segunda-feira, 25 de julho de 2011

HOJE A PARTIR DAS 22 HORAS - PREGAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS E A ORAÇÃO DE PODER - www.gritosdealerta.com

Participe e divulgue tambem.

Você levita do Senhor , mande os louvores por email , para tocarmos aqui na Gritos de Alerta .

www.gritosdealerta.com
ubpes@yahoo.com.br

Bispo Roberto Torrecilhas

Programa “A Fazenda 4″ tem participante evangélico que fala palavrão

Programa “A Fazenda 4″ tem participante evangélico que fala palavrão
Os reality Shows da TV brasileira que normalmente não recebe audiência de telespectadores evangélicos, por muitas vezes possuir fortes cenas imorais, agora traz participante evangélico.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Em entrevista a Fuxico, Leticia de Oliveira esposa do participante da Fazenda 4 da Record, o cantor Marlon, disse que o marido agora é evangélico.
Marlon Fabrício de Oliveira, 33 anos, é um cantor sertanejo que compõe a dupla Marlon e Maicon, ele é um dos 14 participantes do reality show A Fazenda 4, que estreou nessa última terça feira.
Sua esposa Letícia Oliveira disse que não sente ciúme do marido, pelo fato dele ter se tornado evangélico.
“Eu não tenho ciúme dele nem aqui fora. Ele é lindo e nunca me traiu após ter se convertido”.
Marlon que está no terceiro casamento, disse a participante Renata Banhara, durante o programa exibido quarta feira (dia 20), que já traiu sua esposa com uma fã, a mais de um ano atrás, e que sua esposa sabia disso.
Mesmo assim sua esposa Letícia Oliveira confia em Marlon pois ele mudou muito depois de sua conversão.
“Tenho confiança pelo que ele me mostrou depois desta mudança e por tudo o que ele me passa aqui fora”.
Segundo Letícia a participação de Marlon no programa é por motivos financeiros, e não por fama, pois o cantor já tem uma carreira consolidada de mais de 10 anos, já ganhou até o premio Grammy latino de melhor álbum de música sertaneja.
“O Marlon entrou por causa do prêmio, porque fama ele já tem… A gente precisa do dinheiro”.
Para finalizar Letícia fez questão de enfatizar que não está preocupada com o comportamento do cantor dentro da Fazenda 4, pois sabe quem ele é e confia nele.
Apesar de poucos programas apresentados, pois A Fazenda 4 só esta começando, se Marlon for mesmo evangélico como diz sua esposa, mesmo o cantor fazendo oração no Realyt Show seu testemunho ainda deixa a desejar pois Marlon fala palavrão entre outras coisas a mais.

Cristãos mortos - "Que estas imagens nos tirem do marasmo..."

 



Lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro!


Os líderes muçulmanos não condenam esta violência tremenda... O Ocidente ateu e apóstata se cala e vira as costas...
Até o final dos tempos a Igreja de Cristo estará em agonia... Mas, é uma vergonha que os cristãos do Ocidente também se calem e não gritem com todas as forças. O cristianismo é a religião mais perseguida e aviltada dos nossos dias... É de moda agredir, perseguir e caluniar os cristãos...


Que estas imagens tão tristes e comoventes nos tirem do marasmo e nos faça dignos da fé desses mártires de Cristo!
Que eles intercedam por nós junto a Deus, pois derramaram seu sangue por Jesus e alvejaram suas vestes no sangue do Cordeiro!
 
No Brasil essa perseguição já começou .
Na região da triplice fronteira  , dentro do Brasil já tem .
veja essa materia a seguir .
 
A tríplice fronteira (Argentina, Paraguai e Brasil) é conhecida área de crescimento muçulmano no país. Trata-se de uma comunidade com centenas de milhares de pessoas e se espalha pelas cidades dos três paises, com ênfase em Foz do Iguaçu, onde há diversas mesquitas e as mulheres com véus na rua são coisa mais do que corriqueira.
Já durante a crise do atentado de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos alertaram que a comunidade, em função da posição estratégica abrigava grupos terroristas e células a Al Qaeda.
Muito pouco assimilados, os muçulmanos mantém hábitos de vestimenta, constroem muitos edifícios de reunião, escolas e é alto o transito de estrangeiros.
Os cristãos deveriam olhar esta expansão com apreensão.
Hoje recebi uma denúncia grave de que cristãos já estão sendo alvo de perseguição em pleno território nacional. Acompanhe a matéria publicada por André Herdy em Mantenedor da Fé:
Estamos repassando o e-mail da nossa irmã em Cristo Nilva Ramos que é de Niterói-RJ com relação ao sobrinho dela Pr. Flávio Ramos que é pastor entre os muçulmanos de Foz do Iguaçu no Estado do Paraná.
Sim irmãos, esta perseguição religiosa está ocorrendo aqui no sul do Brasil! Não é lá do outro lado do mundo!
O quanto o islamismo avança sobre o mundo, maior é a perseguição religiosa! Leiam o e-mail repassado na íntegra e orem pelos pedidos listados ao final!
Subject: FW: UM PEDIDO:
Olá amigos e irmãos em Cristo,bom dia.Por favor,peço-lhes, que orem por este pedido:Leiam abaixo.
O Flávio, é meu sobrinho, e é pastor em Foz do Iguaçu-PR e foi através da atuação do Espírito Santo numa pregação dele, que o Abdalla se converteu.
Desde já agradeço-lhes.Deus abençõe a todos.
Bjss, Nilva

Quero pedir ao povo de Deus que nos ajude em oração diante da perseguição que estamos sofrendo nesse momento.
O irmão Abdallah (ex-muçulmano xiita) convertido há dois anos vem sofrendo ataques por professar sua fé em Jesus. No ano passado ele recebeu uma carta de ameaças escrita em árabe de um grupo terrorista islâmico que atua aqui na região (Foz do Iguaçu (PR) e no Paraguai). Foram ameaças de morte se permanecesse seguindo a Bíblia e adorando a Jesus. Em seguida, (duas semanas depois) ele foi agredido na rua por três homens dizendo em árabe que ele deveria parar de pregar o evangelho e voltar ao islã.
Nosso irmão Abdallah retornou ao seminário (ela está se preparando para servir ao Senhor como missionário entre seu povo) cheio de hematomas e com muitas dores no corpo por causa das agressões.
Na semana passada ele recebeu um telefonem dizendo que agora além dele, o pastor Flávio (eu) também estava na lista. No fim de semana recebi em meu celular três ligações com ameaças desse grupo. No mesmo dia eles enviaram uma carta em árabe para o Abdallah dizendo que ele poderia se considerar morto e também fizeram ligações com ameaças. O numero que me ligou é o mesmo de que o Abdallah recebeu as ligações.
No domingo passado  um carro sem placa e com vidro todo preto, tentou atropelar o Abdallah por duas vezes. No dia seguinte fomos a Delegacia de Policia fazer um boletim de ocorrência e após eu deixar o Abdallah no seminário, um homem ligou pra ele dizendo: “Não adianta ir a policia! Nós vamos pegar vocês.”
Diante disso, tomei a decisão depois de orar que devemos tirar o Abdallah da cidade por um tempo.
Contamos com sua oração…
- Ore pela segurança do irmão Abdallah e pela minha (Flávio)
- Ore também por nossa filha Victória que ao ouvir essas coisas anda muito assustada e não quer ficar sozinha em nenhuma parte da nossa casa aqui em Foz. Ore por sua segurança, também de minha esposa Carla.
- Ore para que Deus nos dê força e sabedoria para lidar com essa situação.
- Ore para que o evangelho avance nessa região e por salvação de outros islâmicos aqui do Brasil.
- Ore por salvação de outros muçulmanos de todo o mundo.
Hoje a nossa cidade amanheceu com dois outdoor com versículos da Bíblia em árabe. A palavra de Deus é viva, ore para que isto toque a vida dos árabes que aqui residem.
Grato por suas orações,
Pr. Flávio Ramos
Servindo entre os árabes na Tríplice Fronteira


Tambem , agora  , A senhora Marta Suplicy , com essa lei a favor de formar um PAIS GAY , ONDE O HETERO NÃO PODE SE EXPRESAR  , vai levar o Brasil , de uma forma mais contundente , a ser colocado na lista dos paises que tambem perseguem e matam Cristãos.
O final esta chegando.



Agradeço a Deus , pois a ultima semana de Daniel já esta chegando.

AMDOS , SE PREPAREM PARA O ENCONTRO  DA NOIVA COM O NOIVO .

HORA VEM AMADO , VEM SENHOR JESUS.

Bispo Roberto Torrecilhas

 

Polícia afirma que atirador que matou 91 pessoas na Noruega é cristão fundamentalista

Polícia afirma que atirador que matou 91 pessoas na Noruega é cristão fundamentalistaA polícia da Noruega identificou como um norueguês “fundamentalista cristão”, com “opiniões hostis ao islã”, o suposto autor do duplo atentado cometido nesta sexta-feira em Oslo e em uma ilha vizinha à capital, que causou pelo menos 91 mortes, segundo novo balanço da polícia.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica GospelO suspeito, detido após o massacre na ilha e identificado pela imprensa local como Anders Behring Breivik, de 32 anos, agiu sozinho, segundo as investigações policiais em curso.
Em uma busca em seu domicílio após os ataques, a polícia encontrou várias mensagens postadas na internet com conteúdo ultradireitista e anti-islã, segundo declarações policiais à cadeia pública NRK.
Testemunhas relataram ao mesmo meio que o agressor entrou no acampamento juvenil social-democrata com uniforme da polícia e se identificou como tal para ter acesso ao local.
“Conservador e cristão
O jornal britânico “Daily Mail” divulgou nesta sexta-feira imagens que seriam do responsável pelo ataque ao acampamento de verão de jovens no Partido Trabalhista, na ilha de Utoeya, ao noroeste de Oslo. De acordo com a publicação e com a rede de TV Sky News, o homem se chamaria Anders Behring Breivik e seria de extrema direita.
Na página no Facebook que sites noruegueses atribuem a Breivik, ele se classifica como “conservador e cristão”.
O ministro da Justiça afirmou mais cedo em coletiva de imprensa que o homem detido após o duplo ataque é norueguês, e descartou ligação com o terrorismo internacional.
Na página no Twitter que seria de Breivik, aparece o post com data do último dia 17: “Uma pessoa com uma crença é igual à força de 100 mil que têm apenas interesses”.

Não concordo com nenhum modo de impor nenhuma religião por medo ou por violência , declara o bispo Roberto Torrecilhas.
Pois a pregação da palavra de Deus deve ser feita na base do verdadeiro amor ao próximo.
Podemos discordar, mostrar pontos falhos , mas atacar em nome de Deus , nunca.

Via Gritos de Alerta.
com informações do G+

Aliança Evangélica Mundial expressa solidariedade a Noruega após ataque

A Aliança Evangélica Mundial manifestou a sua “mais profunda condolência” para o povo da Noruega após os ataques terríveis da semana passada.

Pelo menos 92 pessoas foram mortas em um tiroteio em um acampamento de jovens na sexta-feira(22/07), e equipes estão a procura de alguns desaparecidos.

Poucas horas antes do ataque na ilha Utoeya, uma bomba explodiu no prédio do governo em Oslo, matando sete e ferindo dezenas de outras.
O homem detido em conexão com ambos os ataques, Anders Behring Breivik, teria admitido responsabilidade.

Há relatos de que o Sr. Breivik, 32, é um cristão fundamentalista, com ligações à extrema direita.

De acordo com a BBC, o Sr. Breivik alegou ser um seguidor dos Cavaleiros Templários em um documento on-line, ele se acredita ter escrito.

O Diretor da Associação Internacional Aliança Evangélica Mundial, Gordon Showell-Rogers, disse que ficou chocada com acontecimentos dos últimos dias.

Em um comunicado, ele disse: “A história forte de uma Noruega Cristã criou uma longa história de paz dentro de suas fronteiras e tem sido uma significativa contribuição para impacto muito positivo da Noruega sobre os esforços de paz global.

“A WEA é triste ler relatos de que o suspeito afirma ser um cristão”.
“Os cristãos evangélicos globalmente condenam a violência religiosa ou qualquer outro tipo de violência, e são radicalmente contra quando a violência é feita em nome de Cristo.

“Estes acontecimentos nos causa um grande choque”
O secretário-geral da Aliança Evangélica Europeia, Niek Tramper, disse que a organização tinha recebido notícias das atrocidades com “muita tristeza”.

Ele ofereceu suas condolências ao povo da Noruega, seus líderes políticos, igrejas e os pais dos jovens delegados morto no acampamento de jovens.

“Estamos horrorizados ao ver que os seres humanos são capazes de colocar em prática um plano tão terrível”, disse ele.

“Esta violência só pode ser considerado como um sinal do mal absoluto, totalmente opostas a bondade e a justiça de Deus.

“Com o povo da Noruega, somos lembrados novamente da violência existente no mundo, das quais nenhuma povo ou nação deste mundo está isento.

“Com a máxima urgência precisamos orar para que a glória de Deus será revelado às nações.”

Igrejas em toda a Noruega abriram as suas portas para dar às pessoas a oportunidade de lamentar e orar.

Ontem à noite, as multidões se reuniram perto do Domkirke no centro de Oslo para deixar tributos florais e participar de uma vigília com velas.

Fonte: InforGospel

Cientistas temem que pesquisas médicas criem macacos falantes

Macaco Madril limpando a unha com uma ferramenta feita de um galho

Macaco Madril limpando a unha com uma ferramenta feita de um galho
A Academia de Ciências Médicas da Grã-Bretanha está pedindo ao governo que estipule regras mais estritas paras as pesquisas médicas envolvendo animais. O grupo teme que experimentos envolvendo transplante de células acabem criando anomalias, como macacos com a capacidade de pensar e falar como os humanos.

O alerta ressalta o debate da questão dos limites da pesquisa científica. Um dos autores do relatório, o professor Christopher Shaw, do King's College de Londres, diz que tais estudos "são extraordinariamente importantes".

A academia ressalta ainda que não é contrária a experimentos que envolvam, por exemplo, o implante de células e tecidos humanos em animais.

Estudos atuais, por exemplo, transplantam células cancerígenas em ratos a fim de testar novas drogas contra o avanço da doença.

A academia defende, no entanto, que com o avanço das técnicas estão surgindo novos temas que precisam ser urgentemente regulados.

Avanço
Os avanços científicos atuais já permitem a criação de ratos com lesões similares às causadas por um derrame cerebral, para que sejam depois injetadas células tronco humanas, a fim de corrigir os danos.

Outro estudo com implante de um cromossomo humano no genoma de ratos com síndrome de Down também foi essencial para a compreensão da doença.
Avanço Os avanços científicos atuais já permitem a criação de ratos com lesões similares às causadas por um derrame cerebral, para que sejam depois injetadas células tronco humanas, a fim de corrigir os danos.

Outro estudo com implante de um cromossomo humano no genoma de ratos com síndrome de Down também foi essencial para a compreensão da doença.

Apesar de a maioria dos experimentos ser feita com ratos, os cientistas estão particularmente preocupados com os testes em macacos.

Na Grã-Bretanha são proibidas as investigações com macacos de grande porte como gorilas, chipanzés e orangotango. Em outros países, como os Estados Unidos, são liberadas.

"O que tememos é que se comece a introduzir um grande número de células cerebrais humanas no cérebro de primatas e que isso, de repente, faça com os que os primatas adquiram algumas das capacidades que se consideram exclusivamente humanas, como a linguagem", diz o professor Thomas Baldwin, outro membro da academia.

"Estas são possibilidades muito exploradas na ficção, mas precisamos começar a pensar nelas", diz.

Áreas "delicadas"
O relatório indica três áreas particulamente "delicadas" na pesquisa com animais: a cognitiva, a de reprodução e a criação de características visuais que se percebam como humanas.

"Uma questão fundamental é se o fato de povoar o cérebro de um animal com células humanas pode resultar em um animal com capacidade cognitiva humana, a consciência, por exemplo", diz o relatório.

O professor Martin Bobrow, principal autor do relatório, sugere o que chama de "prova do grande símio": se um macaco que recebeu material genético humano começa a adquirir capacidades similares a de um chimpanzé, é hora de frear os experimentos.

Na área de reprodução, recomenda-se que embriões animais produzidos a partir de óvulos ou esperma humano não se desenvolvam além de um período de 14 dias.

O campo mais polêmico é o de animais com características "singularmente humanas", os experimentos que o relatório chama de "tipo Frankestein, com animais humanizados".

Segundo o relatório, "criar características como a linguagem ou a aparência humana nos amimais, como forma facial ou a textura da pele, levanta questões éticas muito fortes".

Fonte  UOL http://noticias.uol.com.br/bbc/2011/07/25/cientistas-temem-que-pesquisas-medicas-criem-macacos-falantes.jhtm

O direito a insultar uma religião leva à discriminação de seus seguidores?

As críticas a um credo trazem implícita a discriminação de seus crentes? Apesar do risco populista, manda a liberdade de expressão.

Em 2004, um imã afirmou na Holanda que a homossexualidade é uma doença infecciosa. Sem mais demora, foi parar na Justiça, acusado de discriminação. Os juízes, entretanto, decidiram que ele falava em nome de suas crenças religiosas e o absolveram. Naquela ocasião, a liberdade de credo foi mais relevante que o suposto tratamento de inferioridade dado a um coletivo em particular. E a falsidade da afirmação.

Há poucas semanas, outros magistrados decidiram que se pode insultar uma religião sem incorrer em delito. Desta vez, o credo era o islamismo e o que o insultou, Geert Wilders, ex-liberal convertido em líder da direita xenófoba nacional. O tribunal decidiu que ele falava de sua condição de político e no quadro de uma discussão pública sobre a sociedade pluricultural. Embora tivesse sido "um grosseiro" e algumas de suas ideias "poderiam incitar ao ódio contra os muçulmanos", fazia uso de sua liberdade de expressão. Como o pregador muçulmano de quase uma década atrás, Wilders foi exonerado da acusação de discriminação. A sentença também suspendeu a acusação de incitação ao ódio.

Em seu momento, o assunto do imã homofóbico avivou a controvérsia sobre a perda de valores, o respeito e a igualdade em uma sociedade democrática. Mas a liberdade religiosa está amparada pela Constituição na pequena, rica e estável Holanda. Assim o eco da decisão judicial acabou se diluindo. Com Wilders, a reação foi diferente. Para ser exato, o processo contra ele gerou um intenso debate sobre a presença do islã nas sociedades ocidentais, transcendendo o âmbito nacional. Em 2006 a crise provocada pelas 12 caricaturas de Maomé publicadas no jornal dinamarquês "Jyllands Posten" impôs um alto preço à liberdade de expressão. O caso holandês atual, por sua vez, põe a incógnita sobre o tipo de relação - ou de contrato social - que deve reger hoje uma Europa onde os cidadãos muçulmanos caminham para a terceira geração.

O líder populista holandês saiu exultante dos tribunais de Amsterdã em junho passado. Convencido como está de dizer "só a verdade" quando qualifica a religião muçulmana de "violenta e retrógrada", sua vitória legal reforçou seu duplo perfil. De um lado, aparece como o defensor do liberalismo laico que é uma das versões mais reconhecíveis da identidade nacional holandesa. Do outro, é o único político capaz de pedir o fechamento de fronteiras para os imigrantes muçulmanos e negar a existência de um islã moderado. "Mas não devemos nos equivocar. Na Holanda não está crescendo um populismo anti-islâmico", diz Hans Jansen, reconhecido arabista holandês e testemunha no processo contra Geert Wilders.

Autor de livros como "Islã para porcos, macacos, asnos e outros animais" (referindo-se aos apelativos usados por essa religião para se referir aos não crentes), Jansen afirma que muitos muçulmanos criticam sua religião. "Alguns inclusive fizeram declaração de apostasia." A ex-deputada holandesa de origem somaliana Ayaan Hirsi Ali, hoje exilada nos EUA, é a mais famosa.

"Em uma sociedade livre, as críticas às religiões e seus preceitos são um direito inalienável garantido pela Declaração Universal de Direitos Humanos. O que ocorre é que o islã e as normas de conduta que ele impõe, entre elas a xariá, são agora contestados pública e livremente. Isso é algo corrente no cristianismo, judaísmo ou protestantismo, casos em que não se fala de populismo. No islã, a crítica é proibida e castigada com dureza. É normal que os imigrantes muçulmanos estejam assombrados e ofendidos pela expressão de liberdade religiosa ocidental. Mas no mundo livre não é crime dizer que a Bíblia, ou o Corão, não são a palavra de Deus", afirma o arabista holandês.

Apesar de Wilders diferenciar entre islamismo e muçulmanos em suas críticas, e graças a isso pôde escapar da condenação, os grupos antirracistas e de imigrantes que o levaram aos tribunais se sentem desprotegidos. Sua advogada, Ties Prakken, pensa em recorrer à Comissão de Direitos Humanos da ONU porque considera que o político "envenenou o ambiente", desviando-o para a islamofobia.

Jansen pensa o contrário. "O julgamento foi uma prova para a liberdade de expressão. Se declarassem Wilders culpado, teríamos de ter retirado das bibliotecas montes de livros com seus mesmos argumentos. O que a vanguarda política muçulmana chama de islamofobia não é senão uma crítica aos preceitos religiosos. Acaso denominamos 'papafobia' as críticas contra a doutrina católica sobre os anticoncepcionais?", pergunta.

Vários de seus colegas estudiosos são um pouco mais cautelosos. Ineke van der Valk, especialista em ciências sociais que colaborou com a Fundação Anne Frank e prepara um livro sobre islamofobia, situa o caso holandês no mapa europeu. "Não estamos isolados nessa tendência. Escandinávia, França, Áustria e Bélgica, entre outros países, viram para a extrema-direita e se concentram no islã. Na Holanda, o debate cultural não parece ter progredido. Este era um lugar aberto à igualdade, mas acordos como o do atual governo [onde liberais e democratas-cristãos, que consideram o islã uma religião, são apoiados pelo Partido da Liberdade, de Wilders, que o chama de ideologia] legitimam de certa forma a islamofobia do líder populista."

"Antes os partidos políticos se concentravam nos valores que podiam dar exemplo", continua. "Hoje cedem ao pragmatismo para não perder votos. Contudo, não sou pessimista. O importante é que se veja a diversidade social, também entre os imigrantes", afirma Van der Valk.

Para Peter Rodrigues, catedrático de Direito da Imigração na Universidade de Leiden, parece que as mudanças experimentadas na última década se fazem notar na sentença absolutória. "A proteção contra a discriminação é regida por convênios europeus. A liberdade de expressão, por mais ampla que seja, não deve se chocar com nossas obrigações legais. Os juízes analisaram a fundo esse caso de insultos ao islã e limitaram a liberdade de expressão ao ofício de político. Mas me surpreende que não tenham contemplado a discriminação por motivo de raça. Porque raça e etnia estão muito unidas na comunidade muçulmana", considera. Ao se despedir, aponta para a aparente falta de reação da comunidade muçulmana holandesa aos insultos religiosos. "Explica-se porque não são um grupo homogêneo e lhes falta uma voz própria."

Halim Madkouri, responsável pelo programa de Religião e Identidade do Instituto Forum, dedicado ao desenvolvimento multicultural, compartilha sua opinião. "As pessoas não reagem e noto certa apatia. Também há preocupação e medo. Por enquanto, predomina a confiança de que estamos em uma democracia e é preciso aceitar a presença de partidos antimuçulmanos", indica. Em sua análise sobre a liberdade de expressão, Madkouri lembra que a separação entre a Igreja e o Estado não é tão radical na Holanda quanto na França. "Os holandeses a implantaram para defender as minorias religiosas. Antes os católicos podiam fazer muito poucas coisas nesta terra. Hoje a liberdade religiosa parece reduzida. É aceitável para cristãos e judeus, mas não para os muçulmanos."

Embora os juízes tenham sido imparciais, Madkouri tem certeza "de que há alguns anos Wilders teria sido condenado por algumas de suas críticas; quando a economia se recuperar, não será tão popular", acrescenta.

A mesma percepção tem Atef Hamdy, especialista egípcio no islã radical na Europa e colaborador do Instituto Clingendael de Relações Internacionais, em Haia. "Há duas décadas este país já tinha alguns problemas sociais relativos à imigração. Agora se islamizou a percepção dos imigrantes e se chega ao estereótipo. Mas não se pode generalizar. Já há segundas e até terceiras gerações nascidas aqui. De modo que não é possível reduzir os conflitos sociais à religião ou à etnia. A sociedade também tem sua própria responsabilidade", afirma.
Segundo ele, quando o populismo atual denigre o islã, "explora igualmente a ignorância dos autóctones e as comunidades vulneráveis de imigrantes". Tanto Hamdy como Madkouri veem uma linha "muito fina" separando os insultos dirigidos à religião e a seus crentes.
"Deveria primar o conceito de cidadania sobre o de identidade, para que todos conheçam suas responsabilidades", sugere Hamdy.
Em sua obra "O Aprendiz de Bruxo", o cientista político Meindert Fennema, de Amsterdã, retrata Wilders como "um republicano com um aguilhão para picar o islã". Seu colega Chris Bickerton fala em "guerras culturais que arrasam a Europa". E escreve: "Se o anti-islamismo e a rejeição à imigração são um complemento do fatalismo atual diante da economia, o governo holandês se adapta à tecnocracia populista. Mark Rutte, primeiro-ministro liberal de direita, é o tecnocrata por excelência. Wilders é o populista contemporâneo".

O populismo holandês se declara intolerante com a intolerância, mas como lembra o pensador Ian Buruma "tolerância não é a mesma coisa que cosmopolitismo. Em uma sociedade cosmopolita, alguém com uma cultura diferente pode se misturar em pé de igualdade. Na Holanda é difícil que um imigrante seja aceito assim. A identidade cultural, que é visceral e não está regulamentada, não se compartilha facilmente".
"No Egito faço parte da minoria cristã copta. Na Holanda me enquadram na minoria árabe", ironiza Hamdy. Sua reflexão salienta os erros de percepção e as contradições da presença do islamismo na secular Holanda.

Muçulmanos com milhares de rostos
Em escala europeia, o islã é a segunda religião majoritária depois do cristianismo. Nem todos são imigrantes. Nos Bálcãs e países como Rússia há grandes concentrações de minorias autóctones muçulmanas. Segundo o Instituto Forum, especializado em assuntos multiculturais, a Alemanha possuía em 2009 o maior número de cidadãos de credo muçulmano, cerca de 4 milhões. A França tinha 3,5 milhões e o Reino Unido, 1,6 milhão. Na Europa havia cerca de 38 milhões.

"Dar-lhes um rosto único é um erro de percepção. Também no islã há diversidade de credos, entre xiitas, sunitas e outras escolas", diz Hamdy, do Instituto Clingendael de Relações Internacionais. "O Islã na Europa é dinâmico, e não monolítico", acrescenta Madkouri, especialista em religião e identidade. O Forum calcula que em 2040 25% da população holandesa serão minorias étnicas. Destas, 15% virão de países não ocidentais. Hoje os 907 mil muçulmanos assentados na Holanda (5% dos 16,6 milhões de habitantes atuais) são originários de diversos países. Aos da Turquia e Marrocos, de onde chegaram em 1960 e 70 os primeiros trabalhadores, uniram-se imigrantes do Iraque, Afeganistão, Irã, Somália, Egito, Paquistão ou Bósnia. Dos 9 mil templos distribuídos pelo país, 450 são mesquitas.

Em sua decisão sobre os insultos ao islamismo, a justiça holandesa considerou que não se haviam discriminado seus crentes. As leis nacionais rejeitam a linguagem abusiva e a difamação, mas são mais permissivas com as obscenidades. Depois da morte do cineasta Theo van Gogh por um jovem muçulmano radical (nascido na Holanda, com bons estudos secundários e recebendo o seguro-desemprego), a discussão sobre os limites da liberdade de expressão disparou em 2004. Van Gogh era muito crítico ao islã e sofreu um assassinato ritual. Falou-se naqueles dias em proibir as escolas islâmicas; em impedir a entrada de imãs estrangeiros e até em abrir uma só porta nas mesquitas, para que homens e mulheres passem juntos. "É verdade que o islã representa um dilema para a sociedade holandesa, mas não se restringiu sua prática", afirma Madkouri.

Diante do fato de que a identidade religiosa é cada vez mais forte entre os jovens muçulmanos, os serviços de segurança do Estado calculam que entre 20 mil e 30 mil se movem em círculos radicais. Destes, cerca de 2.500 poderiam chegar ao extremismo.

Fonte: El Pais

SP: Vereador propõe dia do hétero: “Há leis demais para os gays

“É uma forma de protestar contra o excesso de leis em prol dos homossexuais”. Assim o vereador Carlos Apolinário (DEM) define seu projeto de instituir o Dia do Orgulho Hétero na cidade de São Paulo. A proposta veio à tona na última quarta-feira (22) e virou um dos tópicos mais debatidos nas redes sociais.
Com a proximidade da realização da 15ª Parada LGBT, neste domingo (26), o político evangélico admite que não tem esperanças de ver sua proposta aprovada. “Eu não estou preocupado com a votação, estou preocupado em fazer as pessoas discutirem e isso eu já consegui”, resume.
O projeto de lei criado por Apolinário em 2005 foi levado ao plenário da Câmara Municipal nesta quarta, mas não foi votado por oposição do líder do PT, Ítalo Cardoso.
Depois de seis anos, a reapresentação da proposta numa semana em que as atenções estão voltadas para as reivindicações de grupos homossexuais é vista como estratégica pelo demista:
- Eu não digo que foi oportunista, eu quis aproveitar a oportunidade. Se eu fosse falar disso antes, ninguém daria atenção.
Contra a Parada
Depois do reconhecimento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), da união homoafetiva, acirraram-se os ânimos dos que se opõem ao casamento gay. A proximidade da Parada virou estopim para várias manifestações.
Na quinta-feira (23), evangélicos se reuniram na Marcha para Jesus. O pastor da igreja Assembleia de Deus, Silas Malafaia, usou o microfone para dizer que o STF “rasgou a Constituição”.
- Querem transformar a bíblia em um livro homofóbico – completou.
Em contrapartida, a APOGLBT, entidade que organiza a Parada, anunciou que haverá religiosos apoiando a manifestação. Espera-se a presença de reverendos da Paróquia da Santíssima Trindade da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil.



Fonte: Terra Magazine

Bispo Edir Macedo propõe abstinência de lixo da TV, mas a Record exibe ‘A Fazenda’



O bispo Edir Macedo, da Igreja Universal, propôs aos fiéis em seu blog a realização de uma abstinência de lixo audiovisual nos primeiros 21 dias de agosto. “Será um jejum de toda e qualquer informação secular: TV, internet, jornais, revistas, radio, enfim, de tudo o que não for de Deus.”
Nestes dias, a quarta temporada do programa “A Fazenda”, da TV Record, emissora do bispo, deverá estar a todo vapor. Na busca de audiência a qualquer preço, esse reality show tem se equiparado em baixo nível com o Big Brother Brasil, da TV Globo.
No ano passado, “A Fazenda” ficou em segundo lugar no Ranking da Baixaria na TV, de acordo com levantamento da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Só perdeu para o “Pânico na TV”, da Rede TV! A classificação foi feita com base em denúncias de telespectadores.
“A Fazenda” deste ano começou na terça-feira (19) e terá duração de 85 dias. Por enquanto, os participantes estão se conhecendo melhor. O Compadre Washington, líder do grupo de pagode “É o Tchan”, por exemplo, já avisou Monique e Dinei que ele é feio, mas de uma coisa tem certeza: “Eu faço gostoso, a pegada aqui é boa”.
Se o Compadre e outros participantes cumprirem o que falam, o reality show terá boa audiência, recompensando o pesado investimento da emissora.
Uma das fontes de receita da Record, que possibilita investimento como esse, é a Igreja Universal, que compra o horário da madrugada da emissora a peso de ouro. O que vale dizer que os dizimistas que aderirem à abstinência do lixo televisivo estarão financiando as “pegadas” do Compadre Washington.
Em seu blog, Edir Macedo disse que não adianta ser religioso, obreiro, pastor e bispo se o fiel não estiver disposto a vencer “os espíritos das trevas” com iniciativas como a do jejum de lixo secular.
Mas o próprio bispo, pelo que fica subentendido, poderá não se submeter a tal jejum porque, como destacou, ficará dispensado quem trabalha ou depende de informação.
Espera-se, agora, que um dia o bispo Macedo promova jejum de hipocrisia.
 
 
Fonte: Paulopes

Rodolfo Abrantes (Ex-Raimundos) Quer Salvação à 'Galera' de Fora da Igreja

Rodolfo-Abrantes
Rodolfo Abrantes participou do CONFRA JOVEM 2011, congresso de jovens da Igreja Batista Lagoinha e falou sobre seu novo CD e sobre evangelizar as pessoas que estão fora da Igreja.
(Foto: Ministério Rodolfo Abrantes)
Rodolfo Abrantes (ex-Raimundos) participou do CONFRA JOVEM 2011, congresso de jovens da Igreja Batista Lagoinha e falou sobre seu novo CD.
O ex-vocalista da banda Raimundos, Rodolfo Abrantes, contou ao repórter Alex Passos da TV Rede Super, que seu novo CD está sendo finalizado, com músicas inéditas, devendo ser concluído daqui a um mês. Segundo Rodolfo, ele tem orado para que Deus o leve onde ele possa ser mais eficaz.
Rodolfo diz que as letras do novo projeto tem o propósito de alcançar pessoas que estão fora da Igreja, pois apesar de atender a convites para cantar dentro de Igrejas, seu chamado é para fora da Igreja.
“é lá fora que a galera está se perdendo, é lá fora que a galera precisa de salvação, é lá fora que a galera precisa ouvir a respeito de Jesus”.
O foco de seu novo trabalho é evangelístico, é alcançar pessoas que nem sequer tem uma Bíblia ou frequentam alguma Igreja, jovens que não sabem nada a respeito de Jesus.
 
Rodolfo contou que o estilo que seu novo CD está bem parecido com o som deles ao vivo, “é adoração, mas é barulhento” e que está sendo feito com o produtor Ricardo Vidal o mesmo produtor dos trabalhos do Rappa (Famosa banda secular).
Rodolfo concluiu, falando que ainda continua sendo lembrado como ex-Raimundos, porém ele não se importa com isso, e usa isso para levar a palavra de Deus às pessoas.
“Todo Cristão é ex-alguma coisa, e eu sou ex-Raimundos, se as pessoas estão falando disso, eu vou usar isso como isca para alcançar aquele cara que mais precisa ouvir”.


Fonte . Cristian Post
Via Gritos de Alerta