quinta-feira, 24 de julho de 2014

ATENÇÃO CRISTÃOS - O agente do PT para enganar os evangélicos

Teólogo presbiteriano da Teologia da Missão Integral ocupa importante função estratégica, com salário elevado, na Secretaria-Geral da Presidência da República


Nota: Esta é uma versão reduzida do artigo “A sombra ‘evangélica’ da sombra ‘católica’ na Presidência da República: Alexandre Brasil e Gilberto Carvalho,” que denuncia o evangélico estratégico de Gilberto de Carvalho, que, segundo o Dep. Aroldo de Oliveira, é comunista de carteirinha, o segundo homem mais forte do PT e responsável por um projeto perigoso que visa transformar o Brasil numa Venezuela ou União Soviética. Vários aliados da sombra evangélica, inclusive Ariovaldo Ramos, assinaram manifesto público de apoio a esse projeto comunista. Todos esses evangélicos têm um elo em comum: a promoção da Teologia da Missão Integral. O propósito deste artigo reduzido é facilitar a divulgação e distribuição dessa denúncia ao maior número possível de líderes evangélicos.
O governo do PT tem um “agente” muito bem pago para iludir os evangélicos. Poderia se dizer até que era um agente de certo modo secreto, pois no ano passado quando fiz perguntas sobre ele para a Frente Parlamentar Evangélica, ninguém o conhecia.
Alexandre Brasil
Como é que o PT chegou a essa posição de ter um representante evangélico que sabe alcançar a população evangélica fora do radar e atenção de importantes líderes evangélicos no Congresso Nacional?
Seu nome é Alexandre Brasil Carvalho da Fonseca, também conhecido como Alexandre Brasil Fonseca, ou simplesmente Alexandre Brasil. Ele é um teólogo presbiteriano.
A primeira vez que ouvi esse nome foi no ano passado, de uma fonte que circula livremente no movimento de Teologia da Missão Integral, que é de acordo com Ariovaldo Ramos a versão protestante da Teologia da Libertação. A fonte me informou que a função de Alexandre Brasil na Secretaria-Geral da Presidência da República é se comunicar e viajar pelo Brasil se encontrando com lideranças evangélicas e fortalecendo a “comunhão” entre governo do PT e evangélicos.
Gilberto Carvalho
Para que Alexandre Brasil pudesse se qualificar para tal importante posto no governo, ele teria no mínimo de ter afinidade com a Teologia da Libertação defendida por Gilberto Carvalho, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República do Brasil. Ele conseguiu preencher esses requisitos?
Sim, e isso é comprovado pelo seu histórico.
Ele tem um livro publicado pela Editora Ultimato, que é referência da Teologia da Missão Integral no Brasil.
Em 2010, juntamente com Frei Betto e Leonardo Boff (e uma multidão deslumbrada de idiotas úteis de várias igrejas), Alexandre assinou, como teólogo presbiteriano, o “Manifesto dos Cristãos pela eleição de Dilma.” No documento, os assinantes proclamavam:
Nestes dias, circulam pela internet, pela imprensa e dentro de algumas de nossas igrejas, manifestações de líderes cristãos que, em nome da fé, pedem ao povo que não vote em Dilma Rousseff sob o pretexto de que ela seria favorável ao aborto, ao casamento gay e a outras medidas tidas como contrárias à moral.
A própria candidata negou a veracidade destas afirmações. Apesar disso, estes boatos e mentiras continuam sendo espalhados. Diante destas posturas autoritárias e mentirosas, disfarçadas sob o uso da boa moral e da fé… Não aceitamos que se use da fé para condenar alguma candidatura. Por isso… em nome do nosso compromisso com o povo brasileiro, declaramos publicamente o nosso voto em Dilma Rousseff.
Quatro anos de inúmeras evidências depois, quem mentiu? Os que disseram que Dilma não apoia o aborto ou os que disseram o contrário?
Juntamente com o esquerdista Paul Freston, que já foi membro de carteirinha do PT, Alexandre Brasil tem sido citado como referência, com sua credencial de sociólogo, sobre o perfil evangélico brasileiro, embora ambos estejam distantes da predominante espiritualidade pentecostal, neopentecostal e conservadora do Brasil.
Paul e Alexandre já foram citados elogiosamente pela BBC, uma mídia secular esquerdista, e também pela revista Christianity Today, numa matéria que estranhamente chamou Ariovaldo Ramos de “conservador moderado” — o mesmo Ariovaldo que disse que Hugo Chavez deixou o mundo melhor.
Foi uma escolha muito infeliz da Christianity Today, mas sua tendência para com a esquerda vem se manifestando. Recentemente, a versão brasileira dessa revista americana retuitou uma matéria do Christian Post em favor de uma escritora evangélica americana que apoia o chamado “casamento” gay. A denúncia está aqui: “Por que o Christian Post adota o esquerdismo no Brasil?
A denúncia também mostra como a escritora esquerdista americana foi escolhida como uma das principais palestrantes na famosa Faculdade Calvino (Calvin College) nos EUA. Essa faculdade, conforme informação de sua página, teve também Alexandre Brasil como líder de um de seus seminários. Tudo a ver, pois Alexandre também é presbiteriano.
Essas ligações progressistas me fazem lembrar a declaração do próprio Alexandre em seu Twitter: “‘Tamo junto e misturado!’ #tudoquenaopresta.” Não conheço verdade mais realista do que essa.
O que é de doer é: Como os modernos filhos de Calvino — que é considerado o pai do capitalismo — conseguem ser diabolicamente anticapitalistas e pró-marxismo?

Podridão evangélica esquerdista: para alegria de uns e tristeza de outros

As ligações esquerdistas de Alexandre são extensas.
Gustavo Abadie, que era pastor tradicional, se converteu ao catolicismo depois de só ver pastores e igrejas protestantes tradicionais se entregando ao esquerdismo. Ele escreveu o artigo “A árvore podre da Missão Integral,” que aponta as principais figuras da Teologia da Missão Integral, mencionando inclusive Alexandre Brasil.
No artigo, o ex-pastor Gustavo revela declaração do bispo assassinado Robinson Cavalcanti confirmando que a “Teologia da Missão Integral é a versão evangélica da Teologia da Libertação.”
Cavalcanti, que foi o fundador do Movimento Evangélico Progressista (o maior movimento evangélico esquerdista da história do Brasil), era louvado por Alexandre Brasil.

O PT só escuta seus ventríloquos evangélicos

Como integrante da Secretaria-Geral da Presidência da República, quando houve as grandes manifestações populares no Brasil no ano passado e Dilma Rousseff queria “escutar” o povo, Alexandre não teve dúvida: trouxe até o Planalto o desconhecido grupo evangélico progressista “Rede Fale” para representar a voz dos evangélicos, como se todos os evangélicos do Brasil fossem esquerdistas. A Rede Fale tem uma afinidade especial com a Teologia da Missão Integral e seu “apóstolo” Ariovaldo Ramos.

Pastores na mira

Em 8 de março de 2014, Alexandre esteve reunido com pastores de Aracaju para promover uma iniciativa manobrada por ele e seu patrão: o Movimento Paz & Proteção. Esse movimento visa unificar as igrejas em torno de uma suposta proteção aos direitos das crianças e adolescentes. A liderança desse movimento, que é estrategicamente manobrada por Gilberto Carvalho e por sua sombra evangélica, está com o UNICEF, CONIC, Koinonia Presença Ecumênica e Serviços, RENAFRO e Visão Mundial, conforme documentação que os pastores de Aracaju me enviaram. A maioria desses grupos assinou manifesto de apoio a um decreto de Dilma Rousseff comandado por Carvalho — um decreto que, sorrateiramente, visa implantar uma ditadura comunista no Brasil.
Como não poderia deixar de ser, a CNBB está representada nessa parceria através de sua Pastoral da Criança. O CONIC, que abrange a CNBB, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e a Igreja Presbiteriana Unida, sempre opta pelo esquerdismo. O CONIC apoiava o PLC 122 e se opunha a Marco Feliciano.

Missão Integral e o núcleo fechado do PT

Mas quem é Alexandre Brasil, o homem que se tornou o principal instrumento do ministro Gilberto Carvalho em suas comunicações com os evangélicos?
De acordo com entrevista dele ao programa progressista Papo na Rede postado em 27 setembro de 2013, ele foi um dos pioneiros da Rede Fale, cuja atuação tem sido marcadamente política e esquerdista.
Aos 7:15 da entrevista, Alexandre revela que, na sua função ligada à Secretaria-Geral da Presidência da República, ele tem comunicação regular com a Visão Mundial, que está hoje sob a presidência de Ariovaldo Ramos, um “apóstolo” da TMI e apoiador de Lula na sua eleição e reeleição.
Aos 10:30, o entrevistador diz que Gilberto Carvalho é “um dos homens mais influentes do núcleo mais fechado da Presidência da República.”
Aos 37:35, Alexandre ressalta que sua experiência e caminhada foram na Rede Fale, Visão Mundial e Teologia da Missão Integral e movimento ecumênico.
A caminhada de Gilberto e Alexandre é muito semelhante. Gilberto, na Teologia da Libertação. Alexandre, na Teologia da Missão Integral. Essas ligações progressistas me fazem lembrar a declaração do próprio Alexandre em seu Twitter: “‘Tamo junto e misturado!’ #tudoquenaopresta.”

Neopentecostalismo: o inimigo comum dos cristãos esquerdistas

A afinidade de Alexandre Brasil com Gilberto Carvalho é então imensa. Se em 2012 Carvalho disse que os televangelistas neopentecostais são uma ameaça para a hegemonia do PT (por causa de suas posturas radicais contra o aborto e homossexualismo), a única resposta de Alexandre seria concordar. Afinal, ele tem um documento basicamente chamando o movimento neopentecostal de Nova Era Evangélica.
Essa posição de ataque ao neopentecostalismo em nada difere da posição de outros líderes protestantes da Teologia da Missão Integral. Ariovaldo Ramos e Ricardo Bitun, que são expoentes proeminentes dessa ideologia esquerdista, têm um livro intitulado “Uma Visão sobre a Igreja, hoje, no Brasil,” que ataca o neopentecostalismo. Essesataques mais parecem cortinas de fumaça para acobertar o trabalho sujo da promoção da Teologia da Missão Integral.
Claro que nem todo neopentecostal merece ser isento de críticas. A Igreja Universal do Reino de Deus, cujo fundador defende descaradamente o aborto, é um exemplo. Mas nem a sombra católica nem a sombra evangélica ousariam criticar o poderoso chefão da IURD, que é um importante aliado do governo do PT. Só as igrejas neopentecostais contrárias ao aborto e ao homossexualismo é que merecem fogo cerrado das hostes esquerdistas.
O que torna o neopentecostalismo uma ameaça aos cristãos de esquerda, tanto católicos quanto evangélicos? O filósofo Luiz Felipe Pondé responde. Ele lembra que já na década de 1960 Nelson Rodrigues combatia os “padres de passeata” que teriam introduzido o materialismo mais vil na teologia, tentando transformar a Igreja Católica em um aparelho da esquerda.
Em seu livro “Contra um Mundo Melhor” (Editora Leya), Pondé escreveu: “A igreja católica de esquerda fez a opção pelos pobres, mas os pobres fizeram a opção pelo neopentecostalismo.”
A Teologia da Missão Integral, predominante durante décadas em igrejas protestantes tradicionais, também fez a opção pelos pobres, mas seu público-alvo fez a opção neopentecostal pelo sucesso material. Ao invés de se juntar à esquerda messiânica e lutar por “outro mundo possível,” os pobres preferem a busca individual da prosperidade. Certos ou errados em sua busca da prosperidade, o fato é que os neopentecostais arruinaram os planos dos eruditos, teólogos e filósofos evangélicos e católicos que defendem eloquentemente a Teologia da Missão Integral e a Teologia da Libertação. Essa é a principal razão do ódio mal disfarçado que os teólogos de ambas as ideologias têm do neopentecostalismo.

As sombras em importante reunião evangélica

E como tem sido a atuação de Alexandre Brasil como “ponte” entre governo do PT e evangélicos progressistas? Graças a ele, Carvalho participou de importante reunião promovida pela Aliança Evangélica (AE) em 28 de fevereiro de 2013 na Igreja Presbiteriana de Brasília, DF. Recebido por cerca de 70 líderes evangélicos, Carvalho ouviu de Ariovaldo Ramos, representante da AE, o compromisso de apoio. “Vamos apoiar as ações do Governo que favorecem o pequeno, o pobre… Queremos ser um instrumento de parceria”, disse Ariovaldo, que também declarou que irá fazer “cobranças” quando o governo se desviar do direcionamento socialista em suas políticas.
Ladeado por Ariovaldo e por sua sombra evangélica (o progressista mais gordo à esquerda, na foto), Carvalho agradeceu as palavras de Ariovaldo e confirmou o desejo do governo do PT de caminhar em diálogo e parceria com a AE. “Ai das igrejas que perdem o caráter de profecia. Ai do governo que se fecha”, afirmou ele, em palavras que em muito recordaram Robinson Cavalcanti, que igualmente atrelava o caráter profético das igrejas ao ativismo socialista.
Mas tanto Gilberto quanto Alexandre, com suas respectivas teologias católica e evangélica esquerdistas, poderiam garantir que fazem tudo por amor aos pobres. No entanto, quanto custa trabalhar “pelos pobres”?

Quanto se ganha para “optar pelos pobres”?

O site Portal da Transparência, que é ligado ao governo federal, informa publicamente que Gilberto Carvalho recebe um salário mensal de 26.723,13, possivelmente sem contar as ajudas de custo para aluguel e outras despesas.
Quanto ao Alexandre Brasil, seu salário não fica muito atrás do salário de seu patrão. De acordo com informação pública disponível no site Portal da Transparência, ele recebe um salário mensal de 15.957,60, possivelmente também sem contar as ajudas de custo para aluguel e outras despesas…
Fonte: www.juliosevero.com  VIA  GRITOS  DE  ALERTA

Boko Haram abre fogo contra vila cristã da Nigéria


Boko Haram abre fogo contra vila cristã da Nigéria
No 14º país mais opressor ao cristianismo, desde 2013, os níveis de violência contra os cristãos permaneceram extremamente elevados, com centenas de casos de agressão física, a destruição de cerca de 300 igrejas e a morte de 612 cristãos.
Na última semana, homens armados, suspeitos de serem membros do grupo radical Boko Haram, invadiram a vila cristã denominada Dille, em Askira-Uba, no sul do estado de Borno, na Nigéria. O incidente ocorreu em torno das 6h da segunda-feira (14), quando os rebeldes abriram fogo contra os moradores. 
Eles incendiaram três igrejas assim como lojas e casas. Moradores desabrigados disseram que os homens estavam fortemente armados com armas antiaéreas e lançadores de foguetes e vieram da área da floresta Sambisa (onde acredita-se que o Boko Haram mantém algumas das mais de 200 meninas sequestradas em abril). Fontes da Portas Abertas no norte da Nigéria relataram que pelo menos 27 pessoas morreram nesse último ataque. Muitas pessoas fugiram para as cidades de Lassa e Chibok.

Deus usa cristão ex-muçulmano para operar milagres em prisão na África


Deus usa cristão ex-muçulmano para operar milagres em prisão na África
El Gasim esfregou os olhos e olhou de novo. Seria aquilo uma cruz em sua cela? Movendo-se para uma nova posição para orar, ele olhou de volta para o lugar onde a cruz tinha aparecido. Ela ainda estava lá. Durante os sete dias seguintes, El Gasim, um muçulmano africano, fez suas orações cinco vezes ao dia e, todas as vezes, independentemente de onde se ajoelhava, ele ainda via a cruz. El Gasim sabia que estava sendo chamado para entregar sua vida a Cristo.
Quando El Gasim declarou sua fé em Cristo, recebeu 25 chicotadas. Ao confessar Cristo como seu Salvador, ele enfureceu as autoridades, que bateram nele, o algemaram com correntes que pesavam mais de cinquenta quilos, e o condenaram à forca.
Um detento, que era também pastor, explicou que viver para Cristo não seria sem sofrimento. Ele então contou a El Gasim a história de Paulo e Silas na prisão. Eles foram espancados e acorrentados por causa de Cristo, mas, mesmo assim, continuaram a orar e louvar ao Senhor, até que suas correntes caíram e as portas da prisão se abriram. O pastor explicou que o poder de Deus ainda estava operando milagres. Ele e El Gasim começaram a orar em conjunto, buscando sinceramente a vontade de Deus.
Quando o pastor se retirou para sua cela, El Gasim continuou a orar. Encorajado pela história, El Gasim permaneceu clamando até que a corrente que estava em sua perna se rompeu. Ao ouvir a corrente caindo no chão, os demais detentos olharam com espanto quando El Gasim deu um segundo passo e a corrente de sua outra perna também caiu. Não mais acorrentado, El Gasim caminhou livremente até o guarda e lhe disse: "Suas correntes estão em minha cela, vá até lá e as recolha".
Tremendo e confuso, o guarda relatou o caso a seus superiores. Por causa das muitas testemunhas, o incidente não podia ser ignorado. Os funcionários da prisão tiveram de deixar El Gasim sair livremente, sabendo que se ele ficasse, certamente converteria os outros prisioneiros e, mesmo se fosse transferido para outra prisão, os milagres de Deus não seriam interrompidos.

Ex-muçulmano encontra a Paz em Cristo na África


Ex-muçulmano encontra a Paz em Cristo na África
Viajando de volta para casa depois de um treinamento da Portas Abertas no leste da África, estudantes cristãos viram um jovem muçulmano amarrar uma corda ao redor de uma árvore. Eles pararam e perguntaram o que ele estava fazendo.
"Eu quero me matar", ele respondeu. "Eu faço minhas orações cinco vezes por dia e leio o Alcorão. Eu tenho dinheiro, minha mulher e filhos, mas não tenho paz. Eu quero paz. Este é o meu grande desejo."
Aplicando o que tinham aprendido no seminário, os alunos testemunharam àquele homem chamado Keder, dizendo-lhe que, apesar de o Alcorão ensinar que Jesus é um profeta, ele também é o Príncipe da Paz e Salvador de todo aquele que aceitá-lo como Senhor. Keder decidiu ir com os alunos à igreja. Lá, eles oraram juntos. Depois, o jovem disse aos estudantes: "Eu encontrei a paz que estava procurando".
No dia seguinte, Keder apareceu no seminário onde ele foi convidado a compartilhar o seu testemunho. "Até agora, o Islã era a única religião verdadeira para mim, porque era simples. Estudei o Alcorão durante cinco anos, e eu fiz meus rituais diários, mas nada disso me deu paz, então eu decidi me matar. Isso aconteceu ontem. Mas eu conheci os cristãos e tudo mudou. Os muçulmanos estão sofrendo sem o conhecimento das Escrituras, portanto, vou orar por eles".
Keder, agora, estuda a Bíblia secretamente e frequenta a igreja. Ele é o primeiro muçulmano em sua região a aceitar a Cristo. A paz de Jesus fez Keder não sentir mais medo e deu a ele a vontade de testemunhar aos seus irmãos muçulmanos. E, para isso, ele está preparado, inclusive, para morrer por sua nova fé.
Pedido de oração
Muitos ex-muçulmanos, que agora são seguidores de Jesus, têm compartilhado que a paz de Deus os atraiu para a salvação. Ore para que essa paz perfeita brilhe na vida dos cristãos em todo o mundo, atraindo outros para a verdade do evangelho.

VIA  GRITOS  DE  ALERTA / CPAD

Muçulmano se converte ao cristianismo lendo o Alcorão em Bangladesh


Muçulmano se converte ao cristianismo lendo o Alcorão em Bangladesh
A ideia do domínio próprio é demonstrada pelos muçulmanos no 27º dia do Ramadã, seu dia sagrado, quando os muçulmanos celebram a noite em que eles acreditam que Alá revelou, pela primeira vez, as palavras do Alcorão a Maomé. Nesta, que é chamada a "Noite do Poder", muçulmanos devotos honram Alá durante toda a noite, seja em suas casas ou com outros muçulmanos em uma mesquita. 
Manifestado pelo próprio Jesus e ensinado em toda a Bíblia, o domínio próprio, ou a negação de si mesmo para glorificar a Deus, é um fruto do espírito, demonstrado por aqueles que deixam tudo para seguir a Cristo, assim como ele negou tudo para morrer na cruz pelos pecados da humanidade.
Uma vez muçulmano devoto e, mais tarde, o primeiro cristão de sua família, o pai de Roton procurou o Alcorão para ler histórias sobre Jesus. Quando ficou cego, pediu ao jovem Roton que lesse para ele. "No começo, eu estava apenas lendo para o meu pai. Mas, depois de alguns dias, eu percebi que estava cada vez mais curioso para descobrir a verdade sozinho. Por causa das histórias escritas no Alcorão, passei a crer em Jesus e me tornei cristão", testemunhou Roton, que depois procuraria saber mais sobre Jesus na Bíblia. O curioso é que a história de Jesus é distorcida no Alcorão, mas, mesmo assim, despertou a curiosidade do rapaz.
Novo convertido, ele queria saber cada vez mais sobre sua nova fé. Por isso, mesmo tarde da noite, depois de sete horas de viagem, todo sujo de lama e com fome, Roton finalmente chegou aos arredores de Dhaka, onde ocorria um acampamento isolado destinado a formar jovens ex-muçulmanos, apoiado pela Portas Abertas. Ele estava exausto, mas disse ao grupo: "Estou tão feliz por estar aqui. Agora vejo que não estou sozinho!"
Pedido de oração
Ore para que muçulmanos de todo o mundo encontrem a luz do Evangelho e possam adorar ao Senhor em espírito e em verdade.

CPAD

Antes de morrer, Ariano Suassuna falou sobre sua relação com Deus


“Converso muito com Deus, todos os dias. E entra muito assunto, muitos pedidos", disse o escritor católico Ariano Suassuna.

O escritor paraibano Ariano Suassuna faleceu na última quarta-feira, 23 de junho, aos 87 anos, vítima de um acidente vascular cerebral. “Imortal”, como são chamados os membros da Academia Brasileira de Letras, Suassuna deixa uma vasta contribuição com a literatura brasileira.

Antes de morrer, o escritor concedeu uma entrevista ao jornal Correio Braziliense e falou sobre seus diálogos com Deus: “Vergonhosamente, acho que tem mais pedido que agradecimento”, disse à época.

Segundo o escritor, seu caráter foi forjado ao longo do tempo por influência direta do Pai: “Essa personalidade que Deus me deu que me faz interessar muito pelo ser humano”, comentou.

“Converso muito com Deus, todos os dias. E entra muito assunto, muitos pedidos [...] Quando acho que estou incomodando muito, recorro a medianeira de todas as graças, que me acompanha a todo momento e para todo o lugar que vou, levo”, afirmou o católico Suassuna, fazendo referência à virgem Maria.

Demonstrando o caráter de quem se deixa inspirar pelo amor ao próximo descrito na Bíblia, o escritor revelou que para ele, não há porque partir do princípio do ódio se não existe motivo: “O meu primeiro impulso, quando não conheço a pessoa, é gostar da pessoa”, afirmou.

Na conclusão da conversa com a jornalista Vanessa Aquino, Suassuna comentou as perdas de familiares que sofreu ao longo das décadas, mas ressaltou que a riqueza das relações humanas dá sentido e valor inestimável à vida: “Acho a vida um espetáculo maravilhoso, tem momentos muito duros, mas a convivência com o ser humano é muito enriquecedora, muito boa. E, depois, qualquer que seja a dimensão dele, [ainda tenho] o talento que Deus me deu para transformar as coisas em história, seja no teatro ou na literatura”, comemorou.

A morte de Ariano Suassuna acontece logo após a partida de outros dois célebres autores brasileiros: João Ubaldo Ribeiro, falecido no Rio de Janeiro no último dia 18 de julho; e Rubem Alves, ex-pastor presbiteriano, que morreu no dia seguinte, em Campinas (SP).

Fonte: Gospel +

Kaká fala sobre sua relação com Deus fora da igreja e nega decepção com evangélicos


Na conversa com a jornalista Sonia Racy, do jornal O Estado de S. Paulo, Kaká afirmou que atualmente sua relação com a religião é “muito ligada a Jesus só”.

O jogador Kaká concedeu uma entrevista e comentou sua forma de olhar para a questão religiosa. Ex-membro da Igreja Renascer, o meia-atacante diz que se inspira em Jesus e que lê a Bíblia com frequência como forma de entender a proposta do Evangelho.

Na conversa com a jornalista Sonia Racy, do jornal O Estado de S. Paulo, Kaká afirmou que atualmente sua relação com a religião é “muito ligada a Jesus só”, por entender que é a melhor maneira de praticar a fé: “Sou um cara que ama a Bíblia, tenho Jesus como meu exemplo. Então, faço as minhas orações. Tenho a Bíblia no meu telefone e estou lendo muito os Evangelhos ultimamente, para entender um pouco mais de Jesus e das coisas que ele fazia, como fazia e por que fazia”.

Questionado se ficou decepcionado com os evangélicos, Kaká negou: “Não, fiquei muito tempo na Renascer, frequentei a igreja, mas chegou um momento em que achei que era hora de me desligar da instituição. A gente tem uma ótima relação com eles”, disse, em tom bastante diplomático, e fazendo referência aos dirigentes da denominação, apóstolo Estevam Hernandes e bispa Sonia Hernandes.

Sobre bebidas alcoólicas, Kaká disse que se abstém por questões pessoais e profissionais: “Não gosto. Até falei com as nutricionistas para saber se alguma delas via benefício na bebida. Eu não gosto, mas, se me dissessem que tomar uma cerveja faz bem, por exemplo, até tomaria. O engraçado é que morei em dois países onde o vinho é parte da cultura. Com a Carol, até fiz um curso, que foi muito legal”, revelou.

A jornalista, curiosa em compreender como alguém que não bebe se saiu num curso sobre vinhos, perguntou como foi a experiência. Bem humorado, Kaká respondeu: “Mas eu bebia [no curso]. Se abrir uma garrafa, eu tomo, mas não é algo que faça por prazer. No curso, a professora perguntava: ‘Por que vocês estão aqui?’. A maioria respondia: ‘Ah, eu gosto de vinho’ ou ‘eu tenho uma adega’. Já eu falei: ‘Queria descobrir por que não gosto de vinho’. Todo mundo começou a rir”, disse ele.

Confira abaixo a entrevista na íntegra:

Pelé declarou que sentiu falta de nomes como o seu e o do Robinho, por serem mais experientes, na seleção. Como é ser lembrado por Pelé?

Muito legal. Mas devo dizer também que muita gente achava que eu não devia ser convocado. Fiz o que pude para ser: troquei o Real Madrid pelo Milan, ganhando menos, porque achava que poderia voltar a jogar bem e ser convocado. O que não dependia de mim ficou para a escolha do treinador.

O treinador errou? Faltou gente com experiência?

Na hora que perde, todo mundo começa a procurar motivo. Acho que é uma boa receita misturar juventude e experiência. Nos clubes pelos quais passei e em momentos que tive grande sucesso, houve essa mistura. Mas não significa que tinha de ser eu a estar lá.

Como você se compara com o Kaká de dez anos atrás?

Muito mais maduro e mais paciente. As coisas acontecem muito rápido no futebol. Em uma semana, você é o melhor; na outra, é o pior. Vai do céu ao inferno. Faço o que tenho de fazer.

O que acha que aconteceu com a seleção?

É muito difícil especificar. Todo mundo tem falado que é inexplicável, e eu concordo. Tomar sete gols em uma semifinal de Copa? Tanto que são números que entraram para a história.

Apagão coletivo?

Claro que é coletivo, são 11 em campo. Você pode falar que foi erro de posicionamento, a parte emocional, um jogador que errou uma bola, que cometeu um erro técnico. Está claro que foi por um conjunto de fatores.

Você não culpa o Felipão?

Não. É claro que, em um erro coletivo desse tipo, o técnico, como líder, tem de vir a público dizer que a culpa foi dele. Mas não gosto muito disso, de você falar que o cara foi o culpado. Não dá. Não gosto disso nem no individual também.

Qual o segredo do sucesso da Alemanha? Disciplina?

A parte tática do time é muito boa, de organização em campo. Quando estou há muito tempo jogando com os mesmos atletas, as coisas ficam automáticas. Em campo, é tudo intuitivo, e essa intuição vem da memória muscular, de treino. Se eu treino muito a mesma situação, sei o que fazer na hora em que aquela oportunidade aparece no jogo.

De que outras seleções você gostou na Copa?

A Argentina foi um exemplo disso também. Assisti à semifinal, contra a Holanda, e também à final. O time estava muito bem organizado. Além de Argentina e Alemanha, gostei da Costa Rica, da Colômbia e do México. São times sem um craque. A própria Alemanha. Não tem um Messi, um Cristiano Ronaldo, um Neymar. É tudo no coletivo.

É a favor de que os times se tornem empresas?

Sou a favor de uma melhor gestão dos clubes. Porque dá uma transparência maior.

Por que o Brasil ainda não conseguiu chegar a esse estágio?

Por causa do forte sistema do futebol brasileiro, muito enraizado em alguns paradigmas antigos. Nosso futebol precisa melhorar muito em todos os aspectos. E um desses aspectos é o da gestão dos clubes. Precisamos ser mais profissionais.

O que você mudaria na CBF?

Ela poderia ser uma instituição mais ligada à seleção. Lá fora, há as ligas, que comandam o campeonato e os clubes. Já a federação é responsável pela seleção e pertence ao governo.

Acha, então, que o governo deveria ter mais participação?

Não.

Na Alemanha, o técnico Joachim Löw fracassou, foi mantido e, agora, conquistou o título. Falta planejamento no Brasil?

É preciso planejamento para curto, médio e longo prazos. A gente vive num mundo imediatista – não só no futebol, tudo hoje tem de ser imediato, tem de ser agora. Em todos os aspectos, inclusive político.

O que acha do acompanhamento psicológico dos jogadores?

Importantíssimo.

Mas eles aceitam bem?

Hoje há menos resistência, porque existem bons psicólogos do esporte. Eu separo minha vida no futebol em cinco áreas: psicológica, técnica, física, tática e espiritual. Se estou desequilibrado em alguma delas, procuro alguém que me ajude. E a área psicológica é fundamental. Se você entra em campo com um problema em casa, de família, seu rendimento é completamente diferente.

Faltou esse trabalho na seleção brasileira?

Não sei, até porque havia uma psicóloga lá, a Regina Brandão. Se você não convive no dia a dia, é muito difícil falar o que faltou e o que não faltou.

Como você convive com a irracionalidade da torcida?

Existe algo cultural na torcida de cada país. Por exemplo: no Milan, eles têm um grande respeito pelo que o jogador fez na história do clube. Mesmo que eu erre algumas vezes em campo, aplaudem da mesma forma. Então, ex-jogadores que têm uma história e que aparecem no estádio são aplaudidos de pé. Já no Real Madrid há uma pressão e uma cobrança muito grandes por resultado.

Você esperava a total falta de noção e educação da torcida que xingou a presidente Dilma?

Aí entram vários fatores: a política, os problemas pré-Copa, as promessas feitas e não cumpridas, os estádios. Claro que não sou a favor de um xingamento público, como o que foi feito. O grande momento para criticar ou elogiar um presidente é na hora da eleição.

Você foi eleito melhor jogador do mundo em 2007, pela Fifa, e já ganhou muito dinheiro. Qual o seu desafio?

Luto todo dia contra mim mesmo. Esse é o meu desafio agora. Até porque ganhei tudo que podia ganhar na vida como jogador – no coletivo e no individual. É muito bom, mas pode se tornar algo negativo, pois a tendência é a acomodação.

Quer jogar melhor do que você mesmo?

Exatamente. Para isso, chego uma hora antes do treino normal e faço um trabalho físico específico, para ganhar força, agilidade, manter a resistência. Esse trabalho me dá muitos resultados, me ajuda muito em campo, mas também é uma luta pois eu não precisava fazer isto.

Você se impõe uma meta?

Sempre. Por exemplo, vim para o São Paulo e quero dar certo nesses seis meses. Quero ser campeão brasileiro.

Há a possibilidade de você ficar mais do que esses seis meses? Ou seja, “atrasar” um pouco sua ida para o Orlando City?

O acordo com o São Paulo é de seis meses. Depois, não sei.

Por que o Orlando City?

O time foi comprado por um brasileiro, Flávio da Silva, que era dono da Wise Up aqui no Brasil. Ele vendeu a empresa, fez um estudo sobre o futebol nos EUA e decidiu investir lá. A ideia é que eu seja um embaixador da Liga Americana. Vou jogar em um time em seu primeiro ano na liga.

Como filho de engenheiro, você deve ter um planejamento. Quanto tempo ainda pretende jogar e o que quer fazer depois, quando abandonar os gramados?

Passo seis meses no São Paulo e mais três anos no Orlando. Ou seja, no fim, estarei com 36 anos. Aí depende da minha condição física, de como vou aguentar a temporada, se vou ter lesões. Já no pós-carreira, gostaria de ficar no futebol.

Pensa em ser comentarista?

Não. Mas a gente muda muito, né? Hoje, não gostaria de ser treinador, não gostaria de ser comentarista. Queria ser diretor técnico, alguém que ficasse entre a parte administrativa e a parte de campo.

E criar escolas de futebol? Acha que o esporte é incentivado adequadamente no Brasil?

É muito incentivado, mas nossa formação ainda deixa muito a desejar. Claro que existem escolas muito boas, como a do São Paulo, que forma excelentes jogadores. Minha preocupação na formação não é tanto com relação ao atleta, mas à pessoa. Porque só 10% dos meninos da base vão se tornar jogadores. E o que se faz com os outros 90%? Muitos param de estudar para viver o sonho de jogar futebol, acabam perdendo a infância e a adolescência, mas terão de servir à sociedade de alguma maneira. Como farão isso se não se formaram?

Lá fora é diferente?

Não, é parecido. Mas a formação dos meninos é diferente, eles não vêm de uma classe tão baixa, como no Brasil. A grande maioria é de classe média. Por isso que, aqui, o futebol é visto como esperança por muitos.

Como está, hoje, sua relação com a religião?

Muito ligada a Jesus só. Sou um cara que ama a Bíblia, tenho Jesus como meu exemplo. Então, faço as minhas orações. Tenho a Bíblia no meu telefone e estou lendo muito os Evangelhos ultimamente, para entender um pouco mais de Jesus e das coisas que ele fazia, como fazia e por que fazia.

Ficou decepcionado com os evangélicos?

Não, fiquei muito tempo na Renascer, frequentei a igreja, mas chegou um momento em que achei que era hora de me desligar da instituição. A gente tem uma ótima relação com eles.

Tem algum hobby?

Vou ao cinema, ao teatro, mas gosto mesmo é de ler. Um pouco menos de ficção, um pouco mais sobre personagens, biografias.

É um bom prato?

Gosto muito de comer, mas, até por causa do futebol, aprendi um pouco mais sobre educação alimentar. Passo o dia inteiro comendo frutas e verduras. E sempre que tenho alguma dúvida recorro à nutricionista do clube, a Cristina, e à minha prima, a Lorena, que também é nutricionista. Por causa dessas modinhas de dieta, sabe? Com glúten, sem glúten, com sal, sem sal, lactose, faz bem, faz mal?

Bebe?

Não. Não gosto. Até falei com as nutricionistas para saber se alguma delas via benefício na bebida. Eu não gosto, mas, se me dissessem que tomar uma cerveja faz bem, por exemplo, até tomaria. O engraçado é que morei em dois países onde o vinho é parte da cultura. Com a Carol, até fiz um curso, que foi muito legal.

Sem beber?

Mas eu bebia. Se abrir uma garrafa, eu tomo, mas não é algo que faça por prazer. No curso, a professora perguntava: “Por que vocês estão aqui?”. A maioria respondia: “Ah, eu gosto de vinho” ou “eu tenho uma adega”. Já eu falei: “Queria descobrir por que não gosto de vinho”. Todo mundo começou a rir

Fonte: Gospel + e Estadão

PAPA ENCONTRA CRISTÃ SUDANESA CONDENADA PELO ISLÃ


Papa Francisco cumprimenta a sudanesa Meriam Ishag e sua filha, Maya, durante uma audiência privada no Vaticano, nesta quinta-feira (24). Meriam foi condenada à morte por ser cristã e ter casado com um cristão, e assim negado o islã. O Papa agradeceu a jovem sudanesa pelo "testemunho de sua fé" e por manter a "convicção" na sua crença Obsservatore Romano/AFP

“Canto com Thalles” abre inscrições para segunda turma

 
Abrir uma escola de música sempre foi um desejo de Thalles Roberto. Para viabilizar este grande sonho, que parecia impossível de ser realizado, o músico decidiu usar a tecnologia e lançou o projeto “Canto com Thalles”, uma espécie de curso online.
 
“Todo o método e as aulas são gravadas exclusivamente por mim, e ainda conta com algumas participações especiais de pessoas que são responsáveis por cuidar da minha voz e que participam de algumas composições minhas”, explica o cantor.
 
As inscrições para a segunda turma do projeto já estão disponíveis. No site oficial do "Canto com Thalles", é possível encontrar também depoimentos de alunos, dicas e uma série com três aulas grátis.
 
“Os resultados da primeira turma foram incríveis, decidimos abrir uma nova turma e para comemorar preparei uma série de três vídeos. Vou te mostrar qual é meu segredo para cantar com pressão e quais são os cinco principais vilões de um cantor”, convida Thalles Roberto.
 
Falando nisso...
 
Nesta quinta-feira (24/07), você confere mais informações sobre o projeto e sobre tudo o que envolve a música cristã, no programa Clip Gospel, da Rede Gospel de Televisão. A atração começa às 16 horas.
 
 
Redação iGospel

VIA  GRITOS  DE  ALERTA

Canções do Renascer Praise estão em promoção, no iTunes Store

A Universal Music Christian anunciou nesta quinta-feira (24/07) que até o próximo dia 5 de agosto, 10 canções do Renascer Praise estarão disponíveis no iTunes Store, com preços promocionais.
 
 Uma delas é Canto de Sião, música título do 18º projeto do grupo, que foi gravado em Israel, em 2013. Confira o videoclipe:
 
 
Para mais informações, acesse: www.facebook.com/umusicchristian
 
Sobre o Renascer Praise
 
Criado em 1984, pela Bispa Sonia Hernandes, o grupo conta com cantores, instrumentistas, orquestra e coral de apoio. O Renascer Praise possui 18 trabalhos gravados e já se apresentou nas principais casas de eventos e estádios do país, como Credicard Hall, Olympia, Teatro Elis Regina, Ginásio dp Ibirapuera e Estádio do Pacaembu, além da sede internacional da Renascer em Cristo. O grupo já esteve nos Estados Unidos, Israel e em alguns países da Europa e do continente africano.
 
O Renascer Praise influenciou a música evangélica tradicional brasileira ao agregar diversos ritmos musicais, desde o rock ao axé, e introduzir ministrações, em cada música. Suas canções são interpretadas em diversas igrejas evangélicas, unindo cristãos que possuem o desejo de louvar a Deus.
 
 
Redação iGospel

Nesta quinta! "Noite de Louvor" com Renascer Praise

O Renascer Praise está a todo o vapor com a divulgação do CD “Canto de Sião”, gravado em outubro do ano passado, em Israel, às margens do Mar da Galileia.
 
O grupo liderado pela Bispa Sonia Hernandes começou 2014 com a agenda lotada. Nesta quinta-feira (24/07), eles realizarão uma “Noite de Louvor” na Renascer Jardins, zona sul da capital paulista (SP). O evento começa às 20 horas.
 
A igreja fica na Av. Brigadeiro Faria Lima, 1912, no prédio do Call Center.
 
Sobre o Renascer Praise
 
Criado em 1984, pela Bispa Sonia Hernandes, o grupo conta com cantores, instrumentistas, orquestra e coral de apoio. O Renascer Praise possui 18 trabalhos gravados e já se apresentou nas principais casas de eventos e estádios do país, como Credicard Hall, Olympia, Teatro Elis Regina, Ginásio dp Ibirapuera e Estádio do Pacaembu, além da sede internacional da Renascer em Cristo. O grupo já esteve nos Estados Unidos, Israel e em alguns países da Europa e do continente africano.
 
O Renascer Praise influenciou a música evangélica tradicional brasileira ao agregar diversos ritmos musicais, desde o rock ao axé, e introduzir ministrações, em cada música. Suas canções são interpretadas em diversas igrejas evangélicas, unindo cristãos que possuem o desejo de louvar a Deus. Confira o videoclipe da música "Canto de Sião":
 
 
Serviço:
“Noite de Louvor” com Renascer Praise
Data: 24 de julho (quinta-feira)
Horário: 20 horas
Local: Renascer Jardins
Endereço: Av. Brigadeiro Faria Lima, 1912 - Jardins (São Paulo/SP)
 
 
Redação iGospel

Noivo com câncer realiza sonho e se casa três dias antes de morrer


O noivo descobriu há quatro anos que tinha câncer no abdômen. Após a primeira cirurgia para tentar conter o avanço do tumor, ele pediu Michele em casamento. No entanto, a doença continuou evoluindo e os planos do casal foram adiados até o dia 30 de junho, quando a união aconteceu com direito a vestido branco, música e muita emoção.
Cerimônia foi acompanhada por parentes e médicos em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)Cerimônia foi acompanhada por parentes e médicos em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
No corredor, a noiva usava um vestido branco curto e foi guiada até o altar improvisado onde o noivo a esperava. Um painel foi fechado no corredor para restringir um pouco mais a cerimônia.  João estava internado no hospital há três semanas quando ficou sabendo pelos médicos que teria só mais alguns dias de vida. Ele resolveu, então, realizar o sonho de se casar com Michele, com quem namorava há cinco anos.
O jovem passou por vários tratamentos e internações desde que descobriu a doença. Na última passagem pelo hospital, em junho, os médicos avisaram que ele precisaria passar por uma nova cirurgia, que João não aceitou. “A equipe médica alertou que ele não teria muito tempo de vida, mas quando conversamos, ele me disse que só tinha um sonho para realizar antes de morrer, que era se casar comigo", conta Michele.
Ele disse que só tinha um sonho para realizar antes de morrer: se casar comigo"
Michele Oliveira, noiva de João Marcos
A tão esperada união teve ajuda da equipe médica. “Ela saiu triste da sala perguntando se seria possível casar dentro do hospital. Sabíamos que não era fácil, nem comum, mas agimos com o coração”, lembra a técnica em enfermagem Kelly Cristina da Silva, de 23 anos. Na sequência, os funcionários fizeram uma "vaquinha", organizaram a festa que ficou pronta em dois dias, com direito a bolo e salgadinhos, além da presença de um pastor.
Cerimônia
Apesar de não ter tido tempo de planejar o casamento como a maioria das noivas sonha, Michele conta que o resultado no hospital foi marcante. “Foi tudo muito delicado, simples e bonito. Ele dizia que estava muito feliz e que eu estava linda”, lembra emocionada a noiva que cantava e segurava as lágrimas durante a celebração. (veja vídeo abaixo)
Por conhecer o hospital e acompanhar a rotina os pacientes, Kelly lembra que o cuidado e amor que a jovem tinha com o noivo surpreendeu os profissionais. “Ela não saía de lá por nada, ficava até mais que a mãe", afirma a enfermeira, que diz não estar acostumada a ver provas de amor como esta. “Quando uma das duas pessoas está doente, o relacionamento costuma não durar. Não é nem porque não existe amor, mas muitos namoros e casamentos terminam porque aquele companheiro não quer que o outro veja seu sofrimento", afirma. 
Michele e João se casaram no hospital em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)Michele e João se casaram no hospital em
Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
Convidada 'por acaso'
Entre médicos, enfermeiras, parentes e amigos próximos do casal, uma das pessoas que acompanhava a cerimônia estava lá por um acaso. Uma funcionária administrativa do hospital passava pelo quarto do noivo, quando descobriu o que estava acontecendo e se tornou fotógrafa oficial da cerimônia.
“Achei que já tinha visto de tudo dentro de um hospital, e de repente, vejo essa história bonita de amor acontecer e se realizar. Lindo demais", afirma a funcionária, que prefere não ser identificada.
A "fotógrafa" até postou em uma rede social sobre o quanto estava emocionada em participar daquele momento por acaso. “É impossível descrever a sensação que eu senti e sinto ainda ao pensar em tudo que passei ali naqueles 40 minutos. Deus sabe o quanto eu me segurei para não cair em lágrimas.”
Anos de namoro e dias de casamento
João morreu três dias depois da cerimônia que comoveu o hospital. Para a noiva Michele, o que fica são as lembranças dos bons momentos de anos de namoro e dos poucos dias de casamento. “Nunca o vi reclamando. Ele era divertido, extrovertido, animado, sempre brincalhão e tinha muita fé em Deus. É isso que eu vou guardar do meu noivo.”
Noivos celebraram apenas três dias de união (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)Noivos celebraram apenas três dias de união
(Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
Durante o tempo em que acompanhou João no tratamento, Michele conta ainda que muitas pessoas diziam que ela mantinha o relacionamento com ele por pena. No entranto, ela faz questão de afirmar que permaneceu com o namorado/noivo por amor e companheirismo.
"Mesmo enfrentando tudo isso, ele conseguia me fazer sentir a mulher mais feliz do mundo", comenta. Apesar do triste fim da história de amor, a noiva faz questão de contar a sua trajetória para inspirar outras pessoas.
“Não podemos desistir nunca. O João falava para ter fé até o último dia e nada de se abater ou desanimar diante de um sonho. Claro que eu queria que ele estivesse aqui e a gente estivesse comemorando a cura dele, mas acho que o casamento foi um conforto em meio à dor”, conclui Michele.
Michele e João se casaram no hospital em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)Cerimônia foi o último desejo do noivo antes de morrer (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
GLOBO.COM