sexta-feira, 7 de abril de 2017

Confirmada a primeira morte de humano por febre amarela em Amparo

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou um comunicado oficial, onde confirma a primeira morte de humano por febre amarela em Amparo. Segundo informações não oficiais, a vítima seria um homem  de 69 anos.
Leia na íntegra o comunicado da secretaria:

Informe Técnico N° 03/2017 – Febre Amarela
            Pelo presente a Secretaria Municipal de Saúde informa que já foram realizadas aproximadamente 24 mil doses de vacina de febre amarela, lembrando que a vacinação começou em 1° de abril de 2017 e que a vacinação demora sete dias para imunizar o indivíduo, estamos nos aproximando de um maior número de cidadãos protegidos. Nossa meta é vacinar 100% da população de Amparo e portanto ressaltamos que a vacina está disponível em todas as Unidades de Saúde da Família, de segunda a sexta-feira.
Para ampliar ainda mais o acesso à vacina, realizaremos neste sábado, dia 08 de abril, o dia “D” de vacinação contra Febre Amarela, em todas as Unidades de Saúde da Família, das 8h às 17h.
É de extrema importância que todas as pessoas sejam vacinadas, pois nosso município passou a ser considerada área afetada por febre amarela devido à morte de 06 primatas não humanos.
Lamentavelmente, o Instituto Adolpho Lutz confirmou um óbito em humano por Febre Amarela no município de Amparo.
A vacina está disponível para toda a população de Amparo e o critério de vacinação que a Secretaria de Saúde passou a utilizar está de acordo com o divulgado pelo Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde (OMS): adultos que já possuem 1 dose da vacina registrada em carteira de vacinação é considerado imune para toda a vida e portanto, não necessita de dose de reforço.

Amparo, 07 de abril de 2017.
Secretaria Municipal de Saúde

PROMO FACE - SEU CANAL DE PROMOÇÕES NO FACEBOOK



SEU CANAL DE PROMOÇÃO NA INTERNET 

Bancada evangélica celebra retirada de 'identidade de gênero' e 'orientação sexual' de base curricular



Horas antes de o MEC (Ministério da Educação) divulgar documento que subtrai as expressões "identidade de gênero" e "orientação sexual" da base nacional curricular, o presidente Michel Temer recebeu deputados da Frente Parlamentar Evangélica no Palácio do Planalto.

O grupo tinha uma meta: convencer Temer de quão "absurda" era "a pedagogia que busca impor uma teoria com base sociológica que desconsidera a realidade biológica das crianças e adolescentes".

É o que diz ofício entregue ao presidente no dia, assinado pelos presidentes das frentes evangélica e da família, os pastores Hidezaku Takayama (PSC-PR) e Alan Rick (PRB-AC), mais o vice-presidente da bancada católica, deputado Flavinho (PSB-SP).

Eles também enviaram documentos se manifestando contra o aborto, a legalização das drogas e a uma resolução que combate a discriminação contra a comunidade LGBTQ, obrigando escolas a deixar "que a pessoa use o banheiro que desejar", como a transexual que vai ao toalete feminino ("isso é um atentado violento ao pudor e a moral, no qual teremos homens e mulheres dividindo espaços íntimos e que deveriam ser protegidos daqueles que não compartilham da mesma anatomia"). 

O MEC alterou sem alarde o texto da nova versão do documento que define o que os alunos devem aprender da creche ao ensino médio, uma bússola para redes e escolas produzirem seus currículos. A pasta retirou a referência inicial à necessidade de respeito a "identidade de gênero" e "orientação sexual", que apareciam em versão prévia do projeto apresentada a jornalistas na terça (4).

Em nota, o MEC afirmou que o texto "passou por ajustes finais de editoração/redação que identificaram redundâncias". Segundo a pasta, o texto encaminhado a membros do Conselho Nacional de Educação na quarta-feira (5) já contém os ajustes.

Quatro deputados presentes na excursão evangélica ao Planalto contaram que Temer disse concordar com suas posições avessas ao tema e também ao aborto e à legalização das drogas. O presidente também ressaltou, segundo eles, que aquelas eram posições pessoais, não a voz do Executivo, até porque os outros dois Poderes (Legislativo e Judiciário) precisam manter sua independência. 

Deputados da frente tiveram ao menos dois encontros prévios para discutir o assunto com o ministro da Educação, Mendonça Filho. A agenda não teria sido divulgada para "não criar alarde", diz um deles, que pediu anonimato. O ministro teria mostrado "sensibilidade" à demanda dos religiosos.

Ligado à Igreja Batista acriana, Alan Rick diz se sentir vitorioso com o "apagão" ideológico. "Defendo os princípios que a sociedade me cobra. Os pais não querem ver seus filhos doutrinados. Falam pra mim: 'Deputado, meu filho vai à escola para aprender matemática, português, não para ser ensinado que ele pode ter vários gêneros'. Falam que existe mais de cem gêneros. Isso é uma loucura!"

O pastor Marco Feliciano (PSC-SP) afirma que, agora, "os pais poderão descansar, pois o Estado não vai interferir na educação de seus filhos". 

As mudanças

A primeira mudança aparece em um capítulo que fala sobre a importância da base para que o país tenha "equidade" e "igualdade" no ensino.

Dizia o trecho do documento inicial, na página 11: "A equidade requer que a instituição escolar seja deliberadamente aberta à pluralidade e à diversidade, e que a experiência escolar seja acessível, eficaz e agradável para todos, sem exceção, independentemente de aparência, etnia, religião, sexo, identidade de gênero, orientação sexual ou quaisquer outros atributos, garantindo que todos possam aprender."

Já na versão atual, disponível no site da base curricular, a frase foi modificada para "a equidade requer que a instituição escolar seja deliberadamente aberta à pluralidade e à diversidade, e que a experiência escolar seja acessível, eficaz e agradável para todos, sem exceção, independentemente de aparência, etnia, religião, sexo ou quaisquer outros atributos, garantindo que todos possam aprender." 

Em outra passagem, a mudança ocorre quando há referência às dez competências gerais que devem ser desenvolvidas durante o aprendizado no ensino fundamental.

A nona, até terça-feira, era: "Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de origem, etnia, gênero, orientação sexual, idade, habilidade/necessidade, convicção religiosa ou de qualquer outra natureza, reconhecendo-se como parte de uma coletividade com a qual deve se comprometer".

A referência à "orientação sexual", porém, já não consta no novo documento disponível no site da base nacional curricular.

Outra passagem alterada ocorre na unidade temática "Vida e evolução", especificamente no eixo "Vida e sexualidade", previsto para o ensino de ciências do 8º ano do ensino fundamental.

Até então, o documento da base distribuído aos jornalistas trazia entre as "habilidades" a serem desenvolvidas nos alunos a capacidade de "(EF08CI11) Selecionar argumentos que evidenciem as múltiplas dimensões da sexualidade humana (biológica, sociocultural, afetiva e ética) e a necessidade de respeitar, valorizar e acolher a diversidade de indivíduos, sem preconceitos baseados nas diferenças de sexo, de identidade de gênero e de orientação sexual".

Já o novo trecho indica que o aprendizado nesta etapa deverá "selecionar argumentos que evidenciem as múltiplas dimensões da sexualidade humana (biológica, sociocultural, afetiva e ética) e a necessidade de respeitar, valorizar e acolher a diversidade de indivíduos, sem preconceitos baseados nas diferenças de gênero". 

Como é composta a base

...4 áreas do conhecimento:

> Matemática
> Ciências da natureza: ciências
> Linguagens: língua portuguesa, arte, educação física e língua inglesa
> Ciências humanas: geografia e história

...e as principais mudanças ocorreram em:

Alfabetização
Como é: Plano Nacional da Educação prevê aluno alfabetizado até o 3º ano
Como fica: Alfabetização será antecipada para o 2º ano, aos 7 anos de idade

Ensino religioso
Como é: Constituição de 1988 define que o tema é facultativo nas escolas
Como fica: Foi retirado do texto; caberá aos Estados, municípios e escolas privadas decidir

Estatística e probabilidade
Como é: Não apareciam nos documentos prévios da base
Como fica: Serão ensinadas a partir do 1º ano do fundamental

Fonte: Folha de São Paulo

Pastor é preso em Santa Catarina acusado de abuso sexual contra adolescente

Um pastor evangélico de 47 anos foi preso na noite de quinta-feira em Campos Novos, região central de Santa Catarina, acusado de abusar sexualmente de uma menina de 12 anos que frequentava a igreja na qual ele era o líder religioso. De acordo com as investigações da Polícia Civil, o pastor, da Igreja Mundial do Novo Nascimento em Cristo, convenceu a adolescente de que ela estava enfeitiçada e precisava se relacionar sexualmente com alguém como ele para, só assim, se livrar do feitiço.

Imagem redimensionadaFoi a mãe da jovem quem procurou o delegado Luis Eduardo Machado Córdova, no final do mês de fevereiro, relatando o crime. De acordo com a menina, o pastor inicialmente disse que em breve Deus lhe daria uma missão. Dias depois, ela recebeu mensagem em seu celular anunciando um feitiço em sua vida, que só seria quebrado depois que ela tivesse relações sexuais por sete vezes com um homem casado e de muita fé.

A jovem procurou o pastor, que cometeu o abuso sexual, ainda de acordo com o depoimento prestado pela adolescente. Depois, o líder religioso cobrou que a menina não contasse sobre aquilo para ninguém, sob o risco de o feitiço acabar causando a morte dela. O caso ocorreu entre junho e agosto de 2016, mas só em fevereiro deste ano a vítima revelou o crime à família.

Foi a mãe dessa adolescente que levou a polícia civil a outra possível vítima do pastor, que tinha característica semelhantes: uma jovem de 15 anos, que recebeu mensagens similares no mês passado. Ela e outra menina de 16 anos, porém, não chegaram a sofrer abusos pelo pastor e procuraram as autoridades de forma espontânea, de acordo com os investigadores.

Enquanto a Polícia Civil investigava o caso, o pastor habilitou um número de telefone em nome de uma fiel e mandou mensagens as duas adolescentes, fazendo-se passar por um rapaz que havia estudado com elas. Novamente o feitiço: o pai do suposto rapaz seria feiticeiro e destruiria a vida delas se elas não tivessem relações sexuais com um "grande homem de Deus, abençoado e casado".

A Polícia teve acesso às mensagens trocadas entre elas e o pastor, que afirmava que o ato sexual seria a única forma de "vencer o mal". Ainda segundo os investigadores, o pastor chegou a dizer que aquela era uma ordem de Deus e ele não tinha escolha, deveria cumpri-la. Antes que ele cometesse o abuso sexual, porém, as jovens procuraram a Polícia.

Detido preventivamente na noite de quinta-feira, o pastor, que é casado e tem filhos, vai continuar na unidade prisional da cidade. De acordo com o delegado Córdova, ele negou as acusações. O UOL tentou entrar em contato com a igreja do pastor, mas não conseguiu contato. Da mesma forma, o advogado de defesa do pastor não foi encontrado pela reportagem para comentar o caso.

Fonte: UOL

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...