domingo, 18 de dezembro de 2011

4 Razões porque eu não assisti o festival Promessas da Rede Globo.

"Aleluia! Chegamos lá! Que Bênção, o Brasil todo está vendo a música gospel na tela da Globo. Aha, Uhu, a Globo é nossa!
Pois é, essas são algumas frases que recebi de irmãos em Cristo sobre o Festival Promessas, promovido pela Rede Globo de Televisão. Ao contrário destes e de milhares de evangélicos deste país, eu não vejo esse evento com bons olhos. Na verdade, a impressão que tenho sobre este festival é a pior possível.

Ora, vamos combinar uma coisa? É ingenuidade da nossa parte achar que a Vênus Platinada, resolveu alegremente privilegiar a música evangélica brasileira, não é verdade? É claro que os interesses globais estão bem além dos ritmos e melodias entoadas pelos cantores evangélicos tupiniquins.

Isto posto enumero dentre muitas, pelo menos 04 razões pelas quais eu não assisti o Festival promessas:



1- A motivação da Rede Globo de televisão é exclusivamente financeira. É sabido que os evangélicos são os que menos pirateiam CDS e DVDS. Um publico deste tipo é interessantíssimo, o que contribui para o desejo platinado de adentrar em um mercado tão promissor.



2- A briga com a Record. A Globo nitidamente resolveu polarizar com a Rede Record tentando trazer para o seu lado milhões de evangélicos decepcionados com a TV de Edir Macedo. Na verdade, o objetivo final da emissora carioca é audiência, dinheiro e novos negócios além é claro de esvaziar a audiência da concorrente.



3- O famigerado show business evangélico. Os shows evangélicos afrontam o nome de Deus. Em nome de um cristianismo tosco, cantores comercializam a fé fazendo da adoração ao Senhor um grande e bom negócio.



4- A industria do entretenimento gospel. Em nenhum momento nós vemos nas Escrituras qualquer tipo de mandamento ou instrução por parte do Senhor de que a Igreja deveria promover entretenimento. A igreja foi chamada para glorificar a Cristo e pregar o Evangelho da Salvação Eterna. Ao fazer de Deus seu instrumento de lazer e descontração, a igreja peca contra o sétimo mandamento tomando o nome do Senhor em vão.



Pense nisso!



Pastor Renato Vargens
VIA GRITOS DE ALERTA

PAULO X VOCÊ

Rm 8.18 -  Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós.

UMA COMPARAÇÃO NECESSÁRIA PARA UMA CARREIRA VITORIOSA
Lc 24.25-27 – Então, lhes disse Jesus: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras.

Carregava consigo o que muito o incomodava:
2Co 12.7 – E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte.

Tinha oração não atendida:
2Co 12.8s – Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza.

Era menosprezado:
1Co 9.3-7 – A minha defesa perante os que me interpelam é esta: não temos nós o direito de comer e beber? E também o de fazer-nos acompanhar de uma mulher irmã, como fazem os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas? Ou somente eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? Quem jamais vai à guerra à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho?
2Co 10.10 – As cartas, com efeito, dizem, são graves e fortes; mas a presença pessoal dele é fraca, e a palavra, desprezível.

Sofreu perdas:
2Tm 4.9-11 – Procura vir ter comigo depressa. Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou e se foi para Tessalônica.



Faltaram-lhe com a amizade e devido apoio:
2Tm 4.16 – Na minha primeira defesa, ninguém  foi a meu favor; antes, todos me abandonaram. Que isto não lhes seja posto em conta!

A contrapartida ao que o enaltecia era muito grande:
1Co 4.13 – Até agora, temos chegado a ser considerados (nós, os apóstolos) lixo do mundo, escória de todos.  As palavras traduzidas por” lixo” e “escória” designam também os miseráveis que serviam de vítimas expiatórias nas calamidades públicas. Fora costume remover a contaminação de uma cidade mediante um sacrifício humano.
2Co 11.23 – São ministros de Cristo? (Falo como fora de mim.) Eu ainda mais.
2Co 12.1-5 – Se é necessário que me glorie, ainda que não convém, passarei às visões e revelações do Senhor. Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) e sei que o tal homem (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir.

Esperava por uma vida melhor:
1C0 15.19 – Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens.

Reconhecia nossas grandes possibilidades em Cristo:
Gl 4.12 – Sede qual eu sou; pois também eu sou como vós.

Conhecia as Escrituras:
2Co 11.6 – E, embora seja falto no falar, não o sou no conhecimento.
Sabia o valor do rebanho de Deus:
At 20.28 – Atendei (estai atentos) por vós (presbíteros da igreja) e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.

Conhecia suas responsabilidades e bem cuidava disto:
At 20.25-27 – Agora, eu sei que todos vós, em cujo meio passei pregando o reino, não vereis mais o meu rosto. Portanto, eu vos protesto, no dia de hoje, que estou limpo do sangue de todos; porque jamais deixei de vos anunciar todo o desígnio de Deus.
2Co 11.28s – Além das coisas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas. Quem enfraquece, que também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame?
At 20. 29-31 – Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, por três anos, noite e dia, não cessei de admoestar, com lágrimas, a cada um.
Bens terrenos não o corrompiam:
At 20.33 – De ninguém cobicei prata, nem ouro, nem vestes.

Ensinava não somente com palavras:
Fp 4.9 – O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz será convosco.

Sofrimento, por Cristo, para ele era curriculum vitae de excelência:
2Co 11.23-29 – São ministros de Cristo? (Falo como fora de mim.) Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto,, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez. Além das coisas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas. Quem enfraquece, que também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame?

Situações adversas também eram oportunidades para ganhar almas para Cristo:
Fp 1.13 - ...de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a guarda pretoriana e de todos os demais. Fp 4.22 – Todos os santos vos saúdam, especialmente os da casa de César.

Verdadeiramente o louvor ao Senhor não podia ser roubado de seus lábios:
Sl 34.1 – Bendirei ao Senhor em todo o tempo, o seu louvor estará sempre nos meus lábios.
At 16.22-25 – Levantou-se a multidão, unida contra eles, e os pretores, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. E, depois de lhes darem muitos açoites, os lançaram no cárcere, ordenando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança. Este, recebendo tal ordem, levou-os para o cárcere interior e lhes prendeu os pés no tronco. Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam.

Tinha o chamado de Deus como seu bem mais precioso:
At 20.22-24 – E, agora, constrangido em meu espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que ali me acontecerá, senão que o Espírito Santo, de cidade em cidade, me assegura que me esperam cadeias e tribulações. Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus.
Sabe em o que ele pensava vendo sua vida chegando ao fim?
2Tm 4.6-8 – Quanto a mim, estou sendo já oferecido por libação, e o tempo da minha partida é chegado. Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa (prêmio, recompensa) da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.

Ele chama a todos para o melhor:
1Co 11.1 – Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo.
Texto do Irmão  Soirag Elkcan

VIA GRITOS DE ALERTA

Com fome, alunos afetados por crise desmaiam em escolas na Grécia

Os professores na Grécia estão preocupados com os vários casos registrados nos últimos meses de alunos que desmaiam nas escolas por fome e desnutrição e já alertaram as autoridades para o caso. Segundo meios de comunicação do país, o Ministério da Educação grego está preparando um programa de distribuição de senhas no valor de 2 ou 3 euros para os alunos de escolas de regiões com alta porcentagem de pobreza.
O primeiro caso de desmaio ocorreu há cerca de um ano e a ele seguiram-se mais denúncias de professores, que garantem que alunos seus estão na escola até as 16h sem comer nada o dia inteiro.

Os meios de comunicação deram conta do caso, mas as notícias foram consideradas exageros jornalísticos até que, há cerca de duas semanas, um rapaz de 13 anos desmaiou em um colégio da Heraklion, capital da Ilha de Creta. Quando a diretora avisou a mãe, que trabalha em tempo parcial numa empresa municipal e tem quatro filhos, ela disse que a sua família não comia nada há dois dias.
O assunto transformou-se em debate nacional e a imagem da comida a ser dividida nas escolas despertou, entre os mais velhos, o pesado inverno de 1941 e 1942 quando, depois da ocupação nazista, mais de 300 mil pessoas morreram de fome.
Entretanto, a direção escolar de Atenas assegurou que, desde que começou o ano letivo, várias escolas básicas prepararam cerca de 5,5 mil refeições por dia e destacou que 67 dessas refeições são para alunos em condições de necessidade extrema.

VIA GRITOS DE ALERTA.
INF. TERRA

Televisão responde à ascensão de comunidades religiosas

As redes parecem concordar em abrir as câmeras para padres e pastores, sem perder de vista os ganhos financeiros. Rede Globo, que exibe Festival Promessa hoje, montou estrutura com um helicóptero, câmeras de alta definição e gruas.

Até os anos 80, não havia conflito: o catolicismo se confundia com a própria sociedade brasileira, e sua presença na programação das televisões, privadas e estatais, não era questionada.

No caso da Globo, o país assistia ao que a Arquidiocese do Rio programava por conta de suas relações com o presidente das Organizações Globo, Roberto Marinho, não necessariamente com a empresa.

A Globo era aberta "a todas as religiões, era liberal", diz José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, executivo que comandou as primeiras décadas da rede.

O privilégio à arquidiocese se devia "à ligação pessoal do doutor Roberto com dom Eugênio Salles", então cardeal-arcebispo.

Também na TV Cultura era assim. "Transmitíamos a Missa de Aparecida todo domingo, e nunca ninguém pôs em questão", afirma Roberto Muylaert, ex-presidente da Fundação Padre Anchieta.

"Era a coisa mais normal do mundo."

Com a ascensão das igrejas evangélicas e da ala carismática da Igreja Católica, ao longo das últimas décadas, o quadro mudou.

Num primeiro momento, a Globo se aproximou de Marcelo Rossi e de outros padres de São Paulo, que hoje produzem discos e livros de grande vendagem por meio da gravadora Som Livre e da editora Globo, empresas do grupo.

E mais recentemente se aproximou da música gospel, evangélica, também mantendo sob contrato parte dos artistas que participaram do festival Promessas no último fim de semana, organizado pela Globo no Rio e programado como especial de fim de ano, hoje.

Boni não vê problema na ampliação do espaço evangélico na programação da emissora. "A religião é do povo, é uma mudança de comportamento natural, e a Globo tem que acompanhar."

Mas os vínculos comerciais, tanto com carismáticos quanto com evangélicos, acabam por obscurecer a distinção que se fazia entre a Globo, por exemplo, e a Record, que dedica parte de sua programação à Igreja Universal.

Outras redes não fazem coisa muito diferente, vendendo programação para diferentes grupos evangélicos, carismáticos e outros.

ÁGUAS PASSADAS
Antes de chegar ao quadro atual, houve episódios de conflito aberto, como o "chute na santa" dado por um pastor, na Record, e a demonização de pastores pela teledramaturgia, na Globo -o mais recente em julho, antes da programação do Promessas.

Agora, todas as redes parecem concordar em abrir as câmeras para padres e pastores, sem perder de vista os ganhos financeiros. A cobertura do último sábado, no "Jornal Nacional", mostrou pastores que falavam no intervalo das músicas.

Os problemas surgem, agora, quando se resiste às igrejas, como na estatal TV Brasil, que tentou tirar os programas religiosos da programação e voltou atrás, sob pressão conjunta da Arquidiocese do Rio e do senador Marcelo Crivella, bispo licenciado da Universal.

Muylaert comenta que, por parte das igrejas, a estratégia já não difere mais daquela do mercado publicitário. "Quem tem mídia tem fé", ironiza.

Quanto mais propaganda, mais rebanho.

Cantora gospel diz que 'Deus tocou o coração da Globo'

"Este é um evento histórico", dizia o animador de palco, tentando inspirar o pequeno público que aguardava o início do festival Promessas, no sábado passado. "Você vai poder dizer que esteve no primeiro evento evangélico que a Globo organizou!"

No palco como na plateia, a visão de que se tratava de um "evento histórico" estava disseminada entre os fiéis -boa parte vinda de municípios da Baixada Fluminense e de subúrbios distantes do Aterro do Flamengo (onde o festival aconteceu).

O baixo quórum não preocupava: todos apostavam na capacidade da emissora líder de disseminar "a palavra de Deus" para uma audiência abrangente.

"É a concretização de um clamor de muitos anos. Vai marcar a história", disse a pastora e cantora Ludmila Ferber. "É maravilhoso que a Globo tenha abraçado a causa e entendido quão poderosa é a mensagem de Deus."

Fé à parte, o aspecto comercial da empreitada -para a qual a Globo montou uma grande estrutura de divulgação e de transmissão (14 câmeras de alta definição, gruas, helicóptero)- não escapou aos religiosos.

"A Globo era a única emissora que não abria para os evangélicos. Notou que estava ficando para trás", disse Erisvaldo Oliveira, 26, fiel da primeira Igreja Batista da Ponte Preta, de Magé (RJ).

"Ela sabe que vai passar a ter muito mais audiência."

A disputa pelos telespectadores (e pelos ouvintes, já que parte dos artistas tem discos lançados pela Som Livre, gravadora ligada à Globo) era, no entanto, relativizada pelos participantes.

"Eu sei que, a princípio, todo mundo pensa em grana, em 'business'. É claro que isso existe, nós somos de carne e osso, mas acima disso tudo está o propósito de Deus para esta nação", disse o cantor Fernandinho, um dos mais aguardados do festival.

Os evangélicos também celebravam o evento como um ponto de inflexão no tratamento dispensado a eles pela emissora carioca.

"A Bíblia diz que todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Deus é o Senhor", afirmou a enfermeira Janaína Silva, 28, citando um trecho da Carta aos Romanos.

"A Globo fez isso agora porque Deus tocou o coração deles. Era o momento certo, Deus não chega atrasado", disse a cantora Damares.

Fonte: Folha de São Paulo

Precisamos voltar ao Evangelho puro e simples no Festival Promessas da Rede Globo

É com muita tristeza de acabo de assistir à edição do Festival Promessas, evento patrocinado pela Rede Globo e que contou com a presença de vários artistas (pois só “louvam” cobrando cachê) e pastores gospel. Quem assistiu ao vivo, no Aterro do Flamengo (RJ), ouviu alguns pastores pregando durante os intervalos dos shows. Na edição da tv, isso foi cortado, afinal não dá audiência.
O que sobrou para o público da tv foi os artistas gospel cantando seus sucessos, apresentados pelo Serginho Groisman. Tudo bonitinho, mas será que foi para Deus?
A reportagem que saiu hoje no jornal Folha de São Paulo, replicada pelo Pavablog (http://www.pavablog.com/2011/12/18/a-festa-e-sua-hoje-e-um-novo-dia-de-um-novo-tempo-que-comecou-para-a-globo-e-os-evangelicos/) nos dá uma pista sobre os propósitos disso tudo, se é que alguém ainda não desconfiou.
Na reportagem, fica claro que esse festival gospel só existiu porque a Rede Globo está a cada dia perdendo audiência, precisando assim repor os telespectadores perdidos. Por outro lado, os que se dizem evangélicos estão em pleno crescimento, sendo hoje cerca de 20% da população. Assim, da mesma forma que houve a onda dos pagodeiros, a onda dos sertanejos, a onda do É o Tchan, a onda dos funkeiros, agora é preciso uma nova onda: a onda da música gospel.
Essa onda gospel está sendo testada há algum tempo. O mega-sucesso Faz um Milagre em Mim, do Regis Danese, estourou há algum tempo atrás em todo o país, sendo tocado também nas versões pagode, sertanejo e forró. Antes dele, o tal do Restitui. Esses sucessos mostraram que há um grande público ávido por músicas que falem de transformação pessoal, vitória, restituição e afins, e é claro que a Rede Globo viu aí um belo nicho de mercado a ser explorado.
Tudo bem, escolhido que a nova onda musical seria a evangélica, um problema: como se achegar a esse público, já que a Globo por anos foi considerada uma inimiga, também contribuindo para isso ao fazer minisséries sobre pastores corruptos, ou colocar uma personagem crente santinha-do-pau-oco numa novela das nove? Aí entra o Silas Malafaia.
O pr. Malafaia há tempos quer entrar na Globo. Seu grande sonho – e ele discorre sobre isso em alguns dos seus programas – é de ter um horário na Vênus Platinada. Daí a aceitar um convite da Globo para uma reunião, foi um pulinho. Nessa reunião, segundo a reportagem da Folha, o Malafaia sugeriu à Globo o tal Festival Promessas, como forma de se aproximar do público evangélico. A idéia foi aceita, mas como tudo precisa ser preparado, subliminarmente a Globo passou, nesse ano, a apresentar reportagens sobre eventos evangélicos (como as Marchas para Jesus) e a mostrar trabalhos sociais de algumas denominações, entre as quais os do Malafaia.
Missão dada, missão cumprida. E missão culminada hoje, onde no final do programa gospel global tivemos a triste surpresa de ver o Malafaia anunciando uma bíblia, editada pela Central Gospel. Isso na Rede Globo!!!
Enfim, já não são mais necessárias mensagens subliminares. Literalmente falando, o Malafaia fez comércio da Palavra de Deus na chamada Vênus Platinada. Quem tiver olhos para ver, que veja.
Quem assistiu ao programa da Rede Globo pode ver, em rápidos flashs da multidão, lá no fundo umas faixas estendidas. Pois é, estava lá a turma do Movimento pela Ética Evangélica Brasileira com as camisetas e as faixas denunciando as heresias em nome de Jesus. Há dois vídeos sobre essa participação, que foi muito proveitosa pois muitos que ali estavam foram conversar sobre o porquê do protesto. Abaixo o vídeo reduzido, com aproximadamente 15 minutos. Há outro, com cerca de 39 minutos, com a filmagem integral (http://www.youtube.com/watch?v=_1LKwA7Ytp8):
Engana-se completamente quem crê que o acordo Rede Globo x Evangélicos será para que o Brasil se torne do Senhor Jesus. Na verdade, não passa de mais uma artimanha daquela que levanta e derruba quem ela quer aqui no Brasil. Essa emissora sugou ao máximo os pagodeiros, os sertanejos, os grupos de axé, os funkeiros, e fará o mesmo com os gospel, e após ninguém mais aguentar ouvir esse tipo de música o fará com outros estilos musicais. Não tem nada de bom nessa parceria, a não ser para os próprios cantores, que lucrarão horrores com a venda dos cd’s e shows pelo Brasil. Fora isso, nada de novo debaixo do sol. O Brasil continuará uma terra de desigualdades, a maioria dos evangélicos continuará indo nos domingos na igreja para pedir restituição e vitória financeira, sem se importar com o próximo ao lado. Enfim, o Império Global não será de forma nenhuma afetado. Ao contrário, pela Som Livre, a Rede Globo poderá controlar mais proximamente os tais gospel.
Quem tem olhos de ver, que veja. A Bíblia já nos alertava que no fim seria assim, que nos conformaríamos com o mundo, que o amor de muitos esfriaria, que cometeríamos apostasia. Mas a Palavra de Deus também dá um alento de esperança: um pequeno remanescente não se dobrará aos deuses desse mundo (Mamom, Vênus, Belial, etc), e sofrerá perseguições por amor a Jesus Cristo.
Que venham as perseguições, para a honra e glória de Deus.


VIA GRITOS DE ALERTA.
INF.EXTRANGEIRA WORLD PRESS

Festival Promessas da Globo consumiu R$ 2,9 milhões dos cofres públicos


A emissora, tradicionalmente ligada à Igreja Católica, dedica 75 minutos de programação ao segmento. Vão ao ar às 13h trechos do festival Promessas, produzido pela Globo com os principais nomes da música gospel.
O público era de 20 mil pessoas –um décimo do esperado. Ainda assim, o canal faz do evento cartão de visitas para uma fatia de audiência em ascensão: estima-se que mais de 20% da população brasileira seja evangélica.
O festival teve tratamento VIP na Globo e consumiu R$ 2,9 milhões da Prefeitura do Rio.
Isso num momento em que a rede registra fuga de espectadores. A média/dia de audiência (7h à meia-noite) está em 16 pontos (cada ponto equivale a 58 mil domicílios na Grande SP), 10% abaixo da meta anunciada para 2011.
Em 2010, o pastor Silas Malafaia –ligado à Assembleia de Deus e ex-detrator do que julgava ser a “emissora oficial da Igreja”– reuniu-se com João Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo, e sugeriu o festival.
A Globo confirma o encontro e diz que “coincidiu com intenção antiga de se aproximar mais do segmento gospel”. Circulam nesse mercado R$ 2 bilhões anuais.
Diretor do núcleo responsável pelo Promessas, Luiz Gleiser diz “reviver a epifania” dos anos 90, quando detectou a existência de audiência ávida pelo sertanejo, gênero que viria a explodir.
A estratégia de aproximação começou há dois anos, após o “Jornal Nacional” fazer uma série de reportagens sobre trabalho social de igrejas. Desde então, a rede tem dado destaque em seu noticiário a eventos da comunidade evangélica. A presença de músicos gospel nos programas de Xuxa e Faustão cresceu, e há planos para um programa aos sábados.
O problema é que parte do público-alvo ainda é cética quanto às intenções globais.
Para Malafaia, o baixo quórum no Promessas é parcialmente explicado por “evangélicos desconfiados” após anos “apanhando” da rede.
A relação entre emissora e igrejas, de fato, já viu dias piores. Como em 95, quando Edson Celulari viveu um pastor pilantra na série “Decadência”. Hoje, a Globo é acusada de querer entrar num jogo cujas regras desconhece.
Para o próprio Malafaia, a rede “tem doutorado em tecnologia, mas em mundo evangélico é analfabeta”.
Reportagens da Globonews sobre o festival, por exemplo, usaram termos como “fãs” e “ídolos” –o que ofendeu alguns fiéis, pois sua crença rejeita a idolatria.
BRIGA DE PASTORES
A mudança da Globo acontece enquanto os principais líderes neopentecostais –Edir Macedo, da Igreja Universal, Valdemiro Santiago, da Mundial do Poder de Deus, R.R. Soares, da Internacional da Graça de Deus, e Malafaia– deflagram briga pública.
“A aproximação da Globo se dá principalmente com os adversários de Edir Macedo”, diz o pesquisador Ricardo Mariano, da PUC-RS.
O maior ataque veio em novembro, quando o “Domingo Espetacular”, da Record, controlada por Macedo, exibiu vídeo crítico à prática de “cair no espírito” –em que o fiel sofre uma espécie de “desmaio”. Em setembro, Macedo já havia criticado os que fazem a cerimônia, como Ana Paula Valadão, da banda Diante do Trono, um dos nomes do Promessas. Na mesma declaração, criticou “99% dos cantores gospel”.
Em nota, a Universal afirmou considerar excelente a aproximação de outros canais com os evangélicos.

VIA GRITOS DE ALERTA
Fonte: Folha On Line

Festival Promessas: Presente da Globo ou Fraqueza do Gospel?


Após exercer sua pedagogia entorpecente de viciar as irmãzinhas em suas novelas, cauterizar os “irmãos crentassos” no futebol do domingo a tarde e de uma forma geral, apreender a atenção do “rebanho gospel” nas noitadas dos Big-Brother’s, a Rede Globo presenteia a massa evangélica com uma programação específica – “O Festival Promessas”. Ufa… Que bom! Agora a boiada crente não precisará se desviar para as programações seculares da Globo, muito pelo contrário, abandonará os programas perniciosos para tão somente se voltar aos louvores cantados pelos representantes do “Gospel” nacional. – Será?!
Para uma grande maioria de cristãos, a presença dos “astros” do gospel na telinha global significou uma vitória e um marco na história da música evangélica. – Eu não acho nada disso!! Não pelo fato de se estar nela, mas pela forma e circunstâncias de como isso está ocorrendo. Se antes de serem globais, o “brilho” desses astros já extrapolaram o exclusivismo, estrelismo, e valor de mercado, imaginem agora o quanto o passe desses abençoados serão valorizados? Fico pensando… quanto custará um show do “Davi Sacer global” após o Troféu Promessas? Ou, o quanto custará uma ministração da “Ana Paula Valadão global”?
O que trago abaixo são algumas considerações vistas a partir do meu lugar social:
- A Globo não está interessadas em divulgar o Evangelho de Cristo – seu núcleo é abalizado numa crença mística entre espiritismo e ocultismo.
- Após perceber o crescimento substancial dos fiéis da IURD, os quais (in)diretamente contribuem para enriquecimento da emissora, logo cuidou de entrar nesse campo de disputa onde o fator religioso passa a ser determinante para exercer o domínio sobre as massas.
- Ao perceber que a população evangélica já chega aos 15% do total no Brasil, tornou-se sensato montar uma estrutura de consumo (programações, produtos, CDs, livros, shows, etc.) para esse percentual. – Quem duvida que num futuro próximo não exista um Big-brother só para crentes? (#PREMUNIÇÃO)
- A marca “Gospel” tem se mostrado bastante rentável. Isso fez com que a Som Livre, rapidamente fechasse contrato com algumas estrelas do segmento. Nesse pano de fundo, também se comporta a disputa de gravadoras da Record x Globo.
- Essa situação gera desconforto no sentido de que a Globo, uma vez que conectada a Som Livre, formatará metas de venda e valorização dos seus produtos, agenciando sempre que lhe interessar, a utilização dos seus parceiros de contrato em aparições em programações diversas, manipulando-os e usufruindo-se do relativismo religioso que tanto se adequa a diversidade religiosa das massas.
- Já os queridos astros, na desculpa de que estão levando a Palavra a Nação, correrão sérios riscos como: apresentar um Evangelho distorcido, adaptado, relativo (a exemplo do que ocorreu com Ludmila Ferber no Faustão), cair na tentação de propostas comprometedoras, passar por vexames , situações indesejadas, ou tornarem-se até mesmo paparazzos de Gezui$ (…) e por aí vai um tanto de possibilidades.
- Como a Globo se interessa somente por uma música comercial estandardizada – basta notar os comerciais do vários artistas do sertanejo universitário (mais do mesmo) – cuja estrutura decorre de uma padronização, e ao mesmo tempo possuindo detalhes que as diferenciem uma das outras, como um ritmo ou uma letra, percebeu no gospel comercial essa capacidade de produção-consumo padronizado e pretende levar a sério esse mercado.
- Canções do gospel são facilmente identificáveis pelo ouvinte, não requerendo esforço ou atenção concentrada no seu processo de escuta, excluído o esforço. Isto é, que através do método da repetição, alojam no público as frases e refrões de efeito, e num segundo momento, celebram o sucesso e legitimação dos seus hits a exemplo do “entra na minha casa…”.
- Os talentos “globais do gospel” se inserem nessa lógica de estandardização, e neste caso, a fórmula atual é cantar sobre milagres e promessas, para isso já há o chavão comercial que reforça as estratégias de mercado: “Você adora, a Som Livre toca”. Fico pensando: quem está se aproveitando de quem? – Não dá pra ser tão nonsense acreditando que a Globo foi tão comovida pelos mantras!
- Por último, em meio a toda essa engrenagem que envolve mídia, gravadoras, audiência e lucro, existe o desejo ínfimo destes artistas globais de (…) glorificarem a Deus.
Pra encerrar, quero deixar meus pêsames aos queridos irmãos e grupos: Stênio Marcius, Jorge Camargo, Tiago Vianna, João Alexandre, Crombie, Josué Rodrigues, Nelson Bomilcar, Baixo e Voz, VPC, Grupos Logos, Carlinhos Veiga, Gladir Cabral, Gerson Borges, Carol Gualberto… – Galera, não deu pra vocês dessa vez! Aliás, quem são vocês mesmo?
***
INF. Antognoni Misael
é músico cristão, pós-graduando em história da música brasileira
e colaborador no Púlpito Cristão

VIA GRITOS DE ALERTA

Pastor diz que igreja está aberta para Naldo, se ele quiser

Jaime Soares, pastor da Assembleia de Deus de Bonsucesso, igreja da Zona Norte do Rio que era frequentada por Naldo Benny desde antes da...