terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Presidente interino da Ucrânia é pastor evangélico

Enquanto a Ucrânia ainda lamenta seus mortos, o pastor Olexandre Turchinov, foi eleito ontem (23) “presidente interino”. Com a fuga e prisão do ex-presidente Viktor Ianukovitch, Turchinov passou a governar o país, mas já avisa que não pretende se candidatar às eleições presidenciais marcadas para 25 de maio.
Presidente interino da Ucrânia é pastor evangélicoAos 49 anos, ele tem a árdua missão de restaurar uma nação tomada pela violência nos últimos meses. Somente na semana passada, os confrontos deixaram 82 mortos no país, 10 deles das forças de segurança. Além disso, procura aproximar a Ucrânia da União Europeia e afastá-la do domínio russo, principal motivador da crise instalada no país.
Desde o final da década de 1990 ele ocupou diversos cargos políticos. Ex-operário em uma fábrica de aço, Turchinov estudou engenharia e possui pós-graduação em Engenharia Metalúrgica. Paralelo a sua atuação política, ele é um pastor batista ordenado, parte de uma minoria num país onde a maioria da população pertence à Igreja Ortodoxa.
Em 1993, atuou como conselheiro econômico do presidente Leonid Kuchma. No ano seguinte, ajudou a criar o partido Gromada. Mas os escândalos dentro do partido, incluindo denúncias de lavagem de dinheiro o levaram a sair anos depois para criar um novo partido de oposição, o Batkivchtchina (Pátria).
Eleito deputado em 1998, trabalhou muito próximo de Iulia Timochenko, principal figura do partido. Em 2004, ela tornou-se primeira-ministra de um governo pró-ocidental, liderado pelo então presidente Viktor Yushchenko. Nessa época, o pastor Turchinov foi chefe dos serviços secretos ucranianos e entre 2007 e 2010, e posteriormente vice-primeiro-ministro no Governo de Timochenko.
Desde 2011 é um dos principais líderes do seu partido, tendo participado ativamente nas manifestações que tomaram a Ucrânia nos últimos três meses. Em meio aos protestos o país pôde testemunhar uma união de ortodoxos, católicos e evangélicos se unindo em diferentes correntes de oração pela paz no país. Esse foi um fato inédito na história da Ucrânia. A União de Igrejas Evangélicas da Ucrânia emitiu um comunicado onde pede o fim da violência “Sem arrependimento, graça, perdão e reconciliação, o país continuará dividido e em conflito. Esta é a pré-condição para uma profunda transformação espiritual da Ucrânia… Apelamos às igrejas evangélicas da Ucrânia que sirvam para trazer a paz entre as pessoas e curar as feridas da guerra”.
Com informações WNYT e JN.

Cresce o número de muçulmanos no Brasil

Cresce o número de muçulmanos no BrasilCresce o número de muçulmanos no Brasil
Uma reportagem da revista “Isto É” mostra o crescimento do islamismo no Brasil. Enquanto dados oficiais mostram 35.167 muçulmanos, líderes, instituições islâmicas e estudiosos da religião falam em 1,5 milhão de fiéis.
O crescimento é visto também na quantidade de sheiks que falam português. Em 2004 eram 5, hoje são 15. O número de sheiks nascidos no Brasil também aumentou, de 3 para 7 nos últimos dez anos.
Crescendo o número de fiéis e de líderes, o aumento de mesquitas se torna necessário, hoje são 115 delas espalhadas pelo Brasil, em 2005 eram 70.
A professora de antropologia do departamento de psicologia social da Universidade de São Paulo (USP), Francirosy Ferreira, acredita que o aumento se dá pela divulgação da religião em língua portuguesa. “Há mais líderes falando e ensinando o islã em português. Isso ajuda no entendimento e divulgação da religião”, disse ela.
A língua tem sido o fator principal para a reversão de brasileiros sem origem muçulmana. No islã todos nascem muçulmanos por isso quando se falam de novos adeptos eles não usam a palavra “conversão”, mas sim “reversão”.
Na mesquita em São Bernardo do Campo (SP), onde está uma das maiores comunidades islâmicas do país, o sheik Jihad, 48 anos, fala português fluentemente.
Antigamente, explica ele, os líderes religiosos não eram encorajados a se dedicarem ao idioma, pois o desejo era retornar para sua terra natal. Mas hoje esse pensamento tem mudado e eles já pensam em se estabelecer por aqui.
Além da língua, a facilidade para se tornar um muçulmano também tem colaborado para o crescimento deles no Brasil. A reversão acontece quando a pessoa diz por três vezes a frase “Não há Deus senão Deus e o Profeta Muhammad é seu mensageiro” diante de um interlocutor.
Resumidamente, depois dessa etapa de confissão a pessoa passa a praticar as cinco orações diárias, fazer caridade aos mais necessitados, participar do jejum durante o mês do Ramadã e se tiver condições financeiras, faz a peregrinação à cidade saudita de Meca.
Esse procedimento é tão simples que o sheik Jihad afirma que há muitos que se convertem pelo telefone e até mesmo pelo WhatsApp.


GP