segunda-feira, 31 de outubro de 2016

VOCÊ CRÊ OU VOCÊ CONFIA ?


Num espetáculo de circo o apresentador pergunta para a platéia:
-Quem crê que este equilibrista consegue atravessar na corda bamba de um lado para o outro, numa altura de quinze metros sem usar a rede de proteção?

A multidão grita unanimemente:

-EU!!!!

O artista faz seu trajeto sobre a corda bamba e todos aplaudem. Depois o apresentador volta a perguntar:

-Quem crê que ele consegue agora passar de um lado para o outro na corda bamba pedalando uma bicicleta?

-A multidão responde eufórica:

-EU!!!

Realizado o trajeto o apresentador volta a perguntar:

-Ele agora vai atravessar na corda bamba pedalando a bicicleta com uma venda nos olhos. Quem crê que ele consegue?

Todos gritam a uma só voz:

-EU!!!

O apresentador então aponta para o equilibrista e torna a perguntar:

Quem confia em ir na garupa da bicicleta com ele?

Houve um silêncio profundo na platéia…



É muito fácil para nós, crer que Deus faz grandes milagres, mais ainda não aprendemos a entregar a nossa vida totalmente em suas mãos. Há uma grande diferença entre crer e confiar.

Detalhes dos cristãos perseguidos na Síria que o mundo não vê


Quando a guerra na Síria começou parecia ser um simples levante pacífico contra o presidente Bashar al-Assad, mas com o tempo, tornou-se um dos conflitos mais sangrentos que afetou não apenas os sírios, mas outros países da região. O mundo inteiro tem acompanhado o desenrolar dessa história, com pontos de vistas diferentes e opiniões divergentes. No entanto, existem detalhes que o mundo não vê. Com o foco voltado para os cristãos perseguidos, há cenas animadoras que precisam ser compartilhadas com a igreja livre de perseguição.
Nesse momento, muitas famílias que estão deslocadas buscam uma fonte de conforto e segurança. Nessa oportunidade, crianças cristãs sírias, envolvidas em atividades da igreja, chamaram a atenção dos muçulmanos. Kristina* que lidera o ministério infantil em Allepo, comentou: “Um grande número de muçulmanos estão em busca de refúgio. Pela primeira vez, vejo os dois grupos religiosos realmente interagindo. Percebi a surpresa deles quando se depararam com cristãos dispostos a servi-los, ainda mais sendo crianças”, comenta. De acordo com a colaboradora, são os pequenos que estão abrindo as portas da igreja para as famílias muçulmanas.
“As crianças chegam primeiro e abrem seus corações para o amor de Cristo. Em seguida, chegam as mães e as mulheres da família e depois os homens”, diz. Apesar da guerra, Kristina fala sobre a “Era Dourada no Oriente Médio”. Esse termo ainda é usado por eles para ilustrar um período de paz, harmonia e estabilidade. “Pela primeira vez na história os muçulmanos estão vindo ao nosso encontro. Essa é a nossa oportunidade, a única coisa que devemos fazer é contar a eles sobre as boas novas. Eles estão necessitando disso”, afirme e explica: “Alguns cristãos ainda tem certo receio de evangeliza-los, mas devemos ser fortes e crer no poder do Espírito Santo. Essa é uma oportunidade de ouro, não podemos perdê-la”, conclui.
*Nome alterado por motivos de segurança.

Só 39% dos pais conversam com filhos sobre ameaças online



Embora mais da metade (52%) dos pais acredite que os riscos que as crianças correm na internet estejam aumentando – do cyberbullying à apresentação de conteúdo inadequado –, pouco mais de um terço deles (39%) conversa com seus filhos sobre as possíveis ameaças, mostra a nova pesquisa realizada pela Kaspersky Lab e pela B2B International. 

A pesquisa constatou que um em cada cinco adultos (20%) não faz nada para proteger seus filhos das ameaças da internet, apesar de uma proporção semelhante (22%) já ter observado seus filhos em contato com ameaças reais online, como a exibição de conteúdo inadequado, a interação com estranhos e o cyberbullying. Ainda, 53% acham que a internet afeta negativamente a saúde ou o bem-estar de suas crianças.

Praticamente um terço dos pais (31%) acha que não tem controle sobre o que seus filhos veem ou fazem online, e quase dois terços (61%) não conversam com as crianças sobre as ameaças virtuais. Já quando tomam uma atitude, nem sempre são efetivas. Por exemplo, 28% dizem que verificam o histórico de navegação de seus filhos; mas nesse momento os danos já podem ter ocorrido. Apenas um quarto dos entrevistados (24%) usa algum tipo de software de controle de navegação.

Fonte: Convergência Digital

Cerca de 80% dos cristãos do Iraque morreram ou fugiram do país



Grande parte da mídia vem divulgando que a queda de Mossul no Iraque poderá forçar os soldados do Estado Islâmico a fugirem para a Síria. Mesmo que isso aconteça eles deixarão uma marca histórica.

Acredita-se que desde a queda do ditador Saddam Hussein, em 2003, abriu-se um ‘vácuo’ de poder. A ascensão do extremismo islâmico resultou na virtual eliminação do cristianismo em várias regiões do país.

Com o Estado Islâmico declarando seu califado na área que engloba a porção norte do Iraque em 2014, seguido de relatos recorrentes de perseguições, torturas, estupros e escravidão, estima-se que 80% dos cristãos iraquianos foram mortos ou forçados a fugir do país. Dos cerca de 1,5 milhão 13 anos atrás, restaram menos de 300.000.

Na vizinha Síria, a ascensão dos jihadistas criou uma das piores crises de refugiados no século 21. Entre 2010 e 2016, calcula-se que, foram mortos ou fugiram do país cerca de 50% dos cristãos. Antes desse êxodo em massa, os cristãos representavam cerca de 10% da população.

Lisa Pearce, falando em nome da Missão Portas Abertas no Reino Unido e na Irlanda, confirmou que, de fato, a população cristã na Síria hoje é menos da metade do que era em 2010.

Além disso, apenas 17% dos cristãos que viviam no Iraque antes da invasão por tropas americanas permanecem no país. “No Iraque, desde 2003, cinco em cada seis cristãos saíram do país porque não têm mais esperança de um futuro lá”. 

Fonte: Gospel Prime com informações de Christian Post

Nova resolução aprovada pela UNESCO nega registro bíblico sobre Monte do Templo



Em uma votação dramática, o Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO / ONU (WHC) aprovou nesta quarta-feira (26), uma nova resolução que volta a ignorar os laços judeus com o Monte do Templo e só considera os nomes muçulmanos para o local que é considerado sagrado, também para o judaísmo e o cristianismo.

Segundo a Bíblia, no local foram construídos o primeiro e o segundo templo judaico de Jerusalém. Porém atualmente há uma mesquita construída no Monte.

Israel já temia que a proposta fosse aprovada, mas também tinha esperanças de que alguns dos 21 Estados-Membros optassem pela abstenção ou oposição ao texto.

Em vez disso, a Tanzânia e a Croácia tinha pediram por uma votação secreta. Quando os votos foram contados, apenas 10 países tinham votado a favor da proposta, dois se opuseram a ela, oito se abstiveram e uma nação – a Jamaica – se ausentou da sessão.

A Autoridade Palestina e a Jordânia tinham avisado que iriam fortalecer as reivindicações muçulmanas ao local na resolução, a menos que houvesse uma votação sobre o texto existente, que era uma versão mais suave que aquele que o WHC já havia aprovado em 2015.

Israel permitiu-lhes acreditar que tinham o apoio do consenso. Parte dessa estratégia foram as declaraçõe dadas à mídia sobre como Israel esperava uma grande perda na reunião do WHC, em Paris.

Ajustes

Entre as críticas diferenças e disparidades que foram ajustadas no novo texto, estava a restauração dos termos judaicos para se referir ao Muro das Lamentações. Em resoluções anteriores os nomes estavam entre aspas ou parênteses e o local considerado sagrado era referenciado apenas com seu nome muçulmano: ‘Muro Buraq’.

O Embaixador de Israel na UNESCO, Carmel Shama-Hacohen, disse que até o fim não ficou claro quanto de apoio a resolução tinha. No final, ele disse, que apenas os estados árabes do Comitê, juntamente com Cuba e Vietnã apoiaram a resolução.

De acordo com fontes diplomáticas, dentre os países que apoiaram a resolução estavam: Líbano, Cuba, Kuwait, Tunísia, Turquia, Azerbaijão, Cazaquistão, Indonésia, Vietnã e Angola.

Aqueles que se abstiveram foram: Polônia, Portugal, Croácia, Finlândia, Coreia do Sul, Burkina Faso, Peru e Zimbábue.

Já os que se opuseram foram a Tanzânia e Filipinas.

“Conseguimos surpreendê-los (os palestinos e os Estados árabes) no último minuto”, disse Shama-Hacohen. “O crédito para isto é devido ao Ministério das Relações Exteriores e ao Gabinete do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

“Quero expressar um agradecimento especial às duas nações valentes: Croácia e na Tanzânia, que estavam indecisas sobre Israel e publicamente pediram uma votação, se colocando contra a vontade do mundo árabe”, disse Shama-Hacohen. Ele também agradeceu aos Estados Unidos, pelo o papel significativo que desempenharam.

“Com relação ao conteúdo [da resolução], as nações árabes não tinham escolha, senão bater em retirada quase que por completo sobre a questão do Muro das Lamentações”, disse Shama-Hacohen.

O problema é com referência ao Monte do Templo, unicamente por seus nomes muçulmanos de ‘Al-Aqsa’ e ‘Haram Al-Sharif’, que permanecem, disse ele.

“Mas essa questão também será resolvida um dia e a verdade vai prevalecer”, acrescentou.

Ainda criticando o WHC pela votação em Paris nesta quarta-feira, Shama-Hacohen criticou os Estados-Membros que votaram a favor da nova resolução.

“Vocês acabam de adotar uma [resolução] contra a verdade histórica. Isto está em contradição total e absoluta a todos os valores”, disse ele.

O representante da Autoridade Palestina, por sua vez acusou Israel de transformar uma questão sobre direitos em um debate sobre religião.

Já os Estados Unidos disseram que essas resoluções “minam o apoio da própria legitimidade desta organização” e exortou “os membros [do WHC] a adotarem uma abordagem em que todos possam trabalhar juntos”.

Fonte: JM Notícia e Guia-me

COLEIRA ERVA DE SANTA MARIA - PREÇOS ESPECIAIS PARA REVENDA

ENTRE NO LINK ABAIXO E COMPRE PARA REVENDA . https://petpetsbrasil.loja2.com.br/3600225-COLEIRA-ERVA-DE-SANTA-MARIA-REPELENTE-A-PULGAS-...