terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

DIGA NÃO AO REFRIGERANTE




Uma campanha com cartazes que retratam uma garrafa de refrigerante despejando banha em um copo é a mais nova arma das autoridades de saúde de Nova York no combate à obesidade.
A estratégia da campanha é promover uma redução no consumo de refrigerantes usando a tática de chocar as pessoas com a força da imagem, que, no caso, vem acompanhada dos dizeres”Are You Pouring on the Pounds?” (”Você está derramando os quilos a mais?”, em tradução livre).
Autoridades de saúde de Nova York afirmam que a ideia foi mesmo a de usar uma imagem forte e “feia” para chocar o público consumidor de refrigerantes.
“Nós realmente queríamos fazer uma declaração e chamar a atenção das pessoas”, afirmou Cathy Nonas, diretora dos Programas de Atividade Física e Nutrição no Departamento de Saúde da cidade.
Mas especialistas em propaganda e publicidade questionam a eficácia da campanha.
“Estas imagens parecem tão repugnantes que afastam, você olha para outro lado sem assimilar a mensagem”, afirmou George Parker, especialista em propaganda.
Obesidade
Pesquisas recentes mostram que os americanos bebem quase 58 bilhões de litros da bebida por ano. E as bebidas podem contar até 17 colheres de chá de açúcar em cada garrafa de 550 ml.
Em média, os americanos consomem atualmente entre 200 e 300 calorias a mais do que consumiam há 30 anos. Parte da culpa é do fenômeno do aumento do tamanho das porções mas, também devido ao consumo de refrigerantes.
O cartaz no metrô de Nova York é a última de uma série de campanhas do Departamento de Saúde da Cidade que incluem imagens chocantes. Campanhas contra o fumo incluem fotos de uma mulher que teve vários dedos amputados devido a uma doença causada pelo cigarro e um exame raio-X de pulmões afetados pelo câncer.
Neste sentido Nova York vem liderando as campanhas e iniciativas para aumentar impostos para refrigerantes e fast-food e abater impostos para lojas que vendem frutas e vegetais em bairros pobres. A cidade está sendo observada por autoridades de saúde de todo o país.
O prefeito Michael Bloomberg já obrigou cafés, restaurantes e lanchonetes a especificarem a quantidade de calorias nos cardápios, enviou vendedores de frutas para bairros pobres e deu incentivos a pequenas lojas para venderem frutas e vegetais.
Defensores das campanhas de saúde pública afirmam que os Estados Unidos estão vivendo hoje uma epidemia de obesidade que custa ao país US$ 147 bilhões por ano em gastos com saúde. De acordo com as últimas estatísticas do governo americano, 32.2% dos americanos adultos e 17.1% das crianças já são clinicamente obesos.

Cristãos são agredidos, humilhados e acusados de proselitismo na Índia


Cristãos são agredidos, humilhados e acusados de proselitismo na Índia
É o terceiro incidente anticristão no estado em 2012. Ultranacionalistas da RSS (Rashtriya Sawayamsevak Sangh) bateram, despiram e arrastaram um pastor diante de toda uma vila.

O presidente do Conselho Global de Cristãos Indianos disse: “A cumplicidade entre o governo e forças ultranacionalistas está colocando em perigo a sobrevivência de cristãos em Karnataka”.

Dezenas de ativistas hindus da RSS atacaram 20 cristãos da Associação da Nova Vida, numa casa privada, a 3 km da cidade de Haliyal (Uttar Kannada, Karnataka). O episódio aconteceu no dia 23 de janeiro.

“Mesmo em 2012”, disse Sajan George, presidente do Conselho Global de Cristãos Indianos (GCIC), “não há descanso para os cristãos. Nós já tivemos o terceiro incidente anticristão no primeiro mês do ano”.

Acusando os presentes de proselitismo e conversões forçadas, os ultranacionalistas começaram a bater em Kishore Kavalekar, um fiel, e no Reverendo Kalappa Chandrakanth Chavan, 27 anos, diante de sua esposa Vandana, 24 anos, e de sua filha de 3 anos de idade.

Depois de rasgar as roupas do pastor, os ativistas o arrastaram na frente de toda a vila. Em seguida, ataram Kalappa a uma árvore próxima a um templo hindu e chamaram a polícia de Haliyal. A polícia prendeu o Reverendo Chandrakanth e Kishore, mantendo-os presos por 24 horas, mas deixando os ativistas livres.

“Amanhã, a Índia celebra o sexagésimo segundo Dia da República: é imperativo que as credenciais seculares da nossa Constituição sejam garantidas e seguidas em todos os estados deste país”, concluiu Sajan George.

Recentemente, outros estados indianos foram o cenário de perseguição anticristã. Em Jammu e Kashmir, uma corte islâmica (que não possui autoridade legal) decretou a expulsão de cinco missionários cristãos, incluindo o pastor CM Khanna e Jim Borst.

“Cristãos são tratados como cidadãos de segunda classe não apenas pelas forças ultranacionalistas, mas também pelas autoridades. Com a aproximação do Dia da República, é tempo de o estado garantir à minoria cristã os direitos constitucionais”, disse o presidente Sajan George.


Fonte: Portas Abertas

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...