segunda-feira, 6 de julho de 2015

AS ADVERTÊNCIAS AOS HEBREUS .


A carta aos Hebreus foi escrita visando especialmente os crentes judeus, donde o seu nome. É importante sempre lembrar disso para compreender o seu conteúdo, pois muitas coisas apenas concernem aos judeus. Na falta desta compreensão surgem distorções e erros, mesmo até à heresia da teologia da substituição, que sustenta que a igreja tomou o lugar dos judeus nas promessas feitas aos seus patriarcas... Hebreus não deixa de ter ensinamentos proveitosos também para os crentes em geral pois, como os demais livros da Bíblia, é divinamente inspirado e proveitoso para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça (2 Timóteo 3:16).
Os crentes judeus dentro de Israel sofriam perseguição severa por causa da sua fé, e muitos eram tentados a voltar ao judaísmo, pensando que podiam abrir mão da sua salvação provisoriamente até que a situação se abrandasse, para depois aceitar o senhorio de Cristo novamente e com isto apagar o pecado de apostasia. Hebreus esclarece que não existia essa opção. Para os judeus “salvar” ou “salvação” pode ter por objeto a morte espiritual, mas também a morte física, e só assim se compreendem alguns trechos do livro.
Vamos a seguir extrair do livro cinco advertências, todas relacionadas com o julgamento e a morte física do Velho Testamento, mas que são também adaptáveis à vida espiritual do crente.
1. Contra o afastamento (capítulo 2:1-4): “Por isso convém atentarmos mais diligentemente para as coisas que ouvimos, para que em tempo algum nos desviemos delas...” – “por isso” é uma referência ao fato que o Senhor Jesus é superior aos anjos, logo é preciso atentar ao que Ele diz, e não nos afastarmos como se estivéssemos à deriva, perdendo a memória do que nos foi transmitido. A revelação através do Filho, que temos no Novo Testamento, traz obrigações aos que a recebem que são muito mais solenes do que a revelação feita através de anjos ou de simples homens como no Velho Testamento. A superioridade do Evangelho é por ter sido anunciado inicialmente pelo Senhor, depois confirmado pelos que o ouviram, e finalmente testificado por Deus junto com eles (v. 3a e 4).
Mesmo hoje muitos permitem esquecer-se do ensino de Cristo para ouvirem mensagens que se asseveram ser de anjos, ou de homens, como se pudessem ser ainda superiores. Quantos dedicam mais do seu tempo à leitura de livros “espirituais” que desenvolvem teorias, ensinamentos e conselhos alheios ao que aprendemos na Palavra de Deus, tendo já esquecido o que ela realmente ensina! O crente que se afasta estará sujeito à disciplina divina – não a perda da salvação espiritual, mas perda material, até mesmo da própria vida física, como acontecia no Velho Testamento aos que se desviavam dos caminhos de Deus ali revelados.
2. Contra a desobediência (3:7 a 4:13):- “a quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão aos que foram desobedientes?“ – Por causa da sua incredulidade, que gerou a desobediência, a grande maioria dos judeus que saíram da escravidão do Egito rebelou-se contra Moisés e Arão e não entrou na terra da promessa. Lemos em Números 14:20 que depois se arrependeram e que Deus perdoou o seu pecado, mas assim mesmo sofreram a penalidade da morte física no deserto: não a perda da sua salvação espiritual. “...Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações, como na provocação...” é o paralelo daquele episódio na vida do crente. Ele deve cuidar-se porque é responsável pela sua conduta, evitando que se encontre nele “um perverso coração de incredulidade, para se apartar do Deus vivo”como fez aquela geração, incluindo aqui a sugestão de corromper outros também. Ao contrário, os crentes devem exortar-se uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum se endureça pelo engano do pecado”.
Não se trata da retenção da salvação com base na perseverança na fé, mas da posse da salvação evidenciada pela continuação na fé. Um verdadeiro crente continua a crer mesmo que tenha tropeçado em pecado. O judeu convertido é exortado a “entrar naquele descanso”. Os rebeldes não entraram na terra da promessa, o que seria o seu “descanso” na terra (não é símbolo do céu, pois na terra da promessa ainda haveria muitas lutas, mas representa a vida de bênção do crente aqui na terra). O judeu convertido não teria a vida de bênção se voltasse ao judaísmo. Hoje, o crente convertido sofre a tentação da incredulidade, por exemplo com o assédio das teorias da evolução e do humanismo. Se lhes der ouvidos, será impelido à desobediência, e perderá o seu “descanso”, que são as bênçãos em sua vida aqui no mundo. Mas não perderá a sua salvação e a vida eterna.
3. Contra a imaturidade (5:11 – 6:20):- “vos tornastes tardios em ouvir, porque, devendo já ser mestres em razão do tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar os princípios elementares dos oráculos de Deus, e vos haveis feito tais que precisais de leite, e não de alimento sólido”, o que vem a ser a imaturidade por causa da estagnação espiritual e incapacidade para aprender a “palavra da justiça” e, “pela prática, ter as faculdades exercitadas para discernir tanto o bem como o mal”. As palavras “vos haveis feito tais” demonstra retrocesso ao invés do progresso que seria de se esperar no crente. O retrocesso voltava aos seis princípios rudimentares dos oráculos de Deus aqui mencionados: “o arrependimento de obras mortas” (o sistema levítico),“e de fé em Deus” (conversão ao senhorio de Cristo), “e o ensino sobre batismos” (as várias imersões e lavagens do sistema levítico) “e imposição de mãos” (a maneira de abençoar e dedicar ou se identificar com pessoas ou coisas no Velho Testamento), “e sobre ressurreição de mortos” (também uma doutrina do Velho Testamento achada em Jó 19:25, Isaías 26:19 e Daniel 12:2), “e juízo eterno” (o julgamento final, do “grande trono branco”). É o desejo de Deus que o crente progrida para a maturidade, embora não o obrigue a fazê-lo (6:3). Alguns daqueles judeus já teriam regredido ao ponto de não poderem avançar mais. Pensavam que tinham a opção de voltar atrás ao judaísmo e depois arrepender-se para voltar à fé cristã, assim apagando o pecado de apostasia. Mas conforme a sua posição diante de Deus, eles não tinham essa opção, pois era impossível. Se fossem verdadeiros crentes, eles teriam cinco privilégios espirituais: “foram iluminados” (regenerados e salvos), “e provaram o dom celestial” (tiveram experiência real do dom de Deus que era o Messias), “e se fizeram participantes do Espírito Santo” (receberam o Espírito Santo ao se converterem), “e provaram a boa palavra de Deus”(foram beneficiados com o conhecimento e ensino da Palavra), “e os poderes do mundo vindouro” (viram milagres apostólicos, amostra dos poderes que serão manifestados no reino do Messias).
O versículo 6:6 é crucial e uma interpretação errada tem sido usada por alguns como base para a doutrina da perda da salvação. O que o autor está dizendo é que, aos crentes que possuem esses cinco privilégios espirituais evidenciando que são verdadeiros crentes, é impossível cair e, portanto, de ser renovados para arrependimento. A razão da impossibilidade é que, para perderem a sua salvação e a receber novamente seria necessário que o Filho de Deus fosse crucificado de novo. Pela sua ação, os que caiam manifestavam sua rejeição de Jesus como Cristo, colocando-se junto aos outros judeus incrédulos da sua geração. O verdadeiro crente não tem a opção de voltar atrás e terá que prosseguir. Se for negligente, será disciplinado nesta vida ou dará contas do seu proceder no tribunal de Cristo. Não perderá a sua salvação.
4. Contra o pecado voluntário (10:19-31):- “Se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados”, portanto devem ser seguidas as exortações dos versículos 22 a 25. O castigo pelo pecado voluntário é a expectativa terrível de juízo. Trata-se de uma condição de continuidade, não de um pecado isolado. No caso daqueles judeus, seria voltar ao judaísmo e continuar nele intencional e permanentemente. No Velho Testamento não havia sacrifícios possíveis para alguns pecados, como adultério, assassínio e blasfêmia, mas o culpados tinham que sofrer a pena de morte. Novamente, não se tratava de morte espiritual. Os crentes judeus daquele tempo que voltassem ao judaísmo, cometendo apostasia, teriam como castigo morte física (v. 28-29), morte na destruição de Jerusalém em 70 d.C. (v. 25 e 27) e perda das recompensas no tribunal de Cristo (v. 35-36).
Novamente, o crente de hoje que peca voluntária e continuadamente também está sujeito à disciplina nesta vida e à perda das recompensas no tribunal de Cristo. Mas não perde a sua salvação.



5. Contra a indiferença (12:25-29):- “Vede que não rejeiteis ao que fala”:- os crentes judeus deviam cuidar para não ser indiferentes à voz de Deus, como os israelitas tinham sido no Monte Sinai. Está no presente, portanto é a voz de Cristo que nos fala hoje pela Sua Palavra, como Deus falava ao povo na antiguidade. Os que estavam debaixo da lei de Moisés não escaparam da punição, portanto os crentes que não atentam à voz de Cristo hoje não podem esperar tratamento melhor. Sofrerão  disciplina e perda de recompensa, mas não perderão a sua salvação eterna.
Enfim, repetimos, essas advertências têm em vista evitar sérios castigos neste mundo e prejuízo no porvir. Embora dirigidas aos cristãos judeus no início do cristianismo, têm aplicações para o crente no presente. Não se cogita na perda da sua salvação e da sua vida eterna, que são garantidos pelo nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo em Sua Palavra para todo aquele que ouve a Sua Palavra e crê em Deus (João 5:24). A vida eterna não é passível de morte.


VIA  GRITOS  DE  ALERTA

O REI DA GLÓRIA


À medida que os dias correm e confirmamos os sinais da proximidade da vinda gloriosa dO Elohim Eterno, que virá na poderosa figura de Seu Filho, Yeshua ben David, mais sentimos vontade de glorificar o Seu Santo Nome e os feitos inenarráveis em poder que O Altíssimo realizou para gozo do Seu povo santo.
E ainda não estão esgotadas as maravilhas que Ele virá para realizar, pois nos é dito que no reino milenar de Yeshua todas as coisas serão restauradas. Que coisas? Todas as que o homem perverso, na sua ânsia de lucro e domínio, vem destruindo como parte da herança que lhe foi legada pelo Altíssimo Senhor.
É caso para ansiarmos, cada vez mais, a Sua vinda gloriosa, pois este mundo tem sido regido por Satanás e pelos seus seguidores, os quais só cuidam em destruir e criar injustiça à sua volta.
Aqueles que hoje suspiram por justiça serão consolados.

Sejamos como o salmista que já nessa época remota anunciava a vinda gloriosa do Santo de Israel:
Salmo 24:6-10 – “Esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacob. (Selá.) Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é este Rei da Glória? YHWH forte e poderoso, YHWH poderoso na guerra. Levantai, ó portas, as vossas cabeças, levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é este Rei da Glória? YHWH dos Exércitos, ele é o Rei da Glória. (Selá.)”.
Sim, O Eterno Rei da glória virá para cumprir o que Ele anunciou através dos profetas antigos. Ele virá para estabelecer a justiça e equidade entre os homens. Diz a Palavra que não se fará mal algum no “monte da Sua Santidade” e, noutra parte, é-nos dito que esse mesmo monte encherá toda a Terra. Esta é a esperança e certeza de fé de todos os que aspiram pela Sua vinda e pela paz gloriosa que reinará sobre toda a humanidade, pois não mais haverá fome nem guerra; os instrumentos de destruição que hoje existem serão transformados em instrumentos de produção… e O Altíssimo abençoará toda a Terra. Até os desertos se transformarão em mananciais de águas.
Basta lermos as profecias para ficarmos com uma pálida ideia do que será o reino vindouro. Bastará dizer que todos os povos e nações andarão na Sua Luz, querendo isto dizer que todos os homens conhecerão e serão regidos pela santa e eterna Lei/Torá de YHWH, a Sua justiça.
Toda esta visão dos dias vindouros (para breve) estão confirmados em promessas inabaláveis dadas pela boca do Filho do Altíssimo:
Mateus 5:3-12 – “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus; bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça [da Lei/Torá de YHWH], porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”.
Estas não são promessas vãs…como as dos homens. Confiemos Nele.

Vem Adonai Yeshua vem despertar alguns cujo coração/mente só Tu conheces.
AlleluYAH

EI , VOCÊ TEM UM POUCO DO SEU TEMPO PARA ME OUVIR ?

Amados em Cristo.
Diante de tão grande desafio , que é levar a palavra de DEUS a  todos os lugares na Terra , nos sentimos tão pequenos , que as vezes bate o frio na barriga .
Nosso trabalho nasceu na pequena cidade de Jaguariúna , SP , e pela graça e misericórdia D´le , nós estamos expandindo para outras nações.
Através do Blog Gritos de Alerta , estamos levando a palavra de DEUS  a milhares de pessoas todos os dias , mas agora abrindo novas portas para a pregação da Palavra .
Em Moçambique m na África , estamos com algumas frentes de trabalho , onde já estamos contando com a participação de mais de 1600  vidas .
Esse grupo de irmãos de Moçambique , já iniciou outro trabalho em Malawi , país vizinho de Moçambique .
A poucos dias , um amado pastor da ÍNDIA , disse que Deus o mandou a  se filiar e fazer parte da GERAÇÃO GRAÇA E PAZ .
A cada dia , Deus tem nos dado um degrau a  mais para subir , e assim cumprirmos nossa missão .

Nós sabemos que não precisamos de recursos desse mundo pois DEUS é quem supre nossas necessidades .
E por isso estamos chegando até o amado e  amada irmã para lhe fazer um convite .
SEJA ESSE CANAL DE BENÇÃO PARA ESSAS VIDAS , E DOE , CONTRIBUA , FAÇA VALER EM SUA VIDA AS PROMESSAS QUE O PAI LHE CONCEDEU.
Nós precisamos de BÍBLIAS , LIVROS , FOLHETOS PARA EVANGELISMO , OFERTAS DE AMOR , em favor dessa obra .
DEUS TE ESCOLHEU , ENTÃO FAZER O QUE ?

Estenda suas mãos e faça com que essa sua ajuda abençoe vidas , e dessa forma você também venha colher e receber dessas benção .


AJUDE NOS EM NOME DE JESUS , POIS SUA AJUDA VEM DE DEUS PARA AJUDAR VIDAS. 



 APOSTOLO ROBERTO TORRECILHAS
MINISTÉRIO APOSTÓLICO GERAÇÃO GRAÇA E PAZ
WHATSS APP  19 9 8292 7812








Cristãos presos são punidos depois de receber visita de pastor com câmera no Sudão


Cristãos presos são punidos depois de receber visita de pastor com câmera no Sudão
Dois pastores presos na República do Sudão foram transferidos a celas isoladas como forma de punição, porque um pastor filmou a prisão em uma das visitas. Na nova unidade de detenção, os prisioneiros tiveram o acesso a visitantes e a um advogado negado.
Os pastores Yat Michael (preso há seis meses) e Peter Yen Reith (preso há cinco meses) estão detidos por acusações puníveis com a morte ou prisão perpétua. Os dois pastores trabalhavam na Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão do Sul, que tem seu terreno em disputa por empresas privadas, apoiadas pelo governo.
William Devlin, que pastoreia a Igreja Infinity Bible nos EUA, visitou o Sudão por oito vezes. Em sua última viagem, o objetivo foi visitar Michael e Reith. No entanto, enquanto esperava sua vez para encontrar os pastores, Devlin tirou fotos e filmou a área de espera da prisão, e foi detido em seguida.
"Eles excluíram as fotos e disseram que eu tinha cometido um crime", disse Devlin. "Eu disse aos guardas: 'Peço desculpas, peço o seu perdão, eu não estava ciente de que isso fazia parte da política daqui'."
Devlin foi detido e interrogado durante mais de uma hora, enquanto outros três pastores sudaneses que o estavam acompanhando foram autorizados a conhecer Michael e Reith.
O advogado dos pastores orientou Devlin a não visitá-los, para que o governo não dê condições piores aos prisioneiros. Devlin reconhece, mas ainda incentivou mais pastores americanos a visitarem seus colegas presos em outros países.
"Meu desafio a outros pastores americanos é pegar um avião como eu fiz e ir até lá, e visitar esses pastores. Não seja tão auto-centrado sobre a sua igreja, mas lembre-se o que Jesus disse em Mateus 25: 'Quando eu estava na prisão, você me visitou'", disse.
Desde que o Sudão do Sul separou-se do restante do país em julho de 2011, a perseguição cristã tem aumentado no Sudão. O presidente Omar al-Bashir aprovou uma versão mais rigorosa da lei islâmica e reconhece apenas a cultura muçulmana na nação. Desde então, o Sudão parou de emitir licenças de construção para igrejas, expulsa cristãos estrangeiros, e tem igrejas demolidas.

Com casamento gay, igrejas evangélicas enfrentam nova realidade nos EUA

  • 28.jun.2015 - O reverendo Wilfredo De Jesus, também conhecido como Pastor Choco, reza com fiéis na New Live Covenant Church, em Chicago, nos EUA
    28.jun.2015 - O reverendo Wilfredo De Jesus, também conhecido como Pastor Choco, reza com fiéis na New Live Covenant Church, em Chicago, nos EUA
O tom do culto foi definido no início. Uma oração de abertura declarou que se tratava de "um dia sombrio". O sermão girou em torno de um salmo de lamentação. Na metade, um pastor leu uma declaração dizendo que os anciãos e funcionários da igreja estavam "profundamente tristes".
No centro de Chicago, como em várias outras cidades do país, o domingo foi marcado pela alegria, as festas anuais do orgulho gay tiveram mais motivo para celebrar com a decisão de sexta-feira da Suprema Corte dos EUA, que legalizou o casamento entre pessoas de mesmo sexo em todo o país.
Mas aqui na Igreja Wheaton Bible, uma congregação evangélica que atrai cerca de 2.600 pessoas para seus cinco cultos de fim de semana, foi um dia de tristeza.
"Eu vim com uma grande sensação de lamento, por causa do que aconteceu na sexta-feira", disse o pastor Lon Allison, professor da igreja, aos fiéis antes de ler um comunicado declarando: "não podemos aceitar ou aderir a qualquer redefinição legal, política ou cultural do casamento bíblico, nem vamos realizar ou endossar cerimônias de casamento entre pessoas de mesmo sexo."
A mudança dramática da opinião pública, e agora das leis do país, deixou os protestantes evangélicos, que representam cerca de um quarto da população dos EUA, em uma posição desconfortável.
Fora de sintonia com a sociedade em geral, e muitas vezes ridicularizados como preconceituosos e odiosos, muitos estão se sentindo coagidos enquanto tentam viver de acordo com sua compreensão dos ensinamentos bíblicos, e temem que uma mudança no cenário jurídico quanto aos direitos dos homossexuais leve inevitavelmente à restrição da liberdade religiosa.
Mas os desafios não são apenas externos. Até um ponto que raramente é reconhecido em praça pública, muitas igrejas evangélicas também estão se debatendo com questões internas.
Especialmente perto das grandes áreas urbanas, os pastores relatam que cada vez mais cristãos declaradamente homossexuais estão optando por frequentar congregações evangélicas ("cada vez mais estão vindo para a nossa igreja", disse Allison) e que os fieis heterossexuais que têm amigos ou parentes homossexuais estão confrontando a postura da igreja.
"Há um desejo crescente por parte de alguns, até mesmo dentro da igreja, de combinar a fé cristã com a aceitação da prática homossexual", reconheceu a declaração da igreja Wheaton.
O resultado tem sido uma mudança evidente no tom e na ênfase – mas não nos ensinamentos ou na política – de muitas igrejas. Quase todas as igrejas evangélicas se opõem ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, e muitas não permitem que gays e lésbicas atuem em posições de liderança a menos que sejam celibatários.
Alguns pastores, contudo, agora querem minimizar a pregação sobre o assunto ou falar da homossexualidade em sermões cuidadosamente contextualizados, enfatizando que todas as pessoas são pecadoras e que os cristãos devem amar e acolher a todos.
"Os evangélicos estão percebendo que eles têm uma visão minoritária na cultura, e que nesta questão eles perderam a vantagem de jogar em casa", disse Ed Stetzer, diretor executivo da LifeWay Research, que pesquisa os evangélicos. "Eles estão aprendendo a falar de forma elegante e afável, coisa que, quando sua visão era majoritária, não costumavam fazer."
Um punhado de igrejas evangélicas mudou de posição.
A igreja da cidade de San Francisco, por exemplo, derrubou sua regra de que os gays e lésbicas tinham de se comprometer com o celibato para se tornarem membros, e a Igreja GracePointe, no Tennessee, disse que gays e lésbicas podem atuar em cargos de liderança e receber o sacramento do matrimônio.
Ken Wilson, que fundou a Igreja Vineyard em Ann Arbor, Michigan, publicou uma carta aberta pedindo que haja uma maior aceitação de gays e lésbicas nas igrejas evangélicas. Mas Stetzer disse que eles são exceções.
"Evangélicos conhecidos que mudaram de ideia quanto ao casamento gay, você poderia colocar todos numa SUV", disse Stetzer. "Se você mudar, você se torna uma celebridade na mídia, mas a mudança entre os evangélicos praticantes é mínima."
As pesquisas sustentam essa afirmação.
Mesmo em uma época em que a maioria dos norte-americanos, inclusive a maioria de católicos e protestantes brancos, apoia o casamento gay, entre os evangélicos brancos apenas 27% são a favor, enquanto 70% se opõem, de acordo com o Pew Research Center.
"Apenas porque é legal não significa que é ético", disse o reverendo Wilfredo De Jesús, o pastor sênior da New Life Covenant Church, uma megaigreja da Assembleia de Deus com cerca de 20 mil membros em vários campi, a maioria deles em Chicago.
A decisão do tribunal não foi uma total surpresa, é claro. A igreja Wheaton começou a trabalhar em sua declaração na quinta-feira, antecipando a decisão. E o casamento homossexual já era legalizado em Illinois, como em muitos outros Estados, antes da decisão da Suprema Corte; ele foi legalizado no estado no ano passado.
Na Wheaton, no domingo, Allison disse que quando estava lendo a declaração que reiterava a oposição de sua igreja ao casamento entre pessoas de mesmo sexo, olhou para a multidão e adivinhou que 5% a 10% dos presentes discordavam.
Entrevistas na lanchonete da igreja sustentaram isso: mesmo quando ele estava à frente do culto da noite, alguns participantes do culto anterior disseram que não compartilhavam da reação da igreja à decisão da Suprema Corte.
"Não é um dia triste. É um dia feliz", disse um deles, que pediu para não ser citado pelo nome, enquanto discordava de um líder da igreja que pregava na sala ao lado. "O tribunal tomou a decisão certa", disse outro.
Muitos outros entrevistados disseram apoiar a posição da igreja de que o casamento deve ser reservado para casais de pessoas de sexos opostos.
John Mulsoff, 66, que estava brincando com o neto, com uma Bíblia no braço durante o intervalo da manhã, disse que ele e sua mulher discutiu a questão durante uma longa viagem de carro no dia anterior.
"Estou muito confuso sobre isso", disse ele. "Eu acredito, como a nossa igreja, que o casamento deve ser entre um homem e uma mulher, mas eu não acredito na discriminação, e eu não sei dizer como eu lidaria om isso se tivesse um filho ou uma filha nessa situação."
Claudia Velazquez, 21, disse: "eu não concordo com a legalização, mas eu respeito os seres humanos. Isso não diminui o caráter de alguém, e no fim eles também foram criados por Deus."

VIA  GRITOS DE ALERTA / UOL.COM.BR

Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...