domingo, 25 de maio de 2014

Testemunho: vocalista de heavy metal conta como saiu de um pacto satânico e se converteu a Cristo

Testemunho: vocalista de heavy metal conta como saiu de um pacto satânico e se converteu a Cristo
Kirk Martin era vocalista de uma banda de heavy metal norte americana que havia feito um pacto com o diabo para conquistar a fama. Porém, Martin relata que horas antes de assinar um grande contrato com uma gravadora, que ele afirma ser fruto de seu pacto, teve um encontro impactante, que o levou a entregar sua vida a Deus.
Segundo o Aleteia, o nome de sua banda era Power of Pride (O poder do orgulho), e ele conta que participou de inúmeros concertos, nos quais projetava uma imagem selvagem nos palcos. Sua postura nos palcos, segundo ele conta, era reflexo do ódio e das crenças que habitavam seu espírito.
- Toda a minha intenção era dizer às pessoas que elas precisavam acreditar em si mesmas, seguir suas próprias visões, seus sonhos, ainda que fosse preciso pisotear quem se interpusesse em seu caminho – conta.
- Eu estava tão cheio de ódio, que projetava esse ódio nas pessoas. (…) Dois dos membros da banda acabaram se cansando de mim, não me aguentavam mais e, de fato, decidiram abandonar a banda – completa Kirk Martin.
Entre as motivações para seu ódio ele conta que estava o abuso que sofreu na infância, quando outras crianças abusaram sexualmente dele, quando tinha apenas oito anos de idade. Em decorrência desse abuso, ele conta que passou a alimentar um ódio interno, e também um desejo de abusar sexualmente das mulheres com as quais se relacionava.
Para alcançar seus desejos de fama e a satisfação de seus desejos carnais, ele conta que se sujeitou a um pacto demoníaco, e prometeu devotar sua vida a satanás se ele atendesse aos seus anseios.
- Cravei minhas garras no chão, arranhei a terra e disse a satanás: ‘Se você me der o que eu quero, se você fizer de mim um Deus, se me der mulheres, drogas, fama e o poder de pisotear as pessoas, eu te servirei até o fim dos tempos’ – relata, afirmando que poucos dias após fazer esse pacto foi chamado por uma operadora, que ofereceu a ele um gordo contrato para gravação de um CD.
Mas Kirk recorda que sua vida começou a ser verdadeiramente transformada poucas horas antes do momento de assinar o contrato com a gravadora. Sentado em uma cafeteria, ele foi confrontado por um estranho, que falou inexplicavelmente sobre seus traumas de infância e afirmou que Jesus estava esperando por ele.
- Um cara entrou e se sentou justamente ao meu lado, mesmo havendo muitas mesas livres. Imediatamente, eu olhei para ele com esta horrível e mesquinha expressão do meu rosto – relata.
- “Olhei para ele e lhe disse: ‘Que foi, cara?’. Ele olhou para o seu café, depois olhou para mim e me respondeu: ‘O que foi, amigo?’. Eu pulei na mesa, encostei meu rosto no dele, olhei bem para ele e o xinguei de todas as formas mais imundas que me vieram à mente. Ele então me disse: ‘Deus me mandou aqui para lhe dizer que Ele ama você e quer que você saiba que Ele não foi o responsável pelos jovens que abusaram de você quando você era criança’. O mais alucinante de tudo isso foi que ele até citou os nomes dos garotos e me disse: ‘Jesus está esperando por você, está esperando que você volte para casa’ – completou Martin.
O homem foi embora e, quando Kirk tentou encontra-lo para o confrontar, ele já havia desaparecido. Ele relata que então teve uma experiência de conversão quando estava, naquela mesma noite, dormindo no ônibus da banda.
- De repente, apareceu uma grande estrela, como se caísse do céu, e o espírito do próprio Deus agiu naquele ônibus. Eu não sabia por que odiava tanto Deus. Mas tudo, simplesmente tudo desapareceu, sumiu, e a única coisa que eu sentia era amor. Eu me senti aceito, senti como se fosse aquele menino novamente, antes de abusarem de mim. Então, eu disse: ‘Jesus, vem aqui e destrói tudo, porque eu não quero mais ser isso’. Agora, eu percebo que, diante da presença de Deus, o pecado, o ódio, a fealdade não podem existir, não há lugar para isso; então, precisam sair. E todas essas coisas começaram a abandonar o meu coração – conta Kirk, afirmando que naquele momento se entregou completamente a Deus e voltou a dormir.
Ao acordar no dia seguinte, ele conta que estava completamente transformado, e que nada mais importava a ele além de Deus, nem mesmo aquele contrato pelo qual havia feito um pacto para entregar sua alma.
Então, ele procurou uma igreja em sua cidade, onde começou a viver comunitariamente o cristianismo. Ele procurou também aqueles garotos que o haviam abusado na infância e, pelo perdão e reconciliação, encerrou aquele amargo capítulo de sua história.
Com a vida completamente transformada, Kirk Martin construiu uma família e agora usa seu talento musical compondo e interpretando músicas de adoração a Deus. Ao lado de sua família, ele afora viaja pelos Estados unidos compartilhando o milagre que transformou sua vida.
- Minha esposa é simplesmente um tesouro, e minha família é o mais testemunho da piedade e da graça de Deus. Eu, que era viciado em drogas, sexo, violência, ódio, e usava a música como uma ferramenta para destruir as pessoas, fui acolhido e curado por Deus. Tudo isso para a sua glória – resume Martin, ao falar de sua nova vida.

G+

Pastor Silas Malafaia fala da cassação do título de pastor de Marco Feliciano: “Não posso acreditar que pastores vão fazer o jogo do ativismo gay”

Pastor Silas Malafaia fala da cassação do título de pastor de Marco Feliciano: “Não posso acreditar que pastores vão fazer o jogo do ativismo gay”
Em seu programa Vitória em Cristo, exibido nesse sábado (24), o pastor Silas Malafaia criticou a reação da igreja Assembleia de Deus diante da entrevista do deputado e pastor Marco Feliciano à revista Playboy. O pastor corre o risco de ter seu registro de pastor cassado, por ter sido entrevistado pela revista masculina.
- O pastor Marco Feliciano deu uma entrevista na Playboy e estão querendo cortar a cabeça do camarada na Assembleia de Deus. Deixa eu fala uma coisa aqui: Em primeiro lugar, se me convidassem para dar uma entrevista na Playboy eu daria. Eu só não vou no inferno porque não tem salvação pro capeta. Quero deixar isso aqui bem claro – afirmou Malafaia, criticando a postura da denominação.
- É molinho criticar quem está com a cara na vidraça. (…) Ele foi infeliz em algumas declarações, é verdade. Então vamos acabar com o rapaz, vamos matar o cara, porque ele foi infeliz em alguma declaração – ironizou o pastor, sobre a possível cassação do título de pastor de Feliciano por causa de suas falas na revista masculina.
Malafaia ressaltou ainda que tem várias divergências com Feliciano, o que ele já falou publicamente, mas que não é incoerente e sua consciência não permite que ele fique calado diante desse acontecimento.
- Eu sei que a convenção fraternal das Assembleias de Deus de São Paulo é formada por gente muito inteligente, é uma convenção de gente muito preparada – afirmou Malafaia.
- Vocês não vão fazer o jogo do ativismo gay. Quem está interessado em ferrar Marcos (sic) Feliciano, é o ativismo gay. Só interessa a eles detonar o cara – questionou o pastor, direcionando sua fala à convenção da denominação.
Malafaia afirmou ainda que não iria se calar diante desse fato, porque “Deus não o chamou para a covardia” e nem para se omitir quando estivessem “arrebentando” com alguém de quem ele não gosta muito.
- Eu estou aqui dizendo, que não posso acreditar que pastores vão fazer o jogo do ativismo gay. E é molinho criticar, eu sei. Meu irmão, já botaram cada casca de banana para mim em entrevistas, algumas vocês viram – criticou Malafaia, afirmando que “é fácil meter o pau porque o cara deu uma escorregada ou falou uma bobagem”.
- Eu tenho visto como a igreja evangélica, e a culpa é da liderança, pensa que ser crente é dentro da igreja – criticou o pastor, afirmando que “na igreja você edifica a fé e no mundo você manifesta a fé”.
Malafaia afirmou ainda que o cristão deve estar em todo lugar, e mesmo que for “programa de safadeza ou programa de bandido”, ele vai até lá. Ele justifica afirmando que “temos que brilhar lá onde estão as trevas” e que não podemos matar alguém porque cometeu um deslize e não foi bem em uma entrevista.

G+

Intolerância e perseguição religiosa contra cristãos cresce na Europa, dizem pesquisadores

Intolerância e perseguição religiosa contra cristãos cresce na Europa, dizem pesquisadores
O relatório de uma pesquisa realizada em 2011 sobre perseguições sofridas por cristãos na Europa mostrou que tais incidentes estão crescendo no Velho Continente.
O Observatório sobre a Intolerância Religiosa e Discriminação na Europa (ODSMA) afirmou que na Inglaterra, 74% da população entende que os cristãos são tratados com injustiça com mais frequência do que os adeptos de outras religiões. Na Escócia 95% dos atos sectários são praticados contra cristãos, enquanto apenas 2,3% são contra judeus e 2,1% contra muçulmanos.
Na França, os dados do Observatório apontam que as agressões a locais de cultos cristãos cresceram 84%. As manifestações hostis geralmente são feitas com palavrões à porta dos templos.
O porta-voz da entidade ressaltou que em todo o mundo, mais de 100 mil cristãos são mortos anualmente por conta de perseguição religiosa. No século XX, a soma de mártires chegou a 45 milhões.
A intolerância acontece por diversos fatos, e o impacto dessas agressões atinge a liberdade religiosa, de expressão e de consciência, assim como gera discriminação política, exclusão dos cristãos na política e sociedade, afronta aos símbolos religiosos, e insultos, difamação, incidentes de ódio, vandalismo e profanação.
Na Alemanha vem sendo registrada forte oposição à liberdade de associações religiosas para realizar campanhas contra o aborto. Na cidade de Jersey, Inglaterra, os Correios se recusaram a entregar um pacote com um CD com a mensagem do Evangelho de Marcos.
Em diversos países vem sendo registrados casos de ameaças de patrões a empregados que fazem objeções de consciência sobre o aborto e a eutanásia. O caso mais chamativo é o do governo holandês, que tem ameaçado exonerar servidores públicos que, por razões de consciência, se opõem à celebração de parcerias civis gays ou lésbicas.
Por fim, segundo o Protestante Digital, inúmeros casos de “vandalismo e profanação igrejas e objetos sagrados” vem sendo registrados em países como Áustria, Alemanha, Espanha e França.

G+