segunda-feira, 9 de abril de 2018

A heresia da substituição


Desde os tempos apostólicos os crentes lutam com heresias introduzidas pelo inimigo para desvirtuarem os fatos e as doutrinas bíblicas e afastá-los da sua fé. O crente deve estar sempre atento, e conhecer bem e usar a espada do Espírito que é a Palavra de Deus neste combate contra o mal.
Algumas heresias são fáceis de combater, porque não precisam de exame muito profundo para se perceber a sua falsidade à luz das Escrituras, e saltam aos olhos mesmo dos mais indoutos. Outras são muito mais sutis, geralmente tradicionais, e algumas surgiram muito cedo na história, e por isto não são combatidas com o vigor necessário. Contudo não deixam de ser nocivas e às vezes trazem efeitos desastrosos e inesperados. Vamos aqui tratar de uma das mais espalhadas através da chamada “cristandade”, sendo também uma das mais antigas e das mais tradicionais: é a heresia chamada “teologia do cumprimento” ou “teologia da substituição”.
Basicamente ela proclama que “a Igreja substituiu Israel e todas as muitas promessas feitas a Israel na Bíblia são cumpridas na igreja cristã, não em Israel”. Por conseguinte, as profecias nas Escrituras relativas à bênção e à restauração de Israel à terra prometida têm que ser espiritualizadas ou alegorizadas nas promessas de bênçãos de Deus para a Igreja. Além de claramente contradizer os ensinos claros nas Escrituras, como pode essa heresia explicar a existência contínua do povo israelita ao longo dos séculos e especialmente o seu renascimento no moderno Estado de Israel? Se Israel foi rejeitado por Deus, e não há futuro para a nação israelita, como explicar a sobrevivência sobrenatural do Seu povo ao longo de mais de dois milênios depois da fundação da Igreja de Cristo, apesar de várias tentativas de destruí-lo, até mesmo as promovidas por instituições que se denominavam cristãs? Como explicar o ressurgimento de Israel como uma nação no século XX após sua ausência por 1.900 anos?
A origem dessa heresia vem de Roma. Mesmo nos tempos apostólicos, Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, assim como foram todos os escritores dos livros da Bíblia, combateu vigorosamente essa “raiz de amargura” em sua epístola às igrejas de lá (Romanos 11:25-32). No entanto, não foi eliminada e a encontramos em escritos de teólogos primordiais. A instituição católica romana, formada anos mais tarde, viu a nova aliança em Cristo como sendo substituta da Aliança Abraâmica. Ela até mesmo implica que as suas estruturas eclesiásticas são o cumprimento e a substituição das mosaicas, e Jerusalém é uma alegoria de si própria.
Recentemente, em 1965, o Concílio Vaticano II afirmou, "A igreja (de Roma) é o novo povo de Deus” e o catolicismo moderno afirma ser ele autoritativo para doutrina sobre o Novo Testamento. As instituições denominacionais protestantes modernas tomam uma variedade de posições, dependendo do grau de afastamento das heresias tradicionais dos católicos, sejam romanas ou ortodoxas.
Todavia, o Novo Testamento repetidamente prioriza Israel, como na informação do Senhor Jesus que Sua missão central era para os judeus “Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 15:24), e na fórmula de Paulo: "primeiro para o judeu, depois para os gentios” (p.ex. Romanos 2:9-10). Ainda depois do início da Igreja em Jerusalém a inclusão dos gentios como iguais aos judeus nesta “seita” florescente do judaísmo também causou problemas, especialmente quando se tratava do cumprimento da lei mosaica pelos gentios. Isto foi discutido em uma assembleia daquela igreja, e também foi tema de Paulo em sua epístola aos Gálatas.
A visão de que Israel e a Igreja de Cristo são diferentes é claramente ensinada no Novo Testamento. Biblicamente falando, a igreja é completamente diferente e distinta de Israel, e os dois nunca devem ser confundidos ou usados de forma intercambiável. Aprendemos nas Escrituras que a Igreja é uma criação inteiramente nova que surgiu no dia de Pentecostes e irá continuar até que for levada ao Céu no arrebatamento (Efésios 1:9-11; 1 Tessalonicenses 4:13-17). A Igreja de Cristo não tem relação com as maldições e bênçãos para a nação de Israel. Os convênios, promessas e advertências são válidos apenas para aquela nação. A nação de Israel foi temporariamente removida do programa de Deus para o mundo durante estes últimos 2.000 anos de dispersão.
Após o arrebatamento (João 14:2-3, 1 Tessalonicenses 4:13-18), estando a Igreja ausente da Terra até o milênio, Deus vai restaurar a nação de Israel como o foco principal do Seu plano. O primeiro evento da restauração é a tribulação (capítulos 6 a 19 do Apocalipse). O mundo será julgado por rejeitar a Cristo, enquanto Israel é preparado através das provações da grande tribulação para a segunda vinda do Messias. Em seguida, quando Cristo voltar à Terra, no final da tribulação, o remanescente da nação de Israel terá reconhecido o Senhor Jesus como o seu Messias, terá se convertido e estará pronto a recebê-Lo. Serão salvos dos seus inimigos, e o Senhor estabelecerá Seu reino na Terra, com Jerusalém como sua capital. Com Cristo reinando como rei, Israel vai ser líder das nações, e representantes de todas as nações virão a Jerusalém para honrar e adorar o Rei — Jesus Cristo. A Igreja irá retornar com Cristo e os crentes reinarão com Ele por mil anos, literalmente (Apocalipse 20:1-5).
Embora a heresia da “substituição” tenha surgido já no primeiro século depois de Cristo, a atitude hostil aos judeus que ela incentivou se desenvolveu através dos séculos e culminou com o “holocausto” nazista em meados do século XX.  Não obstante, uma versão virulenta da heresia influenciou as gerações subsequentes de instituições que se denominam cristãs, e passou a contaminar o mundo durante os anos que se seguiram a segunda grande guerra, particularmente na Europa.
Essa versão não só promove o ódio ao povo judeu, mas nega a legitimidade da ocupação israelita da sua própria terra, acompanhando o interesse dos países árabes. A “espiritualização” das muitas promessas territoriais encontradas na Bíblia, feitas por Deus a Abraão e aos seus descendentes como uma nação, resultam em negar seus direitos de herança milenares dados por Deus. Em consequência dessa heresia, vemos que grande parte dos que se declaram cristãos se colocam ao lado dos seus inimigos tradicionais árabes, e condenam Israel por defender-se dos seus inimigos que usam da violência e terrorismo para sua destruição. Lembremo-nos de Zacarias 2:8... “Pois assim diz o Senhor dos exércitos: Para obter a glória Ele me enviou às nações que vos despojaram; porque aquele que tocar em vós toca na menina do Seu olho”. As nações sobreviventes ao período da tribulação, antes da instituição do Reino de Deus na Terra, serão julgadas em função do tratamento que tiverem dado “a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos” (Mateus 25:31 a 46).
Entre as nações que hoje se reúnem como Nações Unidas, Israel apenas pode contar atualmente com uma para o seu apoio: os Estados Unidos, onde a heresia tem sido contida e atualmente 42 por cento da população israelita do mundo é acolhida. Sua “hospedagem” tem sido altamente benéfica para os Estados Unidos, pois embora constitua apenas 2 por cento da população, já contribuiu com 37 por cento de todos os ganhadores do prêmio Nobel nesse país, e se distingue notavelmente em sua política, finanças, economia, ciências e artes.
A Igreja não substituiu Israel no plano de Deus. Enquanto Deus aparentemente pode estar agora concentrando a Sua atenção principalmente na Igreja durante esta dispensação da graça, Deus não se esqueceu de Israel e um dia restaurará Israel em seu papel de nação que Ele escolheu (Romanos 11). Tanto o antigo testamento como o novo apoiam um entendimento dispensacional pré-milenarista do plano de Deus para Israel. O apoio mais forte para o milenarismo encontra-se no ensino claro de Apocalipse 20:1-7, onde está declarado sete vezes que o reino de Cristo vai durar por mil anos. Depois da tribulação, Cristo reinará com Sua igreja sobre toda a Terra durante esse período, e a nação de Israel irá conduzir todas as nações do mundo.
Finalmente, temos as exortações em Colossenses 2:8 “... cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”. Também Efésios 6:14... “Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça”. Continuemos, pois, firmes no verdadeiro ensino claro das Escrituras e confiantes no seu perfeito cumprimento, pois assim não seremos decepcionados.

PORQUE PASTORES DA ASSEMBLEIA DE DEUS E OUTROS MINISTÉRIOS ESTÃO SE MATANDO ?

Pastor Ricardo Moisés, de Cornélio Procópio, e pastor Júlio César Silva, de Araruama se suicidaramPastor Ricardo Moisés, de Cornélio Procópio, e pastor Júlio César Silva, de Araruama se suicidaram
Esta semana foram noticiados dois suicídios de pastores no Brasil, reascendendo o debate sobre o apoio das igrejas aos seus líderes a fim de combater a depressão que tem levado líderes religiosos de todo o mundo a tirarem suas vidas.
Um dos casos aconteceu em Cornélio Procópio (PR) no último domingo. O pastor Ricardo Moisés, da Igreja Assembleia de Deus, se enforcou em sua casa que fica nos fundos da igreja.  Com 28 anos de idade, Ricardo foi encontrado já sem vida por sua esposa, que chegou a acionar o SAMU e a Polícia Militar, mas era tarde demais.
Nesta terça-feira (12) o pastor Júlio César Silva, ex-presidente da Assembleia de Deus Ministério Madureira em Araruama (RJ) tirou a própria vida por enforcamento. O corpo do pastor foi encontrado na varanda de sua casa, localizada em um condomínio na região nobre da cidade.
O pastor Júlio Cesar Silva é sobrinho do pastor Oídes José do Carmo, presidente da Assembleia de Deus – Ministério Campinas e um dos maiores lideres da Assembleia de Deus Madureira no Brasil.
Depressão de pastores é preocupante
A pastora Lucimari Alves Barro, da Igreja do Evangelho Quadrangular, de Criciúma, Santa Catarina, suicidou-se  quarta-feira dia 27 .
Ainda que o motivo dessas mortes não tenha sido revelado por suas famílias, os números cada vez maiores de pastores que cometem suicídio têm preocupado instituições em todo o mundo.
O Instituto Schaeffer, dos Estados Unidos, chegou a pesquisar sobre a saúde mental de líderes religiosos e revelou que 70% dos pastores lutam constantemente com a depressão, e 71% estão “esgotados” física e mentalmente.
Ainda de acordo com esta pesquisa, 80% dos pastores acreditam que o ministério pastoral afeta negativamente suas famílias e 70% dizem não ter um amigo próximo.
Assim como o número geral de suicídios, os casos com vítimas que lideram igrejas também têm a depressão como principal causa. Além da doença, fatores como traições ministeriais, baixos salários, isolamento, falta de amigos e problemas conjugais também foram registrados.

 “Triste saber que muitos homens e mulheres de Deus estão desistindo da vida, pela pressão e ataques espiritual dificuldades encontradas ao longo do caminho , sem apoio muitas vezes, sempre está presente na vida de pessoas que precisam, mas quando precisa se vê sozinho, se sua igreja está bem é alvo que críticas dos companheiros que em vez de se alegrar com o crescimento se enche de ciúmes e torcem pra que algo de errado aconteça com o pastor , pra ver sua queda pra se auto afirmar”

Aliança de Batistas envergonha evangélicos e emite nota sobre a prisão , defendendo o condenado ex-presidente Lula

Aliança de Batistas do Brasil
Aliança de Batistas do Brasil
Em nota emitida nesta sexta-feira, 6 de abril, a Aliança de Batistas do Brasil – que integra o CONIC – manifestou perplexidade acerca do que está ocorrendo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Um dos trechos do documento, assinado pelo pastor presidente da Aliança de Batistas, Joel Zeferino, afirma, parafraseando o monsenhor Oscar Romero, “se prenderem o Lula, ele seguirá livre em cada uma e cada um de nós que se recusa a deixar que as forças do mal e da maldade tenham a última palavra. Nesse compromisso de vida, profetizamos, que a esperança há de vencer o medo”.
A seguir, leia a íntegra da nota da Aliança de Batistas do Brasil.


Carta da Aliança de Batistas do Brasil sobre a possível prisão do
Ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 
Salvador, 06 de abril de 2018. 



“Até quando Senhor, clamarei eu, e tu não escutarás? (…)
Por esta causa a lei se afrouxa, e a justiça nunca se manifesta;
porque o ímpio cerca o justo, de sorte que a justiça é pervertida.
Então o Senhor me respondeu, e disse:
Escreve a visão e torna-se bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo. (Habacuque 1:2-4; 2:2)
Perplexidade e tristeza. Esses são alguns sentimentos mais fortes entre aquelas e aqueles que tem algum senso de compaixão e noção de justiça no Brasil de hoje. Muitos outros sentimentos também estão presentes nesses mesmos corações: indignação; revolta; desejo de lutar; vontade de desistir de tudo… Sentimentos complementares e/ou contraditórios.
Sentimentos complexos em tempos complexos que vivemos. Mas uma coisa é simples e certa: em 2016 nosso País foi assaltado por um Golpe Legislativo-Judiciário, em conluio com a elite nacional; dos altos comandos militares; da mídia hegemônica, e, por que não dizer, dos interesses de multinacionais e das potências centrais deste mundo dominado pelo Capitalismo, em especial, dos EUA, que joga com sua pesada máquina militar, seu aparato de espionagem e suas poderosas ferramentas de propaganda e de chantagem econômica.
É do meio do Golpe – e todas as suas arbitrariedades diárias – que nos encontramos hoje. Cada dia conta, mas alguns dias fazem diferença na História do Mundo. Esse é um deles. Querem levar a prisão – usando de arbitrariedade sobre arbitrariedade – a maior liderança popular de toda América Latina. Querem mais uma vez afirmar a força das botas, das armas e do dinheiro sujo de sangue contra o sonho feito de suor e lágrimas do povo em busca de liberdade e justiça.
Diante disso, com o coração tremendo de indignação diante das arbitrariedades, nos perguntamos qual o profeta: “Até quando Senhor?”.
Ainda não sabemos qual a resposta final.
Ao mesmo tempo, ouvimos o eco das outras palavras do profeta, que como sopro Divino, nos instiga a não desistir. Pelo contrário, qual outro poeta-profeta, insistimos em dizer que “atordoado eu permaneço atento”. Mais que atentos: tomando a História nas mãos, ousamos a escrevê-la em tábuas, com a mais forte de todas as tintas: o sangue das e dos mártires, “dos quais o mundo não era digno” (Hb. 11:38)
Sangue das mulheres em luta por sua dignidade ao longo de milhares de anos, muitas das quais anônimas, seguem se ouvindo falar; sangue de negras e negros que foram submetidos a escravidão, mas se rebelaram tantas vezes, criando resistência, e deixando um legado de coragem até a última gota de sangue. Sangue do Dr. Rev. Martin Luther King Jr. Sangue de Dorothy Stang. Sangue de Chico Mendes. Sangue de Marielle Franco. Sangue do profeta Nazareno, torturado e morto pelo império vigente, Jesus.
É com esse sangue, que hoje escrevemos, parafraseando o Monsenhor Oscar Romero: se prenderem o Lula, ele seguirá livre em cada uma e cada um de nós que se recusa a deixar que as forças do mal e da maldade tenham a última palavra.
Nesse compromisso de vida, profetizamos, que a esperança há de vencer o medo!
Joel Zeferino
Presidente da Aliança de Batistas do Brasil
Fonte: CONIC – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil

POLITICAGEM DE SODOMA - Cartilha que ensina crianças a usar preservativos causa polêmica no Ceará

sala de aula com crianças
sala de aula com crianças
Na última quarta-feira (04), a Assembleia Legislativa foi palco de uma discussão ferrenha sobre a distribuição de uma cartilha de prevenção contra o HPV.
A deputada Dra. Silvana (MDB) cobrou, já durante o primeiro expediente da sessão plenária do dia na Assembleia Legislativa, que a prefeitura de de Capistrano tomasse uma atitude sobre o conteúdo da cartilha distribuída do Ministério da Saúde, que estava sendo distribuída para crianças, alertando que o material contém imagens impróprias para o público infantil e que é de responsabilidade da gestão municipal proteger as crianças, evitando também a sexualidação precoce delas.
A Dra. Silvana informou que conversou com educadores da cidade de Capistrano (CE) para se informar melhor sobre a situação e repassou a denúncia para o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB/CE). Este, por sua vez, prometeu entrar em contato com o Ministério da Saúde, responsável pelo material.
“Temos que cobrar uma atitude do Ministério da Saúde, mas também da Prefeitura de Capistrano, pois não é só porque o Ministério mandou distribuir esse material que a Prefeitura é obrigada a concordar com o conteúdo dele”, disse a deputada.
As imagens – apontadas por Silvana como impróprias para menores – ensinam passo a passo sobre como usar preservativos para relações sexuais.
“É nosso dever proteger a inocência da infância, permitindo que as nossas crianças sejam crianças”, acrescentou a parlamentar.
O deputado Danniel Oliveira (MDB) destacou como positiva a postura de Dra. Silvana com relação a temas como este e ressaltou o erro grave que é a sexualização precoce das crianças.
“Não podemos tirar a inocência das nossas crianças, temos que preservar a idade delas e deixar que elas sejam crianças, sem qualquer ideia de sexualidade”, assinalou.
A deputada contou também com o apoio do senador Magno Malta, que gravou um vídeo, ressaltando a gravidade desta denúncia.
Fonte: Guia-me

O FIM DO BRASIL NA ERA DO PT . CORRUPÇÃO - LAVAGEM DE DINHEIRO - MENTIRAS - ENRIQUECIMENTO ILÍCITO

nuclear_explosion_explosionA situação econômica é caótica, pela primeira vez em nossa história o Produto Interno Bruto irá ficar zerado ou cair por três anos consecutivos (2014, 2015 e 2016). Isso nunca ocorreu antes. O desemprego atingiu a exorbitante marca de 11,1 milhões desempregados. Fato inédito na história brasileira. A situação fiscal brasileira vai de mal a
A situação econômica é caótica, pela primeira vez em nossa história o Produto Interno Bruto irá ficar zerado ou cair por três anos consecutivos (2014, 2015 e 2016). Isso nunca ocorreu antes. O desemprego atingiu a exorbitante marca de 11,1 milhões desempregados. Fato inédito na história brasileira.
A situação fiscal brasileira vai de mal a pior. Em março, o déficit primário (acumulado em 12 meses) atingiu a exorbitante marca de 10,6 bilhões de reais, ou seja, 2,28% do PIB (o pior rombo fiscal da história brasileira). Vamos colocar uma coisa na sua cabeça: a crise atual não foi causada pelo ajuste fiscal e o motivo é simples e óbvio: não ocorreu ajuste fiscal! Os economistas de fundo de quintal insistem em culpar o ajuste fiscal inexistente pela crise atual. Basta olhar as contas públicas para perceber que o PT dilapidou o Estado brasileiro, o PT “raspou o tacho” das contas públicas, o PT fez ( e faz) a política de terra arrasada com os recursos públicos e destrói o bolso dos contribuintes, cidadãos brasileiro.
A situação da saúde é ainda mais grave. A crise econômica está tão severa que a imprensa ainda não se deu conta das epidemias de dengue, febre chikungunya e zika que estão destruindo nossa sociedade. É uma verdadeira praga. Seja Londrina no Paraná, ou Brasília no Distrito Federal, a dengue está dizimando nosso país. Quantas pessoas você conhece que já pegaram zika, dengue ou Chikungunya? Eu conheço um monte delas, o PT destruiu a saúde do brasileiro.
A situação da educação é péssima, também. O PT se preocupou mais em doutrinar nossas crianças do que em educá-las. De igual modo, a situação da segurança pública é horrorosa. São quase 60 mil homicídios por ano (o Brasil é o país com o maior número de homicídios no mundo). O PT se preocupou mais em institucionalizar a corrupção do que em combater o crime.
Seja na economia, seja na saúde, seja na educação, seja na segurança pública, O PT ACABOU COM O BRASIL. Nos resta, agora, reconstruirmos o país!

https://www.institutoliberal.org.br/blog/o-pt-acabou-com-o-brasil/