domingo, 29 de novembro de 2015

Autobiografia de ex-pastor da Igreja Universal revela bastidores de terror psicológico, fraude e prostituição

Lançado em 1995, este livro durou pouco mais de 20 dias nas estantes das livrarias brasileiras. Por determinação judicial, obtida mediante a ação do poderoso departamento jurídico da Igreja Universal do Reino de Deus, todos os exemplares ainda não vendidos na época foram recolhidos.
Imagem redimensionada“Nos Bastidores do Reino – A vida secreta na Igreja Universal do Reino de Deus” é uma autobiografia de Mário Justino, ex-pastor da igreja fundada por Edir Macedo e protagonista de uma ascensão meteórica dentro da organização neopentecostal mais famosa do país.

O autor se apresenta como um adolescente triste e pobre que, certo dia, zapeando pelas estações de rádio do interior do Rio de Janeiro, ouviu uma retumbante “bênção da água” e se sentiu atraído a conhecer pessoalmente aquela igreja. Os hinos de louvores e os supostos exorcismos o fascinaram e o jovem largou a família e a bolsa de estudos para, com apenas 15 anos, trabalhar sem receber nada além de três refeições diárias no templo que passou a frequentar: ela era faxineiro, porteiro e vigilante. Aos poucos, foi mostrando talento para ser pastor. Ele mesmo explica o que se entende por “talento” neste caso: a habilidade para enganar pessoas e fazê-las doar dinheiro.

Para crescer na “carreira” dentro da igreja, que funciona como uma franquia empresarial, basta ser um bom arrecadador de dinheiro e manter uma vida discreta. As aparências de virtude do pastor são cruciais para o sucesso do projeto, embora, nos bastidores, Mário Justino afirma serem normais os casos de adultério, fornicação e práticas homossexuais. Ele próprio conta que a sua primeira experiência sexual foi com outro pastor.

O autor acabou se tornando pastor titular de uma das igrejas da rede e, para manter o cargo, precisava bater as metas mensais de arrecadação. O maior medo de todos os pastores era terminar o mês com resultado negativo, tragédia que implicaria pesadas represálias e poderia acarretar seu pior pesadelo: ser expulsos da congregação. A cúpula sabia que muitos de seus pastores não tinham capacitação para exercer outros ofícios no mercado de trabalho e empregava com eficácia o terror psicológico para garantir o êxito das franquias. Como contraponto, as regalias para os que cumpriam as metas envolviam bônus em dinheiro, escola para os filhos, plano de saúde para a família, carro e viagens com direito a hotéis cinco estrelas.

Para um rapaz de 17 anos, de infância miserável e coração doído de tanto ver sofrer a pobre mãe lavadeira, aquela chantagem era poderosa. Mas não o suficiente para evitar que Mário Justino fosse tragado pela depressão profunda. Ele se tornou refém dos remédios controlados e não tardou a se viciar em drogas pesadas. Foram inúmeros os cultos que dirigiu, segundo seu próprio relato, depois de fumar maconha misturada com comprimidos de tarja preta. Ele se desligou da organização para trabalhar como servente num aeroporto de São Paulo.

Ainda mais viciado em drogas, Mário Justino passou a se prostituir, vendendo-se para homens e mulheres. Em paralelo, tinha esposa e dois filhos e, para sustentá-los, se viu forçado a recorrer aos seus antigos chefes e suplicar que o aceitassem de volta na Universal. Seu retorno aos púlpitos, porém, foi breve. A cúpula o enviou no começo da década de 1990 para os Estados Unidos, onde a igreja tentava se estabelecer. Em carta privada a um suposto amigo, Justino confidenciou que tinha contraído aids. O suposto amigo o traiu e denunciou a Edir Macedo, que expulsou o pastor, depois de 11 anos de serviços, sem nenhum direito trabalhista.

Abandonado pela família e sem condições de voltar ao Brasil, Mário Justino não apenas voltou a se prostituir, como ainda passou a atuar como traficante. Muito debilitado pelo HIV, terminou internado num hospital público no qual um travesti brasileiro, Danusa, fazia trabalho voluntário. Foi Danusa quem ajudou o ex-pastor a superar a depressão, aprender inglês e encontrar trabalho.

A obsessão de Mário Justino passou a ser a vingança. Sua meta de vida era matar Edir Macedo. As tentativas aconteceram, todas em vão. Quando, tempos depois, o ex-pastor encontrou Danusa em pele e osso num leito de hospital, também vítima do HIV, inconsciente e apertando-lhe a mão quase sem forças em seus últimos suspiros, Mário Justino enxergou a pequenez da vingança. Decidiu que as tragédias da morte dos pais, da separação da esposa e da morte de Danusa, por quem tinha nutrido a única amizade verdadeira em toda a sua vida, precisavam ser superadas para encarar uma vida nova.

A autobiografia de Mário Justino é devastadora.
Fonte: Aleteia

O FINAL DOS TEMPOS , AS PROFESSIAS ESTÃO SE CUMPRINDO

Todos  os sinais estão mostrando que a volta de JESUS esta perto.
Guerras , rumores de guerras , fomes , pestes etc.
Islamismo matador, bombas , decaptação de cristãos etc.
Poderiamos falar tantos acontecimentos .



"Houve muitas vezes que eu perguntei a Deus sobre a razão disso tudo [terrorismo / perseguição]. Mas a Bíblia nos adverte claramente que, à medida que nós avançamos na presente época, as coisas vão piorar. Vai haver guerras e rumores de guerras, fomes, doença, terremotos, pestilência e isto é apenas o começo", disse Graham em uma mensagem, postada em sua página oficial do Facebook, na última segunda-feira.

Welby, que lidera a Igreja da Inglaterra, admitiu no fim de semana que o ataque terrorista na capital francesa no início de Novembro, que matou 130 pessoas, o fez duvidar da presença de Deus.

"Sábado de manhã, eu estive fora e enquanto eu caminhava, eu orava e dizia: "Deus, por que? Por que isso está acontecendo? Onde está você em tudo isso?", Disse Welby no programa "Songs of Praise", da BBC.

"Ele [Deus] disse que estava 'no meio disso", disse Welby, citando o Salmo 56. "Ele guarda as nossas lágrimas em uma garrafa, nenhum de nossos sofrimentos são em vão".

Graham ressaltou, porém, que se perguntar a Deus "por que?" não é necessariamente a mesma coisa que duvidar de Deus.

Falando de sua própria experiência, Graham disse que desde que ele se tornou um cristão, ele nunca duvidou de Deus.

"E eu não duvido nem por um segundo que eu sou um pecador, que fui salvo e perdoado por Sua graça. Não por causa de quem eu sou, mas porque Jesus Cristo derramou Seu sangue há 2.000 anos numa cruz por meus pecados e Deus o ressuscitou dentre os mortos - e Ele está vivo para sempre", disse o evangelista.

"Quando eu tinha 22 anos, eu pedi a Jesus Cristo que entrasse em meu coração, e eu não duvidei dEle nem por um momento, desde aquele dia".

Os ataques em Paris, tiveram sua autoria reivindicada pelo grupo terrorista Estado Islâmico e chocaram grande parte do mundo ocidental, levando o Papa Francisco a se pronunciar e admitir que "é difícil encontrar o sentido de tal violência".

"Estou perto do povo da França, das famílias das vítimas e eu estou rezando por todos eles", disse o pontífice após os ataques. "Eu estou comovido e eu estou triste. Eu não entendo... essas coisas são difíceis de entender".

Graham, que dirige a Associação Evangelística Billy Graham, culpou o Islã pelos ataques contínuos e violências realizadas pelos militantes.

"O Islã declarou guerra contra o mundo e é chegado o momento de reconhecê-lo e responder decisivamente", disse Graham.

"Eu não sei quanto a vocês, mas eu não quero viver sob o Islã. Eu não vou dobrar os meus joelhos para ninguém, exceto Deus, o Todo-Poderoso".

Após presença de pastor em hotel da Seleção, CBF demite chefe de segurança


A entrada não autorizada de um pastor para a realização de culto religioso na concentração da seleção brasileira fez com que a CBF demitisse o chefe de segurança do time comandado por Dunga. Nomeado pelo ex-presidente José Maria Marin, o coronel Moacyr Alcoforado acabou perdendo seu cargo após o mal-estar gerado na comissão técnica.

O incidente aconteceu durante os amistosos da equipe nos Estados Unidos, ainda em setembro.

Na ocasião, o pastor Guilherme Batista, de 25 anos, postou fotos e vídeos nas redes sociais rezando com os jogadores e agradeceu em suas postagens a David Luiz e Kaká pelo convite para oração no hotel em que estavam hospedados.

Nas imagens do missionário de Goiânia, também aparecem Alisson, Douglas Santos, Douglas Costa, Fabinho, Jefferson, Lucas Moura, Marcelo Grohe e Lucas Lima. Ele chegou a posar ainda ao lado do técnico Dunga, que explicou posteriormente ter pensado se tratar apenas de um torcedor comum.

O tetracampeão mundial ficou indignado com Batista, que, em sua avaliação, teria tentado se promover.

Aliado a isso, pesou na decisão de troca da chefia de segurança a reunião religiosa sem o conhecimento de qualquer membro da CBF, deixando de lado o seu veto a manifestações dessa natureza dentro do ambiente do time. Foi a gota d'água para a mudança e o 'puxão de orelha' nos atletas.

"Não permiti. Nem eu, nem o Gilmar (Rinaldi) e nem a seleção. Dentro da seleção, as coisas são feitas com transparência. Nós temos uma sala onde os jogadores podem receber seus familiares ou pessoas mais perto. Não é que nada é proibido, mas na seleção brasileira não é local de exposição religiosa, política. Ali nós temos que nos concentrar no que estamos fazendo, que é jogar futebol apenas", afirmou Dunga, logo após o episódio.

Aloísio Rocha Júnior esteve à frente da segurança da equipe em seus compromissos nestas Eliminatórias.


Fonte: ESPN

Corrupção é vista como o maior problema do país, diz Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada no jornal "Folha de S.Paulo" neste domingo (29) mostrou quais são os principais problemas do país na opinião dos brasileiros. Os resultados foram:
- Corrupção: 34%
- Saúde: 16%
- Desemprego: 10%
- Educação: 8%
- Violência/segurança: 8%
- Economia: 5%

O Datafolha ouviu 3.541 pessoas em 185 municípios de todo o país nos dias 25 e 26 de novembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais.
Segundo o instituto, esta é a primeira vez, desde que o levantamento começou a ser realizado, em 1996, que a corrupção aparece como o principal problema na avaliação dos entrevistados.

Recessão está prestes a se tornar a pior desde a criação do Plano Real

© Fornecido por Notícias ao Minuto
Nesta terça-feira (1), com a divulgação do PIB do terceiro trimestre do ano, a recessão brasileira está prestes a se tornar oficialmente a mais longa desde o Plano Real, em 1994.
Desde 1990, quando o governo Collor confiscou dinheiro depositado nos bancos na tentativa de conter uma inflação de quatro dígitos, que a o país não era afetado por uma recessão tão forte, a terceira queda trimestral consecutiva, de acordo com todos os sinais disponíveis.
Além do encolhimento do PIB, o país passa por um período de alta dos juros; recuo de compras; inflação alta; baixo investimento e elevação do nível de desemprego.
Pela avaliação da FGV (Fundação Getulio Vargas), a atual recessão começou no segundo trimestre de 2014 e, portanto, já completou um ano e meio de duração.  

Cristã e sua família são vítimas do Estado Islâmico no Iraque


Cristã e sua família são vítimas do Estado Islâmico no Iraque
A Portas Abertas conheceu durante uma de suas viagens de campo, por meio da colaboradora Sara*, a família de Anwar. Eles foram vítimas do Estado Islâmico (EI) no Iraque. Anwar, parece ser a mais forte da família, Deus está trabalhando de forma extraordinária nela. Recentemente, Sara visitou Anwar novamente, ela conheceu a família cerca de um ano e meio atrás, um mês depois de se tornarem vítimas do EI. Sara fez parte dos primeiros que os visitaram. Ela lembra do alívio da família quando os encontrou, eles perceberam que não tinham sido esquecidos.
Amor e determinação
Anwar cuida de seus pais idosos traumatizados e de sua irmã, que teve um membro do seu corpo atingido em um ataque. Todo mês a família recebe um pacote de comida do parceiro local da Portas Abertas. Anwar complementa-o com legumes frescos que compra no mercado. O cuidado diário da família está nas mãos dela. Ela tenta cuidar de seus pais e da irmã da melhor maneira que pode. Com amor e determinação. "Conhecendo Anwar, descobri que ela é uma mulher incrivelmente forte. Ela também é muito atenciosa", conta Sara.
Sobrinhas no balde de lixo
Anwar organiza tudo o que a família precisa. Onde é que ela encontra essa força? "É Deus", responde ela. Ele vem dando força durante toda a sua vida. Anwar conta que anos atrás, suas duas sobrinhas prematuras foram abandonadas pelos médicos em um lixo. Mas, o coração dela não poderia aceitar aquilo. Ela se tornou responsável pelas meninas, hoje elas já são adolescentes e vivem em outro país.
Quase morta
Toda a família se emociona quando Anwar compartilha os acontecimentos no dia em que quase morreu. Repentinamente, eles tiveram que deixar suas casas, em Mosul, sem saber como viveriam. Expulsos da cidade, chegaram a um posto de controle. Lá, as mulheres foram separadas de William, pai de Anwar. Uma senhora totalmente encoberta se aproximou das mulheres e começou a tirar todos os objetos de valor. Quando a outra filha de William protestou, uma arma foi apontada para ela. Anwar implorou de joelhos pela vida da irmã. O apelo teve resposta, a terrorista cedeu e não matou nenhuma das duas. Mas em sinal de protesto, ela bateu na perna da irmã de Anwar em sinal de protesto. Hoje, ela ainda tem dificuldade para andar, apesar de ter passado por uma cirurgia.
Sara e a família de Anwar sentaram-se juntos para assistir ao noticiário, como a família faz todos os dias. Eles seguem de perto o que acontece na sua cidade de Mosul. O EI tem implementado uma versão violenta da lei islâmica e está destruindo a herança cristã. Eles têm medo de lá nunca mais voltar a ser um lugar seguro. É difícil para Anwar ver os pais chorarem ao contar o que aconteceu e o que ainda está acontecendo, além disso eles enfrentam problemas para dormir à noite. Nos ajude em oração por essa família, Deus tem feito maravilhas no meio deles, mas ainda dá feridas e receios. Que a graça do nosso Senhor possa alcançá-los, cada dia, mais e mais.
*Nomes alterados por motivos de segurança.
Todos os dias, vemos e ouvimos nos meios de comunicação histórias de refugiados, e sabemos que eles precisam de nossa ajuda e de nossas orações. É por esse motivo que convidamos você a participar do Domingo da Igreja Perseguida (DIP) em 2016, um dia de intercessão pelos cristãos perseguidos ao redor do mundo.

Estado Islâmico também tem recrutado jovens de famílias cristãs


Estado Islâmico também tem recrutado jovens de famílias cristãs
Enquanto a maioria dos combatentes estrangeiros da organização terrorista Estado Islâmico vêm de origens muçulmanas, um especialista em terrorismo, disse nesta terça-feira que também há recrutas jihadistas vindos de famílias cristãs e estes estão entre os combatentes mais ferozes que o grupo militante tem para oferecer.
Durante uma reunião realizada pelo comitê antiterrorista do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que incidiu sobre os combatentes terroristas estrangeiros, Scott Atran, o co-fundador do Centro da Universidade de Oxford para a resolução de Conflitos, explicou que o Estado Islâmico tem um "atrativo revolucionário", que é capaz de atrair mais do que apenas os muçulmanos radicalizados.
Embora muito tenha sido feito sobre contra o Estado Islâmico (também conhecido como ISIS ou ISIL), para travar o processo de recrutamento on-line, Atran disse que o recrutamento acaba tendo sucesso "através do convencimento de amigos e familiares".
Avaliações de inteligência feita pelos Estados Unidos em setembro indicam que o EI recrutou mais de 30 mil estrangeiros para viajar à Síria e ao Iraque no ano passado, segundo afirmou Atran. O especialista também acrescentou que cerca de 75% desses combatentes estrangeiros 'foram recrutados por amigos'.
Embora muitos acreditem que mesquitas radicalizadas em todo o Ocidente tenham alguma responsabilidade pela radicalização de combatentes estrangeiros e sua entrada para o Estado Islâmico, o antropólogo nascido em Nova York afirmou que "a radicalização raramente ocorre em mesquitas".
"É a chamada para a glória e aventura que move esses jovens a aderir ao Estado Islâmico", disse o especialista, segundo a agência The Associated Press. "A Jihad oferece-lhes uma maneira de se tornarem heróis".
Atran, que entrevistou combatentes do EI e da Al-Qaeda, afirmou que o Estado Islãmico tem um "atrativo revolucionário" semelhante aos que ocorreram durante a Revolução Francesa e a ascensão da Alemanha nazista.
Atran acrescentou que uma parte de recrutas estrangeiros são até mesmo 'convertidos do cristianismo' ou indivíduos de famílias cristãs que foram atraídos para aderir à causa.
"Eles são considerados os mais ferozes de todos os lutadores que encontramos", disse Atran sobre os militantes nascidos em famílias cristãs.
Ele acrescentou que uma das maiores 'vantagens' deste recrutamento, que acaba beneficiando o Estado Islâmico, é que estes jovens reconhecem os líderes do EI como pessoas que "entendem a juventude muito melhor do que os governos que estão lutando contra a organização terrorista".
As mídias sociais também estão sendo fortemente usadas para alcançar novos militantes, com idade entre 15 e 24 anos.
"O Estado islâmico representa a ponta de lança do movimento revolucionário contra-cultural mais dinâmico desde a Segunda Guerra Mundial com o maior força de combate voluntário desde então", Atran sustentou.
Considerando que o EI tem milhares de jihadistas estrangeiros de nações ocidentais, Atran disse que o planejamento de ações do grupo terrorista 'é usar os recrutas ocidentais para atacar alvos mais vulneráveis, como cafés, teatros e estádios no Ocidente, assim como o grupo fez no início de novembro, quando matou cerca de 130 pessoas nos ataques em Paris'.
"Não há nenhuma mudança no jogo do Estado Islâmico", disse ele. "Este tem sido o plano e continuará sendo assim".

Com ataque à Globo, Domingo Espetacular debate a arte com apologia à pedofilia

Programa Domingo Espetacular, na Record TV O debate sobre as exposições de arte com apologia à pedofilia e outros temas no Brasil marc...