quarta-feira, 28 de julho de 2010

Quanto ao PL 6418/2005: (em tramite na Câmara dos Deputados)



Este Projeto de Lei é de autoria do Senador Paulo Paim (PT/RS) e já foi aprovado no Senado Federal e encontra-se hoje na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Desde que tivemos acesso ao texto e a redação consideramos interessante e muito bom. Acreditamos que temos mesmo que banir de nosso país o preconceito e a discriminação. Não podemos aceitar que pessoas, por causa de sua origem, raça, cor, religião, etnia ou sexo, sejam agredidas, violentadas, discriminadas.

O PL recebia o apoio dos deputados evangélicos, visto que militamos na área social, trabalhamos com movimentos sociais, estamos diretamente ligados ao povo através do trabalho realizado em nossas igrejas e sabemos das dificuldades e angústias de nosso povo.

A relatora do PL 6418/2005, Deputada, Janete Pietá (PT/SP), apresentou um parecer favorável e depois, já ás vésperas do recesso parlamentar mudou seu primeiro relatório e apresentou um substitutivo que modifica o PL na íntegra. Ou seja o substitutivo da relatora é na verdade um transcrição do PLC 122/2006 melhorado e sem tantos erros de técnicas legislativas.

Inteligentemente, e com certeza seguindo orientação do Movimento Gay, a relatora apresentou o relatório no último dia antes do recesso parlamentar de julho e já articulou para que ele fosse colocado em votação na primeira reunião da Comissão de Direitos Humanos e Minorias após o recesso, ou seja, no início do mês de agosto. Talvez acreditaram que não teríamos a iniciativa ou tempo de ler o novo relatório durante o recesso.

E se não tivéssemos atentos e lido o substitutivo, poderíamos, a exemplo do ano de 2006, ter nos surpreendido com sua aprovação.

Na Câmara dos Deputados existem manobras legislativas inteligentes e que todos podem usar se as conhecerem bem, como as que foram usadas pela relatora. Felizmente todos os documentos, relatórios, votos, pareceres, requerimentos e outros são obrigatoriamente publicados além de serem autenticados eletronicamente e disponível no sistema on line da Câmara tão logo ele seja protocolado nas Comissões ou no Plenário, por este motivo temos acesso a todos os documentos antes das votações, o que nos dá condições de também usar os instrumentos legislativos e as manobras que o Regimento Interno nos permite a nosso favor, como apresentação de votos em separados, recursos, pedido de vistas, pedido de adiamento de discussões e usar, também inteligentemente, todas os instrumentos legais para também deixar claro e registrado nosso posicionamento diante das proposições legislativas.

Assim fizemos, fomos para reunião deliberativa da CDHM do dia 08 de agosto já prontos para pedido de vistas ao PL, ou seja, não deixaríamos o relatório ser votado e pedimos prazo para apresentar nosso voto em separado.

Naquele dia, quando apresentamos publicamente para a relatora os nossos motivos de pedido de vistas, ela, aparentemente, se assustou e se interessou em conhecer melhor nosso posicionamento e realizou várias reuniões com deputados contrários ao seu substitutivo sendo eles evangélicos ou não. Ela agiu de forma inteligente e prudente ao perceber a polêmica que seu novo relatório havia levantado.

Agora estamos aguardando sua posição final. Ou ela manterá seu substitutivo ou vai apresentar um outro relatório.

Com certeza teremos uma grande batalha naquela Comissão e também verificamos que a maioria dos membros da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara também são favoráveis ao mérito do substitutivo da Deputada Janete Pietá. Mas mesmo que ele esteja melhor redigido, ainda assim apresenta vários vícios constitucionais e por isso acreditamos, que caso aprovado nesta Comissão, ele seja rejeitado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados.

Entendemos que o substitutivo deste PL ainda é mais perigoso que o PLC 122/2006, pois em sua redação já garante a punição ao "pseudo-infrator" antes mesmo de ser condenado, como fechamento de estabelecimentos comerciais e recolhimento do material impresso antes de uma decisão judicial final. O substitutivo do PL é mais nocivo ao povo evangélico que o PLC 122/2006 e dá a interpretação que a Bíblia pode ser recolhida.



OUTRAS PROPOSIÇÕES



Alertamos a Igreja Evangélica para o fato de que são muitas as proposições que tramitam na Câmara e no Senado que também são nocivas. Por exemplo: o PL da união civil de pessoas do mesmo sexo, que já está pronto para ir a pauta de votação no Plenário e que é de autoria da Ex-Deputada Marta Suplicy (PT/SP) teve, a seu favor, no início de setembro, um Requerimento de pedido de urgência de votação apresentado pelo Deputado Celso Russomano de São Paulo. Isto quer dizer que se aprovado o Requerimento o PL pode ser votado a qualquer momento no Plenário.

Outro exemplo é o PL que tramita nas Comissões que autoriza o homossexual a mudar de nome no cartório de registro civil apenas apresentando um laudo médico de que é transexual, mesmo sem fazer cirurgia. Isto é um absurdo!

Existem também proposições para casais homossexuais adotarem crianças, existem proposições sobre pensão alimentícias, sobre convênios para o Movimento Arco Íris dar aulas nas escolas, pleito de recursos da União para a Parada Gay e muito mais.

E o que nos preocupa é que todos os dias algo novo aparece e as vezes de forma sutil, usando termos novos que até podem passar batidos pelos nossos assessores ou pelos parlamentares, como "união afetiva".

Todos precisam saber que o Movimento Homossexual tem investido muito em treinamento de assessores e profissionais para que elaborem proposições a favor de seus direitos, para acompanhamento de todas as proposições que já existem, para criarem manobras legislativas, para escrever discursos, pronunciamentos, artigos e ainda para conquistarem os votos dos deputados a favor de seus pleitos.

E as vezes, os parlamentares cristãos, envolvidos em tantas outras lutas passam despercebidos por uma ou outra proposição e quando descobrimos já estamos quase que atrasados.

Por isso, mais do que nunca precisamos contar com o apoio do povo evangélico. O Movimento Gay tem milhares de voluntários que ficam diuturnamente monitorando a internet a favor deles e dando assessoria e consultoria aos deputados que defendem suas causas..

Os parlamentares evangélicos hoje já contam também com esse tipo de apoio, mais ainda em pequena escala. É hora da Igreja está legislando junto conosco. Muita gente poderia nos ajudar acompanhando proposições, enviando pareceres, ou mesmo mobilizando a comunidade e a sociedade. Temos grandes talentos no meio evangélico, grandes juristas, grandes mestres, grandes educadores que poderiam ser parceiros de nossos mandatos.

Nos últimos anos já esta havendo um despertamento neste sentido e temos tido apoio de escritores, psicólogos, pastores, médicos, educadores e instituições evangélicas que nos assessoram, nos orientam e acompanham as proposições, mais ainda é muito pouco.

Nosso desejo é que doravante desperte um grande exército de auxiliadores. As pessoas precisam entender que a Câmara dos Deputados é a Casa do Povo e que ficamos felizes e ávidos em contar com as sugestões e apoio da comunidade em nossa atuação parlamentar. Sabemos que o povo evangélico, às vezes crítica seus representantes ou por estarem decepcionados ou com expectativas frustradas, mas é chegada a hora de legislarmos juntos.

Desejamos que os evangélicos passem a procurar mais seus deputados, enviando-lhes documentos, sugestões e se não sentirem em seus deputados respostas ou deles não tiverem retorno, que procurem algum outro que esteja militando ou ligado ao tema de interesse da Igreja, quer seja ele homofobia, pedofila, prostituição, aborto, eutanásia, livre expressão sexual, pornografia..

Por fim informamos que acreditamos que quanto as imposições e vitórias do movimento homossexual o que nos falta para enfrentá-las é uma maior mobilização em nossas bases, em nossas comunidades e em nossas igrejas..

Os grupos gays fazem passeatas, vão à reuniões, fazem barulho, visitam os gabinetes dos deputados, estão sempre em Brasília, buscando e lutando em favor de suas demandas. É claro que eles têm patrocínios para suas viagens e seus projetos de mobilizações, mas também podemos ter a mesma atuação em cada cidade, em cada estado, em cada comunidade, em cada igreja sem muito custo.

É hora da Igreja ir às ruas e dizer aos seus representantes que chega de tantas investidas contra a vida, a família e a Igreja.

Este país tem em sua história o acontecimento do impeachment de um Presidente da República quando o povo foi às ruas. A Igreja precisa também fazer valer seus direitos e não ser mais tímida. Mais de 97% dos brasileiros são cristãos e a Bíblia é a regra de fé e prática dos cristãos e porque devemos nos omitir?

Já pensaram se existisse um Projeto de Lei nos países islâmicos com o objetivo de que o Alcorão fosse proibido? Com certeza os muçulmanos sairiam para as ruas, lutariam até o fim para garantir a liberdade de terem o seu livro sagrado intocável.

Estamos correndo o risco de termos nossas Bíblias apreendidas e o que os cristãos estarão fazendo contra esta tentativa???

Já tivemos, no ano de 2007, em Brasília uma experiência positiva quanto a mobilização. Em uma convocação, colocamos nas ruas da capital brasileira mais de 8 mil católicos e evangélicos contra o aborto e entregamos ao Presidente da República um manifesto e marcamos nossa posição. Foi um momento especial de CLAMOR AOS CÉUS EM FAVOR DA VIDA.



UMA CONSIDERAÇÃO IMPORTANTE



Temos tido o cuidado de dizer a todos que os evangélicos não são homófobicos. Precisamos deixar claro que não queremos e não aprovamos nenhum tipo de violência contra os homossexuais. E neste sentido temos até muitas iniciativas legislativas de autoria de parlamentares evangélicos visando denunciar crimes contra homossexuais.

Que isto fique bem claro. Amamos os homossexuais, os pedófilos, os adúlteros, necrófilos, as prostitutas, mas não aceitamos suas práticas sexuais





Grupo de Deputados Evangélicos em Favor da Vida e da Famíla

ESCLARECIMENTOS SOBRE PROJETOS DE LEI DE CRIME DE HOMOFOBIA


O PLC 122/2006, foi aprovado nesta Câmara dos Deputados mediante inteligente estratégica legislativa usada pelo Movimento Homossexual no período em que tramitava nas Comissões e temos que reconhecer que naquele momento não houve uma oposição mais efetiva dos parlamentares cristãos ou mesmo dos parlamentares s não cristãos mas que também não concordam com a proposta.

O que questionamos e repudiamos é a forma como ele foi levado e aprovado em Plenário Geral, ou seja, em uma tarde de quinta-feira, quando a votação estava sendo simbólica sob a promessa do Presidente da Câmara que nas tardes de quinta não seriam colocados em pauta em Plenário a votação projetos e proposições com temas polêmicos e que não tivessem consenso.

Infelizmente, quem presidia a Sessão naquele momento, entendendo que havia consenso na matéria ou induzido a entender que havia, colocou em votação primeiro um Requerimento que pedia urgência e inclusão do PL na pauta de votação. O Requerimento foi aprovado sem contestação e o PL foi colocado em pauta, votado simbolicamnte e aprovado.

Ocorre que para votação, o presidente da Mesa leu apenas a Ementa do Projeto de Lei e a Ementa não é clara que se trata de crime de homofobia.

No momento da votação encontrava-se no Plenário um deputado evangélico, o Pastor Pedro Ribeiro do Estado do Ceará, que somente depois do PL ter sido votado foi alertado por um assessor que a Ementa tratava-se de crime de homofobia. O deputado não se conformou. Ele protestou, bradou, mas já havia sido encerrada a votação. Impetrou recurso oral e não foi atendido. Após este momento não houve, por parte de qualquer outro parlamentar, recurso da decisão do Plenário. Os que manifestaram, na semana posterior, interesse e desejo de impetrar recurso verificaram que o prazo recursal já havia expirado.

Desta forma toda e qualquer atuação para não deixar o PL virar lei agora precisava ser feita no Senado e toda articulação junto aos senadores. E no Senado hoje só temos dois evangélicos (Senador Marcelo Crivela e o Senador Magno Malta)

O PL recebeu no Senado número e título de PLC 122/2006 (quer dizer Projeto de Lei da Câmara) e foi distribuído, primeiro para a Comissão de Direitos Humanos e recebeu a Senadora Fátima Cleide como relatora, depois ele seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça.

A partir daí, um trabalho pelos parlamentares evangélicos começou a ser feito junto a Senadora, que já estava convencida em apresentar foto favorável sem perceber que o PLC era polêmico.

Depois de nossas ações e reuniões a Senadora, prudente, criou um Grupo de Trabalho e neste Grupo dois deputados representam a Frente Parlamentar Evangélica, Deputado Henrique Afonso e o Deputado Rodovalho (DEM/DF) e também representantes do Movimento Homossexual, juristas, pessoas da sociedade civil, representantes da Igreja Católica, assessores parlamentares, entre outros.

Varias reuniões foram realizadas e promovidas pelo Grupo de Trabalho e várias especialistas no tema, juristas e pesquisadores foram ouvidos.

Paralelo ao trabalho do Grupo, a Frente Parlamentar Evangélica também reuniu na Câmara dos Deputados grandes juristas para uma discussão e um debate, quando alguns pareceres foram emitidos e decidido que não devíamos apresentar emendas ao PLC e tão somente trabalhar para que ele fosse na íntegra extinto.

Após nossos pareceres serem entregues, a Relatora optou pela realização de uma Audiência Pública. Na Audiência vários foram os expositores, como representante da CNBB, do segmento evangélico, do Ministério Público e do Movimento Gay e observou-se, ao final, que era unânime a opinião que PLC apresentava vícios constitucionais e jurídicos.

Como outras questões foram levantadas, a exemplo das questões trabalhistas, outros Requerimentos para realização de outras Audiências Públicas foram aprovados, um deles é de autoria do Senador Paulo Paim. No entanto a relatora não aguardou a realização das Audiências e apresentou parecer pela aprovação não aceitando nenhuma das sugestões e pareceres apresentados pelo Grupo de Trabalho e pelos diversos juristas, o relatório será votado a qualquer momento.

Pelo que observamos e entendemos na Comissão de Direitos Humanos do Senado, onde é discutido apenas o mérito do PLC, ele tem grandes chances de ser aprovado. Em uma contagem geral, inclusive junto com representante do Movimento Homossexual, verificamos que a maioria dos membros daquela Comissão é a favor do mérito do PLC.

Creio que podemos ter chance de não aprová-lo na Comissão de Constituição e Justiça em virtude dos vícios jurídicos e da má técnica legislativa.

Se ele receber alguma emenda ou um substitutivo voltará para a Câmara dos Deputados, quando acontecerá outra batalha na Câmara, mas neste momento os deputados só poderão discutir a parte do PLC que foi emendado ou a parte para qual foi apresentado substitutivo, pois o que não for modificado permanece, visto que é matéria já votada em Plenário e não cabe mais apreciação por parte dos deputados.

Em resumo, o PLC 122/2006 quer impor ao Brasil uma ‘ditadura gay'. Sem dúvida alguma ele trás danos ao povo evangélico. Um de seus objetivos é cercear nossa liberdade de dizer que a prática da homossexualidade é pecado.

Cristãos mortos em tribunal seriam inocentados


O funeral de Rashid Emmanuel, 36, e de Sajid Masih Emmanuel, 30, mortos nesta segunda-feira, foi realizado na manhã de ontem em Faisalabad. Os dois irmãos cristãos foram executados em frente ao tribunal, após a audiência que os acusava de blasfêmia. As mortes provocaram conflitos violentos entre cristãos e muçulmanos no subúrbio de Warispura e Dawoodnagar, no Paquistão, e as tensões continuam altas.

Nos últimos dois anos, Sajid e Rashid Emmanuel foram líderes da “United Ministries Pakistan”. Eles foram acusados por Khurram Shahzad, um homem muçulmano, de colar pôsteres supostamente blasfemos em uma parada de caminhões em Faisalabad. Na verdade, a polícia iria inocentar os cristãos, pois a letra utilizada nos pôsteres não coincidia com as dos cristãos.

A lei de blasfêmia – aplicada no Paquistão pelo ditador Zia ul-Haq em 1986 – é novamente utilizada como pretexto para a execução de cristãos inocentes.

Fontes locais afirmam que foi declarado “estado de emergência” em Faisalabad, em uma tentativa de conter a violência. Compara-se a violência aos ataques de Gojra, em julho de 2009, em que dezenas de casas foram incendiadas.

Os corpos dos dois cristãos foram levados do hospital Allied Faisalabad, onde realizou-se uma autópsia. O funeral foi realizado às 8h, na presença de representantes da comunidade cristã e ativistas de direitos humanos. O assassinato de Sajid e Rashid relembra a morte de Manzoor Masih, um cristão acusado de blasfêmia, morto próximo a um tribunal em 5 de abril de 1994.

500 Cristãos são assassinados na Nigéria


Normalmente as notícias sobre a vida de cristãos perseguidos por sua fé nos países onde ainda imperam as trevas espirituais não são nada animadoras. São histórias de sofrimento, cheias de violência, de perdas e muita dor.


JOS, Nigéria, 7 de março de 2010 (CDN) – No dia de 7 de março de 2010, no meio da noite, muçulmanos assassinaram 500 mulheres e crianças cristãs no vilarejo de Dogo Nahawa, próximo a cidade de Jos. Os muçulmanos massacraram crianças a partir de de seis semanas de idade. Onde está a indignação do mundo por tal atrocidade? Foto publicada pelo jornal Times of Nigeria, clique aqui (conteúdo para adultos).

Os muçulmanos invadiram o vilarejo às 2 da manhã (horário local) e massacram os cristãos com facões. Em alguns casos, os muçulmanos mataram famílias inteiras. Destes mortos, 380 foram enterrados em um túmulo conjunto. A polícia prendeu 93 pessoas e apreenderam armas de fogo, facas e outros tipos de armas. A polícia de segurança sabia o que estava acontecendo, mas não tomou nenhuma atitude para prevenir o massacre.O reverendo Chuwang Avou, secretário geral da Christian Association of Nigeria in Plateau State, disse que os cristãos do vilarejo chamaram-no assim que os muçulmanos começaram o ataque. Ele imediatamente alertou a polícia.

A polícia foi até o vilarejo, onde testemunharam os assassinatos, porém não fizeram nada para impedir as mortes. Quando outros cristãos de vilarejos vizinhos tentaram fazer algo para ajudar as vítimas, a polícia os interrompeu, alegando que eles não poderiam entrar no vilarejo até as 6 da manhã.

Os muçulmanos continuaram com o massacre até as 05h30min, e então deixaram o vilarejo. O reverendo Avou disse que “os cristãos estão sob constante ameaça. Nós precisamos de assistência dos governos estrangeiros, porque nós não podemos confiar neste país. Nós perdemos a confiança na política de segurança da Nigéria… militares, especialmente o exército, estão tomando partido e escolhendo lados. Nós queremos que a Nações Unidas nos ajude.”

Jonah John Jang, o governador do estado nigeriano onde o ataque aconteceu, confirmou a falha dos militares em interromper o ataque. De acordo com o jornal nigeriano This Day, no dia 6 de março de 2010 o governador reportou a possibilidade deste ataque para o major Maina Saleh, o comandante da força militar local. Mas, os militares falharam em tomar ações, apesar do aviso do governador. De acordo com o governador Jang, o massacre “poderia ter sido evitado, se eles tivessem agido conforme meu relatório.”

O massacre teve o padrão de um ataque muçulmano Jihad, e não é um conflito étnico.

Os líderes cristãos nigerianos expressaram sua indignação, pois os ataques muçulmanos foram rotulados como violência “étnica” pela mídia e pelos políticos. De acordo com os líderes cristãos, esta violência foi parte do jihad muçulmano contra as minorias cristãs no norte da Nigéria.

Uma testemunha relatou que os muçulmanos estavam “gritando Allah Akbar (Deus é grande). Se você os escuta gritando Allah Akbar, Allah Akbar, isso significa que eles mataram alguém.” Os líderes cristãos disseram que os muçulmanos intencionam converter a todos os nigerianos para a fé muçulmana. O reverendo Avou acrescentou que “os muçulmanos treinaram grupos na Nigéria, e eles importam armas de fora do país.”

Durante o ataque, os muçulmanos queimaram as igrejas Evangelical Church of West Africa e Church of Christ in Nigeria, além de uma igreja católica romana.

Para mais informações sobre esta notícia ultrajante, visite persecution.org/slaughter.

Nós planejamos postar novidades e também entrevistas com nigerianos e testemunhas, para que você possa acompanhar a verdadeira história por trás do ataque.

Para expressar sua indignação contra a falta de ação do Major do exército nigeriano sr. Maina Saleh e pedir investigação e punição dos responsáveis ou omissos, ligue ou envie um fax para a embaixada nigeriana em Brasilia:

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DA NIGÉRIA NO BRASIL
SEN Av das Nações Lote 05 – Brasília / DF – CEP: 70800-400
Expediente: segunda à sexta-feira das 08:30 as 12:30 e de 13:30 as 16:30
Telefone: (61) 3208-1700 • Fax: (61) 3322-1823 ou (61) 3226-5192

por favor, alerte a todos os cristãos!

ASSASSINADOS MAIS DOIS CRISTÃOS NA ÍNDIA: IGREJAS SAQUEADAS E DESTRUÍDAS


Continua na Índia a onda de violência contra os cristãos. Dois fiéis foram assassinados no Estado de Orissa e muitas igrejas foram alvo de atos de vandalismo. Os cristãos são acusados de impelir tribais e dalit (os sem casta) a conversões forçadas ou mediante pagamento. As violências tiveram início no dia 23 de agosto passado, após o assassinato de um líder radical hinduísta.

De fato, não param os ataques e as violências anticristãs na Índia. Em Orissa dois homens foram assassinados e cortados em pedaços. Um deles tinha sido capturado no distrito de Kandhamal, sábado passado, por um grupo de extremistas hinduístas enquanto buscava escapar com a esposa para um campo de refúgio. A casa dele foi incendiada. A outra vítima era da localidade de Nilungia, situada no referido Estado indiano. O corpo dele foi cortado em pedaços, colocado num saco e jogado num brejo.
Segundo estimativa do Conselho de Todos os Cristãos da Índia, somente no Estado de Orissa foram mortos 37 cristãos, entre os quais 2 pastores protestantes; queimadas mais de 4 mil casas de cristãos; mais de 50 mil fiéis obrigados à fuga. Entre esses somente 14 mil se encontrariam em campos de refugiados preparados pelo governo. Outras dezenas de milhares encontram-se dispersos na floresta.
O primeiro alvo dos radicais hinduístas são os sacerdotes, as irmãs e suas famílias. Elas são atacadas e muitas vezes obrigadas à conversão ao hinduísmo. Sacerdotes e irmãs presentes nos campos devem esconder a sua identidade.
De Orissa a violência difundiu-se a outros Estados: Chhattisgar, Madhya Pradesh, Karnataka e Kerala. Na manhã de ontem, domingo, a igreja do Santo Nome de Jesus, em Bangalore, foi alvo de vândalos. Uma imagem de Nossa Senhora foi apedrejada, ficando desfigurada. No dia anterior, sempre em Bangalore, a igreja de São Tiago foi saqueada. Os vândalos profanaram o sacrário e danificaram móveis e bancos do templo.

Fonte: http://noticiascristas.blogspot.com/2008/09/assassinados-mais-dois-cristos-na-ndia.html

Vamos levantar um clamor pelos nossos irmãos da Índia. Convoque a sua igreja, não podemos assistir a isso tudo calados. Deus há de socorrer os crentes da Índia.

Evangélicos da Argentina protestam contra “casamento” homossexual


BUENOS AIRES, Argentina, 1 de junho de 2010 (Notícias Pró-Família) — Evangélicos da Argentina estão unindo suas vozes à voz dos católicos argentinos em oposição ao projeto de lei que institui o “casamento” homossexual no país sul-americano.
Com o lema “Pelo casamento com pai e mãe”, duas organizações evangélicas se uniram com a meta de coletar 50.000 assinaturas contra o projeto, que já foi aprovado na Câmara dos Deputados e agora está sob consideração do senado da nação.
As duas organizações, a Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas (ACIERA) e a Federação da Confraternidade Evangélica Pentecostal (FECEP), incluem 12.000 diferentes igrejas no país.
De acordo com o presidente da ACIERA, Rubén Proietti, o ato de protesto da organização é “para todos os cidadãos de boa vontade que defendem o matrimônio entre um homem e uma mulher, para aqueles que consideram como fundamental a garantia de uma mãe e um pai para cada filho, para aqueles que não concordam em aceitar a modificação do Código Civil”.
“A história está sendo escrita e não podemos ignorar uma mudança social tão violenta que uma minoria está tentando impor”, Proietti também declarou. “Apoiamos a ideia de um referendo”.
As organizações realizaram um comício ontem em frente do Palácio do Congresso em Buenos Aires para tornarem pública sua campanha e para mostrarem aos legisladores que eles não concordam.

Contradição evangélica na política

O testemunho vergonhoso de Magno Malta e Marina Silva


O site do Senador Magno Malta anuncia: “Dilma e Magno Malta em defesa da vida. Em Brasília candidata petista se coloca contra o aborto”.
A linha oficial do PT é pró-aborto. O Dep. Henrique Afonso, que é pastor e contra o aborto, foi expulso do partido. Dilma nunca será expulsa, pois no PT mentir é uma virtude. Daí, em época de eleição o petista, “miraculosamente”, fala o que católicos e evangélicos querem ouvir. Depois da eleição, o petista, como todo bom socialista, volta ao vermelho, aos chifres, tridente, etc.
A primeira vez que me decepcionei com Malta foi em 2003, quando o ouvi pregar elogiando Lula durante uma hora inteira. Como é que alguém que se considera de Cristo consegue conviver tão bem com a mentira?
Na pregação, Malta disse que Lula é um homem que chora. Só Lula? Depois de ver o governo dele promovendo o aborto, o homossexualismo, educação pornográfica nas escolas e fazendo amizade com Fidel Castro, Hugo Chavez e outros inimigos de Israel, eu também estou chorando!
Se choro é motivo de pregação, Malta deveria pregar sobre o motivo por que, enquanto a liderança evangélica corrupta está se regozijando com os benefícios e privilégios que ganhou durante o governo Lula, Jesus Cristo está chorando com tudo o que Lula e seus aliados fizeram durante 8 anos.
Outro motivo de choro é Marina Silva. Ela, que vive em cima do muro em questões como aborto e homossexualismo, finalmente saiu de cima do muro… para, de acordo com notícia do Portal Terra, defender o asilo político concedido pelo governo Lula ao assassino italiano Cesare Battisti, que é antigo membro do grupo de extrema esquerda italiano Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) e foi condenado pela participação em quatro assassinatos durante a década de 1970, na Itália.
Qualquer pessoa moralmente sã — independente de sua religiosidade — consegue ver o absurdo de se apoiar um assassino comunista. Há milhões de evangélicos e católicos perseguidos na Coréia do Norte e outros países comunistas necessitando de asilo no Brasil. Por que Marina não sai de cima do muro para condenar o governo comunista assassino da Coréia do Norte e defender asilo aos cristãos dali? Por que?.
Embora ela fale no nome de Cristo, quem governa seus valores de forma decisiva é o DNA do PT e da Teologia da Libertação. Se o aborto e o homossexualismo fossem avidamente combatidos pela Teologia da Libertação, Marina desceria de seu muro ensebado para dizer alto e bom som: “Aborto é crime! Não aceito plebiscito para discutir o direito fundamental à vida. Vida não se discute; se defende!” Ou: “Sodomia é perversão! Ponto final!” Ficar em cima do muro nessas questões? Nem pensar!
Já Magno Malta tem o DNA do oportunismo político. Dizer que Dilma Rousseff é contra o aborto é a mesma coisa que dizer que o diabo ama Jesus Cristo!
“Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade.” (2 Timóteo 2:19 ACF)