sexta-feira, 6 de maio de 2016

ALERTA POVO CRISTÃO .

Vídeo importantíssimo! Planos para a conquista islâmica do Brasil falado abertamente por líder muçulmano brasileiro. Repare como ele coloca o problema: "nós somos servos de Alá." Objetivo é ter números para influir políticamente no Brasil e forçar a Sharia goela à baixo da gente.
"O Alcorão prega a violência contra o Cristianismo, o Hinduísmo, Budismo, Xintoísmo, Sikhismo, Espiritismo, Ateísmo... Como é que o Islã pode desejar ser "a terceira maior religião do Brasil”, se eles não praticam a tolerância em relação às outras? Se quando os muçulmanos são a maioria num país, a liberdade de expressão e da prática de outros cultos é censurada? Não deveríamos interpretar que a proposta de “terceira maior religião” é apenas uma cortina de fumaça para angariar novos adeptos e implantar a Sharia no país?"
O Alcorão prega a violência contra o Cristianismo, o Hinduísmo, Budismo, Xintoísmo, Sikhismo, Espiritismo, Ateísmo... Como é que o Islã pode desejar ser "a t...
YOUTUBE.COM

Falsa sonsa. Marina estava por trás de golpe para anular o impeachment

marina por trás do golpeMais uma vez o jeitão de sonsa natureba de Marina Silva (Rede), dissimulou uma ação lesiva aos interesses da maioria dos brasileiros.  A Rede, partido de Marina, entrou no Supremo Tribunal Federal com uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), com objetivo de anular todos os atos de Eduardo Cunha como presidente da Câmara.
Se a ADPF de Marina fosse acatada no STF (e quase foi, os ministros Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello estavam prontos para recebê-la), seriam anulados todos os atos de Eduardo Cunha como presidente da Câmara. Inclusive o impeachment. Dessa forma, mantendo aquele odor de santidade que cultiva sempre, Marina estaria recolocando Dilma Rousseff de volta ao governo com todos os poderes. Isso sim, um verdadeiro golpe contra a maioria absoluta do país que quer Dilma e o PT fora do governo.
A ação de Marina, além de tudo, é considerada pelos juristas  como uma chicana tecnicamente falha. Ao tentar questionar o não afastamento de Cunha pela Câmara (ato omissivo), a Rede deveria ter entrado com uma ação direta por omissão e não com a ADPF. A ação é equivocada, portanto.
Além disso, a ação deveria ter individualizado os atos (comissivos) de Cunha que se pretende anular, relacionados ao impeachment. Não pode ser um pedido genérico. Em resumo, há motivos de sobra para o STF rejeitar a citada ADPF – essa, sim, um golpe.


FONTE .https://cesarweis.com/2016/05/05/falsa-sonsa-marina-estava-por-tras-de-golpe-para-anular-o-impeachment/

Paraense se prostitui ao Estado Islâmico: precisamos impedir que este mal crie raizes no Brasil



Você já se perguntou, nos últimos anos, quantos brasileiros se tornaram simpatizantes do Estado Islâmico? E quantos brasileiros se tornaram defensores da lei islâmica, a Sharia? E quantos brasileiros começaram a achar que a Arábia Saudita é um modelo civilizacional a ser imitado? E quantos brasileiros deixaram de se comportar como brasileiros, pluralistas, e se "arabizaram" passando a adotar nomes e vestimentas islâmicas, bem como começarem a se segregar em grupos distintos?
E, ainda mais, quem são os responsáveis por esta "lavagem cerebral"? Bem, são adeptos da mesma ideologia que rege o Estado Islâmico!  
E agora, vem a notícia que mais um brasileiro, uma moça neste caso, se juntou à jihad global, tendo ido para a Síria. Ela apenas se juntou à jihad por ter se tornado muçulmana! Quem a radicalizou? Que mesquita ela frequentava? A que país islâmico a mesquita está associada? Onde o imã estudou? A mesquita apoia a lei islâmica, a Sharia? 
Isso é sério, pessoal. E o assunto está sendo investigado pela Polícia Federal.   
Eu fico imaginando como os pais dela se sentem. Mas é preciso que a história de Karina seja contada, para evitar que mais jovens passem pelo mesmo processo de lavagem cerebral. 

O que é o islamismo? O islamismo é um sistema político que exige de seus seguidores submissão total. O objetivo final é a instalação da lei islâmica, a Sharia. A Sharia é totalmente contrária a Constituição Brasileira, bem como a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Os brasileiros que defendem a Sharia deveriam ser presos por crime de sedição, ao passo que os extrangeiros deveriam ser simplesmente expulsos do país. O Brasil já tem problemas demais para permitir que uma ideologia nociva, travestida de religião, se instale e crie raízes no país.

O que esperar com o crescimento do islamismo no Brasil? Uma das coisas a ser esperada é que mulheres tenham o seu cérebro lavado a tal ponto de se juntarem à Jihad do Sexo, como o caso da paraense Karina.
A jovem Karina, mais uma vítima do islamismo, uma ideologia criada por Maomé, 
um senhor da guerra e traficante de escravos do século VII

A Interpol investiga o desaparecimento da universitária paraense Karina Ailyn Raiol Barbosa, de 20 anos, estudante da Universidade Federal do Pará, em Belém. Ela saiu do Brasil por São Paulo, sem avisar a família. Segundo os parentes, ela teria sido aliciada para sair do país (Notícia ao Minuto). A jovem havia se convertido ao islamismo há cerca de dois anos, quando passou a freqüentar um curso de língua árabe na Universidade Federal do Pará (UFPA), onde estudava Jornalismo. No dia 4 de abril, ela saiu de casa dizendo que ia para a faculdade de jornalismo. Nunca mais voltou.

Segundo uma reportagem do Fantástico, a família de Karina viu que ela havia passado por uma transformação nos últimos dois anos. Em 2014, Karina se matriculou em um curso de árabe do Centro Islâmico Cultural do Pará. A facilidade com a língua chamou a atenção do presidente do Centro, onde também funciona a Mesquita de Belém ar-Mahmaa.
Centro Islâmico Cultural do Pará, onde o processo de lavagem cerebral se iniciou

O marroquino Said Mounsif, é o prresidente do "centro cultural" e foi quem convidou Karina ao islamismo. Said Mounsif também é professor da Universidade Federal do Pará, a mesma que era frequentada por Karina

Segundo a reportagem, apesar de tímida, Karina logo se aproximou dos outros alunos. Veja a foto abaixo, que indica um processo de "aculturamento" e doutrinação em andamento.
Compare este foto da Karina com a sua foto acima: de mulher livre a mulher submissa.
Este é o resultado do processo de doutrinação

Seis meses depois, ela decidiu se converter ao islamismo. Ela conversou com os pais, que se surpreenderam, mas que não viram nada de mal. 

O que se pode esperar como reação dos pais? Afinal, eles, bem como a maior parte da população brasileira (inclusive a Karina), são expostos à propaganda que o islamismo é uma religião como outra qualquer, uma religião da paz. Ninguém nunca os disse sobre os "direitos das mulheres" no islamismo, Eles nunca ouviram que o islão não pode ser modernizado. Do mesmo modo, eles não têm a menor idéia do que é prescrito no livro Metodologia da Dawah (pregação islâmica, proselitismo islâmico), de Shamim A. Siddiqi. Este livro diz como os muçulmanos devem se aproximar dos não-muçulmanos de modo a converte-los para o Islã. O livro específicamente diz para os muçulmanos não contarem aos novos convertidos toda a verdade sobre o Islã, ou seja praticarem a taqiyya (cf., páginas 48 e 49).

Para se converter ao islamismo basta recitar a Shahada na frente de outros muçulmanos. Uma frase. Não é preciso estudar. Não é preciso saber de nada. Apenas recitar uma frase: "eu acredito que Alá é Deus e que Maomé é o seu profeta." Só isso. Karina, de certo, não sabia que após recitar a Shahada ela não pode mais deixar de ser muçulmana, sob o risco de perder a sua vida. (religião da paz?)

Karina recitou a Shahada em junho de 2015. A reportagem do Fantástico mostra o momento, seguido dos gritos de "Allahu Akbar", "Alá é Maior" (o que significa: o meu deus é maior que o seu deus). O mesmo grito usado por Maomé, ao comandar o degolamento de 900 prisioneiros, bem como usado pelos jihadistas ao longo dos séculos. Mas, claro, ninguém disse isso para Karina. Ela também comprou um niqab. Nada de mais, pois o site da Mesquita de Belém mostra um vídeo promovendo o niqab.

Pouco tempo depois, vieram outras mudanças. Segundo o seu pai, ela foi se fechando e deixou de ter contato com suas amigas anteriores (infiéis), Esse é um processo de fechamento natural, o de se passar a viver em um gheto islâmico, mesmo que apenas do ponto-de-vista de relacionamentos.

Segundo a reportagem, o imã da Mesquita de Belém, Said Mounsif, bem como algumas muçulmanas, alega que perdeu o contato com Karina. Ele diz que é perigoso para muçulmanos recém-conversos irem buscar informações sobre o islamismo na Internet. Mas, por que ele não a alertou sobre isso? E, mais importante, o que torna o islamismo da Mesquita de Belém diferente do salafismo, o islamismo como praticado por Maomé e seus seguidores diretos? Resposta: nada!

A Karina se comunicou em inglês com pessoas no exterior, e, para tal, precisou a ajuda de uma professora de inglês, que, inocentemente, não viu nada de mais no que se passava. 

Aparentemente, ela recebeu dinheiro do exterior e foi para a Turquia, a rota natural dos jihadistas que rumam par a Síria e o Iraque.

O pai da Karina disse que recebeu um telefonema dela duas semanas atrás. Para ele, a sua voz indicava medo. O telefone usado por Karina estava registrado a uma empresa na cidade de Linhares, São Paulo. Mas o escritório é apenas de fachada e nunca foi usado.

Antigamente dizia-se "seja pai do seu filho antes que um traficante o adote." Agora, o ditado mudou para "seja pai do seu filho antes que um imã o adote."


Pais e Mães: cuidado!

Vamos torcer para que o futuro da Karina não seja o mesmo de tantas jovens mulheres que se converteram, e se envolvem na jihad do sexo pela causa de Alá. Muitas se arrependeram mais tarde, e acabaram mortas por aqueles para quem elas se deram sexualmente, como o caso das irmãs austríacas que fugiram de casa, engravidaram, se arrependeram de terem se juntado à jihad. Samra, a da direita na foto, tentou fugir e acabou sendo espancada até a morte (IBTimes). 

Sabina Selimovic (left) and Samra Kesinovic


FONTE . http://infielatento.blogspot.com.br/2016/05/paraense-se-junta-ao-Estado-Islamico.html

Angola proíbe operação de igrejas evangélicas do Brasil

As igrejas evangélicas brasileiras que possuem templos em Angola não poderão mais funcionar de acordo com a nova medida do governo que criticou os pastores que atuam no país, principalmente as igrejas dissidentes que são consideradas como um “negócio”.
Desde o incidente ocorrido no dia 31 de dezembro no estádio da Cidadela, onde 16 pessoas morreram por asfixia, o governo tomou medidas para fechar os estabelecimentos das denominações: Igreja Universal do Reino de Deus, Mundial do Poder de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém.
As 16 pessoas que morreram estavam entre as 150 mil que compareceram no local para participar do evento “O Dia do Fim” o culto da virada de ano da IURD. Na época as investigações apontaram que as igrejas estavam disputando para ver quem atraia o maior número de fiéis não respeitando os limites de público do local.
Em fevereiro as igrejas foram fechadas e em 31 de março apenas a IURD recebeu a autorização para voltar a funcionar.
Em Angola as igrejas são fiscalizadas pelos ministérios do Interior, Cultura, Direitos Humanos e pela Procuradoria Geral da Justiça. Apenas as igrejas reconhecidas podem funcionar no país e das que foram fechadas, apenas a Igreja Universal possuía tal reconhecimento.
Igrejas brasileiras fazem propaganda enganosa, diz secretário angolano
Para o secretário do birô político do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), Rui Falcão, as igrejas brasileiras que atuam na Angola usam a fragilidade do povo para obter lucro por meio da propaganda enganosa.
“Elas ficam a enganar as pessoas, é um negócio, isto está mais do que óbvio, ficam a vender milagres”, disse ele para a Folha de São Paulo.
Rui Falcão também deixa claro que o governo não irá reconhecer as demais igrejas, principalmente as formadas por dissidências. “Essas igrejas não obterão reconhecimento do Estado, principalmente as que são dissidências, e vão continuar impedidas de funcionar no país”, disse ele que reforça a visão de que “elas são apenas um negócio”.
A Igreja Universal poderá funcionar normalmente, mas o governo vai fiscalizá-la no que diz respeito à segurança, dada a grande quantidade de fiéis. Com informações Folha de SP.

MARCO FELICIANO PREGA HERESIA NO 34° GIDÕES MISSIONÁRIOS ? #VÍDEO



Por Renato Vargens

Marco Feliciano publicou no Facebook que para criar o homem Deus usou:
"Espírito, como o dos anjos; alma, como dos animais irracionais; corpo (terra), como dos animais irracionais."

Pois é, sinceramente eu fico abismado com a capacidade de alguns pastores inventarem doutrinas.

Sem a menor sombra de dúvidas, Marcos Feliciano além de ferir todas as regras exegéticas extrapolou o bem senso afirmando aquilo que as Escrituras jamais afirmaram.

Ora, o homem foi criado por Deus. E como todos nós sabemos, o ser humano não é produto do acaso nem tampouco o resultado final de uma evolução de milhões de anos. Não procedemos de uma ameba nem dos macacos, mas de Deus. Ademais as Escrituras afirmam categoricamente que Deus formou o homem do pó da terra soprando-lhe nas narinas o fôlego de vida,  passando portanto a ser alma vivente". (Gn 2:07)

A Bíblia é bem clara em afirmar que o homem foi feito desta forma e não por aquilo que Marcos Feliciano ensinou. Alias, não é de hoje que Feliciano vem ensinando bobagens em suas palestras e pregações.

Isto posto concluo que não existe base bíblica e teológica para acreditar no ensino deste senhor, o qual é espúrio e afronta as verdades contidas na inerrante Palavra de Deus.

 Assista:


FONTE.http://www.pulpitocristao.com/2016/05/marco-feliciano-prega-heresia-no-34.html

Centenas de cristãos estão presos na Eritreia

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) divulgou que há mais de 300 cristãos presos na Eritreia, país africano conhecido pela perseguição religiosa.
Os dados da AIS é que o regime da Eritreia tem mantido “centenas de cristãos nas prisões”, um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) publicado em junho do ano passado já apontava que o país africano é um Estado autoritário.
“Os cristãos são uma das comunidades religiosas mais perseguidas, havendo relatos continuados que apontam para a existência da prática de tortura nas prisões eritreias”, informa a AIS.
A ONG ligada à Igreja Católica reclama das informações “escassas” dadas pelo governo. Enquanto isso, a página “Sactism” criada no Facebook tem divulgado uma série de denúncias contra o governo da Eritreia.
O jornal britânico “The Guardian” afirma que a página foi criada por um antigo funcionário do governo que fugiu com “uma série de documentos” para expor os crimes cometidos no país.
Até a Anistia Internacional já se pronunciou sobre a Eritreia, dizendo que há mais de 10 mil presos políticos em prisões secretas criadas pelo presidente Isaias Afwerki.