sábado, 12 de janeiro de 2013

EM BREVE CD DO MINISTÉRIO GERAÇÃO GRAÇA E PAZ.

A Metamorfose Da Mente


O dicionário define "metamorfose" como: a mudança ou transformação de forma física ou moral de algo ou alguém.
Não sei se é apenas eu, ou se é algo comum à toda espécie humana, mas algo me incomoda ao ler palavras como "mudança" ou "transformação" na mesma frase em que palavras como "eu" e "comigo" aparecem.
Tendemos a gostar de mantermo-nos onde estamos, fazer somente o que já sabemos fazer e experimentar somente o que já conhecemos.
Mudar requer esforço e gasto de energia e, coincidência ou não, umas das leis da física diz que "tudo no universo tende ao seu estado de menor energia", ou seja, mudar não é algo que seja natural para nenhum de nós. Talvez, somente talvez, seja por isso que estar em uma fase de adaptação e transformação seja algo tão difícil e desconfortável.
Conheço pessoas que gostam de desafios e estão sempre saindo da rotina e fazendo algo novo, mas não conheço ninguém que faça tais coisas sem nunca ter sentido um frio na barriga ou mesmo um nervosismo incontrolável e inexplicável. Este nervosismo até pode ser disfarçado com um sorriso ou uma cara alegre que engane as pessoas ao nosso redor, mas, no fim do dia, sabemos o que, de fato, está acontecendo dentro de nós mesmos e sabemos também que não adianta mentirmos para nós mesmos.
Outro dia, porém, vi-me impactado com um simples e poderoso ensinamento que, mais uma vez, a natureza nos demonstra há séculos, mas o bicho-homem é teimoso e ocupado demais para entender. Tamanha foi minha surpresa ao perceber que algo tão simples como uma borboleta podia me ensinar tanto. Sim, uma borboleta - você não leu errado.
Pense a respeito.
Uma lagarta passa toda sua vida se arrastando pelo chão, comendo folhas e sendo vulnerável a todo e qualquer predador. Para se proteger, ela se esconde atrás de rochas ou dentro de troncos de árvores, mas, ainda assim, existem diversos pássaros que adorariam tê-las, e de fato as têm, como refeição.
A visão de mundo de uma lagarta é o chão. Seu vocabulário se resume a: terra, sujeira, folha, rocha e árvore. Tudo o que uma pobre lagarta sabe é o que seus olhos e sentidos captam do chão.
Contudo, um dia, após muito sofrimento no solo, algo nela a chama para ser superior, algo maior que ela, algo que mudará para sempre a sua visão de mundo.
Ela, sem saber explicar o que faz nem por que o faz, se envolve em um casulo e ali se auto-aprisiona por um tempo.
O casulo a protege, a guarda e a esconde por um tempo, até que a hora de uma nova etapa se aproxime.
Mas...
...no casulo, ela é modificada.
...no casulo, ela cresce.
...no casulo, ela se transforma.
...no casulo, ela experimenta uma METAMORFOSE.
Assim sendo, um dia a metamorfose exterior acaba e uma metamorfose interior começa. Para tal, o seu casulo que servia de abrigo e proteção acaba por gerar nela um desconforto tal que a ex-lagarta se vê com a iminente necessidade de sair desse casulo.
Para que isto ocorra, a lagarta se vê com um grande desafio:
Como irei abandonar o lugar que me tratou tão bem nesses últimos meses? Como irei sair do lugar que me acolheu, protegeu e onde eu não precisava me preocupar com as ameaças do exterior? Como poderia sair do lugar meu conhecido rumo ao DESconhecido? - pensa a ex-lagarta
Todavia, chega um momento em que a dúvida é vencida pela necessidade de sair daquele lugar apertado e sufocante que o casulo se tornara. A lagarta, então, toma a maior e mais importante decisão da sua vida: sair do casulo.
Essa é uma decisão que só ela pode tomar e ninguém pode ajudá-la.
Ao sair do casulo, ela percebe em si algo diferente. Suas pernas mudaram, seu corpo mudou, seu formato mudou, mas a sua mente ainda é a mesma.
A ex-lagarta precisa, agora, entender que até mesmo seu nome mudou. A ex-lagarta, agora se chama borboleta e precisa se esticar por um tempo depois de ter saído do casulo antes de poder voar.
Que me perdoem os especialistas e biólogos, mas uso de minha licença poética para imaginar que esse tempo em que a borboleta fica se esticando após sair do casulo e antes de dar seu primeiro voo serve para que a metamorfose interior aconteça. Esse é o tempo que a borboleta leva para que sua mentalidade de lagarta também saia do casulo e se torne uma mentalidade de borboleta.
E quando a metamorfose interior acontece e a ex-lagarta, agora, é uma borboleta por dentro e por fora, ela alça voo e descobre que seu destino não era o chão e sim o céu.
Seu vocabulário passa a ser: voar, céu, nuvens e mais alto.
Sua visão é ampliada. Antes ela só via o que estava mais perto de seus olhos, mas agora, sua visão é ampliada ao horizonte. Uma nova e maravilhosa vida a espera.
A ex-lagarta que vivia de folha em folha, agora vive de flor em flor.
A ex-lagarta que vivia de terra em terra, agora vive de céu em céu.
A ex-lagarta que vivia de esconderijo em esconderijo, se afastando de tudo e todos, agora vive e voa despreocupada pelo céu deixando que todos admirem a beleza das cores de suas asas.
A ex-lagarta que vivia com medo, agora tem LIBERDADE.
Será que não é assim conosco também?
Nosso destino não é o agora, não é o chão. Nosso destino é um amanhã maior que o hoje, nosso destino é o céu.
Mas há um caminho a ser trilhado, uma mudança a ser gerada, uma metamorfose a ser experimentada.
E, assim como a borboleta, somente nós mesmos podemos sair de nossos casulos, porque se alguém tentar nos tirar a força podemos não estar preparados e morrer física, mental ou espiritualmente.
Você que fez do Senhor seu abrigo, fortaleza e casulo não hesite quando Ele lhe chamar para fora, pois, tenha certeza, um novo voo e uma nova perspectiva Ele tem para você.
Assim como Cristo chamou Lázaro para fora, e assim fez vida aonde havia morte, Ele também lhe chama para algo maior e melhor, afinal os pensamentos de Deus são maiores que os nossos e ultrapassam nossa limitada imaginação.
Saiba que a mudança dói sim e é desconfortável sim, mas o gozo do por vir excede com folga a dor presente.
Lembre-se das palavras do Ap. Paulo:
"Eu penso que o que sofremos durante a nossa vida não pode ser comparado, de modo nenhum, com a glória que nos será revelada no futuro." Romanos 8:18
 
VIA GRITOS DE ALERTA .
http://blogconsolidacao.blogspot.com.br/
 
 
 

CARNAVAL NÃO É CULTURA , CARNAVAL É LIBERTINAGEM .

O Jornal do Piauí desta quinta-feira (10) promoveu debate sobre a recomendação da promotora de Justiça Leida Diniz, que proíbe a destinação de verbas públicas para a realização do carnaval de Teresina. O pastor Fabrício Fonseca, o radialista Paulo Brito e a representante do Instituto Cultural Samba de Raiz do Piauí (Isambar), Cláudia Simone, expuseram seus pontos de vista divergentes.
Cláudia é contra a retirada dos recursos destinados à cultura por entender que as áreas de Saúde e Educação já possuem 70% do dinheiro público. "É claro que Educação e Saúde são prioridades, mas o que está sendo aplicado para a cultura? Por que retirar um valor que já é mínimo e destinar para outras áreas? O que deve haver é uma maior fiscalização do dinheiro público, para que não haja desvios", opinou.
Por outro lado, o pastor da Igreja Evangélica Fabrício Fonseca considera que o carnaval não é cultura e que fomenta drogas, bebedices e promiscuidade sexual. "O carnaval é diversão até que ponto? É só olhar as estatísticas e ver a quantidade de meninas grávidas, de pessoas que se envolvem em acidentes de trânsito e de viciados em drogas. As pessoas não vão ao carnaval focados na Cultura, vão focados nesse tipo de divertimento", argumentou.
Para o radialista, o foco não é a moralidade do carnaval. Ele também considera a discussão uma "demagogia" e é contra a recomendação da promotora. "A questão é o uso do dinheiro público, não é ser moral ou não. Não tem nada a ver com religião. É muita demagogia. A Copa, por exemplo, está todo mundo cobrando a construção dos estádios. Mas, ninguém vê que são obras feitas com dinheiro público para um evento privado. Então, deixa o carnaval aí. É um evento popular", discutiu.
O pastor rebateu as críticas defendendo que o dinheiro público da cultura deve ser destinado aos conselhos tutelares e escolas. "Se é para ter carnaval, vamos atrás da iniciativa privada. A mentalidade do carnaval é drogas, sexo e libertinagem".
Cláudia Simone ressaltou o lado empreendedor do carnaval e falou sobre a dificuldade de conseguir patrocínio. "Temos que pensar em todas as pessoas que trabalharam com cultura, que fazem as fantasias, os carros. Pensamos na sustentabilidade, mas os empresários não querem só bancar a festa, querem um retorno. Então por que esse dinheiro não pode vir através dos incentivos à cultura? O Estado tem a obrigação de proteger, incentivar e apoiar as manifestações culturais e o carnaval é a maior festa popular brasileira. A cultura é um negócio rentável que transforma a vida de muita gente", destacou.
Cidade Verde

Silas Malafaia negocia apoio nas eleições de 2014

O pastor Silas Malafaia (foto), que dentre outras coisas, tem seu envolvimento com a política entre os motivos que o levaram a figurar entre as 100 pessoas mais influentes do país, estaria iniciando as conversas visando às próximas eleições, em 2014.

De acordo com informações publicadas pelo jornalista Lauro Jardim, no Radar Online, da revista Veja, o atual prefeito do Rio de Janeiro, recentemente reeleito com o apoio de Malafaia, tenta conquistar o apoio do pastor para a candidatura de um de seus aliados.

Jardim afirma que “Eduardo Paes tenta seduzir Silas Malafaia a apoiar Luiz Fernando Pezão nas eleições de 2014. Os três combinaram de almoçar em breve no Rio de Janeiro”.

Ainda segundo o jornalista, o pastor da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo tem a intenção de apoiar o senador petista Lindbergh Farias na disputa.

O apoio seria para a candidatura ao governo do Estado do Rio de Janeiro, já que Lindbergh foi eleito senador para um mandato de oito anos, e tomou posse em janeiro de 2011.

Fonte: Gospel+

Preconceito impede homossexuais de confessar seu pecado nas igrejas

Preconceito impede homossexuais de confessar seu pecado nas igrejas                      
O pastor Joide Miranda, presidente da Associação Brasileira de Ex-Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis e Trangêneros  – ABEX-LGBTT, que ajuda aqueles que querem deixar a homossexualidade voluntariamente, afirmou que homossexuais nas igrejas geralmente não buscam ajuda para expor seu problema, pois se sentem discriminados nas comunidades evangélicas.
Em entrevista ao portal Gospel Voice ele disse que o problema está presente em praticamente todas as igrejas. “Não estou julgando. Não digo que todos estão na prática, muitos lutam contra esses desejos. Muitos sofrem com isso, mas tem medo de se expor. Eles temem não ser compreendidos, mas eu sempre digo que este é um pecado como qualquer outro pecado”.
Segundo o líder religioso, que não esconde seu passado como travesti, a igreja impõe barreiras como preconceito e excesso de julgamento. Com isso, quem sofre com o problema da homossexualidade acaba relutando em se abrir e até procurar ajuda. “Muitos não vivem na prática, tem um estado mental de homossexuais e então levam uma vida religiosa escondendo seu pecado, incorrendo na pornografia e internet, o que gera um vício, diz Miranda.
Para ele, esse é um dos maiores erros da igreja contemporânea. Citando 1º Corinthios 6:10 , que fala sobre o pecado do efeminado e sodomita, bem como do ladrão, avarento e maldizente, ele dispara: “quem nunca falou mal de alguém?”.
Contando sua própria história e de como foi abusado quando era criança, ele diz que são comuns casos de abusos durante a infância em pessoas que se tornam homossexuais. Ele explica que os abusos não são só de ordem sexual, mas podem ser rejeição, palavras de maldição e até crianças criadas sem limites.
Aí, segundo Miranda, entra o trabalho psicológico na ajuda daqueles que não estão satisfeitos com sua orientação. “Quando a pessoa se converte, sai do sistema mundano e vem pra Jesus, está com as feridas expostas. Aí precisa da ajuda, tanto no lado espiritual como no lado psicológico”, diz.
Mas ele enfatiza que é necessário renúncia e sacrifício para mudar a orientação. “Eu decidi morrer, pagar um preço, então Cristo passou a dirigir a minha vida e não mais eu”, conta
Ele explica com seu testemunho:
“A vida me proporcionou tudo, fama, beleza, poder, dinheiro. (…) Mas eu decidi deixar aquela vida por que o que eu mais desejava era a paz interior. A vida da homossexualidade é uma vida carnal. Cedo ou tarde, a frustração vai bater à porta. Na velhice vem a depressão, a angústia, a solidão, a tristeza e nessa hora, que possam lembrar que Deus deu seu único filho e Jesus sempre esteve e sempre estará de braços abertos.”
Miranda conclui que hoje é um homem feliz e realizado e sua família tem um valor “que o mundo jamais poderia pagar”.

VIA  GRITOS DE ALERTA / INF. GOSPEL PRIME

Missionários brasileiros continuam presos no Senegal

Missionários brasileiros continuam presos no Senegal                      
Os missionários José Dilson Alves da Silva e Zeneide Moreira Novais continuam detidos no Senegal. Eles foram presos em novembro sob acusação de aliciar menores e aguardam a decisão final da justiça.
A prisão aconteceu depois que um pai foi até a polícia reclamar que seu filho se recusou a recitar uma oração muçulmana e que estava exibindo comportamento cristão. Os missionários realizam trabalho com as crianças de rua oferecendo abrigo, comida e educação.
O projeto social Obadias, recebe apoio da Agência Presbiteriana de Missões Transculturais (APMT), também recebe alunos de escolas corânicas, onde estudantes islâmicos são forçados por seus professores a mendigar nas ruas, como explica o site da Missão Portas Abertas.
O pai que acusou os missionários alegou que houve desrespeito ao Islã e também disse que os brasileiros teriam sequestrado e cometido o crime de tráfico de menores.
O caso chegou ao Brasil e comoveu o senador Magno Malta que conhece a missionária Zeneide. Em companhia de outros parlamentares, Malta foi até o Senegal tentar resolver o problema, mas não pode interferir.
A Missão Portas Abertas relata que os missionários estão em presídios superlotados, dividindo as pequenas celas com 30 pessoas e só estão autorizados a receber visitas rápidas de familiares ou amigos duas vezes por semana.
“Um fator de forte preocupação, porém, é a saúde do pastor. Ele é diabético, está fraco, com um dente quebrado e uma inflamação no ouvido”, diz um comunicado no portal do ministério que pede oração não só por José, mas também por Zeneide e por suas famílias.