quinta-feira, 6 de março de 2014

Lançada máquina que transforma água em vinho

Kevin Boyer é especialista em vinhos e fundador da vinícola Boyanci, na Califórnia. Philip James é um empresário britânico e fundador do site de vinhos Lot18.
Juntos, eles desenvolveram a “Máquina do Milagre”, que transforma água em vinho. O nome é uma referência a um dos milagres mais conhecidos de Jesus. A analogia religiosa é parte da estratégia de marketing da empresa.
Cada uma custará 500 dólares e estará disponível no mercado até o final deste ano. Assim, prometem eles, todo mundo poderá fazer “como Jesus” e transformar água em vinho, embora em um processo que dura, em média, três dias.
Embora não divulguem exatamente como funciona, o material de divulgação mostra que existe uma pequena câmara de fermentação que utiliza sensores elétricos, transdutores, aquecedores e bombas. O objetivo é proporcionar um ambiente controlado para a fermentação. Existe ainda um transdutor de ultrassom sob a câmara, que pode acelerar a maturação do vinho.
Basicamente, o vinho que são da máquina surge a partir da adição de um sachê de ingredientes, o que proporciona a chance de se escolher o tipo de vinho desejado. Um aplicativo para smartphone possibilita o dono acompanhar o processo todo e fazer alguma correção, se desejar.
Já existem seis sabores pré-determinados, com variações de diversos tipos de uva. Seus criadores alertam que o vinho tem uma vida útil de poucos dias, mas o sabor é muito similar aos produtos tradicionais. E também custa mais barato. Enquanto uma boa garrafa custa cerca de 20 dólares no mercado, o kit oferecido pela empresa sai por dois dólares.  Com informações Daily Mail.   

20 igrejas cristãs foram destruídas na Nigéria

O bispo católico Oliver Dashe Dome comunicou a destruição de 20 igrejas no nordeste da Nigéria. Os ataques aconteceram nas duas últimas semanas e foram realizados por insurgentes islâmicos.
Desde 2009, quando os ataques do Boko Haram se intensificaram, já foram mortos mais de 500 paroquianos, segundo informações do bispo. Nos ataques recentes foram 180 pessoas mortas, incluindo 60 crianças.
O Boko Haram tem ameaçado a minoria cristã que mora no nordeste da Nigéria defendendo a imposição da sharia, versão extrema das leis islâmicas.
Os ataques do grupo fizeram o governo nigeriano decretar estado de emergência em três estados nos últimos nove meses e apesar das tentativas das autoridades, os insurgentes seguem matando cristãos nessas localidades.
Para o bispo Dome o governo é culpado pelo que ele chama de carnificina, pois o Boko Haram é mais bem armado que o exército da Nigéria. O religioso também reclama da falta de preocupação do governo sobre a velocidade dos assassinatos.

PET PETS BRASIL - PRODUTOS PET


Menino de 8 anos que gostava de lavar louça morre espancado pelo pai no Rio

Com apenas 8 anos, o menino Alex foi espancado pelo pai Alex André Moraes Soeiro, 34, até a morte, na Vila Kennedy, zona oeste do Rio, no dia 17 de fevereiro. O motivo: o menino não queria cortar o cabelo para ir à escola. Em depoimento, o pai afirmou que batia frequentemente no filho porque o menino era muito desobediente. Após duas horas de espancamento, Alex foi levado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Vila Kennedy, já morto e com hematomas por todo o corpo. A equipe médica desconfiou de violência doméstica e enviou o caso para o Conselho Tutelar de Bangu.
No IML (Instituto Médico Legal) Afrânio Peixoto, os peritos constataram que ele morreu por hemorragia interna. De tanto apanhar teve o fígado perfurado. Ele também tinha sinais de desnutrição.
Segundo o jornal "O Globo", Alex morava com a mãe Digna Medeiros, 29, em Mossoró, no Rio Grande do Norte. No início de 2013, a mãe foi ameaçada pelo Conselho Tutelar local de perder a guarda do filho por não levá-lo para a escola. Digna, que não trabalha e sobrevive com dois salários mínimos dados pelo avô de Alex, mandou o filho para morar com o pai no Rio.
Na capital fluminense, Soeiro, que já cumpriu pena por tráfico de drogas e está desempregado, morava com a mulher, Gisele Soares, e outras cinco crianças em uma casa de três cômodos em uma área disputada por três facções rivais.
Em depoimento, André afirmou ao delegado Rui Barbosa, da 34ª Delegacia de Polícia, em Bangu, zona oeste, que as surras eram "corretivos" para ensinar o filho "a andar como homem". Para o pai, Alex, que gostava de lavar louça e de dança do ventre, era "afeminado".
Soeiro contou que o menino não chorava enquanto apanhava e, por isso, batia mais, por achar que a lição não estava sendo suficiente, informou o jornal. Os vizinhos, que o apelidaram de "monstro de Bangu", disseram nunca ter ouvido nada. O conselheiro tutelar Rodrigo Botelho pedirá que a polícia investigue se o menino vivia em cárcere privado.
Em maio de 2013, quando foi morar com o pai no Rio, Alex foi matriculado na escola municipal Coronel José Gomes Moreira, na Vila Kennedy.
O menino tinha bom desempenho, sempre com notas acima de 80 nos três bimestres em que ficou na unidade. No início deste ano, Soeiro foi até a escola pedir a documentação escolar do filho que, segundo ele, voltaria para Mossoró.
Soeiro foi preso na noite de 18 de fevereiro, em cumprimento de um mandado de prisão temporária, expedido pela juíza Nathalia Magluta e depois encaminhado para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste. Ele foi indiciado por homicídio.
Parentes ouvidos pelo jornal carioca afirmaram que Soeiro era homofóbico e teria rejeitado um filho de 12 anos, que, para ele, seria "pouco másculo". Ele já teria tentado bater no filho mais velho e na própria mãe.

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/03/05/menino-de-8-anos-que-gostava-de-lavar-louca-morre-espancado-pelo-pai-no-rio.htm

Híbridos de pessoas e de animais: a catástrofe dos nossos dias


Cientistas em vários países criam híbridos fantásticos de pessoas e de animais que podem lançar o pânico na sociedade. Apenas nos últimos 10 anos, o progresso no campo da engenharia genética espantou os cientistas e simples observadores.

Hoje, a criação de novas formas de vida tornou-se acessível mesmo a estudantes em condições caseiras. Infelizmente, as leis não conseguem acompanhar os jogos dos cientistas.
Por sua vez, estas novas formas de vida não são ilegais, mas podem representar perigo para a sociedade. É impossível prever o que acontecerá se elas começarem a multiplicar-se, mas os cientistas de todo o mundo querem apenas descobrir a sua nova criação para o mundo: descobrir aquilo que ainda recentemente parecia ser fantasia absoluta.
Podemos apresentar o seguinte exemplo: os cientistas criaram um rato com um cromossoma humano artificial. Isto é considerado um avanço que pode levar a novas formas de tratamento de toda uma série de doenças. Segundo a página do Lifenews.com, cientistas da Universidade de Wisconsin conseguiram grandes êxitos na transplantação de células do embrião humano no cérebro de ratos. As células começaram a crescer e, com o tempo, os ratos tornaram-se mais inteligentes. Esses ratos podem encontrar saída de um labirinto e aprender sinais convencionais mais rapidamente do que antes dos transplantes.
Coloca-se uma questão: a prática de transplantação de tecidos humanos para animais trará mais vantagens do que riscos? Hoje, já é evidente que a criação de órgãos humanos no interior de animais não é ficção científica, mas realidade pura. Os cientistas japoneses começaram a utilizar leitões para criar órgãos humanos, o que demora até um ano a realizar.
Segundo o Infowars.com, o principal objetivo neste caso é aumentar a quantidade de órgãos para as necessidades da medicina. Mas o governo japonês coloca outras tarefas: neste momento, prepara leis que permitem começar investigações ligadas a embriões.
A página Thetruthwins.com assinala que, se um órgão humano começa a crescer dentro de um leitão, este já não é 100% um leitão, e um órgão humano que cresce dentro de um leitão não pode ser considerado um órgão humano a 100%. Os receptores desses órgãos devem concordar com a transplantação de órgãos híbridos do homem e do animal no seu organismo.
As consequências da criação de híbridos poderão ameaçar a sociedade tanto hoje, como no futuro, mas o principal perigo consiste na impossibilidade de prognosticar as consequências da perda de controle de semelhantes híbridos.
Mais preocupante ainda é o fato de a maioria dos países não ter leis que limitam a criação de semelhantes seres, o que permite produzi-los sem controle. Mais, não se prevê penas se esse ser animal provocar prejuízo às pessoas que vivem em redor.
Existe a opinião de que os animais utilizados para a criação de órgãos humanos neles são mais uma via para a destruição da natureza. Em 2011, o jornal DailyMail informou que cientistas britânicos tinham criado mais de 150 embriões do homem e de animais, mas os leitores não se preocuparam com isso.
Outros exemplos foram citados na revista Slate: cabras que produzem leite humano, uma estrutura anatômica anal transplantada num rato e doutores que criam um sistema imunitário humano para animais. Mas isto são apenas os projetos que conhecemos. É possível que existam outros por enquanto desconhecidos. Um híbrido do homem e de um animal é possível, mas continua a discussão de se são mais as vantagens do que os riscos potenciais.
Fonte: Voz da Rússia /JULIO SEVERO