quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Dieta de Jesus faz sucesso e ajuda para perder peso

Mundo moderno, dietas mirabolantes, remédios que prometem magreza e comportamento obsessivo sobre o ato de comer. Normal? Finalmente a ciência, a medicina e a religião parecem ter algo em comum sobre dietas. Sem cogitar a hipótese de dietas mágicas ou fórmulas prejudiciais à saúde, o médico Don Colbert propõe uma alternativa às dietas, seguir os passos de Jesus à mesa.
Está tudo no livro “A Dieta de Jesus e de Seus Discípulos”, editoraThomas Nelson Inc. Nele, o autor mostra que comer pode se transformar em uma experiência sempre renovada, onde o hábito compulsivo de contar carboidratos e gorduras é substituído pela escolha correta do que se cozinha e do que se come. Ou seja, independente da sua crença ou religião, o fato comprovado pela ciência é que ninguém questiona é que Jesus era saudável e tinha dieta equilibrada.
Mas o que será que Jesus comia? Analisando cada item da alimentação de Jesus descrita na Bíblia e nos costumes da época, percebe-se uma dieta constituída de muita água, pão integral, produtos frescos e com baixo teor de gordura e sal. É praticamente uma dieta mediterrânea, com muito grão, pão, trigo e cereais. Entre as dicas, há o conselho para se comer mais devagar, dedicando mais tempo às refeições.
“Nós procuramos seguir Jesus em todas as esferas de nossa vida. Então, por que não em nossos hábitos alimentares? Nossa alimentação atual segue padrões muito diferentes dos de Jesus, fazendo-nos contemplar muito rápido o declínio de nossa saúde”, diz Don Colbert em seu livro, lembrando das recentes pesquisas sobre o crescimento do consumo do fast food ao aparecimento de doenças graves.
A dieta de Jesus era baseada em princípios bíblicos, com foco na saúde e na integridade do corpo físico. Assim, carne pura (sem gorduras), aves, peixe, muitos frutos, cereais integrais e vegetais eram a base de suas refeições. Antes de abrir a geladeira ou se exceder nas guloseimas, você já pensou em se fazer as perguntas: por que comer isso? Jesus comeria isto? Segundo o autor dessa inovadora obra, são essas as grandes questões que devem passar pela cabeça em momentos de pura gula.
Também é interessante a relação de Jesus com o pão, com referências a milagres, ensinamentos, parábolas e até na oração do Pai Nosso. Na época dele, os pães eram feitos com farinha grossa de cereais integrais, cozidos sobre pedras grandes e planas, eram mais escuros e pesados do que os que temos hoje. Na noite em que foi traído por Judas, Jesus e seus discípulos comeram pão na última ceia, antes da festa da Páscoa.

O trigo era considerado o sustento da vida e o principal cereal, usado, inclusive, como medida de riqueza. O trigo valia três vezes mais do que a cevada. Ele é rico em vitamina B, ferro, magnésio, zinco, cromo, manganês e vitamina E. No episódio do milagre da multiplicação dos pães, ele abençoou e multiplicou cinco pães de cevada.

Peixes ganham um capítulo especial na obra do especialista. Ele cita um estudo envolvendo mais de 13 mil homens nos Estados Unidos em que o risco de morte por um ataque cardíaco era cerca de 40% menor para aqueles que comiam peixe. O alimento também tem proteínas de alta qualidade, nutrientes (zinco, cobre magnésio, vitaminas B, iodo e outros minerais), afina o sangue, baixa o mau colesterol, reduz os triglicérides, combate inflamações e atenua sintomas de artrite reumatóide, entre outros.
Então, acrescente a sua lista de supermercado: Cereais em estado natural (principalmente cevada e o trigo), iogurte, verduras, alho, cebola, feijões, lentilhas, peixes frescos azeite, frutas, nozes, mel, ovos e aves sem excesso de gordura ocasionalmente e muita água. Sobre o vinho, o autor destaca estudos que mostram que um ou dois copos de vinho tinto por dia reduzem o risco de doenças cardíacas, diminui o risco de acidentes vasculares cerebrais, tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.


VIA GRITOS DE ALERTA
Cristiana Arcangeli

A REDE GLOBO , A BABILÔNIA E A PÉRSIA

A história da Babilônia remonta os tempos mais antigos da história humana. Foi ali, na Babilônia, que os homens decidiram construir uma torre com o propósito de se tornarem famosos (Gn 11.4). Eles só não concluíram a torre porque Deus agiu e, confundindo-lhes a língua, dispersou-os por toda a terra. Mas nem todas as pessoas se mudaram da Babilônia. Durante anos, décadas e séculos a cidade da Babilônia permaneceu ativa na Mesopotâmia, influenciando e sendo influenciada pelas culturas e religiões dos povos à sua volta. Babilônia, como o próprio nome indica, tornou-se o “portão dos deuses”: um lugar aberto a tudo e a todos, onde proliferavam os mais diversos cultos, religiões, idolatrias, práticas de adivinhação, e também festas, bebedices, imoralidades e comércios de todo tipo.
No ano de 586 a.C., o Reino de Judá foi derrotado e conquistado pela Babilônia. Com o propósito de enfraquecer a identidade dos povos conquistados, os babilônios arrancavam as pessoas de sua terra natal e as enviavam para o exílio, espalhando-as e misturando-as com outros povos. Era uma estratégia de guerra e conquista que tinha a intenção de fazer com que os povos conquistados não mais levantassem a bandeira de sua terra natal, de seus costumes, de sua religião e de seus princípios, mas antes fossem engolidos e assimilados por outros povos, culturas e religiões. Foi isso que os babilônios tentaram fazer com os judeus ao arrancarem-nos da Palestina e de Jerusalém. A intenção era fazer com que os judeus assimilassem e fossem assimilados pela cultura babilônica.
O tempo passou (aproximadamente 70 anos, contados a partir da queda de Jerusalém) e o império babilônico se desfez. Diversos problemas internos e revoltas externas catapultaram a dissolução do império. Internamente, havia disputas de poder; e, externamente, os povos decidiram que não mais se deixariam assimilar pela cultura babilônica. Eles não queriam se perder naquela cultura, antes, preferiam manter a própria identidade cultural e religiosa. O povo Judeu era um desses tantos grupos que decidiu se opor à assimilação e manter a própria identidade.
Com a queda do império babilônico e da sua malfadada tentativa de descaracterizar os povos, a Pérsia assumiu o cenário internacional. Ao invés de tentarem destruir a identidade dos povos com o propósito de enfraquecê-los e conquistá-los, os persas decidiram resgatar a identidade dos povos a fim de fortalecê-los e tê-los como aliados. Por essa razão, Ciro escreveu um decreto permitindo e encorajando a volta de todos os judeus para a Palestina. Ele inclusive patrocinou a reconstrução do templo em Jerusalém, pedindo aos judeus que orassem por ele. Não que Ciro tivesse se convertido ao Deus do Céu. Ele não pensava religiosamente, mas sim politicamente. Ele queria ter aliados políticos a fim de manter o seu império. Enquanto Ciro pensava a partir da perspectiva política, o povo Judeu pensava a partir da perspectiva divina. Para eles, não importava se Ciro queria alcançar favores políticos, mas, sim, que Deus o estava usando para que o Templo fosse reconstruído, o fogo do altar fosse reaceso, a adoração fosse restaurada e o povo judeu pudesse reafirmar a sua identidade como povo de Deus. Portanto, ao invés de levantarem a voz contra Ciro, eles decidiram agradecer e adorar a Deus pela porta que havia sido aberta.
A igreja evangélica brasileira passa por um momento parecido. Se antes, havia uma tentativa de desacreditar e descaracterizar a igreja evangélica por meio de caricaturizações, hoje existe uma tentativa de aproximação dos evangélicos. A Rede Globo, por exemplo, que é uma empresa de comunicação plenamente comercial, tem se aproximado dos evangélicos. Ela faz isso não porque tenha se convertido a Jesus, mas, sim, porque reconheceu que os evangélicos se tornaram numerosos no país, e, consequentemente, uma força consumidora. Portanto, ao invés de manter uma ofensiva contra os evangélicos, a Rede Globo decidiu encorajar e patrocinar cultos com o propósito de conseguir ganhos de audiência. Enquanto a Rede Globo pensa a partir da perspectiva comercial, a igreja evangélica precisa pensar a partir da perspectiva divina. Se Deus usou Ciro para que o culto no Templo de Jerusalém fosse restabelecido, será que Ele não teria poder para usar a Rede Globo para que a mensagem do evangelho seja proclamada, o nome de Jesus seja levantado e a identidade da igreja seja reafirmada? Ainda que muitos possam duvidar, Deus continua tendo todo o poder! Portanto, ao invés de levantarmos a voz contra Ciro, que tal agradecermos e adorarmos ao Senhor por essa porta que foi aberta!?

VIA GRITOS DE ALERTA.
diantedotrono.com
Gustavo Bessa

Pastor tem direito a receber 13º salário? Economista evangélico defende que sim

Pastor tem direito a receber 13º salário? Economista evangélico defende que sim
O 13º Salário é uma injeção de renda na conta dos brasileiros em uma época do ano que apresenta muitos gastos. Fim de ano, despesa com presentes e comemorações, além do início do ano, em que geralmente chegam as contas relativas a impostos de casa, carro, material escolar, entre outros.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Esse salário extra foi validado a partir da lei 4.090, do dia 13 de Julho de 1962 e desde então, passou a ser obrigatório para os trabalhadores com carteira assinada. Há quem defenda que os pastores devam receber 13º Salário também.
O consultor financeiro Paulo de Tarso, evangélico, foi entrevistado pelo site “Creio” sobre o assunto. Para ele, o cristão deve ofertar o dízimo do 13º salário, e pastores deveriam receber o benefício: “Penso que o cristão deve dar o dízimo sim e depois priorizar o pagamento de dívidas, investimentos e gastos. Depende do que foi acertado entre as partes. Mas penso que, se um trabalhador normal tem direito, o pastor também deve receber o 13º salário”.
Ele ainda orienta os cristãos que trabalham como autônomos a formar seu próprio 13º, para que na época dos gastos maiores, eles também possam contar com uma renda extra: “Assim o autônomo constrói reservas, o que chamo de ‘montar seu próprio banco, fundamental para o sucesso financeiro”.
Tarso critica a gastança com presentes e festas de fim de ano, e argumentando que em Janeiro, as despesas aumentam. “Deve investir uma parte e também fazer alguns gastos. Para aqueles que não têm dívidas, penso que a pessoa poderia gastar o mínimo com presentes de fim de ano e guardar uma boa quantia para as despesas do ano seguinte”.

PASTOR NÃO É EMPREGADO DA IGREJA , E MERECE SER RESPEITADO COMO TAL .

VIA GRITOS DE ALERTA
INF. G+

Movimento ateísta cresce e ganha força no Brasil

Os ateus ainda são minoria em um país de expressiva tradição cristã, onde católicos e evangélicos somam mais de 90% da população, mas têm chamado a atenção.

O jornalista Fábio Marton era considerado um menino prodígio nas mãos do Senhor. Neto de um pastor respeitado na igreja Assembleia de Deus e filho de crentes, com apenas nove anos o garoto já era tratado como um “pastorzinho”, e aproveitava as oportunidades que recebia para subir no púlpito e falar do Evangelho. Chegou à adolescência e mocidade vivendo uma vida dedicada a Cristo. Há 20 anos, entretanto, tudo começou a mudar. No final de 1991, Marton perdeu a mãe num acidente de automóvel. O irmão ficou paraplégico. “Vi minha mãe ser enterrada e me questionava onde estava Deus, que não fazia nada”, lembra. As dúvidas cresciam e se transformavam em inquietações à medida que o garoto avançava pela adolescência e via abusos, fanatismo e falta de consistência na mensagem das igrejas pelas quais passava.

Marton bem que tentou lutar contra as desconfianças. Certa vez, até falou em línguas estranhas – o sinal do batismo com o Espírito Santo, de acordo com o que creem os pentecostais. Nada adiantou. No colégio técnico e na faculdade, tentou viver como um cristão liberal, conciliando fé e teorias científicas. Porém, como os milagres que esperava não chegavam e o esfriamento espiritual só aumentava, o afastamento dos templos deixou de ser temporário e se tornou definitivo. Numa noite, ele subiu ao telhado de sua casa e contemplou o céu estrelado. Mais uma vez, procurou o Altíssimo, tentou falar com ele, mas conta não ter ouvido resposta. Desceu com a convicção: Deus não existe!

Histórias como a de Fábio Marton têm se tornado mais comuns. Ultimamente, tem crescido a quantidade de brasileiros que se declaram ateus. Eles ainda são minoria em um país de expressiva tradição cristã, onde católicos e evangélicos, seguidores das duas maiores confissões, somam mais de 90% da população, mas têm chamado a atenção. Cada um a seu jeito, os relatos pouco diferem da trajetória dos grandes defensores do ateísmo no mundo – gente como o biólogo evolucionista Richard Dawkins, famoso pelo combate que travam contra a religião, principalmente o cristianismo ocidental (ver quadro). A grande novidade é que essa verdadeira “guerra” já não tem mais como palco somente a Europa e os Estados Unidos. Ímpio – O Evangelho de um ateu, livro no qual Marton conta suas memórias, usa de muita ironia para criticar parte das igrejas protestantes e faz uma apologia contra Deus, é um dos mais vendidos da Editora Leya. E essa batalha cada vez mais é travada no Brasil, nação que muitos líderes evangélicos dizem estar experimentando um dos maiores avivamentos espirituais da modernidade.

E a guerra contra Deus não é apenas filosófica. A postura de incredulidade é parte de um processo de secularização do Estado, embalado com tentativas de limitar a voz dos religiosos na sociedade brasileira, inclusive na esfera legal. Em agosto, um caso chamou a atenção da opinião pública nacional. A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do Estado de São Paulo entrou com uma ação civil pública contra a Rede TV! e a Igreja Internacional da Graça de Deus. A alegação é de que, no programa O profeta da nação, exibido em horário pago naquela emissora, teriam sido proferidas ofensas contra os ateus. No episódio levado ao ar no dia 10 de março deste ano, no quadro O profeta nas ruas, o pastor e apresentador João Batista convida transeuntes para uma oração. Em dado momento, pede que “apenas aqueles que acreditam em Deus” devem se aproximar. Em seguida, repele os outros: “Quem não acredita em Deus pode ir para bem longe de mim. A pessoa que não acredita em Deus é perigosa. Ela mata, rouba e destrói”, declara o religioso.

Até o fechamento desta edição, a ação ainda estava em tramitação. A intenção do Ministério Público é obrigar a Igreja da Graça, responsável pelo programa, a exibir retratação da fala em tempo dobrado ao da transmissão original e a veicular mensagens educativas contra a discriminação religiosa. De acordo com o procurador responsável pelo caso, Jefferson Dias, as declarações do pastor João Batista ferem o direito constitucional à liberdade de pensamento e religião. Em sua denúncia, ele argumenta que a laicidade do Estado também dá ao cidadão a liberdade de ser ateu.

PATRULHAMENTO

Ainda que a ação seja indeferida, ela chama a atenção para um patrulhamento que tem havido na sociedade brasileira, particularmente entre os chamados formadores de opinião. E, o que alguns encaram como demonstração da laicidade do Estado é denunciado por outros como restrição à liberdade de crença, um dos pilares das democracias ocidentais. Em grandes nações européias como França, Alemanha, Grã-Bretanha e Espanha, o movimento ateísta já tem representatividade comparável à de partidos políticos. Uma de suas ações mais visíveis são as campanhas ideológicas através de propaganda – inclusive, com a exibição de frases e textos ateístas em jornais, ônibus e outdoors. Além disso, já há políticas de Estado para coibir a expressão religiosa, como a proibição ao uso de véus por parte dos muçulmanos e de símbolos cristãos como crucifixos em prédios públicos.

O Velho Continente abriga quatro das cinco nações em todo mundo que menos aceitam a existência divina. Nada menos que 64% dos suecos, 48% dos dinamarqueses e, praticamente, a metade dos franceses e dos alemães já enchem a boca para dizer que não acreditam em Deus. “Isso não é mais uma tendência por lá. É a realidade, ainda que alguns grupos religiosos e tradicionais se oponham. O problema é que esse modelo, com ares ‘politicamente corretos’, ganha força também nos Estados Unidos e já chega ao Brasil”, analisa o pastor e escritor Augustus Nicodemus Lopes, chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Ele alerta que proibições a símbolos e expressões públicas de fé podem, no futuro, transformar-se em vedações legais a cultos. “Democracias só podem existir enquanto houver liberdade de expressão e de religião”, pontifica.

No Brasil, onde os chamados sem-religião são o grupo que mais cresce na atualidade – eles passaram de pífios 0,5% em 1950 para 7,8% da população nos anos 2000, e a expectativa é por um número maior a partir da totalização dos dados aferidos pelo último Censo –, a face mais visível desse processo de secularização está nas ruas. No mês de junho, duas grandes manifestações realizadas em São Paulo viraram palanques para discursos inflamados por conta da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de legalizar a união estável entre pessoas do mesmo sexo. A primeira foi a 19ª Marcha para Jesus, uma das maiores manifestações religiosas do planeta. “Eles querem aprovar uma lei para dizer que a Bíblia é um livro homofóbico e botar uma mordaça em nossa boca. Amanhã, se alguém quiser fazer uma marcha em favor da pedofilia, do crack ou da cocaína, vai poder fazer. Nós, em nome de Deus, dizemos não”, declarou na ocasião o pastor Silas Malafaia, um dos protagonistas do evento. Apenas três dias depois, em outro lugar da cidade, a 15ª Parada do Orgulho LGBT ( Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) tecia críticas aos religiosos e os acusava de “homofobia”.

“Não tenho dúvida de que essa batalha para desqualificar a posição dos evangélicos e classificá-la como preconceituosa e discriminatória é parte desse processo de secularização do Estado brasileiro”, destaca o pastor e deputado federal João Campos (PSDB-GO), presidente da Frente Parlamentar Evangélica. A referência é clara: projetos como o PL 122/2006, que, se aprovado, criaria restrições à contestação da prática homossexual, ainda que embasada em princípios religiosos. “Não somos contra os direitos de ninguém, mas não podemos aceitar leis que nos impeçam de falar nossa opinião”, reivindica o parlamentar.

Apesar de esse projeto ter sido arquivado, ao que parece, em definitivo, a agenda é bem mais ampla e traz outras propostas, como a legalização do aborto e o Plano Nacional de Direitos Humanos, todos com alardeada defesa da democracia. “Acontece justamente o contrário. A liberdade de expressão é que está em risco nessa guerra. O que existe é uma confusão em torno da ideia de laicidade, que não é a mesma coisa que ateísmo”, continua Campos. “O Estado laico é aquele que protege a expressão de todas as religiões, e nenhuma em particular. Ele precisa garantir a possibilidade dos cultos. O Estado é laico, mas a sociedade, cristã”, completa. O oposto do que aconteceu em 2008, quando essa neutralidade foi colocada em dúvida com a decisão do governo brasileiro, então chefiado por Luiz Inácio Lula da Silva, de firmar um acordo com o Vaticano. Ao definir o Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, o acordo destacava a obrigatoriedade de o Estado oferecer ensino religioso, católico e de outras confissões, para alunos do ensino fundamental. Com matrícula facultativa ou não, é uma clara perda de limites. Apesar disso, recebeu pouca atenção na época. “Quando não há mobilização social, protestos, o assunto cai no esquecimento. Há muitos interesses para que seja dessa forma”, lamenta o chanceler Lopes.

“IRRACIONALISMO”
Ele mesmo foi envolvido em uma polêmica muito mais ruidosa no começo deste ano. Tudo por conta de um protesto de ativistas de movimentos LGBT contra o Mackenzie por causa de um artigo que criticava o PL 122/2006 e estava no site da instituição. Cerca de quatro mil pessoas se reuniram nas imediações da universidade gritando palavras de ordem contra a homofobia. “Foi mais um factóide para atrair a atenção da mídia sobre um assunto condenado”, avalia Augustus Nicodemus Lopes. “O texto foi escrito por um pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil e fazia parte de uma área de debates no site.
Estava lá havia cinco anos. Por que tanta comoção só agora?”, questiona o educador. Apesar de ser um fato isolado, ele acredita que outras manifestações e projetos virão a reboque do movimento secularista e ateu. “A Europa se divorciou de suas raízes cristãs, e agora sofre com o ateísmo. Isso vai acontecer com o Brasil?”
A pergunta é de difícil resposta. Enquanto isso, os novos ateus não ficam parados. Dawkins e seus pares recentemente criaram uma Aliança Ateísta Internacional. O objetivo do grupo é investir maciçamente em campanhas a favor do ateísmo em países em desenvolvimento, e o Brasil, por seu gigantismo e tradição cristã, já é apontado como uma das prioridades. Durante a assembleia de fundação da organização, o discurso estava ensaiado: “A Aliança será a voz global das causas ateístas e seculares. Vamos promover e apoiar o livre pensamento em todo o planeta”, destaca Tanya Smith, sua primeira presidente. Já a prática parece estar longe desse ideal. A julgar pelo belicismo dos neo-ateus, há quem tema novas inquisições, dessa vez laicas e sem fogueiras, mas igualmente danosas ao ser humano como o obscurantismo medieval.

Por aqui, o que já existe é a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea), entidade surgida para combater o que seria o preconceito contra aqueles que não admitem a existência divina. Mas suas peças publicitárias são um verdadeiro tapa na cara dos crentes. Uma delas traz fotos do célebre ator Charles Chaplin e do ditador nazista Adolf Hitler. Junto ao primeiro, a frase: “Não acredita em Deus”. Abaixo da imagem de Hitler, a provocação: “Acredita em Deus”. Só que, embora certa a justificativa de que “religião não define caráter”, como sentencia a Atea, não dá para esquecer que foram as teorias evolucionistas de Darwin que inspiraram as leis de eugenia do nazismo alemão. “Todos os grupos que sofrem algum tipo de preconceito procuram fazer campanhas de conscientização para tentar minimizar o problema. Não somos diferentes”, declara Daniel Sottomaior, presidente da associação.

“O ateísmo cresce muito por causa do aumento do irracionalismo. Com a internet e a comunicação de massa, acredita-se cada vez mais em astrologia, experiências extrassensoriais, bruxas, alienígenas e discos voadores. Mas isso nada tem a ver com o cristianismo”, aponta o estudioso Michelson Borges, editor da Casa Publicadora Brasileira e membro da Sociedade Criacionista Brasileira. “A Bíblia oferece as melhores respostas para as mais difíceis inquietações da modernidade, aí incluídas o sentido da vida e o destino após a morte”. Para ele, dizer que os verdadeiros cientistas rejeitam a fé em Deus não passa uma falácia – tanto, que uma grande pesquisa realizada há alguns anos com cientistas dos países mais desenvolvidos do mundo revelou que 40% deles acreditam, sim, em um Deus pessoal. “Se o método científico pelo qual se orientam demonstrasse realmente a inexistência da divindade, não haveria um cientista crédulo”, raciocina Borges.

Um deles é Francis Collins, diretor do Projeto Genoma Humano, responsável pelo primeiro mapeamento da cadeia do DNA do homem. Ateu na juventude, Collins se converteu depois que, mesmo já doutorado, voltou aos bancos escolares. Estudando medicina, ele conviveu com vários pacientes em hospitais, e percebeu que os que tinham fé mantinham a serenidade e a espiritualidade, mesmo diante das piores adversidades. Sua história é revelada em A linguagem de Deus (Editora Gente), obra em que conta vários casos interessantes. “Quando o então presidente norte-americano Bill Clinton anunciou na Casa Branca o mapeamento do DNA humano, agradeceu a Deus. Para mim, não houve qualquer constrangimento; aliás, eu até ajudei a escrever o discurso. Fé e ciência não são contraditórias, e o homem só conseguirá ser completo conciliando as duas.”

“Os evangélicos não podem ignorar o movimento secularista”
Um dos maiores intelectuais cristãos do país, o bispo Robinson Cavalcanti, da Diocese Anglicana do Recife (PE), conversou com CRISTIANISMO HOJE sobre o crescimento do ateísmo no Brasil:

CRISTIANISMO HOJE – Qual a diferença entre laicidade e secularização do Estado?ROBINSON CAVALCANTI – Os Estados podem ser ateus, como na Coreia do Norte; teocráticos, como no Irã; confessionais, como na Escócia; ou laicos, como no Brasil. O que vejo hoje, principalmente na Europa ocidental, é a tentativa de criar uma nova categoria, o Estado secularista, com o laicismo sendo usado para encobrir o secularismo. A secularização tenta ignorar os elementos da nação, restringindo a religiosidade e a subjetividade dos indivíduos ao espaço privado. No fundo, é outra forma de Estado ateu.

Então, a liberdade religiosa no Ocidente está sob ameaça?Há, de modo geral, uma ameaça à liberdade religiosa no espaço euro-ocidental. E, mais forte ainda, existe uma atitude de rejeição às religiões monoteístas de revelação, porque seus princípios morais se chocam com o politicamente correto, o multiculturalismo e as agendas que marcam esse secularismo, como a LGBT. Realmente, essa é uma tendência.

Mas o Brasil tem tradição e cultura cristãs. Aqui, a ameaça é real?A Constituição brasileira começa invocando a proteção de Deus, o que caracteriza nosso Estado como sendo teísta, espiritualista e não confessional. Mas o secularismo vem agindo com força no aparelho do Estado brasileiro, nos três poderes e em todos os níveis, além da academia, das artes e dos meios de comunicação. Há um choque cultural, e isso é inegável. Os protestantes devem se preparar para dar uma resposta à altura a essa questão. Manter o Estado laico é ter respeito à diversidade de opiniões e permitir a real existência de nossa nação. Os evangélicos não podem ignorar esse movimento de secularização do Estado. Nossa identidade nacional tem de ser preservada; não se pode permitir que se promova a implosão do Cristo Redentor ou que mudem os nomes dos estados do Espírito Santo e de São Paulo. Se os ateus quiserem trabalhar na sexta-feira da Paixão, peçam a chave da empresa aos seus chefes e façam hora extra.

Em que creem aqueles que dizem não crer
Eles costumam dizer que não têm fé. Mas a verdade é que o combate que travam contra a crença no sobrenatural é mais fundamentalista e apaixonada do que qualquer radicalismo religioso. O ateísmo pode ser coisa antiga, mas o movimento neo-ateu é bem mais recente – na verdade, uma reação contra a religiosidade vazia, baseada em superstições e emoções, que surgiu na segunda metade do século passado. Para essa corrente do ceticismo, não basta somente não crer em Deus: é preciso odiar a religião e combatê-la. Até por isso, o neo-ateísmo ganha muita força na Europa, principalmente na França e no Reino Unido, impulsionado por incidentes como os ataques de 11 de setembro de 2001 e pela militância de intelectuais, que logo se tornam verdadeiros ícones do ceticismo moderno. Na esteira do astrônomo americano Carl Sagan, morto em 1996, o mais conhecido é o biólogo britânico Richard Dawkins, ex-professor da Universidade de Oxford e autor de livros que se tornaram best-sellers no combate à religião, como Deus, um delírio (Companhia das Letras). Por suas posições duras, mesmo panfletárias tantas vezes, Dawkins recebeu a alcunha de “Rottweiler de Darwin”.

Mas ele não está sozinho. Conta com apoio de um grupo que já se tornou conhecido como os “Cavaleiros do Apocalipse”. Dele fazem parte o pesquisador e filósofo americano Daniel Dennett, autor de "A perigosa ideia de Darwin" (Editora Rocco); o escritor e filósofo Sam Harris, também dos Estados Unidos, autor de obras premiadas como "Carta a uma nação cristã" e "A morte da fé" (ambos da Companhia das Letras); e o do jornalista britânico Christopher Hitchens, que, como seus pares, escreveu obras de sucesso como Deus não é grande (Ediouro). Em comum, todos contam com uma verve fácil que se vale de livros e documentários para conquistar discípulos.

VIA GRITOS DE ALERTA
Fonte: Cristianismo Hoje

AGORA EM 126 NAÇÕES. GLÓRIAS A DEUS

Liberdade de expressão e apologia ao crime: uma questão de semântica ou de opinião?

Por Rubens Teixeira*
A liberdade de expressão fundamenta-se basicamente no direito de manifestar livremente opiniões. É um direito tão mais valorizado quanto mais consolidada é uma democracia. O fato de ser valioso e importante este direito, não o torna ilimitado. É como a liberdade, por exemplo: sempre há um limite legal ou moral.
Com base nestes fundamentos de limites, o legislador estabeleceu uma delimitação bastante significativa, longe de ser instituída apenas por questões morais. Tal marco foi por ele denominado: apologia de crime, conforme Art. 287 do Código Penal: “Fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime”. É uma restrição estabelecida pelo legislador, como é o sinal de trânsito ao direito de ir e vir ou conforme a pena de morte no Brasil, em tempo de guerra, um limite ao direito à vida, enfim. São limitações propositais por quem tem o direito e o dever de legislar em nome do povo.
Portanto, tudo o que é crime ou criminoso não pode ser objeto de apologia: nem os mais ou menos graves, tampouco os praticados por pessoas mais ricas ou mais pobres. Essa definição se aplica, ou deveria se aplicar, a qualquer crime. Por exemplo, não se pode fazer apologia a estupros ou a estupradores, a homicídios ou a homicidas, a pedofilia ou a pedófilos, ao tráfico ou a traficantes, sequer ao uso de drogas ou a drogados.
A autorização para se realizar a marcha da maconha interessa especialmente aos demandantes por drogas. Como não há mercado que funcione bem sem oferta e demanda, os interessados em ofertar as drogas poderão, em tese, requerer tratamento idêntico, alegando que a defesa do tráfico de drogas poderia ser feita no campo das ideias. Partindo do pressuposto que os traficantes tem maior capacidade de mobilização, se fosse dado tratamento isonômico aos interessados, tanto na oferta como na demanda de drogas, certamente os traficantes teriam um poder de mobilização maior que os usuários.
Conforme dados da Fundação Getúlio Vargas, os usuários de drogas se concentram em mais de 70% nas classes A e B, levando a crer que os maiores beneficiários com a marcha da maconha sejam pessoas de maior poder aquisitivo. Ademais, para manter esta infraestrututa que permite a droga chegar aos demandantes, maciçamente ricos, morrem muitos pobres – alguns dos quais jamais tiveram oportunidades em educação, saúde e respeito mínimo da sociedade.
Se esta leitura estiver errada, resta somente a alternativa de entender que a marcha da maconha seja fomentada por usuários ricos e escalões elevados do tráfico de drogas, também ricos, em uma composição para trazer à legalidade uma mercadoria que só interessaria ao setor econômico que exploraria o mercado da droga, sem necessariamente eliminar a existência do tráfico de entorpecentes, uma vez que outras mercadorias de comércio legalizado, como eletroeletrônicos, são também objetos do mercado ilegal.
Aos usuários restará, portanto, os efeitos danosos à saúde, e ao Estado, a responsabilidade de tentar recuperar os atingidos pelos efeitos das substâncias químicas nocivas ao organismo humano.
Não me parece que a língua portuguesa seja um limitante para o entendimento de legisladores e juristas do que se quer dizer e do que se entende da lei. O “Espírito da Lei” não pode ser tão emocional que fira a razão e contrarie o sentido das palavras expressas no texto legal. Princípios, sejam eles quais forem, não podem ser atalhos para entendimentos minoritários da lei, contrários à prescrição legal que firam fundamentos da democracia, especialmente o mandamento constitucional de que todo o poder emana do povo, diretamente ou por meio de representantes eleitos. Esse mandamento pode até desagradar, mas dá apenas às Casas Legislativas o poder de se elaborar leis. Só a elas. É a salutar tripartição de poderes, secularmente defendida.
O tema em debate e definido na lei não pode ser tão transcendental que as palavras estabelecidas por mortais legisladores e cidadãos não sejam compreendidas por um entendedor que seria tão mais sábio em entender do que o legislador em legislar. O julgador não pode deliberadamente desprezar a semântica por conta de sua opinião, contrária à vontade do povo. O legislador, ao aprovar um texto legal, dá um comando a ser cumprido por todos. Ele é o emissor do mandamento em nome da sociedade. Todos são receptores. Tal conceito de transmissão e recepção de ideia não pode estar invertido a ponto de o emissor não ser o responsável de se fazer claro no que pretende, levando o receptor a entender contrariamente o teor da mensagem transmitida. Não há marionetes nesse sistema de emissão e recepção de mensagens. O emissor e o receptor são autônomos. Um que tente subjugar o outro estará enfraquecendo a democracia, tornando frágeis os mais valiosos pressupostos da divisão de poderes.
Um país conhecido pela unidade idiomática, como o Brasil, não pode ter sua democracia combalida por conta de entendimentos transcendentais do que seria correto. O texto em tela é tão claro que até os de educação mais modesta entendem-no.
Semanticamente e juridicamente, fazer apologia ao uso de drogas tipificadas como crimes, homicídio, tráfico, estupro, pedofilia et cetera é crime, ainda que, por questões de opinião, política ou judicialmente não seja.
Assista ainda o vídeo com entrevista em que falei sobre o tema (também em inglês):
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=94AFRZMWSpo]
* Rubens Teixeira é formado em Direito(UFRJ), doutor em economia(UFF), mestre em engenharia nuclear(IME) e engenheiro civil(IME).

www.rubensteixeira.com.br
www.rubensteixeira.ning.com
Facebook: Rubens Teixeira
Twitter: @RubensTeixeira

VIA GRITOS DE ALERTA

Igrejas sem proteção são alvos de marginais


Imagens mostram assalto à igreja evangélica no interior de SP
 Imagens do circuito interno de TV do
templo mostram a ação dos bandidos

A onda da criminalidade se espalha por todo o Brasil e nem mesmo as igrejas ficam de fora. Recentemente, duas delas, localizadas em cidades no interior da Bahia, foram alvos de ataques de marginais ou quadrilhas especializadas em roubos de imagens sacras para serem vendidas a colecionadores no mercado negro.
Diante disso, a Arquidiocese lamenta os ataques e revelou que não tem como arcar com segurança privada para impedir os roubos nas igrejas.
“Não temos uma comissão de segurança da Arquidiocese para vigiar as igrejas. As paróquias são responsáveis pelas igrejas e tomamos sempre o cuidado de manter as portas e janelas com grades e cadeados, mas isso não é suficiente.
Mesmo os bancos que têm toda uma segurança, são constantemente assaltados. Nós cuidamos das igrejas como se fossem nossas casas, que, no entanto, também sofre assalto diante dos nossos cuidados”, revelou o padre Emanuel Filho, da Arquidiocese.
Os roubos ocorreram nas cidades de Nagé, distrito de Maragojipe e na Ilha de Itaparica, em decorrência de serem cidades com poucos habitantes. Geralmente não é visto seguranças fazendo vigilância das igrejas, que mantêm portas e janelas abertas para o povo nos horários das missas. Algumas de maior porte, como a de São Francisco, mantêm pessoas no local durante a noite, justamente para evitar roubos das imagens.
Para tentar reaver as imagens e descobrir a origem dos autores, a Polícia Civil montou uma força-tarefa para investigar os furtos das cinco imagens sacras. O delegado Paulo Roberto Guimarães Santos, titular da 19ª DT – da Ilha, foi designado para coordenar a força-tarefa. Ele disse que as peças furtadas normalmente são vendidas a colecionadores que as adquire no mercado negro. “Arte Sacra tem um valor histórico e econômico muito grande, essas peças chegam a ser comercializadas fora do país”, explica o delegado.
Vinte e quatro investigadores do efetivo da 19ª DT e a equipe da DT de Maragojipe já iniciaram as investigações para elucidar os furtos ocorridos nas duas igrejas e os trabalhos devem prosseguir para evitar novos ataques. Paulo Roberto acrescentou ainda que a força-tarefa deve atuar inicialmente na região de Itaparica e Maragojipe também com o objetivo de inibir às ações criminosas.
“Mas aos poucos essa área de atuação deve ser estendida a outras regiões vizinhas para impedir que outras igrejas sejam alvos”, enfatiza o titular de Itaparica. Na Ilha, a imagem de Nossa Senhora da Piedade, padroeira de Itaparica e que dá nome à principal igreja do município, foi furtada. O assaltante quebrou a janela lateral e levou a peça católica criada há cerca de 400 anos.
Em Nagé, quatro imagens sacras foram roubadas. Testemunhas viram quatro homens em um veículo Fiat Uno vermelho chegando ao local e arrombando a porta. Os homens estouraram o cadeado da grade e depois arrombaram a porta da frente com um pé-de-cabra e levaram duas imagens de Nossa Senhora do Livramento, uma de Nossa Senhora do Rosário e outra de Nossa Senhora de Santana.
Está foi a segunda vez que a igreja sofreu investida de marginais, mas, segundo a polícia, no primeiro arrombamento, os assaltantes não roubaram nada. Até agora a polícia não tem pistas dos autores dos roubos e nem das imagens roubadas.
VIA GRITOS DE ALERTA
Notícias Cristãs com informações do Tribuna da Bahia

EI DANIEL , MOSTRA COMO SE FAZ . - Norte-coreanos devem se inclinar 3 vezes ao dia por Kim

Oficiais do exército norte-coreano choram a morte de Kim Jong-il em uma praça de Pyongyang. Foto: AFP
Oficiais do exército norte-coreano choram a morte de Kim Jong-il em uma praça de Pyongyang
Foto: AFP

Os norte-coreanos devem apresentar seu respeito três vezes ao dia ao líder falecido Kim Jong-il para mostrar fidelidade à dinastia comunista, afirmou um especialista sul-coreano nesta quinta-feira.
Na morte em 1994 do pai de Kim Jong-il, o fundador da Coreia do Norte Kim Il-sung, bastava apenas uma inclinação diária para provar fidelidade, explicou Kim Young-soo, professor de ciências políticas na Universidade Sogang de Seul.
"Está enraizado na consciência dos norte-coreanos que deve-se manifestar a dor da forma mais aguda possível quando o chefe supremo morre, para evitar qualquer suspeita sobre sua lealdade", declarou à AFP. Especialista sobre a Coreia do Norte, Young-soo entrevistou diversos refugiados norte-coreanos sobre o regime comunista de Pyongyang.

"Os norte-coreanos sabem que, quanto mais dor demonstrarem, melhor é. As cerimônias de luto são de alguma forma obrigatórias e organizadas", explicou.
Segundo este professor, pedir à população que se incline três vezes por dia, como fizeram as autoridades, parece indicar que a lealdade a Kim Jong-il é menos forte que a concedida ao seu pai.
A agência de notícias oficial KCNA informou que cinco milhões de moradores da capital, Pyongyang, se reuniram no local de homenagem em 24 horas. A população da Coreia do Norte é de 24 milhões. O filho de Kim Jong-il, Kim Jong-un, foi designado como novo líder do país, tornando-se o terceiro membro da primeira dinastia comunista do mundo.

Morre Kim Jong-il
O líder norte-coreano, Kim Jong-il, morreu nesse sábado, 17 de dezembro, vítima de "fadiga física", quando realizava uma viagem de trem. Sua morte só foi anunciada nessa segunda, 19, pela agência estatal norte-coreana. Após receber a notícia, o governo e o Exército da Coreia do Sul entraram em estado de alerta, enquanto a população da Coreia do Norte chorava o falecimento do líder, que abre espaço para ascensão de seu filho, Kim Jong-un, provável herdeiro em Pyongyang.
Jong-il, 69, comandava a Coreia do Norte desde 1994, após a morte de seu pai, Kim Jong-sun, fundador do país. Durante 17 anos, cultivou um dos regimes mais fechados do mundo, baseado no culto de si e do sistema comunista. O governo hermético não impediu que idiossincrasias de Jong-il viessem a público, como o autoproclamado título de inventor do hambúrguer, formando a imagem complexa de um líder excêntrico de um país isolado do mundo, cujo futuro na península coreana é agora incerto.
AFP

Por que Deus ordenou que Abraão sacrificasse Isaque?

A pergunta sobre por que Deus faz as coisas quando já sabe o resultado é uma que pode ser feita sobre várias situações. Por que Deus criou Satanás sabendo que ele iria se rebelar? Por que Deus disse a Adão e Eva para não comerem da Árvore sabendo que eles iriam desobedecer? Por que Deus criou os anjos sabendo que muitos iriam se voltar contra Ele? Uma resposta a todas essas perguntas é a mesma resposta à pergunta sobre Isaque e Abraão. O plano soberano e divino de Deus é perfeito e Ele vai executá-lO de acordo com a Sua perfeita vontade e no devido tempo, de uma forma que O glorificará. “O SENHOR dos Exércitos jurou, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e como determinei, assim se efetuará” (Isaías 14:24). “Por amor de mim, por amor de mim o farei, porque, como seria profanado o meu nome? E a minha glória não a darei a outrem” (Isaías 48:11).

Abraão tinha obedecido a Deus muitas vezes em sua caminhada com Ele, mas nenhum teste poderia ter sido mais severo do que o de Gênesis 22. Deus comandou: “Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi” (Gênesis 22:2). Esse foi um pedido impressionante porque Isaque era o seu filho da promessa. Como Abraão respondeu? Com obediência imediata; na manhã seguinte, Abraão começou a sua jornada com dois servos, um jumento, seu amado filho Isaque e com a lenha para o holocausto. Sua obediência inquestionável ao comando aparentemente confuso de Deus deu a Deus a glória que Ele merece e nos deixou um exemplo de como devemos glorificá-lO. Quando obedecemos da mesma forma que Abraão, confiando que o plano de Deus é o melhor possível, nós elevamos Seus atributos e O louvamos por eles. A obediência de Abraão à face de um comando tão difícil exaltou o amor soberano de Deus, Sua bondade, o fato de que Ele é digno de confiança, e nos deixou um exemplo a seguir. Sua fé no Deus que ele passou a conhecer e amar colocou Abraão na lista de heróis da fé em Hebreus 11.

Deus usou a fé de Abraão como um exemplo de que fé é o único caminho a Deus. Gênesis 15:6 diz: “creu ele no SENHOR, e imputou-lhe isto por justiça”. Essa verdade é a base da fé Cristã, como confirmado por Romanos 4:3 e Tiago 2:23. A justiça que foi creditada a Abraão é a mesma justiça a nós creditada quando recebemos pela fé o sacrifício que Deus providenciou pelos nossos pecados – Jesus Cristo. “Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).

A história do Velho Testamento sobre Abraão é a base do ensino do Novo Testamento sobre a Expiação, a oferta do sacrifício do Senhor Jesus na cruz pelo pecado da humanidade. Jesus disse, muitos séculos depois: “Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se” (João 8:56). Encontre a seguir alguns paralelos entre as duas narrativas bíblicas:

“Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque”(Gênesis 22:2); “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito...” (João 3:16).

“…vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali…”(v.2); acredita-se que foi nessa área onde a cidade de Jerusalém foi construída muitos anos depois e onde Jesus foi cruficado fora da porta de sua cidade (Hebreus 13:12).

“oferece-o ali em holocausto” (v.2); “Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras” (1 Coríntios 15:3).

“E tomou Abraão a lenha do holocausto, e pô-la sobre Isaque seu filho” (v.6); Jesus: “E, levando ele às costas a sua cruz...” (João 19:17).

“... mas onde está o cordeiro para o holocausto?” (v.7); João disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29).

Isaque, o filho, agiu em obediência ao seu pai em se tornar o sacrifício (v.9); Jesus orou: “Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade” (Mateus 26:37).

Ressurreição – Isaque como símbolo e Jesus em realidade: “Pela fé ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado; sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito. Sendo-lhe dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dentre os mortos o ressuscitar; daí também em figura ele o recobrou” (Hebreus 11:17-19); Jesus: “E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1 Coríntios 15:4).


VIA GRITOS DE ALERTA

A Bíblia tem o registro das mortes dos apóstolos? Como morreu cada um dos apóstolos?

 O único apóstolo cuja morte está registrada na Bíblia é Tiago (Atos 12:2). O rei Herodes “fez Tiago passar a fio de espada” - aparentemente uma referência à decapitação. As circunstâncias das mortes dos outros apóstolos só podem ser conhecidas baseadas nas tradições da igreja; portanto não devemos dar muito crédito a nenhum desses relatos. A tradição da igreja mais aceita em relação à morte de um apóstolo é que o Apóstolo Pedro foi crucificado, de cabeça para baixo em uma cruz em forma de x, em Roma, cumprindo a profecia de Jesus (João 21:18). A seguir estão as “tradições” mais populares a respeito das mortes dos outros apóstolos.

Mateus sofreu martírio na Etiópia, morto por um ferimento causado por uma espada. João esteve à beira do martírio, quando ele foi cozido em um recipiente enorme de óleo durante uma onda de perseguição em Roma. No entanto, ele foi milagrosamente livrado da morte. João foi sentenciado às minas na ilha de Patmos. Ele escreveu o livro profético do Apocalipse em Patmos. O apóstolo João foi mais tarde posto em liberdade e retornou para o lugar onde hoje fica a Turquia. Ele morreu velho, sendo o único apóstolo a morrer em paz.

Tiago, o irmão de Jesus (não oficialmente um apóstolo), o líder da igreja em Jerusalém, foi atirado de mais de 30 metros de altura do alto do pináculo sudeste do Templo ao se recusar a negar sua fé em Cristo. Quando eles descobriram que ele havia sobrevivido à queda, seus inimigos o espancaram até a morte com um porrete. Este foi o mesmo pináculo para onde Satanás levou a Jesus durante a tentação.

Bartolomeu, também conhecido como Natanael, foi um missionário para a Ásia. Ele testemunhou onde hoje é a Turquia e foi martirizado pela sua pregação na Armênia, quando ele foi chicoteado até a morte. André morreu em uma cruz em forma de x na Grécia. Após ter sido chicoteado severamente por sete soldados, estes ataram o seu corpo à cruz com cordas para prolongar a sua agonia. Seus seguidores reportaram que, quando ele foi levado em direção à cruz, André a saudou com as seguintes palavras: “Muito desejei e esperei por esta hora. A cruz foi consagrada pelo corpo de Cristo pendurado nela”. Ele continuou a pregar para os seus torturadores por dois dias até que ele morreu. O apóstolo Tomé foi atingido por uma lança na Índia durante uma de suas viagens missionárias para estabelecer a igreja lá. Matias, o apóstolo escolhido para substituir o traidor Judas Iscariotes, foi apedrejado e depois decapitado. O apóstolo Paulo foi torturado e depois decapitado pelo maligno imperador Nero em Roma em 67 d.C. Há tradições referentes aos outros apóstolos também, mas nenhuma com apoio histórico ou tradicional confiável.

Não é tão importante saber como os apóstolos morreram. O que importa é o fato de que todos eles estavam dispostos a morrer pela sua fé. Se Jesus não tivesse sido ressuscitado, os discípulos o saberiam. Ninguém morreria por alguma coisa que se sabe ser uma mentira. O fato de que todos os apóstolos estavam dispostos a morrer horrivelmente, recusando-se a negar a sua fé em Cristo é uma tremenda evidência de que eles verdadeiramente testemunharam a ressurreição de Jesus Cristo.

"Quem eram os doze (12) discípulos/apóstolos de Jesus Cristo?"

A palavra “discípulos” se refere a um “aprendiz” ou “seguidor”. A palavra “apóstolo” se refere a “alguém que é enviado”. Enquanto Jesus estava na terra, os doze eram chamados discípulos. Os 12 discípulos seguiram a Jesus Cristo, aprenderam com Ele, e foram treinados por Ele. Após a ressurreição e a ascensão de Jesus, Ele enviou os discípulos ao mundo (Mateus 28:18-20) para que fossem Suas testemunhas. Eles então passaram a ser conhecidos como os doze apóstolos. No entanto, mesmo quando Jesus ainda estava na terra, os termos discípulos e apóstolos eram de certa forma usados alternadamente, enquanto Jesus os treinava e enviava para pregarem.

Os doze discípulos/apóstolos originais estão listados em Mateus 10:2-4: “Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: primeiro, Simão, por sobrenome Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu; Simão, o Zelote, e Judas Iscariotes, que foi quem o traiu”. A Bíblia também lista os 12 discípulos/apóstolos em Marcos 3:16-19 e Lucas 6:13-16. Ao comparar as três passagens, há algumas pequenas diferenças. Aparentemente, Tadeu também era conhecido como “Judas, filho de Tiago” (Lucas 6:16). Simão, o Zelote também era conhecido como Simão, o cananeu. Judas Iscariotes, que traiu Jesus, foi substituído entre os doze apóstolos por Matias (veja Atos 1:20-26). Alguns professores bíblicos vêem Matias como um membro “inválido” para os 12 apóstolos, e acreditam que o apóstolo Paulo foi a escolha de Deus para substituir Judas Iscariotes como o décimo segundo apóstolo.

Os doze discípulos/apóstolos eram homens comuns a quem Deus usou de maneira extraordinária. Entre os 12 estavam pescadores, um coletor de impostos, um revolucionário. Os Evangelhos registram as constantes falhas, dificuldades e dúvidas destes doze homens que seguiam a Jesus Cristo. Após testemunharem a ressurreição e a ascensão de Jesus ao Céu, o Espírito Santo transformou os discípulos/apóstolos em homens poderosos de Deus que “viraram o mundo de cabeça para baixo” (Atos 17:6). Qual foi a mudança? Os 12 apóstolos/discípulos haviam “estado com Jesus” (Atos 4:13). Que o mesmo possa ser dito de nós!

Band divulga grade de programação para 2012 sem o “Show da Fé” do Missionário RR Soares

Band divulga grade de programação para 2012 sem o “Show da Fé” do Missionário RR SoaresA Band divulgou uma grade de programação provisória em que o programa “Show da Fé”, do missionário R. R. Soares não aparece, segundo informações do jornalista Flávio Ricco, do portal UOL.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A programação da emissora após o “Jornal da Band” será formada por programas alternados durante a semana. Na faixa das 20h25será veiculado o programa “A Liga”, seguido pela série 24 Horas, que será diária e apresentada às 21h20. Os programas subsequentes serão alternados conforme o dia da semana.
A renovação de contrato da Igreja Internacional da Graça com a Band para exibição do programa religioso vem se arrastando a meses, e foi marcada por boatos e especulações a respeito dos valores que a emissora cobraria de R. R. Soares.
Apesar de estar praticamente certa a saída do missionário da programação da Band, o jornalista Flávio Ricco entende que pode haver alterações de última hora: “Isso é o que estava valendo ontem”, afirmou.

VIA GRITOS DE ALERTA
Fonte: Gospel+

Cidade na Paraíba institui Dia do Evangélico

A cidade de Algodão do Jandaíra, no agreste paraibano, insituiu no calendário municipal um feriado em que será comemorado o Dia do Evangélico.

Com isso, ela se tornou a segunda cidade do Brasil e a primeira do nordeste a implementar o polêmico feriado.

A idéia do projeto do data especial foi apresentada pelo vereador Arlindo Salvador (PT), que após visitar Brasília – que já possui data semelhante – resolveu instituir o feriado em Algodão de Jandaíra, one há uma grande incidência de evangélicos.

O projeto tramitou por cerca de oito meses na câmara Municipal, causando nesse período bastante controvérsia. Ao final do período, porém, foi aprovado por unanimidade.

De acordo com o prefeito, não só os evangélicos mas a população em geral aprovou a idéia. Agora ele espera que outros municípios paraibanos também façam o mesmo.

No Distrito Federal, o Dia do Evangélico existe desde 1995 e faz parte do calendário oficial da cidade, onde há feriado em decorrência da data.

Em 2010, o então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou lei para celebrar em todo o país, sem, porém, criar novo feriado.

A data instituída foi comemorada pela primeira vez no município no último dia 16 de dezembro. Na mesmo dia, foi inaugurado um monumento à Bíblia, na entrada da cidade.

Fonte: The Christian Post

Regina Duarte Afirma 'Religião Aliena como Novela'; Pastor Márcio Valadão Responde à Declaração

Regina DuarteEm entrevista à UOL Televisão, a atriz brasileira Regina Duarte, fez uma declaração polêmica em ela afirma que a religião aliena as pessoas. Líderes religiosos respondem à declaração.
 
A declaração foi dada ao ser questionada sobre as pessoas que dizem que a novela aliena: “Tudo que não é engajado [aliena]? Eu acho que esse pensamento é tão decadente, retrógrado. é um raciocínio que não acompanhou o mundo em suas transformações. O que aliena às vezes é a religião".
Duarte acredita que cada um escolhe o que quer para se alienar, seja novela ou religião. "Tudo aquilo que te dê prazer? é uma coisa que te aliena em detrimento de outra, não é? Acho que tem que dar mais liberdade para as pessoas escolherem e serem responsáveis pelas suas escolhas...”
Apesar dos comentários da atriz, há os que afirmam que a religião é o oposto de alienação.
Para o Pastor da Lagoinha, igreja que conta com mais de 40 mil membros, Márcio Valadão, alienar significa separar e religião, religar. Valadão relembra que Jesus veio para ligar o homem à Deus, mas que também liga homem ao homem.
“Um sistema religioso pode ser só um sistema religioso, mas também é possível ter uma relação maior, pois Jesus tem duas hastes, a vertical e a horizontal: a vertical liga o homem à Deus, mas a horizontal liga homem à homem através da fé”.
Valadão ressaltou que esta foi uma dada propícia para tal questionamento, devido à proximidade do Natal, que tem a função de lembrar que “Jesus veio para ligar Deus ao homem, essa é a ponte que Jesus fez". Toda resposta, segundo ele, se encontra na fé e afirma que "Quando uma pessoa entra neste caminho, toda a sua vida muda para melhor”.
Regina Duarte continuou sua entrevista falando sobre as diferenças que viu nas produções das novelas ao longo de sua carreira, a influência da tecnologia e das mídias sociais no processo de construção das narrativas. Esse foi um momento em que ela relembrou tempos inesquecíveis de sua carreira.
A entrevista dada pela atriz faz parte de um especial em comemoração aos 60 anos da telenovela no Brasil, e foi ao ar pela UOL Televisão na última segunda-feira, 19.

VIA GRITOS DE ALERTA
INF. CRISTIAN POST

Líderes cristãos são presos durante celebração de Natal em Laos


Líderes cristãos são presos durante celebração de Natal em Laos
Oito líderes cristãos de Laos foram presos por se reuniram com cerca de 200 membros da igreja para uma celebração de Natal. É costume dos cristãos desse país asiático realizarem as celebrações de Natal antes ou depois de 25 de dezembro, a fim de evitar chamar a atenção das autoridades.

A organização Human Rights Watch para a Liberdade Religiosa de Laos (HRWLRF) informou que os líderes tinham garantido a permissão para o evento da última sexta-feira (16) ao chefe da aldeia Boukham, o qual inclusive foi convidado a participar. Ele ficou para a ceia de Natal, mas saiu antes do sermão começar. Depois do sermão, após nove horas, as forças de segurança da aldeia entraram no edifício, isolaram oito líderes e os levaram para a sede do governo Boukham, onde foram detidos sem acusação.

Quatro dos detidos foram colocados em algemas, enquanto os outros quatro foram deixados sem restrições. Membros da família foram autorizados a levar cobertores e outras disposições para os detentos, mas não receberam explicação para sua prisão, de acordo com HRWLRF.

"Enquanto estiverem detidos sem acusações formais, é bastante claro que eles foram presos por reunir as pessoas para o culto", disse um porta-voz do Ministério.

O vice-presidente da Igreja Evangélica em Laos (LEC), o único grupo protestante reconhecido pelo governo, chegou a implorar para a liberação dos detentos, mas seus esforços foram infrutíferos.

O conteúdo das discussões entre líderes da aldeia e da polícia do sub-distrito permanece desconhecida.

No dia seguinte, representantes do Ministério conseguiu negociar a libertação de um dos detidos, que atende pelo nome único de Kingnamosorn, depois de pagar uma multa de 1 milhão de kip (U$ 123) para o chefe da aldeia. Para se ter uma idéia do valor, o salário médio mensal de um trabalhador não qualificado na província não passa de U$ 40.

As prisões dos líderes da igreja foram confirmadas por outra fonte que preferiu não citar o nome.

Fonte: Charisma News/Redação CPADNews

De cada 12 cristãos no mundo, mm é brasileiro, aponta pesquisa


De cada 12 cristãos no mundo, mm é brasileiro, aponta pesquisa
De cada 12 cristãos no mundo, um é brasileiro, segundo um estudo realizado pelo Centro Pew de Pesquisa dos Estados Unidos. O estudo apontou que um terço da população abraça o Cristianismo, isso significa 2,18 bilhões de cristãos – 31,7% da população mundial, que é de 6,9 bilhões.

"Os cristãos também se expandiram duo ponto de vista geográfico, estando tão distantes uns dos outros de fato que nenhum continente ou região pode presumir ser o centro do cristianismo mundial", diz a apresentação do estudo, em seu site.

O estudo aponta ainda que, ao longo do tempo, os cristãos foram se espalhando pelas regiões do mundo. Há um século, os cristãos representam uma proporção significativa da população mundial, mas enquanto, em 1910, dois terços estavam na Europa, atualmente estão dispersos amplamente em termos mundiais.

A distribuição geográfica, de acordo com a pesquisa, mostra quase 34% dos cristãos estão na América do Norte e do Sul; 26% na Europa, enquanto que 23,6% vivem na áfrica subsaariana e 13,1% na região ásia-Pacífico. Apenas 0,6% está no Oriente Médio e norte da áfrica.

Estados Unidos, Brasil e México lideram a lista de nações com maior população cristã. Em um contexto global, a metade de todos os cristãos são católicos, enquanto 36,7% são protestantes e 11,9%, ortodoxos, segundo o estudo.

O Brasil já reúne 175 milhões de cristãos, configurando-se a maior população cristã fora dos Estados Unidos. Na comparação, o Brasil tem mais que o dobro de cristãos do que Nigéria e cerca de três vezes mais do que na Alemanha. O estudo levantou que de cada 12 cristãos no mundo, um é brasileiro. Além disso, 90% dos brasileiros se identifica como cristão.

A predominância do catolicismo no Brasil tem raízes históricas que remonta à colonização portuguesa. Hoje, há uma diversidade de segmentos cristãos entre a população. Em 1940, apenas 2,6% da população do Brasil era protestante, e hoje esse percentual está em 21% da população.

O pentecostalismo é predominante entre os protestantes. Segundo a pesquisa do Fórum Pew, 72% dos entrevistados indicaram que eram pentecostais.

As crenças pentecostais e suas práticas também estão mudando a maneira de muitos católicos do Brasil de vivenciarem sua fé. O levantamento de 2006 do Pew Forum descobriu que mais da metade dos católicos brasileiros se identificam com o movimento carismático, que inclui a prática de doutrinas associadas com pentecostalismo, tais como cura divina e fala em línguas.


Fonte: Christian Post

ESSE EMBARCOU PRO BURACO .Ladrão em fuga se corta em janela, cai de telhado, é mordido por cachorro e morre sentado em bar

Homem morreu em bar, após fuga desastrada

Um homem morreu sentado em um bar, neste domingo (18), após tentar assaltar uma distribuidora de alimentos em Feira de Santana. Durante a fuga, o assaltante se cortou em uma janela, caiu de um telhado e foi mordido por um cachorro. De acordo com o site Acorda Cidade, o ladrão pulou o muro de 4 metros da empresa, danificou as vidraças e se feriu com os estilhaços ao tentar passar por uma das janelas.
 
VIA GRITOS DE ALERTA.
INF . BLOG VEJA IGUAI

A MÍDIA TRADICIONAL ESCONDE, MAS BLOGS MOSTRAM

SOMOS O GRITOS DE ALERTA.