domingo, 20 de novembro de 2011

PARTE DA MINISTRAÇÃO ONTEM EM ITAQUERA /SP . CONGRESSO DE IRMÃS IGREJA PODER DA FÉ .

PARTE DA MINISTRAÇÃO ONTEM EM ITAQUERA /SP . CONGRESSO DE IRMÃS IGREJA PODER DA FÉ . http://www.youtube.com/user/BispoRoberto1?blend=5&ob=5

MEDITAÇÃO DO DIA

Sansão

Ó Deus, eu Te suplico, dá-me forças, mais uma vez! Juízes 16:28


Teria sido Sansão uma versão mais robusta de Sylvester Stallone ou de um Arnold Schwarzenegger, com farta cabeleira? Para manter a forma física, quantas flexões ele fazia por dia? Quantos abdominais? Quanto peso conseguia levantar com seus halteres?


Sansão foi dotado de grande força física como um presente de Deus para ele. Ele recebeu dons que poderiam ser usados para engrandecer Israel. E o plano de Deus era que ele liderasse Israel contra os filisteus.


Corajoso e forte como era contra os homens, não se amedrontando diante de nada, deixou-se enfeitiçar pelas mulheres filisteias. Inclusive uma de suas primeiras conversas com os pais foi: “Vi uma mulher filisteia em Timna; consigam essa mulher para ser minha esposa” (Jz 14:2). Resultado: foi seduzido posteriormente pela espiã Dalila e capturado pelos filisteus.


A captura de Sansão teve tal repercussão entre os filisteus que eles realizaram uma celebração de proporções nacionais. Que espetáculo!

Três mil pessoas no templo. Na “geral”, nas galerias e arquibancadas, até mesmo no teto o povo se reuniu com dança, vinho, gritaria e zombaria para comemorar a conquista. Ali estava diante deles o troféu que todos admiravam: “Olha só, que massa humana ele é! Ombros largos, bíceps volumosos, as pernas dele parecem dois pilares!”


Sansão, que apenas ouvia, mas nada via, pediu a um rapaz que o levasse para junto das colunas da entrada do templo de Dagom. Ali ficou ele durante algum tempo com a cabeça inclinada. Estava orando: “Senhor, dá-me força mais uma vez.” Esticou os braços e empurrou as colunas; as veias do pescoço ficaram salientes diante de tanta força, e todo o complexo do templo veio abaixo. Três mil mortos, inclusive ele.


No Novo Testamento não são mencionados os erros de Sansão nem as grandes proezas que ele fez com a força do Espírito Santo. Em Hebreus 11:32 e 33, ele é mencionado como um dos que, pela fé, venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas.


Ser bem-sucedido numa área da vida não é suficiente para compensar as derrotas em outras áreas. O líder tem que identificar suas fraquezas pessoais e proteger-se delas. Um simples passo em falso pode destruir tudo o que foi construído. Somente Deus pode usar pessoas de fé, a despeito das falhas delas.


Mesmo que tenhamos errado, podemos depositar nossa confiança em Deus e recomeçar no caminho certo.

Em quanto o Macedão fica gastando dinheiro com o MEGA TEMPLO DE SALOMÃO , A Seita do Reverendo Moon promete início das obras de mega hospital em MS

Hospital deve começar a ser construído em meados de 2012, com entrega prevista em 30 meses. Área deve ser de 80 mil hectares, com direito a 150 leitos e até SPA

Com projeto ousado e investimento previsto de R$ 58 milhões, as obras do Hospital Ishin Brasil devem começar até julho de 2012, em Guia Lopes da Laguna. A previsão de entrega é de 30 meses, a partir do início da construção.

O empreendimento e o cronograma são promessas do Instituto Nova Esperança, ligado à Igreja da Unificação, criada pelo Reverendo Sun Myung Moon.

O hospital seria um desejo de Moon desde 1996, quando chegou em Mato Grosso do Sul para instalar sua Igreja, na região de Jardim. Mas só no ano passado o projeto começou a sair do papel e agora parte para as últimas definições antes do início das obras.

“É uma obra grande, em parceria com várias instituições, e que vai beneficiar a população de toda a região sudoeste do Estado, cerca de 120 mil pessoas. O hospital é inspirado no desejo do Reverendo”, diz o diretor-presidente do Instituto, José Albuquerque de Almeida.

A construção do empreendimento e a maior parte do investimento, avaliado inicialmente em R$ 58 milhões entre obras e equipamentos, é por parte de um grupo de médicos do Japão, onde já existe um Hospital Ishin. No Brasil, a instituição mantenedora será a Nova Esperança.

De acordo com o projeto, o empreendimento prevê ocupar uma área de cerca de 90 hectares, com direito a ala hospitalar, um SPA de nível internacional, residências e, a longo prazo, uma universidade de medicina.

Serão 150 leitos hospitalares e cerca de 90 dedicados ao SPA. Almeida explica que ainda não foi definida a quantidade de residências que serão construídas e se servirão de moradia para os médicos do hospital.

Os atendimentos hospitalares serão 60% destinados ao SUS (Sistema Único de Saúde) e o restante para pacientes com convênio de saúde ou particular.

Almeida ainda esclarece que o local pretende ser um hospital escola, com convênio entre universidades para o atendimento de residentes. Os investidores também estudam a possibilidade de instalar mais um audacioso empreendimento no local: uma faculdade de medicina.

“A universidade é algo que foi cogitado, mas ainda não tem nada de concreto. Seria uma obra para o futuro, alguns anos depois que o hospital já estiver funcionando”, esclarece.

Atendimentos - Os atendimentos devem ser feitos por médicos conveniados ao SUS e particulares, contando com profissionais também do Japão. Os aparelhos utilizados também devem contar com a tecnologia japonesa, além da presença da medicina natural do oriente.

Almeida ressalta que o hospital irá suprir a demanda de pacientes de alta e média complexidade na região, que antes eram levados para hospitais da Capital.

Segundo a entidade, serão cerca de 120 mil moradores beneficiados diretamente com o empreendimento, incluindo as 8 cidades da região sudoeste – Bonito, Bela Vista, Caaracol, Guia Lopes, Jardim, Bodoquena, Nioaque e Porto Murtinho.

O hospital deverá atender cerca de 30 especialidades, entre os atendimentos nas UTIs adulto e neonatal, maternidade, cardiologia, neurologia, cirurgia plástica e outros. Também serão disponibilizados exames de radiografia digital, tomografia, mamografia, ressonância magnética e outros.

Almeida ainda chama a atenção para os benefícios que o empreendimento deve trazer para o setor turístico da região, que engloba pontos visitados por moradores de todo o mundo.

“Os serviços providos por este hospital serão um importante ingrediente no marketing turístico internacional, oferecendo segurança na atenção à saúde, sobretudo, nos procedimentos de urgência ligados ao trauma, neurologia e cardiologia”, diz.

Acertos - O hospital será construído na área rural de Guia Lopes, entre os quilômetros 8 e 9 da rodovia estadual MS-382, na saída para Bonito. A área total com aproximadamente 90 hectares só foi adquirida parcialmente até agora, mas o Instituto garante que até janeiro terá todo o terreno.

A doação do terreno é a contrapartida da Prefeitura Municipal de Guia Lopes, que já comprou e repassou para o Instituto 25 hectares, adquiridos por cerca de R$ 250 mil, em meados deste ano.

Uma área de 35 hectares aguarda desapropriação da Prefeitura para doação ao Instituto. O local pertence à Associação das Famílias para Unificação e Paz Mundial – nome da entidade criada pela Igreja do Reverendo na região –, mas só pode ser doado após a desapropriação, já que está penhorado devido as altas dívidas que a Associação deve na Justiça.

Para completar a área, um terreno de 18 mil hectares, que fica no meio das duas propriedades, também deverá ser comprado pela Prefeitura. A longo prazo, os investidores esperam conseguir mais uma área de cerca de 15 hectares, que ainda não tem previsão para ser adquirida, e completaria os cerca de 90 hectares.

O próximo passo após a doação dos terrenos será a licença ambiental para construção na área e aprovação do projeto.

“Quando o projeto de execução e a área estiverem acertados vamos solicitar a licença para instalar o canteiro de obras”, frisa.

A previsão é de que as autorizações sejam concedidas até abril para a instalação do canteiro de obras no local. A pedra fundamental foi inaugurada em julho deste ano, em solenidade com diversas autoridades do Estado.

A próxima etapa para o funcionamento do hospital será o convênio com os médicos particulares e o SUS.

Pendências - Entre os moradores da região a construção do hospital é bem-vinda, como para o mototaxista Vicente de Paulo Pinho, de 50 anos. "Vai ser muito para todos nós, e é a realização do sonho do Reverendo, ele já se preocupava com a população daqui", diz.

Ele é membro da Igreja há cerca de 20 anos e ajuda nos trabalhos da instituição, que tem uma família, sendo o Reverendo o "grande pai".

Mas muitos ainda duvidam do empreendimento, já que foram muitas as promessas de benfeitorias que a Igreja da Unificação fez na região desde que se instalou em Jardim.

“Prometeram faculdade, depois uma indústria de suco e nada foi para frente. A escola também quase fechou e as propriedades rurais que adquiriram estão praticamente abandonadas”, diz um produtor rural de Jardim.

Outro problema é a quantidade de dívidas acumuladas pela Associação, que adquiriu diversas propriedades em pouco tempo, mas várias estão penhoradas na Justiça por conta de processos judiciais, entre dívidas com advogados e infrações ambientais.

No entanto, o presidente do Instituto esclarece que a obra do hospital é independente da Associação, ou seja, é vinculada apenas ao Instituto Nova Esperança e ao grupo japonês de médicos.

Com isso, o empreendimento não corre o risco de ser “tomado” para pagar dívidas da Associação.

A Igreja criou a Associação para gerenciar todas atividades na região, entre elas a fazenda New Hope e um escola em Jardim. O Instituto foi criado em 2003 para cuidar especificadamente as ações ligadas a área da saúde, com a criação do Centro de Diagnóstico em Guia Lopes.

“O Centro é a atividade que até hoje dá certo e o hospital será mais uma realização de sucesso. É um empreendimento que só vai trazer benefícios para todos e, portanto, não tem porque torcerem contra”, frisa Almeida.

O Centro de Diagnóstico atende mensalmente cerca de 350 pessoas, sendo 10% dos atendimentos totalmente gratuitos e cerca de 30% pelo SUS.

Fonte: Campo Grande News

Em crise, gravadoras tradicionais buscam mercado religioso

Bons números de vendas de CDs e DVDs gospel e baixa pirataria atraem empresas como Som Livre e Sony Music. "As pessoas estão cansadas de problema", diz a cantora Aline Barros (foto), que já vendeu 7 milhões de discos.

A indústria fonográfica não tem do que reclamar. Vender 50 mil cópias de um disco, hoje, é mamão com açúcar. Consumidores se interessam mais em abrir a carteira do que links para download pirata.

O negócio de livros também vai bem, obrigado. O de DVDs, então, nem se fala.

O cenário descrito acima pode soar como milagre para o mercado de entretenimento, que apanha ano após ano com o tombo nas vendas.

Já o setor gospel, bastião de bonança no meio da crise, pode soltar "aleluias" por aí.

Veja o caso da cantora Aline Barros, 35. Já ouviu falar dela? Talvez não, se você for um "secular" (como evangélicos se referem a quem não compartilha da mesma fé).

Mas tudo o que Aline toca vira ouro -até disco de diamante, conquistado pelas mais de 360 mil cópias vendidas, em menos de dez meses, do álbum "Extraordinário Amor de Deus" (2011).

O extraordinário poder das vendas, com certeza, a atingiu. Casada com pastor, frequentadora todos os domingos de uma igreja na zona sul do Rio, ela é uma espécie de Ivete Sangalo do gospel. Na carreira, já vendeu 7 milhões de discos.

Assim ela avalia o sucesso, inclusive no tal "mundo secular": "As pessoas estão buscando algo maior, cansadas de falar só sobre problemas, problemas, problemas".

Lucros, lucros e lucros são o que grandes gravadoras viram no potencial de Aline -premiada quatro vezes no Grammy Latino, que em 2004 criou categoria especial para álbum gospel em português.

Disputada, a cantora acabou renovando contrato com a MK Music, maior gravadora gospel do país. Presidente da MK, Yvelise de Oliveira, 60, desdenha do "súbito interesse" das gigantes do ramo.

Para ela, as "majors" desprezaram a força do público antes. Como "quando vieram os sertanejos, e diziam 'absurdo, que bregalhada'", compara Yvelise (leia mais ao lado).

NOVO NICHO
Diretor-geral da Som Livre, Marcelo Soares considera que "o público não religioso pouco gasta em suas crenças pessoais". Já o cristão, "além desses gastos", tende a gastar mais com cultura.

O selo representa nomes como Ana Paula Valadão, 35 (7 milhões de CD e DVDs vendidos). Diz a pastora: "Rádios seculares estão começando a tocar nossas canções. Os apresentadores sempre dizem que antes tinham preconceito".

A Sony Music inaugurou, em 2010, um departamento especializado em gospel. Seu diretor, Maurício Soares, levanta o perfil desse consumidor. "O evangélico lê mais, cerca de sete livros por ano. E as rádios do segmento, na maioria, são líderes do tempo médio de audiência."

Na Central Gospel, império tocado pelo pastor Silas Malafaia, DVDs vendem cerca de 1 milhão de cópias por ano. Diretora-executiva, Elba Alencar destaca: "Como a própria Bíblia diz, 'a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus'".

Fiéis "tratam CD como se fosse Bíblia"

Presidente da maior gravadora gospel do país, a MK Music, Yvelise de Oliveira, 60, critica grandes gravadoras que, agora, veem um "filão para explorar".

Folha - Por que o "mundo secular" despertou para o mercado gospel agora?
Yvelise - Porque o mercado deles não está bem. Sony, Som Livre... Acharam que nós somos um filão para explorar. Pegam nosso cantor e acabam [com ele], um horror.

Tinha cantora que vendia 1 milhão na MK. Na Som Livre, vende 70 mil.

Mas não é assim que funciona. Há uma linguagem própria. Vendemos nas Lojas Americanas, nas igrejas e também [levas] pequenas, de 20, 25 CDs.

Esse lado iconoclasta não colide com a fé evangélica?
Cantor tem que ser bonito porque imagem vende. Se não for, pelo menos tem que estar bem cuidado.

Minhas cantoras fazem dieta quando engordam, porque dou ataque.

Nunca achei que isso pudesse entrar em choque com minha igreja. Se são filhos de Deus, [artistas] têm que ser pessoas que mostram que são felizes.

O setor parece ir melhor na crise do que outros...
No período negro, superamos [as dificuldades] muito mais rápido que o restante [da indústria fonográfica]. É um mercado extremamente fiel. Tratam CD como se fosse Bíblia -e não deixa de ser Bíblia cantada. Tem pirataria, mas não como em outros meios. Diminuiu depois da campanha "Sou cristão, pirata, não".

Fonte: Folha de São Paulo

Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...