecho?
Obviamente um único trecho de uma das centenas mensagens não invalida a contribuição de Driscoll, mas o fato de Dave Kraft, um ex-pastor do ministério Mars Hill, que saiu recentemente por motivos não esclarecidos, estar criticando a postura de seu ex-chefe, questionando sua integridade, deixa no ar uma desconfortável suspeita. Com informações The Blaze e Patheos.
O vídeo com os 6 minutos apagados por Driscoll pode ser visto abaixo (em inglês):
GP

Jovem morre 24 horas após recusar se converter ao islã

Um laudo assinado por um médico legista acabou com a hipótese de suicídio apontada como a causa da morte do jovem cristão paquistanês Haroon Haidar, morto a tiros em abril deste ano.
O acusado pelo homicídio afirmou que Haidar havia se suicidado, mas o relatório médico aponta que o cristão sofreu duas lesões no crânio, resultados de dois tiros separados. O primeiro tiro foi fatal, mas o autor ainda conseguiu disparar mais uma vez.
O pai de Haroon, Haidar Masih, nunca acreditou na hipótese de suicídio e afirmou para as autoridades do Paquistão que seu filho, que era casado e pai de duas crianças, sofreu ameaças um dia antes de morrer. Um colega de trabalho havia se irritado por tentar obrigá-lo a se converter ao islã sem ter sucesso.
O acusado é Umar Farooq, a única pessoa que estava no prédio onde Haroon morreu. Umar é segurança do prédio em construção onde o jovem cristão, que tinha 24 anos, trabalhava como varredor.
À polícia Farooq afirmou que foi ao banheiro e deixou sua espingarda na mesa, o cristão teria pegado a arma e atirado contra sua própria cabeça, morrendo no local. O pai de Haroon não acreditou na versão dada pelo segurança. “A polícia me informou que o guarda disse que, assim que ouviu o barulho, correu lá embaixo, onde ele viu que Haroon tinha se suicidado, atirando na testa com a arma”, afirmou ele para o World Watch Monitor.
Quando a família pode ver o corpo, ficou impressionada com a forma como Haroon foi encontrado: “Todo o crânio acima das sobrancelhas tinha sido arrancado, enquanto o corpo estava na postura sentada no sofá”, disse Khalid Shehzad, diretor de um centro social em Lahore que fornece alimentação, educação e assistência jurídica para os cristãos.
Shehzad mora próximo de Haidar Masih e conseguiu falar com amigos próximos e com a viúva de Haroon que fez muitos elogios ao marido e afirmou que estavam vivendo uma ótima fase, sendo impossível que ele tivesse o desejo de tirar a própria vida.
Haidar Masih não teve dúvidas de que Umar é o assassino de seu filho. A vítima chegou a se queixar das tentativas de conversão que vinha sofrendo e também das ameaças. “O guarda de segurança do banco, Umar Farooq, o forçou a se converter ao islã e em caso de recusa, ele iria matá-lo”, testemunhou o pai.
O primo de Haroon Haidar, Parvaiz Babloo, que trabalha no hospital Mayo da Universidade Médica King Edward afirma que os policiais chegaram a pedir aos médicos que o laudo da morte fosse registrado como suicídio, mas a equipe não aceitou. “O médico claramente recusou e pediu à polícia que primeiro registrasse um caso criminal, e em seguida, a autópsia podia ser realizada”, disse Babloo. Os funcionários do hospital não tinham dúvidas de que o caso era assassinato e não homicídio.

GP

Comissão aprova Lei da Palmada,

Depois de acordo com a bancada evangélica, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou nesta quarta-feira, em caráter terminativo e em votação simbólica, a chamada Lei da Palmada, que visa a coibir o emprego de castigo físico, tratamento cruel ou degradante contra crianças e adolescentes. A proposta segue agora para o Senado.
Após quatro anos de tramitação, foi feito um acordo para deixar claro no texto que o projeto refere-se a sofrimento físico. Deputados evangélicos resistiam à proposta por considerá-la uma interferência do Estado na educação familiar.
- O projeto cria regras para proteger as crianças contra tortura, tratamento humilhante. Tem criança sendo queimada com ferro, com colher, sendo espancada e morta. Não há punição para os pais, é só orientação - afirmou o relator, deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

Os deputados decidiram batizar o projeto de “Lei Menino Bernardo”, em homenagem a Bernardo Boldrini, assassinado no Rio Grande do Sul. Os principais suspeitos do crime são o pai e a madrasta.
A primeira sessão realizada nesta quarta-feira, pela manhã, para tentar votar a Lei da Palmada foi tumultuada, e a apresentadora de TV Xuxa Meneghel, que acompanhava a tentativa de votação, chegou a ser hostilizada por um deputado da bancada evangélica.
- A conhecida Rainha dos Baixinhos em 1982 provocou a maior violência contra as crianças em um filme pornô - disse o deputado Pastor Eurico (PSB-PE).
Xuxa, que apoiou o projeto, riu e fez um sinal de coração com as mãos na direção do deputado. Ela não tinha direito à palavra, por não ser parlamentar, e não deu declarações ao deixar o local. O presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), pediu que a agressão seja retirada das notas taquigráficas.
Depois desse episódio, o PSB substituiu Pastor Eurico pelo deputado Júlio Delgado (MG) na CCJ, mas o líder do PMDB, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou, de acordo com participantes da reunião em que foi fechado o acordo para a votação, que cederá uma vaga de seu partido na comissão para ele continuar como membro da Comissão de Constituição e Justiça.
Em nota do líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (PSB-RS), o partido afirmou que a conduta de Pastor Eurico foi "intolerante, desrespeitosa e desnecessariamente agressiva” e não representa de forma alguma o pensamento do PSB, que manifesta “apreço e respeito pelo empenho da referida artista, que deseja aprovar a lei que propõe a cultura da não agressão”. Beto Albuquerque afirmou ainda que o episódio foi constrangedor.
O projeto estabelece que a criança e o adolescente têm o direito de ser educados e cuidados sem o uso de castigo físico ou de tratamento cruel ou degradante. A sanção mais dura imposta pela Lei da Palmada é uma advertência. Há previsão também de medidas como encaminhamento para tratamento psicológico ou psiquiátrico.


G1

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...