sexta-feira, 5 de julho de 2013

DOMINGO , DIA 07 DE JULHO TEM THALLES ROBERTO EM AMPARO - SP - PORTÕES ABERTO A TODOS









No dia 07 de Julho o cantor THALLES ROBERTO vai estar se apresentando no festival de inverno da cidade de AMPARO .
O inicio de sua apresentação será a partir das 21.00 horas.
Apresentando grandes e significativas mudanças, o Festival de Inverno de Amparo 2013 tem início no dia 5 de julho (sexta-feira), com atrações de quarta a domingo e nos dias 8 e 9, segunda e terça (devido ao feriado estadual de 9 de Julho), na Praça Pádua Salles, Centro de Amparo, local onde estarão centralizados todos os shows, stand ups e oficinas que integram a programação oficial do evento, uma promoção da Prefeitura de Amparo.
Neste ano, o palco principal estará sendo montado em um espaço mais amplo, que ganhou o nome de Vida. O palco também ficou maior, com cerca de 16 metros de espaço para as apresentações – anteriormente, tinha apenas 10 metros. O palco Cultura, que faz parte do prédio da Rádio Cultura Municipal FM, também receberá nova roupagem, iluminação adequada e novo layout. Ambos os palcos terão espaço reservado com acomodação para idosos e deficientes físicos. Além disso, será montado o palco Estação, em formato que lembra uma concha acústica.
Entre as atrações selecionadas para o Festival de Inverno de Amparo 2013, uma das primeiras é o cantor Toquinho, que se apresentará um dia após a abertura oficial do evento, no sábado, dia 6 de julho. Em seguida, no dia 07 de julho, estará se apresentando o cantor gospel Thalles Roberto. 


VIA  GRITOS DE ALERTA / INF PREF. AMPARO

OS TRAIDORES MINISTERIAIS - O DIABO TOMANDO CONTA E USANDO SEUS ESCRAVOS.

TRAIDORA um tempo a trás , eu vivi , talves um dos piores momentos de minha vida ministerial.
Pois , tenho apenas 45  anos , e uma boa experiência ministerial , mas a experiência de ser traído ministerialmente eu não tinha.
E foi essa horrível experiência que experimentei, quando , pessoas eu eu amava , ajudava , tirando do marasmo espiritual em que viviam , se levantaram contra mim, através de uma mentira das mais mal contadas que pude presenciar.
Essas pessoas que se levantaram para me trair foram separadas por mim , receberam treinamento , foram levantadas como pastores , pois eram obreiros sem nenhuma qualificação ministerial .
No dia em que me deparei com os rebeldes , em linha de guerra ,para tentarem me derrubar , apenas para assumirem meu lugar de líder na igreja , eu constatei que a dor que Jesus sente a cada momento que é traído por seus filhos é a das piores .
Pois , para ser traído , em primeiro lugar , será por alguem que esta ao seu lado , alguem que esta andando contigo , alguem que se assenta na mesma mesa que você.
A traição nunca será por alguem de fora , mas sim por alguem de dentro.
A traição é o descumprimento de algum acordo preestabelecido entre duas ou mais partes. Quando falamos de traição logo pensamos na quebra de confiança entre um casal, porem a traição não se limita só no âmbito amoroso. A traição ocorre no âmbito moral, profissional e ideológico. A traição ocorre numa relação onde a confiança é quebrada pela inclusão de uma terceira parte sem o consentimento ou conhecimento de uma das partes da relação. A traição deixa o traído com ressentimentos e desconfianças que dificilmente são reestabelecidas. Difícil é voltar a confiar em uma pessoa que nos traiu.
A traição é algo tão grave em nossa sociedade que no Brasil, a pena máxima para todo e qualquer delito é de 30(trinta) anos de reclusão, porem em única exceção nos períodos de guerras, a pena de morte é a pena aplicável, conforme prevê a nossa legislação, de acordo com ao artigo 5º Inciso XLVII da Constituição Federal que diz: “não haverá penas: a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX”. Isto quer dizer que o crime de deslealdade de um cidadão a sua pátria, ou seja, uma traição aos seus compatriotas é algo que não tem perdão. Este indivíduo que em tempos de guerra coopera ativamente com o inimigo receberá a sentença que prevê pena de morte.
Sabemos que nossa sociedade cobra por fidelidade de um modo em geral. Em alguns casos a violência é a atitude tomada pela parte que foi traida causando ate a morte do traidor. Quais as consequecias da traição de um Cristão? Você provavelmente já foi traido ou conhece alguem sabendo que os sentimentos são os mais variados. Mas por que as pessoas traem? Como enfrentar uma traição? Como conhecer o traidor? Jesus foi traído por Judas nos deixando lições importantes. Vamos ler a seguintes passagens, Mateus 26:14-16 e 26:21-25.
Proposição/Tese: Podemos conhecer o traidor pelas suas atitudes e vencer a traição como Jesus venceu.
Oração Interrogativa:Mas como conhecer o traidor é vencer a traição?
Oração de Transição: Pelas as ações do traidor e as de Jesus.
1.      O traidor é motivado pelo mal (vs. 14-16) 
O traidor utiliza algumas desculpas para justificar a sua deslealdade. Ele encontra motivos banais para justificar a traição, mas estes motivos e desculpas são dirigidos pelo o mal é por isso injustificável aos olhos de Deus. Uma pessoa não precisa se esforçar muito para fazer o mal, pois temos uma natureza pecaminosa. Basta fechar os olhos para a verdade que o mal surge em nossas vidas e assim traímos a confiança depositada por Deus em nós. No episódio da traição de Judas, vários foram os motivos ou desculpas que levaram o traidor a entregar um inocente. Vejamos algumas possíveis desculpas que motivaram o traidor a fazer a vontade do mal:  
1.1  Riqueza
Judas exercia o cargo de tesoureiro entre os discípulos, pois este grupo recebia ofertas para o sustento do ministério de Jesus e também para redistribuir estas ofertas entre os pobres. A Bíblia nos diz que Judas era ladrão que tirava o que havia na bolsa das ofertas abusando assim da confiança exigida deste cargo.[1] Se ele foi capaz de roubar as ofertas da bolsa por tanto tempo, por que não vender Jesus?  O problema é entender que motivo irracional levou Judas ao entregar Jesus a preço de banana? Jesus era uma pedra única é por isso rara, mas foi entregue for 30 moedas de prata que davam para no máximo comprar um escravo.[2] Só vendemos algo valioso por um preço menor quando não reconhecemos o real valor ou quando precisamos desesperadamente de uma quantia para pagar uma dívida. Já que Jesus havia anunciado a sua morte, Judas não podia perder tempo aproveitando assim para ganhar algum dinheiro antes da morte de Jesus.  
O apego que este traidor possui pelo dinheiro era algo que o levava a trair a confiança de todos. Observamos isso na passagem em que Judas considerou desperdício o derramamento do valiossísmo perfume em Jesus. Ele então propõe vender o perfume para dar aos pobres, mas essa não era a sua real preocupação o que ele gostaria de fazer era utilizar aquele dinheiro para beneficio próprio.
Muitos hoje entregam as suas ofertas a fim de receberem dez vezes mais. Alguns só entregam para aparecer. Outros não entregam. Alguns líderes utilizam estas ofertas de forma irregular, em outras palavras furtam da igreja. Todos estes são traidores avarentos que poderiam facilmente entregar Jesus. São pessoas que não conseguem ver quem realmente é Jesus. Não possuem Jesus como o bem maior de suas vidas, querendo tirar proveito de toda e qualquer situação para alimentar a suas ganâncias.
     1.2 Poder
Alguns estudiosos dizem que Judas era um provável membro da seita dos Zelotes que (grupo que se opunha a dominação romana) esperava um líder como Jesus que pudesse liderar uma rebelião contra os Romanos. Isto talvez explique um dos prováveis significados de seu nome que seria a transliteração de homem do punhal, em hebraico ish sicari. Os Zelotes faziam ataques violentos, geralmente com punhais, contra os romanos instalados na Palestina.  
Judas estava convencido de que Jesus com todo o seu poder e autoridade concretizaria a chegada do Reino tão esperado por todos em Israel. Mas passado o tempo o desencanto com a demora por parte de Jesus começou a deixar Judas desiludido, pois Jesus não teria correspondido com as suas expectativas. Judas então decide auxiliar Jesus a implantar o reino de forma rápida através de uma possível idéia. Entregar Jesus aos Sinédrios, pois assim Jesus finalmente se rebelaria unindo todo o povo judeu numa revolta contra Roma. Jesus seria forçado a declarar seu real poder. Assim Jesus iria mostrar seus super poderes e a reforma política aconteceriam.
Na chegada de Jesus em Jerusalém a multidão entrou em êxtase ao ponto de idolatrá-lo querendo apenas um messias político. Querendo alguém que criasse um novo reino Judeu soberano. Judas como aqueles que exaltavam a Jesus queria moldar o seu líder a fazer a vontade do povo. Porem Jesus sabia que deveria servir a Deus e não ao povo. Sabia que o seu reinado não era apenas para aquela época, mas sim para todos os tempos, a final qual o propósito de criar um reino que logo seria corrompido?    
Quantas pessoas querem moldar os seus líderes como Judas quis moldar Jesus? Quantos estão interessados no poder, em cargos e em posições que lhes darão status? Quantos procuram por um líder que diga somente o que os interessam ouvir e assim possam mandar e desmandar na igreja? Quantos têm traído os seus líderes só para que as suas vontades venham a ser feitas? Só para utilizarem os seus poderes.
      1.3 Incredulidade
Na no final do seu ministério, Jesus prevê a sua morte. Pregou a todos que era de sua importância, ao contrário do que pensavam os Zelotes, amar os nossos inimigos e aqueles que nos perseguem. Talvez Judas ao contrário do ponto levantado anteriormente não cresse que Jesus fosse o messias. Podemos pensar assim, pois Judas ao contrário dos outros discípulos se referia a Jesus como Rabi ou mestre e nunca como Senhor como fazia os outros. Se ele não reconhecia Jesus como Deus encarnado talvez tenha ficado desapontado com o ministério de Jesus ao ponto de entregado. Judas deve ter pensado, “Este certamente não é o messias que aguardamos”.
Muitos em nosso meio não reconhecem Jesus como Deus encarnado. Muitos acreditam que existam outros caminhos para a salvação eterna. Muitos possuem uma visão errada de Jesus. Essa é uma das maiores traições existentes, pois Deus entregou o seu unigênito filho para que todos os que o aceitassem recebessem a salvação. Mas muitos o rejeitam como um doente que recebe de forma gratuita um remédio que lhe trará a cura, mas se recusa a tomar o medicamento. Isso é ilógico, loucura e tolice para Deus.
Podemos aplicar isso à igreja, pois muitos se decepcionam com o Senhor, pois são apresentados a um Jesus que não esta na Bíblia. São apresentados a um Jesus que lhes dará alegria plena, saúde plena e prosperidade financeira plena. Porem quando descobrem que a vida com Jesus não se resume a isto ou talvez porque não conquistaram o que foi prometido perdem a confiança, não nos falsos profetas, mas em Deus. Muitos traem Jesus sem ao mesmo conhecê-lo.
1.4   Ressentimentos.
TRAIÇÃO+04 300x216 É tão difícil perdoar uma traição?
Mesmo Jesus demonstrando um grande afeto e tratando todos os discípulos de forma amorosa Judas o traiu. Mesmo que Jesus não quisera trazer a público as fraudes realizadas por Judas contra a bolsa, Jesus foi traído. Jesus jamais guardou ressentimento pelas más ações realizadas por aquele discípulo. Porem ao ser repreendido por Jesus na ocasião em que Maria ungia os pés de Jesus com balsamo, Judas não resistiu à repreensão em publico e ferido utilizou este pretexto para enfim entregar Jesus. O ressentimento chegará ao seu ponto máximo dando a Judas um motivo para entregar Jesus sem sentir culpa por isso. Como Judas poderia receber o perdão de todos os seus pecados se ele não perdoou aquele que morreria numa cruz por ele?
Não podemos deixar o ressentimento tomar conta de nossas vidas ao ponto de trair o próximo. Muitos crentes não sabem ouvir um não. Crentes que se magoam por qualquer bobagem. Pessoas que alimentam dentro delas um ressentimento que destruirá não só a ela, mas a outros ao seu redor. Quantos líderes são traídos só por terem falado a verdade no púlpito? Quantos pastores que ao dizerem a verdade ganharam inimigos? Quantas pessoas que traem a confiança só por terem sido ofendidas de alguma forma?
Só através do perdão é que podemos isolar esta magoa pagando o mal com o bem. Devemos abençoar os que nos amaldiçoam vencendo o mal não com lanças, mas com amor. Jesus tinha todos os motivos para ser o homem mais rancoroso de todo o mundo, mas viveu amando a todos ao ponto de morrer numa cruz por você. 
O real motivo que levou Judas a entregar Jesus não é claro, porem nenhuma das opções acima justificam a traição. Podemos concluir que a motivação do traidor é alimentada pelo mal. Lucas diz que Satanás entrou em Judas isto porque Judas deixou a sua fidelidade ser atacada pelas coisas deste mundo. Ele se tornou vulnerável caindo nas armadilhas do inimigo mesmo andando com Jesus. Tomou o caminho errado mesmo quando seguia pelo caminho certo. Judas escolheu o erro sabendo o que era o certo. Não podemos dar brecha a Satanás. O único caminho para que isto não aconteça é através de uma vida cheia e dirigida pelo Espírito Santo.
2        O traidor engana a si próprio (vs. 21)
Judas se fez de bom amigo até o minuto final. Fingiu, mesmo quando Jesus deixou claro que já sabia que ele o iria trair. Judas estava cego em seus pecados e incredulidade. As pessoas jamais revelam as verdadeiras intenções pelas quais atuam. Podemos achar que uma pessoa quer o nosso bem até que ela nos traia. Isso porque não conhecemos o coração do ser humano. Porem intimamente o ser humano sabe o que é certo ou errado, assim quando somos traídos existe uma traição mutua.
A pessoa que trai esta enganando a si mesma, pois Deus conhece o nosso coração. A própria Bíblia diz em Jeremias 17.5: “Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor!”. O texto diz que Jesus tinha a plena consciência de que um de seus discípulos iria o trair. Na verdade Jesus deixou isso claro a todos eles. O traidor é conhecido por Jesus e assim engana a si próprio. O traidor mente para si próprio. O traidor engana a si próprio. Judas já era conhecido por Jesus e enganou a si mesmo ao entregar Jesus quando pecou primeiro em seu coração. Willian J.Bailey político Inglês disse, “A primeira e pior de todas as fraudes é enganar-se a si mesmo. Depois disto, todo o pecado é fácil”.
3        O traidor está sempre próximo (vs.22-23)
Judas andou com Jesus. Fez parte do grupo seleto de amigos. Comeu com ele e ainda assim o traiu. O motivo é claro, pois só há traição se houver relação. Um inimigo não trai a nossa confiança, pois não permitimos que ele se aproxime de nós e muito menos de nossos corações. Não existe relação de confiança ou intimidade entre você e um inimigo. A traição é uma arma disponível nas mãos de quem amamos e não de nossos inimigos. Assim são os nossos amigos que nos ferem. O traidor então é alguém que esta sempre próximo como um amigo, familiar, colega de trabalho ou mesmo os nossos cônjuges.  Para haver um voto de confiança precisa haver relação de amizade e intimidade.
Falando em conjugues nos votos cristãos de casamento, nós ecoamos as Escrituras quando na presença da nossa família e amigos, e principalmente diante de Deus, nós juramos “ser fieis rejeitando outras mulheres/ outros homens”.  Mas por que as pessoas fazem o voto de ficarem juntas até a morte e por algum motivo acabam, em alguns casos, traindo a confiança depositada no parceiro se o casamento não é um requerimento para todos? Na verdade estas pessoas não entendem o que é realmente o casamento. O casamento não é viver a felicidade de forma plena, mas a verdadeira razão é manter o amor de Deus numa relação de renuncia. Existe um mistério glorioso na relação entre um casal, pois neste tipo de relação o amor de Deus é revelado. Uma pessoa que comete o adultério esta na verdade quebrando uma aliança com Deus.
4        O traidor sempre realiza uma boa causa que supera a dor da traição (vs.24)
Como Jesus sendo conhecedor do futuro escolheu Judas para ser um de seus discípulos? Isso pode até parecer ilógico, mas na verdade Jesus veio para cumprir todas as profecias. Na passagem de Zacarias 11.12 e Salmos 41.9 havia a profecia da traição, assim observamos que nada aconteceu por acaso, todos os acontecimentos foram planejados desde a eternidade na infinita sabedoria divina. Então Deus planejou a traição? Não, na realidade Deus na sua presciência utilizou a traição de Judas para que Jesus cumprisse a sua missão. Assim embora tudo tivesse sido planejado anteriormente e Deus tivera permitido a traição, os participantes de cada passo que levaram Jesus a Cruz não seriam desculpados por suas ações.
O traidor e outros pecaram conscientemente de seus erros e por vontade própria, mas Deus usa a maldade e até a traição do homem para fazer o bem. Paulo diz em Romanos 8.28 que, “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito“. José foi cruelmente traído pelos seus irmãos, lançado numa cova e vendido como escravo, para depois favorecido e exaltado ao trono do Egito em vitória. Em sua sabedoria disse aos seus irmãos: “Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou. em bem.” (Gn. 50:20).
Deus pode utilizar o veneno do maligno, como antídoto para o veneno do pecado. Deus permitiu a traição para que Jesus morresse na cruz por você. Como você tem utilizado a dor da traição em sua vida? 
Conclusão
A experiência de sermos traídos pelos próprios amigos e amados é com certeza uma das piores dores. O traidor age em surdina, age de forma dissimulada, se finge de amigo e encontra os motivos mais banais para justificar a sua falta de fidelidade. Por isso a deslealdade é em minha opinião algo quase que imperdoável e acredito que para você também. Isso ocorre já que não é da natureza do ser humano perdoar traidores. No entanto Judas não foi o único a trair Jesus.
Julio César exclamou: “Até tu, Bruto?” e “Você também, filho?” logo após se apunhalado por trás por seu amigo, Cassius, e seu filho adotivo, brutos. Estas palavras revelam a decepção e tristeza da traição. Com Jesus não foi diferente a ver seus dois discípulos mais chegados o traírem. Pois assim como Judas traiu Jesus, Pedro também o fez. Tanto Pedro como Judas pecaram. Judas disse: “Pequei, pois traí sangue inocente” (Mt. 27:4). Pedro “saindo dali, chorou amargamente” (Lc. 22:62). Porem Pedro agiu por uma fraqueza inesperada, se arrependeu e continuou a crer em Jesus até o fim de sua vida. Judas não, pois além de planejar cuidadosamente sua ação não procurou se concertar com Jesus e se enforcou. Precisamos nos arrepender e andar em obediência com Cristo até o fim de nossas vidas.
Somos todos pecadores, traidores da confiança depositada por Deus, por isso Jesus morreu na cruz por nós. Precisamos nos arrepender das traições realizadas por nós mesmos e perdoar os traidores assim como Jesus nos perdoou. Claro que não é fácil perdoar um traidor, mas se lembrarmos que fomos perdoados por Jesus sendo nós ainda pecadores, teremos uma postura diferente diante da traição. Além disso, o traidor é quem mais sofre, mesmo que demore a perceber isso. Ele não é feliz. Não vive e desfruta da vida de forma plena. E sempre sofrerá por sua traição, assim como o rei Davi sofreu as mais diversas conseqüências de seu adultério com Bateseba.
Podemos concluir então que:
  1. A traição é inevitável na vida do crente é assim não podemos fugir da traição a não ser que nos isolemos do mundo e deixemos de construir relações com outros seres humanos.
  2. Melhor é ser traído do que trair já que o traidor receberá o salário de sua traição, assim como a pessoa que foi traída receberá a benção da traição. Não se esqueça de Davi e Jose.
Você tem traído a confiança de alguém? Você já foi traído e não consegue perdoar? Se sim peça para que Deus lhe ajude a perdoar e a pedir perdão caminhando sempre com Cristo até o fim. Jesus não vingou nem muito menos agiu com violência mesmo sabendo que seria traído.Jesus ama o fiel assim como ama o traídor e se queremos agir como Cristo precisamos conhecer o traidor assim como ele conhecia Judas e agir da mesma forma. Escolha o que Pedro escolheu, a vida eterna, ou o que Judas escolheu, a morte eterna.

VIA GRITOS DE ALERTA


Voe à vontade com a FAB. O povo paga



ISLAMINSMO CONVERTE JOVEM PARA ENVIA LOS PARA SUAS GUERRAS RELIGIOSAS.

Rosana disse que não se deu conta dos sinais de radicalização de seu filho (Foto: Marcia Bizzotto/BBC Brasil )Rosana disse que não se deu conta dos sinais de
radicalização de seu filho (Foto: Marcia Bizzotto/
BBC Brasil )
Há mais de cinco meses a brasileira Rosana Rodrigues evita sair de casa, na pequena cidade belga de Rummen, com a esperança de que seu filho volte de surpresa da guerra na Síria, para onde viajou a fim de se unir aos rebeldes.
Com 19 anos, Brian De Mulder, belga como o pai, é um dos entre 80 e 100 jovens dessa nacionalidade que as autoridades locais estimam ter escolhido esse destino depois da conversão ao islamismo e uma rápida radicalização.
O garoto, que vivia com a mãe, o padrasto e a irmã mais nova em uma ampla casa de dois andares, é descrito como um jovem de educação católica, jogador de futebol, bom aluno e filho obediente, que nunca teve problemas com drogas ou com a polícia.
Ele decidiu se converter ao islamismo em 2010, quando foi dispensado por seu treinador e, abatido, buscou conforto espiritual na religião.
Radicalização
Segundo Rosana, o filho começou a frequentar reuniões do grupo radical Sharia4Belgium, perseguido pela polícia federal do país por incitação ao ódio e por pregar a adoção da Sharia, a lei islâmica, na Bélgica.

Apesar do esforço da mãe para impedi-lo, a radicalização foi rápida. Em dois anos Brian abandonou a escola, trocou as roupas ocidentais por trajes típicos muçulmanos, cogitou abandonar a família se os demais membros não se convertessem ao Islã e passou a falar em ir para a Síria prestar ajuda humanitária.
Na noite de 22 de janeiro ele se deitou ao lado da irmã Aicha, 12 anos, e se despediu com uma frase sussurrada ao ouvido enquanto ela dormia: "Esta é a última vez que você vai me ver".
Desde então, a família só teve notícias dele em três breves mensagens pelo Facebook, respondendo a insistentes tentativas de contato de sua irmã mais velha, Bruna, de 25 anos. Em nenhuma ele revelou onde ele estava.
A polícia federal confirmou à família que sua conta de e-mail havia sido acessada de Damasco, a capital síria, antes de ficar inativa, e mostrou um vídeo de um grupo de combatentes entre os quais há um rapaz que poderia ser Brian.
Lembrando os últimos meses de convivência com o filho, Rosana, que vive há 23 anos na Bélgica, contou sobre os sinais que então ignorou de que a viagem estava prestes a se concretizar.
"Ele passava as noites em claro, só comia aveia, passava dias sem tomar banho. Em dezembro, comprou umas roupas do exército e se circuncidou (prática muçulmana). Agora eu fico pensando: tudo devia fazer parte dos preparativos para ir para a guerra. E eu não me dei conta", relatou, chorando.
Ela mantém a calma graças aos antidepressivos receitados pelo psiquiatra que vê uma vez por semana, mas não consegue conter um ódio generalizado contra toda a comunidade muçulmana.
Busca
Diante da falta de resposta das autoridades belgas, Rosana sonha com ir à Síria procurar Brian pessoalmente.

"Eu poderia morrer, mas não voltaria sem meu filho", afirma.
Foi o que fez Dimitri Bontinck, cujo filho, Jejoen, que aparece em vídeos de Sharia4Belgium ao lado de Brian, partiu para o país em guerra no início de março.
Jejoen, 18 anos, vivia com o pai belga, a mãe nigeriana e a irmã mais nova em Antuérpia, segunda maior cidade da Bélgica, em um ambiente familiar tranquilo e católico, sem problemas financeiros.
Seu processo de transformação foi similar ao de Brian: uma grande decepção, no seu caso amorosa, a busca de conforto no Islã, o doutrinamento pelo grupo radical, a mudança de aparência e de comportamento visível em um período de dois anos, até o desejo manifesto de "ajudar os irmãos muçulmanos da Síria".
"Ele viajou para o Cairo (Egito) dizendo que iria estudar sobre islamismo em uma universidade, financiado pelos 'irmãos muçulmanos'. Trocamos algumas mensagens por telefone e e-mail, mas ele nunca me respondeu qual era o nome da universidade", conta Dimitri.
Duas semanas depois, quando o filho deixou de dar sinal de vida, o pai deduziu que ele se unira ao grupo de jovens belgas na Síria e foi até o país investigar seu paradeiro, com a ajuda de uma equipe de televisão árabe, mas voltou para casa sozinho.
Assim como Rosana, ele e outros pais na mesma situação se queixam do descaso das autoridades belgas que, segundo eles, ignoraram suas denúncias contra a Sharia4Belgium quando os filhos começaram a frequentar o grupo, assim como suas queixas por desaparecimento quando os rapazes deixaram de dar notícias.

INF. G1  . VIA GRITOS DE ALERTA

Record desiste de brigar com Globo pelo 1º lugar


A ordem na Record é economizar dinheiro e fazer jus aos quase R$ 500 milhões que a Igreja Universal repassa anualmente à emissora.

As mudanças que ocorreram na cúpula da Record neste início de semana marcam uma nova era para a emissora. Com a saída do vice-artístico Honorilton Gonçalves e sua substituição por Marcelo Silva, executivo de confiança da Igreja Universal, mostra o fim do chamado "caminho da liderança", slogan (pretensioso) estreado em 2008...?

A ordem na Record agora é economizar dinheiro e fazer jus aos quase R$ 500 milhões que a Universal repassa anualmente à emissora, pela compra das madrugadas.

Um dos setores que devem ser mais afetados é o da dramaturgia, que sofrerá cortes e redução extrema de produções. Sem novelas, a Record está, na prática, desistindo de tentar competir com a Globo pelo primeiro lugar em audiência - que, pelas contas de Honorilton, deveria ser atingido em 2015.

Muitos funcionários da Record ficaram felizes por saber que o novo executivo Marcelo Silva não é bispo da Igreja Universal. Ledo engano. Não é bispo, mas tem status de. É homem de confiança de Romulado Panceiro, indicado pelo próprio Edir Macedo como seu herdeiro.

Fonte: A Tarde

Cristãos egípcios vão às ruas pedir o país deles de volta




Cristãos egípcios vão às ruas pedir o país deles de volta Quem roubou o Egito?
A resposta depende a quem você vai perguntar entre os milhares de egípcios que invadiram as ruas de todo o país nos últimos dfias, seja para forçar o presidente Mohamed Morsi a sair do cargo seja para apoiá-lo.
"Agora estamos vendo que a revolução está sendo ameaçada", disse um membro da Irmandade Muçulmana, entre a principal das muitas fileiras formadas em torno de Morsi.
World Watch Monitor falou com um número de cristãos em meio a uma multidão de manifestantes. O ponto de vista dos cristãos é: a Irmandade Muçulmana sequestrou o que era para ser um novo Egito, pluralista e que deveria emergir em janeiro de 2011 com a derrubada de Hosni Mubarak.
"Estou deprimido porque não esperávamos isso", diz Amgaed Fahmi, que dirige uma empresa de importação no Cairo. "Eu participei várias vezes da revolução. Tive um sonho de mudar e, de repente, a Irmandade roubou a revolução".
Os cristãos que falaram com a World Watch Monitor nesta semana se descrevem como patriotas egípcios cansados do declínio econômico, da corrupção e de um governo dominado por islamitas que abandonaram a intenção original de derrubar um regime autocrático.
"Estou participando hoje para remover o sistema corrupto", diz Shenoda Danil, um motorista de táxi de uma área ao sul do Cairo chamada Cidade 15 de Maio. "A nossa situação tornou-se pior. A Irmandade está pensando apenas nela. Eles não sabem e não fazem nada para o povo. Eles dividiram a nossa sociedade em muçulmanos e cristãos".
"A Irmandade roubou a primeira revolução", diz Danil. "Isso é injusto, é uma injustiça".
Hebatalla Safwat Ghali, uma professora de francês na Universidade do Cairo, passou semanas entre os manifestantes de 2011 na praça Tahrir, epicentro do levante que derrubou Mubarak. No domingo, ela estava de volta na praça, entre as dezenas de milhares de manifestantes antigoverno.
"Estou aqui em el Tahrir porque, em primeiro lugar, sou egípcia, sou parte deste povo", diz ela. "E em segundo lugar, porque, como uma copta, eu apresento o meu amor cristão ao meu país. Preocupo-me com as preocupações do meu povo. Tenho compaixão de todo o povo egípcio. Rejeito todo tipo de injustiça a todas as pessoas, não apenas aos cristãos. Vamos manter a nossa revolução até alcançarmos três valores: justiça social, liberdade e dignidade humana. A situação tornou-se pior, mas vamos continuar até o fim. A Irmandade", diz Ghali, "está tentando raptar nosso país".
Mekheel Aziz Karyakos, um padre em Mar Igreja Copta Gerges no distrito Shobra do Cairo, diz que ele tinha o dever, como um líder cristão, de tomar parte nas manifestações de domingo.
"É muito importante para mim estar aqui, porque eu sou um egípcio e copta, e também porque eu sou um líder e eu tenho uma responsabilidade", diz ele. "O Egito é tão grande para nós, e a Irmandade está tentando roubá-lo. Eles estão roubando o futuro do nosso povo".
Alguns dos cristãos entrevistados dizem que foram às ruas para protestar por outras preocupações cotidianas, como o desmoronamento da economia do Egito, direitos básicos e ordem.
"Este é o meu país, e eu estou preocupado com o meu futuro", diz Shady Abdel Massieh, que trabalha como topógrafo. "Morsi não fez nada. Não há gás, electricidade, segurança ou emprego. A situação é muito ruim. E ele e a Fraternidade ainda dividiram o país".
Manifestantes antigoverno continuaram a embalar Tahrir em espaços públicos em todo Cairo e em outras cidades em todo o Egito na terça-feira. Os partidários de Morsi, por sua vez, reforçaram seus próprios números em vários locais do Cairo, e os oficiais da Fraternidade pediram aos apoiadores em todo o país para se prepararem para preencher as ruas. As tensões continuaram a aumentar à medida que as últimas horas se passavam para o fim do prazo militar dado a Morsi para chegar a um acordo com a oposição.
Dezenas de pessoas foram mortas em confrontos esporádicos antes e depois dos protestos de domingo.
O clima na terça-feira nas ruas em redor el Etehadeya Palace, no bairro de Heliópolis, era mais leve. A multidão foi impulsionada pelo ultimato dos militares a Morsi, amplamente recebido como um endosso dos manifestantes, que entoavam canções patrióticas e traziam bandeiras egípcias pintadas nas bochechas das crianças, enquanto helicópteros militares jogavam pequenas bandeiras de suas aeronaves para as pessoas abaixo.
"Como cristão, eu me senti extremamente marginalizado desde que [Morsi] chegou ao poder", diz Manal Selim. "Ele cometeu uma série de erros fatais que desfiaram a nossa sociedade, a começar por pedir um comitê qualificado para elaborar a Constituição que ignorou totalmente a nossa participação [dos cristãos]. Ele deve sair".
Dois amigos, um deles usando uma cruz e o outro o hijab muçulmano, falaram com otimismo.
"Hoje temos de volta o nosso Egito", um deles disse a World Watch Monitor. "Durante um ano, eles têm tentado colocar-nos à beira de uma guerra civil, mas hoje provamos que isso é impossível. Queremos um país civil, com um novo presidente civil, que pode melhorar as nossas condições de vida e manter a nossa segurança e estabilidade", disse o outro.
Para o artigo original, visite worldwatchmonitor.org.
Fonte: Charisma News

Jogadores de escola americana proibidos de orar após as partidas



Jogadores de escola americana proibidos de orar após as partidas Uma tradição dos jogadores do time de Futebol Americano da Lahser High School de orar após as partidas foi banida pela diretoria da escola após uma reclamação da entidade ateísta American Civil Liberties Union (ACLU).
A prática já durava 11 anos, e agora, não haverá mais orações no pós-jogo da escola, que fica no Estado de Michigan. A decisão foi tomada para evitar problemas com o grupo ateu, que se queixava da postura do treinador da equipe, Dan Loria.
De acordo com o Huffington Post, inicialmente a ACLU alegou que Dan Loria estaria liderando os jogadores em oração, mas a escola descobriu durante a investigação dos fatos que o treinador apenas participava.
Porém, a decisão foi mantida pela escola devido a uma suposta violação à Cláusula de Estabelecimento e Liberdade Religiosa da Primeira Emenda da Constituição Federal dos Estados Unidos.
“Quando se trata de disciplina, o que você permitir, é incentivar. Por eu estar presente, eu estava encorajando-os. Isso aconteceu por minha causa e eu tive que acordar”, declarou Dan Loria.
A carta da ACLU sugeria que a oração poderia alienar os alunos que não desejassem participar ou que não faziam parte da religião da maioria. No entanto, vários comentaristas esportivos criticaram a proibição da oração entre os jogadores, que era uma tradição da equipe há mais de uma década.
“A escola não deve estabelecer que, após o jogo agora é o momento para que todos devam orar. Mas os treinadores de futebol ou estudantes podem ter liberdade de fazer uma prece depois de um jogo de futebol pela escola? Claro”, disse o “, disse o padre Jonathan Morris, um em entrevista à Fox News.
Um dos alunos da Lahser High School, Blaine Stannard, também criticou a proibição: “Os rituais são uma parte importante do jogo e ajudam a ficar focado e preparado para render o seu melhor”, disse.
Segundo o Pew Research Center, 57% dos norte-americanos se posicionam contrários a uma decisão de 2012 do Supremo Tribunal Federal, que decidiu proibir a prática da oração em escolas públicas.
Fonte: Gospel Mais

Dilma veta projeto “pró-Israel” de Marcelo Crivella

O projeto de lei instituía o dia 29 de novembro como o “Dia da Celebração da Amizade Brasil-Israel”.

Entre as muitas notícias que não obtiveram destaque da grande mídia nas últimas semanas, por conta da cobertura das manifestações nas ruas e a Copa das Confederações, um projeto se destaca.

O Senador Marcelo Crivella criou em 2005 um projeto de lei que instituía o dia 29 de novembro como o “Dia da Celebração da Amizade Brasil-Israel”. Depois de vários anos tramitando em Brasília, foi aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado. Quando chegou para a sanção da presidenta Dilma Rouseff na semana passada, ela decidiu vetar o projeto.

Dilma seguiu a orientação do ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota. A justificativa oficial é que a data escolhida foi decretada por decisão da Organização das Nações Unidas (ONU), o “Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina”. Atual ministro da Pesca e Aquicultura do governo de Dilma, Marcelo Crivella não se manifestou publicamente sobre o assunto.

Na justificativa do veto encaminhado ao Congresso Nacional, lê-se, “Apesar do mérito da proposta, a data escolhida para se instituir como o ‘Dia da Celebração da Amizade Brasil-Israel’, 29 de novembro, coincide com o ‘Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina’, criado pela Assembleia Geral das Nações Unidades em referência à partilha do território do mandato britânico da Palestina em dois Estados. Desta forma, este dia acaba por ter maior significado para o povo palestino”.

Ou seja, ao invés de o governo brasileiro se aliar com Israel, preferiu honrar a Palestina, território ocupado pelos descentes dos filisteus bíblicos, inimigos históricos dos judeus. De certa maneira, é um rompimento com a tradição de apoio do Brasil a Israel, já que a criação do Estado moderno de Israel em 1948 só foi possível graças ao voto do brasileiro Osvaldo Aranha.

A opção por colocar a Palestina em primeiro lugar não se justificaria pois a ONU ainda não a reconhece como um país independente.

Embora o governo brasileiro reconheça a importância da iniciativa de Crivella, encaminhou um projeto de lei substitutivo, indicando 12 de abril como a data a ser celebrada. A escolha seria uma referência ao dia em que o governo brasileiro começou a ter relações bilaterais com Israel, em 1951.

Fonte: Gospel Prime com informações de O Globo e Coisas Judaicas

Igrejas oferecem cultos para haitianos em Porto Velho



Igrejas evangélicas oferecem cultos para haitianos em Porto VelhoA quantidade de haitianos que se mudaram para Porto Velho (Rondônia) nos últimos anos chamou a atenção das igrejas locais que passaram a oferecer reuniões na língua creole, a mais falada no Haiti.
Dados do UOL revelam que desde 2011 cerca de 3.000 haitianos se mudaram para a cidade atraídos pelas ofertas de emprego nas hidrelétricas do rio Madeira. Fugindo da fome que assola o país, o Brasil se tornou um dos principais destinos de quem busca uma vida melhor para suas famílias.
A igreja Assembleia de Deus foi a primeira a criar uma igreja para receber esses imigrantes, localizada no centro da cidade o espaço recebe ao menos 100 fiéis que oram, cantam e ouvem as pregações conduzidas por Pierrelus Pierre, um haitiano que já era pastor da assembleia antes de vir para o Brasil.
Para a BBC ele informou que ministrava em uma igreja na República Dominicana e que veio para o Brasil em busca de trabalho. “Quando cheguei aqui a história mudou”, disse ele que foi convidado pelo pastor Joel Holden para assumir as pregações voltadas para os haitianos.
O pastor brasileiro Evanildo Ferreira da Silva assiste a todos os cultos e atua como um assistente de Pierre. Ele comenta que muito dos novos convertidos são praticantes de vodu e que com muito cuidado o pastor ensina que é necessário abandonar a prática para viver o cristianismo.
Além da Assembleia de Deus outros ministérios estão prestando atenção neste público e desenvolvendo estratégias de evangelização. A Igreja Adventista tem cerca de 30 fiéis haitianos e os ajudam com cestas básicas, pagamento de aluguéis e ainda encaminha os desempregados para vagas de emprego junto aos empresários da igreja.
O pastor Paulo Praxedes comemora ao ver que a vida desses novos membros está mudando. Todos eles já estão empregados e conseguiram comprar celular e bicicleta.
Assim como a AD, a Igreja Adventista de Porto Velho planeja criar uma igreja exclusiva para esses imigrantes, a proposta é que até o mês de agosto o novo espaço esteja funcionando. Com informações UOL.

DEPOIS DA COBRANÇA - Dilma receberá representantes evangélicos, diz ministro

Dilma receberá representantes evangélicos, diz ministroNa próxima semana a presidente DilmaRousseff estará se reunindo com lideranças evangélicas. A data ainda não foi marcada e nem os nomes dos pastores convidados foram revelados, mas a medida foi tomada para tentar impedir a perda de apoio político.
A presidente foi muito criticada por religiosos por ter se reunido com movimentos sociais que lideraram os protestos em todo o Brasil e não ter se encontrado com os evangélicos que fizeram uma manifestação pacífica em Brasília.
Entre os líderes religiosos que reclamaram da falta de diálogo entre o governo e as igrejas está o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) que pelo Twitter mostrou muita insatisfação. “Não há explicação para o desprezo e a desconsideração da Presidenta Dilma com o segmento evangélico. Parece que somos marionetes”, escreveu.
O pastor Silas Malafaia também criticou a presidente que se reuniu até com as líderes da “Marcha das Vadias” e não teve o interesse em ouvir os evangélicos. “Povo evangélico, acorda! Dilma se encontra com representantes da Igreja Católica, LGBT, vadias e etc. E nós? Nada! Depois vai querer nosso voto em 2014″.
O responsável por essa ligação entre a presidente e os movimentos sociais é o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, que acredita que essas reuniões sejam importantes para debater o que ele chama de “momento nacional”.
Nesses encontros a presidente mostra as estratégias do governo para resolver as reivindicações dos manifestantes. Apresentando respostas e fazendo promessas como investir mais em educação e saúde. Com informações Folha de SP.

Cindy Jacobs convoca o Brasil para campanha de oração



Cindy Jacobs convoca o Brasil para campanha de oraçãoA profetiza americana Cindy Jacobs enviou uma mensagem aos brasileiros sobre as manifestações que estão acontecendo em todo o país desde a segunda quinzena de junho.
No vídeo ela convoca os cristãos de todo o Brasil para orar e jejuar por 21 dias, se juntando com a campanha da Igreja Batista da Lagoinha que se iniciou no dia 25 de junho e terá seu encerramento no dia 14 de julho. “Vamos levantar uma adoração intercessora. Adoração é a chave. Brasileiros, vocês são uma nação adoradora”, disse ela.
A oração deve ser pela queda da corrupção, todos os participantes da campanha terão este propósito, mas o farão adorando ao Senhor e sem usar a violência. “Satanás quer, em meio a isto, gerar violência, alguns até diriam que pode beirar a iniquidade ou anarquia”.
Cindy Jacobs se refere aos episódios de vandalismo que aconteceram nas manifestações nas principais capitais do Brasil, incluindo em Belo Horizonte onde está localizada a sede da IBL.
“Deus está dizendo: Eu quero alterar a balança da justiça no Brasil. Eu quero ver os pobres sendo cuidados. Eu quero ver a nação florescer”, disse a profetiza.
Ela acredita que enquanto todos estiverem clamando pelo país, em favor da justiça, Deus vai conduzir a nação para um novo tempo. “Deus ama o Brasil. Ele quer liberar justiça, derrubar o espírito de corrupção e conduzir você, Brasil a um novo tempo”.
Foi Cindy quem profetizou que Deus estaria levantando uma geração que denunciaria os problemas do governo e que Deus colocaria fim na corrupção. A profecia foi liberada em março deste ano durante o 14º Congresso de Louvor Diante do Trono que aconteceu na capital mineira.

GP

Governo ignora protestos e libera R$ 400 milhões para estádio do "Lula"

 
Lula e o Presidente do BNDES, Luciano Coutinho
Em meio aos protestos contra, entre outras calamidades, o derrame de verbas públicas na construção de estádios para a Copa do Mundo, o BNDES resolveu nessa terça-feira tomar o rumo de contramão da vontade popular. O banco decidiu liberar R$400 milhões para a conclusão das obras do Itaquerão, que agora tem previsão de chegar ao final no início de janeiro de 2014.
O financiamento chegou a um impasse quando o Banco do Brasil, que seria o responsável pelo repasse, rejeitou as garantias propostas para o empréstimo. A Caixa Econômica então entrou no circuito e, estranhamente, acatou as mesmas garantias recusadas pelo Banco do Brasil.
Faltava a aprovação da direção do BNDES para ratificar o financiamento, o que ocorreu nessa terça-feira, exatamente no momento em que a população ocupa as ruas do país contra os gastos com a Copa do Mundo, apesar de a própria Fifa já ter sinalizado com a alternativa de realizar a abertura da Copa, até então marcada para o Itaquerão, em Brasília. O estádio já recebera aporte de R$420 milhões da Prefeitura de São Paulo, através de títulos repassados ao clube e à Odebrecht, encarregada de levantar o estádio corinthiano.
Assim como ocorre com o Maracanã e se deu com o Mineirão, a propriedade do estádio será repassada a uma entidade privada. Se no caso dos estádios carioca e mineiro os beneficiários foram consórcios privados, em São Paulo a inovação privilegia um clube, o Corinthians, que também recebe patrocínio milionário da Caixa, injustificado à luz dos negócios, uma vez que o clube, assim como o Flamengo no Rio, também agraciado com o socorro da autarquia federal, tinha sérias dificuldades para obter no mercado privado um patrocínio master.

BNDES
Um órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), empresa pública federal, é hoje o principal instrumento de financiamento de longo prazo para a realização de investimentos em todos os segmentos da economia, em uma política que inclui as dimensões social, regional e ambiental.
Estádio Itaquerão conhecido como "Lulão",por causa do empenho do ex presidente em construir essa arena "goela abaixo"

Envie seu Comentário