quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Bispo Romualdo Panceiro diz que “A Fazenda 4″ vai contra tudo que a Igreja Universal ensina e pede boicote de fiéis

Bispo da Universal manda fiéis ignorarem "A Fazenda 4"
Bispo Romualdo Panceiro diz que “A Fazenda 4″ vai contra tudo que a Igreja Universal ensina e pede boicote de fiéis
A direção da Record está sob ataque de bispos da Igreja Universal. Segundo esta coluna apurou, o bispo Romualdo Panceiro, rival de Honorilton Gonçalves (vice da Record), está aconselhando fiéis da igreja a não assistir “A Fazenda 4″. Panceiro também estaria fazendo a cabeça de Edir Macedo, para que ele proíba uma quinta edição do programa.
Dentro da Universal, o grupo de Panceiro é rival declarado do grupo de Gonçalves. A pressão de Panceiro pode ser a causa primordial que levou Edir Macedo a anunciar que os fiéis deveriam fazer um “jejum de informação”, que começou anteontem e vai durar até o dia 21. Os fiéis devem se abster de ter contato com qualquer tipo de mídia (TV, rádio, jornal e internet).
Panceiro tem abertamente dito a fiéis que o programa “jamais deveria ir ao ar”, e que (ele) “vai contra tudo o que a gente prega e ensina”. Ele chama os participantes de “ignorantes indecentes”. Panceiro se recusa a falar com jornalistas. Ele é hoje o segundo em hierarquia na Universal e foi apontado por Macedo em sua biografia como seu “herdeiro espiritual”. É ele também quem cuida da relação econômica entre igreja e emissora (leia-se: quem assina o cheque)
Sob ataque, a direção da Record, por sua vez ataca a direção de “A Fazenda”, exigindo saber o porquê de o ibope estar decepcionante. Nesta semana, o custoso reality show da emissora caiu para a média de 11 pontos, acendendo o alerta. Cada ponto vale por 58 mil domicílios sintonizados.
A Record não revela quanto custa a produção de cada edição do reality.
A primeira edição do programa marcou 14 pontos de média. A segunda desabou para 10. A terceira foi a de maior sucesso, com média de 15 pontos. Já “A Fazenda 4″ marca 12 pontos de média até o episódio de ontem.
Cobrados pela cúpula da emissora, os responsáveis pela escolha de elenco se eximiram, dizendo que não havia outras alternativas.

AMADO DE CRISTO - A PAZ DO SENHOR . VEJA ESSE VIDEO , POR FAVOR ENVIE PARA SEUS CONTATOS http://www.youtube.com/watch?v=MCUZAOSBOtg

Crianças afetadas pela violência continuam a ser negligenciadas


Crianças afetadas pela violência continuam a ser negligenciadasCrianças afetadas pela violência continuam a ser negligenciadas
Kandhamal foi o epicentro da violência anticristã em 2008; Centenas de igrejas foram queimadas e milhares de pessoas forçadas a fugir de suas residências

As crianças continuam a ser negligenciadas e impedidas de estudar, ainda três anos após os ataques que ocorreram em Kandhamal, na Índia. De acordo com um ativista dos direitos das crianças, Mahendra Parida, milhares de crianças ainda estão desanimadas e não recebem nenhum apoio do governo.

O distrito de Kandhamal foi o epicentro da violência anticristã, entre agosto e outubro de 2008, quando centenas de igrejas foram queimadas e milhares de pessoas foram forçadas a fugir de suas residências e de suas comunidades, que sofreram com as multidões violentas.

Enquanto milhares de crianças foram obrigadas a sair das escolas, muitos outros fugiram para lugares distantes em busca de alternativas para sobreviver. Além disso, a falta de acesso adequado à alimentação e nutrição provocou uma grave deterioração na saúde dessas crianças.

Depois da violência ocorrida em 2008, diz Parida, as crianças foram obrigadas a abandonar as escolas e a ingressar em massa no mercado de trabalho. Parida apresentou suas descobertas em uma audiência pública, em âmbito estadual, pela Comissão Nacional de Proteção dos Direitos da Criança (NCPCR).

Os horríveis incidentes de violência ocorridos em Kandhamal tiveram um impacto muito negativo na vida das crianças e muitas delas ainda carregam traumas pelo ocorrido, disse Parida .

De toda a população afetada pela violência, quase 36% tinham menos de 18 anos de idade. Parida apresentou suas descobertas na quarta-feira, depois de interrogarem mil diferentes famílias atacadas, que moravam em Kandhamal.

Dr. Shantha Sinha, presidente da NCPCR, alegou que o governo do Estado não tomou as medidas e recomendações necessárias e eficazes para que a vida dessas crianças tivesse melhorias.

Fonte: Christian Today /Missão Portas Abertas/Redação CPAD News

Vereador evangélico cria Dia do Orgulho Heterossexual para “a população resguardar a moral e os bons costumes”

Vereador evangélico cria Dia do Orgulho Heterossexual para “a população resguardar a moral e os bons costumes”
A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta terça-feira (2) o projeto de lei 294/2005, do vereador Carlos Apolinário (DEM), que institui, no município, o Dia do Orgulho Heterossexual. O projeto depende apenas de sanção do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para virar lei.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Dos 39 vereadores presentes, 18 se manifestaram contra o projeto: os 11 do PT, os dois do PCdoB, Claudio Fonseca (PDT), Claudio Prado (PPS), Gilberto Natalini (sem partido), Juscelino Gadelha (sem partido), Eliseu Gabriel (PSB) e o líder de Kassab, Roberto Tripoli (PV). Como não houve pedido de votação nominal a posição contrária não foi considerada.
O texto propõe que a data deverá ser comemorada todo terceiro domingo do mês de dezembro. O projeto estabelece que a data passará a constar do calendário oficial do município e afirma que caberá à Prefeitura de São Paulo “conscientizar e estimular a população a resguardar a moral e os bons costumes”.
Apolinario, evangélico da Assembléia de Deus de São Paulo, apresentou o projeto em 2005, mas, desde então, só havia conseguido aprová-lo em primeira votação, em 2007. Ele voltou a tentar a aprovação antes da Parada Gay deste ano, em junho, mas não conseguiu. Na ocasião afirmou que “hoje se fazem dezenas de leis favoráveis aos gays. Esse meu projeto é muito mais para fazer uma reflexão. Será que os gays querem direitos ou privilégios?”, disse.
O autor do projeto diz que a decisão de apresentar o projeto não tem vínculo com sua atuação religiosa. Apolinário nega que a lei seja contra a comunidade LGBT. Questionado se busca atender ao seu público, Apolinário diz que defende, sim, convicções pessoais.
O vereador se queixa de que a Parada LGBT foi mantida na Paulista enquanto a Marcha para Jesus foi deslocada da avenida. “Tiraram Jesus da Paulista e deixaram os gays. Eu acho que está errado. Se não pode a Marcha para Jesus, não pode também a Parada Gay.”

PARABENS CIDADE DE SÃO PAULO PELA BRILHANTE POSIÇÃO.
Bispo Roberto Torrecilhas

Fonte: Gritos de alerta
Com informações de G1 e Folha

Sinal do fim dos tempos? Lago no Texas fica vermelho como sangue e Pastor faz alerta

Sinal do fim dos tempos? Lago no Texas fica vermelho como sangue e Pastor faz alertaLago O.C. Fisher no Texas se tornou vermelho e pregador americano alega que é sangue como parte dos sinais do fim dos tempos.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica GospelO reservatório O.C. Fisher, também conhecido com Lago O.C. Fisher, é um lago artificial no Centro-Oeste do Texas que começou no fim dos anos 1940. Ele recebe água do Rio North Concho para o propósito de controlar inundações e servir como suprimento secundário de água potável para San Angelo.
Os peixes existentes no Reservatório foram estocados para fins recreativos. E depois de uma seca severa o reservatório se secou deixando uma pequena poça de água que se tornou vermelha, em que os peixes morreram.
O pregador da Indiana, Paul Begley, cujo ministério foca em escatologia, proclama que a “água nesse lago no Texas é sangue”, baseando-se em Apocalipse 8: 6-13 (“E os sete anjos, que tinham as sete trombetas, prepararam-se para tocá-las…. e tornou-se em sangue a terça parte do mar.
“Quantas mais sinais da Bíblia nós vamos receber? Jesus está voltando em breve e você está preparado?”
“As águas do rio do lago Texas são sangue”, disse ele.
Em uma imagem do lago aparece o que sobrou do OC Fisher, com todos os peixes mortos.
De acordo com o Texas Fishing Forum, a mudança de cor é devido à uma reação química, com adição das algas e peixes mortos que contribuíram para a cor.
Begley não acredita nessa teoria e cita também Apocalipse 16: 1-3 (“E ouvi, vinda do templo…E o terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue), para sustentar que as profecias da Bíblia estão se cumprindo.
“As profecias da Bíblia estão lentamente se cumprindo no meio de um tempo de revelações. Você precisa estar salvo, precisa nascer de novo e estar pronto para encontrar-se com o Rei que está para vir, Jesus Cristo. Ele está vindo”.

Vera Fischer e Amy Winehouse: Problemas com Drogas, Decisão de se Tratar

Vera-FischerMuitos boatos surgiram da internação de Vera Fischer em clínica psiquiátrica no Rio de Janeiro, na terça-feira 26 de julho, relacionados com drogas e sobre ela ter ficado com o rosto semiparalisado.
(Foto: Divulgação/Rede Globo)
Atriz da Globo Vera Fischer, que foi internada em clínica psiquiátrica no Rio de Janeiro, na terça-feira 26 de julho de 2011.
Os comentários do Twitter e da mídia é de que a atriz teria dado entrada no hospital com o rosto semiparalisado. Entretanto, a informação foi negada por sua assessora Liège Monteiro, que se incomodou com o boato
“O que me incomodou foi o fato de terem falado que ela foi internada com o rosto semiparalisado e em depressão. Isso nunca aconteceu. Ela ficou triste com a perda do Perry Salles (ex-marido de Vera, que morreu em 2009)”, disse Liège à coluna “Olá”, do jornal Agora São Paulo.
 
No Twitter, os comentários comparam Vera Fischer com a cantora recentemente falecida Amy Winehouse, cujas razões pela morte não foram esclarecidas mas era conhecido o seus problemas também com drogas.
“Amy Winehouse desligou-se. Vera Fischer acabou de entrar”. disse um dos comentários do Twitter.
“Vera Fischer, a nova Amy Winehouse. #MORRI”, escreveu @MeninoMeteoroLS.
Apesar dos boatos e de ainda não haver confirmação sobre a causa de sua internação, Fischer, diz Monteiro, está “bem centrada, se esforçando, querendo muito (se recuperar)".
Famosos a apoiam Vera Fischer em sua luta. "Droga não escolhe idade. Pague para entrar, reze para sair. Vera Fischer internada... Tristíssimo", escreveu a deputada Cidinha Campos (PDT-RJ), que também lamentou o fato.
Segundo relatos da mídia, Vera já enfrentava os problemas com drogas há mais de 20 anos. Em 2008, a atriz revelou ao Extra sobre o problema e disse que pode haver a recuperação a partir da própria vontade da pessoa em se tratar.
“Não adianta alguém impor ou obrigar a nos tratarmos. A gente tem que ter essa atitude. Não cheguei a pedir para me afastar de um trabalho, mas deu muito trabalho me recuperar”, contou a atriz.
A clínica fica na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro e de acordo com informações a sua internação ainda vai durar alguns dias.

Fonte . Cristian Post

Amy Winehouse e Lula

nicodemusAmy Winehouse foi encontrada morta hoje. Desconfia-se - e com muita razão - que a causa foi uma overdose. Aos 27 anos, Amy chegou ao fim de uma vida atribulada, marcada por escândalos, internações, sofrimento, fama, riquezas e popularidade.
Como é sabido, ela não é a primeira artista a morrer cedo por causa de drogas (assumindo que foi esta a causa da sua morte). Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison, Brian Jones, Kurt Kobain... são alguns dos nomes que estão sendo associados ao de Amy, de jovens artistas que morreram por causa de drogas. Não podemos esquecer, ainda que não tão jovens quanto Amy, Elvis Presley, Michael Jackson, Elis Regina.
O que leva pessoas famosas, ricas, populares e idolatradas pelas multidões a seguir um curso de auto-destruição terminando em morte precoce auto-infligida? Pesquisa recente mostrou que os jovens de hoje querem, mais do que serem ricos, serem famosos, aparecer na mídia, serem vistos e conhecidos. Amy Winehouse e todos os outros mencionados acima chegaram lá - e de quebra, ficaram ricos. Não deveriam ser pessoas felizes, alegres, satisfeitas, dedicadas ao trabalho, amantes da vida e de suas coisas boas?
Ao que tudo indica, parece ter faltado algo, alguma coisa que não podia ser comprada por dinheiro e nem substituida pela fama. Será que não se trata daquilo que os Cristãos vêm dizendo há séculos, que o ser humano foi feito para a glória de Deus e que a sua alma não encontrará paz até que se satisfaça nele? Será que aqui não encontramos a razão pela qual um dia Jesus Cristo fez aquele convite conhecido?
"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve" (Mateus 11:28-30).
Amy, Elis, Elvis, Janis, Jimi e tantos outros parecem contradizer a recente declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que os ricos já vivem no céu, ironizando com o ensino de Jesus Cristo:
"Bobagem, essa coisa que inventaram que os pobres vão ganhar o reino dos céus. Nós queremos o reino agora, aqui na Terra. Para nós inventaram um slogan que tudo tá no futuro. é mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha do que um rico ir para o céu. O rico já está no céu, aqui. Porque um cara que levanta de manhã todo o dia, come do bom e do melhor, viaja para onde quer, janta do bom e do melhor, passeia, esse já está no céu".
Para estes jovens e ricos artistas a vida, certamente, não parecia ser um céu, mas um verdadeiro inferno, a ponto de não mais se importarem em continuar vivendo. As riquezas não tornam este mundo em céu, Lula. Pelo menos, não para estas pessoas, que entre tantas outras, alcançaram glória humana, riquezas, popularidade e prestígio.
Meu caro Luiz Inácio, O inferno não está ausente na vida das celebridades, dos milionários e dos poderosos. Que o digam as vidas das celebridades marcadas pelos problemas familiares, os divórcios, os escândalos, as drogas, os suicídios. Eu também posso lhe apresentar gente pobre que é feliz, que tem um casamento abençoado, filhos honestos e trabalhadores.
Céu e inferno não se definem em termos de riqueza e pobreza, Lula, e nem em termos de popularidade e anonimato. Amy Winehouse certamente discordaria de suas palavras. E com ela todos aqueles outros jovens de 27 anos, que experimentarm o inferno existencial em suas vidas em meio à riqueza e celebridade. Pois, que outra razão teriam para não mais se importarem consigo mesmos, suas carreiras e as pessoas queridas ao seu redor?
Eu sei que tem celebridades que abusam das drogas, como Keith Richards, e que já vão com 80 anos de idade. Mas Amy e outros não conseguiram superar as angústias, perguntas, questionamentos, e o desespero que batem na porta de todos - inclusive dos ricos e dos famosos.
Adeus, Amy. Lamento muito mesmo sua morte.
Boa noite, Lula. Espero que o que aconteceu com Amy lhe leve, no futuro, a ponderar suas palavras quando for comentar assuntos que extrapolam as categorias de pobreza e riqueza, política e governo.

Amy Winehouse e Lula

AMME EVANGELIZAR - BENÇÃO DE DEUS SOBRE AS NAÇÕES

www.evangelizabrasil.com
Casa da Palavra, 03 de agosto de 2011

Saudações em Cristo

Estamos chegando à Semana da AMME, vamos celebrar 11 anos da fundação do ministério. Também logo chegaremos a 100 milhões de pessoas alcançadas com a mensagem do Evangelho como resultado da ajuda que temos dado às igrejas de todo o Brasil.

Muita gente quer saber como uma missão brasileira conseguiu chegar a essa marca em tão pouco tempo. A partir de hoje vamos publicar histórias de como isso aconteceu. Você já pode ler a história de recuperação e fortalecimento de uma congregação que começou o ano com apenas 25 pessoas e nos últimos quatro meses, com a ajuda da AMME já está congregando 70 pessoas [veja aqui].

Participe da Semana de aniversário da AMME. É uma festa de oração, por isso queremos orar por você, e precisamos de suas orações. [Veja aqui] como deixar seus pedidos de oração e pegar os da AMME. Na semana de 8 a 14 de agosto, ore pelo menos uma vez por dia pela AMME, nós oraremos por você.

Presenteie a AMME. A missão que em onze anos ajudou as igrejas brasileiras a alcançar quase 100 milhões de pessoas é sustentada biblicamente, pelas ofertas dos crentes que ajuda. Deposite sua oferta especial pelo aniversário para: AMME, Banco do Brasil, Ag. 3279-4, cc 20279-7. Para se tornar um mantenedor e ofertar mensalmente fale com um de nossos missionários pelo telefone (11) 4428 3222 ou envie um e-mail para portal@evangelizabrasil.com.

www.evangelizabrasil.com

Na caríssima graça salvadora,

José Bernardo
Salva Vidas e
AMME Evangelizar

AMME Evangelizar existe para ajudar as igrejas evangélicas brasileiras a cumprir sua missão bíblica de evangelizar todo mundo: motivando, treinando, suprindo e apoiando. A AMME ajuda cerca de quatro mil igrejas a alcançar 10 milhões de pessoas por ano em média. O sustento desse trabalho é provido pelos Ceifeiros, crentes que investem tempo na intercessão, recursos no sustento e talento no trabalho voluntário. Se você quer se tornar um ceifeiro visite o portal da evangelização em www.evangelizabrasil.com.
...

VEJA ESSE VIDEO - http://www.youtube.com/watch?v=wZP2xqn4Z60

O golpe do ECA ampliado na Constituição

 


Enquanto a nação clama pela redução da maioridade penal, uma espúria mudança na Constituição transformou jovens de 29 anos em crianças — agora, eles gozam das mesmas regalias dos menores de 18 anos


José Maria e Silva

O Estatuto da Criança e do Adolescente acaba de completar 21 anos. A Lei 8.069, que o instituiu, foi sancionada pelo então presidente Fernando Collor em 13 de julho de 1990. Inspirado na Declaração Universal dos Direitos da Criança, da ONU, o Estatuto é resultado de uma verdadeira “Cruzada das Crianças”, empreendida pelas universidades e a Pastoral do Menor da Igreja Católica, que, em 1985, criaram o Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua, conseguindo 1,4 milhão de assinaturas de crianças (mais 250 mil de adultos) para apresentar a emenda popular que resultou no artigo 227 da Constituição.

Adultos não deveriam usar crianças para fazer abaixo-assinado, mas foi com base nessa prática pouco ética que o Estatuto da Criança e do Adolescente — o tal “ECA” — foi aprovado dois anos depois da Constituição de 88. Ele é o desdobramento do artigo 227 da Constituição, que diz: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

Se esse artigo já era ruim, por exacerbar os direitos dos menores, agora se tornou pior. Ele foi alterado pela Emenda Constitucional 65, sancionada em 13 de julho do ano passado, na data em que o Estatuto completou 20 anos. A referida emenda constitucional (chamada, em fase de projeto, de “PEC da Juventude”) acrescentou a palavra “jovem” em todos os locais do artigo 227 onde antes apareciam apenas as palavras “criança” e “adolescente”. Com isso, todos os direitos que a Constituição já havia dado a crianças e adolescentes passam a valer também para os jovens, ou seja, para adultos — e com a mesma “absoluta prioridade”. Contrariando a vontade da população brasileira, deu-se um verdadeiro golpe na Constituição, criando-se uma espécie de “ECA dos Marmanjos” e retardando, na prática, a maioridade penal, que o povo gostaria de ver antecipada.

Descalabro constitucional


Como é praxe na ciclotímica Constituição de 88 (talvez a pior de toda a nossa história), tudo nela oscila entre a minúcia e a ambiguidade, ora no papel detalhista de decreto, ora na genérica utopia do manifesto. Descontada certa tolice, há muito de estratégia nisso. O objetivo é facilitar a manipulação da sociedade por parte dos grupos de interesse, que, assim, podem transformar mais facilmente a Constituição numa carta-programa de seus objetivos particulares e muitas vezes escusos. Com a Emenda Constitucional 65 não é diferente. Ao acrescentar o termo “jovem” ao artigo 227, ela não faz nenhuma referência a faixa etária, deixando essa questão estrategicamente em aberto para as ONGs de plantão.

Mas o próprio Plano Nacional de Juventude, projeto de lei elaborado por uma comissão especial da Câmara dos Deputados, resultante de 33 audiências públicas, estabelece em 29 anos a idade-limite para definição de jovem. Isso significa que, com a aprovação da PEC da Juventude, a Constituição passou a determinar, no artigo 227, que é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e também aos jovens de 18 a 29 anos — “com absoluta prioridade” — todos os direitos antes garantidos apenas aos menores de idade. E esses direitos — que agora devem ser lidos tendo-se sempre em mente adultos de até 29 anos — são, repita-se, “o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”, além da nossa obrigação de colocar esses marmanjos “a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

Como se vê, a emenda que permitiu esse descalabro constitucional é uma lei insana. Ela ajuda a fazer da Constituição um aterro sanitário das ONGs. Hoje, toda reivindicação estapafúrdia dos grupos de interesse é transformada facilmente em mandamento constitucional, à revelia da sociedade. A “prioridade absoluta” dada a adultos de 18 a 29 anos é uma delas. Que não se pergunte aos congressistas — serviçais de acadêmicos ongueiros — como é possível conciliar a “prioridade absoluta” dada ao jovem de 29 anos com a mesma prioridade que se deve dar a uma criança de colo. Em muitos casos, esse adulto é o pai da própria criança com quem passou a dividir a tal “absoluta prioridade” no gozo de todos os direitos imagináveis. Portanto, só restará aos pais desse jovem adulto convertido em incapaz cuidar dele próprio e também do neto — com a ajuda compulsória de todos nós, pois a isso também nos obriga a Constituição.

Escravos de meia-idade


Antes mesmo de aprovada a Emenda Constitucional 65, resultado da PEC da Juventude, o governo federal já vinha criando benesses indevidas para os jovens de 18 a 29 anos. Já em 2004, no seu segundo ano de governo, o então presidente Lula da Silva criou um órgão interministerial para coordenar ações públicas voltadas para a juventude. No ano seguinte, foi aprovado no Congresso Nacional o Conselho Nacional de Juventude, regulamentado por decreto presidencial, que reúne uma profusão de ongueiros, todos ligados à esquerda. Eles imaginam falar em nome da população brasileira, quando, na verdade, apenas defendem direitos e mais direitos para si, penalizando os pagadores de impostos de meia-idade que, feito escravos, carregam o Brasil nas costas. Foi daí que surgiu a Conferência Nacional da Juventude e, com ela, a aprovação da Emenda Constitucional 65.

Mas essa entronização da juventude como centro gravitacional do País só foi possível porque os jovens ongueiros contam com o respaldo das pesquisas supostamente científicas das universidades. Foram os acadêmicos que criaram e fomentaram a tese de que faltam políticas públicas para a juventude, como se o Brasil não girasse em torno dos jovens. Exemplo disso é o propalado desemprego entre os jovens, motivo de grande preocupação de todos os governos. Ele é uma ficção conceitual dos acadêmicos, que nasce de uma aberração metodológica do próprio IBGE, cujas pesquisas de emprego jogam os adultos num difuso caldeirão etário que vai dos 25 aos 49 anos, enquanto a empregabilidade dos jovens é absurdamente analisada com lupa em três meticulosas faixas etárias (10 a 14, 15 a 17 e 18 a 24 anos).

Só pesquisas sobre sexualidade ou educação deveriam ser tão meticulosas na análise da vida de adolescentes e jovens, uma vez que mudanças substanciais nessas duas áreas ocorrem justamente nessa fase. Já no caso do emprego é o contrário. Justamente naqueles 25 anos que o IBGE se recusa a analisar com seriedade — e que equivalem a toda a vida do jovem com quem ele tanto se preocupa — é que ocorrem as principais mudanças econômicas e sociais na existência de uma pessoa. É nesse quarto de século que vai dos 25 aos 49 anos que se dão mudanças dramáticas na vida do indivíduo, intrinsecamente ligadas à questão do emprego, como casamento, filhos, aluguel, casa própria, divórcio e doenças na família, sem contar o próprio desemprego, que, nessa fase da vida, é obviamente muito mais trágico do que na adolescência.

O perigo da democracia direta


A distorcida mentalidade acadêmica sobre os jovens no Brasil é bem antiga (remonta aos anos 60) e foi ela que tornou possível a realização da Conferência Nacional da Juventude, convocada pelo presidente Lula em setembro de 2007. Normalmente encarado pela imprensa como mera tertúlia, esse tipo de evento acarreta sérias implicações legais na vida de todas as pessoas. Como a participação popular na gestão pública é um mandamento da Constituição de 88 (que traz dentro de si fortes mecanismos da famigerada “democracia direta”), as cerca de 70 conferências nacionais já realizadas pelo governo petista sobre diversos assuntos acabam exercendo uma forte pressão sobre o Congresso Nacional no sentido de que ele referende suas propostas.

Foi o que ocorreu com a Conferência Nacional da Juventude (que resultou na aprovação da malfadada Emenda Constitucional 65) e quase ia ocorrendo também com a Conferência Nacional de Comunicação. Esta só não vingou porque os donos dos veículos de comunicação se interessaram pelo assunto e não deixaram que ele ficasse nas mãos de repórteres inexperientes. Como não passam de ajuntamento dos profissionais de passeata, essas conferências só sabem esgoelar direitos — a palavra “dever” não existe em seu dicionário. A Conferência Nacional da Juventude, por exemplo, apresentou um conjunto de reivindicações absurdas, que, se postas em prática, escravizaria todo o resto da população brasileira. Mesmo se os adultos mourejassem de sol a sol, não conseguiriam atender os desejos juvenis de marmanjos que, pelo simples fato de se intitularem “jovens”, pensam que a sociedade, via Estado, lhes deve todas as benesses.

A primeira Conferência Nacional de Juventude (já tem outra programada para dezembro próximo) intrometeu-se até na questão da terra. Ela reivindica que, na política de reforma agrária, seja dada prioridade aos jovens de 16 a 32 anos, independente de seu estado civil. Ou seja, para essa gente, jovens sem filhos, pelo simples fato de serem jovens, devem ter prioridade na repartição da terra, expropriando os pais de família da preferência que teriam em qualquer programa sério de reforma agrária. Convém observar que, nesse caso, a data-limite para definir quem é jovem muda de 29 para 32 anos — uma estratégica ambiguidade que se faz presente em todos os estudos acadêmicos sobre juventude realizados no País e que servem de alicerce para os dispositivos legais que tratam do tema. (Em outro artigo, pretendo analisar essa ambiguidade, que também esconde questões graves.)

O “ECA dos Marmanjos”


Talvez seja difícil para a maioria das pessoas perceber a gravidade do que estou denunciando aqui. Lido às pressas, o artigo 227 da Constituição — mesmo alterado pela palavra “jovem” — parece inofensivo. No entanto, ele terá efeitos extremamente danosos para a sociedade brasileira nos próximos anos, especialmente na área de segurança pública. A partir do momento que uma determinada tese se incorpora à Constituição, ela vira um mandamento legal para todos nós e passa a servir como carta-programa das ONGs, universidades e outros grupos de interesse. A partir daí, esses segmentos ganham legitimidade para ocupar espaço na imprensa exigindo que o Estado cumpra o que está escrito na Constituição (no caso, o artigo 227). E passam a contar com o apoio compulsório dos operadores do direito (policiais, advogados, promotores e juízes), que não podem escapar do comando constitucional.

Mas nem mesmo a Constituição de um país é capaz de transformar uma ficção em realidade. Dizer que jovens de 18 a 29 anos devem ter “absoluta prioridade” em tudo é, obviamente, um absurdo, passível de pôr em camisa de força os autores dessa tese que virou lei. Nessa idade, uma pessoa séria já está empenhada em ajudar os pais e não em explorá-los. Para os jovens decentes, que são a maioria, o novo mandamento constitucional não vai significar nada, pois eles jamais iriam exigir de seus pais que lhes dessem “absoluta prioridade” em tudo, como se fossem criancinhas de berço. Pelo contrário, o que um jovem ajuizado almeja é ser autônomo, capaz de gerir a própria vida, sem acarretar problemas para seus pais e a sociedade. Muitos até se orgulham quando podem ajudá-los.

Para quem então foi aprovado esse “ECA dos Marmanjos”, que trata como incapazes maiores de 18 a 29 anos? Sem dúvida, para os infratores. Toda a recente legislação brasileira tem esse objetivo, consciente ou inconsciente: transformar esta nação numa República de Bandidos. E está conseguindo isso, se já não conseguiu. É óbvio que todos os jovens criminosos, drogados e vadios, que, mesmo adultos, não se importam em dar trabalho para os pais, irão valer-se do artigo 227 da Constituição para impor seus direitos recém-adquiridos. E contarão com o apoio de autoridades e instituições do próprio Estado, pois elas serão obrigadas — repito: obrigadas — a cumprir o que manda a Constituição, garantindo a esses jovens as espúrias regalias previstas no malfadado artigo 227, que já era eticamente ruim e, agora, virou um lixo moral.

Disneylândias estatais do crime


Uma prova incontestável de que o “Eca dos Marmanjos” só vai servir para proteger infratores adultos fica evidente na disposição do governo federal em criar o que ele chama de “presídios para jovens”, também chamados de “presídios temáticos”. Antes mesmo da aprovação da Emenda Constitucional 65, o Ministério da Justiça anunciou a construção de sete presídios para jovens adultos de 18 a 24 anos — de um total de 93 — a serem implantados nos Estados de Alagoas, Bahia, Piauí, Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Segundo reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo”, de 28 de novembro de 2008, “o único critério a ser respeitado para encaminhamento de condenados a esses presídios será a faixa etária, não havendo nenhum tipo de restrição relativo ao tipo de crime praticado”.

Como as universidades não se cansam de choramingar que “os nossos jovens estão morrendo vítimas da violência”, ao mesmo tempo em que lamentam o fato de mais de 60% dos presos terem entre 18 e 24 anos, o governo federal resolveu intervir na questão. A construção de presídios especiais para os criminosos dessa faixa etária parte do pressuposto de que eles seriam desencaminhados pelos presos mais velhos, tornando-se irrecuperáveis. Ora, é justamente nessa faixa etária que se concentram os bandidos mais bárbaros, no auge da temeridade e da força física necessárias para a prática de crimes hediondos. Esses jovens nada têm a aprender de ruim com bandidos mais velhos. Pelo contrário, tendem até a intimidá-los.

Para se ter uma ideia de como o Estado brasileiro brinca com coisas graves, um dos presídios temáticos para jovens de 18 a 24 anos, que deverá ser construído em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, além de contar com mais recursos educativos do que as próprias escolas públicas, terá também programas federais como o “Pintando a Liberdade” e o “Pintando a Cidadania”. Quando esses presídios ficarem prontos, nossos cineastas poderão explorar essas férteis Disneylândias do Crime, produzindo filmes como “Degolou a Mãe e Pintou o Sete”. Com um detalhe: como o governo federal, mais dia menos dia, será obrigado a cumprir o artigo 227 da Constituição, os novos presídios temáticos também terão de ser destinados a jovens de 25 a 29 anos.

Intoxicados por Michel Foucault


A obsessão do Estado brasileiro em tratar até jovens adultos como crianças é frontalmente contrária à vontade da população — o que significa que vivemos sob a ditadura das ONGs. Todas as pesquisas já realizadas no pais sobre maioridade penal mostram que mais de 80% da população brasileira quer vê-la reduzida e reprova o artigo 228 da Constituição, que estabelece como penalmente inimputáveis os menores de 18 anos. Essa percepção da sociedade foi intensificada com a aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente, que criou uma série de medidas de proteção para o menor infrator. Ao contrário do que dizem seus defensores, ele passa, sim, a mão na cabeça dos criminosos mirins e contribui para o aumento da delinquência juvenil. As universidades só não descobriram isso porque foram intoxicadas por Michel Foucault e veem o mundo ao contrário.

Uma pesquisa sobre violência realizada em 2007 pelo Data-Senado (instituto de pesquisa do Senado Federal) mostrou que 87% dos brasileiros querem a redução da maioridade penal. Para a maioria da população, o que importa não é a idade do criminoso, mas a gravidade do delito. Tanto que 36% defenderam a maioridade penal aos 16 anos; 29% aos 14 anos; 21% aos 12 anos e 14% em qualquer idade — contrariando frontalmente a legislação brasileira que trata os menores de 18 anos como crianças. Por conta disso é que, no Congresso Nacional, tramitam cerca de 50 projetos tratando da maioridade penal, mas nenhum deles é aprovado nem o assunto é posto em plebiscito. Só se pensa em consultar o povo quando as elites intelectuais acham que ele vai referendar o que elas já decidiram nos gabinetes e barzinhos.

O próprio Data-Senado desrespeita a vontade popular ao tratar da maioridade penal no relatório de sua pesquisa. Os autores do trabalho optaram por um sofisma no título desse tópico: “A falta de consenso sobre a maioridade penal”. Ora, onde está a falta de consenso, se 87% dos entrevistados querem a redução da maioridade? Todos os que optaram por 16 anos, 14 anos, 12 anos ou qualquer idade não querem os 18 anos de hoje — isso é consenso. Quando o instituto de pesquisa do próprio Senado diz que não há consenso sobre o tema, o que ele quer é induzir as pessoas a acharem que a maioria da população está em dúvida se a maioridade penal deve ou não ser reduzida. Pelo visto, se o Data-Senado fizesse uma pesquisa para saber se o brasileiro gosta mesmo de futebol, ele iria conclui que há “falta de consenso sobre o gosto do brasileiro por futebol”, pois a maioria dos entrevistados iria se dividir na torcida pelos mais variados times.

A barbárie de menores e jovens


Ao contrário do que os intelectuais universitários afirmam, a defesa que o povo faz da redução da maioridade penal não se deve à ignorância, mas aos fatos. Apenas neste ano, já ocorreram vários crimes bárbaros envolvendo menores. Em janeiro, na cidade de Guarulhos, na Grande São Paulo, um menor de 14 anos matou a irmã e feriu o pai a facadas. Em fevereiro, em Livramento de Nossa Senhora, na Bahia, um menor de 16 anos matou o pai a machadadas e feriu gravemente a própria mãe. Em março, em Hortolândia, em São Paulo, um adolescente de 15 anos matou a facadas o primo de apenas 7 anos e esfaqueou no rosto a irmã de 17. Em Tarauacá, no Acre, foi preso, em junho último, um menor de 17 anos que matou o próprio irmão a golpes de machado (porque ele lhe negara um pedaço de fumo) e obrigou sua própria mãe a enterrar o corpo do filho no terreiro de casa. E, para acobertar o crime, o menor também matou o padrasto a golpes de facão.

Todos esses criminosos menores, apesar da fúria monstruosa com que perpetraram seus crimes, ficam apenas três anos internados, às vezes nem isso. E saem com a ficha limpa, como se jamais tivessem cometido crime. Agora, essas regalias de que desfrutam tendem a ser estendidas também para os jovens adultos de 18 a 29 anos. O jovem de 20 anos que, no final de junho, em Aparecida de Goiânia, juntamente com um menor, violentou e matou um menino de apenas 4 anos, enganando-o com a promessa de uma pipa, em breve poderá desfrutar das prisões especiais que o Ministério da Justiça está construindo para jovens adultos de 18 a 24 anos. Assim como ele, também poderá ser beneficiado por esse parque-escola penal o jovem de 19 anos que, em março, na cidade de São Paulo, matou sua namorada de 16 anos, grávida de nove meses, com 42 facadas. O bebê também morreu, estraçalhado.

Por que estou seguro de que os benefícios dados aos menores de 18 anos acabarão sendo estendidos aos jovens adultos de 18 a 29 anos, numa espécie de revogação branca, não oficial, da maioridade penal vigente? Porque isso já está ocorrendo em sentido inverso. Todas as vezes em que vocês ouvirem um defensor do Estatuto da Criança e do Adolescente dizendo que essa lei é até mais rigorosa do que o Código Penal dos adultos, desconfiem. Ele está mentindo. Hoje, mesmo com a pena máxima para um menor infrator sendo de apenas três anos de internação, por pior que tenha sido o seu crime, muitos menores são soltos antes mesmo de cumprirem esse tempo, pois, absurdamente, se lhes concede, por analogia, a progressão de pena destinada aos adultos.

Unanimidade em prol do crime


No Brasil, não existe nenhum limite penal para a crueldade humana. Qualquer criminoso, mesmo quando mata a mãe, tende a ter o seu perdão antecipado pela Justiça brasileira, que acredita piamente na recuperação de qualquer monstruosidade humana. É o caso do menor M.A. que esganou e degolou a própria mãe, jogando o cadáver num poço. O crime foi cometido na comarca de Cuiabá, no Mato Grosso, e o menor começou a cumprir a medida socioeducativa de internação em 21 de abril de 2006. No início de 2009, antes mesmo de se completarem os três anos de internação, o menor foi solto. Por determinação do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, ele foi posto em liberdade assistida, aos cuidados de um tio.

E se não fosse a sensatez da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Mato Grosso, o menor que degolou a mãe teria sido libertado muito antes. Tão logo ele completou metade do tempo de internação, isto é, apenas 18 meses, a sua defesa — com o apoio da assistente social e da psicóloga que acompanhavam o caso, além da anuência do Ministério Público — entrou com habeas corpus solicitando que ele fosse beneficiado com a liberdade assistida. Felizmente, o Tribunal de Justiça mato-grossense negou o pedido, observando que, em face da gravidade do delito, libertar o menor com apenas um ano e meio de cumprimento da medida de três anos iria “causar perplexidade no meio social”, além de impedi-lo de ter mais tempo para refletir sobre seu ato. Todavia, a causa do menor foi comprada pela própria Defensoria Pública da União, que acabou conseguindo sua liberdade assistida junto ao Supremo.

Se um menor que degola a própria mãe não encontra ninguém para acusá-lo diante da Justiça, e promotores, psicólogos e a assistentes sociais se juntam à sua defesa na tentativa de soltá-lo, é mais do que óbvio que essa quase unanimidade em prol do criminoso irá se repetir no caso de jovens adultos de 18 a 29 anos envolvidos em crime. Uma vez que a própria Constituição resolveu considerá-los detentores de direitos especiais e absolutos, é apenas questão de tempo termos um sistema penal ainda mais leniente com o criminoso adulto, bastando que ele tenha menos de 29 anos de idade e seja esse novo “incapaz” criado na Constituição — o que, sem dúvida, irá aumentar a indústria da impunidade, a que mais cresce no País.


Ministério Pedras Vivas lança primeiro trabalho pela Sony Music

Entre os sucessos do Ministério Fonte da Vida, destaque para “Move as Águas”, “Creio que Tudo é Possível” e “Louvado Seja”, só para citar alguns.
Ministério Pedras Vivas lança primeiro trabalho pela Sony Music
Engana-se quem imagina que o ministério de louvor recém-contratado pela Sony Music surgiu há pouco tempo. Com mais de 15 anos de estrada e mais de 10 álbuns gravados, o Ministério Pedras Vivas anteriormente era conhecido nacionalmente como o Ministério Fonte da Vida, vinculado à igreja de mesmo nome com sede na capital goiana e presidida pelo Apóstolo César Augusto. Entre os sucessos do Ministério Fonte da Vida, destaque para “Move as Águas”, “Creio que Tudo é Possível” e “Louvado Seja”, só para citar alguns.
Para ampliar a sua divulgação e mesmo atuação junto às igrejas de diversas outras denominações, optou-se pela mudança de nome do ministério que hoje conta com 4 integrantes à frente do projeto, Paulo Junior, Rodney Graciano, David Augusto e Brenda Sousa, que participaram diretamente dos últimos trabalhos do ministério lançados recentemente.
Agora, com novo nome, nova formação e principalmente novos objetivos de ampliar a presença em todo o país, o Ministério Pedras Vivas lança o CD “Na Tua Memória” com 12 canções inéditas de composições próprias e mais uma versão do grupo Jesus Culture, a canção “Show me your Glory”. Com produção do premiado profissional Rogério Vieira e masterização no estúdio Mastermix em Nashville, EUA, o projeto “Na Tua Memória” traz um conceito bastante contemporâneo de adoração com grande influência do estilo pop rock internacional. Destaque para as canções “Mostra-me Tua Glória”, “Justificado”, a faixa-título do álbum, “Na Tua Memória” e ainda, a canção “Hosana”.
Com o lançamento do CD previsto para o mês de setembro durante a Expo Cristã 2011 que acontecerá de 20 a 25 de setembro em São Paulo, o ministério Pedras Vivas começa a agendar turnês e programações por todo o país. No mês de setembro, os integrantes do Pedras Vivas estarão na Expo Cristã nos dias 22 e 23/09 no stand da Sony Music e atendendo às mídias presentes. No dia 24/09 se apresentarão em grande evento com a banda norte-americana Jars of Clay em Goiânia. Na semana seguinte estarão durante 6 dias em São Paulo atendendo diversos convites e compromissos na cidade e Estado. Em outubro, Pedras Vivas estará participando do Clama Bahia em Salvador, um mega evento que contará com diversas atrações.


Assessoria

Ramadã - tempo de orar pelo mundo muçulmano

Ontem foi o início do Ramadã para os islâmicos. O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, no qual se acredita que o profeta Maomé recebeu a revelação da parte de Alá, por meio do anjo Gabriel, dos primeiros versos do Alcorão. De acordo com o islamismo, Maomé estava andando em um deserto perto de Meca em 610 d.C. Isso aconteceu onde atualmente localiza-se a Arábia Saudita. Esse ano o Ramadã será do dia 1º de agosto até o dia 30 do mesmo mês.

"Na história muçulmana, o Ramadã é frequentemente marcado por revoltas e vitórias", recorda Abdullah al-Amadi, responsável pelo site Islamonline. "Acredito que os jovens da Primavera Árabe irão se inspirar para ter ainda mais força na luta contra a injustiça e a tirania", analisa.

Para ele, as manifestações serão mais fortes especialmente nos últimos 10 dias do mês, que são ainda mais sagrados. O Ramadã, ou mês da piedade, é também definido por inúmeros muçulmanos como o mês do esforço e sacrifício, o que pode motivar ainda mais os manifestantes.

Na Síria existem mais de 10 mil mesquitas que todas as noites recebem uma quantidade considerável de fiéis, manifestantes em potencial. Os Comitês de Coordenação da Revolução Síria esperam que isso aconteça. "O regime está aterrorizado com o Ramadã e as orações noturnas de Tarawih", lê-se na página do Facebook "Syrian Revolution 2011".

Na Líbia, os que tomaram as armas contra o regime de Muamar Kadhafi esperam o Ramadã com um sentimento de grande determinação, ainda que encarem com apreensão os novos combates.

No Iêmen, onde o movimento de protesto iniciado em janeiro perdeu força devido a divisões na oposição e a incerteza sobre as reais intenções do presidente Ali Abdullah Saleh, hospitalizado em Riad desde um ataque em junho, nada pode prever como irão se desenrolar os acontecimentos.

Mas os jovens manifestantes que ainda acampam em Sana se mostram determinados a retomar o movimento durante o Ramadã. "Este será o mês da mudança, ainda mais porque Ali Abdullah Saleh não está no Iêmen", acredita Walid al Omari, um dos porta-vozes do movimento.

Nós, da Portas Abertas, queremos incentivá-los a orarem assim como nós faremos. A equipe da Portas Abertas Brasil terá a possibilidade de demonstrar de forma prática um de nossos valores centrais que diz: “somos pessoas de oração”.

Dedique um tempo do seu dia e também ore pelos cristãos terão que enfrentar essa difícil fase nesse mês.

Para saber mais sobre o Ramadã, acesse nosso blog clicando aqui.

Fonte: Missão Portas Abertas

MUÇULMANOS - O DNA DO ÓDIO CONTRA OS CRISTÃOS - Cristãos são hospitalizados após ataque

Em 25 de julho, uma troca de palavras ásperas– entre Ruth, uma mulher cristã, e Fouad Gassem, um homem muçulmano que havia estacionado seu automóvel na frente da casa dela – se transformou em agressão, por parte do homem, contra Ruth e outros moradores cristãos do bairro.

Depois que Ruth, grávida de cinco meses, foi agredida, uma multidão de muçulmanos esperou os cristãos agricultores retornarem dos campos: então esses cristãos foram interceptados e espancados com barras de ferro e tubos de construção. As forças de segurança conseguiram conter a situação.

Seis cristãos, incluindo Ruth e sua cunhada, Hannan, foram hospitalizados com traumatismos, ferimentos na cabeça e partes do corpo muito lesionadas ou fraturadas. Nenhum muçulmano foi ferido.

Nenhum dos agressores muçulmanos foi preso. O marido de Ruth, Kirillos Daniel, foi acusado de posse ilegal de arma – uma espingarda que foi encontrada jogada no local onde os cristãos foram atacados – e está sob detenção.

Em uma entrevista à TV CTV, o padre Estephanos Shebata, da diocese Samalout, disse: “A verdadeira razão por trás desse ataque foi o sino da igreja, que tem incomodado e enfurecido muito os muçulmanos da aldeia.” Ele disse que a igreja na aldeia de Ezbet Jacob Bebawi está em ruínas, tendo recebido a permissão para ser reconstruída na semana passada, sendo que o sino da igreja já foi instalado.

Fonte: Missão Portas Abertas

OS MORMONS - Líder poligâmico teve uma criança com menina de 15 anos

Open in new windowUma analista forense disse que há 99,99% de chances de um líder poligâmico ser o pai de uma criança cuja mãe tem 15 anos.

Amy Smuts, do Centro de Identificação Humana da Universidade do Norte do Texas, testemunhou que o DNA de Jeffs tinha 15 genes compatíveis com uma criança cuja mãe tem 15 anos, o que fez com que ela tive 99,99% de certeza de que Jeffs é o pai da criança.

Warren Jeffs (foto),55, é o líder da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que acredita que a poligamia leva à exaltação no paraíso.

Jeffs é acusado de crimes sexuais com duas meninas menores de idade e, se condenado, pode pegar prisão perpétua.

Os seguidores dessa igreja acreditam que Warren Jeffs fala por Deus na terra.

Fonte: Folha.com

Câmara de SP aprova Dia do Orgulho Hétero


A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta terça-feira (2) o projeto de lei 294/2005, do vereador Carlos Apolinário (DEM), que institui, no município, o Dia do Orgulho Heterossexual. O projeto depende apenas de sanção do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para virar lei.
Parte dos 39 vereadores presentes se manifestou contra o projeto, mas como não houve pedido de votação nominal a posição não foi considerada.
No semestre passado, o impasse em torno desse projeto impediu os vereadores de votar outros projetos individuais. Para superar o impasse, houve acordo pela aprovação nesta terça-feira.
O texto propõe que a data deverá ser comemorada todo terceiro domingo do mês de dezembro. O projeto estabelece que a data passará a constar do calendário oficial do município e afirma que caberá à Prefeitura de São Paulo “conscientizar e estimular a população a resguardar a moral e os bons costumes”.
Autor do projeto, o vereador Carlos Apolinário afirmou que o projeto não é contra a comunidade gay. “Faço um apelo pelo respeito à figura humana dos gays”, afirmou. Apolinário disse que o projeto foi apenas uma forma de se manifestar contra “excessos e privilégios” destinados à comunidade gay. Ele afirmou que um dos privilégios é a realização da Parada LGBT na Avenida Paulista enquanto a Marcha para Jesus foi deslocada para a Zona Norte da cidade.
Principal adversário do projeto, Ítalo Cardoso lamentou a decisão da Câmara, mas disse que não pediu votação nominal desta vez para não impedir a tramitação do projeto. “Se pedisse (votação nominal), o projeto não passaria. Cada vereador deve ser responsável pelo que vota”, afirmou.
Antes da votação, Cardoso exibiu aos vereadores um vídeo com a reportagem sobre o pai que foi agredido em uma festa no interior de São Paulo apenas porque estava abraçado ao filho. Os agressores confundiram os dois com um casal gay.
Após a votação, ele criticou o projeto. “Não sei no que esse projeto ajuda. A Parada LGBT não é privilégio. A culpa de a Marcha ter sido transferida da Avenida Paulista não é culpa dos gays nem responsabilidade dos gays”, afirmou. Segundo o vereador, gays ainda são discriminados em São Paulo em imobiliárias, feiras, dentro do ônibus e em delegacias.
Manifestaram-se contra o projeto a bancada do PT, formada por 11 vereadores, dois vereadores do PC do B e, individualmente, os vereadores Claudio Fonseca (PPS), Claudio Prado (PDT), Gilberto Natalini (sem partido), Juscelino Gadelha (sem partido), Roberto Tripoli (PV) e Eliseu Gabriel (PSB).
Fonte:G1

Benny Hinn e Joyce Meyer fazem reformas financeiras para prestar contas ao Senado americano

 


De acordo com o senador Charles Grassley, de Iowa, Estados Unidos os pastores Benny Hinn e Joyce Meyer estão fazendo reformas internas para colocarem suas finanças em ordem, pois estão na mira da justiça americana.
O representante do governo chegou a dizer que o grupo Joyce Meyer Ministries está chegando ao final da organização interna depois de uma investigação feita pelo Congresso em suas finanças. O tamanho dessa reforma não foi dito pelo senador.
Já o porta-voz da autora de “Eu e minha Boca Grande” disse que os detalhes sobre esse assunto estão sendo desenvolvidos. Ao que parece a ação financeira acontece quase um ano depois de Grassley, o republicano no Comitê Financeiro do Senado, iniciou uma investigação em seis ministérios.
O senador começou essa investigação depois de questionar o porque os pregadores vivem estilos de vida luxuosos enquanto suas igrejas atuam com isenção de impostos. Como é o Comitê de Finanças que supervisiona as leis fiscais e o Imposto de Renda, ele quis acompanhar essas igrejas de perto.
O senador disse que o ministério de Joyce Meyer e também o representante do Benny Hinn’s World Healing Center Church, localizada no Texas, foram bem cooperativos com as investigações e se mostraram dispostos a resolver as preocupações internas sobre suas operações financeiras.
De acordo com o senador, os dois ministérios participaram de um “diálogo aberto e sincero” com o pessoal da comissão. “Tanto Joyce Meyer e Benny Hinn indicaram que eles estão fazendo para reformar a instituição sem esperar que a comissão para completar sua revisão”, disse Grassley.
Por outro lado os outros quatro ministérios têm s recusado a cooperar fornecendo informações incompletas. Entre eles estão : Randy e Paula White de “Without Walls International Church”, Eddie Long de “New Birth Missionary Baptist Church”, Kenneth e Gloria Copeland de Kenneth Copeland Ministries, Creflo e Taffi Dollar de World Changers Church International.
A Comissão do senado encontrou cerca de 100 entidades ligadas a essas seis igrejas e seus respectivos ministros, mas ainda não está claro se essas entidades tem ou não fins lucrativos ou se fornecem de alguma forma lucros para esses ministérios.
Funcionários de Grassley também trabalham com a ideia de que alguns ministros estão ameaçando seus funcionários, dizendo que eles possuem acordos de confidencialidade e se passarem essas informações serão processados por descumprirem essa cláusula do contrato de serviço. O nome desses ministros não foram revelados, pois a investigação ainda está sendo realizada.


Fonte: Gospel Prime

Apesar da resistência de Silvio Santos afiliadas do SBT já transmitem programas religiosos

 


O SBT ainda é o único canal aberto que não vendeu uma parte, por menor que seja, para programações religiosas, isso porque o dono da emissora, Silvio Santos se mantém tentando não apoiar esse tipo de negociação. Enquanto isso, algumas afiliadas do SBT já venderam seus espaços até mesmo para aIgreja Universal do Reino de Deus, liderada pelo maior adversário de Silvio, o bispo Edir Macedo que é dono da Rede Record.
Entre as afiliadas que já transmitem programas religiosos temos a VTV (Santos e Campinas), TV Alagoas e a TV Aratu (Bahia). Sendo que a VTV tem uma lista de clientes bastante ecumênica que inclui igrejas como “Leão de Judá” e “Cristo é a Resposta”, além do programa “Vamos Celebrar”.
As retransmissoras da programação do SBT de São Paulo podem substituir algumas atrações por programas locais ou até mesmo para produtoras independentes, no caso de programas religiosos. O problema dessas afiliadas é o horário da madrugada, um período de pouca rentabilidade para se produzir um programa, por isso as igrejas acabam sendo a “salvação” das emissoras.
Mesmo sabendo disso, Silvio Santos ainda definiu se irá ou não alugar o horário da madrugada para oapóstolo Valdemiro Santiago que mostrou estar disposto a pagar R$ 300 milhões por ano pelo horário.

VIA GRITOS DE ALERTA
Fonte: Gospel Prime

BRASIL EXPORTANDO LIXO - Campanha ateista no Brasil contra o cristianismo e as religiões faz sucesso e ganha elogios nos Estados Unidos

Campanha ateista no Brasil contra o cristianismo e as religiões faz sucesso e ganha elogios nos Estados UnidosO americano Hemant Mehta, do blog Friendly Atheist, elogiou a campanha que a Atea (Associação Brasileira de Ateus e agnósticos) exibe em outdoors de Porto Alegre (RS).
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica GospelEscreveu que a diferença entre as campanhas ateístas é que, enquanto nos Estados Unidos os slogans afirmam coisas como “Podemos ser bons sem Deus”, no Brasil há “nocaute” com mensagens como “religião não define caráter”, comparando o ateu Charlie Chaplin ao crente Adolf Hitler.
O blog está hospedado no portal sobre religião e espiritualidade Patheos.
Embora reconheça que as campanhas dos ateus americanos já causem controvérsias, Mehta afirmou que gostaria que lá fosse apresentado em breve algo parecido com as mensagens brasileiras.
Leitores do blog fizeram comentários como: “Como é bonito de ver. Ela dá uma esperança …”; “Gosto do ‘Com Deus, tudo é possível’, mas não posso imaginar que isso venha a ser adotado nos Estados Unidos”, “Gostei mais do ‘A fé não dá respostas. Ela só impede as perguntas’”; “Mensagens sucinta que oferece reflexão. Bem feito!”, “Daaaayum, hardcore!”.
O post de Mehta foi reproduzido pelo site da fundação do biólogo britânico e militante ateu Richard Dawkins.


Fonte: Paulopes

EU SOU CONTRA A UNIÃO DE HOMOSSEXUAIS - Evangélicos são os brasileiros mais resistentes à união homossexual, aponta Ibope


Evangélicos são os brasileiros mais resistentes à união homossexual, aponta Ibope
Cerca de 77% dos evangélicos são contra

Brasileiros que se declaram protestantes ou evangélicos são o setor mais resistente na sociedade à união de casais do mesmo sexo, aponta pesquisa inédita divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Ibope Inteligência. O segmento apresentou o maior percentual de pessoas contrárias à união -77% contra 23% de favoráveis -, que, em junho, foi aprovada pelos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

A pesquisa nacional, realizada entre os dias 14 e 18 de julho, apontou que 55% dos brasileiros são contrários ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, e 45% são favoráveis. Na segmentação por religiões, além dos protestantes, católicos e ateus ou sem religião se mostram bastante divididos em relação ao tema: 50% de católicos se disseram a favor da união, e 50% contra, enquanto, entre os ateus, esses índices ficaram em, respectivamente, 51% e 49%. Entre os entrevistados que se definiram adeptos de “outras religiões”, o índice de favoráveis à união homossexual foi maior: 60%, diante dos 40% de quem é contra.
Adoção por casais do mesmo sexo

A respeito da aprovação da adoção de crianças por casais do mesmo sexo, os resultados seguem tendência semelhante à da opinião sobre a união: 55% dos brasileiros se declaram contrários. O indicador é mais alto entre os homens, com 62% de contrários, e também entre pessoas maiores de 50 anos (70% contrárias) e entre brasileiros com escolaridade até a quarta série --67% se declararam contrários.

Já por regiões, segundo o Ibope, a contrariedade é maior no Nordeste (60%), no Norte/Centro-Oeste (57%), no Sul (55%) e no Sudeste (52%).
Amigos gays

A pesquisa também revela que a rejeição da população é sensivelmente menor em relação à possibilidade de um(a) amigo(a) se revelar homossexual. Para 73% dos brasileiros, por exemplo, essa hipótese não os afastaria de suas amizades. Outros 24% disseram que afastariam muito ou pouco e 2% não souberam responder.

Para a diretora executiva de marketing e novos negócios do Ibope Inteligência, Laure Castelnau, os dados apresentados na pesquisa são reveladores. “Os dados mostram que, de uma maneira geral, o brasileiro não tem restrições em lidar com homossexuais no seu dia a dia, tais como profissionais ou amigos que se assumam homossexuais, mas ainda se mostra resistente a medidas que possam denotar algum tipo de apoio da sociedade a essa questão, como o caso da institucionalização da união estável ou o direto à adoção de crianças”, definiu.

Ao todo, 2.002 brasileiros foram entrevistados pelo instituto em 142 municípios.
Fonte: Uol

Perseguição aos cristãos aumenta durante o Ramadã


Perseguição aos cristãos aumenta durante o Ramadã
Ministério convoca o povo de Deus a participar de campanha de oração nesse difícil período

Esta segunda-feira (1º) foi oficialmente o início do Ramadã – ritual que é considerado um dos pilares do islamismo pelos muçulmanos, que fazem jejuns e rezas durante um mês.

Este rito é sempre no nono mês do calendário islâmico, no qual se acredita que o profeta Maomé recebeu a revelação da parte de Alá, por meio do anjo Gabriel, dos primeiros versos do Alcorão.

De acordo com o islamismo, Maomé estava andando em um deserto perto de Meca em 610 d.C. Isso aconteceu onde atualmente localiza-se a Arábia Saudita. Esse ano o Ramadã é do dia 1º até o dia 30 agosto.
Nesta ocasião em que a perseguição aos cristãos aumenta, especialmente nos países islâmicos, o ministério Missão Portas Abertas organizou uma campanha de oração para convocar o povo de Deus a clamar e conhecer mais sobre o assunto.
“Queremos chamar a atenção dos nossos irmãos da Igreja Livre para este tempo que é tão difícil para a Igreja Perseguida. Também queremos incentivá-los a orarem assim como nós faremos”, explica o secretário geral do trabalho, Pr. Carlos Alfredo de Sousa.
Ele convoca a todos os cristãos a “demonstrar de forma prática um de nossos valores centrais que diz: ‘somos pessoas de oração’”.
Ao longo deste mês a campanha terá quatro momentos de oração (9h, 12h, 15h e 18h). A proposta é que no decorrer do dia, mesmo durante o trabalho, os cristãos parem o que estiverem fazendo e elevem os pensamentos ao Senhor, em uma curta oração, intercedendo pelos irmãos que estão em países islâmicos e vivendo a pressão extra do mês do Ramadã.
“Ao ouvir a sirene oraremos e incentivamos vocês a fazerem o mesmo! Esta é uma forma de nos colocarmos no lugar de nossos irmãos que ouvem a chamada da oração todos os dias, várias vezes ao dia”, diz o representante do ministério.
“Que o Senhor ouça dos céus o nosso clamor”, conclui.


Fonte: Missão Portas Abertas / Redação CPAD News

Cada vez mais muçulmanos se convertem a Jesus na Espanha


Cada vez mais muçulmanos se convertem a Jesus na Espanha

Dezenas de batismos mensais fazem crescer o atual número de 1,2 milhão de evangélicos no país

O marroquino S. Benaessa se preocupa com seus pais. “Eles irão para o inferno”, diz. Não porque repudiaram o filho, porque deixaram para trás sua cidade natal, Agadir, e, com ela, Maomé. Mas sim porque “só aceitando Jesus como salvador é possível morrer sabendo que o céu lhe aguarda”, explica. Benaessa, que há 14 anos não vê sua família, é um dos cerca de cem muçulmanos convertidos ao cristianismo evangélico na Espanha - um caminho duro que, nos últimos três anos, vem ganhando mais fiéis.

Infelizmente, na direção contrária, a porta é larga, como já previa as Escrituras. Os novos devotos de Alá nascidos em berço nominalmente “cristão” podem chegar a 40 mil, cinco séculos após a expulsão dos muçulmanos da Espanha pelos Reis Católicos - Fernando e Isabel.

Cursando o penúltimo ano do seminário evangélico, o futuro pastor se recusa a ser fotografado com o rosto à mostra.

“É difícil e arriscado mostrar-se publicamente como ex-muçulmano”, explica Benaessa, de 34 anos. Ele conta que “para os muçulmanos, sou um infiel. E no Alcorão está claro: aos traidores a pena é a morte. Meus pais disseram que só posso voltar a vê-los se me reconverter”.

Perseguição e preconceito

A presença de ex-muçulmanos costuma ser muito discreta entre as dezenas de batismos mensais que fazem crescer o atual número de 1,2 milhão de evangélicos na Espanha, segundo a Federação de Entidades Religiosas Evangélicas. Muitos destes batismos, inclusive, não se realizam dentro das igrejas. Benaessa, por exemplo, foi batizado com outras 20 pessoas na casa de um amigo. Dos 20, só Benaessa e um colega tinham seguido o Islã.

“Meu pais, embora não tenham me rejeitado, preferiam qualquer coisa menos isso. Minha mãe e minha irmã vieram ao meu casamento, e quando vêm me visitar, às vezes me acompanham à igreja. Já meu pai resiste mais, não tanto por ele, mas pelo que os outros possam dizer. Durante o ramadã, temos longos debates teológicos - conta o músico e técnico de qualidade de telemarketing Samir, de 28 anos, que frequenta a mesma igreja de Benaessa e também não pode ser fotografado, ou a dar o sobrenome.

Quando morava com sua família em Casablanca, Samir culpava o governo marroquino por um enorme vazio interior que tampouco o Islã era capaz de preencher. Ao chegar à Espanha, rompeu com Alá e, após uma fase ateia, caiu nos braços de Jesus.

“O bom de ser cristão é que tudo pode ser questionado. Não há perguntas proibidas, como no Islã, onde questionar é atentar contra Alá”, explica feliz.


Fonte: O Globo

Pastores Buscam 'Nova Normalidade' nos Orçamentos da Igreja, Revela Pesquisa

Apesar do aumento nas ofertas da maioria das Igrejas nos Estados Unidos, os pastores estão redefinindo os orçamentos para combater tempos econômicos difíceis, diz o diretor de um grupo de pesquisa.
De acordo com uma pesquisa LifeWay pesquisa com 1000 pastores protestantes, realizada em maio e divulgada na segunda-feira, quase 71 por cento dos pastores relataram que em 2011 as ofertas (41 por cento) atenderam ou excederam (25 por cento) as suas necessidades de orçamento. No entanto, o aumento da demanda de fora das Igrejas, incluindo o aumento do custo de serviços e produtos, fizeram as Igrejas reestruturarem a maneira de fazer as coisas.
"Da mesma forma, estamos começando a usar o termo" nova normalidade" ao falar sobre os gastos dos consumidores, acho que podemos começar a olhar para o mesmo tipo de nova normalidade em termos de gastos Igreja", Scott McConnell, diretor da LifeWay Research, disse ao The Christian Post. "As Igrejas ainda estão tentando descobrir isso".
A pesquisa mostrou que 22 por cento dos pastores relatam ofertas menores em 2011 do que 2010. Trinta e nove por cento relatam um aumento e trinta e seis por cento dissera que as ofertas estão aproximadamente no mesmo nível que em 2010. As Igrejas na média da pesquisa tiveram um aumento de 2 por cento nas ofertas ao longo do ano passado.
McConnell disse que da mesma forma que ambos os bons e maus indicadores econômicos podem ser encontrados sobre o status econômico do país, o mesmo pode ser dito sobre a saúde financeira da Igreja como revelado na pesquisa de pastores.
"Igrejas lidam com a mudança, todos os dias de qualquer maneira. Os líderes da Igreja são usados para mudar, mas isto é geralmente relacionado com a saúde da Igreja ", disse ele. "Quando a recessão econômica os atingiu há dois anos atrás, foi um tipo de mudança que eles realmente não estavam preparados".
Mesmo com algumas Igrejas que mostram os números de ofertas mais altos quando comparados com pesquisas anteriores da LifeWay feitas ao longo dos últimos dois anos, os pastores estão mantendo firme os orçamentos da Igreja.
"Continuamos a ver o mesmo número de Igrejas mantendo os salários do pessoal, à mesma taxa paga do ano passado. Eles atrasaram construções ou outras despesas de capital de grande porte. Eles atrasaram a contratação que foi planejada, e até mesmo reduziram os salários do pessoal, em alguns casos", disse McConnell.
Para algumas Igrejas, o voluntariado parece ser a resposta.
Pastores na pesquisa relatam um aumento no número de pessoas que dedicaram seu tempo em funções da Igreja (49 por cento em comparação com 41 por cento em Novembro de 2009) e na comunidade (50 por cento contra 44 por cento em Novembro de 2009).
Ao invés de comprar produtos ou serviços fora da Igreja, muitos pastores estão levando suas congregações a satisfazer essas necessidades dentro da Igreja.
"Eles estão tentando criar recursos e substituir por seu próprio trabalho, em vez de pagar por alguns serviços", disse McConnell. "Até 49 por cento dos pastores dizem que estão fazendo mais do que isso. Eles estão realmente navegando no que é a nova normalidade, tanto quanto às suas prioridades de gastos e como fazem os seus orçamentos e operações de trabalho no atual cenário financeiro".
A pesquisa também mostrou uma disparidade no crescimento de ofertas entre os tamanhos das Igrejas.
Igrejas com maior frequência são mais propensas a ter ofertas aumentadas, de acordo com o relatório. Quase metade (49 por cento) das congregações com 100-249 membros relataram o aumento nas ofertas a partir de 2010. O mesmo vale para 47 por cento das congregações com 250 ou mais pessoas. Apenas 34 por cento das Igrejas com 50-99 membros e apenas 23 por cento daqueles com 0-49 relataram aumento nas ofertas deste ano.
A pesquisa também revelou que os pastores que se identificam como principais Igrejas (45 por cento) são mais propensos a ter aumento de ofertas do que aqueles que consideram-se como evangélicos (38 por cento).
Embora McConnell tenha interpretado a pesquisa para mostrar alguns sinais econômicos positivos, ele disse que não usaria a palavra "otimista" para descrever os resultados. As Igrejas terão algumas decisões difíceis para tomar no futuro próximo, disse ele.
"Acho que algumas das incertezas atuais e até mesmo a volatilidade de algumas notícias positivas por um período de tempo seguido por alguns impactos mais negativos são, provavelmente, o que as Igrejas vão experimentar no próximo ano ou assim", disse ele.
Metodologia: A LifeWay Research conduziu uma pesquisa telefônica selecionando aleatoriamente as Igrejas protestantes. Cada entrevista foi realizada com o pastor sênior, ministro ou sacerdote da Igreja e as respostas foram pesados ​​para refletir a distribuição geográfica das Igrejas protestantes. A amostra completa das 1.000 entrevistas por telefone fornece uma confiança de 95 por cento que o erro de amostragem não deve exceder + / -3,2 por cento. As margens de erro são maiores nos subgrupos. São feitas comparações com pesquisas anteriores de telefone utilizando a mesma metodologia.
Contato: alex.murashko @ christianpost.com

Lago no Texas Vira Sangue? Pregador Alega Sinal do Fim dos Tempos

Lago O.C. Fisher no Texas se tornou vermelho e pregador americano alega que é sangue como parte dos sinais do fim dos tempos.
O reservatório O.C. Fisher, também conhecido com Lago O.C. Fisher, é um lago artificial no Centro-Oeste do Texas que começou no fim dos anos 1940. Ele recebe água do Rio North Concho para o propósito de controlar inundações e servir como suprimento secundário de água potável para San Angelo.
Os peixes existentes no Reservatório foram estocados para fins recreativos. E depois de uma seca severa o reservatório se secou deixando uma pequena poça de água que se tornou vermelha, em que os peixes morreram.
O pregador da Indiana, Paul Begley, cujo ministério foca em escatologia, proclama que a “água nesse lago no Texas é sangue”, baseando-se em Apocalipse 8: 6-13 (“E os sete anjos, que tinham as sete trombetas, prepararam-se para tocá-las.... e tornou-se em sangue a terça parte do mar.
“Quantas mais sinais da Bíblia nós vamos receber? Jesus está voltando em breve e você está preparado?”
“As águas do rio do lago Texas são sangue”, disse ele.
Em uma imagem do lago aparece o que sobrou do OC Fisher, com todos os peixes mortos.
De acordo com o Texas Fishing Forum, a mudança de cor é devido à uma reação química, com adição das algas e peixes mortos que contribuíram para a cor.
Begley não acredita nessa teoria e cita também Apocalipse 16: 1-3 (“E ouvi, vinda do templo…E o terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue), para sustentar que as profecias da Bíblia estão se cumprindo.
“As profecias da Bíblia estão lentamente se cumprindo no meio de um tempo de revelações. Você precisa estar salvo, precisa nascer de novo e estar pronto para encontrar-se com o Rei que está para vir, Jesus Cristo. Ele está vindo”.

CRISTIAN POST

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...