segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

ENQUANTO OS CRISTÃOS DORMEM - Igreja dos Mórmons cresce no Brasil e pode se tornar a segunda maior do mundo

Se o atual ritmo de crescimento de novos adeptos se mantiver, o Brasil nos próximos cinco anos será o segundo país com maior número de fiéis do mundo, desbancando o México.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD) é mais conhecida como “Igreja dos Mórmons” por causa do livro que carregam juntamente com a Bíblia. A imagem mais associada à igreja são os missionários, quase sempre em par, que usam gravatas escuras, camisas brancas e uma plaquinha preta com os nomes gravados.
Os missionários vão de casa em casa, pedem para conversar, falam sobre “O Livro de Mórmon”, para eles uma escritura tão sagrada quanto a Bíblia e convidam para as pessoas conhecerem o templo.

Essa religião, que para muitos é meramente uma seita, teve início 1830, nos Estados Unidos através de Joseph Smith Jr. Aos 14 anos, ele afirmou ter recebido uma visão de Deus e de Jesus Cristo. Seu chamado seria para “restaurar o cristianismo, preparando os fiéis (santos) para a volta do messias no futuro (nos últimos dias)”. Em 1823, Smith diz ter recebido a visita de um anjo chamado Moroni, que lhe mostrou placas de ouro. Quando as placas foram traduzidas, tornaram-se livros, sendo que o mais importante é “O Livro de Mórmon”.

Open in new windowA Igreja dos Santos dos Últimos Dias projeta chegar este ano a 1,167 milhão de membros no Brasil. Eles têm experimentado um crescimento acelerado nos últimos anos. Se continuar assim, o Brasil ultrapassará o México (1,234 milhão) como segundo maior país de mórmons do mundo em cinco anos.

O primeiro lugar dificilmente deixará de ser dos Estados Unidos, onde a religião teve início e que já reúne quase 4 milhões de seguidores. Calcula-se que no mundo já existem 14,1 milhões de mórmons.
Existem cerca de quatro mil missionários que pregam pelo Brasil anualmente (50% brasileiros, 50% americanos). Durante dois anos, rapazes de 19 a 26 anos e mulheres de 19 a 40 dedicam-se a espalhar sua mensagem por 27 regiões do país. No Brasil, tudo começou em 1926, por conta de um casal de imigrantes alemães da família Lippelt, que pediram aos EUA o envio de missionários.

Dentro da ideologia mórmon, todo jovem deve se dedicar ao trabalho missionário. O treinamento custa US$ 500 e é bancado pelas famílias. Quase sempre eles saem de casa para outro país e passam a viver em casas alugadas pela igreja.

Diferentemente dos neopentecostais que também crescem em número, os mórmons não investem em mídia como TV e rádio. Preferem o contato pessoal e investem na produção e distribuição de material de evangelização. Hoje produzem 50 mil exemplares da revista “A Liahora” para assinantes. São 200 mil exemplares de “O Livro de Mórmon” e 60 mil Bíblias vendidas por ano, além do serviço social (doação de três mil cadeiras de rodas por ano e um forte programa de voluntarismo).

Eles também investem em ações que melhoram a vida dos fiéis, como um fundo de educação que ajuda a pagar os estudos em famílias convertidas que não tenham condições. No ano passado foram 13 mil alunos beneficiados. A igreja SUD possui o Centro de Recolocação de Empregos, que atende a 3.400 pessoas desempregadas, oferecendo cursos de autossuficiência profissional e recolocação.

“As religiões que estão mais próximas de pessoas cujas vidas passam por dificuldades tendem a ser bem-sucedidas. Elas representam um grupo que acolhe numa hora difícil”, diz o teólogo Clemir Fernandes, do Instituto de Estudos da Religião (Iser).

Uma das filosofias de vida dos mórmons é: “O Senhor gostaria que vocês fossem bem-sucedidos.” A exemplo de outras igrejas, sua estrutura é bancada por dízimos, cuidadosamente acompanhados em balancetes anuais individualizados. Mesmo que a SUD negue que o pagamento do dízimo seja pré-requisito, muitos ex-mórmons alegam que ninguém participa das atividades religiosas ou sociais das congregações se não estiver com o pagamento em dia.

O discurso da SUD pode ser considerado hiperconservador. A valorização da família é o centro da doutrina. Defendem que o bom mórmon não pratica sexo antes do casamento, não bebe café ou chá e não faz uso de álcool ou drogas. Não têm bispos ou autoridades solteiros ou divorciados, sequer viúvos. Famílias gays, nem pensar. O sacerdócio é privilégio dos homens e as mulheres só lideram em cargos que cuidam de assuntos familiares e infantis.

Embora muitos a consideram uma denominação cristã, a maioria de seus fundamentos não tem comprovação histórica. Eles defendem, por exemplo, que o continente americano foi visitado por povos hebreus muitos anos antes do nascimento de Cristo. E que Jesus foi para as Américas após a ressurreição. Por isso, sua sede mundial é em Salt Lake City, em Utah.

Uma das maiores diferenças para as igrejas cristãs convencionais está em suas cerimônias, como os rituais de casamento eterno (após a morte), de batismo de antepassados mortos (a SUD tem o maior banco de pesquisa genealógica do planeta), de aperfeiçoamento dos santos (um trajeto que resulta na transformação de humanos em deuses e deusas que habitarão um planeta chamado Kolob, perto da morada de Deus), além da entrega de códigos e chaves que são dados aos fiéis para a entrada no céu propriamente dita.

Fonte: Gospel Prime com informações O Globo

O PT, que dá a oposição como liquidada, estuda agora um futuro confronto com os evangélicos

 

O fato mais importante da semana passada se deu na sexta-feira, em Porto Alegre. Seu protagonista é Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e olhos, ouvidos e mão — pesada! — de Luiz Inácio Lula da Silva no governo. Carvalho é o homem que guarda os arcanos petistas, os seus segredos, os seus porões. Depois do Babalorixá de Banânia, é quem mais conhece o partido. Transita em todas as esferas, especialmente no mundo sindical — e o sindicalismo nunca foi para pessoas de estômago fraco. O de Carvalho é de avestruz. Não por acaso, ele foi o principal articulador do PT nos eventos pós-morte de Celso Daniel. Foi quem organizou a reação do partido e determinou o papel que cada um deveria desempenhar. Tinha sido braço-direito do prefeito. Segundo irmãos de Celso, confessou-lhes que levava malas de dinheiro do esquema de corrupção de Santo André para o PT — no caso, para José Dirceu. Ambos negam, é evidente. Mas volto.
O evento mais importante foi a palestra de Carvalho a militantes de esquerda no Fórum Social de Porto Alegre. É aquele evento que contou, na sua fase palaciana, com a presença do terrorista e assassino Cesare Battisti, a quem os petistas deram guarida. Para Carvalho, no entanto, “terrorista” é a polícia de São Paulo… Esse foi o trecho politicamente mais delinqüente de sua fala, mas não foi o principal.
Depois de confessar que o governo quer criar uma mídia estatal para a chamada “classe C” — que, segundo Carvalho, não poderia ficar à mercê da mídia conservadora —, ele avançou: é preciso fazer uma disputa ideológica com os líderes evangélicos pelos setores emergentes!
Uau! Não pensem que isso é feito assim, na louca, sem teoria — nem que seja uma teoria aprendida, não exatamente lida. Esse pensamento de Carvalho tem história.
Os petistas, embora não o digam em público, consideram que a oposição está liquidada. Conversei dia desses com um intelectual petista que se mostrava, até ele, escandalizado com a incapacidade da oposição de articular o discurso conservador para se opor ao suposto “progressismo” do PT. Ele também estranhava o que vivo estranhando aqui: será o Brasil a única democracia do mundo com medo dos eleitores que estão mais à direita no espectro político? Pelo visto, sim! Lá na suas tertúlias, os petistas chegam a zombar dessa covardia.
Notem, a propósito, que os únicos momentos em que demonstram realmente alguma aflição e põem as suas hordas na rua é quando temem que a população adira ao discurso da ordem: então mobilizam seus bate-paus para confrontos com a polícia. Assim, podem sair gritando: “Fascistas!” Se e quando a oposição souber falar essa linguagem de modo eficiente e moderno, o PT pode ter problemas. Mas a aposta dos companheiros é que isso não vai acontecer. Tucanos, por exemplo, são reféns de sua “ilustração”.
A outra força
A força que o partido teme é justamente a religiosa. E, no caso, não é a Igreja Católica que os preocupa. Embora tenha cooptado o PRB — o partido da Igreja Universal do Reino de Deus, do auto-intitulado “bispo” Edir Macedo, dono da Record —, o PT sabe tratar-se de uma vistosa, mas pequena parte dos evangélicos. Seguindo os passos da teoria gramsciana, o “partido” tem de se consolidar como um “imperativo categórico”, de modo que toda ação concorra para fortalecê-lo. Mesmo os movimentos de crítica e reação hão de estar subordinados a este ente. Haver organismos, entidades, grupos ou religiões que cultivem valores fora do abrigo do partido é inaceitável.
Os “pensadores” do PT querem começar a criar as condições para limitar ou anular a influência das igrejas evangélicas especialmente nas questões relativas a costumes. O projeto petista se consolida é com a completa laicização da sociedade, sem espaço para a moral privada ou de grupo. Teses como descriminação do aborto, legalização das drogas, união civil de homossexuais, proselitismo sexual nas escolas (nego-me a chamar de “educação” o tal kit gay, por exemplo) tendem a encontrar resistência. E as vozes que lideram essa resistência costumam ser justamente as dos evangélicos. Setores da Igreja Católica também reagem, sim, mas sabemos que a Santa Madre está infestada de esquerdistas de batina (ou melhor: sem batina!).
Ora, conjuguemos as duas propostas de Carvalho, feitas no Fórum Social: ele quer o estado produzindo “informação” para a classe C justamente para disputar almas com os evangélicos. O PT chegou à fase em que acredita que pode também ser “igreja” — e seu “deus”, como se sabe, é o Apedeuta… Os petistas ainda não engoliram o recuo que tiveram de fazer em 2010, no debate sobre o aborto, por causa da pressão dos cristãos.
Os cristãos evangélicos entraram no alvo de médio prazo do PT. Cuidem-se ou serão também engolidos.
Por Reinaldo Azevedo

Engavetamento na Flórida matou 5 brasileiros; duas seguem internadas

 

Organizador de evento do qual brasileiros participavam confirmou mortes.
Jovem de 15 anos que estava no carro das vítimas sobreviveu.

Pelo menos cinco brasileiros morreram no acidente que matou 10 pessoas em Gainesville, no estado americano da Flórida, no domingo (29). A informação foi confirmada por um dos organizadores de uma conferência evangélica da qual as vítimas brasileiras participavam na Flórida.
O pastor José Júnior do Carmo, do Ministério Internacional da Restauração em Atlanta, na Geórgia, estava em uma minivan com cinco familiares no momento do acidente, segundo informou ao G1 o pastor Fábio Bertoni, um dos organizadores do III Cell Vision Conference, em Orlando. Além de José Júnior do Carmo, morreram no acidente a esposa dele, Adriana, e a filha Letícia, além do irmão do pastor, também chamado José, e sua esposa, Rose.

Outra filha do pastor estava no veículo, segundo Bertoni. Lidiane, de 15 anos, foi internada em um hospital de Gainesville e já teria acordado.
Consultado pelo G1, o consulado brasileiro em Atlanta afirmou que já foi procurado e está procedendo no caso, mas não confirmou as identidades nem o número de vítimas brasileiras.
O III Cell Vision Conference foi realizado em Orlando da noite de quinta-feira (26) até a noite de sábado (28), e contou com a participação de 300 brasileiros residentes nos Estados Unidos e de 25 americanos. O evento foi realizado em inglês e em português.
Segundo Bertoni, 19 pessoas da igreja de José Júnior foram de Atlanta para participar da conferência. Dessas, 14 pessoas estavam divididas em duas vans retornando a Atlanta quando se envolveram no acidente. As outras cinco pessoas viajariam no dia seguinte.
A van maior, que levava nove brasileiros, também colidiu no engavetamento. Dela, uma passageira segue internada no mesmo hospital de Gainesville, mas já passa bem. Segundo Bertoni, ela se chama Juliana Lima e é esposa de outro pastor do Ministério Internacional da Restauração em Atlanta.
Acidente em rodovia da Flórida, nos Estados Unidos, deixou 10 mortos no domingo (29). (Foto: Phil Sandlin/AP)
O acidente, envolvendo pelo menos cinco veículos pesados e 10 carros de passeio, deixou um total de 10 pessoas mortas e ao menos 21 feridas, segundo o site do jornal local "The Gainesville Sun".
Segundo autoridades locais, o engavetamento pode ter sido provocado pela falta de visibilidade na estrada.
De acordo com um porta-voz da Patrulha de Estradas da Flórida, a rodovia chegou a ser interditada horas antes do acidente por conta de um denso nevoeiro na região, mas foi reaberta quando as autoridades consideraram que as condições haviam melhorado. Acredita-se que a fumaça de um incêndio próximo à estrada tenha prejudicado ainda mais a visibilidade na pista.
Acidente em rodovia da Flórida, nos Estados Unidos, deixou 10 mortos no domingo (29) (Foto: Phil Sandlin/AP)
As colisões aconteceram em ambos os sentidos da rodovia, o que fez com que muitos veículos ficassem presos uns aos outros. Alguns deles chegaram a pegar fogo.
'Meu automóvel foi atingido duas vezes. Não se via nada mais do que fumaça e chamas, mas se ouviam as batidas de um veículo contra outro. Era como se alguém os estivesse lançando uns contra os outros. Também se ouviam explosões', afirmou o motorista de um dos veículos acidentados.
O trânsito das seis pistas da I-75, que percorre a Flórida do Norte ao Sul, teve que ser interrompido durante boa parte do domingo.
Outra estrada que passa pelo estado, a US 441, também foi bloqueada por causa de vários acidentes decorrentes da fumaça e do nevoeiro.

mapa acidente detalhado flória brasileiros (Foto: Arte/G1)VIA GRITOS DE ALERTA
INF. G1

VOCÊ ACHA CERTO ? COMENTE . Igreja evangélica promove campeonato de MMA dentro do templo

Igreja evangélica promove campeonato de MMA dentro do templo
A Igreja Apostólica Vida Nova da Mooca, São Paulo, realizou no dia 25 de janeiro o Primeiro MMA Power Fight, uma competição de lutas que aconteceu no templo da igreja que recebeu um octógono e centenas de pessoas que presenciaram 12 lutas que tinham como objetivo “lutar por vidas”.
Foram 10 competições de MMA, uma de Submission e outra de Jiu Jitsu que tiveram como trilha sonora canções de grupos evangélicos como Oficina G3 e Pregador Luo. No octógono além das lutas físicas também aconteceu uma luta espiritual, quando o pastor Roberto, líder da Rede de Jovens, subiu para pregar sobre o evangelho e conquistar vidas para Jesus.
No final da pregação o pastor realizou uma oração e alguns dos presentes levantaram suas mãos para aceitar a Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas. Quem estava na igreja da Mooca e comentou sobre o evento foi o apóstolo Willy Garcia, fundador do ministério. “Muitas pessoas criticam o MMA por ser um esporte violento, mas hoje ele é o esporte do momento e para nós, da igreja, é uma boa oportunidade de fazer evangelismo. Temos pessoas aqui hoje que jamais entrariam em uma igreja”, disse.
O apóstolo citou o lutador de MMA Vitor Belfort que é evangélico, seu testemunho foi transmitido para os presentes durante os intervalos das lutas. “Existem atletas, como Vitor Belfort, que apesar do esporte e do estilo de vida, amam a Jesus (…) Nosso objetivo é ser uma igreja contemporânea e relevante, levando a Palavra de Deus a todos os segmentos da sociedade. O principal objetivo aqui é a luta contra a perdição e a favor da salvação”, completo Garcia.
A relação MMA e Jesus tem levantado muitas polêmicas, enquanto o líder da Vida Nova acredita que é possível que esse esporte e o evangelho convivam sem problemas, outros pastores criticam a luta livre dizendo que é muito violenta e que não agrada a Deus. Até mesmo um jornalista do Lance! questionou o agradecimento que os atletas evangélicos fazem no final das lutas, quando conseguem derrubar seus adversários.
“O sujeito quebra o maxilar do rival, arrasa seu rosto, abre a testa, tira sangue da orelha, faz o adversário dormir e sai comemorando e agradecendo Jesus, dizendo que o mérito foi dele. Por ter apagado o outro? Teve o dedo de Cristo aí?”, escreveu João Carlos Assumpção em sua coluna do jornal Lance!.

VIA GRITOS DE ALERTA   / GOSPEL PRIME
Com informações Guia-me

DIA DE ORAÇÃO EM HOLLYWOOD


Cristãos se reúnem em Hollywood para orar

Milhares de cristãos se reúnem para um dia de oração em Hollywood. Eles participarão do TheCRY Hollywood que será realizado no dia 15 de março.

Segundo a diretora Faytene Grasseschi o evento é mais do que um dia de oração. "Não é uma conferência, será um grito para Deus mover-se com Seu amor e poder na mídia do entretenimento".

Líderes de oração, adoração e artistas irão às ruas para oferecer suas orações com um só coração e pedir a Deus para que mova a indústria do entretenimento durante o evento. Com este encontro, Grasseschi espera ver mudanças significativas no mundo.

Um orador, que estará presente no evento, é o Dr. Ted Baehr, um crítico de mídia norte-americana e presidente da Film Christian e da Comissão de Televisão. Ele disse ao The Christian Post que está sempre interessado nas coisas ao redor de Hollywood. “Eu tenho trabalhado lá desde 1978. Eu cresci lá e tenho uma longa história com Hollywood. Eu sou muito grato por toda a equipe do TheCRY, pois eles levam as coisas a sério".

Entre vários pedidos de oração o grupo pede para que Deus abençoe aqueles que trabalham na indústria do entretenimento, que o Espírito Santo inspire as suas vidas para lançar filmes abençoados e que, aqueles que trabalham nos filmes adultos possam ser resgatados por Cristo.

No site do TheCry Hollywood está escrito: “Na América do Norte, cada pessoa gasta em média 28 horas por ano na igreja, em contra partida gastam 6 horas por dia vendo TV. De acordo com estudos recentes, existem mais aparelhos de TV na América do que pessoas”.

O evento tem ganhado apoio de muitos de pastores, líderes e cristãos. Shawn Bolz, diretor e pastor sênior da Expressão 58 disse que não vê a hora de começar esse evento “que vai será uma porta de entrada para Deus fazer mudanças na indústria do entretenimento mundial".

No dia seguinte ao TheCry Hollywood, haverá uma conferência de dois dias. "Estou acreditando que haverá o extremo, impressionante, e intangível amor de Deus para Hollywood", concluiu a diretora do TheCRY Hollywood, Faytene Grasseschi.

Fonte: Christian Post

Bíblia traduzida para dialeto africano gera controvérsias

Bíblia traduzida para dialeto africano gera controvérsias
A Sociedades Bíblicas Unidas (SBU) estará lançando em 6 de agosto uma versão da Bíblia traduzida para o idioma patois, também chamado de creole, usado na Jamaica. Mas o que é comemorado por muitos como um avanço, é criticado por outros que acreditam que essa linguagem é vulgar.
O patois foi criado pelos escravos africanos para que os colonos ingleses não soubessem do que eles estão falando e ainda hoje muitas crianças precisam ser alfabetizadas em inglês, idioma oficial do país, por só conhecerem o patois.
Ao traduzir a Bíblia para esse idioma a SBU acredita que estará aproximando a Palavra de Deus da população, mas o projeto que será lançado na data de comemoração da independência da Jamaica está gerando controvérsia.
Os que contestam a tradução da Bíblia para o patois dizem que essa língua dilui a palavra de Deus e argumentam que o inglês é insubstituível. Além disso, eles alegam que o patois é uma linguagem vulgar que não traduz o sentido sacro do Livro Sagrado.
Já os líderes religiosos da Jamaica acreditam que esse lançamento vai aproximar as pessoas da Bíblia porque traz um livro em seu idioma materno, sendo assim vai ajudar a resgatar a identidade nacional. Até mesmo o site Protestante Digital da Espanha se pronunciou sobre o caso apoiando o projeto.
Os tradutores do texto sagrado também concordam que estão resgatando a identidade daquela região ao lançar uma Bíblia na língua patois. Esses tradutores explicaram que essa língua tem um ritmo próprio, formas verbais e regras gramaticais sólidas, que outorga aos jamaicanos um sentido de pertença muito particular.


Com informações ALC

Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...