segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Entrada de Rússia e Irã na guerra da Síria remete a profecias apocalípticas

Nos últimos dias, França, Irã e Rússia fizeram ataques na Síria contra alvos ligados ao grupo extremista Estado Islâmico. Se a ação francesa foi comemorada, a russa tem sido alvo de críticas abertas de líderes ocidentais.
Na guerra paralela, da mídia, uma série de informações desencontradas apontam que algo mais grave pode estar se desenrolando no Oriente Médio. O senador americano John McCain afirmou que os aviões russos atacaram na verdade grupos financiados e apoiados pela CIA. Ou seja, as bombas russas visavam uma aliança de insurgentes que também lutam contra o EI.
A Rússia comemorou o sucesso de oito ataques aéreos com quatro aviões de guerra Sukhoi, que acertaram quatro alvos considerados “estratégicos”. No entanto, analistas estão apontando que essas áreas não estão sob controle do Estado Islâmico.
O canal de televisão Al-Mayadeen, pró-governo sírio, noticiou que os ataques também afetaram a aliança insurgente chamada de Jaish al-Fatah [Exército da Conquista]. A aliança inclui a Frente Nusra, ramo sírio da Al Qaeda. Ao mesmo tempo, a imprensa americana relata que o grupo rebelde Suqur al-Jabal, treinado pelos Estados Unidos na província de Idleb, foram os verdadeiros alvo dos ataques russos.
Nada menos que meio bilhão de dólares foi gasto pelo programa americano com treinamento e equipamentos para combater os jihadistas do Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Mesmo assim, o governo Obama tem sido criticado pela sua ineficiência em conter a situação.
Por sua vez, o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, justificou: “Essas organizações terroristas atingidas são famosas e os alvos são escolhidos em coordenação com as Forças Armadas da Síria”.
Embora com pouca atenção da mídia mundial, centenas de soldados iranianos chegaram à Síria para se aliar a uma grande ofensiva terrestre em apoio ao governo do presidente sírio, Bashar al-Assad. Eles receberiam apoio do libanês Hezbollah, antigo aliado de Assad, e de milicianos xiitas vindos do Iraque, segundo informações da agência Reuters.
O que se desenha na Síria nesse momento é que definitivamente ficou para trás a guerra civil e o conflito se tornou definitivamente um assunto de escopo global. A entrada do Irã e os ataques da Rússia são vistos como um sinal claro que “os EUA estão perdendo influência na região.”
Mais do que isso, americanos e russos já estão em lado opostos na guerra que ocorre no Iêmen. Moscou apoia os iranianos e financiam os rebeldes houthis, um grupo islâmico xiita.
O presidente iemenita, Abed Rabbo Mansour Hadi, fugiu do Iêmen e pediu exílio na Arábia Saudita. Esta, por sua vez, apoiada pelos seus aliados, e os EUA formou uma coalizão, que conta com a presença de Emirados Árabes, Catar, Bahrein e Egito.
Enquanto a mídia internacional fala sobre uma possível guerra entre Rússia e EUA, o atual chefe do Conselho de Discernimento do Interesse do Estado, aiatolá Akbar Hashemi Rafsanjani advertiu recentemente sobre o iminente início de uma terceira guerra mundial.
Por sua vez, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, visitou Moscou no final de setembro para iniciar conversas sob estratégias e cooperação. Afinal, muito do cenário político que se desenha na Síria influencia diretamente o vizinho território israelense.
Estudiosos de profecias alertam para a aproximação política e militar de Rússia e Irã. Para eles, pode ser o início da união de forças descritas em Ezequiel, capítulos 37 a 39, sobre a chamada batalha de Gogue e Magogue.
A interpretação mais comum do texto aponta para a terra do extremo norte da Ásia (atual Rússia) e seu principal aliado, a Pérsia (atual Irã). Ambos se unirão para invadir Israel.
William McCants, do Centro Brookings para Política do Oriente Médio, afirma que o cenário atual também coincide com as previsões apocalípticas muçulmanas. Para os seguidores de Maomé, o fim do mundo será anunciado pela guerra em Damasco, capital da Síria, e o surgimento de um tipo de “anticristo”, chamado pelo Islã de ad-Dajjal.

gospel prime

Estamos no fim dos tempos? Para estudiosos “ciclo profético” está se cumprindo

Os sinais apontados por estudiosos como inegáveis que algo “grande” está prestes a acontecer no mundo estão todos aí: as quatro luas de sangue em dias específicos do calendário judeu, o Shemitá bíblico, o surgimento de um califado islâmico na área onde ficava a Babilônia,  o acordo nuclear que poderá resultar numa terceira guerra mundial.
Para muitos líderes cristãos, a igreja precisa se despertar e manter-se especialmente vigilante nesses dias. Além das advertências proféticas para a Igreja, o mundo testemunha o surgimento de uma grande instabilidade.
Ao mesmo tempo enfrenta crise financeira por causa da China, geopolítica, com os milhões de refugiados de guerra e o inegável caos moral com a crescente legalização do que a Bíblia chama de abominação. Existem ainda crises hídricas em diversas partes, o aquecimento global e o risco crescente de uma conflagração nuclear. Seria essa a junção de sinais no céu e na terra?
Franklin Graham, presidente da Associação Evangelística Billy Graham, afirma que este pode ser o “momento decisivo” para a humanidade. “Temos arrogantemente virado as costas a Deus, e eu acredito que o julgamento virá contra nós”, afirmou.
O rabino Jonathan Cahn, um dos primeiros a falar sobre as profecias do Shemitá resume: “Estamos testemunhando o que parece ser um cenário profético perfeito. A relação dos EUA com Israel está num ponto baixo histórico. Agora com a campanha contra a definição bíblica do casamento! Tudo está convergindo”.
Graham e Cahn não estão sozinhos. Em entrevistas durante os últimos meses, dezenas de respeitados estudiosos da profecia bíblica concordam que o mundo está experimentando uma aceleração sem precedentes, visto nos sinais do fim dos tempos. Entre eles estão Joel C. Rosenberg, Chuck Missler, Paul McGuire, Greg Laurie, Robert Jeffress, Sid Roth, o rabino Jonathan Bernis, Thomas Ice, Ron Rhodes.
Todos já escreveram e pregaram sobre a possibilidade de esta geração testemunhar a consumação dos tempos. O pastor Jack Graham, que lidera uma igreja de 40 mil membros no Texas, foi categórico: “há poucas dúvidas, essa pode muito bem ser a última geração”.
Autor de dezenas de livros sobre profecias e apocalipse, como a série Deixados para Trás, Tim Lahaye disse recentemente: “Na verdade, temos muito mais sinais da vinda e do fim que qualquer geração antes de nós. O povo de Israel está sendo atraído de volta para a Terra Santa… é muito óbvio que algo grande está vindo”.
Junte-se a isso a restauração do Sinédrio em Israel e todos os preparativos para o reinício dos cultos no Terceiro Templo. Diversos rabinos falam sobre a vinda “iminente do Messias”.
Não se pode ainda desconsiderar a popularização do islamismo radical e o aumento exponencial de atentados terroristas. Seu alvo declarado é exterminar cristãos e judeus. Este mesmo radicais também argumentam esperar pela vinda do seu grande profeta, o mahdi.
Além disso, são crescentes os planos da ONU de um “modelo para governar todo o planeta.” Vários líderes políticos do planeta, sobretudo na Europa, estão pedindo uma “autoridade política mundial” para combater as alterações climáticas, a pobreza global e outras crises. Até o papa Francisco já se pronunciou a esse respeito.
Marcas datas é sempre temerário, contudo o ‘ciclo’ profético está se fechando e quando tantas autoridades bíblicas falam sobre o mesmo assunto, é melhor estar atentos.


Fonte  Gospel   Prime

COLEIRA ERVA DE SANTA MARIA - PREÇOS ESPECIAIS PARA REVENDA

ENTRE NO LINK ABAIXO E COMPRE PARA REVENDA . https://petpetsbrasil.loja2.com.br/3600225-COLEIRA-ERVA-DE-SANTA-MARIA-REPELENTE-A-PULGAS-...