domingo, 25 de março de 2012

MEGA VIGILHÃO REVOLUTION - A vigilia do Espírito Santo.



mega-vigilhao-abril-2012

Novo Sistema de Saúde dos EUA exige Implante de Microchip




Segue a baixo a matéria completa extraida do site www.vigiai.com.br, o tema é bem frequente em qualquer conversa escatológica ou conspiratória. A tempos já sabemos desse “chip”, e nos questionamos: Será essa a marca da besta?
A matéria é antiga, mas devido os documentos expostos e a persistente dúvida sobre o tema, acho que tal matéria é ainda mais atual do que quando foi lançada. Segue toda a matéria incluindo os links dos documentos (em inglês).

Implante de microchip no sistema de saúde?

Os Estados Unidos vão criar um Dispositivo de Registro Médico Nacional para cadastrar todas as pessoas elegíveis ao Novo sistema de saúde. A implementação do dispositivo será...obrigatório em 36 meses
"Enterrado na mais profunda das seções dentro das 1.018 páginas do maciço documento sobre o reforma do Sistema de Saúde Americano em uma seção "não-discutida" pelo Senado americano intitulada: Subtitle C-11 seg. 2521 - National Medical Device Registry, declara a sua finalidade como:
(1) "O secretário deve elaborar um Dispositivo como Registro Nacional de Saúde (na presente subseção referido como o "Registro") para facilitar a análise da segurança de dados e dos resultados em cada dispositivo que''(A) é ou tem sido usado dentro ou em um paciente e''(B) é um dispositivo de classe III, ou''(ii) um dispositivo de classe II que é implantável."
O que exatamente é um dispositivo implantável de classe II?
Foi Aprovado pela FDA, um dispositivo implantável classe II no qual é um dispositivo de radiofrequência ou chamado RFID. Este é um sistema de transponder para identificação do paciente e informações sobre o histórico de saúde do indivíduo. A finalidade de um dispositivo de classe II é a coleta de dados médicos em pacientes, tais como:
  • reivindicações de dados;
  • levantamento de pacientes
  • arquivos padronizados de análise que permitam a partilha e análise de dados provenientes de ambientes de dados díspares;
  • registros de saúde eletrônicos;
  • e quaisquer outros dados considerados apropriados pelo secretário."
Este tipo de dispositivo seria implantado na maioria das pessoas que optarem por tornar-se elegíveis ao plano de saúde público americano. Com a reforma das empresas de seguros privados no qual incorporaram assistência médica, estas cobram taxas ultrajantes e oferecem poucos serviços e opções. Por este motivo, muitas pessoas irão mudar a cobertura de um plano de saúde privado por algo mais acessíveis. Isso significa que o número de pessoas que escolherão o sistema único de saúde pública vai aumentar, consegüentemente o número de pessoas forçadas a implantar o microchip serão aos milhares também.
Os adultos ainda tem uma opção, se mudar ou não de plano, pois ao contrário de todas as crianças que nascerem nos Estados Unidos, que no momento do nascimento não estiverem cobertos por um plano de saúde aceitável, serão qualificados e introduzidas ao Programa CHIP ou inscritas no Plano de Assistência Médica para Crianças.
Crianças concebidas por pais que já estão cobertos pela opção do sistema único de saúde pública, mais que provavelmente serão implantadas com um chip com o consentimento de seus pais. Eventualmente todos os americanos deverão optar pelo microchip, pois poucos poderão permitir-se de pagar um Plano de Saúde Privado, tendo de recorrer a única opção que lhes resta, o plano único de de saúde.
Em outras palavras, de acordo com este relatório, esta nova lei aprovada, oferece a estrutura para tornar os Estados Unidos a primeira nação no mundo a exigir que todos e cada um de seus cidadãos tenham implantado neles um microchip de identificação à rádio freqüência (RFID), com a finalidade de controlar quem é ou não permitido cuidados médicos em seu país.
Consultando a página 1006, linha 20, o documento indica que o dispositivo deve ser implementado no prazo de até 36 meses depois que a reforma do sistema de saúde foi aprovada e virou lei (23 de Março 2010) através da assinatura do Presidente dos EUA, Barack Obama.
Já na página 503, linha 17, refere-se a um dispositivo de vigilância Médica. Por que o governo americano usaria a palavra vigilância ao se referir aos cidadãos? A definição de vigilância é o monitoramento do comportamento e atividades ou outras informações que se alteram, geralmente nas pessoas e muitas vezes de forma secreta.
Em teoria, a intenção de simplificar o sistema de saúde e eliminar a fraude através do uso de microchips parece algo bom em primeira instância, mas uma superpotência mundial obrigar aos cidadãos o uso do dispositivo a ser implantado é assustador!


VIA GRITOS DE ALERTA