segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A Escola do Deserto

Rev. Hernandes Dias LopesDeus treina seus líderes mais importantes na escola do deserto. Moisés, Elias e Paulo foram treinados por Deus no deserto. O próprio Jesus antes de iniciar o seu ministério passou quarenta dias no deserto. O deserto não é um acidente de percurso, mas uma agenda de Deus, a escola de Deus. é o próprio Deus quem nos matricula na escola do deserto. O deserto é a escola superior do Espírito Santo, onde Deus trabalha em nós antes de trabalhar através de nós. Deus nos leva para essa escola não para nos exaltar, mas para nos humilhar. Essa é a escola do quebrantamento, onde todos os holofotes da fama se apagam e passamos a depender total e exclusivamente da graça de Deus e da provisão de Deus e não dos nossos próprios recursos. Destacaremos, aqui, três verdades importantes:
1. Na escola do deserto aprendemos que Deus está mais interessado em quem somos do que naquilo que fazemos - Deus nos leva para o deserto para falar-nos ao coração. No deserto ele nos humilha não para nos destruir, mas para nos restaurar. No deserto, Deus trabalha em nós antes de trabalhar através de nós, provando que ele está mais interessado em nossa vida do que em nosso trabalho. Vida com Deus precede trabalho para Deus. Motivação é mais importante do que realização. Nossa maior prioridade não é fazer a obra de Deus, mas ter intimidade com o Deus da obra. O Deus da obra é mais importante do que a obra de Deus. Quando Jesus chamou os doze apóstolos, designou-os para estarem com ele; só então, os enviou a pregar.
2. Na escola do deserto aprendemos a depender mais do provedor do que da provisão – Quando o profeta Elias foi arrancado do palácio do rei e enviado para o deserto, ele deveria beber da fonte de Querite e ser alimentado pelos corvos. Naquele esconderijo no deserto, o profeta deveria depender do provedor mais do que da provisão. Deus o sustentaria ou ele pereceria. Deus nos leva para o deserto para nos mostrar que dependemos mais dos seus recursos do que dos nossos próprios recursos. é fácil depender da provisão quando nós a temos e a administramos. Mas na escola do deserto aprendemos que nosso sustento vem do provedor e não da provisão. Quando nossa provisão acaba, Deus sabe onde estamos, para onde devemos ir e o que devemos fazer. A nossa fonte pode secar, mas o manancial de Deus jamais deixa de jorrar. Os nossos recursos podem escassear, mas os celeiros de Deus continuam abarrotados. Nessas horas precisamos aprender a depender do provedor mais do que da provisão.
3. Na escola do deserto aprendemos que o treinamento de Deus tem o propósito de nos capacitar para uma grande obra – Todas as pessoas que foram treinadas por Deus no deserto foram grandemente usadas por Deus. Quanto mais intenso é o treinamento, mais podemos ser instrumentalizados pelo Altíssimo. Porque Moisés foi treinado por Deus quarenta anos no deserto, pôde libertar Israel da escravidão e guiar esse povo rumo à terra prometida. Porque Elias foi graduado na escola do deserto pôde enfrentar, com galhardia, a fúria do ímpio rei Acabe e trazer de volta a nação apóstata para a presença de Deus. Porque Paulo passou três anos no deserto da Arábia, ele foi preparado por Deus para ser o maior líder do Cristianismo. Quando Deus nos leva para o deserto é para nos equipar e depois nos usar com graça e poder em sua obra. Deus não desperdiça sofrimento na vida dos seus filhos. Ele os treina na escola do deserto e depois os usa com grande poder na sua obra. Não precisamos ter medo do deserto, se aquele que nos leva para essa escola está no comando desse treinamento. O programa do deserto é intenso. O curso é muito puxado. Mas, aqueles que se graduam nessa escola são instrumentalizados e grandemente usados por Deus!

Hernandes Dias Lopes, casado com Udemilta Pimentel Lopes e pai de Thiago e Mariana. Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul, em Campinas e Doutor em Ministério pelo Reformed Theological Seminary, Jackson, Mississippi, EUA. Pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória desde 1985, diretor executivo da LPC, conferencista com mais de 80 livros publicados.
http://www.hernandesdiaslopes.com.br

Cristãos árabes enfrentam onda de perseguição

Cristãos no oriente correm o risco de desaparecer na região onde o cristianismo começou, com o nascimento de Jesus Cristo.

Os cristãos árabes vivem uma crise demográfica. Dos montes do Líbano aos caldeus iraquianos, passando pela Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, o cristianismo oriental enfrenta uma das maiores adversidades de sua história, com perseguições em Bagdá e no Cairo e emigração em massa em Beirute, nos territórios palestinos e em Israel.

Na capital do Iraque, a catedral da Nossa Senhora da Salvação era o coração dos cristãos caldeus, que vivem no país há mais de mil anos. Em novembro, um atentado terrorista matou 51 pessoas dentro do templo, sinal de que os cristãos não vivem mais em paz no Iraque.

Como em quase todo o restante do Oriente Médio, eles correm o risco de desaparecer justamente na região onde o cristianismo começou, com o nascimento de Jesus, em Belém. Nos tempos de Saddam Hussein, que tinha o cristão Tarek Aziz como seu número dois no governo, os caldeus eram protegidos, disseram eles ao jornal O Estado de S. Paulo. Mas, com os ataques dos últimos meses, centenas de milhares emigraram para os países vizinhos.

Os cristãos egípcios, que por décadas conviveram bem com os muçulmanos, entraram em conflito no Cairo e em Alexandria. Em Israel e nos territórios palestinos, os cristãos são cada vez mais minoritários e buscam refúgio e melhores condições econômicas em outras terras, como os Estados Unidos. Mesmo no Líbano, onde por lei o presidente e metade do Parlamento têm de ser cristãos, a situação se deteriorou.

Fonte: Estadão

Escândalos de pedofilia provocam êxodo de fiéis da Igreja Católica

Dezenas de milhares de alemães cancelaram sua filiação à Igreja Católica em 2010. Escândalos de abuso sexual parecem ser motivo central de deserções.

O número de alemães que abandonaram a Igreja Católica em 2010 é superior, em vários milhares, ao dos anos anteriores, revelou um estudo realizado pelo jornal Frankfurter Rundschau. Há indicadores de que a motivação central dos fiéis tenha sido a recente onda de escândalos de abuso sexual de menores.

A diocese de Augsburg, na Baviera, acusou uma das piores cifras: até meados de dezembro, 11.351 de seus fiéis desertaram, contra 6.953 em 2009. Seu antigo bispo, Walter Mixa, foi forçado a renunciar em abril último, devido a acusações de abuso físico e fraude.

Em Rottenburg-Stuttgart, no sudoeste do país, 17.169 católicos deixaram a diocese até meados de novembro de 2010, quase 7 mil a mais do que no ano anterior. Trier, Würzburg, Osnabrück e Bamberg igualmente acusaram altas taxas de deserção.

Efeito financeiro
Os indícios iniciais são de que os católicos alemães desgostosos com os escândalos e com a forma como a Igreja tem lidado com os mesmos estão indo buscar consolo em outras denominações cristãs.

Nos últimos meses, a instituição vem tomando medidas para tentar prevenir futuros casos de abuso sexual e lançar luz sobre ocorrências passadas. Entretanto, vozes críticas alegam que a reação é lenta demais, e que os líderes católicos continuam empenhados em impedir que os criminosos do passado venham a enfrentar a Justiça.

O êxodo tem efeito direto sobre as finanças da Igreja Católica, já que, na Alemanha, um imposto eclesiástico é automaticamente descontado do salário de cada fiel registrado.

Culpa não reconhecida
"Cada partida que ocorre é uma demais", lamentou o bispo de Würzburg, Friedhelm Hofmann, numa entrevista em que sugeria que os pedófilos teriam papel central na onda de deserções.

"Espero que algumas pessoas retornem a nós, uma vez que a ira pelos acontecimentos recentes tenha cedido, e elas voltem a se concentrar em todas as coisas boas que a Igreja faz a cada dia", acrescentou o prelado.

Por outro lado, certos líderes católicos ainda se declaram céticos de que a redução do número de fiéis na Alemanha em 2010 esteja relacionada às manchetes negativas sobre os membros da instituição. "Via de regra, uma deserção oficial é a culminância de um processo mais extenso de estranhamento", argumentou o bispo Hermann Haarmann, de Osnabrück.

Fonte: DW World

Pastor da Comunidade Evangélica foi proibido por Luxemburgo de entrar na concentração para liderar culto com os jogadores, em contrapartida, o pai de santo Robério de Ogum está morando num apart hotel próximo à concentração do Flamengo na Barra da Tijuca.

Pai-de-santo e Pastor travam 'guerra santa' no Flamengo de Luxemburgo

O Flamengo está à beira de uma guerra santa. De um lado o pai de santo Robério de Ogum, amigo e conselheiro do técnico Vanderlei Luxemburgo. Do outro, o pastor Fernando, da Comunidade Evangélica Até Aqui Nos Ajudou o Senhor do Recreio dos Bandeirantes, muito próximo de alguns jogadores do atual elenco.

Luxemburgo é aconselhado por seu amigo e pai-de-santo Robério de Ogum

Tudo começou com a chegada do treinador ao clube e com uma entrevista de Robério ao jornal "Extra", no sábado passado. E esquentou nesta terça-feira, quando o pastor Fernando postou fotos ao lado de jogadores do Flamengo no Twitter e reenviou um post de um seguidor chamado jogadordecristo. Na mensagem, está anexado o link da entrevista.

"Agora entendemos porque o pastor Fernando foi proibido por Luxemburgo de entrar na concentração do Flamengo. Brincadeira", escreveu o jogadordecristo, em mensagem reenviada pelo pastor aos seus seguidores.

Robério afirma na entrevista ter feito trabalhos para Vanderlei Luxemburgo na reta final do Campeonato Brasileiro, quando o time brigou para não ser rebaixado. Ele ainda toma para si a derrota do Goiás para o Indepediente na final da Copa Sul-Americana, que colocou o Flamengo na competição em 2011.

"O Flamengo estava muito carregado espiritualmente. De uma hora para outra, o Lomba começou a falhar, o Juan, os atacantes não acertavam mais nada. Só que não adianta cuidar de todos os jogadores, é preferível proteger, iluminar o comandante. Eu dizia que o time chegaria à Sul-Americana, mas depois do empate com o Santos, desconfiaram. Só que faltava o jogo do Goiás. E o que aconteceu? Os orixás ajudaram o time", disse Robério ao "Extra".

Ao fim do dia, o pastor Fernando ainda trocou mensagens com o zagueiro David via Twitter. Ele avisou que precisava entrar em contato. A resposta do jogador foi a seguinte: "Você tem o meu telefone". Mais uma prova da proximidade entre eles.

O início da crise

Pastor Fernando sempre frequentou a concentração do Flamengo e costumava liderar cultos às vésperas dos jogos com alguns jogadores do elenco. Com a chegada de Luxemburgo, sua entrada no hotel foi proibida, sob a alegação de que poderiam querer levar pai de santo, padre e outros representantes de religiões.

Na época, pastor Fernando concordou e entendeu o argumento de Luxemburgo. Mas, com a revelação de Robério, a situação se complicou. O pai de santo, inclusive, está morando num apart hotel próximo à concentração do Flamengo na Barra da Tijuca.



Com informações Esporte iG / Extra Online

 

Agência: Milhares de cristãos fugiram do Iraque Central


 
 
Igrejas e cristãos de Bagdá recebem ameaças freqüentes  
  A agência de Refugiados das Nações Unidas relatou que milhares de cristãos iraquianos estão fugindo do Iraque Central e buscando refúgio na região norte do país.

Cerca de 1000 famílias têm fugido de Bagdá e Mosul para a região controlada de Kurdish e Planícies de Nineveh no norte, de acordo com o Alto Comissariado para Refugiados das Nações Unidas (UNHCR, sigla em inglês). Um número crescente de cristãos iraquianos tem também cruzado a fronteira para a Síria, Jordão e Líbano.

A agência expressou preocupação com relação à Suécia ter repatriado forçosamente um grupo de 20 iraquianos, incluindo 5 cristãos de Bagdá, depois de seus pedidos de asilo serem rejeitados.

“A UNHCR reiterou fortemente o seu apelo aos países para absterem-se de deportar os iraquianos das partes mais perigosas do país,” falou Melissa Fleming, porta-voz chefe da agência, aos repórteres em Genova na sexta-feira.

Um cristão disse aos oficiais que escapou do Iraque em 2007 depois de receber ameaça de morte de milicianos. Ele viajou por todo o Oriente Médio e Europa antes de finalmente chegar à Suécia.

O homem disse que pediu asilo político três vezes em 2008 mas todos eles foram rejeitados porque não se considerou que ele estava pessoalmente visado.

Alguns foram rejeitados por causa da melhora das condições de segurança no Iraque.

Saída do país

“O êxodo lento, porém constante” dos cristãos se iniciou em 31 de outubro com o ataque mortal na Igreja Católica da capital do Iraque e ataques subsequentes. Pelo menos 58 pessoas morreram quando militantes armados, alguns vestindo coletes suicidas, invadiram a Igreja Nossa Senhora da Salvação durante a Missa de Domingo.

“Nós temos ouvido muitos testemunhos de pessoas fugindo de suas casas depois de receberem ameaças diretas. Alguns foram capazes de agarrar somente alguns de seus pertences com eles,” disse Fleming.

“Nossos escritórios distribuíram ajuda de emergência e estão em contato com as autoridades locais para assegurar que os cristãos que se deslocaram recentemente, estejam sendo apoiados e assistidos.”

Muitos dos cristãos iraquianos que recentemente chegaram à Síria, Jordão e Líbano, disseram aos escritórios da UNHCR que partiram com medo, como resultado do ataque violento em 31 de outubro.

A agência de refugiados disse que as Igrejas e organizações não governamentais os têm alertado a esperar que mais pessoas fujam nas próximas semanas.

Na quarta-feira, o Vice-Presidente dos EUA Joe Biden disse em seu discurso antes do Conselho de Segurança, que a frequência dos ataques violentos tem alcançado seu nível mais baixo desde que o governo dos Estados Unidos entrou no Iraque em 2003.

Mas ele reconheceu que “os ataques pelos extremistas” permanecem entre desafios enfrentados pelas forças de segurança no Iraque e expressaram preocupação particular pelos ataques dirigidos às pessoas de fé, incluindo cristãos e muçulmanos.

Proteção

A UNHCR disse reconhece os esforços que o governo do Iraque está fazendo para tentar proteger todos os cidadãos, incluindo grupos de minoria vulneráveis tais como os cristãos.

“O Iraque reiterou seu compromisso de aumentar a proteção dos lugares de culto,” disse Fleming.

Apesar do número de vítimas civis ser inferior em relação ao ano passado, grupos minoritários estão cada vez mais suscetíveis a ameaças e ataques, acrescentou ela.
Fleming reiterou a posição da UNHCR de que os requerentes de asilo que vêm das províncias de Bagdá, Diyala, Nineveh e Salah-al-Din, no Iraque, bem como da província de Kirkuk, não devem retornar e devem ser “considerados cuidadosamente” dada a “violência ainda em alto nível” em todo o Iraque.

“A UNHCR considera sério que – incluindo indiscriminação – ameaças à vida, integridade física ou liberdade resultantes da violência ou eventos que seriamente perturbam a ordem pública, são razões válidas para a proteção internacional,” disse Fleming.





Fonte: Christian Post
 

A igreja e corrupção

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. “De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” (Ruy Barbosa).
:: A igreja e corrupção
O Brasil tem sofrido duras penas nesses últimos tempos por causa da corrupção que está instaurada em todos os setores e camadas da sociedade. Nunca na historia do nosso país tivemos tantas “CPI” de corrupção como na atualidade. O brasileiro já está calejado com tantos escândalos. Roubo, extorsão, falcatruas e mentira parecem fazer parte do dia-a-dia do brasileiro.  A igreja evangélica que deveria ser sal nessa terra corrompida parece ter se adaptado à tendência da modernidade. A gente não vê a igreja fazendo diferença no mundo, ao contrario, percebemos que as praticas mundanas estão invadindo a igreja. Infelizmente a corrupção também já rompeu a barreira eclesiástica. Lideres religiosos que deveriam ser exemplo de honestidade num país famigerado, tem figurado as paginas policial dos jornais do nosso país. Malas Pretas, Mensalões e Dizimões passeiam pelos corredores das nossas igrejas. É vergonhoso o que está acontecendo no cenário evangélico. Pregadores com promessas politiqueiras de soluções aos dramas do povo se levantam anunciando em alto tom que Deus resolverá os problemas das pessoas, bastando que eles tomem um envelope nas mãos e consagrem uma oferta de sacrifício. Usam o nome Deus para coagir trabalhadores honestos a depositarem seus salários no banco do céu. O discurso é sempre o mesmo: - “Deus me disse que temos pessoas em nosso meio que consagrarão uma determinada quantia ao Senhor”. Interessante é que Deus só fala com eles, nunca com quem vai ofertar. |Imagine uma pessoa chegando para você dizendo: - O Senhor me disse que você tem que consagrar R$ 1000.00 para o meu ministério. Ora o Senhor que venha falar comigo! Se Abraão estivesse vivo bem que ele poderia solicitar o pagamento de uma indenização por exploração de imagem, pois não existe um personagem que seja tão explorado quanto ele para manipulação das ofertas de sacrifício. Quem nunca ouviu falar dos quatro gafanhotos do inferno, parece titulo de filme de terror. Cuidado como o cortador, migrador o devorador e o destruidor eles estão atrás do seu patrimônio. O problema é que repreendemos os quatro gafanhotos e nos esquecemos do quinto que mata os quatro para ficar com o dinheiro do povo em nome de Deus.  Esposas, filhos, genros e parentes de pastores ocupam os melhores cargos e posições no mercado eclesiástico. Pastores nomeiam seus parentes, que ganham considerados salários  para trabalhar na igreja, pessoas que se estivessem no mercado de trabalho não teriam capacidade profissional para ganhar um terço do salário que granjeiam nas igrejas. Com o argumento de que precisam de gente de confiança ao lado deles, ou seja, o mesmo argumento que prefeitos e deputados usam para entulhar seus gabinetes e departamentos de parentes e amigos. |Isso é pecado de corrupção! É Nepotismo. Lideres evangélicos ostentam patrimônios que não são condizentes com a sua realidade econômica. Quando o povo não oferta são materialistas, mas quando suas contas estão recheadas com dinheiro santo de dízimos e ofertas, ai  o obreiro é digno do seu salário! Dia desses presenciei numa igreja um pastor levantando oferta para compra de um terreno, e naquela mesma semana enquanto o povo trazia o dinheiro para compra do terreno ele comprava um belo e caríssimo apartamento no litoral. Por que somente o povo tem que abrir mão do que ganha por interesse do reino enquanto os lideres se preocupam somente em garantir o seu futuro? Não quero desestimular ninguém a contribuir com o reino de Deus. É nossa obrigação. Devemos fazer isso com amor. A oferta e o dizimo fazem parte do nosso relacionamento com Deus. O que eu quero é denunciar esse jogo da fé que tem atraído milhares de apostadores. Chamo de apostadores porque a atitude dessas pessoas que se deixam ludibriar pelo apelo desses encantadores é a mesma dos famigerados apostadores da mega sena. Por que uma pessoa joga semanalmente há 30 anos sem nunca ganhar e cultiva sempre a esperança de que a próxima aposta será premiada? É simples. Sempre tem um ganhador que abraça o prêmio milionário, e o pensamento que se forma é o de que: poderia ter sido eu. O mesmo processo acontece dentro das igrejas em relação às ofertas milagrosas, apresenta-se o testemunho das pessoas e em seguida o desafio: venda tudo o que você tem e traga e o milagre acontecerá! E se não acontecer faltou fé, mas, não se preocupe você terá uma nova chance, afinal existem muitas fogueiras santas queimando por ai...
Sabe o que eu me pergunto diariamente? Se Jesus morasse em Curitiba, onde a gente encontraria Jesus? Será que Jesus estaria nos ricos e caros hotéis 5 estrela que no fim são chamados de jantares evangelísticos? Se Jesus morasse em Curitiba, Onde ele estaria?  Nos lugares de sucesso e de status? Na Boca maldita fazendo loby? Não! Não! Não! Jesus estaria nos asilos dos velhos escondidos nas quebradas dessa cidade que ninguém conhece. Jesus estaria nos corredores dos hospitais de indigentes que estão morrendo. Sabe onde estaria Jesus? Ele estaria nas favelas mais sujas e pobres dessa cidade. Estaria nos cortiços dessa vida, nos lugares aonde ninguém queria colocar o pé. É Lá que estaria Jesus com a sua benção e com seu amor.
Jesus estabeleceu qual deve ser o compromisso ou a prioridade do cristão: buscar em primeiro lugar o reino de Deus. Desejai as coisas grandes (as mais importantes), e as coisas pequenas vos serão acrescentadas. Não vale apenas construir um patrimônio material particular em detrimento da pobreza espiritual. Quando buscamos a vontade de Deus para nossa vida, todas as outras necessidades nos são atendidas pela providencia de Deus.

Profeta não é aquele que só anuncia profeta também denuncia!

Crivella classifica de sandice fala de Cabral sobre a ‘gravidez da namoradinha

O argumento do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, de que a maioria dos homens brasileiros já engravidou “a namoradinha” foi definido pelo senador Marcello Crivella (PRB-RJ) como desqualificado e impossível de ser superado por ser uma completa sandice. Em discurso realizado, nesta sexta-feira, na tribuna do Senado, Crivella disse que o momento vivido pelo país não favorece esse tipo de raciocínio.
- Namoradinha… a que situação humilhante se reduz a alma feminina em plena ‘Era Dilma’, sobre a qual repousa a sagrada missão de sintetizar na sua personalidade as resistências morais e de caráter da mulher brasileira – lastimou Crivella em seu discurso.
Ele reconheceu que o Brasil vive um momento de expansão das paixões, o que considera inevitável no processo da evolução social da nação. Admitiu que enfrenta-se um tempo de violência, de aumento do consumo de álcool e drogas, da gravidez na adolescência e do afastamento de Deus, num Rio de Janeiro com 400 mil crimes registrados por ano. Mas enfatizou que não cabe aos políticos se conformar, mas ousar sonhar.
- A nós cabe mostrar que somos capazes de guardar fidelidade aos valores morais de nossos pais e às virtudes autênticas de nossa tradição de nobreza e dignidade cristã, e não nos tornar um povo que perde a sua consciência humana e social e se transforma em inexpressivo ajuntamento de pessoas, sem história, sem beleza, sem dignidade e sem bravura.
Sérgio Cabral mencionou a gravidez na adolescência quando se encontrava em São Paulo e criticou a Lei do Aborto, defendendo a descriminalização dessa prática. “Quem aqui não teve uma namoradinha que teve que abortar?”, indagou Sérgio Cabral, ao comentar que clínicas ilegais de aborto são comuns em todo o país. Ele também condenou a falta de discussão sobre o tema.
Fonte: Agencia Senado

Mensagem aos que espancam a Noiva de Cristo

Vivemos na era da confusão.
No que concerne à apologética não é diferente.
Tenho visto - e lido - muita gente infectada com o vírus Charles Bronson da teologia: a pancadaria gospel.
Um grupo que, em nome da "apologética", espanca a Noiva de Cristo.
Gente que, movida por uma espécie de masoquismo evangélico, adora bater na igreja.
Gente viciada em detectar erros, problemas, heresias, deslizes.
Caçadores de escândalos.
Algozes dos irmãos.


Na qualidade de apologetas precisamos identificar erros, diagnosticar crises e deformidades que possam de alguma forma destruir nossa fé, contudo, não podemos dar injeções com sorrisos de satisfação.
Não colocamos o dedo nas feridas só pelo prazer de vê-las sangrando, mas para a promoção da cura.
Se meu sorriso se abre quando meu irmão chora, estou morto para Deus.


Tenho visto um grupo de "prega-dores" que, sob o eufemismo da exortação, massacram a igreja.
Falsos pastores que trocam a vara e o cajado pela chibata e a luva de boxe.
Deus não nos chamou para transformarmos os cultos em arenas sangrentas, mas em lugares de refrigério, cidades de refúgio, oásis, En-Gedi (I Sm. 23. 29).
Lugares de conserto, sim, mas jamais de destruição do outro.


É bom lembrar que a Bíblia tem uma regra inquebrável e dura: "com a mesma medida com que julgares, sereis julgados" (Mt. 7. 2).
Nossa função, como apologetas, não é vangloriar-nos por nossas grandes certezas, mas condoer-nos com nossos irmãos em suas profundas e sinceras incertezas! Não quero ser reconhecido como teólogo amargo, angustiado, fazendo teologias de gabinete sem desdobramentos práticos no cotidiano.
Deus me livre de ferir irmãos!

Não quero ditar normas do alto de minhas supostas torres de marfim.
Não quero ser o dono da verdade, pois essa é a maior mentira!

Diretor de rede de farmácia mata presidente e se mata na Bahia

O presidente da rede de farmácias Boa Farma, Waldir Mattos Régis, foi assassinado a tiros pelo diretor da empresa, Albérico Pinto Lopes, que também se matou com um tiro na cabeça.
O crime aconteceu na manhã desta segunda-feira na sede da empresa, na Rua das Acácias, no Caminho das Árvores, zona nobre de Salvador. Waldir chegou a ser socorrido em estado grave ao Hospital Geral do Estado, mas não resistiu ao ferimento e morreu na emergência.
A polícia investiga os motivos do crime, porém, ainda não possui pistas que ajudem a elucidar a atitude do diretor.
Agência A Tarde

Todos Contra a Dengue : o Brasil conta com Você .



Prevenção

Veja que, com medidas simples você pode combater a dengue:
  • Não deixe água acumulada sobre a laje.
  • Manter o saco de lixo bem fechado e fora do alcance dos animais até o recolhimento pelo serviço de limpeza urbana
  • Manter a caixa d’agua completamente fechada para impedir que vire criadouro do mosquito.
  • Manter bem tampados tonéis e barris d’água.
  • Encher de areia até a borda os pratinhos dos vasos de planta.
  • Lavar semanalmente por dentro, com escova e sabão, os tanques utilizados para armazenar água.
  • Se você não colocou areia e acumulou água no pratinho de planta, lavá-lo com escova, aguá e sabão. Fazer isso uma vez por semana.
  • Remover folhas e galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas.
  • Jogar no lixo todo objeto que possa acumular água, como embalagens usadas, potes, latas, copos, garrafas vazias e etc.
  • Se você tiver vasos de plantas aquáticas, trocar a água e lavar o vaso principalmente por dentro com escova, água e sabão pelo menos uma vez por semana.
  • Colocar o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira bem fechada. Não jogue lixo em terrenos baldios.
  • Lavar principalmente por dentro, com escova e sabão, os utensílios usados para guardar água em casa, como jarras, garrafas, potes, baldes, etc.

Prazo para pagamento da segunda parcela do 13º vence nesta segunda

Prazo para pagamento da segunda parcela do 13º vence nesta
 segunda

Descontos devem ser cobrados somente no pagamento dessa parcela
Nesta segunda-feira (20) vence o prazo para o pagamento da segunda parcela do 13º salário. De acordo com a advogada trabalhista do Centro de Orientação Fiscal (Cenofisco), Rosania de Lima Costa, deve servir de base para o cálculo do benefício o salário fixo, acrescido do salário variável, como gratificações, comissões, adicionais e horas extras.

Já os descontos de encargos sobre o 13º salário devem ser cobrados somente no pagamento dessa segunda parcela. “Os descontos devem incidir sobre o valor total (integral) do benefício, ou seja, sem descontar o adiantamento pago”.

A advogada do Cenofisco explica que sobre o valor integral do 13º salário incidirão os descontos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), onde é aplicada a tabela de desconto da Previdência Social de forma separada do pagamento da folha normal de dezembro. “Conforme a respectiva remuneração do empregado, enquadram-se os percentuais de 8%, 9% ou 11%. Além disso, também será descontado da gratificação natalina o Imposto de Renda Retido na Fonte”.

Além dos descontos dos encargos sociais, sobre o valor apurado no último mês do ano incidirão os descontos do valor da primeira parcela e, havendo determinação judicial, o desconto de pensão alimentícia. “Portanto, não pode ter qualquer desconto na primeira parcela”, afirma Rosania, ressaltando ainda que as empresas são obrigadas a calcular e recolher 8% de FGTS sobre o valor integral pago aos empregados.

Previsto em lei

A lei nº 4.090/62 estabelece que todos os trabalhadores, incluindo os temporários, domésticos, rurais, servidores públicos e aposentados, têm direito ao 13º salário.

O pagamento do 13º salário é feito com base no salário de dezembro, exceto no caso de empregados que recebem salários variáveis, por meio de comissões ou percentagens, quando o 13º deve perfazer a média anual de salários. Cabe ao empregador a decisão de pagar em uma ou duas parcelas. No caso de ser apenas em uma única vez, o pagamento deveria ter sido feito até o dia 30 de novembro.

Os trabalhadores que possuem menos de um ano na empresa também têm direito ao 13º salário. Nesse caso, o pagamento será proporcional aos meses em que tenham trabalhado por mais de 15 dias. Por exemplo, um empregado que trabalhou por seis meses e 15 dias deverá receber 7/12 de seu salário a título de 13º.

Caso o empregador não respeite o prazo do pagamento, será autuado no momento em que houver fiscalização, o que gerará uma multa.

As horas extras e o adicional noturno geram reflexos no 13º salário e devem incidir na base de cálculo dessas verbas. Gorjetas e comissões também devem entrar na base de cálculo do 13º salário. Já as diárias de viagem só influem na base de cálculo do 13º se excederem 50% do salário recebido pelo empregado.

As faltas não justificadas pelo empregado, ocorridas entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de cada ano, serão consideradas para desconto. Caso sejam superiores a 15 dias dentro do mesmo mês, o empregado perderá o direito a 1/12 do 13º salário.

O empregado afastado por motivo de auxílio-doença recebe o 13º salário proporcional da empresa até os primeiros 15 dias de afastamento. Já a partir do 16º dia, a responsabilidade do pagamento fica a cargo do INSS. Funcionárias em licença-maternidade também recebem 13º salário.

Fonte: G1

Egípcio paga alto preço por se converter a Cristo

 
Igreja Copta Ortodoxa no Egito  
  Um egípcio que deixou o islã para se tornar cristão, e que por isso perdeu sua esposa, seus filhos, e o seu negócio, pode também perder a liberdade, acusado judicialmente de “difamação” ao islã.

Ashraf Thabet, de 45 anos, está sendo processado por difamar uma religião reconhecida, Artigo 98f do Código Penal Egípcio. As acusações se baseiam na busca de Thabet por uma realização espiritual, que durou seis anos, período em que ele expressou suas dúvidas a respeito do islã e revelou às pessoas que estava aprendendo sobre Jesus Cristo. “Não havia relacionamento espiritual entre eu e Deus no islã. Tudo era baseado no medo e na rotina”, ele revelou.

As autoridades religiosas locais, revoltadas com as idéias e os posicionamentos de Thabet (ele conheceu a Cristo através de sites na internet e ficou impressionado com Jesus após assistir ao filme “A Paixão de Cristo”, pedindo, em seguida, uma Bíblia a um amigo), comunicaram o fato ao Serviço de Inteligência e Segurança do Egito, que logo interrogou o “herege” e o indiciou por difamação religiosa.

Se for considerado culpado, Thabet poderá passar cinco anos na prisão.  Mas, porque os promotores não têm se apressado para julgar o caso, o cristão vive numa situação de incerteza, sendo alvo de ameaças de morte por parte de pessoas de sua comunidade em Port Said no nordeste do Egito.

Líderes muçulmanos de seu bairro conseguiram convencer à sua esposa de pedir o divórcio e de abandonar o lar, levando consigo a filha de dez anos e o filho de seis do casal.

“Eles deram a ela o dinheiro necessário para entrar com o pedido de divórcio, deram um carro, e até um outro homem para casar”, queixou-se Thabet. “Eu não sei o que pode acontecer. Eles tornaram a vida muito difícil para mim. Não estou podendo recuperar o meu computador. Não estou podendo recuperar nada.”


Tradução: Joel Macedo



Fonte: Compass Direc

Lançamento oficial do Sem Fronteiras - ministério de viagens

Sábado, dia 15 de janeiro de 2011, acontecerá o lançamento oficial do Sem fronteiras – ministério de viagens da Missão Portas Abertas.

O evento, que acontecerá na sede da Missão, será dirigido pelo coordenador do ministério, Homero S. Ele apresentará o planejamento das viagens de 2011 e, também, a primeira equipe a inaugurar o ministério, que viajará à Colômbia no mesmo dia.

Das 14h às 18h, haverá palestras com algumas pessoas que já viajaram ao campo em países como Israel, Palestina, Egito, Nigéria, Bangladesh e outros. Os presentes no evento terão a possibilidade de conversar e questionar a respeito das visitas aos cristãos nessas nações.

Às 19h, contaremos com a presença de Paul Estabrooks, autor do livro “Noite de um milhão de milagres” e missionário canadense veterano com um profundo interesse pelos cristãos em países restritos à pregação do evangelho. Ele já completou mais de 30 anos de ministério aos cristãos perseguidos com a Portas Abertas.

Para participar, envie um e-mail para: semfronteiras@portasabertas.org.br e se inscreva!

Será um momento único e muito esperado!

Você será muito bem-vindo!
Tradução: Missão Portas Abertas

* Este país não se enquadra entre os 50 mais intolerantes ao cristianismo.


Missão Portas Aberta

Mudança de comportamento: E a Bíblia com isso?



correndo-atras-dinheiro_thumb[1] 1. O problema aparente
Thiago é um adolescente cristão, filho de um pastor evangélico. Foi criado segundo os princípios bíblicos e teve uma excelente formação cristã. Sempre foi atuante na igreja, e em seu lar estava acostumado com a rotina dos cultos domésticos. Costumava ser frequentemente citado por aqueles que o conheciam como um bom modelo a ser imitado, contudo, nos últimos tempos, depois de mudar de escola e fazer uma nova turma de amigos, Thiago não parecia mais o mesmo. Aquele que sempre foi um moço bem-educado agora vivia xingando. Os palavrões saiam de seus lábios com tanta naturalidade e frequência que era impossível não ficar incomodado e, tudo isso, já estava começando a “pegar mal” para o seu pai, afinal, filho de pastor não xinga.
Jair é diácono da igreja. Sempre foi muito responsável com o seu trabalho e, geralmente, era bastante polido no seu modo de falar. Porém, algumas pessoas da igreja já tiveram o desprazer de vê-lo irritado e, quando isso acontecia, aquela linguagem polida dava lugar aos mais terríveis palavrões. Em casa, sua esposa e filhos eram também, muitas vezes, insultados com xingamentos, o que levava a brigas ainda maiores.
O pastor Enoque, que já vinha se sentindo envergonhado por causa do linguajar do seu filho Thiago, começou a receber reclamações por parte dos membros ofendidos pelo diácono Jair. Além disso, a esposa do diácono também procurou o pastor para queixar-se do modo como o marido muitas vezes a tratava e de como estavam brigando em decorrência disso, estavam a ponto de separar-se.
Aparentemente o problema era o mesmo, um adolescente e um diácono que pecavam falando palavrões, e foi com esse entendimento que o pastor Enoque tentou tratar os dois casos.
2. Deus não é um mero extintor de incêndio
Primeiro o pastor chamou o filho e falou que por causa do seu linguajar, ele, como pastor da igreja, estava sendo envergonhado e sendo motivo de chacotas: “o pastor não sabe cuidar nem do filho...”. Abriu a Bíblia e, citando os textos de Efésios 4.29 e Tito 2.8, afirmou que dizer palavras torpes é pecado e que Deus puniria o seu pecado. Não haveria como fugir do juízo de Deus porque o homem colhe o que planta, esbravejou citando Gálatas 6.7. Se não quisesse experimentar o peso da mão do Senhor, Thiago deveria imediatamente parar de falar palavrões.
Com o “sermão” pronto, ficou fácil. O pastor convocou o diácono Jair, repetiu as mesmas palavras, incluiu alguns versículos que falam sobre o cuidado do marido em relação à esposa e afirmou que, caso acontecesse o divórcio, a culpa seria toda do diácono. Se não quisesse sentir o peso da mão do Senhor e perder a esposa, Jair deveria parar de xingar as pessoas.
Isso me faz lembrar de um programa a que assisti com o “Dr. Pet”, adestrador de animais. Nesse programa ele foi chamado para resolver um problema com alguns cachorros que viviam brigando. Eram uns cinco ou seis cachorros de porte grande que, ao serem soltos pelo dono, começavam a se morder, mesmo com o dono gritando para que parassem. A solução do Dr. Pet foi fantástica. Instruiu o dono dos animais de que, munido de um extintor de incêndios, se aproximasse dos cachorros no momento da briga. Ele teria de dar a ordem: pare!, e em seguida acionar o extintor em direção aos cães que dispersariam com medo daquele jato de pó. Isso deveria se repetir algumas vezes, até que os cães cessassem a briga simplesmente ouvindo o comando para parar. E foi o que, de fato, aconteceu. Ao ouvir a ordem “pare!”, os cães associavam ao extintor e, por medo de levar mais um jato, obedeciam.
Apesar de os personagens citados nos exemplos acima serem fictícios, as situações descritas não são diferentes daquelas que podemos perceber todos os dias no cotidiano de muitos cristãos. Pior ainda é saber que a forma como têm sido tratadas essas questões assemelha-se mais ao método do Dr. Pet para adestrar os cães que com a perspectiva bíblica para a mudança de comportamento. Muitos crentes têm evitado o pecado somente por medo da consequência e não por causa do entendimento de que devem viver para a glória de Deus (1Co 10.31; Rm 11.36). Para eles, a ideia de Deus é simplesmente a de um extintor de incêndio pronto para ser acionado. O pecado é então evitado por causa da consequência que se sofre e não por causa da ofensa ao Senhor.
O problema na abordagem descrita é que ela se limita a “tratar” os sintomas sem descobrir a causa. É como alguém que constantemente sente dor de cabeça e simplesmente toma um analgésico. Várias são as causas que podem levar alguém a sofrer com isso, mas, somente como exemplo, pense na hipertensão. Alguém que tenha “pressão alta” pode frequentemente sentir dor de cabeça e o analgésico será um simples paliativo, servindo para mascarar o verdadeiro problema, pois, se não há dores não há o que se verificar e o problema continuará lá até o momento de se manifestar de forma mais grave, como um AVC.
Conquanto os princípios bíblicos citados pelo pastor Enoque sejam verdadeiros, para que a mudança de comportamento honre ao Senhor ela deve ir além de regras cumpridas por medo da punição. Não é simplesmente parar de xingar, mas fazer isso por causa de uma motivação correta. Como então proceder de forma bíblica a fim de que a mudança seja duradoura e honre ao Senhor?
3. Um caminho bíblico: tratando o problema na raiz
A perspectiva bíblica quanto à mudança de comportamento está ligada à santificação. Como afirma Booth: “A Santificação é um processo contínuo pelo qual Deus, por sua misericórdia, muda os hábitos e o comportamento do crente, levando-o a praticar obras piedosas.”[1] Sabendo que “a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta par discernir os pensamentos e propósitos do coração (Hb 4.12), precisamos recorrer a ela para entender não só como agimos, mas por que agimos como agimos.
É muito importante entender que, na dinâmica da igreja, somos responsáveis por “admoestar uns aos outros” (cf. Rm 15.14). Como indica o excelente livro do Dr. Paul Tripp, somos “Instrumentos nas mãos do Redentor – pessoas que precisam ser transformadas ajudando pessoas que precisam de transformação”[2]. Para isso precisamos entender três princípios:
1. O homem é governado pelo coração – Ao advertir os discípulos que não procurassem ajuntar tesouros na terra, mas no céu, Jesus afirmou: “porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt 6.19-21). O ensino aqui é evidente. Buscamos aquilo ao qual damos maior valor em nosso coração. Se os discípulos tivessem como “tesouro” os bens, era isso que governaria seus corações e motivaria as suas ações, mas se o “tesouro” fosse o Reino de Deus e sua justiça, agiriam em conformidade com a justiça do Senhor. Foi também o Senhor Jesus quem afirmou que do coração procedem os maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, falsos testemunhos, blasfêmias (Mt 15.19) e que a boca fala do que está cheio o coração (Mt 12.34).
Por causa de tudo isso é que o livro de Provérbios orienta: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida” (Pv 4.23).
Se o pastor Enoque tivesse esse entendimento conseguiria verificar que o problema do seu filho e do diácono não era simplesmente o linguajar torpe, mas aquilo que estava governando seus corações em lugar do Senhor. No caso do filho o desejo de ser aceito no novo grupo de amigos, no caso do diácono, o desejo de ser ouvido e respeitado.
Mas como o pastor Enoque chegaria a essa conclusão? Observando o próximo princípio.
2. Pessoas e circunstâncias revelam o nosso coração – De um modo geral a tendência do homem, ao pecar, é colocar a culpa em outras pessoas ou nas circunstâncias. Porém, diante da verdade bíblica de que somos dirigidos pelo nosso coração, devemos entender que pessoas e circunstâncias simplesmente revelam o que está em nosso coração, elas servem como a antiga pomada de basilicão, usada em pessoas com furúnculos. Ao ser aplicada a pomada “trazia para fora” o carnegão[3] e, é lógico, isso só acontecia porque ele já estava lá. A pomada não produzia o carnegão, simplesmente o revelava.
Ao analisar os casos sob essa ótica, o pastor veria que a razão de o seu filho estar xingando constantemente era o medo de ser rejeitado pelo novo grupo de amigos. Ser aceito era tão “importante e necessário” que, nessa ânsia, ele deixava de lado todos os princípios bíblicos aprendidos outrora demonstrando, ao contrário da atitude dos discípulos em Atos 5.29, que importava obedecer aos homens que a Deus.
No caso do diácono, o pastor Enoque perceberia que o xingamento era a forma de “punir” aqueles que não o respeitavam como ele achava que merecia. Como diácono da igreja, entendia que não podia ser contestado e como chefe do lar, nunca questionado. Seu desejo por respeito passou a ser uma “necessidade” que ele agora exigia e qualquer um que o privasse daquilo que ele tanto queria logo era julgado e punido, no caso, com xingamentos.
Ao observar o princípio de que as pessoas e circunstâncias revelam o coração, o pastor Enoque teria condições de avaliar também a postura da esposa do diácono. Ao ameaçar deixá-lo, o que ela tentava fazer era manipulá-lo para que ele a tratasse melhor. Ela também, por causa do seu desejo, tentava mudar o comportamento do marido infligindo medo.
Mais ainda, o pastor poderia avaliar seu próprio coração e descobrir que sua motivação para corrigir o filho não estava sendo a glória de Deus, mas a vergonha a que ele estava sendo submetido por causa do seu mau comportamento.
Pessoas e circunstâncias são usadas por Deus para revelar o que controla o nosso coração e, com os desejos do coração expostos, podemos, com o auxílio do Espírito do Senhor, abandonar a nossa vontade e nos submeter à vontade do Senhor. Isso nos leva ao terceiro princípio.
3. Os ídolos do coração devem ser abandonados – No primeiro mandamento o Senhor ordena: “Não terás outros deuses diante de mim” (Êx 20.3). Costumamos pensar em idolatria somente no que diz respeito a imagens de escultura, mas a Bíblia nos adverte contra os “ídolos do coração” (Ez 14.1-9). Incorremos em idolatria todas as vezes que buscamos alegria, prazer, satisfação e realização fora do Senhor. Se pecamos para conseguir o que desejamos, ou pecamos quando não conseguimos o que desejamos, é porque esse desejo já se tornou um ídolo, um falso deus que faz promessas vãs acerca daquilo que achamos que nos trará satisfação.
O caminho bíblico é o de identificar a idolatria, arrepender-se por confiar em falsos deuses e voltar-se de todo o coração ao Senhor (Ez 14.6) buscando de coração fazer a sua vontade.
O adolescente Thiago deve rejeitar o ídolo da “aprovação dos homens” e entender que a alegria não é encontrada num grupo de amigos, mas no Senhor e, por isso, é a ele que precisamos agradar. O diácono Jair tem de abandonar o ídolo do “respeito” e entender que o pecado de outros ao não respeitá-lo não autoriza o seu pecado ao revidar as afrontas. Ao invés de revidar ele deve entregar tudo àquele que julga retamente (1Pe 2.23). De igual modo a sua esposa deveria abandonar o ídolo do “controle” e, ao invés de tentar mudar o marido manipulando-o pelo medo, deveria ganhá-lo sem palavra alguma, por meio de um honesto comportamento (sobre isso, veja o post do Samuel “A Reforma começa em casa II”). Por último, o Pastor Enoque deveria entender que a motivação para corrigir o filho deveria ser exclusivamente a glória de Deus, abandonando o ídolo da “reputação”.
Conclusão
Entender os motivos do coração é essencial para uma mudança de comportamento que seja duradoura. Qualquer mudança externa, que não leve em conta a raiz do problema, será mero paliativo e servirá unicamente para produzir fariseus que não se preocupam com a glória do Senhor, mas com seus próprios desejos.
É bom salientar que os desejos não são maus em si mesmos. Pensando nos casos citados, não há mal em querer ser aprovado, ser respeitado ou ter uma boa reputação. O problema é quando essas coisas tomam uma importância tão grande que passam a governar o coração e nos levam a pecar.
Que o governo de nossa vida seja exclusivamente de Cristo Jesus, aquele que já nos redimiu e nos santificará para ele mesmo, até o dia final. Vivamos para sua glória e louvor.

Congresso vota em tempo recorde leis de interesse do STF

Congresso vota em tempo recorde leis de interesse do STF

Propostas do Supremo levam, em média, 274 dias entre chegada ao Legislativo e sanção do presidente
Responsável por julgar acusações contra congressistas, o STF (Supremo Tribunal Federal) consegue aprovar no Congresso, em tempo recorde, projetos de lei de interesse do Judiciário.

Levantamento feito pela assessoria técnica da Câmara mostra que, nos últimos 15 anos, propostas do Supremo levam, em média, 274 dias entre a chegada ao Legislativo e a sanção do presidente da República.

Já um projeto de lei ordinária de um deputado demora, em média, cinco vezes mais.

No período pesquisado, a alta Corte viu aprovadas 20 propostas. E a rapidez na tramitação desses projetos não se justifica pelo fato de o STF ter apresentado um número menor de iniciativas que outros órgãos e Poderes.

O TCU (Tribunal de Contas da União), por exemplo, apresentou no mesmo período nove projetos e demorou quase o triplo do tempo para vê-los transformados em lei.

Nos últimos dois anos, a proposta de lei ordinária que tramitou mais rápido no Congresso foi a de reajuste do salário dos ministros do STF: em 38 dias passou pelas duas Casas e foi sancionada.

As propostas do Supremo sempre tratam de salários e da estrutura do Judiciário.

Segundo dados do site Congresso em Foco, existem no Supremo 397 processos contra deputados e senadores. Essas ações atingem 148 deputados e 21 senadores.

O atual presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), diz que a celeridade na apreciação nas matérias do Judiciário se deve ao fato de a maioria ser de teor simples.

"Elas não estabelecem novas regras, na maioria atualizam as existentes. Ao mesmo tempo, a relação de tribunais com a Câmara é muito boa."
Mas o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) vê relação direta entre a rapidez nos projetos do STF e o julgamento dos congressistas.

"Não dá pra dissociar essa tramitação rápida dos projetos do fato de haver foro privilegiado de julgamento. Há sempre um certo temor ou reverência àqueles que podem ser os nossos julgadores."

Raking de agilidade

Na rapidez de tramitação de propostas, o STF é seguido pela Procuradoria-Geral da República, pelo Tribunal de Justiça do DF e pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Iniciativas de deputados e senadores ocupam as últimas colocações da fila (média de 1.300 e 1.600 dias).

Para o presidente da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros), Nelson Calandra, os projetos tramitam rápido porque já chegam com "consenso" na Casa.

O ministro do Supremo Marco Aurélio Mello refuta a tese de "agrado" aos magistrados. "Prefiro acreditar que eles [congressistas] atuam com independência."

Já o Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União vê diferença de tratamento no Congresso para magistrados e funcionários.

"Quando se trata de reajuste para os ministros, a atenção que é dada é maior", afirma Roberto Policarpo, coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União.

Fonte: Folha.com

Jornalistas fazem manifestação de apoio a Assange Manifestantes distribuíram máscaras com rosto do ciberativista em praias da Zona Sul

Jornalistas fazem manifestação de apoio a Assange
Jornalistas do Rio de Janeiro realizaram neste domingo (19) uma manifestação de apoio ao australiano Julian Assange, fundador do site Wikileaks. De forma descontraída, os manifestantes distribuíram máscaras com o rosto do ciberativista aos banhistas nas praias de Ipanema e Leblon, na zona sul.

"Ele conseguiu tornar públicas informações que eram cifradas e escondidas. Virou nossa referência. Quem sabe não aprendemos e criamos um Wikileaks no
Brasil?", defendeu o jornalista Marcos Almeida. Através do Wikileaks, Assange publicou centenas de telegramas secretos da diplomacia americana.

Cem máscaras foram distribuídas. Os banhistas, que lotaram as praias e enfrentaram forte calor, demonstraram apoio à manifestação.

Assange se entregou à polícia sueca no início do mês, mas foi libertado na última semana. Ele também é acusado de cometer crimes sexuais. Ele nega as denúncias e diz que está sendo alvo de uma campanha "difamatória".
 

Simão, o mágico, e os “Simões” modernos


negocio bencao a parte
O livro de Atos narra, no capítulo 8, a história de Simão, um mágico da cidade de Samaria que era um grande “sucesso” entre o povo. Ele iludia a população com mágicas, o que lhe rendeu grande fama. O texto diz que todos lhe davam ouvidos chamando-o, inclusive, de “Grande Poder”.
Quando a mensagem salvadora do Evangelho chegou a Samaria por meio de Filipe, diácono da Igreja primitiva, que anunciava a Cristo e realizava sinais e prodígios (8.4-8), a multidão que andava após Simão creu no Senhor. Aparentemente o próprio Simão abraçou a fé, sendo até batizado. Digo aparentemente porque o texto sugere que o que despertou o interesse de Simão não foi propriamente a Palavra pregada, mas os sinais realizados. O versículo 13 diz que ele “acompanhava a Filipe de perto, observando extasiado, os sinais e grandes milagres praticados.
Notamos, porém, que Simão não estava preocupado com a glória de Deus, mas com a sua própria, queria mesmo era voltar a ser visto como o “Grande Poder”. Cristo Jesus não era o Deus digno de adoração, mas simplesmente aquele que poderia conceder o que ele realmente queria, voltar a ser notado pelo povo.
A evidência disso está nos versículos subsequentes. Quando os apóstolos tomam conhecimento da conversão de samaritanos, enviam para lá Pedro e João. Lucas narra que, quando Simão viu que mediante a imposição de mãos dos apóstolos os que creram recebiam o Espírito Santo, tratou de tentar “comprar a bênção”, ofereceu dinheiro aos apóstolos para que lhe fosse concedido o mesmo poder, e isso rendeu a ele uma dura repreensão por parte de Pedro, que afirmou: “o teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus” (8.20). Pedro afirmou ainda que Simão não tinha parte naquele ministério, que seu coração não era reto e que ele deveria se arrepender, o que não sabemos se, de fato, ocorreu.
Mudando o que tem de ser mudado, notamos que quase dois mil anos depois do ocorrido com Simão e devidamente registrado nas Escrituras para o nosso ensino, o evangelicalismo brasileiro, sobretudo no meio neopentecostal, padece do mesmo pecado. A grande diferença é que no caso bíblico foi Simão que tentou comprar dos apóstolos a bênção, enquanto hoje são os “apóstolos”, “pastores” e “missionários” que tentam vender os favores divinos aos milhares de incautos “Simões” hodiernos.
Não é preciso pesquisar muito para verificar. Basta perder (esse é o termo exato) tempo assistindo à maioria dos programas evangélicos ou navegar um pouco pela internet para encontrar “pastor” chamando de trouxa aqueles que ofertam simplesmente porque amam a Deus, sem esperar nada em troca, “apóstolo” pedindo o trízimo (pasme! 10% para cada pessoa da Trindade.) e garantindo que após isso os ofertantes terão um bom ano, e “missionário” pedindo “contribuição” a fim de orar pela salvação dos que foram indicados pelos associados.
Se vivesse hoje, Simão, o mágico, teria como escolher o melhor investimento, pechinchar e ficaria até indeciso de quem comprar devido à grande quantidade de oferta no vergonhoso mercado “da fé”.
A triste ironia é que tudo isso tem acontecido em igrejas que são tidas por muitos como “herdeiras” da Reforma Protestante, mas que desconhecem, ou fingem não saber, que um dos grandes problemas atacados por Lutero em suas 95 teses foi justamente a simonia, nome dado à compra ou venda ilícitas das coisas espirituais, que tem origem na história de Simão, o mágico.
Na verdade, tanto os estelionatários da fé, que têm vendido bênçãos, como os que têm comprado cometem o mesmo pecado de Simão, tentam usar Deus para os seus próprios interesses. Estes pensando que conseguirão o favor divino com ofertas, aqueles querendo faturar com a fé alheia, contudo, sempre com a mesma motivação egoísta.
Como se vê, não é de hoje que os homens querem se aproximar de Deus para os seus próprios benefícios. Cuidemos para não cair nessa mesma cilada e entendamos que o Senhor deve ser adorado não por aquilo que ele pode nos dar, mas por quem ele é como afirma o salmista: “grande é o Senhor e mui digno de ser louvado, temível mais que todos os deuses” (Sl 96.4).

FONTE .  Milton Jr.
www.mentecativa.blogspot.com

"Vão e Façam Discípulos de Todas as Nações"

O Rei estava subindo ao seu trono. Seu plano de governo foi bem definido. Seu direito a reinar foi inegavelmente estabelecido. Seus embaixadores já foram escolhidos. Agora, a hora de governar chegou. Mateus 28:18-20 apresenta claramente a mensagem fundamental do reino messiânico, dada quando o Soberano Salvador enviou representantes ao mundo. Vamos examinar este texto e suas implicações para os discípulos de Cristo nos dias de hoje.
O Fundamento Montanhoso: Toda a Autoridade (18)
A afirmação feita por Jesus aos apóstolos é absoluta. Toda a autoridade que seria dada ao descendente de Davi, o mesmo que estabeleceria seu reino eterno, está agora nas mãos de Jesus. Ele venceu o pecado e o diabo na cruz, e agora assume seu papel como Rei dos reis. A coroação deste Rei foi pre-ordenada por Deus e comunicada pelo salmista 1.000 anos antes da vinda de Jesus: "Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião" (Salmo 2:6). A afirmação do Cristo de ter recebido autoridade absoluta se encaixa perfeitamente na imagem de Daniel de uma pedra, cortada sem auxílio de mãos, que esmaga as autoridades menores e se transforma numa montanha que enche a terra (Daniel 2:35,44-45). Agora, afirma Jesus, "o monte da casa do Senhor" está sendo estabelecido acima dos montes e colinas de autoridade humana. Agora, a palavra do Senhor sairá de Jerusalém espiritual para todas as nações (Isaías 2:2-4; Gálatas 4:26; Hebreus 12:22-23).
Ninguém jamais pode realmente chegar a Jesus sem reconhecer a autoridade absoluta que pertence exclusivamente a ele. Ele é o Salvador, mas ele também é o Senhor. Ele manda embora os nossos pecados, mas ele também manda que nós o obedeçamos. Entramos numa relação especial e pessoal com aquele que nos chama de irmãos; mas entramos também numa relação de submissão àquele que nos governa como seus sujeitos e servos. O reino dele não é uma democracia que faz leis sujeitas a aprovação popular; é uma monarquia com um Rei benevolente que exerce autoridade absoluta.
No mundo atual, com sua ênfase em liberdade, independência e satisfação egoísta, a mensagem da autoridade absoluta do Rei espiritual não agrada a muitos. Homens e mulheres gostariam de moldar uma nova imagem de Jesus, destacando as características que acham mais agradáveis. Falam sobre amor, bondade, generosidade, bênçãos e amizade do Salvador, mas negligenciam questões de autoridade, regras e obediência ao Senhor.
Ide, Portanto...(19)
O fato da autoridade de Cristo exige ação. Jesus não é apenas uma figura histórica interessante. Não aprendemos dele de uma maneira puramente acadêmica. Quando encontrarmos o Cristo, nossas vidas mudarão. Ou nós o rejeitaremos ou seremos impelidos a agir pelos mandamentos dele. A conjunção conclusiva "portanto" sugere tal motivação. Quando ele olhou para os onze galileus ao seu redor, Jesus lhes disse como este "portanto" determinaria o curso de suas vidas: "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações". Esta incumbência apostólica, cumprida por um punhado de homens convictos de que o Messias estivesse com eles, mudaria o mundo. Jesus mandou que levassem a mensagem ao mundo inteiro, e pretendia que a sua ordem fosse plenamente obedecida. Ele não perdeu tempo ouvindo desculpas, e nada no texto sugere que eles oferecessem argumento algum. O Rei enviou os seus embaixadores, e já tinha dito que o evangelho seria pregado ao mundo inteiro naquela geração (Mateus 24:14.34). Uns 30 anos depois, o apóstolo Paulo disse que esta missão fora cumprida quando falou "do evangelho que ouvistes e que foi pregado a toda criatura debaixo do céu" (Colossenses 1:23).
Fazei Discípulos (19-20)
A ordem de fazer discípulos é descrita por dois gerúndios que mostram o que é necessário para fazer discípulos de Cristo: batizando (19) e ensinando (20). Algumas pessoas têm interpretado mal este texto, sugerindo uma lista de três passos sucessivos (Fazer discípulos - batizar - ensinar). Certamente devemos continuar ensinando depois do batismo do novo discípulo, mas não é o ponto fundamental deste texto. Para se tornar discípulo de Cristo, a pessoa precisa ser batizada para remissão dos pecados e precisa ser ensinada "a guardar todas as coisas" que Jesus tem ordenado. Vamos pausar para considerar esses dois requisitos do processo de fazer discípulos.
Batizar em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Devemos destacar dois fatos aqui:
Jesus deu importância ao batismo. Muitas doutrinas hoje tratam o batismo como ato de pouca importância, até sugerindo que ele não tem lugar no plano de Deus para a nossa salvação. Tais idéias não vêm de Jesus. Aqui ele apresenta o batismo como necessário para ser discípulo dele, e sabemos que ninguém será salvo sem ser seguidor de Jesus (Atos 4:12). Em Marcos 16:16, Jesus disse que precisamos crer e ser batizados para sermos salvos. Ele mandou que os apóstolos pregassem a mesma mensagem, e eles foram obedientes ao Senhor. Pedro disse em Atos 2:38: "Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo." Em Atos 10:48, ele "ordenou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo". O apóstolo Paulo tratou o batismo com urgência no seu trabalho (veja Atos 16:32-33; 18:8; 19:5). Outros pregadores do Novo Testamento proclamaram a mesma mensagem, afirmando a necessidade do batismo para a salvação do pecador. Filipe ensinou a necessidade da fé e do batismo (Atos 8:12-13; 36-38). Ananias perguntou a Saulo: "E agora, por que te demoras? Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dele" (Atos 22:16).
Devemos ser batizados em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. No batismo, entramos em comunhão com Deus. Aqui, como em várias outras passagens, Deus se apresenta como três pessoas eternas e perfeitamente unidas. Entramos em Cristo no batismo (Gálatas 3:27). Assim obedecendo à palavra dele, somos privilegiados, também, por entrar em comunhão com o Pai (João 14:23) e com o Espírito Santo (1 Coríntios 6:19-20). A linguagem de Jesus descreve a grande bênção de ser primogênitos, membros da família de Deus (Hebreus 12:23). Algumas igrejas têm inventado novas doutrinas sobre o batismo, usando versículos como Mateus 28:19 ou Atos 10:48 para defender algum tipo de fórmula de batismo. Algumas dizem que, no momento do batismo, é necessário falar as palavras exatas de Mateus 28:19: "em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Outras insistem que o batismo só tem validade se falar as palavras de Atos 10:48: "em nome de Jesus Cristo". Mas estes trechos não se contradizem. Quando os apóstolos batizaram em nome de Jesus, eles obedeceram à palavra dele e agiram pela autorização que ele deu. O resultado foi exatamente o que ele prometeu: comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. É ridículo sugerir algum tipo de conflito entre Mateus 28 e os batismos realizados pelos apóstolos.
Ensinar a guardar todas as coisas que Jesus ordenou. Depois de ser convertido, o servo de Cristo continuará a vida toda crescendo na compreensão da vontade de Cristo, mas o ponto que Jesus frisa em Mateus 28:20 é um de compromisso. No momento de sua conversão, ninguém entende tudo. De fato, cada cristão deve se esforçar para crescer no conhecimento da palavra durante toda a sua vida (2 Pedro 3:18). Algumas igrejas até exigem cursos de meses ou anos de duração antes de uma pessoa se batizar, certamente tentando diminuir a possibilidade dela desistir depois. Qualquer pessoa deve estudar o bastante para entender quem é Jesus e como obedecer a vontade dele. Mas encontramos casos nas Escrituras nos quais as pessoas ouviram o evangelho e tomaram suas decisões até no mesmo dia (Atos 2:37-41; 8:35-38; 16:32-33). Devemos ter cuidado para ensinar tudo que é necessário, mas nossa cautela não deve chegar ao extremo de dificultar ou impedir a salvação de ninguém.
O ponto de ensinar as pessoas "a guardar todas as coisas" que Jesus ordena é mostrar-lhes como se deve assumir um compromisso solene com o Senhor. Uma ilustração ajuda. Quando a minha mulher se casou comigo, ela prometeu me "amar, honrar e obedecer". Será que ela, naquele dia, já sabia tudo que eu pediria durante toda a nossa vida juntos? Claro que não! Ela não sabia o conteúdo de todos os pedidos do marido, mas assumiu um compromisso de submissão à pessoa. Quando olhamos para Cristo, o cabeça da igreja, devemos prontamente assumir um compromisso de obediência absoluta a ele. A pessoa que recusa fazer isso não está pronta para seguir a Jesus.
O Processo Continua
As palavras de Jesus em Mateus 28:18-20 foram dirigidas aos apóstolos, e não diretamente a nós. Mas o mesmo fato que exigia ação deles exige a mesma de nós. Em primeiro lugar, temos que nos tornar discípulos, voltando para Cristo, aceitando o perdão que ele oferece por meio do batismo e prometendo nossa plena obediência a ele. Então, devemos comunicar as boas novas de Jesus aos outros. Nossa incumbência de evangelizar vem de passagens como 2 Timóteo 2:2, onde o evangelho é transmitido de uma geração para outra, e de Hebreus 5:12, onde o autor introduz um sentido de "dever" na vida de cada discípulo. Da mesma maneira que o trabalho de Paulo preenchia o que resta das aflições de Cristo (Colossenses 1:24), temos um papel essencial na evangelização de almas carentes da nossa geração. Como os cristãos de hoje, somos a Jerusalém donde a palavra precisa sair.
Como ou Por Quê?
É fácil se preocupar com questões de como evangelizar, mas isso não é o ponto que Jesus enfatizou. Ele começou com o porquê, e nós devemos começar no mesmo lugar. Se verdadeiramente compreendermos e apreciarmos o porquê do nosso trabalho, teremos a motivação necessária para ensinar bem aos outros. Tudo começa com a pessoa e a posição do Cristo.

Programa Nacional de Controle da Dengue

banner dengue
A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectem anualmente, em mais de 100 países, de todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em conseqüência da dengue.

Em nosso país, as condições socioambientais favoráveis à expansão do Aedes aegypti possibilitaram a dispersão do vetor desde sua reintrodução em 1976 e o avanço da doença. Essa reintrodução não conseguiu ser controlada com os métodos tradicionalmente empregados no combate às doenças transmitidas por vetores em nosso país e no continente. Programas essencialmente centrados no combate químico, com baixíssima ou mesmo nenhuma participação da comunidade, sem integração intersetorial e com pequena utilização do instrumental epidemiológico mostraram-se incapazes de conter um vetor com altíssima capacidade de adaptação ao novo ambiente criado pela urbanização acelerada e pelos novos hábitos.

Nos primeiros seis meses deste ano, 84.535 pessoas tiveram dengue, enquanto que, em 2003, as notificações chegaram a 299.764. Saiba qual é a situação atual da dengue no Brasil e o que tem sido feito para sua erradicação.

NOVAS AÇÕES
O controle proposto pelo Programa Nacional de Controle da Dengue trouxe mudanças efetivas em relação aos modelos anteriores. Veja o que tem sido prioritário. O controle da transmissão do vírus da dengue se dá essencialmente no âmbito coletivo e exige um esforço de toda a sociedade. Por isso, é prioritário para o PNCD:

1. a elaboração de programas permanentes, uma vez que não existe nenhuma evidência técnica de que a erradicação do mosquito seja possível, a curto prazo;
2. o desenvolvimento de campanhas de informação e mobilização das pessoas, de maneira a se criar o envolvimento da sociedade na manutenção do ambiente doméstico livre de potenciais criadouros do vetor;
3. fortalecimento da vigilância epidemiológica e entomológica para ampliar a capacidade de predição e de detecção precoce de surtos da doença;
4. melhoria da qualidade do trabalho de campo de combate ao vetor;
5. integração das ações de controle da dengue na atenção básica, com a mobilização dos Programas de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) e Programas de Saúde da Família (PSF);
6. utilização de instrumentos legais que facilitem o trabalho do poder público na eliminação de criadouros em imóveis comerciais, casas abandonadas etc;
7. atuação multissetorial por meio do fomento à destinação adequada de resíduos sólidos e a utilização de recursos seguros para armazenagem de água;
8. desenvolvimento de instrumentos mais eficazes de acompanhamento e supervisão das ações desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, estados e municípios.

PROGRAMA NACIONAL
Com as dificuldades enfrentadas nas diversas tentativas de erradicação da doença, a idéia é garantir uma forte campanha de mobilização social, em 2002 o objetivo passa a ser a redução do dano causado pela doença. A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectem anualmente, em mais de 100 países, de todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em conseqüência da dengue.

Em nosso país, as condições socio-ambientais favoráveis à expansão do Aedes aegypti possibilitaram a dispersão do vetor desde sua reintrodução em 1976 e o avanço da doença. Essa reintrodução não conseguiu ser controlada com os métodos tradicionalmente empregados no combate às doenças transmitidas por vetores. Programas com baixíssima ou mesmo nenhuma participação da comunidade, sem integração intersetorial e com pequena utilização do instrumental epidemiológico mostraram-se incapazes de conter um vetor com altíssima capacidade de adaptação ao novo ambiente criado pela urbanização acelerada e pelos novos hábitos.

Em 1996, o Ministério da Saúde decidiu rever sua estratégia e propôs o Programa de Erradicação do Aedes aegypti (PEAa). Ao longo do processo de implantação desse programa observou-se a inviabilidade técnica de erradicação do mosquito a curto e médio prazos. O PEAa, mesmo não atingindo seus objetivos, teve méritos ao propor a necessidade de atuação multissetorial e prever um modelo descentralizado de combate à doença, com a participação das três esferas de governo: Federal, Estadual e Municipal.

A implantação do PEAa resultou em um fortalecimento das ações de combate ao vetor, com um significativo aumento dos recursos utilizados para essas atividades, mas ainda com as ações de prevenção centradas quase que exclusivamente nas atividades de campo de combate ao Aedes aegypti. Essa estratégia, comum aos programas de controle de doenças transmitidas por vetor em todo o mundo, mostrou-se absolutamente incapaz de responder à complexidade epidemiológica da dengue.

Os resultados obtidos no Brasil e o próprio panorama internacional, onde inexistem evidências da viabilidade de uma política de erradicação do vetor, a curto prazo, levaram o Ministério da Saúde a fazer uma nova avaliação dos avanços e das limitações, com o objetivo de estabelecer um novo programa que incorporasse elementos como a mobilização social e a participação comunitária, indispensáveis para responder de forma adequada a um vetor altamente domiciliado.

Diante da tendência de aumento da incidência verificada no final da década de 90 e da introdução de um novo sorotipo (Dengue 3) que prenunciava um elevado risco de epidemias de dengue e de aumento nos casos de Febre Hemorrágica de Dengue (FHD), o Ministério da Saúde, com a parceria da Organização Pan-Americana de Saúde, realizou um Seminário Internacional, em junho de 2001, para avaliar as diversas experiências bem sucedidas no controle da doença e elaborar um Plano de Intensificação das Ações de Controle da Dengue (PIACD).

A introdução do sorotipo 3 e sua rápida disseminação para oito estados, em apenas três meses, evidenciou a facilidade para a circulação de novos sorotipos ou cepas do vírus com as multidões que se deslocam diariamente. Estes eventos ressaltaram a possibilidade de ocorrência de novas epidemias de dengue e de FHD. Neste cenário epidemiológico, tornou-se imperioso que o conjunto de ações que vinham sendo realizadas e outras a serem implantadas fossem intensificadas, permitindo um melhor enfrentamento do problema e a redução do impacto da dengue no Brasil. Com esse objetivo, o Ministério da Saúde implantou em 2002 o Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD).

Muito embora outras causas tenham influenciado, considera-se que as ações do PNCD, desenvolvidas em parceria com Estados e Municípios, tenham contribuído na redução de 73,3% dos casos da doença no primeiro semestre de 2004 em relação ao mesmo período do ano anterior. Dados da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde mostram que, nos primeiros seis meses de 2004, 84.535 pessoas tiveram dengue, enquanto que, em 2003, as notificações chegaram a 299.764.

O que realmente está por trás do WikiLeaks?

Se o WikiLeaks é sinônimo de liberdade de expressão, por que então aqueles que o defendem querem que a ONU censure a internet?

Julio Severo
A nível de curiosidade, foi muito legal conhecer as conversas e comunicações das embaixadas americanas, assim como também seria muito interessante ver o que dizem às ocultas os embaixadores do Brasil. Infelizmente, ainda não houve um vazamento de tais comunicações secretas do Brasil.
Fora alguns fatos exóticos, o WikiLeaks revelou informações realmente confidenciais? Num dos vazamentos tratando de setores cruciais para a segurança dos EUA, menciona-se uma fábrica australiana que produz antídoto contra veneno de cobra. Dá para crer que se os terroristas islâmicos atacarem a fábrica australiana, os EUA estarão vulneráveis ao maior ataque de cobras da história humana?
O cenário seria terrível: cobras mordendo Obama e seus ministros. Milhares de cobras venenosas deslizando nas ruas e atacando milhares de participantes das paradas gays de San Francisco a Nova Iorque. Cobras em escolas, hospitais e estádios de futebol, com milhões de pessoas caídas por mordidas envenenadas.
Pobres cobras do mundo! Estão servindo como bodes expiatórios de algum grande esquema. E há outros absurdos na lista vazada de possíveis alvos terroristas.
Duvido muito que os terroristas islâmicos tenham caído nessa estória de que a fábrica australiana é vital para a segurança dos EUA. Mas não duvido de que por trás do WikiLeaks haja “cobras” e “serpentes”, mas não do tipo que conhecemos na natureza. São depravadas mentes humanas com natureza de cobras astutas e malignas.
Desgraçadamente, o WikiLeaks não revelou nenhum segredo realmente importante do governo dos EUA. Se tivesse tentado revelar, o governo americano tem agentes secretos suficientes e poder suficiente para “resolver” esse problema. Aliás, a CIA tem durante décadas assassinado pessoas, matando homens realmente maus, mas também eliminando pessoas inocentes, inclusive no caso célebre onde foi abatido um avião com uma família de missionários evangélicos.
O livro “Target: Patton, The Plot to Assassinate General George S. Patton” (Alvo: Patton, o Complô para Assassinar o General George S. Patton), de Robert Wilcox, conta como o nascimento do serviço secreto americano, infiltrado por marxistas, foi acompanhado de assassinatos secretos de criminosos e inocentes.
Nada impede a CIA de neutralizar os inimigos dos interesses dos EUA. Contudo, Julian Assange está vivo, e recebendo apoio em massa de esquerdistas famosos, até mesmo dos EUA, que defendem o controle da internet — um controle que mantenha o domínio absoluto das ideias deles e extermine as ideias conservadoras.
Recentemente, Assange obteve apoio financeiro de Michael Moore, produtor de um documentário sobre “homofobia”. No que depender de Moore, supremo bufão do marxismo hollywoodiano, liberdade de expressão é direito que deve ser outorgado apenas aos que prestaram juramento de fidelidade à sodomia.
O presidente Lula da Silva é uma das figuras internacionais que protestou contra a “perseguição” a Assange e, aos olhos do público, defendeu o direito de livre expressão do WikiLeaks. Ué? Onde está o Lula cujo governo sempre quis censurar a internet no Brasil?
Entretanto, os diplomatas do Brasil na ONU, sob a orientação de Lula, estão liderando uma iniciativa para criar um órgão da ONU para policiar a internet, com o pretexto de evitar vazamentos semelhantes aos do WikiLeaks. O mesmo Lula que defende a liberdade de expressão do WikiLeaks o está usando para restringir a liberdade de expressão dos internautas no mundo inteiro.
Se o caso do WikiLeaks fosse tão sério, por que Assange está vivo? Por que o WikiLeaks continua na internet? Por que Lula o apoia? E há outros fatos estranhos. Quem repassou ao WikiLeaks as informações suspostamente confidenciais dos EUA foi um soldado homossexual americano. Então por que o governo americano está tão determinado e obcecado em garantir que homossexuais assumidos atuem nas forças armadas?
Se o WikiLeaks representasse perigo para a segurança dos EUA, então quem deveria sofrer banimento, repressão e exclusão: a homossexualidade ou o direito de livre expressão das pessoas que usam a internet? Como explicar que a nação mais poderosa do mundo “deixou” vazar milhares de informações supostamente confidenciais? No espetáculo que se criou em volta do WikiLeaks, quem será a vítima real?
Logo depois dos recentes vazamentos do WikiLeaks, o Ministério de Segurança Nacional dos EUA, sem nenhuma notificação, assumiu o controle de dezenas de sites considerados “perigosos”, mas sem nenhum vínculo com WikiLeaks. Foi censura sumária sem direito de resposta. Mas, com todo o seu imenso poderio, o governo americano e seus milhares de agentes secretos no mundo inteiro fingem ter poucos poderes para encerrar definitivamente o WikiLeaks, cuja existência se tornou mera desculpa para silenciar quem nada tem a ver com Assange, que está cotado para ser o “Homem do Ano” pela revista esquerdista americana Time.
O WikiLeaks, ao pretender revelar segredos, acabou deixando uma espessa nuvem de dúvidas sobre as reais intenções ocultas dos que o estão usando, ou contra ou a favor, para impor patrulhamento no ciberespaço e uma era de trevas em que a internet seja uma fechada zona de segurança contra os que discordam do Governo Mundial e suas políticas de intrusão e controle sobre as pessoas, famílias e crianças.
Versão em inglês deste artigo: What is really behind WikiLeaks?
Fonte: www.juliosevero.com