terça-feira, 8 de março de 2011

Mais um muçulmano convertido

Robert Sutton nasceu e cresceu em Trinidade. Quando adulto, se converteu ao Islã, tornando-se muçulmano. Ele costumava ir frequentemente à mesquita para fazer suas rezas, até que ele decidiu ir para os Estados Unidos tentar uma vida melhor para ele e sua família.
“Eu estava muito envolvido com a cultura islâmica. Desde o vestuário até a leitura do Alcorão. Eu não queria saber, e nem estava interessado em qualquer outra religião. Eu queria que a minha família se convertesse à religião islâmica, assim como eu, mas eles recusavam por não haverem sido educados dessa forma e não acreditarem no islâmismo. Eu era tão devoto ao Islã que dei aos meus filhos nomes muçulmanos.
Minha vida sempre foi inconstante, cheia de altos e baixos. Eu sempre fui de ir a festas, sair com os amigos ou estar nas ruas.
Agora, tente imaginar o caos que era a minha casa: minha esposa, que é cristã, sempre me convidava para ir à Igreja Universal, mas eu sempre recusava, porque eu era um muçulmano! Na verdade, eu sempre desejei que ela se juntasse a mim, mas nunca pensei em ir com ela à igreja. Depois de algum tempo, sair com os amigos, ir a festas se tornaram tão frequentes que eu nem sequer tinha mais tempo para ir à mesquita. Eu me sentia tão cansado da minha esposa, por ela sempre me convidar para ir à igreja, que eu já não sentia prazer em estar em casa e passar um tempo com a minha família. Um dia, um dos nossos filhos foi nos visitar, eu o levei para ver um amigo e no caminho sofremos um acidente. Como resultado desse acidente eu comecei a ter problemas na minha saúde e no meu corpo, sentindo fortes e constantes dores. Eu não conseguia dormir à noite, me debatia de um lado para o outro, porque de qualquer maneira que eu me posicionasse me causava dor ou desconforto. Mais uma vez, minha esposa me convidou para ir à igreja, participar de uma reunião de cura. Eu queria dizer para ela me deixar em paz, porque eu não tinha tempo para isso.
Meu filho, que hoje é pastor na IURD, também me falava sobre uma mudança de vida, de entregar minha vida a Deus, e eu sempre ignorava o que eles me diziam. Depois de algum tempo eu estava saindo novamente com os meus amigos. Um dia, em uma dessas saídas com amigos, eu sofri outro acidente de carro; eu estava sentado no banco de trás do carro. Neste acidente, todos sairam ilesos, eu fui o único que se machucou e teve que ir para o hospital. Todos na minha família viam a atuação do diabo na minha vida, mas eu era o único que não conseguia ver isto. Quando voltei para casa, depois de sair do hospital, minha esposa mais uma vez me convidou para ir à igreja. E, outra vez, eu recusei.
Um dia, meu filho me chamou e novamente me falou sobre entregar a minha vida a Deus. Se eu quisesse ser liberto de toda a negatividade, de todos os problemas de saúde, dos problemas físicos, eu teria que entregar minha vida ao Senhor Jesus. Levei algum tempo para realmente tomar a decisão de deixar a religião islâmica, mas eu decidi finalmente aceitar o convite da minha esposa para ir à igreja.
Em um domingo pela manhã decidi ir à igreja com a minha esposa, e desde aquele dia eu tive a certeza de que se eu continuasse a ir e estivesse disposto a lutar, minha vida não seria mais a mesma, cheia de altos e baixos. Comecei a fazer as correntes de oração às terças-feiras para a minha cura, quartas-feiras para a minha vida espiritual, sextas-feiras para a minha libertação e aos domingos para o crescimento da minha vida espiritual e por minha família também. Não foi fácil, eu não vi resultados do dia para a noite, mas como eu perseverei e comecei a colocar em prática aquilo que eu estava aprendendo na igreja, eu vi a cada dia as mudanças acontecendo na minha vida.
Uma coisa que realmente me chamou a atenção, e que eu nunca tinha visto em nenhum outro lugar, é que os pastores realmente nos ensinam a usar a fé da maneira inteligente, e acreditar em Deus. Eu sempre soube que eu tinha que ter fé e acreditar em Deus, mas isso nunca me havia sido ensinado antes, de como realmente eu deveria fazer. Minha esposa, às vezes, fica surpresa quando eu levanto e vou à igreja sozinho, sem ela ter que me perguntar. Houve tempos em que eu sequer esperava por ela. Eu dizia: ‘Eu te vejo na igreja’. Ela ficou tão feliz com minha conversão ao Senhor Jesus, que costumava dizer: ‘Deus, se isto é um sonho, eu não quero nunca mais acordar’.
Hoje, posso dizer que minha vida foi completamente transformada e eu sei que ainda há mais por vir. Em 2010 eu fui batizado nas águas, mas, acima de tudo, eu realmente entendi, que não há salvação na religião, mas sim no Senhor Jesus Cristo.”


Robert Sutton

SEDUÇÃO POR FALSAS DOUTRINAS



Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas ainda seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos. Apocalipse 2:20.

A palavra grega aqui traduzida por Jezabel é sinônimo de falso mestre. Este simboliza um grupo do povo de Deus, praticante de boas obras, aparentando fé e paciência. Mas o olhar de Jesus aparece entre eles, fulgurante como chamas de fogo. Apesar de terem algo bom e recomendável, existe um perigo iminente, algo tão sedutor que Cristo avisa que enviará juízo e fará deles exemplo para todas as igrejas. Alguns membros da igreja estavam a serviço de Satanás. Estavam contagiados por um ensinamento falso, que se manifestava disfarçado como a verdadeira Palavra, mas na realidade era má.

Quero dizer, de modo que não reste dúvida, que é perigoso dar ouvidos a ensino errôneo. A falsa doutrina pode condená-lo ao inferno mais rapidamente do que todas as paixões ou pecados da carne. Nós estamos vivendo em um tempo em que o povo não estão mais interessados e nem mais suportando a sã doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos. 2 Timóteo 4:3.

Os falsos pregadores e mestres estão mandando mais gente para o inferno do que todos os traficantes de drogas, prostitutas e assassinos. Multidões de crentes cegos, mal conduzidos, estão cantando e louvando ao Senhor em igrejas escravizadas pela falsa doutrina. Milhares sentam-se para ouvir mestres que estão pregando a doutrina de demônios e ainda saem dizendo: “Não é maravilhoso?” O povo de Deus está sendo vendido em liquidação para Satanás de várias formas quando se entregam às mãos de falsos mestres e traficantes de falsas doutrinas. Toda doutrina que defende o desempenho pessoal e anula a cruz de Cristo é uma doutrina de demônios. E tudo isto está relacionado aos útimos dias. Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios. 1 Timóteo 4:1. A marca de um “crente” seduzido é ser “levado por todos os lados” buscando algum ensino novo, diferente. Não se deixe conduzir de cá para lá. Não nos referimos aqui às vezes em que um cristão maduro ouve em outra igreja, que não a sua, um verdadeiro homem de Deus pregar a Cristo crucificado.

Referimo-nos aqui a correr de um lugar para outro, de seminário para convenção, de uma igreja para outra, de reunião de milagre após reunião de cura, não tendo raízes. Seus ouvidos estão sempre em comichão para ouvir algo novo, algo sensacional, algo que entretém, algo agradável à carne. Mas as Escrituras Sagradas nos advertem: Não vos deixeis envolver por doutrinas várias e estranhas. Hebreus 13:9a.

Em nossa comunidade encontramos forasteiros, pobres humanos, cavalgando diferentes ventos de doutrinas. Esse tipo não volta porque nos recusamos a coçar ouvidos que têm comichão. Eles desejam ser adulados, e não reprovados. Assim correm de volta aos seus mestres os suavizadores, os felizes adeptos do pensamento positivo. Eles se parecem com os atenienses. Vamos ler Atos 17:21. Pois todos os de Atenas e os estrangeiros residentes de outra coisa não cuidavam senão dizer ou ouvir as últimas novidades.

A marca do cristão maduro é a recusa de ser “levados ao redor por todo vento de doutrina”. Tais filhos e filhas de Deus não podem ser manipulados por nenhum mestre. Não têm necessidade de correr de um lado para o outro porque beberam diretamente da Rocha. Estão crescendo em Cristo. Estão festejando em pastos verdejantes. Circuncidaram seus ouvidos, e medem cada mestre, cada doutrina, segundo o padrão da santidade de Cristo e de Sua Palavra. Podem discernir todas as doutrinas falsas e repelem todos os ensinos estranhos, novos. Eles apreenderam a Cristo. Não ficarão presos apenas pela música, amigos, personalidades marcantes ou milagres, mas por uma fome da Palavra pura. Só existem duas doutrinas. A doutrina de Cristo e a de Jezabel. Qual é a doutrina de Cristo? Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, Tito 2:11-12.

Irmãos, a doutrina de Cristo conformará você à imagem de Cristo. Ela trará à luz todo pecado oculto e todo desejo mau. Será que os “mestres” estão repreendendo com autoridade, falando e exortando sobre a gravidade do pecado? Você está aprendendo a odiar o pecado de forma apaixonada? Ou você ainda sai da igreja não convencido de culpa? Você pode desapegar-se aos pecados de estimação? A mensagem da doutrina de Cristo é: Purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus. 2 Coríntios 7:1b.

Muitas pessoas chegam a dizer o seguinte: “Nosso past or continua afirmando: ‘Não estou aqui para pregar contra o pecado; estou aqui para exaltar a Jesus.’ Ou, ‘Nenhuma pregação condenatória sairá deste púlpito, pois estou aqui para remover o medo e a depressão do meu povo.” Mesmo entre os pastores pentecostais há dois extremos. Alguns gritam um evangelho vazio e sem graça, legalista, sem amor, um evangelho de obras; enquanto outros pregam contra o pecado como covardes, levando tudo de volta na mesma mensagem. Falso amor e lágrimas de crocodilo. Já a doutrina de Cristo é de piedade e santidade. Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, 1 Timóteo 6:3-4.

A pregação da doutrina de Cristo traz bênção, fortalece e incentiva você, mas também ela o condena tão profundamente que você não pode sentar-se para ouvi-la e ainda continuar apegado a um pecado secreto. Vamos examinar esta doutrina de demônios e vejamos se você corre perigo de vender-se a Satanás. Irmãos, Jezabel é a corporificação de doutrinas falsas. Jezabel, no hebraico, significa “casta, virtuosa, sem idolatria”. Imagine! Esta mulher muitíssimo ímpia, idolatra, maquinadora, odienta, usando um nome que significa virtuosa, sem pecado. Alguma coisa muito má levando o nome de boa. Jezabel representa a falsa doutrina e Acabe é sua vítima. A Bíblia declara que não bastava que Acabe tivesse um coração inclinado para o pecado, idolatria e contemporização. Ele traz para a sua vida uma influência satânica que o confirmará em seu pecado.

Ninguém houve, pois, como Acabe, que se vendeu para fazer o que era mau perante o SENHOR, porque Jezabel, sua mulher, o instigava. 1 Reis 21:25. A última coisa de que Acabe tinha necessidade era Jezabel. Quão perigosa! Ela salientou o que havia de pior nele, magnificou esse aspecto, e o destruiu. Dá-se o mesmo com a falsa doutrina. Se houver qualquer pecado, paixão ou mundanismo em você, a última coisa de que você precisa é uma doutrina que traga à tona o que você tem de pior. Quando Davi pecou com Bate-Seba, ele não necessitou de um falso profeta com uma mensagem tranqüilizadora para dizer-lhe quanto Deus o amava. Ele necessitava de um profeta imparcial, Natã, com um dedo apontado, clamando: “Tu és o homem.” Os que pregam a doutrina de Cristo mostram ao povo a diferença entre o mal e o bem. De seus lábios não sai nenhuma mistura. A meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano e o farão discernir entre o imundo e o limpo. Ezequiel 44:23.

Hoje as falsas doutrinas não levam o povo a desviar-se da maldade. Os “pregadores” falam de sonhos e agem de modo louco no púlpito. São gracejadores. O maior engodo da igreja moderna é a questão de usar a Palavra de Deus para colocar um distintivo de aprovação à cobiça. Essa é a doutrina de Jezabel: Você pode tudo. Você tem direitos. Que nada o detenha de obter o que deseja. Alegre-se. Seja feliz. Regozije-se. Eu a conseguirei para você. Não fique triste nem se sinta condenado por esses desejos que o consomem. Eu a conseguirei para você. Durante séculos a igreja pregou o sacrifício e denunciou a cobiça, dizendo que é pecado andar atrás de coisas materiais. Mas paralelamente veio a doutrina de Jezabel, dizendo “eu o conseguirei para você”. Como os métodos enganosos que Jezabel usava, essas doutrinas distorcem e fazem uso errado da Bíblia. Irmãos, graças a Deus, porque por sua graça Ele nos levou a morrer em Seu corpo lá na cruz e nos libertou dessa sedução por novidades, mas nos deu a própria Novidade que é Cristo Jesus o nosso Senhor. Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. Romanos 6:4. Amém. 
 
Fonte  Web Servos

Ex-Budista Revela Como Conseguiu Libertar-se

Cuidado com tantos ventos de falsas doutrinas as quais você se envolveu. Você diz ser budista, porque nestas religiões as pessoas vivem ao seu próprio gosto e pelos prazeres perigosos da carne (como este que você vive agora). Mas lembre-se na hora do seu desespero ou de uma terrível provação eu quero ver você gritando: Buda, meu Buda me socorre e Buda jamais te socorrerá ou te tirará do fosso, da poça de lama.Sabe por quê querido irmão, ele morreu e seus restos mortais estão lá na sepultura, um ser impotente como qualquer outro, era um pecador como qualquer outro (Se ele foi salvo só pelas obras boas que praticou, tenho muitas dúvidas.São mortos seguindo outros mortos. Mas Jesus Cristo faz a diferença em tudo na humanidade.Ele é único.Foi o único a ser crucificado por nós sem pecado algum.Você só está nesta vidinha hipócrita, mentirosa, medíocre, fracassada, porque não permitiu ser lavado pela Palavra de Deus.

Veja no dicionário ou estude ciências, biologia para ver qual o real significado e utilidade que tem: O Ânus, A Vagina, O Pênis. Qualquer pessoa leiga na Bíblia racionalmente sabe que os nossos órgãos ou genitálias jamais têm o fim a que um homossexual ou lésbica se destinam quando se acasalam. O que você tem contra as mulheres irmão para querer ou pensar que é feliz com um macho? Você precisa reconhecer urgente as suas fraquezas, seu desvio de caráter e da personalidade e se colocar na presença de Deus como um miserável, pobre pecador e que sem Deus nada podeis fazer. Eu nunca vi pessoas na hora do desespero ou perto de morrer chamando: Meu Buda, Meu Satanás, Meu Diabo, nem meu pai, minha mãe ou meu irmão,meu macho, minha mulher, mas somente chamam: Meu Deus, Meu Deus.

Eleve os seus olhos para Deus irmão, porque a sua alegria, a sua felicidade e a sua realização, e os seus sonhos serão realizados somente através d'Ele e por Ele. Os seus amigos não te socorrerão, a sua religião budista para nada valerá, a não ser te mandar para o inferno.Você precisa muito do temor(não é medo) de Deus no seu coração, temor é Reverência, submissão, obediência.Não resista à Palavra de Deus, nem contendas com Ele.Ele é o oleiro e você o barro e como barro, você não deve questionar a Deus e a sua Palavra.Leia o Livro de Jó e veja o exemplo de um grande homem que temia e obedecia a Deus e um dia esteve face a face com Ele e Deus o desafiou com várias perguntas e Jó sequer conseguiu responder nenhuma delas.O Nosso Deus é tremendo irmão.Experimente o Poder d'Ele em sua vida.Vale a pena ser de Jesus Cristo!Vale a pena ser servo de Jesus Cristo. Esta que vos fala um dia seguiu Buda e suas mentiras, se envolveu com muitas misturebas orientais(Porcarias).Mas no dia em que fui provada(Terrivelmente)ninguém ficou perto de mim, todos que compartilhavam as mesmas besteiras desapareceram, sequer procuraram visitar-me ou ligar para mim, a coisa ficou preta (como se o céu escurecesse para mim e eu não via mais luz) e depois de ficar sobre um leito de enfermidade por uns três anos, a morte me visitando constantemente e minha mente perturbada (com tantas seitas diabólicas, enganadoras)sendo infiltradas na minha mente , sabe quem foi que me tirou do mais profundo abismo? Foi Jesus, através de uma grande mulher que me apresentou Este Grande Homem perfeito, sem pecados, sem mancha alguma, inerrante, que Salva, cura, liberta e expulsa os demônios e é no mesmo poder que recebi de Jesus Cristo que te digo: Saia do budismo já, saia do homossexualismo já.Abandone hoje mesmo tais práticas.Jesus está voltando e ai daquele que ainda não tiver convertido verdadeiramente a Ele.

Com Deus não se brinca. Deus não é Deus de palavras. Ele sempre cumpriu e cumprirá tudo o que está ali nas Sagradas Escrituras. Busque a Cristo enquanto Ele está por perto. Jesus está agora às portas do seu coração e bate. Se abrires, Ele vai entrar e cear contigo. E você verá as maravilhas de Deus em sua vida.Creia.Apenas creia.Não questione.Não Resista ao chamado de Deus para você! Jesus está te chamando. Ir.Elizabeth - Em Defesa de Jesus Cristo.

Libertando-se do Homossexualismo








I) INTRODUÇÃO
II) ARGUMENTOS A FAVOR DO HOMOSSEXUALISMO
III) CAUSAS, DESENVOLVIMENTO E CONSEQÜÊNCIAS DO HOMOSSEXUALISMO
IV) O QUE A BÍBLIA DIZ
V) PASSOS PARA A CURA
VI) A MÍDIA (PRÓ E CONTRA)
VII) ALGUMAS PERGUNTAS
VIII) A IGREJA E OS HOMOSSEXUAIS


I - INTRODUÇÃO

Devido ao crescente interesse da sociedade pelo homossexualismo e à contínua imposição desse comportamento pela mídia televisiva, impressa e radiofônica, além de toda literatura que ocupa as principais prateleiras das livrarias e bancas de jornais, decidimos realizar este trabalho.

Este trabalho tem por objetivo esclarecer algumas das principais dúvidas sobre o tema e desfazer alguns mitos propositadamente criados pelos militantes do movimento gay. Nosso desejo é que cada pessoa que tiver acesso a este material possa examiná-lo de mente aberta e compreender que o homossexualismo jamais dará a última palavra na vida daqueles que buscam em Deus a porta de saída. Se isso acontecer, já nos sentiremos recompensados. Boa leitura!


II - ARGUMENTOS A FAVOR DO HOMOSSEXUALISMO

Muitos argumentos a favor do homossexualismo têm sido levantados para justificar e/ou explicar porque alguém sente atração por pessoas do mesmo sexo. Dentre os mais comuns destacam-se os seguintes:

1. "Homossexualismo é genético"

As pessoas que utilizam este argumento afirmam que há "causas biológicas" para o homossexualismo. Segundo esse argumento, os homossexuais (tanto homens como mulheres) já nascem assim. Quem defende esta idéia procura sempre transmitir uma aparência de verdade cientificamente comprovada e inquestionável. Estudos para provar que o homossexualismo é genético já foram feitos, mas sem qualquer êxito. Muitos cientistas - alguns dos quais homossexuais e simpatizantes - têm-se esforçado em achar qualquer prova, mas tudo o que conseguiram foi fortalecer o fato de que o homossexualismo não é genético.

2. "Homossexualismo não é doença"

Se há uma coisa que causa verdadeira cólera entre os defensores da militância gay é dizer que o homossexualismo é doença. Não é necessário nem utilizar a palavra doença. Basta dizer que não é normal ou que tem cura, para que eles logo se manifestem.

O que a maioria das pessoas não sabe é que até 1973 a Organização Mundial de Saúde (OMS), entidade ligada à ONU, afirmava que homossexualismo era distúrbio psicológico. Essa declaração só foi removida depois de muitas pressões dos movimentos de militância gay e dos homossexuais infiltrados nas altas rodas do poder. Não houve nenhuma razão científica para essa modificação. No Brasil, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) baixou uma resolução em 23 de março/99 proibindo os psicólogos de dizerem para os homossexuais que eles podem ser ajudados a mudar sua orientação sexual

3. "A Psicologia admite o homossexualismo como natural"

Existem alguns psicólogos que incentivam a prática homossexual. Isso não deve causar admiração alguma, pois alguns homossexuais e simpatizantes da causa gay buscam os cursos de psicologia visando equilibrar sua própria vida emocional e acabam tornando-se os principais incentivadores destas práticas junto àqueles que os procuram na esperança de mudar.

Contudo, a psicologia encara o homossexualismo como comportamento adquirido e para isso fornece diversas razões. Alguns psicólogos procuram levar seu paciente à mudança de comportamento. Isso nem sempre é possível utilizando apenas os conhecimentos da psicologia, mas há diversos casos de sucesso registrados.O próprio Sigmund Freud, o pai da psicanálise, encarava o homossexualismo como perversão.

4. "Eu nunca consegui prazer com pessoas do sexo oposto"

Isso não é difícil de entender. É a mente que responde prazerosamente ou não aos estímulos físicos através da visão, audição, tato etc. Se uma pessoa começa a se relacionar com outra do mesmo sexo e alcança prazer, ela será auto-estimulada a repetir o ato em busca de mais prazer. Cada vez que essa pessoa praticar o homossexualismo e alcançar prazer, estará reforçando o hábito, até chegar ao ponto de não se interessar mais pelo sexo oposto, pois sua mente já foi condicionada pelo prazer homossexual. Entretanto, do mesmo modo que o comportamento homossexual foi adquirido, poderá ser revertido.

5. "E o hermafrodita?"

Quem chega levantar esse tipo de argumento já provou que não entende nada de homossexualismo, menos ainda de hermafroditismo.

Hermafrodita é a pessoa que nasce com duas genitálias, ou seja pênis e vagina. Essa anomalia se dá na formação do feto, mais especificamente na hora de definir o sexo do bebê.

Mas, preste muita atenção: apesar de o bebê nascer com, aparentemente, dois órgãos sexuais, ele só manifestará uma prevalência sexual (no hermafrodita uma genitália é falsa e outra é verdadeira) . E será justamente essa prevalência, somada aos exames médicos sobre sua constituição orgânica que definirão qual dos dois sexos deverá ser operado e inutilizado.

Na maioria das vezes só o órgão correspondente à sua verdadeira sexualidade nasce no tamanho normal. O outro é atrofiado. Muitas vezes, definida a sexualidade daquela pessoa, ela exercerá apenas o seu papel sexual de homem ou de mulher - nunca os dois.

Como esses casos são raríssimos e não justificam o homossexualismo nem mesmo na vida dos portadores dessa anomalia, é tolice querer justificar o comportamento gay/lésbico de milhares de pessoas fisicamente saudáveis utilizando tal argumento.


III - CAUSAS, DESENVOLVIMENTO E CONSEQÜÊNCIAS DO HOMOSSEXUALISMO

1. Causas

São diversas as causas do homossexualismo, porém sempre ligadas à vida emocional e espiritual. Há pessoas que foram iniciadas no homossexualismo quando eram crianças - na maioria das vezes por um adulto da família ou vizinhança. Outras pessoas foram vítimas de abuso sexual. Outros, ainda, cresceram em famílias desequilibradas, onde os papéis do pai ou da mãe estavam trocados ou indefinidos. Muitos gays e lésbicas trazem em seu histórico uma mãe dominadora e/ou um pai apagado. Quando o homossexualismo não é fruto de aliciamento ou violência sexual, sua causa mais comum é o desequilíbrio da família.

Não poderíamos deixar de citar as causas espirituais do homossexualismo. São inúmeros os casos de homens e mulheres que nunca sentiram qualquer atração por pessoa do seu próprio sexo, mas que depois de certos rituais religiosos começaram a manifestar tendências homossexuais e passaram a praticar o homossexualismo. Estes relatos vêm especialmente de pessoas envolvidas com umbanda, candomblé, espiritismo e religiões afins.

2. Desenvolvimento

Cada pessoa desenvolve a homossexualidade de uma forma. Umas começam a utilizar roupas e acessórios do sexo oposto, ou seja, meninos que gostam de vestir roupas da mãe ou irmãs, passar batom, brincar só com bonecas etc. Meninas que só vivem brincando com meninos, têm todo jeito de menino e gostam de usar as coisas do pai.

Todavia, não podemos ser ingênuos ao ponto de pensar que todo mundo que se torna gay ou lésbica começa assim. Pelo contrário, há meninos muito masculinos e meninas muito femininas que podem vir a assumir a homossexualidade mais tarde. E outros que, mesmo tendo as atitudes que acabamos de descrever, não se tornarão homossexuais. Mesmo assim, os pais têm que estar atentos, mas sem pânico.

Existem pessoas que sentem tremenda atração gay ou lésbica, mas não admitem. Por isso tornam-se os inimigos nº1 dos homossexuais quando estão em público. Fazem piadas depreciativas, xingam, batem etc. Mas no fundo gostariam de praticar o homossexualismo, apesar de não perceberem isso conscientemente.

Outros lutam em silêncio, mas uma vez exaustos, assumem publicamente a homossexualidade. O mesmo acontece com os que não se declaram homossexuais, mas levam uma vida ativa em boates, saunas, bares, "points" em geral.

A maioria das pessoas heterossexuais (não gays ou lésbicas) pensa que todo homossexual tem o estereótipo popularmente conhecido como "bichinha" e toda lésbica é "sapatão" (machona). Isso é outro mito. É verdade que esse estereótipo existe, mas não se aplica a todos. Muitos homossexuais poderiam ser considerados "machões" à primeira vista e muitas lésbicas verdadeiras "musas".b As aparências enganam, e muito!

Outro mito popular é que o passivo é mais gay que o ativo, ou seja, quem faz papel de "mulher" na relação sexual é mais homossexual que o que faz papel de "homem". É importante lembrar que HOMOSSEXUAL significa "pessoa que sente atração por outra do mesmo sexo", independente do papel que ela desempenha na cama. Além disso, a maioria dos homossexuais apesar de ter sua preferência, não é exclusivamente ativo ou passivo em todos os seus relacionamentos. A maioria, senão todos, já desempenha ou ainda vai desempenhar ambos os papéis. Isso vale para gays e lésbicas.

Há casos absurdos de vício homossexual. Só para exemplificar, gostaríamos de citar o seguinte:

Um caso comovente foi o que nos contou o pastor Antônio Carlos da Igreja Presbiteriana da Barra, RJ. Ele nos disse que certa vez estava evangelizando um rapaz que tentou convidá-lo para "sair" quando ele fazia caminhada numa praia do Rio. Foi quando ouviu do rapaz a seguinte confissão: "Sabe, apesar de ter tentado te conquistar, eu estou desesperado, porque quero sair do homossexualismo e não consigo. Quando transei com um homem pela última vez, quase vomitei. Mas não consigo evitar a compulsão."

Graças a Deus e à compaixão que o pastor Antonio Carlos sente em seu coração pelos homossexuais, o jovem foi evangelizado e entregou sua vida a Jesus Cristo, encontrando-o alguns dias depois e contando o que Deus estava realizando em sua vida.

Há muitos outros casos que demonstram a angústia daqueles que desenvolveram hábitos homossexuais ao longo de suas vidas (Palavras dadas ao MOSES) .

3.Consequências.

As primeiras conseqüências do comportamento gay/lésbico são o agravamento dos sentimentos de culpa, solidão e depressão. Apesar do prazer momentâneo de relação sexual, o homossexual não consegue evitar as angústias causadas por seu comportamento.Por causa disso, muitos homossexuais se entregam a inúmeras aventuras, trocando de parceiros constantemente e correndo o risco de contrair doenças venéreas e AIDS.

Além disso, correm risco de vida por saírem, na maioria das vezes, com pessoas que não conhecem. As estatísticas brasileiras são claras: "A cada três dias morre um homossexual violentamente."

Mas, as conseqüências podem ser tão variadas quanto os tipos de pessoas que praticam o homossexualismo. Por isso, há muitos que se entregam às drogas e ao álcool. Aliás, álcool, drogas e homossexualismo são como o famigerado Triângulo das Bermudas: muitos que entram em seu território, nunca mais retornam.

Além das conseqüências de ordem pessoal existem outras. A família sofre um golpe terrível ao descobrir que um dos seus membros é gay ou lésbica. A sociedade sofre porque o homossexualismo propicia práticas nada saudáveis como a pornografia, as drogas, o alcoolismo, a promiscuidade, a confusão mental (principalmente para as crianças), a prostituição etc. Quem paga a conta é sempre o contribuinte que acaba tendo seu imposto aplicado nas internações hospitalares, programa de recuperação química, encarceramento e outras iniciativas do governo que visam restaurar o que o submundo homossexual destruiu.

A própria AIDS que não é (diga-se de passagem) doença de homossexuais, apareceu primeiramente entre eles e depois espalhou-se por toda a sociedade por causa das trocas indiscriminadas de parceiros. A coisa acontece mais ou menos assim:

Um homossexual que tem AIDS transa com outro homossexual enrustido ou bissexual. Esse contrai a doença e depois transa com a esposa ou namorada. Um dia ele conhece outro homem e se relaciona com ele. Sem saber, transmite-lhe o vírus. Esse homem acaba transando com outras pessoas, e o ciclo continua.

Não poderia haver, do ponto-de-vista social, uma conseqüência mais desastrosa do que essa para a promiscuidade em que se encontra a nossa sociedade. Enquanto a mídia dá o seu colorido a essas práticas, muitas famílias entram no luto por causa da perda de seus queridos.


IV- O QUE A BÍBLIA DIZ

Antes de procurarmos saber o que diz a Bíblia sobre o homossexualismo, seria bom sabermos o que a Bíblia diz de si mesma e por que ela é tão relevante nessa discussão.

Em primeiro lugar a Palavra de Deus diz que "toda Escritura é divinamente inspirada por Deus e apta para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça..." ( 2Tm 3.l6). Jesus mesmo deu testemunho da singularidade das Escrituras Sagradas, utilizando-as para vencer as tentações no deserto e correlacionando seus ensinos, milagres e missão redentora ao que a lei, os profetas e os salmos disseram.

A Bíblia é a última palavra em matéria de fé e conduta. É interessante como todas as ciências tomam emprestado da Bíblia, mas a Bíblia não toma emprestado de ninguém. Ela é tão suprema e imutável quanto Aquele que a inspirou. Não se conforma aos nossos pontos-de-vista, mas exige que nós nos conformemos a ela. Por isso, jamais poderia ser ignorada ao tratarmos de um tema tão relevante como o homossexualismo.

Agora que já entendemos que papel a Palavra de Deus deve desempenhar em nossa vida, vejamos o que ela tem a dizer sobre o tema em questão enumerando seus ensinos para facilitar:

1. "Não tendes lido que o Criador desde o princípio os fez homem e mulher...?"

A indagação é do próprio Jesus em Mateus 19.4 e deixa claro que o homossexualismo contraria a intenção original do Criador, que nunca muda.

2. "Com homem não te deitarás, como se fosse mulher: é abominação"

A declaração é de Deus, dada a Moisés em Levítico 18.22 e deixa claro que Deus não admite a relação homossexual sob hipótese nenhuma.

3. "Ao anoitecer vieram dois anjos a Sodoma, em cuja entrada estava Ló assentado; este, quando os viu, levantou-se e, indo ao seu encontro, prostrou-se, rosto em terra... instou-lhes muito, e foram e entraram em casa dele... Mas, antes que se deitassem, os homens daquela cidade cercaram a casa, os homens de Sodoma, assim os moços como os velhos, sim, todo o povo de todos os lados; e chamaram por Ló, e lhe disseram; onde estão os homens que à noitinha, entraram em tua casa? Traze-os fora a nós para que abusemos deles... Porém os homens, estendendo a mão, fizeram entrar Ló, e fecharam a porta; e feriram de cegueira aos que estavam fora, desde o menor até ao maior, de modo que se cansaram à procura da porta... Então fez o Senhor chover enxofre e fogo, da parte do Senhor, sobre Sodoma e Gomorra. E subverteu aquelas cidades e toda a campina, e todos os moradores das cidades, e o que nascia na terra." ( Gn l9 ).

Este texto dispensa comentários, mas está completamente de acordo com o próximo texto, sendo que o primeiro está no Velho Testamento e o segundo no Novo Testamento, provando que Deus não mudou como querem alguns, e que a Bíblia é una e sem contradições.

4. "Por causa disso os entregou Deus às paixões infames; porque até as suas mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas, por outro contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo em si mesmos a merecida punição do seu erro" ( Rm 1.26 e 27 ).

Diante de tudo isso, como pode alguém dizer que a Bíblia não fala sobre homossexualismo ou que aprova o comportamento gay? Todas essas passagens são apenas uma pequena parcela de tudo quanto a Bíblia tem a dizer contra esse tipo de comportamento.

A Bíblia não apenas condena o homossexualismo. Ela também oferece esperança real ao homossexual. O pecado não é mais velho do que a graça de Deus. Pelo contrário, a graça de Deus é inseparável do próprio Deus. É por isso que na igreja do primeiro século já havia homossexuais transformados pelo poder do evangelho.

Observe o que disse o apóstolo Paulo à igreja que estava na cidade de Corinto, na Grécia, país em que o homossexualismo e a pedofilia eram considerados normais:

"Ou não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus ? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas... Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus."(1 Co 6.9-11 ).

É maravilhoso saber que há perdão e cura para o homossexual. O mesmo Deus que projetou e executou a criação do homem e da mulher é plenamente capaz de consertar o que o pecado danificou. O homossexualismo não precisa ser a última palavra na vida de ninguém. Deixe que Jesus dê a última palavra: "Se vós permanecerdes na minha Palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará"(Jo 8.3l e 32).


V- PASSOS PARA A CURA

Alguns tipos de estilo homossexual são: os assumidos, os enrustidos e os iludidos.

Os assumidos são os que decidiram reconhecer sua própria homossexualidade e tornaram-na pública. Não tem constrangimento em agir como gays ou lésbicas abertamente.

Os enrustidos são os que, mesmo reconhecendo-se homossexuais, não agem como tais quando em público. Praticam o homossexualismo, mas disfarçam sua condição.

Os iludidos são aqueles que praticam o homossexualismo, mas "juraram" para si mesmos que não são e jamais serão homossexuais.

Isso acontece principalmente com os gays ativos (que fazem papel de homens na relação) e lésbicas passivas ( que desempenham papel de mulher). Apesar de se esforçarem para não assumir sua homossexualidade, essas pessoas são homossexuais com todas as letras. Simplesmente não aceitam seu próprio comportamento, mas também não o deixam.

Relacionamos, abaixo, alguns passos que qualquer um precisará levar em consideração para alcançar a libertação completa das práticas homossexuais:

1º- Passo: reconheça que você tem sido realmente homossexual, mesmo não desejando mais isso;

2º- Passo: reconheça que você não nasceu gay ou lésbica, mas adquiriu esse comportamento por influências externas e carências internas e que, por isso, pode mudar;

3º- Passo: reconheça que ao praticar o homossexualismo, bem como outros maus comportamentos, você pecou contra Deus e precisa de Seu perdão. Arrependa-se e busque sinceramente a face de Deus;

4º- Passo: nunca duvide do amor e da graça de Deus, os quais foram plenamente colocados ao seu alcance pelo sacrifício de Jesus Cristo na Cruz do Calvário;

5º- Passo: entregue-se totalmente a Cristo e rompa com todo tipo de compromissos com o estilo de vida homossexual - inclusive amizades que podem te enfraquecer -, objetos, espíritos, ídolos etc.;

6º- Passo: participe de uma igreja evangélica que prega a palavra de Deus em sua totalidade, onde Jesus Cristo seja adorado exclusivamente. A convivência com cristãos comprometidos com Deus e nos quais você possa confiar é fundamental;

7º- Passo: procure um pastor que entenda do assunto para marcar um horário para aconselhamentos. Esses encontros poderão ministrar cura emocional e renovação espiritual. Um psicólogo cristão pode ser de grande valia, mas escolha seu psicólogo tão criteriosamente quanto escolhe o seu pastor;

Cada um desses passos jamais poderá substituir sua comunhão diária com Deus. Isso significa que sua vitória tem que passar pela oração e leitura bíblica diárias. Sem esse contato diário com Deus, você não se alimentará espiritualmente e obviamente enfraquecerá. Tudo isso pode parecer simples demais, mas da mesma forma que é relativamente simples o desenvolvimento da homossexualidade, a libertação também o é, mesmo que cause alguma tensão inicialmente.


VI- A MÍDIA (PRÓ E CONTRA)

Ninguém pode negar que a questão gay esteja mais presente na mídia atual do que em toda sua história. Os jornais, a TV, as revistas e tantos outros meios de comunicação têm dado ampla cobertura a todo e qualquer pronunciamento dos movimentos de emancipação homossexual, bem como eventos, points, manifestações etc.

Isso é tanto um reflexo do que está acontecendo na sociedade como um terrível incentivo à homossexualização da mesma. Muitas pessoas, por causa da curiosidade ou mesmo porque o homossexualismo está em "moda", estão experimentando o comportamento gay/lésbico e ficando presas na sua teia.

Tendo isso em mente, cuidado com o que você lê. Alimente-se com boa literatura. Se necessário fôr, escreva às editoras manifestando-se contra essa onda de notícias pró-homossexualismo. Se não houver resposta positiva, boicote seus produtos. A maioria dessas editoras só entendem a linguagem do IBOPE.


VII - ALGUMAS PERGUNTAS

1. Só é homossexual quem faz o papel passivo (o de mulher) e nunca quem faz o papel ativo (o de homem) numa relação?

Não. Uma pessoa (homem ou mulher) que transa com outra do mesmo sexo, independente do papel que pratique no momento, é considerada biblicamente homossexual. Aliás, ser ativo ou passivo pode ser só uma questão de tempo.

2. Os ex-homossexuais que ainda carregam trejeitos são menos libertos do que os ex-homossexuais que não carregam nada em sua aparência que lembre o passado?

Não. A limpeza do coração quase nada tem a ver com aparência. Um rapaz crente pode ter ainda alguns trejeitos femininos e, no entanto, já ter sido totalmente liberto das práticas, pensamentos e sentimentos homossexuais. A mesma coisa pode acontecer com uma moça que tenha sido lésbica. Por outro lado, a experiência mostra que há rapazes e moças nas igrejas que foram homossexuais, não carregam nenhum trejeito, mas podem estar ainda envolvidos com sentimentos e práticas homossexuais.

É melhor que quem viveu o homossexualismo busque cura também para sua aparência. Mas que isso não se constitua no "argumento" para julgamentos infundados, pois "O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração". (1 Sm 16.7)

3. Alguém que foi homossexual pode, depois de convertido, ainda sentir circunstancialmente atração por pessoas do mesmo sexo?

Sim. Mas a comunhão diária com Deus, a oração, a meditação bíblica e a convivência com irmãos sinceros e piedosos na igreja vai, dia-a-dia, curando os sentimentos desvirtuados pelo pecado. Aquilo que não começou da noite para o dia, em geral, também não acaba da noite para o dia. O interessante é que o processo usado por Deus para a cura, além de restaurar a sexualidade, cura também nossa personalidade, caráter, convivência familiar e social.

4. Namoro ou casamento é prova de que o homossexual está liberto?

Pode ser, quando o ex-homossexual (ou a ex-lésbica) passou pelo processo de libertação e cura. Isso acontece quando o coração é limpo pela graça e a imagem e semelhança de Deus reaparece em sua vida. Nesse caso, o namoro e o casamento são a coroação da vitória dos que viveram o homossexualismo.

Mas, por outro lado, namoro ou casamento pode ser uma tentativa de fuga do próprio homossexual quando não assume o problema para ser ajudado. Pode ser também um arma falsa com a qual responde às pressões da família, da sociedade e da igreja (que constantemente pressiona o ex-homossexual para o matrimônio julgando, com isso, ajudá-lo no ajuste de sua sexualidade).


VIII- A IGREJA E OS HOMOSSEXUAIS

O preconceito de muitos crentes, infelizmente, leva-os a uma postura de completa ignorância a respeito do homossexualismo e de como lidar com os homossexuais que se convertem a Cristo. Por isso, muitos homossexuais sofrem calados depois de sua decisão por Cristo. Apesar de precisarem muito de apoio, acabam se fechando por falta de amor cristão firme e compassivo. Esses dois traços do amor têm que estar presentes, tanto a firmeza quanto a compaixão.

Mas, graças a Deus, várias igrejas já aprenderam a lidar com esses novos crentes e têm sido verdadeiras agentes de cura e libertação. Pastores esclarecidos e fiéis à Palavra de Deus têm ajudado muito essas pessoas. Alguns têm até fundado centros de recuperação especializados na libertação de gays e lésbicas. Outros têm se especializado em aconselhamento e em toda parte estão surgindo iniciativas de cristãos interessados em ajudar homossexuais a terem uma vida normal. A igreja, na pessoa de seu pastor e de seus membros, exerce papel fundamental na transformação de homossexuais. Não há sobre a terra outro segmento que possa oferecer mudança tão real e permanente para os homossexuais como a Igreja.

E isso porque o seu poder não vem de si mesma, mas daquele que a instituiu. Jesus mesmo disse sobre a Igreja: "... e as portas do inferno não prevalecerão contra ela."(Mt. 16:18).

A Igreja não pode tolerar o homossexualismo em suas fileiras, mas é seu dever receber todo e qualquer homossexual com amor. Precisa orar e trabalhar pela evangelização e libertação desse segmento cada vez mais evidente em nossa sociedade.

Pastores e Igrejas que criam obstáculos à libertação dessas pessoas darão contas a Deus na mesma proporção que pastores e Igrejas que aceitam liberalmente a prática do homossexualismo.

Nenhum homossexual ao converter-se pode ficar fora do convívio da igreja, mas deve submeter-se à orientação pastoral para seu próprio bem-estar espiritual, emocional e social.

É muito comum o homossexual que se converte enfrentar crises em dados momentos. A igreja deve estar preparada para lidar com os altos e baixos durante o processo de libertação. Nunca deve exigir nem insinuar a necessidade de qualquer namoro/casamento heterossexual. A própria pessoa deverá decidir quando e com quem namorar e casar. Casamento não cura homossexualismo. Deve ser conseqüência da cura e tem que ser decidido por livre e espontânea vontade. O ex-homossexual pode, inclusive, optar por ficar solteiro sem que isso represente dúvida em sua nova vida.

O ex-homossexual não deve se fazer de coitadinho (autocomiseração) esperando a atenção dos outros. Deve, pelo contrário, ser autêntico e lutar por sua própria libertação, enquanto também faz novas e saudáveis amizades dentro da igreja.


FONTE  Jesus Site

SEJA MEU AMIGO NO FACEBOOK - http://www.facebook.com/profile.php?id=100001403620799

http://www.facebook.com/profile.php?id=100001403620799

Notícias » Brasil » Brasil Sobrinho do pugilista e deputado Popó morre em assalto em SE

O sobrinho do pugilista e deputado federal Acelino Popó Freitas foi assassinado na noite desta segunda-feira. Paulo Roberto Coelho Júnior, 20 anos, foi morto em uma tentativa de assalto em Itabaianinha, em Sergipe.
O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Aracaju, onde a família aguarda a liberação para providenciar o translado do corpo para Salvador, onde será realizado o sepultamento. Ainda abalado com a perda do filho, o pai Paulo Roberto Coelho, que é irmão do pugilista baiano, garantiu que o filho era uma pessoa calma e veio para Sergipe para se divertir com a família da namorada.
"Meu filho era uma pessoa tranquila, não se envolveu em briga, em nenhuma confusão. Foi assalto. Tentaram levar a corrente dele. Como ele não entregou, atiraram tirando-lhe a vida", disse o pai da vítima.

TERRA.

Mulher Virtuosa ou mulher virtual?

Mulher Virtuosa ou mulher virtual? Mulher Virtuosa ou mulher virtual? Virtuosa – Algo com virtude, que produz efeito, eficaz, disposição firme para o bem; excelência moral, eficácia. Virtual – Algo sem efeito, fora da realidade, aparentemente real, mas na verdade suscetível a realizar-se.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Num mundo supérfluo como o que vivemos hoje, no que se refere a Deus, onde os padrões morais do Senhor foram descartados da sociedade completamente, e a visão e os valores da família tem se tornados distorcidos, este estudo tem como objetivo mostrar o papel da mulher e como é importante para o mundo de hoje.
E qual é a vontade de Deus para a mulher atual, e qual tem sido a tendência das mulheres hoje? Infelizmente as mulheres hoje tendem a ser mais virtuais do que virtuosas. Através da palavra de Deus podemos ver que existem vários exemplos e paralelos para podermos identificar os dois tipos. Não esquecendo que \”mulher\” também é profeticamente escrita como \”igreja\”, e este artigo descrevem também o papel da igreja em nossos dias. Mulher Virtual É aquela que não cumpre o papel diante de Deus e aos homens.
Embora essa mulher queira ser virtuosa, ela não consegue por suas atitudes. Ela se mostra forte, mas na verdade é insegura. A insubmissão é a principal característica dessa mulher. A mulher virtual não obedece a Deus, conseqüentemente, não se sujeita a qualquer homem. Ex: A mulher de Ló (Gn 19:26). Aliás a insubmissão é algo que preocupa o Senhor, tanto para as solteiras (I Cor 7:32-34), quanto para as casadas (I Pe 3:1-6; Ef 5:22;24) e isso vem desde a criação do mundo (Gn 2). Não foi a toa que a palavra de Deus ressalta duas vezes a questão de submissão em Efésios 5:22;24. E hoje em dia, através de uma má definição do que realmente é a palavra \”submissão\”, isso tem soado como \”escravidão\” ao homem na sociedade. E como a sociedade costuma ser extremista em seus conceitos, o papel da mulher passou do que antes não era de forma alguma valorizado a ser super valorizado.
A sociedade que antes era machista veio se tornando gradativamente feminista nos dias de hoje. Como não houve equilíbrio nos papéis de ambos, o que vemos hoje são mulheres independentes, mas virtuais, e homens dependentes e cada vez mais sem atitude. Somando a isso uma falta de valores de Deus de ambos, vemos o resultado nos filhos de hoje, que a cada dia tornam-se desorientados e perdidos. Bom, mas isso é outro assunto. A questão de submissão tem soado como \”depender\” do marido para todos os momentos.
Na verdade, submissão significa submeter-se a vontade de alguém (no caso, Deus) e ter cuidado das coisas de Deus (para solteira) e do seu marido (para as casadas), agradando a Ele e evitando preocupações (I Cor 7:32;34). Outra característica da mulher virtual é ser rixosa e irada (Pv 21:19). Ela tem prazer em discutir, achando que isso possa persuadir alguém e mostrar seu poder, tanto em relação ao seu marido, bem como, filhos e amigos.(Pv 19:13b) Na verdade, mostra através disso que também é insensata, pois com sua língua lança flechas sobre sua própria casa, e com as suas mãos a derruba. (Pv 14:1b) Um exemplo de insensatez, está a mulher de Jó que disse: \”Amaldiçoa a Deus e morre\”. (Jó 2:9) E Isto porque no coração dela não existia Deus, e segundo os seus olhos isto lhe parecia reto diante a situação que Jó atravessava. (Sl 14:1;Pv 12:15) Este tipo de mulher não tem noção no que diz, ela acaba sendo perversa, insensata e louca (Ec 7:25), pois se dizendo apaixonada, ela o nega com suas atitudes.
Na verdade ela é néscia (Pv 9:13) e inquieta, cujos pés não param em casa (Pv 7:11). A mulher virtual é néscia, é conhecida por sua necedade, por amar viver assim (Pv 1:22), pois rejeita o conselho de Deus, como qualquer néscio. (Pv 1:25;30) Ela por sua imprudência , acaba não sendo ouvida, nem conhecida por seu marido (Pv 1:28-29; Mt 25:12), bem diferente da mulher virtuosa. Mulher virtuosa A mulher virtuosa é aquela que cumpre bem o seu papel, tendo valor inestimável para seu marido.(Pv 31:10) Ela é forte e digna. Ela é trabalhadora e sabia, não come o pão da preguiça (Pv 31:27), fala com sabedoria (Pv 31:26), não fica por ai fazendo fofoca, usando sua ociosidade falando o que não deve, como algumas mulheres virtuais (I Tm 5:13). Sendo sábia ela edifica sua casa. (Pv 14:1) A mulher virtuosa é misericordiosa (Pv 31:20), abre mão ao aflito e estende mão ao necessitado, como exemplo podemos citar Dorcas, notável em boas obras e boas ações que fazia. (At 9-36-42) Ela teme ao Senhor e será louvada (Pv 31:30b); Ela é conhecida pelos outros (Pv 31:31). Ela é a coroa do seu marido (Pv 12:4; I Cor 11:7). Como podemos citar Abigail, dona de casa que evitou a morte de seu marido e que teve admiração de Davi, que no final acabou se tornando sua esposa(I Sm 25:3-35;39).
Abigail se mostrou sensata e prudente, aliás, sensatez e prudência são características da mulher virtuosa. (Tito 2:4-5) As prudentes são aquelas mulheres centradas em Deus, que refletem Sua Glória, que tem luz própria, cuja lâmpada não se apaga de noite(Pv 31:17). São cheias da unção, que não vendem suas lâmpadas e tudo aquilo que recebem de Deus, elas conservam o que receberam, pois sabem que foi com muito custo que adquiriram (Mt 25:8-9). As prudentes não entram na onda das néscias e estão sempre preparadas para a chegada do noivo e percebem quando Ele chega, por isso são fiéis.(Mt 25:10)
Outras características da mulher virtuosa são a honestidade, sobriedade e fidelidade(I Tm 3:11). As virtuosas governam bem a sua casa, não temem o dia de amanhã, nem as circunstâncias (Pv 31:21;25). Os seus filhos e mesmo outras mulheres a reconhecem como ditosa.* (Ct 6:9-10; Pv 31:28-29)
Algumas mulheres virtuosas e suas qualidades
Dorcas – Misericórdia (At 9:36-42)
Lídia – Temor (At 16:14)
Rute – Fidelidade (Rt 1:4;16)
Abigail – Prudencia (I Sm 25:33)
Ana – Persistência (I Sm 1:11-15)
Sara – Fé (Hb 11:11)
Maria e Maria Madalena – Zelo (Mt 27:61;28:1)
Ester – Sabedoria (Et 5:8-12)
Características da mulher virtuosa: trabalhadora, temente a Deus, *submissa (respeita o cônjuge e cuida dele), prudente, encorajadora, misericordiosa, sábia em todos os sentidos (casa, dinheiro). *Submissão não significa apenas viver uma vida abnegada e servil, mas viver como submissa a Deus acima de tudo, sendo uma líder em tudo que faz, uma mulher de caráter provado, esposa e mãe zelosa. Ser virtuosa é o ideal que toda mulher deveria ser e ansiar.


Anderson Cassio de Oliveira

“Eu Renunciei ao Islã” – Confira esse testemunho de fé de uma mulher que deixou o islamismo

“Eu Renunciei ao Islã” – Confira esse testemunho de fé de uma 
mulher que deixou o islamismo
A ativista contra a pena de morte por apedrejamento e defensora da iraniana Sakineh Ashtiani fala da escalada de execuções no Irã e conta por que abandonou a fé em Alá.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Ontem à noite, minha filha pediu que eu desligasse o celular: “Mãe, vamos ver um filme sossegadas. Vamos ficar pelo menos uma noite sem ouvir más notícias”. Eu desliguei o aparelho, e hoje de manhã havia sete mensagens, uma delas com voz de criança. Ela falava baixo, provavelmente porque não podia falar alto: “Por favor, por favor, atenda o telefone, eu preciso de ajuda”
A iraniana Mina Ahadi mora há catorze anos na Alemanha, mas pouquíssimos amigos sabem exatamente onde. Desde que ela criou o Conselho de Ex-Muçulmanos, entidade de apoio a pessoas que abdicaram da fé islâmica, passou a receber ameaças de morte que a obrigam a viver quase reclusa. Renunciar ao Islã é considerado entre muçulmanos uma ofensa grave, punível com pena de morte em países como o Irã, que Mina foi obrigada a deixar depois que os aiatolás tomaram o poder, em 1979. Então uma líder estudantil, ela foi perseguida pela Guarda Revolucionária, teve o marido executado e sua cabeça posta a prêmio. Conseguiu asilo político na Áustria e depois se mudou para a Alemanha, onde hoje chefia os Comitês contra a Execução e o Apedrejamento. Mina Ahadi falou a VEJA em um hotel em Colônia.
A senhora foi uma das pessoas que mais lutaram para que Sakineh Ashtiani – acusada de adultério e, mais tarde, de participação na morte do marido – não fosse executada por apedreja-mento. Como se sentiu ao ouvi-la dizer em entrevista à televisão estatal: “Mina Ahadi, afaste-se de mim, não é da sua conta se eu sou uma pecadora”?

Sei que Sakineh está sob pressão e foi forçada a dizer isso para se salvar. Isso não me incomoda. Também seu filho foi obrigado a declarar diante das câmeras que acredita na culpa da mãe. Mas eu penso que Ahmadinejad (o ditador iraniano Mahmoud Ahmadinejad) vai precisar de outra vítima para demonstrar a sua força. Sakineh já está salva. Por quê? Graças à repercussão que o caso alcançou, o regime não pode mais executá-la – nem pública nem clandestinamente. O governo já está convencido disso. Apenas busca achar um meio de não sair desmoralizado do episódio. Todo esse processo, no fim, foi bom para o Irã. Chamou a atenção do mundo para a barbárie do regime. Antes do caso Sakineh, a preocupação dos países em relação ao Irã se limitava à questão nuclear.
Mas não há sinais de que o governo de Ahmadinejad esteja cedendo a essa pressão mundial. Pelo contrário, medidas recentes apontam para uma “talibanização” do regime, como a reforma curricular destinada a “livrar os estudantes da influência ocidental” e a proibição do uso de determinadas roupas e acessórios.

O Irã neste momento é um país muito instável e seus governantes estão perigosamente próximos dos mulás dos anos 80. Desde as manifestações de 2009 e a morte de Neda (a estudante Neda Agha Soltan, que, ferida por um tiro disparado por um membro da milícia islâmica, teve a agonia registrada em um vídeo que correu o mundo), o governo aumentou a pressão sobre os estudantes, as mulheres e os trabalhadores. Ele sabe que qualquer fagulha pode desencadear um incêndio. A derrubada do regime de Ben Ali (o ditador Zine El Abidine Ben Ali) na Tunísia deve fazer com que as medidas de repressão se intensifiquem ainda mais. As execuções, por exemplo, estão aumentando de maneira assustadora. E vêm sendo conduzidas de uma forma como fazia tempo não se via. Os nomes dos executados voltaram a ser publicados nos jornais oficiais. Na semana passada, eles trouxeram mais dez. Desde janeiro, a média no país tem sido de uma execução a cada oito horas.
Quais são os crimes que mais têm resultado na pena de execução?

As execuções por acusação de envolvimento com drogas têm sido muito frequentes. Há duas semanas, um jovem de 23 anos foi morto por portar 50 gramas de heroína. No início do mês, outro jovem, acusado de esfa-quear um amigo em outubro do ano passado, recebeu cinquenta chibatadas. No dia seguinte, 5 de janeiro, ele foi enforcado em praça pública. Isso se passou em Teerã – não numa vila longínqua, mas na capital do país. A TV estatal mostrou-o caminhando para a execução com as mãos amarradas e o olhar muito assustado. Depois, um repórter entrevistou parentes da vítima e outras pessoas na multidão, perguntando o que haviam achado do que viram. Em todas as entrevistas que foram ao ar, os entrevistados declararam considerar aquela execução positiva e agradeceram ao presidente pela medida.
Execuções públicas são frequentes em Teerã?
Não, fazia muito tempo que isso não ocorria. Trata-se, claramente, de uma nova tática do regime para infundir o terror na população. As prisões estão lotadas. Há, inclusive, crianças e adolescentes aguardando fazer 18 anos para ser executados. Praticamente todos os dias eu recebo chamadas de condenados me pedindo ajuda. Ontem à noite, minha filha pediu que eu desligasse o celular: “Mãe, vamos ver um filme sossegadas. Vamos ficar pelo menos uma noite sem ouvir más notícias”. Eu desliguei o aparelho, e hoje de manhã havia sete mensagens, uma delas com voz de criança. Ela falava baixo, provavelmente porque não podia falar alto: “Por favor, por favor, atenda o telefone, eu preciso de ajuda”.
Que crime essas crianças e adolescentes cometeram?
Alguns são acusados de assassinato, outros de envolvimento com drogas. Mas os julgamentos muitas vezes se baseiam no testemunho de uma única pessoa, ou num comportamento que o estado considera criminoso, como o sexo entre dois homens ou duas mulheres. Estou em contato com a família de dois adolescentes presos porque um deles gravou no seu celular cenas de sexo que teve com o outro e as imagens caíram nas mãos da polícia. Foram condenados à morte por apedrejamento. Como acontece muitas vezes, os familiares não querem ajuda.
Por vergonha?

Para não terem sua reputação comprometida. Eles preferem que os jovens fiquem presos.
Preferem inclusive que sejam apedrejados?

Eles não querem que o caso venha a público. O pai de um desses jovens me disse: “Deixe a nossa família em paz”. Para os homens, principalmente, trata-se de uma desonra muito grande. Agora, estou tentando entrar em contato com as mães desses rapazes.
A senhora pode descrever uma execução por apedrejamento?

Ela acontece em geral ao amanhecer. A pessoa condenada tem as mãos amarradas nas costas e é envolta em uma mortalha branca. Fica totalmente embrulhada nesse pano, o rosto também. Então, é colocada de pé num buraco fundo e coberta de terra até o peito, no caso das mulheres, e até a cintura, no caso dos homens. Dependendo da condenação, é o juiz quem atira a primeira pedra. Mas pode ser também uma das teste-munhas. Se a vítima é uma mulher sentenciada por adultério, por exemplo, tanto o seu marido quanto a família dele podem lançar as primeiras pedras. A lei diz que elas têm de ser grandes o suficiente para machucar a vítima, mas não para matá-la no primeiro ou segundo golpe.
Quanto tempo ela leva?

Pode levar quinze minutos, pode levar mais de uma hora. Um médico fica no local para, de tempos em tempos, verificar se o apedrejado ainda está vivo. Até o fim dos anos 80, o apedrejamento no Irã era um ritual público – assim ordenava a lei. O horário e o local eram anunciados no rádio, nos jornais e na TV. Qualquer um podia comparecer. Mas houve alguns episódios em que as pessoas se manifestaram contra a prática. Num deles, chegaram a atirar pedras contra os mulás presentes. Em 1997, na cidade de Bukan, o apedrejamento de uma mulher acusada de adultério acabou suspenso devido aos protestos e à interferência da multidão. A mulher – seu nome é Zoleykhah Kadkhoda – foi levada ao hospital quase morta, mas sobreviveu e está viva até hoje. Depois disso, as execuções passaram a ser fechadas. Agora, a polícia religiosa é que atira as pedras.
Quantas pessoas estão condenadas ao apedrejamento hoje no Irã?

Mais de 100 pessoas já foram mortas dessa forma pelo estado desde 1979 e outras 27 aguardam na fila.
A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, posicionou-se publicamente contra a prática do apedrejamento, que classificou de barbárie. Qual a expectativa que a senhora tem desse novo governo?
O que eu espero da presidente Dilma é que ela faça o que seu antecessor não fez: que condene a situação dos direitos humanos no Irã e se recuse a manter relações diplomáticas com um regime assassino como o de Ahmadinejad, a quem Lula chamava de “amigo”.
A senhora foi perseguida pelo regime do xá Reza Pahlevi por suas atividades como líder estudantil. Com a Revolução Islâmica, tornou-se alvo dos aiatolás ao liderar um movimento contra o uso obrigatório do véu…

Sim, sim, mas não há comparação. Como líder estudantil em Tabriz, tive problemas durante o regime do xá: não podia ler alguns livros, dizer algumas coisas, tinha de me apresentar de tempos em tempos à polícia, mas era, por assim dizer, um jogo com regras claras. Com Khomeini, no entanto (o aiatolá Ruhollah Khomeini, líder do movimento que, em 1979, derrubou a monarquia iraniana e instalou a teocracia no país), tudo ficou muito mais brutal. Ele criou a Guarda Revolucionária, uma milícia cruel e impiedosa, principalmente para com as mulheres. Tínhamos de escolher entre o véu e as chibatadas. Quando fizemos essa manifestação contra o uso do véu, tudo transcorreu sem incidentes. Mas, no dia seguinte, quando cheguei à faculdade onde estudava medicina, não pude entrar. Havia um soldado da Guarda com uma lista de nomes de alunos que tinham sido expulsos. Eu cursava o último ano da faculdade, já trabalhava no hospital da universidade e não pude me formar.
Foi então que a senhora se exilou na Europa?

Não. Meu marido não foi expulso como eu e continuou seus estudos de física. Eu passei a trabalhar como operária na fábrica da Pepsi e, à noite, escrevia panfletos contra o regime. Tinha uma máquina de datilografar muito velha que fazia um tremendo barulho. Era preciso vedar a porta e a janela do nosso apartamento para poder bater os textos de modo a não chamar a atenção dos vizinhos. Um dia, quando voltava da fábrica para casa, vi um membro da Guarda parado em frente ao meu prédio. Dei meia-volta e não entrei. Eles levaram meu marido e cinco outras pessoas do nosso grupo que estavam hospedadas em casa, três homens e duas mulheres. Tirando as mulheres, que foram libertadas mais tarde, todos foram executados, inclusive meu marido. Eu consegui fugir para Teerã e, de lá, fui para o Curdistão. Depois, como asilada política, morei seis anos em Viena, na Áustria. Estou há catorze anos na Alemanha.
Aqui, na Alemanha, a senhora criou um comitê para muçulmanos que renunciaram à fé islâmica, o que lhe rende ameaças de morte até hoje. O que a motivou a fazer isso?

Acredito que, como eu, muitos imigrantes de países muçulmanos vieram para cá em busca de uma vida melhor, o que inclui mais liberdade. E essas pessoas não precisam estar fadadas a viver em uma sociedade paralela, em que as crianças não podem ter amigos de outro sexo ou frequentar aulas de natação por causa de uma religião na qual, eventualmente, elas não acreditam mais. O que nós queremos é romper esse tabu, é apoiar as pessoas na decisão de libertar-se desse Islã que se voltou contra os muçulmanos.
A senhora se considera uma ex-muçulmana?

Sim, desde os 15 anos, quando deixei de fazer minhas preces. Nas últimas décadas, em muitos lugares, o islamismo tornou-se uma ferramenta de manipulação política, e não uma religião restrita à esfera privada. Há muito tempo esse Islã deixou de fazer sentido. Hoje, para mim, ele significa apenas barbárie e crueldade.


Fonte:  Notícias Cristãs

OUÇA AGORA A NOSSA WEB RÁDIO ---- WWW.GRITOSDEALERTA.BLOGSPOT.COM

Número de mortos em estradas federais chega a 166 em quatro dias Nesta segunda, Polícia Rodoviária Federal registrou 37 mortes. Reforço na fiscalização nas rodovias federais vai até a meia-noite de quarta.

No quarto dia da operação carnaval, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) contabiliza a morte de 37 pessoas nas estradas federais do país, segundo boletim divulgado nesta terça-feira (8). Entre meia-noite e 23h59 da segunda (7), houve 410 acidentes, com 310 feridos. Nos quatro dias da operação, o número de acidentes chega a 3.029 e o de mortos, a 166.
Durante toda a operação carnaval de 2010, que foi realizada entre 0h de sexta-feira (12 de fevereiro) e a meia-noite de quarta-feira (17 de fevereiro), ocorreram 3.233 acidentes e 143 mortes - saldo abaixo do registrado em quatro dias de operação de 2011.
O reforço na fiscalização e no policiamento nas rodovias federais de todo o país se estende até a meia-noite de quarta-feira (9).
Dia da operação Nº de mortes Nº de acidentes Nº de feridos
Sexta (4/03) 37 962 394
Sábado (5/03) 58 1.046 555
Domingo (6/03) 34 611 524
Segunda (7/03) 37 410 310
Total 166 3.029 1.783
Fonte: PRF
Na segunda-feira, a PRF realizou 5.867 testes de alcoolemia – popularmente chamado de bafômetro –, sendo que em 184 deles o resultado foi positivo para o consumo de bebida alcoólica,.
Com isso, 85 pessoas foram presas por embriaguez. Ao todo, foram fiscalizados 27.639 pessoas e veículos ao longo de 66 mil quilômetros de rodovias federais que cortam o país.
Apreensão de carteiras
Durante a operação desta segunda-feira, a Polícia Rodoviária Federal recolheu 186
carteiras de habilitação. Segundo nota, a maior parte das ocorrências tratava-se de crimes de trânsito e suspeitas de falsificação.
Acidente no sábado
Todos os números de sábado são maiores que os da sexta-feira. Isso porque, o boletim da PRF inclui as mortes ocorridas na BR-282, quando 26 pessoas que estavam em um ônibus que seguia de Santo Cristo (RS) para Marechal Rondon (PR) perderam a vida após colidir em um caminhão que transportava madeiras.


FONTE  G1

Novo CD do Hillsong bate recorde de vendas em lançamento mundial

Novo CD do Hillsong bate recorde de vendas em lançamento 
mundial 

 

Aftermath surpreende e conquista Billboard e iTunes
Em 10 dias de mercado o CD Aftermath lançado recentemente pelo grupo Hillsong United conquista público e crítica. Na Billboard está na 17ª colocação do Top 200, no iTunes Estados Unidos está em 4º lugar na categoria Top Álbum Chart, enquanto alcança o Top 10 no iTunes de outros sete países.
 
Pela primeira vez o Brasil participa de um lançamento da Hillsong simultaneamente com a data do lançamento mundial. O CD Aftermath é vendido pela gravadora Canzion Brasil, representante oficial da Hillsong por aqui. O Aftermath alavancou vendas 55% superior ao lançamento do álbum anterior do Hillsong United.
 
O álbum Aftermath do Hillsong United foi gravado em estúdio e vem com 12 canções, entre elas a canção título, Aftermath, Take Heart, Go, Like An Avalanche, Father entre outras. A banda detalha que o objetivo do grupo com este CD é impactar vidas. Confira esta novidade no www.canzion.com.br.

 
Fonte: Assessoria de Imprensa Canzion Brasil

Adolescente que teria tentado matar namorada pela 2ª vez é procurado Na primeira tentativa, ela teria sido salva por uma moeda. Vítima se recupera em casa, em Ipatinga, no Vale do Aço.

A Polícia Civil procura por um adolescente de 17 anos que teria atirado, pela segunda vez, na ex-namorada, em Ipatinga, no Vale do Aço de Minas Gerais. A jovem tem 18 anos e está com a bala alojada na cabeça. Na primeira tentativa, ela teria sido salva por uma moeda dentro do sutiã. De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar, a segunda tentativa aconteceu na madrugada deste domingo (6).
Segundo consta do boletim de ocorrência, a jovem foi surpreendida pelo ex-namorado na rua, perto da casa dela. Ao sair detrás de um barranco, ele teria feito disparos. Ela foi atingida na nuca e caiu, o que também provocou ferimento no rosto. Ainda segundo a vítima, o ex-namorado teria tentado atirar mais três vezes, mas a arma teria falhado. A adolescente está em casa, onde se recupera. Ela conta que os médicos disseram que a bala alojada na cabeça não vai deixar sequelas.
O primeiro atentado contra ela teria ocorrido em novembro do ano passado. Segundo o pai da adolescente, ela foi salva por uma moeda que estava no sutiã. Ao atingir a moeda, a bala foi desviada.
A Polícia Militar e a Polícia Civil informaram que a vítima também relatou no boletim de ocorrência que o ex-namorado cumpria medida socioeducativa até a sexta-feira (4) na cidade de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. De acordo com a assessoria da Polícia Civil, vai ser investigada a participação de um segundo suspeito, que, segundo testemunhas, atraiu a vítima até a rua, antes de ela ser baleada.

FONTE  G1

Ex-sambista abandonou tudo para seguir a Jesus

 

Ex-sambista
 abandonou tudo para seguir a Jesus 

Mundo do Carnaval não preencheu o vazio que existia na vida do jovem Carlos Alberto
O jovem Carlos Alberto Peixoto Cruz, nascido em Belém do Pará e radicado no Rio de Janeiro desde a adolescência sonhava com o estrelato. O brilho das luzes da ribalta alimentou o desejo do rapaz em ingressar no mundo do samba, e aos 14 anos ele alcança seu objetivo e passa a fazer parte da Escola de Samba União da Ilha.

A carreira como sambista trouxe a ilusão de que o mundo estava aos seus pés quando os espectadores o ovacionavam após cada apresentação. Mas, logo procurava refúgio no consumo de entorpecentes, e a alegria da qual se considerava o principal expoente, se transformava em amargura e dor.

“Naquela época eu imaginava que as portas da fama e do sucesso se abririam com mais facilidade, caso eu fosse um integrante de uma escola de samba. Eu sonhava com as cores, luzes e a passarela do samba. No meu entender, aquele seria o meu destino. Também percebi que os dirigentes das escolas de samba ostentavam riqueza, com aqueles belos cordões de ouro. Em 1982, eu fui apresentado à Escola de Samba União da Ilha, no bairro carioca da Ilha do Governador, na qual permaneci por 12 anos”, revela Carlos.

Mas o tempo se encarregou em revelar a Carlos que a alegria contagiante divulgada pelos carnavalescos, não passava de um embuste; os prazeres da carne e suas concupiscências tão bem representados nas letras das músicas das escolas de samba não foram suficientes para aplacar a infelicidade daquele jovem que buscava a fama. A desilusão não tardou a bater à sua porta.

Outro fator que desestabilizou ainda mais a vida de Carlos foi o consumo de entorpecentes. Influenciado pelos colegas da escola de samba, o jovem passou a subir os morros cariocas a fim de conseguir um breve alento à sua angústia, acreditando que as “viagens” que fazia sob o efeito do alucinógeno era a única maneira de alcançar o prazer. “Eu conheci as drogas e por 12 anos fui viciado em cocaína. Mas eu não tive um envolvimento profundo com o tráfico”, lembra Carlos.

Enquanto permaneceu no mundo do samba, Carlos trabalhou ativamente e teve contato com celebridades: compôs vinhetas para a Rede Globo, participou de desfiles e realizou vários shows. Tornou-se conhecido ao ser indicado para disputar o Estandarte de Ouro, (prêmio instituído pelo jornal O Globo em 1972 e, desde então, vem premiando anualmente os destaques do Carnaval).
Encontro com Cristo

No entanto, a combinação explosiva do consumo de drogas e noites sem dormir fizeram efeito, e ele baixou em um leito de uma clínica, com o organismo debilitado por uma pneumonia, que quase o matou. Mas enquanto esteve internado, algo sobrenatural aconteceu. “Eu escutei uma voz chamar o meu nome na enfermaria, e quando este fenômeno acontecia, eu desmaiava. Quando ocorreu pela quarta vez, eu não resisti e chorei; lembrei-me que já era uma pessoa conhecida na sociedade e não recebia visitas. Hoje eu compreendo que o Senhor permitiu a ausência daquelas pessoas até eu reconhecer a minha fragilidade. Depois minha mãe, Dayse Peixoto, e outros parentes foram me visitar na clínica. Minha saudosa tia Leopoldina orava muito por mim e eu fiz um voto ao Senhor que se eu fosse embora daquele lugar, passaria a servi-Lo”, lembra Carlos. Mais tarde, a médica o aconselhou a voltar para casa pelo fato de seu organismo estar muito debilitado e os antibióticos não surtirem mais efeito.

Tempos depois, Carlos reencontrou a médica que o desenganou. Ele conta que a doutora e disse que o conhecia de algum lugar. “Eu sou aquele paciente que a senhora desenganou”, respondeu Carlos. A médica riu do acontecimento e foi uma oportunidade do ex-paciente anunciar o Evangelho para ela. 

Liberado pelos médicos, Carlos visitou a Igreja Mundial de Jesus Cristo, onde abandonou a vida de drogas e promiscuidade. Mais tarde ele compareceu a um congresso de jovens na Assembleia de Deus na Cacuia, sub-bairro da Ilha do Governador e passou a frequentá-la. “Tudo o que eu possuo, inclusive a minha esposa, Jenaína Brígida Peixoto, consegui depois que me converti a Cristo. Hoje eu sou proprietário de uma empresa de quentinhas, sou presbítero e exerço função de vice-dirigente de uma de nossas filiais, a congregação de Rosa de Saron. Mas quando as pessoas me questionam sobre meu passado, eu respondo que este mundo parece ser perfeito, mas quem conhece a Cristo os olhos são abertos. Tudo é passageiro”.


Por Eduardo Araújo

Pesquisa mostra que mulher ainda sofre violência


Pesquisa 
mostra que mulher ainda sofre violência 81,9% da população concordam que a violência contra mulheres é um grande desafio
A violência contra a mulher existe há milhares de anos. Um dos primeiros relatos não foi registrado em nenhuma Delegacia da Mulher e muito menos em um Disque-Denúncia, por essa razão o criminoso ficou com o paradeiro ignorado. Mesmo assim, o crime ficou na história. Na ocasião, houve um caso de relação sexual forçada com uma mulher na cidade de Siquém, em Israel (Mundo Antigo). A vítima, Dina, foi assediada por um homem com o mesmo nome da cidade, Siquém. A história diz que “o homem viu Dina, pegou-a e a forçou a ter relações com ele”.

Se fosse no século XXI, de acordo com o  Secretário Executivo da Igreja Metodista, Dr. Alexandre Rocha Maia, “Siquém deveria ser enquadrado no Artigo 213 do Código Penal em vigor podendo pegar uma pena de 6 a 10 anos de reclusão”, no entanto, o crime de estupro foi registrado por Moisés por volta de 1450 anos antes de Cristo no livro sagrado, a Bíblia.O desfecho você encontra em Gênesis 34.1-3. Na ocasião, o criminoso não foi detido.

Casos como esse acontecem a todo instante. Segundo pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA), que ouviu 2.770 mulheres nas cinco regiões do país no final do ano passado, casos devem ser apurados mesmo quando a vítima não quer.

O resultado aponta que 81,9% da população concordam que a violência doméstica cometida contra mulheres é um grande desafio para a sociedade. De acordo com a pesquisa, 91% dos entrevistados defendem que haja uma investigação mais rígida e 78,6% consideram que a aplicação da Lei Maria da Penha, lei 13.340/2006 (a lei levou o nome da farmacêutica Maria da Penha Fernandes, que lutou pela condenação de seu agressor) pode diminuir a violência contra as mulheres. Em 2011 a lei completa cinco anos.

De onde vem a violência contra a mulher?

De acordo com a Cartilha da Violência Contra a Mulher, “a raiz da violência está marcada na sociedade porque esta ainda dá mais valor ao homem, o que por sua vez se reflete na forma de educar os meninos e as meninas. Enquanto os meninos são incentivados a valorizar a força física, a agressividade, ação, a dominação e a satisfazer seus desejos, inclusive os sexuais, as meninas são valorizadas pela delicadeza, beleza, submissão, sedução, sentimentalismo, dependência, passividade e o cuidado com os outros.

Medo

A Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Mulher, em Juiz de Fora, MG, registra uma média 500 ocorrências mensais e fica entre as cidades que apresentam índices mais altos ao se tratar de violência contra a mulher. Os números mais recentes mostram que, em agosto de 2010, foram 578 ocorrências e 476 no mês anterior do mesmo ano.

Para a delegada, Sônia Parma, os números ainda são baixos. "A mulher não vem à delegacia logo após a agressão, a nossa porta é a última que ela chega", diz. Sônia aponta ainda que existam três tipos de violência: a psicológica que acontece geralmente no convívio familiar; a física que é visível e deixa marcas no corpo, aliás, esta é considerada a mais comum, com lesões leves; e a social que é praticada no convívio da sociedade.

Pais não quiseram denunciar

Nathalia C. de 28 anos vive em Montes Claros, Minas Gerais e já passou na pele um tipo de violência. Ela tinha apenas 12 anos quando seu tio tentou molestá-la ainda dormindo. Ao sentir alguém lhe acariciando nas partes íntimas gritou e imediatamente seus pais se levantaram. “Meus pais ficaram estarrecidos, o sentimento era de desprezo, ódio, vontade de sair batendo, fazer justiça com as próprias mãos”, lembra-se a jovem.

Mesmo assim, o caso não foi registrado em uma Delegacia, Nathalia e seus pais apenas cortaram o relacionamento familiar com o agressor.

Segundo Marcos Garcia, “muitas vezes a pessoa sofre o abuso e não tem coragem de denunciar. Em algumas situações ela não tem força para isso (...) quando falamos em denunciar sempre o que nos vem à mente é ter que tomar uma posição. Às vezes queremos ficar de bem com todo mundo” disse. O pastor afirma ainda que “o lar cristão deve ser a base. É preciso considerar esse como um espaço de crescimento e desenvolvimento de uma vivência saudável”.

“Tive que passar por muitos tratamentos terapêuticos. Foi nojento, aquilo sempre me vinha à mente e de alguma forma eu ainda me sentia culpada, sei lá, passa tudo na nossa cabeça em um momento desses”, desabafa Nathalia C.

A jovem diz que todo esse pesadelo acabou com sua adolescência e a fez mudar de cidade. “Eu já pensei em acabar com a minha vida, mas vi que não valeria a pena, hoje vivo bem, não esqueci o que aconteceu, mas vivo bem”.

Violência moral contra a mulher

Não é só o homem que violenta a mulher, muitas vezes são mulheres, só que de outra forma. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho – OITU, um dos casos que mais vem chamando atenção nos últimos anos é a questão do assédio moral, principalmente dentro do ambiente de trabalho. A violência moral é entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria. Abaixo você pode ver  os dados e sintomas apresentados em uma pesquisa realizada na PUC sobre a violência moral.

Depois de um tapa nas costas e muitos insultos, Simone de Gouvêa Rosa, de 35 anos, recorreu à Justiça. Desde junho de 2007 briga por uma indenização. A acusação é de agressão moral e física por parte de sua chefia. Abalada, a funcionária diz que passou por um psiquiatra e uma psicóloga e teve de tratar da depressão com muitos remédios. “Tomava calmantes, não conseguia dormir. Naquela época não conseguia sair de casa, nem tirava o pijama, ficava enfiada no quarto o dia inteiro à base de antidepressivos, afirma. O pastor e psicólogo Nils Friberg alerta para os prejuízos que o assédio moral causa. De acordo com ele, a violência moral contra a mulher se caracteriza por gestos, condutas abusivas e constrangedoras; ainda humilhar, inferiorizar, amedrontar, menosprezar ou desprezar, ironizar, difamar, ridicularizar, risinhos, suspiros, piadas jocosas relacionadas ao sexo, ser indiferente à presença do/a outro/a, estigmatizar os/as adoecidos/as pelo e para o trabalho, colocá-los/as em situações vexatórias, falar baixinho acerca da pessoa, olhar e não ver ou ignorar sua presença, entre outros.

De acordo com Diná Branchini, da Pastoral de Combate ao Racismo da Igreja Metodista, a mulher negra também sofre com o assédio. “Que ocorre, ocorre. Desde a questão estética, principalmente se ela mantém o cabelo mais natural, podem falar que não está bem arrumada. Já ouvi casos de pessoas que não estavam dentro do padrão estético”, afirma ela.

O assédio moral é tão antigo quanto o trabalho. É interessante lembrar que o primeiro assédio moral fruto de uma relação laboral se encontra na Bíblia, em Gênesis, capítulo 37, versículos: 3 a 24. José, filho de Jacó, foi vitima de assédio moral por parte dos irmãos, estes com ciúmes do amor do pai pelo irmão mais novo, tramaram sua morte, como não tiveram coragem de subtrair sua vida física, tentaram privá-lo da presença e do amor do pai. José era odiado pelos irmãos não somente, pelo fato de o pai amá-lo mais e sim, também, por ter mais responsabilidade e desempenhar melhor a tarefa que os demais.


Por: Geraldo Magalhães e Diana Gilli / Portal Metodista

Igrejas em todo o Brasil realizam congressos de jovens durante o Carnaval


Igrejas em todo o Brasil realizam congressos de jovens 
durante o Carnaval Igrejas usam feriado para investir em edificação e despertamento
Milhares de conversões e batismos no Espírito Santo marcam o feriado de carnaval em Assembleias de Deus de todas as regiões do país. Enquanto nesse período a maioria da sociedade brasileira celebra a festa da carne, centenas de milhares de assembleianos de todo o país adoram a Deus em uma verdadeira festa espiritual. Igrejas de norte a sul usam o feriado para investir em atividades de edificação e despertamento espirituais voltadas para os jovens, mas que envolvem toda a igreja: os tradicionais congressos de jovens, que são realizados há mais de 60 anos nas Assembléias de Deus brasileiras.

O primeiro Congresso de Jovens da AD foi realizado de 6 a 13 de fevereiro de 1943, na Bahia, envolvendo a juventude assembleiana daquele Estado e a de Sergipe. Naquela época, a AD em Sergipe era ligada à baiana (a autonomia da igreja sergipana viria anos depois, como fruto do crescimento do trabalho ali). Hoje, o Congresso de Jovens, também chamado de Confraternização da Mocidade, costuma ser um dos maiores eventos das igrejas assembleianas.
O pastor Israel Ferreira, líder da AD em Salvador, lembra dos congressos de mocidade na gestão do pastor Rodrigo Silva Santana, que liderou a igreja baiana de janeiro de 1960 a 29 de junho de 1985. “Nossa juventude foi enriquecida com o ensino da Palavra. Hoje, às vésperas do Centenário das Assembléias de Deus no Brasil, o Departamento de Jovens e Evangelismo de nossa igreja tem um projeto que envolve maciçamente a juventude”, comemora.

Os congressos de jovens nas ADs alcançaram seu auge nas décadas de 60, 70 e 80. Mais que uma “moda” ou “movimento”, característica de eventos passageiros, os congressos se firmaram e revelaram novos talentos entre os jovens, tanto em nível nacional como internacional. Muitos pregadores, pastores, missionários, evangelistas e cantores são resultados deste trabalho. Exemplo disso é o pastor Elienai Cabral, líder da AD em Sobradinho (DF), comentarista de Lições Bíblicas da CPAD. Ele destaca que o objetivo dessas conferências era incentivar no jovem um desejo maior de se envolver na igreja. “Os encontros influenciaram uma geração de jovens que hoje, na maioria, servem à igreja como pastores, líderes de igrejas”, atesta.

Pastor Elienai destaca ainda que, naquelas reuniões, a juventude buscava referenciais, e muitos se destacavam tornando-se eles mesmos referência para o Brasil inteiro. Mas, os saldos positivos não ficavam apenas na área espiritual. “Muitos casamentos foram realizados entre jovens que se encontraram nos congressos. O meu noivado, por exemplo, aconteceu em público. O pastor chamou a mim e a minha noiva e fez a cerimônia de noivado em pleno congresso de jovens. Fiquei noivo na cidade de Vassouras (RJ), durante o 3º Congresso de Mocidade da União de Mocidade das ADs no Estado do Rio de Janeiro, realizado em janeiro de 1966”, relembra.

Outro exemplo é o pastor Virgílio de Carvalho, líder da AD em Sergipe. Segundo o líder, os congressos trouxeram uma proposta excelente de despertamento espiritual para a  juventude e para toda igreja, e não são poucos os obreiros que hoje estão realizando grandes trabalhos como resultado desses encontros. “Aconteceu comigo. Já ardia em meu coração o desejo de fazer missões. Ainda em tenra idade, fui coordenador da juventude e, ao participar de um congresso em Salvador, recebi uma revelação sobre o campo missionário e, pouco tempo depois, fui para missões”, lembra.

Milagres por todo o País

A AD em Passo Fundo (RS), liderada pelo pastor João Maria Hermel, também realiza congressos de jovens no período do Carnaval. São momentos marcados por conversões e batismos no Espírito, e por milagres. Um deles marcou o jovem Moisés dos Santos, membro daquela igreja.

Moisés sofreu um acidente vascular cerebral e ficou internado durante 28 dias, sendo sete deles no CTI. Como sequela, perdeu o movimento do lado direito do corpo e foi hospitalizado várias vezes. “Saí do hospital no dia 16 de fevereiro e fiz um propósito com Deus de ir ao congresso da mocidade para receber uma grande bênção”, conta. Mesmo com dificuldades, Moisés participou do evento todos os dias. “No momento da oração, fui o primeiro a receber a imposição de mãos pelos pastores. Um deles, usado por Deus, tocou no meu joelho e tornozelo, e senti estalos. No mesmo instante, recuperei meus movimentos, para a glória do Senhor! Hoje só sei que quero servi-lo de todo o meu coração e fazer a Sua vontade”, conta Moisés, emocionado.

Na AD em Lorena (SP), liderada pelo pastor José Tenório dos Santos, cerca de 5 mil jovens se regozijam na presença do Senhor durante o feriado de carnaval. Gincanas bíblicas, louvor e interação são algumas das atividades realizadas.

No Pará, a AD em Soure, liderada pelo pastor Teodoro Amaral, a primeira vez que realizou um congresso de jovens no período do carnaval, todas as expectativas foram superadas. A igreja recebeu caravanas de várias regiões, contabilizando uma frequência diária de mais de 3 mil jovens durante o evento. Segundo o pastor Alexandre Marques, líder de mocidade no Estado do Pará, o movimento incluiu um desfile pela cidade com participação das bandas de música da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. “Na ocasião, também foi distribuída literatura evangélica e muitas vidas se renderam aos pés do Senhor” conclui.


Por Gilda Júlio / Redação CPAD News

Igreja de Texas Continua Acreditando em Jesus depois da Morte de Pastor

first-baptist-christian-postApesar de centenas de congregantes terem ido ao culto de adoração com os corações pesados no domingo, eles se recusaram a deixar o assassinato de um dos seus pastores mexer com sua fé em jesus Cristo.
  • (Foto: Primeira Igreja Batista Arlington via The Christian Post)
    Senior Pastor da Primeira Igreja Batista Arlington, Dr. Dennis Wiles, prega no domingo, 6 de março de 2011. Clint Dobson, que conduzia a Igreja Batista Northpointe, o ministério de satélite de FBCA, foi assassinado quinta-feira.
“Nós estamos no tempo em que a escuridão talvez nos há envolto, e no meio da tragédia, dura, tempos horríveis mesmo quando nós não podemos ver, nós podemos continuar acreditando em Jesus,” pregou Dr. Dennis Wiles, pastor principal da Primeir Igreja Batista de Arlington.
“Nós vamos continuar acreditando,” enfatizou ele. “A verdade não tem sido revogada até hoje mesmo em face a tal trágica violência.
A Igreja de Texas está sofrendo a perda de Clint Dobson, que liderou a Igreja Batista NorthPointe – o ministério satélite da FBCA. Ele foi assassinado terça-feira na NorthPointe, com 28 anos.
O assistente de Dobson, Judy Elliott, permanece hospitalizada.
A polícia prendeu Steven Lawayne Nelson, 24, como suspeito do assassinato. Novos relatórios na segunda-feira, indicam Dobson foi morto por asfixia durante o assalto.
O trágico assassinato deixou a congregação em choque. Afinal, Dobson era membro da família, não somente funcionário, como afirmou Dr. Barry Rock, pastor associado de adoração.
Mas no domingo, os pastores da FBCA deixaram seus elogios para quarta-feira – quando o funeral de Dobson iria acontecer – escolhendo ao invés disso, dedicar o sábado ao Senhor.
“Clint não iria querer seu funeral hoje. Esse é o dia do Senhor,” disse Wiles.
Todavia, Wiles fez algumas anotações do louvor sobre Dobson e baseou o seu sermão sobre perseverar através de desafios.
Antes de fazer parte da equipe com a família Primeira Batista, Dobson era estudante de seu Seminário Teológico Truett. Ele se destacou não apenas como uma pessoa gentil mas também como um comunicador talentoso – ele foi nomeado o pregador excelente do ano.
Embora lamentando a perda de seu ex-aluno e pregador companheiro, Wiles direcionou a congregação de volta à palavra de Deus para o conforto, esperança e verdade.
A verdade é que não haverá problemas, aflições e momentos trágicos na vida do crente.
"Você vai ser testado," disse o pastor disse. Mas os Cristãos precisam aprender a suportar e perseverar.
"A única maneira de crescer na resistência é passar por momentos de tribulação," disse ele. "A Bíblia nos ensina que Deus pode usar esses momentos difíceis ... e trazer qualidades dentro de nós que nos permitam ser melhores seguidores de Jesus.
"Nós temos que aprender a perseverar e passar por tempos de turbulência. Agitação não é permanente. É sazonal."
Há, inevitavelmente, questões, reconheceu Wiles.
Onde estava Deus? Deus não poderia tê-lo parado? Deus não poderia ter intervido para salvar a vida de um jovem pregador?
"O que ele diz sobre a Bíblia, sobre o Cristianismo, sobre o nosso Deus?"
"Não há nada de errado com [as questões] sendo colocadas," observou o pastor do Texas. "Tentar lidar com algumas dessas questões é uma das maneiras de processar o nosso caminho através da verdade."
Mas no meio de questionamento e do luto, Wiles pediu à congregação que aceitasse o conselho de Jesus - isto é, para continuar acreditando.
"Você pode continuar fazendo suas perguntas, mas Jesus é a resposta. Seu caminho é o único caminho," ressaltou. "Sua verdade é a única verdade. Sua vida é a única vida."
"Você continua acreditando em Deus, apesar de seu espírito atormentado. Você continua confiando em Deus," disse ele, tomando as palavras de Jesus que foram ditas no dia anterior que ele foi para a cruz.
Segurando as lágrimas, o membro da Igreja, Jeremiah Smith, incentivou a congregação a não responder ao ataque com raiva ou julgamento, mas sim de reconhecer "que o verdadeiro poder está no amor e perdão."
Ele ainda encorajou a Igreja a pedir a Deus para dar-lhes um espírito de recusa - "que se recusam a deixar a escuridão ofuscar a luz, e nós nos recusamos a deixar as perguntas e desilusão ofuscar as respostas, e nos recusamos a deixar a brutalidade de um fim ofuscar a beleza de uma vida."
Wiles lembrou a congregação que eles foram todos criados para a eternidade.
"Seu dia está chegando," disse ele. "Não se pode acabar com tanta brutalidade como aconteceu com Clint Dobson ... e não tão rápido ... mas eu estou aqui para dizer que seu dia está chegando."
"Olhe para além das circunstâncias, a tragédia, a confusão ... e levante o seu olhar e perceba que a eternidade é real."
"Eu não me importo se você é um jovem pregador fielmente servindo a Deus, se você é um assistente de ministério fielmente servindo a Deus na Igreja, ou se você é um assassino a sangue frio. Deus criou-nos a todos para a eternidade. Ele criou cada um de nós à Sua imagem.
"Há algo em todos nós que pode ser resgatado pela graça de Deus Todo-Poderoso."
Para colocar isso em perspectiva, Wiles utilizou as imagens bíblicas de uma corrida.
Todo mundo está em uma corrida. É fácil começar uma corrida, motivada pela esperança e otimismo, mas os Cristãos devem aprender a suportar através da corrida e terminar bem.
"Quando Deus te salvou ... Ele não o resgatou apenas para começar uma corrida, ele te redimiu a uma corrida assim, para que possa suportar, de modo que você pode também termine bem," disse ele.
"Meu irmão mais novo em Cristo, na manhã de quinta-feira terminou bem. Hallelujah."
Dobson é lembrado por sua esposa, Laura.


Cristian Post

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...