segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Mulheres cristãs têm mais problemas com desorganização do que luxúria ou inveja

Uma nova pesquisa do Grupo Barna revela que as mulheres cristãs nos Estados Unidos reivindicam lutar menos com pecados "tradicionais" que do que com maus comportamentos mais modernos.

Na terça-feira, o grupo de pesquisa revelou a terceira parte de seu estudo "Mulheres Cristãs Hoje ", que concluiu que as mulheres mais frequentemente indicaram desorganização (50 por cento) e ineficiência (42 por cento) como suas maiores lutas.

Mulheres cristãs eram muito menos propensas a citar pecados "tradicionais" como a inveja (13 por cento) e luxúria (8 por cento), como lutas em suas vidas. Outras questões que diziam enfrentar incluem raiva (36 por cento), o egoísmo (25 por cento), discutir excessivamente (19 por cento) e arrogância (16 por cento).

No que diz respeito às suas vidas espirituais, 73 por cento das mulheres disseram que são caracterizadas pela alegria. Uma percentagem semelhante (72 por cento) disseram que são caracterizadas por liberdade espiritual, e 67 por cento disseram que sentem muita realização espiritual. Em contraste, apenas três por cento afirmaram sentir-se com "muito" medo, dúvida ou confusão.

David Kinnaman, presidente do Barna Group, pergunta se uma auto-avaliação ou não de suas lutas é realmente precisa.

"Tão poucas mulheres realmente lutam com medo, dúvida e confusão? Elas realmente pensam que desorganização é o seu maior pecado? Ou as mulheres relutam em admitir suas falhas? Mesmo em uma pesquisa anônima?" Kinnaman disse, de acordo com o estudo.

Uma luta que poderia ter sido sub-relatada neste estudo é o da luxúria. Enquanto que menos de uma em cada dez mulheres disseram aos pesquisadores que lutam com a luxúria, estimados 25 por cento das mulheres cristãs são viciadas em pornografia e 70 por cento delas nunca vão confessar isso, de acordo com a fundadora do Dirty Girls Ministries, Crystal Renaud, no seu livro, Dirty Girls Come Clean.

Embora os inquéritos telefônicos usados para coletar os dados fossem anônimos, Kinnaman acredita que "há uma forte sensação de que a desejabilidade social afete os resultados."

"Por exemplo, talvez as mulheres cristãs são relutantes em admitir suas lutas porque podem experimentam vergonha e culpa, dando uma resposta mais honesta", acrescentou. "Talvez as mulheres precisam aprender a ter graça e compaixão por si mesmas e umas às outras."

Outra possível explicação para as respostas dadas por mulheres, disse ele, é que os cristãos, em geral, sentem que são mais maduros espiritualmente do que provavelmente realmente são. Portanto, homens e mulheres cristãs ambos precisam aprender a avaliar melhor a sua própria espiritualidade.

O estudo, que foi realizado através do levantamento de 603 mulheres adultas cristãs nos EUA que foram a um culto da igreja regularmente nos últimos seis meses, e também examinou as coisas que mais provocaram decepção em suas vidas.

As mulheres disseram que as maiores decepções de suas vidas se relacionam com: a morte de um ente querido (29 por cento), a sua família ou crianças (20 por cento) ou um divórcio ou casamento ruim (nove por cento). Apenas nove por cento das mulheres disseram que não têm decepções.

Fonte: The Christian Post

Padre pretende reabrir cervejaria que funcionava no prédio da igreja em Juiz de Fora

Padre pretende reabrir cervejaria que funcionava no prédio da igreja em Juiz de ForaPadre pretende reabrir cervejaria que funcionava no prédio da igreja em Juiz de Fora
A população da cidade de Juiz de Fora talvez não saiba, mas no porão da Igreja Nossa Senhora da Glória funcionava uma pequena fábrica de cerveja trazida pelos padres holandeses da ordem redentorista no final do século 19.
No comando da igreja desde 2010, o padre Flávio Leonardo tem planos de reabrir a cervejaria e voltar a produzir a bebida que tem até uma oração na cartilha dos redentoristas. “Abençoai, Senhor, esta criatura, a cerveja, que vos dignastes produzir do melhor lúpulo, para que seja remédio saudável ao gênero humano”, diz trecho da reza.
A cervejaria era exclusiva para consumo dos religiosos, não tendo seus produtos comercializados. Ela funcionou entre 1894 e 1994, tendo sempre uma pessoa designada para a produção da cerveja.
Como a região tem muitos profissionais habilidosos para trabalhar com a bebida, os cervejeiros estão apoiando o padre, já que a cidade mineira foi a porta de entrada para o produto.
O valor histórico dessa pequena cervejaria é muito grande, pois os redentoristas trouxeram apenas cinco cervejarias para o Brasil, mas apenas esta de Juiz de Fora foi preservada. No mundo todo há oito mosteiros que produzem cerveja, seis deles estão na Bélgica e os outros dois estão na Áustria e na Holanda.
Com informações O Povo

Rabino influente pede que judeus orem para que Deus destrua o Irã

Rabino influente pede que judeus orem para que Deus destrua o IrãRabino influente pede que judeus orem para que Deus destrua o Irã
O rabino Ovadia Yosef, líder espiritual do Shas, grupo religioso com atuação política, é conhecido por suas declarações polêmicas. Ano passado afirmou que os gentios só estão neste mundo para enriquecer os judeus.
Agora ele, que é membro do partido ortodoxo sefaradita, conclamou todos os judeus para orarem pedindo a destruição do Irã e do Hezbollah.
Durante seu sermão semanal ao falar sobre a celebração do Rosh Hashaná [ano novo judaico], ele declarou: “Quando dizemos a bênção sobre as datas durante nossa refeição de Rosh Hashaná, é comum pedirmos para Deus “abater os nossos inimigos”. Deveríamos pensar sobre os governantes iranianos, aqueles homens perversos que ameaçam Israel… Nós temos o Hezbollah e nós temos o Irã… Que o Senhor, bendito seja seu nome, os elimine da face da terra”.
O costume judaico durante a refeição de Rosh Hashaná inclui recitar bênçãos especiais sobre os alimentos, que usam duplos sentidos para abençoar o novo ano. Essa bênção sobre a data, ou tamar, geralmente pede pela ação de Deus contra os inimigos do povo judeu.
Os comentários ocorreram após as visitas de autoridades de defesa do país, incluindo o chefe do Conselho de Segurança de Israel, Ya’akov Amidror e o ministro do Interior Eli Yishai. Eles teriam ido pedir a Yosef sua benção para um possível ataque israelense ao Irã.
Não ficou claro até que ponto Amidror ou outro líder conseguiu persuadir Yosef ou se ele já tinha essa postura. Contudo, durante seu sermão na semana anterior, um dia após seu encontro com Amidror, Yosef disse: “Você sabe o que a situação em que estamos, há pessoas ruins, no Irã, a ponto de nos destruir…. Devemos orar antes [a Deus] com todo o nosso coração. ”
A reunião do líder religioso com as autoridades militares seria parte dos esforços do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para obter o apoio da população para um ataque israelense às instalações nucleares iranianas em breve. Eli Yishai, importante membro do gabinete de segurança formado por nove ministros, disse se opor. Mas como membro dos Shas, ele agora deve ouvir seu guia espiritual.
Traduzido de Forward

Psicóloga Marisa Lobo escreve carta aberta para pastora lésbica Lanna Holder

Psicóloga Marisa Lobo escreve carta aberta para pastora lésbica Lanna Holder
Recentemente a psicóloga Marisa Lobo participou do programa Superpop, junto com a pastora lésbica Lanna Holder. O tema principal do programa foi a “cura gay”, e foi abordado também, de forma totalmente parcial em favor da causa gay, os temas homofobia e intolerância.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Além da psicóloga, participaram do programa também diversos ativistas gays e a pastora Lanna Holder que fez vários questionamentos a Marisa Lobo sobre a tensão entre seguir a interpretação bíblica adotada pelos evangélicos e conciliar os desejos e vontades em relação a pessoas do mesmo sexo.
Lanna Holder questionou Marisa Lobo também sobre o porque continuaria sentindo atração por pessoas do mesmo sexo mesmo quando no “altar do Senhor”, se isso não fosse a vontade de Deus para sua vida, e confrontou a psicóloga usando os eunucos, citados na Bíblia, como exemplos de homossexuais aceitos por Deus.
Na carta, enviada por Marisa Lobo à redação do Gospel+, ela responde a essas perguntas feitas pela pastora e, dentre outras explicações e ilustrações acerca da visão bíblica para o homossexualismo, fala sobre a necessidade de todas as pessoas, independente de sua orientação sexual, abrir mão das próprias vontades para aceitar a vontade de Deus.
Marisa explica também que os eunucos, conforme relatos bíblicos, não são homossexuais mas sim pessoas desprovidas de sexualidade. Ela afirma no texto também que o fato de Lanna Holder estar sendo colocada como bandeira dos movimentos gays mostra que sua vida é incoerente com o evangelho pois, conforme afirma, um cristão verdadeiro jamais será aceito pelo “mundo”, por ser contra os padrões não-bíblicos defendidos pela sociedade.
Leia na íntegra o a carta:
Resposta de Marisa Lobo a Lanna Holder
Quero deixar claro que falo aqui como missionária e pregadora da palavra de DEUS, e não como psicóloga, para que não usem esta resposta como ferramenta para cassar meu registro.
Querida Lanna Holder desde quando estivemos juntas no programa Super Pop meu coração está apreensivo e tenho orado a Deus para me dar entendimento para tentar explicar e responder sua indagação: “Porque mesmo estando no altar do Senhor não consegui resistir aos desejos sexuais por pessoas do mesmo sexo?”. Me comovi e senti sua sinceridade em sua afirmação em ter estado nos púlpitos e realmente ter desejado servir a Deus sem sentir os desejos que ele desaprova. Conforme está escrito em sua palavra: “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro” (Romanos 1:26-27).
Gostaria me solidarizar neste momento com você e com todos que sofrem com desejos que não podem realizar porem nem tudo que é “gostoso” e “desejável” faz bem para nossa alma e espírito. Nesse sentido digo que todos somos tentados por desejos de coisas que Deus proibiu (Tiago 1:14-15). Eva desejou o fruto proibido no Éden (Gênesis 3:6), algumas pessoas desejam ganho desonesto (Tito 1:7), alguns homens desejam as esposas de outros (Mateus 5:28), algumas pessoas desejam outras do mesmo sexo (Gênesis 19:4-5). Mas Deus declarou EU VENCI O MUNDO.
Me pergunto se somos realmente felizes quando colocamos nosso desejos a cima da vontade do Mestre para com nossa vida, porque eu não me sinto feliz quando faço isso, o Espirito Santo de Deus me cobra espiritualmente. Percebo, analisando a mim e não a você, que quando me acostumo como prazeres do mundo, percebo a tendência de nos adaptarmos e pervertermos a nossa realidade existencial, queremos por força da manipulação de nossos sentimentos acreditar que o que fazemos é correto. E isso é pura manipulação de sentimento, sensações prazeres que são gostosas nos realizam no momento, mas se Deus não aprova como princípio, gostoso ou não, devem ser mudados, transformados ou mesmo sublimado, deslocado para outros tantos prazeres e mesmo assim se, não resistirmos, então devam esses tais desejos serem renunciados em favor do evangelho, nos monitorarmos a partir dessa decisão e lutar pela dessensibilização de nossos desejos, estando mais e mais na presença do Pai.
Não podemos relativizar a vida cristã e achar com isso que Deus vai nos aprovar. E ao não conseguir lutar contra um desejo, simplesmente esquecer dos princípios que movem e norteiam nossa fé, e adaptar a Bíblia Sagrada aos nossos desejos. Somos nós que temos que entrar e viver conforme ela, essa é nossa confissão de Fé.
Somos todos pecadores, erramos muito e uma das coisas que eu, pessoalmente, aprendi e ensino em minha vida é reconhecer a minha impotência perante a minha dependência dos meus vícios e desejos, e declarar a minha dependência de Deus e, reconhecer sua magnitude e poder sobre todas as coisas e sobre minha vida meus desejos conscientes e até mesmo os inconscientes.
Dizer ser feliz não significa que Deus está feliz conosco, que Deus aprova, que realmente temos a felicidade eterna, mas apenas que nosso sistema cerebral de recompensa funciona bem. Esse sistema é dado por Deus, faz parte do cérebro e nos recompensa com alegria. Todas as vezes que fazemos algo esse sistema é ativado e os neurotransmissores como dopamina e serotonina, por exemplo, responsáveis pelo bem estar, ativam sensações corpóreas, que nos dão prazer. Foi projetado por Deus, para que isso ocorra, mas nem sempre o que gostamos é bom para saúde, e nem tudo que traz prazer ao corpo é bom para nossa alma. E nem mesmo o que pode ser bom para nossa alma será bom para o Espirito. Por isso temos o poder de escolha, e reconheço sim como é difícil desejar uma coisa e fazer outra, como vivemos a luta interior de Paulo a cada dia, conforme nos mostra claramente a carta de Paulo aos Romanos no capítulo 7, versículos 14 a 25, mas ele venceu por amor a Cristo.
A renúncia é o que nos aproxima do Mestre, a vitória sobre nossos desejos é o que nos torna heróis… Hoje pensei na resposta da pergunta que me fez no programa: “porque comigo não aconteceu”. Na hora fiquei em silêncio, porque não quis te constranger, mas a resposta, amada, é essa “Porque talvez seu ministério fosse a renuncia” .
Os eunucos que Jesus se referia não eram homossexuais
Quanto aos Eunucos que você usou para se explicar, Deus me deu esta resposta. Dentro do seu contexto particular perante sua afirmação dizendo que eunucos seriam gays, mesmo eu, sabendo que não eram, Deus me deu esta palavra se assim o fossem:
“Alguns são eunucos porque nasceram assim, outros foram feitos assim pelos homens, outros ainda se fizeram eunucos por causa do Reino dos céus. Quem puder aceitar isso, aceite”. (Mateus 19:12)
O que são eunucos? Como diz o versículo acima, existem aqueles que nasceram sem essa avidez sexual, em virtude de problemas congênitos, como o mau desenvolvimento dos testículos durante a gestação, por exemplo. Existem outros que foram feitos eunucos. Na antiguidade, era por via da castração, tirando os testículos. Por conta disso, muitas alterações hormonais ocorriam. Talvez essas pessoas até tivessem alguns desejos fantasiosos, mas o seu corpo não respondia a eles. Hoje em dia, uma pessoa é feita eunuco pela via do trauma, através da violentação.
“Porque assim diz o SENHOR a respeito dos eunucos, que guardam os meus sábados, e escolhem aquilo em que eu me agrado, e abraçam a minha aliança: Também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.” (Isaías 56:4-5)
Digamos que o que Deus quer te dizer é que, se os eunucos fossem gays como quis afirmar, ainda assim Deus falaria em renúncia.
Porém, amada, pela história e pela ciência uma pessoa literalmente castrada como eram os eunucos, por exemplo, da antiguidade, sentiam pouco ou nenhum prazer, portanto não eram objetos sexuais. Quando Jesus fala dos nascidos, está se referindo aos com problemas genéticos, portanto faltava-lhes desejo sexuais. Não eram de forma alguma sexuados, não poderiam ser homossexuais e/ou bissexuais em seu desejo, porque simplesmente não tinham desejo sexual, e seu prazer era servir nos palácios pois esse trabalho era honra para essas pessoas.
Fazendo uma analogia à palavra “eunuco” podemos dizem que existem entre nós “eunucos”, pessoas de total renuncia que abrem mão de sua sexualidade e prazer sexual mesmo não sendo mutilados fisicamente, para servir a Deus, por exemplo os padres.
Podemos dizer ainda dentro desse contexto que: Há os eunucos a serviço do Reino de Deus, como era Paulo de Tarso e tantos outros ao longo da história. Como era Madre Tereza de Calcutá, que ficou para sempre gravada na história da humanidade não por atributos físicos e/ou sensuais, mas por um amor pelos que sofrem que transcende todo e qualquer entendimento que não seja pelo espírito, era na acepção da palavra uma perfeita “eunuca” (se é que existe tal termo).
Não devemos manipular fatos históricos ou versículos Bíblicos com requintes falaciosos e perversos apenas para satisfazer nossos desejos. Me perdoe se de alguma forma te ofendo, não é essa minha intenção, apenas gostaria de deixar o meu apreço, meu carinho, e dizer que Jesus te ama e a vejo um dia voltando como um filho prodigo para os braços do pai, e juntamente como você, todos os que acreditam na sua versão do evangelho que, na opinião do cristianismo, é seita pois retira e manipula princípios que jamais, segundo Jesus Cristo que os criou a 2 mil anos e está no céu declarou, poderiam ser mudados.
Quando negamos a verdade de tal modo, nos entregamos conscientemente à mentira a ponto de acabar acreditando na mentira como verdade e recusamos até a evidência da verdade. Estamos repetindo o pecado dos fariseus que viam Cristo fazer milagres e os negavam, apesar de vê-los. Não havia então modo de convertê-los. Quando você diz em público que tentou de tudo, libertação, confissão, etc., e não funcionou, está negando a Cristo, tentando se justificar. Se está certa do que faz, não mais se justifique usando a palavra, pois está envergonhando o evangelho de Jesus perante o mundo. Você pode ser aceita, e está sendo, pelo mundo; essa é a maior prova do engano, pois o mundo jamais aceitará um cristão legítimo, porque ele não se adaptará ao mundo ferindo princípios. Pode este conviver e amar as pessoas do mundo, mas não se aliar a ele nos comportamentos que os sustenta, quando são contrários aos mandamentos.
Não nos cabe procurar desculpas para justificar o pecado. É nossa responsabilidade buscar o meio de vencer a tentação (1 Coríntios 10:13; Tiago 4:7-10).
“”Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas. herdarão o reino de Deus”” (1 Coríntios 6:9-10).
Com a paz de Jesus Cristo me despeço em amor crendo no seu milagre, como clamo a cada dia pelo meu.
Marisa Lobo
Deixo para ti uma linda canção de Davi Sacer Toque no Altar ABRO MÃO, ainda não consigo cantar toda, pois temo ao senhor, mas a ouço todos os dias.
Redação Gospel+

NÃO É SÓ MACACO QUE PULA DE GALHO EM GALHO , OS BODES TAMBÉM . ( RISOS)

 

Cabras sobem em árvores para comer frutos em Marrocos em foto tirada neste domingo (26) (Foto: AFP)

 

Animais foram flagrados na região de Essaouira.
Eles se equilibram nos galhos para comer o fruto local argan.



 

Animais comem fruto local argan (Foto: AFP)Cabras foram flagradas subindo em uma árvore na região de Essaouira, Marrocos, para comer o fruto local argan.
Nas fotos, vários dos animais se equilibram em galhos da mesma árvore.
Cabras sobem em árvores para comer frutos em Marrocos em foto tirada neste domingo (26) (Foto: AFP)
Animais comem fruto local argan (Foto: AFP)
Cabras sobem em árvores para comer frutos em Marrocos em foto tirada neste domingo (26) (Foto: AFP)Cabras foram flagradas perto de Essaouira (Foto: AFP)
 
esse cabeludinho ai até parece uma pessoa que conheço .
 
EQ. DO SORRISO.

Marco Feliciano propõe lei para proibir sacrifício de animais em rituais religiosos

Antes de apresentar o projeto ele consultou a Federação Espírita do Estado de São Paulo que não usa sacrifícios em seus rituais.

O deputado federal Marco Feliciano apresentou na última semana uma proposta na Câmara para proibir o sacrifício de animais em rituais religiosos. A medida seria para coibir as práticas de crueldade contra animais que acabam sendo mortos nesses rituais.

Antes de propor o texto, Feliciano consultou a Federação Espírita do Estado de São Paulo que não reconheceu esses rituais como uma prática em seus centros. O órgão representa todos os centros espíritas do Estado, mas não representa as religiões de matrizes africanas.

Feliciano sabe que a Constituição Federal garante a liberdade de culto dizendo que o local é inviolável, assegurando assim o livre exercício da crença, mas em sua opinião é preciso fazer cumprir também o artigo 225 que estabelece como dever a defensa da fauna, flora e dos animais.

O deputado alega que é necessário criar esse projeto de lei para poder defender os animais que durante esses rituais são submetidos a maus tratos e mutilação. O projeto não tiraria a liberdade de culto, apenas impedir que animais sejam mortos.

Leia a declaração:

“Várias entidades que promovem a proteção de animais ensejam esforços para coibir tais práticas, que tipificam crueldade descabida e maus exemplos às crianças que assistem esses rituais e se tornam insensíveis ao sofrimento, até mesmo de seres humanos.

Em consulta à Federação Espírita do Estado de São Paulo, nos foi informado que aquela entidade que congrega todos os Centros Espíritas daquele Estado, não reconhece nenhum ritual que pratique o sacrifício de animais.

Nossa Constituição Federal, no Capítulo I, Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, Art. 5º, Inciso VI, diz que é inviolável a liberdade de consciência e de crença , sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias. Mais adiante, Capítulo VII, Do Meio Ambiente, Art. 225, Inciso VII, estabelece nosso dever de proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

Combinando estes dois itens, já teríamos a legislação necessária para impedir a utilização de animais, porém, sob a prática de ritual religioso, na maioria das vezes, estão intrínsecos os maus tratos, a mutilação e até a morte destes animais, daí a necessidade da apresentação deste projeto de lei”.

Fonte: Gospel Prime

Mulheres que são bênçãos

Muitas vezes anônimas, obreiras evangélicas prestam magníficos serviços ao próximo e ao Reino de Deus e estão mais interessadas em ser bênção do que receber bênçãos.

O que podem ter em comum a periferia do Recife (PE), os hospitais da Cidade Maravilhosa, uma aldeia indígena no Mato Grosso do Sul, uma ilha próxima à capital gaúcha, as ruas de São Paulo e uma casa simples de São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio? Pessoas que precisam de ajuda, com certeza. Mas todos esses contextos tão diferentes também têm outras particularidades que os unem – e elas atendem pelo nome de Madalena, Fabiana, Sandra, Maria, Eulália e Sílvia. Sim, todas são mulheres comuns, daquelas que cuidam da família, vão para o trabalho e enfrentam seus problemas. Apenas seis entre as outras quase 30 milhões de evangélicas que vivem no país – nada menos que 68% da Igreja Evangélica brasileira. São como tantas outras irmãs em Cristo, que amam ao Senhor e procurar viver de acordo com os ensinos da Palavra. Mas vão além: elas fazem. Em uma sociedade de tantas injustiças e diferenças, gente como Madalena, Fabiana, Sandra, Maria, Eulália e Sílvia chegaram à acha que não basta crer; é preciso fazer. E elas fazem. Cada uma, ao seu modo, tomou para si o chamado de Cristo para ir ao encontro do necessitado, esteja onde estiver. E, se a verdadeira acepção da palavra “santo” é separado, pode-se dizer, sem sombra de dúvida, que elas são santas. Afinal, separaram parte importante de suas vidas para visitar o enfermo, alimentar o faminto, vestir o nu, levantar o caído. Elas são as mulheres do Senhor, mulheres que estão mais interessadas em ser bênção do que receber bênçãos. E quem ganha, claro, é o Reino de Deus.

De casa e coração abertos
Para Madalena dos Santos, uma vida não tem preço. Com recursos próprios e muita dedicação, Madalena abriga viciados em sua própria casa

“Aos 17 anos, meu filho Marivaldo Afonso Calado se envolveu com drogas”, conta Madalena Martins Afonso dos Santos, de 56 anos. Na época, em 1993, ela estava afastado do Evangelho. “Foi um sofrimento, uma tristeza ver meu filho naquele estado”. O drama levou-a de volta para a igreja e para os braços de Cristo. O rapaz foi para uma instituição de recuperação evangélica e conseguiu largar o vício. Mas Madalena não ficou satisfeita. “Fiz um voto com Deus. Resolvi cuidar de dependentes químicos. Quando eles saem das clínicas, ficam sem referências e muitos não têm para onde ir”, justifica. Viúva, Madalena compromete quase a metade de sua renda para manter o trabalho, em sua própria casa, em São Gonçalo (RJ). Ela não se importa – “Se conseguir ganhar uma alma, estou ganhando galardão no céu”, diz, com simplicidade. Hoje, são quatro pessoas dividindo uma casa pequena: além dela o do filho, estão lá João Carlos Mello, de 37 anos, e Carlos Alberto Salgado, de 28. Em certas ocasiões, a casa está mais cheia. Uma moça, que chegou em estado deplorável e cujo nome Madalena prefere preservar, ficou com ela lá seis meses. Hoje, casada e longe das drogas, é visita constante. A rotina tem de ser espartana. “Todos ajudam nas tarefas. Às oito horas, estamos de pé. Pela manhã, às 8 horas, todos já levantaram. Depois do café, eles têm a tarefa de limpar e arrumar a casa e o quintal. O João é o responsável pela cozinha. Após o almoço, assistem televisão, de preferência programas evangélicos. No sábado, fazemos um culto e, às vezes, convido algum pastor para pregar. Tenho aprendido muito da palavra de Deus e cheguei a uma conclusão: temos que olhar pelo ser humano”. A casa ficou pequena, e Madalena começou a pedir a Deus um lugar maior, onde pudesse atender mais pessoas. “O Senhor me deu o sonho de um centro de recuperação. Estamos prestes a conseguir. Procurei o proprietário de um espaço indicado pela vizinhança, que é próximo da minha casa, e disse que não tinha condições de comprar o imóvel, e por isso quis alugá-lo. Ele simplesmente me entregou a chave e disse para eu ficar o tempo necessário”. É um sítio grande com duas casas; uma será feita de dormitório e, na outra, será instalado o refeitório. “Contamos apenas com doações”, continua a pensionista. O lugar é muito pobre, sem água encanada, iluminação pública ou coleta de lixo. “Mas Deus tem sido fiel”, diz Madalena, resoluta. “Acho que é por isso que Deus me colocou aqui: para cuidar destas pessoas. Hoje é uma satisfação receber cada vida na minha casa. Estou com a minha renda toda comprometida, mas não sou apegada a dinheiro, não. Não vou levar nada deste mundo, e tudo que tenho foi emprestado por Deus. Tudo posso naquele que me fortalece.”
Madalena Martins Afonso dos Santos é pensionista e dedica todo o seu tempo aos viciados que abriga em sua casa, em São Gonçalo (RJ)


Mensageira da esperança
Sílvia leva palavras de fé a pacientes internados nos hospitais do Rio de Janeiro. A obreira em trabalho de capelania com um pequeno paciente: “Dividir o amor de Deus é uma alegria”

Foi durante sua primeira gravidez que Sílvia Helena Migueis Bastos, carioca de 45 anos, conheceu a irmã Francisca. “Ela fazia visitação aos doentes nos hospitais e me convidou para acompanhá-la”, lembra. Numa das primeiras visitas, Sílvia conheceu uma soropositiva em estado terminal. “Sua família morava longe e passei a visitá-la todos os dias”. A nova amiga lhe pedia que levasse comida, mas Sílvia fez muito mais do que isso – apresentou-lhe a Cristo, o pão da vida. A paciente converteu-se ao Evangelho. “Na semana seguinte, ela morreu”, conta. Sílvia percebeu que a visitação hospitalar era o seu chamado. Ela buscou, então, preparar-se para exercer o ministério da capelania, estudando no Centro Integrado de Educação e Missões (CIEM). “Já faz 15 anos. O meu coração transborda de amor; sinto-me feliz e realizada”, garante. “Para mim é uma alegria dividir o amor de Deus com aquelas pessoas, levando o conforto e a paz que há em Jesus”. Naturalmente, a obreira já viu muitos milagres. “Certa vez, encontrei um garotinho de apenas seis anos de idade. Ele fora atropelado, e os médicos diziam que não havia esperança. A criança parou de andar, falar, enxergar e ouvir”. O menino jazia em posição fetal, inerte. “No meu coração, eu tinha a certeza de que algo poderia ser feito. Todos os dias, ao seu lado, eu cantava, orava e contava histórias bíblicas. Ao final de uma semana, ele abriu os olhinhos”, emociona-se Sílvia. “Para minha surpresa, numa visita, ele me recebeu levantando o seu bracinho com dificuldade, puxou meu pescoço e me deu um abraço, com um lindo sorriso, dizendo: ‘Oi tia!’ Ouvir a voz daquela criança e sentir seu abraço foi muito gratificante, um incentivo para que eu não desistisse nunca de levar o Evangelho e a esperança aos doentes internados.”
Sílvia Helena Migueis Bastos é casada, estudante de psicologia e membro da Igreja Batista Itacuruçá, no Rio de Janeiro


Gerando renda e dignidade
A empreendedora social Fabiana Dumont apoia mais de 400 artesãs carentes

A empreendedora social Fabiana Dumont jamais pensou em trabalhar com projetos de geração de renda em comunidades carentes. “Realmente, tudo foi preparado por Deus e ele tem aberto todas as portas para a promoção da justiça social e para que estas pessoas possam ter uma vida mais digna”, garante. Ela atua criando grupos de trabalho em comunidades de extrema pobreza da Grande Recife, envolvendo principalmente mulheres. Em Aguazinha, bairro de Olinda, Fabiana apoia artesãs que antes trabalhavam no lixão da cidade. “Elas produzem peças recicladas e bijuterias que hoje são comercializadas até na Holanda”, explica. Já na comunidade das Carolinas, na vizinha Jaboatão dos Guararapes, ela ajudou a montar o grupo Esperança, cujas integrantes produzem peças em tecido, móbiles e chaveiros que também são exportados e até vendidos em lojas badaladas da região. “Além de renda para suprir necessidades da família, este trabalho representa dignidade”, pontifica Fabiana. “Algo que ouvi certa vez e nunca esqueci é que, quando investimos na formação e geração de renda para as mulheres, a vida da família como um todo melhora, porque elas investem tudo nos filhos, em uma alimentação melhor e em melhorias para suas casas”. As duas frentes de trabalho são apoiadas por igrejas de confissão anglicana, que dão suporte na utilização das instalações de seus templos para as oficinas e o estoque, ajudam na gestão da produção e abrem espaço em eventos para a venda das peças. “Atualmente, trabalhamos com cerca de 30 grupos produtivos, envolvendo mais de 400 mulheres”, informa. Mais de 1,3 mil pessoas já foram beneficiadas. Como muitas das artesãs não são crentes, o trabalho tem forte viés evangelístico. “Não nasci num lar evangélico”, revela Fabiana. “Por estranho que pareça, comecei a buscar Deus porque queria definições na minha vida, inclusive na área profissional. Mas Deus fez muito mais do que imaginei. Hoje, é um privilégio trabalhar com algo que ele plantou no meu coração. Creio que nosso trabalho tem sido um instrumento de Deus para trazer libertação da opressão causada pela pobreza extrema. Tenho convicção de que Deus me usa para proporcionar vida mais digna a essas mulheres, com a condição mínima de ter pão na mesa”.
Fabiana Dumont, 38 anos, é pós-graduada em comércio exterior e sócia da empresa Bio Fair Trade, que presta apoio aos grupos de produção formados por mulheres carentes. Ela congrega na Igreja Presbiteriana das Graças, em Recife (PE)


Amor, gratidão e felicidade
O campo missionário de Maria Antonia são as ruas de São Paulo

São Paulo, a maior cidade brasileira, com quase 12 milhões de habitantes, tem também problemas sociais gigantescos. Um dos mais dramáticos é o da população de rua. Os sem-teto amontoam-se sob marquises e viadutos, em condição de extrema vulnerabilidade. Mas a mineira Maria Antonia Rabelo de Araujo faz o que pode para mitigar o drama desses excluídos. “Há muitos anos, realizo um trabalho social voluntário com moradores de rua”, diz. Antes de conhecer a Jesus com o Salvador, ela passou um período de três anos em depressão. “Sentia vontade de morrer, sem ânimo para nada”, lembra. O vazio que sentia dentro de si impulsionou-a em direção ao próximo. “Sempre gostei de ajudar as pessoas”. Convertida em um culto da Igreja Internacional da Graça de Deus, Maria Antonia tornou-se uma evangelista vibrante. “Eu falava de Jesus para a população de rua quando ia e voltava da igreja. Eles são muito carentes, mas, se tratados com amor, ficam gratos e felizes. O amor muda qualquer situação”. Com o tempo, ela reuniu um grupo de trabalho com ajuda de outros crentes. “É um trabalho de formiguinha, mas é o próprio Deus quem nos move. Depois de algum tempo, fui levantada como pastora, ganhei uma sala e uma equipe composta por psicólogos, advogados, assistente social e pedagoga, todos voluntários. No momento estou atendendo uma garota de programa. Ela chegou na igreja quase sem roupa. Sentei ao seu lado e perguntei como poderia lhe ajudar. O Senhor me deu estratégia certa e ela está vindo todos os dias na igreja”. Outro foco de sua atuação são os idosos abandonados. “Encontrei muitos velhinhos nas ruas. Eles se acham um peso para a família e vão embora. Como muitos não sabem ler, montamos cursos gratuitos que funcionam nas dependências da igreja, das seis da manhã às oito da noite, com professores também voluntários”. A pastora lembra bem de Antonio do Nascimento Peixoto, o primeiro morador de rua que atendeu. “Todos os dias, eu falava que Jesus o amava. Hoje, ele é pastor em Fortaleza, no Ceará”, diz, satisfeita. Com o tempo, Maria Antonio organizou o trabalho, que hoje conta com cadastros e listagens de todas as doações recebidas e para quem foram entregues. Mas não perde de vista o essencial: “Esse trabalho é a minha vida.”
Maria Antonia da Silva Rabelo de Araújo vive em São Paulo, tem 50 anos, é casada e pastora em temo integral


Escola da vida
Obreira da Missão Caiuá, Eulália educa pequenos índios. O casal de missionários Eulália e Gervásio dedicam suas vidas aos índios do Mato Grosso do Sul.

Trabalho com a Missão Evangélica Caiuá, em Mato Grosso do Sul. Sou professora, mas não exerço essa função em escola, só no ministério. Deus abriu as portas e permitiu que viéssemos trabalhar na aldeia de Taquaperi com a tribo guarani-kaiwá. Amo este povo e este lugar”. Assim, Eulália Maria de Souza Lopes, de 61 anos, resume seu trabalho. Isso é o que ela faz hoje, porque, desde a juventude, envolveu-se com a obra missionária em diversas partes do país. O marido, Gervásio, também é missionário, e os três filhos adultos estão envolvidos com a obra do Senhor – uma delas segue para o Afeganistão agora em setembro. Eulália está completamente integrada à vida e à rotina dos índios.
“Desde o início, meu ministério é com crianças e adolescentes. Ao chegar, fiquei impressionada com o grande número de crianças que vinham à igreja e começamos a trabalhar de maneira zelosa e constante com elas aos domingos, na Escola Bíblica Dominical, e também nas escolas. Treinamos uma equipe formada por adolescentes, jovens e outros voluntários. O resultado foi maravilhoso!”, lembra. “Tenho também um grupo de discipulado semanal com lições bíblicas e músicas, para crianças de quatro a 12 anos. Estou preparando a classe de adolescentes e jovens de amanhã. Atualmente são 48 matriculados nesse grupo. É lindo, abençoado e animador ver esse ministério”. Um dos maiores desafios é em relação ao idioma. “Há falta de obreiros nativos para ajudar com a tradução, pois não falo guarani fluentemente. Os índios menores não entendem bem o português. Fica difícil desenvolver o programa, mas estamos pedindo ao Senhor da seara por obreiros”. Sobre as dificuldades e a distância dos filhos, ela é taxativa: “Não troco isso por nada. É maravilhoso relembrar como era e como está a igreja aqui na aldeia, em todos os aspectos. Há grandes mudanças nas construções, nas famílias, nas vidas. Só Deus para fazer isso.”

Eulália Maria de Souza Lopes é professora na Missão Evangélica Caiuá, no Mato Grosso do Sul


No jardim de Deus
Iniciativa de crente batista transforma a vida de moradores da Ilha das Flores, cuja miséria foi mostrada em documentário premiado.

O premiado documentário Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado, mostra o cotidiano de abandono e miséria das comunidades insulares do Rio Guaíba, que banha a capital gaúcha. Pois foram cenas com as do filme que a pedagoga gaúcha Sandra Penno imaginou nos seus sonhos missionários quando menina. “Eu dizia à minha mãe que seria missionária”, lembra, divertida. E virou, mesmo. Ela trabalhou em escolas cristãs e foi obreira em vários estados do Brasil durante 20 anos, até voltar à sua Porto Alegre, sem saber exatamente o que fazer ali. “Fiquei inquieta com a realidade tão dura mostrada no filme. Então, eu e um pequeno grupo de mulheres da Igreja Batista de Mont’Serrat orávamos incessantemente por aquela comunidade. Resolvemos ir lá”. Corria o ano de 2007 e uma grande enchente assolou a Grande Porto Alegre. A Ilha das Flores ficou praticamente submersa. “Atravessamos a pé uma das pontes e vi a escola e as casas simples, a maioria de madeira, imersas diante da força das águas”. A estrada ficou intransitável e Sandra e suas companheiras não puderam voltar. “Bati na porta de uma casa. Cinco mulheres estavam lá dentro, e logo perguntaram o que eu estava fazendo ali. Respondi que tinha ido lá para falar que Deus existe e que pode mudar a história de qualquer pessoa, em qualquer lugar. Em pouco tempo, me tornei amiga daquelas mulheres”. Em pouco tempo, Sandra encontrou maneiras de ajudar na prática. A coisa começou com encontros informais, estudos bíblicos, reuniões de oração e almoços. Logo, outros evangélicos aderiram. “Distribuímos muitas doações e visitamos as casas, entre elas a de alguns recicladores de lixo a céu aberto. Vi olhos brilhando por um pedaço de pão em meio aos sacos de lixo. Era uma cena que ia muito além do documentário, até as crianças comiam restos”. Em 2010, nasceu o projeto Jardim de Deus, com voluntários em mutirões de limpeza nos quintais. O lixo foi retirado e em seu lugar foram plantadas árvores frutíferas, hortas e flores. “Organizamos uma instituição social para implantação de uma cozinha comunitária. O prédio que abriga o Instituto de Educação e Desenvolvimento Humano – que faz trabalhos beneficentes e filantrópicos –, foi construído e reformado com ofertas das igrejas e da sociedade civil”, comenta Sandra. “Atualmente vivemos um período de consolidação da Igreja Jardim de Deus, que nasceu no coração da ilha. Percebo que a Ilha das Flores é hoje muito diferente da comunidade que conheci há cinco anos. A conquista da cidadania e a melhoria de condições de vida já é realidade para muitas famílias. Com coração grato, louvo a Deus pela dedicação de cada irmão que, de maneira tão desprendida, se doou nesse trabalho tão especial.”

Sandra Mara Kindlein Penno, 52 anos, é graduada em Pedagogia e tem mestrado em Educação. Ela é membro da Igreja Batista de Mont'Serrat, em Porto Alegre (RS)

Fonte: Cristianismo Hoje

Frente Parlamentar Evangélica fará reunião para discutir a reforma do Código Penal

Frente Parlamentar Evangélica fará reunião para discutir a reforma do Código Penal
Frente Parlamentar Evangélica fará reunião para discutir a reforma do Código PenalDeputados e senadores que fazem parte da Frente Parlamentar Evangélica (FPE) estarão reunidos na próxima quinta-feira (30) para tratar sobre a reforma no Código Penal Brasileiro. Uma convocação em caráter de urgência foi enviada para cada um dos parlamentares para que eles estejam juntos tratando de um assunto tão importante para a sociedade brasileira.
A votação final das propostas de alteração acontecerá entre os dias 28 de setembro e 4 de outubro, um dos momentos mais importantes da história atual. Para ajudar os representantes evangélicos, a FPE convidou não só os deputados e senadores como também líderes religiosos para opinar a respeito.
Alguns parlamentares como o senador Magno Malta e o deputado federal Arolde de Oliveira já estão envolvidos nesse projeto, eles disponibilizaram seus assessores e advogados para acompanhar as emendas que serão apresentadas propondo alterações do Código Penal. “Nossos assessores têm lá garantido um espaço físico, computadores, telefones e toda estrutura necessária. Eles estão trabalhando diuturnamente acompanhando as reuniões, audiências, elaborando emendas”, diz o texto da FPE.
Para dar a oportunidade da Igreja participar desse momento, a primeira reunião do dia 30 será exclusivamente para deputados federais, seus assessores e os líderes das denominações. Já a segunda, que acontecerá no mesmo dia, terá a presença do senador Magno Malta que é membro titular da Comissão da Reforma e pelo Senador Pedro Taques relator do PLS 236/2012.
“Como nesta fase do projeto todos os senadores podem apresentar emendas, as que forem elaboradas pelos membros da Frente Parlamentar Evangélica serão distribuídas entre os senadores que defendem a vida e a família”, diz trecho do texto de convocação.

Com ataque à Globo, Domingo Espetacular debate a arte com apologia à pedofilia

Programa Domingo Espetacular, na Record TV O debate sobre as exposições de arte com apologia à pedofilia e outros temas no Brasil marc...