sábado, 1 de março de 2014

Grupo jurídico cristão incentiva faculdades dos EUA a restabelecer bíblias mesmo com queixas de ateus


Um grupo jurídico cristão decidiu tomar a iniciativa de estimular faculdades dos Estados Unidos a restabelecerem a presença de Bíblias, depois de serem vetadas por determinação de grupo não-crente Freedom From Religion Foundation (FFRF).

O grupo cristão Aliança em Defesa da Liberdade (ADF) enviou cartas para a Universidade de Wisconsin e para a Iowa State University, e pediu para que as instituições colocassem de volta as bíblias que estavam em quartos dos hotéis dos campi, retiradas sob acusação da FFRF de "propaganda religiosa indesejável".

Segundo o órgão ADF, a determinação da FFRF é falha, pois constaria um caso de discriminação religiosa, já que a legislação americana não impede a presença de Bíblias em locais públicos, dentro dos limites que protegem os EUA como estado laico.

"Presumivelmente, os quartos dos hotéis exibem uma variedade de materiais impressos, incluindo revistas, listas telefônicas e informações sobre o campus, além de facilidade aos hóspedes. Ao retirar as Bíblias por serem religiosas, você pode envolver um caso de sentimento hostil, ao trazer um flagrante de discriminação de conteúdo", relata a carta da organização.

Em contrapartida, a FFRF apontou por meio de seu advogado, Patrick Elliot, que as escolas estatais podem colocar qualquer tipo de literatura nos quartos de cada hotel de cada campus, mas devem permanecer neutras à religião, sob qualquer circunstância.

Por outro lado, a ADF reforça sua defesa sob a tese de que as universidades públicas devem respeitar o direito de manifestar sua liberdade religiosa, ao invés de limpar todo o campus da livre expressão do que pensam.

"As universidades públicas são lugares de ideias abertas, que devem compreender a legislação, e não obrigá-las a remover algo do campus só porque possui conteúdo cristão. Pelo contrário, a lei exige que acomode a religião", disse Travis Barham, membro do conselho da ADF.

Fonte: The Christian Post

MUNDIAL ENFRENTA SUA PIOR CRISE FINANCEIRA

Fundada em 1998 pelo apóstolo Valdemiro Santiago, a Igreja Mundial do Poder de Deus tem cerca de sete mil templos espalhados pelo mundo e possui mais de 2.500 funcionários. Mas segundo a revista ISTOÉ desta semana, a igreja está passando por sua maior crise financeira.
Desde outubro do ano passado vem sendo divulgado que Valdemiro enfrenta problemas na Justiça por falta de pagamento de aluguéis de diversos templos da Mundial. Na época, a revista afirmou que a igreja enfrenta uma crise financeira causada por “Quadrilhas de pastores ladrões, dívidas milionárias com as tevês, administração amadora e investimentos equivocados na construção de grandiosos templos”.
Foram meses de negociações e desmentidos na relação com o grupo Bandeirantes, que alugava horários no Canal 21 e as madrugadas da Band. Por falta de pagamento, a Igreja Mundial do Poder de Deus perdeu para a Universal esses horários.
Alegando quebra de contrato, os advogados de Valdemiro entraram na justiça pedindo R$ 200 milhões de indenização do Grupo Bandeirantes.
No início de 2014, foi a vez de a Rede Bandeirantes acionar a Mundial, exigindo judicialmente o pagamento da dívida de R$ 10.156.259,57. Após um mês e meio, saiu o veredito e a Igreja teve seus bens retidos. Entre os dias 20 e 22 de fevereiro, segundo ordem da 26ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, seis contas da igreja foram investigadas, sendo bloqueados R$ 2.133.103,80 de duas delas.
A Mundial alugava desde 2010 espaço da Bandeirantes. No último contrato, ficou acertado o pagamento por parte da igreja de R$ 3 milhões mensais pelo uso do espaço nas madrugadas. Contudo, ainda deve as parcelas de setembro e outubro de 2013 e de parte das de agosto e novembro do mesmo ano.
Segundo a ISTOÉ, desde 2011 havia problemas, incluindo mais de dez notificações judiciais. “A igreja atrasava o pagamento, renegociava e pagava com cheques parcelados. E vários cheques voltaram sem fundos, com valores que variavam de R$ 100 mil a R$ 1,5 milhão”.
O juiz da Vara Cívil, ordenou a apreensão de veículos da igreja. A Mundial apresentou como forma de pagamento um terreno de 6.000 m2, em Goiânia (GO), avaliado em R$ 15 milhões. Contudo, a Bandeirantes recusou. O total do processo da emissora de TV contra a igreja, é cerca de R$ 100 milhões incluindo parcelas atrasadas, reembolso de despesas, multa e juros.
A ISTOÉ apontou ainda que existem 378 protestos contra a IMPD no Serasa, totalizando uma dívida de R$ 9.478.900, além de 195 pendências financeiras, totalizando R$ 127.109, a ainda 20 cheques sem fundos, que somam R$ 14.590.923. Outros 13 cheques foram sustados nos últimos seis meses.
Oficialmente, a direção da Mundial afirma que não se manifestará enquanto o processo estiver em andamento.


GP

Ex-polígama mórmon diz que aceitar um marido com outras esposas é viver um adultério dentro de casa


Ex-polígama mórmon, integrante de uma união conjugal com a participação de várias esposas, relatou recentemente que aceitar a união de um marido com várias mulheres é como sofrer com um adultério e ainda ter a amante vindo para sua própria casa.

Marion Munn fazia parte de um casamento plural por dezoito anos, depois de se converter ao fundamentalismo mórmon, da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Contudo, mesmo depois de viver tanto tempo sob tais condições, Munn afirma que não estava feliz e agora prefere falar dos riscos do costume.

"Você tem que sorrir e fingir que está tudo bem, porque isso faz parte da cultura. Então, para entrar nela, eu pessoalmente não quero vivê-la, pois me sinto coagida a aceitar algo que eles impõem como uma questão de fé", destacou Munn ao diário britânico Daily Mail.

Em 2013, o estado do Utah, oeste dos EUA, onde boa parte da população é mórmon, decidiu que aumentaria a liberdade para famílias polígamas. Assim, uma deliberação anterior para a coabitação foi derrubada por violar a liberdade de religião.

Como contrapartida ao caso de Munn, Kody Brown, patriarca mórmon, defende que a poligamia é um estilo de vida absolutamente normal e aceitável, se todas as pessoas estiverem de acordo com o que foi pré-estabelecido.

"Apesar de sabermos que muitas pessoas não aprovam as famílias plurais, esta é a nossa forma de viver nossa família, com base em nossas crenças", afirmou Brown com a esperança de que haja um respeito mútuo entre pessoas de outras unidades familiares.

Ao final, Munn coloca outro contraponto, ao ressaltar a discriminação dos mórmons com as mulheres. "Certamente, dentro de uma poligamia baseada nos mórmons, não nos deixa muita escolha, pois as escrituras mórmons ensinam a uma mulher que se ela não consentir a poligamia, Deus vai destruí-la", resume.

Fonte: The Christian Post

Naldo grava primeira música gospel ao lado de Thalles Roberto

Naldo grava primeira música gospel ao lado de Thalles Roberto
Nesta quinta-feira (27) o cantor Thalles Roberto passou o dia no Rio de Janeiro com o cantor Naldo. Juntos eles gravaram a primeira música gospel do funkeiro que recentemente resolveu voltar para a igreja.
De acordo com o empresário de Thalles, Doninha, a música gravada fala sobre um homem que andou por um caminho errado e se encontrou com Deus. “É muito mais que uma canção gospel. É uma canção que tem uma mensagem de fé, paz e de Deus”, disse.
A canção foi escrita em parceria pelos dois cantores. Thalles começou a escrever a letra quando conheceu o funkeiro, segundo o jornal Extra. “Naldo ficou encantando, ajudou a escrever o restante da letra e logo quis gravar. Ele está cada vez mais inclinado para o lado gospel”, afirmou Doninha.
Thalles e Naldo se aproximaram no início de fevereiro, quando o funkeiro passava em frente ao Barra Music, no Rio, e resolveu descer do carro para ver a apresentação do artista evangélico. Depois disso eles se encontraram em Minas Gerais e Naldo recebeu uma oração do pastor Job Roberto, pai de Thalles, declarando que ele serviria apenas a Deus.
Além de gravarem a música os cantores aproveitaram o momento para gravar um vídeo clipe juntos na praia. Pelo Facebook a Universal Music, nova gravadora de Thalles, deixou uma mensagem falando sobre essa parceria. “Thalles + Naldo. Vem #Pressão em Breve!”, diz a imagem. A música gravada fará parte do primeiro CD de Thalles pela gravadora.

GospelPrime

Feliciano comemora baixa de audiência do Big Brother Brasil

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) escreveu um texto em seu site comentando o aumento da audiência do Programa Silvio Santos e a queda do Big Brother Brasil (BBB). O evangélico afirma que não tem interesse nesses dados, mas que fica feliz ao ver que a população brasileira está dando preferência para programas que não ferem os bons costumes.
Por duas semanas seguidas o dono do SBT conseguiu ficar em primeiro lugar, deixando o reality show da Globo em segundo. “O povo sabe discernir o certo do errado”, é o título do texto. Feliciano cita as participações de homossexuais no BBB, inclusive a edição atual que mostra sempre duas mulheres se beijando na casa.
“Claro que o direito de escolha é da emissora e todos merecem as mesmas oportunidades e tem nosso respeito, somente questiona-se porque se a proporcionalidade entre a população esse grupo é minoria e observamos que nunca houve um programa em que não se colocam vários membros dessa minoria tornando implicitamente como obrigatória essa presença talvez ocupando a vaga de outros, reitero nada contra qualquer grupo”, escreveu.
Por outro lado ele elogiou a programação de Silvio Santos que mesmo sendo uma atração popular não faz apelações. “Silvio Santos no alto de seus 82 anos com um programa popular e sem apelação com entretenimento ao gosto da família comum consegue superar em audiência a mais forte emissora em operação em nosso país a poderosa Rede Globo, configurando uma nova era na audiência de nossa televisão.”
Feliciano chega a comentar a recente polêmica de uma marca de roupas que estimulava o turismo sexual durante a Copa comparando com os programas televisivos que fazem todos os dias a mesma propaganda.
“O que adianta nos ofendermos quando uma marca de roupas esportivas lança nos EUA uma camiseta com desenho sugerindo que durante a copa por aqui poderia se encontrar o denominado turismo sexual se em rede nacional e porque não dizer internacional com a programação da Globo Sat, são expostas jovens semi nus em festas diuturnas regadas a bebidas alcoólicas, em promiscuidade declarada e sugerida”, questiona.
O deputado também aproveita o momento para parabenizar o público brasileiro pela escolha dos programas e pede para que Deus continue iluminando o povo.


GP