segunda-feira, 22 de junho de 2015

Jarro com inscrições dos tempos do rei Davi é encontrado em Israel


A informação foi divulgada pela 'Autoridade de Antiguidades de Israel' na última terça-feira (16) e esta já é a quarta inscrição deste tipo descoberta até o momento, datada do século X a.C, no reino da Judeia.

Escavações feitas por arqueólogos israelenses no vale do Elah (região central de Israel) resultaram recentemente na descoberta de alguns objetos dos tempos bíblicos - entre eles, um jarro de cerca de 3.000 anos, que traz inscrições dos tempos do rei Davi.

Open in new windowA informação foi divulgada pela 'Autoridade de Antiguidades de Israel' na última terça-feira (16) e esta já é a quarta inscrição deste tipo descoberta até o momento, datada do século X a.C, no reino da Judeia.

Os pedaços do recipiente de argila começaram a ser localizados em 2012, durante escavações realizadas em Khirbet Qeiyafa, próximas à cidade israelense de Beit Shemesh - local onde, conforme relatos bíblicos, aconteceu conhecida luta entre Davi e Golias.

Após serem montados como uma espécie de 'quebra-cabeça', os fragmentos formaram inscrições que despertaram a curiosidade de Yosef Garfinkel, do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, e Saar Ganor, da Autoridade de Antiguidades de Israel. Recentemente, o nome "Eshbaal Ben Beda" foi encontrado em letras antigas no objeto.

"Trata-se da primeira vez que aparece o nome Eshbaal em uma inscrição antiga no país. Eshbaal Ben Shaul, que governou Israel na mesma época que Davi, é citado pela Bíblia", afirmou Garfinkel.

Eshbaal foi um dos filhos de Saul e foi posteriormente assassinado e decapitado, tendo sua cabeça levada à região de Hebron.

"É interessante destacar que o nome Eshbaal aparece na Bíblia, e agora também em um documento arqueológico. Este nome só foi usado durante a era do rei Davi. O nome Beda é único e não aparece em inscrições antigas ou na tradição bíblica", reforçou.

Os pesquisadores salientaram que a descoberta de inscrições dos dias do rei hebreu é um fenômeno muito recente.

"Há uns cinco anos, não conhecíamos nenhuma inscrição datada no século X a.C. do Reino da Judeia. Isto muda totalmente nosso entendimento da expansão da escritura no reino e agora fica claro que estava muito mais estendida do que pensávamos ", disseram.

Além do jarro, também foram encontradas uma fortificação, duas portas, um palácio e armazéns, além quartos e salas de culto, que faziam parte de um assentamento datado do final do século XI e princípios do X a.C.


Fonte: Guia-me

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERRA DE FORMA ARBITRÁRIA DERRUBA IGREJA BATISTA - CRIME!!!


VEJA O VÍDEO .



Ontem mais uma página negra na história de nosso Município. Uma de nossas Igrejas Batista, Primeira Igreja Batista em Jardim Tropical e sua Congregação em Solar de Anchieta foram VIOLENTAMENTE ultrajadas em seu direito.
A Prefeitura sem mandar recado foi com homens e polícia e DESTRUIRAM o templo sagrado em Solar de Anchieta.
Terreno com escritura registrada, inscrição imobiliária, inscrição fiscal, licença ambiental e pagando IPTU.
DE FORMA SUMÁRIA DESTRUIRAM O TEMPLO FERINDO VÁRIOS PRINCÍPIOS, A SABER: LEGALIDADE, AMPLA DEFESA, CONTRADITÓRIO E DEVIDO PROCESSO LEGAL.
Já estou como VEREADOR de nosso Município entrando com REPRESENTAÇÃO contra o Município de Serra, representado pelo Sr. AUDIFAX, junto ao MINISTÉRIO PÚBLICO e DEFENSORIA PÚBLICA. Justiça seja feita!


Governo da Tanzânia intensifica perseguição religiosa


Governo da Tanzânia intensifica perseguição religiosa
A agência de notícias Barnabas Cityinformou que “pastores foram chamados a comparecer perante o escritório de registro com os nomes de suas congregações, suas certidões de nascimento e respectivos números de registros das igrejas”.
Ashagrie, analista de perseguição da Portas Abertas, explica o que isso significa para os cristãos: “O governo da Tanzânia tem trabalhado neste projeto de constituição, mas não conseguiu realizar o referendo como planejado. No projeto de constituição existe uma disposição que introduz a Kadhi (Sharia), lei religiosa islâmica, em todo o país. Os cristãos têm sugerido que tal disposição criaria, sem dúvida, uma situação semelhante ao que tem sido o caso em Zanzibar por muitos anos. Em Zanzibar, sob o pretexto de aplicação das leis da Sharia, muitos cristãos, incluindo os estrangeiros foram atacados. Essa postura enfureceu o governo que, por sua vez, decidiu emitir um aviso que proibia igrejas de discutirem o assunto com sua congregação. Como cidadãos, os cristãos têm, contudo, todos os direitos para discutir sobre o conteúdo de todas as leis do país. Eles não devem desistir de se opor a uma proposta de Constituição que pretende introduzir os Tribunais Kadhi na Tanzânia continental.”
Ela continua: "Há pouco mais de um mês, o departamento de pesquisa da Portas Abertas relatou que os cristãos na Tanzânia se opuseram à inclusão de tribunais Kadhi, como resultado da ação do governo de ter impedido cristãos de não comentarem em suas igrejas sobre o conteúdo do projeto. Essa história agora se complicou ainda mais com a convocação dos pastores e com a ameaça iminente de fechamento de igrejas. Onde isso vai parar?”

Exposição que mostra pedofilia e zoofilia provoca bate boca entre deputados

Não foi só nas redes sociais que a mostra “QueerMuseu” gerou debates e bate boca. Na noite desta terça-feira (12) o assunto foi amplam...