sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Pastor publicitário analisa o uso de propaganda e marketing na Igreja "A gestão de uma igreja tem que ser ética e profissional, então pode emprestar uma série de estratégias do mundo empresarial, mas temos um limite", afirma Edmilson Mendes

Pastor voluntário há mais de dez anos, Edmilson Ferreira Mendes é teólogo, conferencista e preletor em vários eventos, e autor dos livros: "Adolescência Virtual", "Por que esta geração não acorda?". "Caminhos" e "Aliança". Além disso, Edmilson atua profissionalmente há mais de 20 anos na área de Propaganda e Marketing.
Em entrevista exclusiva ao GUIA-ME, o pastor falou sobre como a experiência publicitária o auxilia no ministério, como denominações têm utilizado a propaganda para atrair membros e a relação entre Igreja e empresa. "A propaganda não é ruim, ela pode ser ruim", diz ele.
Guia-me: O fato de ser publicitário o auxilia em seu ministério pastoral?
Edmilson Mendes: Ajuda. Por exemplo, ele [pastor] é engenheiro e pastor, advogado e pastor, dentista e pastor. Acho que toda formação vai ajudar no ministério, e não só a Teologia. No caso da publicidade, ajuda, pela visão que a gente tem de mundo, das pessoas, a sensibilidade para olhar a vida, a arte, tudo isso contribui e acrescenta.
Guia-me: O senhor acredita que a Igreja usa de marketing e publicidade para atrair pessoas? Se utiliza, ela tem feito de maneira correta?
Edmilson Mendes: A igreja usa. Desde o grupo de jovens local, até o presbitério geral, a igreja tem usado a internet, a mídia impressa, seu veículo interno para falar com o seu público... É o 'cartazinho', o convite. Acho que dentro da realidade da Igreja, ela usa de forma correta. Digo realidade a condição financeira que ela tem. Existem igrejas e igrejas, umas têm dois milhões de dólares para investir em marketing e outras não têm, então cada uma dentro da sua realidade - sem criticar a que tem ou a que não tem -,usa as ferramentas que estão ao seu alcance.
Guia-me: Então, cartazes, slogans, propagandas televisivas, feitas de maneira correta, são válidos?
Edmilson Mendes: Sim, são válidos. São ferramentas que estão aí para serem usadas. A propaganda não é ruim, ela pode ser ruim se for usada para fazer uma lavagem cerebral nas pessoas, mas enquanto ela oferece um produto para nós escolhermos, ela é boa. Enquanto um produto começa a ser fabricado em baixa escala, ele é caro, mas à medida que você tem a propaganda, ela divulga, as pessoas começam a comprar e isso é produzido em grande escala, o preço cai. Por exemplo, a TV de plasma que custava 10 mil e hoje já está por 2 mil,ou seja, a propaganda foi boa para mim, ela me deu acesso a uma coisa que eu não tinha. Agora, quando a propaganda me faz consumir coisas que eu não preciso, me engana e me hipnotiza, ela é ruim, mas isso vale para todas as áreas da atuação humana.
Guia-me: Alguns líderes observam a Igreja como uma empresa com valores diferentes. A Igreja pode ser vista e comparada a uma empresa?
Edmilson Mendes: Até certo ponto, sim. A gestão de uma igreja tem que ser ética e profissional, então pode emprestar uma série de estratégias, planejamento e palavras do mundo empresarial, mas temos um limite, porque a Igreja não é uma empresa, ela é Igreja. Ela funciona diferente, é um organismo que tem pessoas, então não dá para eu ficar mensurando uma meta e falar 'tem que ser assim' porque há tantas variáveis! Tem dia que você acorda emocionado, na fossa, triste, revoltado, deprimido, e tem dia que você acorda 'pra cima',e a Igreja é desse jeito... O Espírito Santo é soberano para fazer o que quer com a Igreja, independente dos nossos planos, e se eu perder isso de vista, vira uma coisa mecânica, e a Igreja, nesse aspecto, não pode ser assim.
Guia-me: Em sua opinião, Igreja cheia representa êxito na pregação da Palavra e na publicidade?
Edmilson Mendes: Não. Crescimento não pode ser a resposta para se aquela Igreja está certa ou errada. Tem muita Igreja que está cheia, mas tem um conteúdo horroroso, e tem Igreja que está cheia e oferece um conteúdo muito saudável, mas isso não é toda a verdade, porque também há igreja que tem um conteúdo muito legal e está vazia, assim como uma com conteúdo horroroso que também está vazia. Não dá para medir igreja cheia dessa forma. Existem igrejas cheias por 'N' coisas: pregador, música boa, grupo de louvor, adoração...O que funciona é a multiforme graça de Deus, não temos que nos preocupar em padronizar uma igreja porque as pessoas são diferentes. Eu posso não gostar daquela, mas tem um público que gosta, e a graça de Deus está atuando. Não podemos achar que só nós somos bons, só nós sabemos fazer bem feito, até porque também cometemos equívocos, 'pisamos na bola', erramos.
Por Juliana Simioni

Daniel Mastral: 'Bênção e maldição depende de onde está seu coração' Ex-satanista fala sobre sua mudança de vida: "Procurava algo que me trouxesse a verdadeira alegria", afirma

"Não é mais necessário 'infiltrar' um satanista na Igreja, pois o mal já se alojou. É como a picada de uma serpente. O veneno já foi inoculado", a afirmação é Daniel Mastral. Hoje missionário, Mastral foi aliciado pelo satanismo aos 17 anos de idade, e dos 18 aos 25 dedicou sua vida, ao lado do grupo que se auto-denomina "irmandade", a preparar o cenário global para a vinda do anticristo.
Mastral explica que, sendo uma organização mundial, o satanismo tem braços em vários segmentos sociais e procura combater um grande elemento de resistência: a Igreja. Foi dessa forma que o missionário acabou conhecendo a Cristo. Aos 25 anos, Mastral namorava uma moça evangélica, que desconhecia seu envolvimento com práticas satanistas. Acompanhando a namorada nos cultos, ele conta que divertia-se ao ver demônios ao lado do ministro de louvor no altar. No entanto, quando um pastor subia ao púlpito, os espíritos afastavam-se. O mesmo pastor, que resistiu a muitos feitiços preparados por Mastral, teve um encontro com o então satanista. O que se seguiu foram três horas e meia de libertação espiritual e o início de uma nova vida para Mastral.
Para narrar essas experiências, Daniel Mastral escreveu "Filho do fogo", que é também a terminologia usada pelos membros do satanismo aqueles que relacionam-se com a alta magia. O missionário é também autor de "Guerreiros da luz", que tem por objetivo "treinar" espiritualmente quem se coloca à disposição da obra de Deus.
"A igreja está doente, ferida, contaminada. Mergulhamos em um evangelho místico, cheio de dogmas, rituais, receitas, que levam nada a lugar algum", expressa Mastral, que aborda em suas ministrações pelo Brasil a importância de se conhecer o "antídoto": "amor, unidade, oração e vida com Deus".
Em entrevista ao Guia-me, o ex-satanista conta um pouco de seu testemunho, fala sobre batalha espiritual, posição da Igreja diante dos acontecimentos, satanismo e a vinda do anticristo.
Guia-me: Sua vida é um testemunho de batalha espiritual. Como foi que o satanismo aproximou-se de você? Como é abordagem e o que o atraiu?
Daniel Mastral: O adversário é astuto. Enganou até mesmo os anjos. A abordagem é sedutora, envolvente. É pautada no poder. Ele conhece nossas fraquezas e aproveita destas lacunas para entrar com o engano. Cria um cenário de ilusão, abarcando nossos sentidos, nos dando a impressão de que somos especiais, e poderosos. Este pilar que me atraiu, como a mariposa é atraída para a luz que irá matá-la.
Guia-me: Como foi que você aproximou-se do Evangelho de Cristo?
Daniel Mastral: Tinha tudo, e não tinha nada... Não tinha paz, alegria. Era como um balão à deriva, andando ao sabor do vento. Sem rumo. No fundo eu procurava algo que me trouxesse a verdadeira alegria. Descobri, assim como muitos, que dinheiro, poder, fama, beleza, são temporais, efêmeros. Não resultam em felicidade. Conheci um homem cheio do Espírito Santo que me mostrou o caminho, apresentou-me a verdade e a vida em Cristo. Descrevo isso em detalhes em nosso livro "Filho do Fogo", lançado pela Editora Naós.
Guia-me: Depois de sua conversão, sua vida sofreu ameaças?
Daniel Mastral: É uma conseqüência natural. Quando você prega uma mensagem de vida, a morte te perseguirá. Tentará matar sua alegria, sua fé, sua motivação. Todos os profetas sofreram perseguições. Jesus sofreu perseguições. Não somos maior do que o Mestre. Porém, quem está em Cristo, não esmorece. Pode ficar abatido, mas jamais derrotado. A cada manhã, Deus renova minhas forças.
Guia-me: No livro Filho do Fogo, você relata como o satanismo tem preparado o mundo para a chegada do anticristo. Como você vê o posicionamento da Igreja diante dos acontecimentos? Ela está preparada para isso?
Daniel Mastral: A igreja está doente, ferida, contaminada. Mergulhamos um evangelho místico, cheio de dogmas, rituais, receitas, que levam nada a lugar algum. Nos afastamos dos preceitos de Cristo: amor, unidade, oração, jejum. Jesus não ensinou aos seus discípulos demonologia, mapeamento espiritual. Não fez atos proféticos para restaurar Jerusalém, não fechou templos pagãos. Ele ensinava vida com o Pai. Oração, jejum, intercessão, unidade, amor. Antes que qualquer coisa é necessário restaurar a Noiva.
Guia-me: Alguns cristãos crêem que quando se aceita Jesus, estamos libertos de maldições e investidas de Satanás. É necessário quebrar maldições? O que a Bíblia nos fala sobre isso?
Daniel Mastral: Não fala. Em Ezequiel cap. 18 vemos claramente que não há maldição hereditária. Cristo levou maldição na Cruz. Nos esquecemos que nosso Deus é um Deus de bênção. Ele visita até 1000 vezes aqueles que fazem a sua vontade. Mas bênção e maldição depende de onde está seu coração. Descrevemos um estudo profundo disso em nosso Seminário de Cura e Libertação e no livro Alerta Geral.
Guia-me: Você é conhecedor de rituais e atuações satânicas, como por exemplo a utilização de pontos corporais, denominados "chakras", para entrada de espíritos malignos. Utilizar essas práticas no meio cristão para combatê-las não pode ser confundido com misticismo?
Daniel Mastral: Devemos olhar para Cristo. Há um ditado que diz que você é aquilo que come. Se você se alimenta da Palavra, terá uma vida espiritual sadia e o Espirito Santo te dará discernimento para todas as coisas. O que não agradar ao Pai, você saberá, pois entristecerá o Espírito que habita em sua vida.
Guia-me: Se a vinda do anticristo é certa, por que o satanismo procura barrar a ação da Igreja de Cristo? Como ele faz isso?
Daniel Mastral: Quanto mais destruição houver, melhor será para satanás. Porém, hoje, as estratégias utilizadas há tempos atrás não se aplicam mais. Não é mais necessário "infiltrar" um satanista na Igreja, pois o mal já se alojou. É como a picada de uma serpente. O veneno já foi inoculado. O corpo está contaminado. Não precisa de novas picadas. Hoje há mais problemas nas igrejas com falsos irmãos do que com satanistas. Quero lembrar que quem perseguia a Jesus, a Paulo, não eram os adoradores do diabo, mas os líderes religiosos. Pessoas contaminadas com o orgulho, a inveja, a ira. Isso é matéria-prima farta para o diabo agir. É tempo de aplicar o antídoto na Igreja: amor, unidade, oração, vida com Deus.
Guia-me: Em entrevista, você fala que a "irmandade" possui um cronograma para a chegada do anticristo. Ele fala de datas? Ou de sinais, assim como a Bíblia?
Daniel Mastral: Sim. Os sinais estão a nossa volta. No entanto quero destacar que a Igreja não deve se preocupar com a vinda do anticristo, mas sim com a volta de Jesus, o Cristo. Se Ele voltasse hoje, estaríamos prontos? Se hoje fosse seu último dia de vida...O que fez de sua vida? De seu tempo? Deu o melhor para Deus ou deu o que sobra? Deu o resto?
Guia-me: Por que os satanistas escolhem esse caminho se, sendo conhecedores da Bíblia, sabem que ao final está destinada a eles a morte eterna?
Daniel Mastral: Porque eles estão mergulhados no engano. Suas mentes estão cauterizadas e acreditam em valores distorcidos. Para eles, satanás será vencedor. São como os extremistas islâmicos, que dão a vida pela causa. Acreditam nela.
Guia-me: Quais são teus objetivos como cristão em plena batalha espiritual? O que você deseja realizar para a obra de Cristo?
Daniel Mastral: Resgatar valores de Cristo. Ensinamentos de Cristo. Restaurar a Noiva e prepará-la para Jesus. Promover a unidade, o amor. Estimular as vidas a terem vida com Deus de fato e não de fachada. O que Jesus fez em plena Batalha Espiritual que viveu na terra? Orava, ía ao deserto, orava, jejuava. Subia ao monte, orava.
Não batia o pé no chão, não gritava, não fazia atos proféticos. Apenas buscava a face de Deus. Moisés fez isso, Josué fez isso, Pedro fez isso. Nós devemos fazer isso!
Guia-me: Quais os atributos de um guerreiro da luz?
Daniel Mastral: Integridade, amor, perseverança, acima de tudo vida de oração. Isso molda nosso caráter e passamos a refletir a luz de Cristo. Nossas vidas falarão mais do que nossas palavras. O Guerreiro da Luz tem que fazer a diferença. Não pode ser um observador da história, tem que fazer parte dela.
Por: Adriana Amorim
Fonte: Guia-me

'Passei pelo deserto e vi Deus me moldando', diz ex-Fat Family Celinha Batista conta que sofreu muito com rotulações e frases como 'agora não tem espaço na Globo e vai para a igreja'

A cantora Celinha Batista, conhecida por ter participado do grupo Fat Family, se converteu e hoje é comprometida em levar a Palavra de Deus por onde for. Uma das ferramentas da cantora, além de canções, é seu próprio testemunho.
Em entrevista exclusiva ao GUIA-ME, ela conta do chamado de Deus, das renúncias que fez e das barreiras que enfrentou. Confira.
Guia-me: Como foi o seu chamado para o ministério?
Celinha Batista: Tem quatro anos que Deus me chamou para dirigir sozinha um ministério. Ele perguntou se eu estava disposta a renunciar a tudo e eu aceitei mais que depressa, porque eu soube que Ele me amou primeiro e que antes da fundação do mundo Ele tinha planos e sonhos para a minha vida. E essa renúncia foi a planos e sonhos de homens para cumprir os planos do Senhor na minha vida, e foi a melhor decisão.
Guia-me: Essa também foi sua conversão?
CB: Na verdade, em 2003 eu aceitei a Cristo, mas eu digo que a conversão mesmo foi em 2006 quando renunciei a tudo, porque não é só aceitar a Jesus. Você tem toda uma transformação e precisa deixar que o Espírito Santo te molde. Depois de três eu anos eu falei: ‘aceitar a Jesus não é só isso, nova criatura não é só isso’, aí falei: ‘Deus, me ensina, porque eu sabia fazer show e agora eu quero te adorar’. Eu estudei a Palavra no Centro de Treinamento Rhema, me formei em 2008, paralelo a isso eu ministrava em igrejas, fui para congressos de louvor e adoração, fui ministrada por Asaph Borba, Adhemar de Campos, Massao, Ronaldo Bezerra, então eu estou recheada de grandes unções. Nesses quatro anos eu desci na olaria de Deus, porque era necessário, passei pelo deserto e vi Deus me moldando. Luz chega e trevas saem, eu passei por esse processo.
Guia-me: Você sempre pertenceu à mesma igreja?
CB: Hoje eu sou membro da Igreja Batista do Povo, na Vila Mariana, São Paulo. De 2003 a 2006 eu era apenas visitante em uma igreja. Eu chegava e o culto já tinha começado, mas tinha um primeiro lugar para mim e eu vi que não era isso, porque aceitar a Cristo não é ser artista evangélico, aí eu fui servir, ser verdadeiro discípulo de Cristo.
Guia-me: Como nasceu o projeto do CD?
CB: Conheci a IVC [gravadora] em maio, porque eles me convidaram para participar da gravação de um DVD e no final a pastora me procurou e falou para começarmos a orar por algo que o Senhor tinha colocado no coração dela. O Senhor que levantou esse ministério e essa gravadora porque a Bíblia diz que Ele abre portas onde não há porta e a porta que Ele abre ninguém fecha. Eu estava em campanha, orando às madrugadas, e eu estava declarando e chamando à existência o que eu não estava vendo, e em 21 dias a pastora meligou e disse: ‘Celinha, vamos conversar sobre seu CD’, mas eu disse para Deus: ‘Pai, eu não quero, porque a pastora quer ou porque tenho uma voz bonita. Não é uma voz bonita que vai despedaçar o jugo da vida de outra pessoa, é a tua unção’, e agora é a concretização da promessa D’Ele, porque Ele é fiel.
Guia-me: Se tivesse se precipitado e gravado o CD logo que se converteu, acredita que não estaria vivendo essa boa fase que relatou?
CB: Não seria perfeito, porque eu teria feito com a força do meu braço. Eu ia simplesmente cantar, mas não ia estar recheada da unção de Deus. Vidas não seriam impactadas, porque em mim havia um vazio. Quando eu me converti o Espírito Santo estava em mim, mas precisava de liberdade para trabalhar e não tinha tido tempo. Se eu saísse do secular e já fosse para o gospel, ia ser mais um CD sem fazer diferença e sem impactar as vidas das pessoas.
Guia-me: As pessoas costumam rotular e dizer que quando algum artista perde espaço na mídia secular, migra para o meio gospel. Por que você acha que elas dizem isso? Você enfrentou essa rotulação?
CB: Sabe o que é você querer fazer as coisas no tempo certo, do jeito certo, e as pessoas vendo os testemunhos que não são tão bons assim e colocando tudo em um mesmo pacote? Sofri muito com isso. Até teve uma época em que pensei ‘acho que meu tempo acabou aqui na minha igreja’, porque coisas se levantaram de tal forma que estavam me sufocando, mas Deus foi acalmando e colocou intercessores para orar por mim. Aprendi muito com essas pessoas que estavam há mais tempo na igreja e aprendi com Deus que para o Senhornão tem tempo de crente. Não é o tempo de crente que o Senhor não despreza, é o coração contrito e quebrantado, e isso foi confortando o meu coração. O Senhor foi muito misericordioso comigo e me mostrou que eu sou preciosa para Ele.
Eu não queria e não podia ser um mau testemunho. É fácil você apontar e falar ‘olha o artista, agora não tem espaço na Globo e vai para a igreja. Uma vez eu fui em uma igreja em Brasília e o pastor falou ‘artista quando não tem espaço na Globo vem para Cristo’, ele acabou comigo, mas eu disse para Deus que Ele sabia que não foi para isso, porque não fui eu que escolhi, mas o Senhor que me escolheu. Por conta dos maus testemunhos que não são acompanhados, não são discipulados, todo mundo é rotulado, mas a Palavra de Deus me fez perseverar.
Guia-me: O processo de renúncias na sua vida foi demorado?
CB: Queria que Deus tivesse prazer em mim e fui renunciando a tudo, não canto mais as músicas que eu cantava. Uma das últimas vezes que eu cantei com os meus irmãos foi em uma igreja e eu tive a oportunidade de cantar um louvor da pastora Ludmila Ferber: ‘Como oleiro, com tuas mãos transforma o vaso. Como barro quero sentir tuas mãos moldando o meu ser. Vem agora e quebra em mim o que não serve. Me faz de novo, pois só com o Teu tocar minha vida, eu sei, vai mudar. Toca em mim, Jesus’, foi tremendo e quando tocou a música do Fat Family eu não conseguia cantar, não saía nenhuma palavra e foi ali que o Senhor falou ‘é isso que Eu quero’. Quatro meses depois, no dia do meu aniversário o Senhor falou ‘é agora, você quer renunciar?’ que foi em 2006, no dia seguinte tinha ensaio com os meus irmãos e eu fui só para comunicar. Ninguém entendeu nada e até hoje eles não entendem.
Guia-me: Sua carreira no Fat Family foi um aprendizado para o seu ministério?
CB: Toda referência é válida. Não foi em vão. Sei que o Senhor permitiu e nos deu muitos livramentos enquanto estávamos no mundo, mas depois que consagrei a minha voz ao Senhor, Ele se apossou daquilo era d’Ele e mudou para muito melhor.
Por Juliana Simioni
Fonte: GUIA-ME

'A força do evangelho nos faz iguais', diz pastor sobre preconceito

Pastor, formado em advocacia desde 1987, Hermes Pereira de Brito é vice-presidente da Igreja Adventista da Promessa.
Em entrevista exclusiva ao GUIA-ME, Hermes fala sobre o preconceito na Igreja e cotas raciais. "O preconceito é uma situação cultural, não tem como fugir", diz ele.
Guia-me: O senhor já sofreu algum preconceito na Igreja?
Hermes Pereira: O preconceito existe sim. É uma situação cultural, não tem como fugir. Existem pessoas que, inclusive por falta de conhecimento da Palavra de Deus, chegam a atribuir um sinal que Deus deu a um pecador lá de Gênesis, quando acontece o primeiro homicídio registrado na Bíblia, à pigmentação da pele, a ser negro, mas isso é uma crença mistificada. O que eu considero importante é saber que existe o preconceito. Ser diferente sempre nos impõe privilégios, em algumas situações, ou alguns constrangimentos.Penso que mais importante é entender que o evangelho nos faz iguais. Mesmo sendo negro eu não posso me esconder nisso para tentar me prevalecer.
Existe uma passagem na Bíblia que me deixa muito curioso, ela fala que Naamã era chefe do Rei do exército da Síria e termina com um adjetivo, diz: 'Porém, leproso', e isso me leva a crer que é um ensinamento para todo aquele que se acha preterido por uma questão de segregação. Em minha interpretação, Naamã se fazia de forte e prevalecia sobre seus liderados, mas diantede qualquer situação adversa ele pedia para terem dó dele por ser leproso. Deus criou a todos como quis, um é alto, outro é baixo, um é negro, outro claro, um tem olhos puxados, outro não, mas Glória a Deus, foi Ele quem nos fez e ninguém pode se esconder na sua condição. Nós somos todos iguais, isso que é importante.
Guia-me: Então, o preconceito também existe dentro da Igreja e está longe de ser tirado de lá?
Hermes Pereira: Na carta de Paulo aos Efésios, ele diz que Deus envia pessoas diferentes querendo aperfeiçoamento dos santos. É Ele quem dá dons e coloca pessoas diferentes em nosso meio para que o corpo de Cristo seja edificado, então ele conclui que é importante nos empenharmos nisso até que todos cheguemos ao pleno conhecimento de Cristo Jesus. Você vai encontrar gente na igreja que já tem o entendimento espiritual para saber que ele é igual a todos, mas vai encontrar gente que chegou hoje, ontem, ou alguém que está na igreja há muitos anos mas ainda não entrou no processo de santificação, ou parou no meio do caminho. Pior que quando pára o processo de santificação, a pessoa não fica no lugar, ela regride, e são essas pessoas que irão apontar dedos, arrumar confusão, criar partidos, alegar privilégios por cor, raça, sexo. Existem questões até hoje, do tipo: 'mulher não pode pregar', é uma descriminação, e quem faz isso são pessoas por quem Jesus morreu, mas ainda precisam entender a força do evangelho que nos faz iguais.
Guia-me: O senhor hoje ocupa um cargo importante na igreja e chegou onde está sem precisar de sistema de cotas. Acredita que sistema de cotas, para entrar onde quer que for, faculdade, emprego etc, é um tipo de discriminação?
Hermes Pereira: Entendo que sim e acho que é uma coisa muito séria, pois está se criando no Brasil um fortalecimento que vai para esse raciocínio, que me parece retrógrado. Hoje nós abrimos oportunidades para que negros tenham acesso à faculdade. Daqui a pouco precisaremos forçar as empresas a abrir espaço para que eles trabalhem, e lá na frente teremos discussões do tipo: 'você só está aqui porque eu cedi minha vaga', e a gente não precisa disso. Penso também que exista um problema muito grande de autoestimado negro, então porque é negro não quer estudar, não quer 'pegar no batente' para valer. Lógico que isso não é uma regra, mas muita gente se esconde e descansa nisso. Todos nós temos que levantar muito cedo, trabalhar, matar um leão ao dia, é necessidade, ninguém pode descansar em sua necessidade social, sua cor ou sua raça, todos precisam fazer sua parte.
As pessoas precisam entender e essa é uma conseqüência do evangelho também, que cada um tem que viver de acordo com o que pode. Nossa sociedade é absolutamente consumista, secularizada, e muitos dos próprios cristãos querem ter coisas, mas nós não precisamos ter, precisamos ser diante de Deus, que é muito mais importante. Penso que esse sistema de cotas esteja criando no Brasil um fosso que vai dividir ainda mais e abrir portas para outros problemas sérios, mas o poder público está interessado nisso, ele não se preocupa em nos fazer iguais, é melhor dar 51 reais de bolsa-família do que educar e fazer um planejamento familiar.
Por Juliana Simioni
Fonte: Guia-me

"É em Deus que a gente tem de acreditar" diz vítima da enchente em SP


Assim que gotas de chuva começam a molhar o teto da casa de dona Isabel Roufino Matias, 39 anos, o sono e a tranquilidade dão lugar à preocupação. Ela vive com o marido e três famílias em um barraco de três cômodos, a 20 metros aproximadamente de onde aconteceu a última tragédia no morro do Macuco, em Mauá. O medo de perder a casa e todos os bens não é tão grande. O que preocupa Isabel é o filho de 10 anos, que necessita de sonda 24 horas para receber medicação. A criança não anda e precisa de cuidados constantes.


O morro atrás do pequeno barraco já apresenta abalos. Alguns metros acima, uma residência está vazia e recebeu a placa de ‘interditado'', instalada pela Defesa Civil.


"Depois do acidente ninguém veio aqui dizer se estamos ou não em área de risco", disse a dona de casa.


Por via das dúvidas, ela tomou atitude: improvisou um quarto no puxadinho feito em frente ao barraco. "Assim ele não fica perto do morro, que pode cair", explicou.


Desde terça-feira, ela não dorme direito. O marido até tenta manter a coragem. "A gente mora aqui há três anos e nunca aconteceu nada. Não é agora que vou apavorar", disse João Carlos da Silva, 43. Mas intuído a imaginar uma cena de emergência, o desempregado demonstra apego à fé. "É em Deus que a gente tem de acreditar, pois aqui ninguém vem ajudar", lamentou Silva


MINHA MAMA
Próximo da casa de dona Isabel, outra dona de casa cansou de esperar pela ajuda da Defesa Civil. Tomada pelo medo de ser vítima de deslizamento de terra, Edna Regina Caetano, 51, está de malas arrumadas. Ao primeiro sinal de que a casa vai ceder, ela promete pegar a filha e correr para a casa de parentes.


A mãe de 70 anos morava junto e não conseguia se locomover por conta de recente derrame. Foi levada para a casa do irmão, em São Mateus. "Minha mama é tudo para mim. A assistente social prometeu que a Prefeitura levaria a mama para um lugar seguro. Mas não veio até agora", disse Edna, contendo as lágrimas.


As paredes do quarto que abrigava dona Edna, a filha e a mãe, estão rachadas e com infiltração. "Agora a gente vai dar um jeito de sair daqui. Tive que fazer alguma coisa para proteger minha mãezinha."


Crianças estão apavoradas com episódios que deixaram mortos
Os quatro filhos da dona de casa Rita de Cássia Ferreira, 38 anos, estão apavorados desde terça-feira, quando ouviram o estrondo de uma porção de terra desmoronando, no morro do Macuco, em Mauá.


Desde então, ela vive na casa da irmã, em São Paulo. Todos os dias ela retorna ao Macuco para recolher alguma roupa e dar comida ao cachorro de estimação. A casa está interditada.


Ela sempre volta sozinha e com as lágrimas por cair. Traumatizados com as quatro mortes que aconteceram nos últimos dez dias, os filhos temem acompanhar a mãe ao antigo lar. "Eles choram quase todos os dias. Não querem me ajudar a pegar nossas coisas, pois temem que a casa caia", relata a mulher.


Em um quartinho da casa, ela improvisou um altar para orações. O pastor fazia as pregações todos os domingos, e há alguns meses ela e os vizinhos somavam fé para que nenhum deslizamento de terra soterrasse as residências. "Mas depois que o barraco caiu na terça-feira, o pastor foi embora e agora não fazemos nossas orações aqui", comentou.


Fonte: Diário do Grande ABC

O pequeno vira-lata corre feliz para o colo de dona Rita. Ela pega o animal no colo, faz carinho, brinca um pouco e depois desaba em choro. "É triste ter que ir embora. Morei aqui minha vida inteira e éramos muito felizes. Agora meus filhos estão apavorados e não sei o que fazer da vida", lamentou.


Via: www.guiame.com.br

Família de pastor que passava férias em Friburgo ainda não encontrou o filho

Graça e Paz irmãos(as),

Pedimos a oração a todos(as) vocês a favor das vítimas de enchentes no Rio de Janeiro.


O Heldai Araújo Ramos da Silva, 11 anos, filho do Pr. Márcio Ramos (de Ribeirão Preto: Vila Virginia), estava visitando parentes com alguns primos em Nova Friburgo/ RJ e devido grande quantidade de chuvas fortes, houve um deslizamento de terras atingindo a casa onde 7 pessoas da mesma família estavam. Isto aconteceu por volta das 4h30’ no dia 12/01/2011, até o momento as vítimas encontram-se desaparecidas. Contamos com suas orações pela família do Pr. Márcio Ramos, esposa Cíntia Virgínia e a filha Samara Araújo, para que Deus continue confortando-os neste momento tão difícil.


O bispo Adonias esta em contato com o pr. Marcio e deve ir ao Rio de Janeiro para acompanhar o Pastor e sua familia.
Envie este e-mail para os membros da Igreja tomar ciência e também unir conosco em oração. Neste domingo, dia 16/01/2011, pedimos a todos os pastores(a)s, que levantem um clamor por esta família em sua igreja local e, junto com este clamor levante uma oferta especial a fim de que possamos abençoar vidas de irmãos(as) das áreas atingidas, 1ª Região e 4ª Região. Por gentileza, assim que efetuarem o depósito encaminhe para a Sede Regional o comprovante de depósito para a identificação, podendo ser via fax (17) 3353-1198 ramal 211 ou via e-mail tesouraria5re@metodista.org.br


Qualquer necessidade, ligue para Sede Regional (17) 3353-1198
Bispo Adonias
 
Fonte: Metodista

Mais de 50 Religiões Pedem ‘Busca pela Alma’ na Carta ao Congresso

Mais de 50 líderes religiosos proeminentes, incluindo os pastores de mega-igrejas TD Jakes e Joel C. Hunter, assinaram uma carta aberta aos membros do Congresso encorajando “busca pela alma” nacional e urgindo discurso civil na sequência do trágico tiroteio do Arizona.
  • faith-in-public-life-letter-christian-post
    Mais de 50 líderes religiosos proeminentes, incluindo os pastores de mega-igrejas TD Jakes e Joel C. Hunter, assinaram uma carta aberta aos membros do Congresso encorajando “busca pela alma” nacional e urgindo discurso civil na sequência do trágico tiroteio do Arizona.
A carta – assinada por líderes de várias religiões evangélicas, Protestantes, Católicos, Judeus, e Muçulmanos – foi publicada em anúncio de página inteira “Roll Call,” na quinta-feira.
Ela também incluiu notáveis líderes cristãos, o Rev. Canon Peg Chemberlin, presidente do Conselho Nacional de Igrejas, os quais representam 45 milhões de pessoas; o Rev. Jim Wallis, presidente e CEO da Sojourners; e o Rev. Richard Cizik, presidente da New Evangelical Partnership for the Common Good.
“Como os americanos e membros da família humana, nós estamos tristes pela tragédia recente em Tucson, no Arizona. Como líderes Cristãos, Muçulmanos e Judeus, nós oramos juntos por todos os feridos, incluindo a deputada do Congresso Gabrielle Giffords enquanto ela luta por sua vida,” abre a carta posta junta pela Faith in Public Life, uma organização que ajuda líderes emergentes religiosos a avançarem a fé na praça pública como um bem comum.
“Nossos corações partidos por aquelas vidas perdidas e pelos entes amados deixados para trás. Nós também estamos com vocês, nossos representantes eleitos, enquanto você continua a servir nossa nação enquanto lida com o trauma desse ataque sem sentido.”
Em 8 de janeiro, Jared Loughener abriu fogo em um encontro público organizado por Giffords, que foi baleado na cabeça e permanece em uma condição crítica. O atirador de 22 anos, atirou em outros 19, matando o Juiz do Distrito Federal John Roll, um dos seis que morreram durante o incidente.
O tiroteio do Arizona provocou uma retórica por especialistas da mídia liberal e líderes políticos que culpam os seus homólogos de incitar a violência e o ódio no espectro político.
Alguns mencionaram o líder Tea Party Sarah Palin cujo website do comitê de ação política usou imagens para marcar os distritos Democráticos que estava sendo alvo no período intercalar de Novembro. O candidao do Senado Republicano Sharron Angle tem sido acusado por usar linguagem de ódio na campanha eleitoral.
Muitos políticos e líderes cristãos, incluindo Franklin Graham, emitiram declarações para denunciar fortemente as acusações e exortar os líderes públicos a moldarem o civismo em atos e palavras.
A carta conjunta pelos líderes da fé ecoou o mesmo sentimento.
"Esta tragédia tem estimulado um tempo extremamente necessário de reflexão e diálogo com o público nacional sobre violência e virulenta retórica política," afirmou líderes religiosos. "Nós apoiamos fortemente a reflexão, enquanto estamos profundamente incomodados com esse rancor, ameaças e incivilidade que se tornaram comuns nos nossos debates públicos."
Os líderes religiosos também convidaram os membros do Congresso, em vez de envolver os adversários políticos, num espírito de partilha de valores americanos de civilidade e cooperação.
"Nós apreciamos os sacrifícios que você faz e os riscos que incorrem, ao aceitar um chamado para o serviço público, e nós pedimos que você continue a atuar como comissário de bordo da nossa democracia, envolvendo adversários ideológicos e não como inimigos, mas como companheiros americanos," insistiram eles na carta.
Discursando em uma cerimônia no Arizona para uma vítima de tiroteio, quarta-feira, o presidente Barack Obama desafiou os americanos que não fazem "explicações simples."
"A verdade é que nenhum de nós pode saber exatamente o que provocou este ataque vicioso," disse ele. "O que não podemos fazer é usar essa tragédia como mais uma ocasião para ligar um ao outro."
Os signatários da carta aberta se comprometeram a "promover um ambiente propício para os debates importantes e difíceis tão cruciais para a democracia americana."
A carta conclui: "Em nossas Igrejas, mesquitas e sinagogas, que não vêm juntas como membros de uma determinada ideologia ou partido político, mas como filhos de Deus e os cidadãos chamados a construir uma União mais perfeita. Oramos para que você faça o mesmo."

Exército chega para ajudar nas buscas em Teresópolis Equipe é formada por 47 homens. Retroescavadeiras e ferramentas de escavação vão ajudar nos resgates.

Exército chega para ajudar nas buscas em Teresópolis
Exército levou caminhões para ajudar nas
buscas em em Teresópolis (Foto: Thamine Leta/G1)
O Batalhão de Engenharia do Exército enviou 47 homens e equipamentos para ajudar nas buscas por vítimas das regiões mais atingidas pela chuva em Teresópolis, na Região Serrana do Rio.
De acordo com o capitão Alison, os homens saíram de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio e seguiram em direção a Região Serrana na tarde desta sexta-feira (14). Segundo ele, outra equipe do batalhão está em Nova Friburgo.
Entre os equipamentos disponibilizados pelo exército, estão retroescavadeiras, carregadeiras e ferramentas de escavação Junto com o batalhão de engenharia, outras equipes do batalhão de logística e artilharia do exército também estão na cidade. O número de mortes em Teresópolis já chega a 229.
“Vamos nos reunir com os bombeiros e definir os pontos que vamos trabalhar. Começaremos imediatamente”, disse Alison.
O número de mortos na Região Serrana já passa de 530. Nesta manhã, 225 homens da Força Nacional de Segurança chegaram à Região Serrana do Rio de Janeiro. Eles vão auxiliar nas buscas por vítimas e na manutenção da ordem pública nas áreas atingidas pelos temporais no estado, principalmente em Teresópolis.

Fonte G1 

Mais de 120 t de mantimentos já foram enviadas a Região Serrana Carga enviada inclui cestas básicas e material de higiene. Em Teresópolis, desabrigados estão no ginásio Pedro Jahara.

O secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio, Rodrigo Neves afirmou nesta sexta (14) que cerca de 120 toneladas de mantimentos, cestas básicas e material de higiene já foram enviados a Região Serrana.
Segundo o secretário, por determinação do governador Sérgio Cabral, ele ficará se deslocando entre Teresópolis e Petrópolis para identificar a necessidade dos desabrigados no local. Em Teresópolis, os desabrigados estão no ginásio Pedro Jahara, conhecido como Pedrão. O local é o centro de doações e voluntários dispostos a ajudar.
"Não paramos de enviar mantimentos as regiões atingidas. Pedimos que os prefeitos entrem em contato com o estado e façam as solicitações. Eu ficarei em Teresópolis e Petrópolis, enquanto o vice Pezão está em Friburgo”, afirmou Neves.

Fonte G1

'Não tem nada a ver com pobre ou rico', diz Cabral sobre tragédia no RJ Ele visitou o Vale do Cuiabá, em Petrópolis, na tarde desta sexta-feira. Governador disse que repasse de verbas já está sendo feito.

O governador do Rio, Sérgio Cabral, visitou, durante 30 minutos, as áreas atingidas pelas chuvas no Vale do Cuiabá, em Itaipava, distrito de Petrópolis, na Região Serrana, na tarde desta sexta-feira (14). Acompanhado de uma comitiva formada por assessores e seguranças, o governador percorreu um trecho de van e só desceu no final da estrada do bairro onde avistou muitas casas e carros soterrados. O número de mortos em decorrência das chuvas na Região Serrana já passa de 500.
"Não tem nada a ver com pobre ou rico. É provável que cada vez mais essas ocupações irregulares provoquem danos à natureza que causam esse tipo de tragédia. Agora é hora de solidariedade e trabalhar pela recuperação, e principalmente a limpeza dessa região" disse ele.
Cabral comentou que nunca tinha visto nada igual, e que era a maior tragédia do solo nos últimos tempos. Ele também afirmou que "não é hora de buscar bodes expiatórios".

O SENHOR GOVERNADOR DO RIO DE JANEIRO FALOU QUE NÃO É HORA DE PROCURARMOS POR BODE EXPIATÓRIO . É CLARO QUE NÃO , POIS NOS QUATRO ANOS PASSADOS O QUE O SENHOR FEZ PARA IMPEDIR ESSA TRAGÉDIA ?

SENHORA DILMA , LIBERE LOGO OS RECURSOS PARA AJUDA HUMANITÁRIA AOS DESABRIGADOS DAS ENCHENTES NO BRASIL. ISSO NÃO É PEDIDO DE ESMOSLA , É UM DIREITO DO POVO BRASILEIRO.

NUMERO DE MORTOS NAS ENCHENTES DO RIO DE JANEIRO JA PASSAM DE 600 , EM MINAS SOBE PARA 74 OS MUNICIPIOS EM ESTADO DE EMERGÊNCIA

Subiu de 70 para 74 o número de municípios que decretaram situação de emergência por causa da chuva em Minas Gerais. Entraram na lista São Sebastião da Bela Vista, Conceição do Rio Verde, Pouso Alegre e São José do Goiabal.
As cidades de Alagoas, Itamonte e Carvalhos se encontram em pior situação devido às chuvas. Em Alagoas, os moradores estão isolados por causa da queda das barreiras que dão acesso à cidade. A Defesa Civil do Estado estuda uma maneira de fazer o abastecimento de água no município.
Boletim divulgado na manhã desta sexta-feira pela Defesa Civil de Minas Gerais registra o total de 16.975 desalojados, 2.345 desabrigados, 72 feridos e 16 mortos na região. De acordo com o chefe do Centro de Controle de Emergência da Defesa Civil, capitão Anderson Passos, todas as medidas possíveis estão sendo tomadas, como o abastecimento de água, distribuição de cesta básica, colchões, telhas e kits higiênicos.
"A ajuda do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) tem sido muito importante na desobstrução das pistas e das quedas de barreiras. A previsão é que as chuvas continuem até pelo menos terça-feira. O solo já está encharcado e qualquer chuva pode piorar a situação. A recomendação é que os moradores fiquem atentos e se for preciso deixem suas casas", orienta o capitão Passos.
Segundo ele, é dever da prefeitura de cada município tomar medidas de prevenção às catástrofes naturais. "O ideal seria que não deixassem a população ocupar as regiões de encosta, uma vez ocupadas é necessário um cuidado especial. Esse é um problema histórico no Brasil, as medidas só são tomadas na véspera das chuvas."
O professor do Instituto de Geociência da Universidade de São Paulo (USP), Edílson Pissato, destaca que é possível fazer mapeamentos, indicando áreas e seus graus de risco. "A partir desses mapeamentos é possível prevenir a população, executar obras de contenção e tomar medidas emergenciais", diz. Ele ressalta ainda que as catástrofes que ocorreram nos últimos dias poderiam ter seus efeitos minimizados caso os mapeamentos fossem utilizados de forma correta.
A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de tempo encoberto, com pancadas de chuvas na Região Sudeste durante todo o dia. Em Minas Gerais, uma frente fria mantém o tempo instável e com muitas nuvens.

Frente Evangélica quer sustar regras sobre reprodução assistida

Para os deputados evangélicos a permissão de técnicas de fertilização em laboratório para homossexuais devem ser normatizados em lei e não por resolução.

O presidente da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO), quer sustar a recente resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) que estabelece novas regras para a reprodução assistida. Entre outros pontos, o texto permite que mulheres solteiras e casais homossexuais femininos recorram às técnicas de fertilização em laboratório e prevê o uso de material biológico após a morte do doador. No caso de um casal homossexual masculino, o uso de barriga de aluguel dependerá de autorização dos conselhos regionais de Medicina (CRMs).

Para João Campos, esses temas deveriam ser tratados em lei e não em uma resolução. "Estou providenciando uma proposta de decreto legislativo para suspender os efeitos dessa resolução e recomendei à minha assessoria a possibilidade de alguma medida judicial", informa Campos.

O deputado aguarda a conclusão de um estudo para saber se a suspensão pode ser obtida por meio de uma ação judicial. A resolução do CFM foi publicada no Diário Oficial da União no último dia 6.

Insegurança jurídica
A advogada Letícia Osório de Azambuja, da Comissão de Bioética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), defende a normatização de assuntos relacionados à reprodução assistida como forma de garantir a segurança jurídica. Ela ressalta que as leis atuais não são específicas e geram muitas discussões. "E essas discussões acabam caindo no Judiciário”, diz.

Letícia Azambuja lembra que o Congresso Nacional dificilmente aprova leis sobre o tema, principalmente por falta de apoio das bancadas religiosas.

Já o presidente da Frente Evangélica argumenta que a falta de legislação não pode ser atribuída aos debates religiosos. Para ele, os projetos sobre reprodução assistida não se convertem em leis em virtude de argumentos jurídicos, científicos, éticos e de moral. A frente tradicionalmente se opõe a assuntos como aborto e união civil de pessoas do mesmo sexo.

Dado da realidade
O presidente da Comissão de Seguridade Social e Família, deputado Vieira da Cunha (PDT-RS), considera que a bancada evangélica tem todo o direito de sustentar as suas posições e de arguir a ilegalidade da resolução do CFM. Porém, segundo ele, o CFM também agiu no exercício da sua competência, que é a de orientar os médicos e baixar resoluções sobre padrões éticos no exercício da Medicina.

“No que diz respeito à polêmica do casal homossexual se valer da reprodução assistida, os tribunais têm reiteradamente reconhecido a situação de fato criada pela união homossexual, que gera efeitos jurídicos independentemente das nossas convicções religiosas”, ressalta Cunha. “Não podemos desconhecer a realidade, e se ela existe as consequencias têm que ser reguladas no mundo do Direito, independentemente de concordarmos com a união homoafetiva. Portanto, o CFM agiu bem”, conclui o deputado.

Diferenças

A presidente em exercício da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, deputada Janete Rocha Pietá (PT-SP), informou que concorda com a resolução do CFM.

Segundo a deputada, a Frente Evangélica está empenhada numa série de ações que têm a homofobia como motivadora fundamental. Ela cita, por exemplo, as críticas feitas por integrantes da frente às cartilhas contra a homofobia nas escolas. “A frente está muito atuante, mas não concordo com essa postura. Temos de travar neste ano no Parlamento uma discussão sobre o respeito às diferenças”, destaca.

Ela disse respeitar a Frente Evangélica, mas ressaltou a importância de combater todas as formas de preconceito e de lutar por uma sociedade na qual não haja nenhuma forma de discriminação, como determina a Constituição Federal.

Fonte: Agência Câmara

Vem aí o 6º Summer Gospel , Louvor à beira-mar em Bertioga será no dia 29 de janeiro, com PG, Daisy Houston, Templo Soul, David Fantazzini e convidados


 
Robinson Monteiro no Summer Gospel de 2010.jpg
A praia da Enseada, em Bertioga, próximo ao Forte São João, será palco da sexta edição do Summer Gospel, o maior festival de música evangélica da Baixada Santista. O evento, que é organizado pela Igreja Graça e Vida, mais uma vez abençoará o litoral com o melhor do louvor à beira-mar. A expectativa da organização é reunir 15 mil pessoas, com entrada gratuita. "A prefeitura já confirmou seu apoio, com uma estrutura especial do projeto Verão Azul. Será uma grande noite de adoração, para impactar Bertioga", diz o pastor-presidente da Graça e Vida, Grimaldo Almeida.
O festival será dia 29 de janeiro, sábado, a partir das 21 horas, e contará com a presença de renomados nomes do panorama musical evangélico. A Banda MGV, anfitriã do evento, receberá PG, símbolo do rock gospel; Templo Soul, com o melhor da black music ; Daisy Houston, cantora revelação do Programa Raul Gil e que já figura como uma das grandes promessas da música evangélica nacional, o cantor e pastor David Fantazzini, com seu louvor abençoado e o cantor e pastor Tino, que já levou milhares de pessoas a adorarem ao Senhor com a canção "Quando o Vento Soprar".
E a festa continua no domingo, a partir das 19 horas, na sede da igreja Graça e Vida, com Robinson Monteiro, que sempre marcou presença no Summer Gospel, e a Banda DK6. A igreja fica na rua Bartolomeu Fernandes Gonçalves, 701, Vila Itapanhaú.
 
Verão Azul
O festival está inserido no projeto Verão Azul Bertioga 2011, promovido pela prefeitura. Durante todo o mês de janeiro, a praia da Enseada terá vários shows gratuitos e atividades esportivas.
 
Confira o hot site do Summer Gospel no link: www.portalexibir.com.br/summergospel
 
cid:5F50E075B01544F8A07409A23B90FE96@Rodrigo
 
Miliane Moraes
miliane@exibircomunicacao.com.br
Ana Lima
analima@exibircomunicacao.com.br
Tel.: (11) 2312-0523
Rua Delphino Alves Gregório, 365
Mogilar - Mogi das Cruzes/SP

ENCHENTES EM JAGUARIÚNA - Chuvas deixam mais de 50 famílias desabrigadas em Jaguariúna Forte temporal deixou bairros inteiros ilhados

Mais de 50 famílias ficaram desabrigadas em Jaguariúna, a 123 km de São Paulo, em razão de fortes chuvas na madrugada desta quinta-feira (13). Bairros inteiros ficaram ilhados.

A Defesa Civil informou que as comportas do sistema Cantareira, do qual faz parte o rio Jaguari - um dos principais da região -, estão sempre abertas. O órgão diz que o transbordamento foi ocasionado pelo excesso de chuvas.

No bairro Jardim Paraíso, cerca de 15 casas ficaram alagadas. Segundo a Defesa Civil, em 12 horas o rio subiu 2,5 m. Muitas casas foram tomadas pela água e o que deu para ser salvo foi direto para caminhões de mudança. As famílias que moram na região pensam em se mudar.

A chuva não deu trégua no interior paulista e o trabalho de prefeituras e departamentos de Defesa Civil tem sido ininterrupto. As rodovias que ligam Amparo a Morungaba (SP-360) e Amparo a Pedreira (SP-95) foram interditadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem hoje, por determinação da Defesa Civil do Estado. A água invadiu a região e deixou os moradores ilhados. O acesso ao município de Amparo e a passagem do distrito de Arcadas ao centro da cidade ficaram bloqueados. A Defesa Civil retirou cerca de 40 famílias de suas casas. Elas foram para residências de parentes e amigos, além de terem um ponto de apoio na escola municipal Pica Pau. Uma ponte no bairro Palhares, na área rural, rompeu e a área foi isolada.
Em Atibaia, as enchentes prejudicaram 1.018 famílias, sendo 927 desalojadas e 176 desabrigadas, de 16 bairros atingidos. Não houve vítimas, mas a prefeitura decretou situação de emergência na última terça-feira e mantém cinco abrigos em quatro bairros, nos quais estão 176 pessoas. Segundo informou a administração, o prejuízo estimado depois dos estragos causados pelas enchentes chega a R$ 11 milhões. As cheias começaram por causa do transbordamento do rio Atibaia. Na madrugada do dia 11, foram registrados 160 milímetros de chuva, mais do que a metade do esperado para o mês de janeiro inteiro.
A Defesa Civil de Jaguariúna registrou alagamento em 15 bairros. Os bairros atingidos pela cheia do rio Jaguari foram Jardim Paraíso, Estrada Santa Júlia, Jardim Botânico, Berlim, Santa Cruz, Novo Jaguari, Nova Jaguariúna, Estância das Flores e Roseira de Baixo, além da Avenida Marginal, principal via de acesso ao centro da cidade. As águas do rio Camanducaia provocaram alagamentos em vários pontos dos bairros Recanto Floresta, Bom Jardim e Recanto Camanducaia. A cheia do rio Atibaia atingiu algumas ruas do bairro Tanquinho e Loteamento Long Island. A prefeitura informou que 30 famílias tiveram de ser removidas na manhã de hoje. Parte delas está alojada em pousadas da cidade com estadia paga pela prefeitura. Algumas famílias foram para casa de parentes ou amigos. A Defesa Civil mantém monitoramento constante dos três rios que cortam Jaguariúna - Jaguari, Camanducaia e Atibaia.
Em Campinas, de 13 casas condenadas pela Defesa Civil no Jardim Eudóxia (região sul), sete foram demolidas até hoje. As famílias foram encaminhadas ao programa auxílio-moradia e receberão R$ 350 mensais por 12 meses, prorrogáveis por outros 12 meses. No bairro Piracambaia (região norte), 30 moradias foram invadidas pelas águas do rio Atibaia. As famílias deixaram suas residências e 14 delas foram para um abrigo público municipal no distrito de Barão Geraldo. As outras foram para casas de amigos e parentes. Desde o início das enchentes, 50 famílias foram para abrigos públicos e seis, para casas de parentes ou amigos.
Pedreira registrou quatro pontos de alagamento e ao menos 13 deslizamentos hoje. Às 6h15 da manhã de hoje, o acesso ao bairro Estância Santa Rita foi interditado e o trânsito, desviado. O atendimento em uma creche da Vila São José foi suspenso porque a água começou a invadir o prédio.

Em Sumaré, também em situação de emergência, a prefeitura estima um prejuízo de R$ 8,6 milhões. Há 179 pessoas desabrigadas, 3.928 desalojadas e um total de 6.250 famílias prejudicadas pelas enchentes. Foram 37 os bairros atingidos, 750 casas (cinco delas totalmente destruídas) e seis pontes danificadas.


Fontes . Agencia Estado /R7
Via Gritos de Alerta

Falta de planejamento fez chuva no Brasil matar mais que na Austrália, diz especialista da ONU

Na Austrália, inundações haviam provocado 13 mortes até a última quarta-feira. No RJ já são mais de 500.

A falta de “comunicação” e de um plano de emergência fez com que as fortes chuvas na região serrana do Rio resultassem em uma tragédia maior do que a ocorrida em Queensland, na Austrália, também submersa recentemente pelas águas. A opinião é de Margareta Wahlström, subsecretária-geral da ONU para a Redução de Riscos de Desastres.

“Por causa da ocorrência de ciclones, a Austrália já tinha começado a se preparar para o imprevisível. As autoridades sabem como evacuar as áreas e a população escuta as orientações pelo rádio”, explicou à BBC Brasil.

No país da Oceania, inundações em três quartos do Estado de Queensland haviam provocado 13 mortes até a última quarta-feira. Na serra fluminense, o saldo de mortos passou de 500 na noite de quinta-feira.

Para Wahlström, o Brasil poderia ter evitado mortes se tivesse planos de emergência eficazes. Ela cita como exemplo iniciativas de outros países em desenvolvimento, como a Indonésia, que "apesar de ser uma nação pobre, têm planos de evacuação diante de ameaças de terremoto e de erupção de vulcão, por exemplo".

"São iniciativas que salvam vidas", diz ela.

Monitorar as áreas de risco e montar um sistema de alerta - com a designação de um líder para orientar a população e a criação de abrigos pré-definidos para receber moradores - são medidas consideradas básicas por Wahlström para evitar mortes como as ocorridas em Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo.

“As pessoas precisam saber para onde ir e como ir, qual seria o caminho mais seguro. Uma solução comum são centros comunitários preparados para receber a população”, afirmou à BBC Brasil.

Wahlström tem mais de 25 anos de experiência em gestão de catástrofes e coordenou pelas Nações Unidas a assistência às comunidades atingidas pelo tsunami de 2004 na Ásia. Em 2010, viu de perto no Rio de Janeiro as consequências da chuva no início do ano. No mês passado, esteve em Queensland, no local que está sendo assolado pelas enchentes.

“No Brasil, ainda há muito a ser feito em termos de planejamento urbano. Os governos têm que trabalhar com a população e realmente proibir construções em áreas de risco. Muitas regulamentações existem, o problema é que nem sempre são cumpridas”, disse a subsubsecretária-geral da ONU para a Redução de Riscos de Desastres.

Segundo Wahlström, os desastres naturais nos últimos 10 anos provocaram prejuízos de quase US$ 1 trilhão na economia global. São perdas que poderiam ser em grande parte evitadas. Um estudo citado pela representante da ONU aponta que, para cada US$ 1 investido em prevenção, é possível economizar pelo menos US$ 7 em resgates e reconstrução.

“Não é necessário sofrer assim. Há uma escolha (a ser feita), e a escolha é planejar. O número de desastres vai continuar crescendo, e todo investimento em planejamento é um bom investimento”, opinou.

Fonte: UOL

Sociedade se mobiliza para ajudar as vítimas dos temporais

Saiba como fazer doações para as vítimas das chuvas no Rio de Janeiro, onde já morreram mais de 500 pessoas.

Os apelos para ajudar as vítimas das chuvas na região serrana do Rio começaram a surtir efeito ontem. As secretarias estaduais, bombeiros, Polícia Militar, Metrô e diversas ONGs, como Cruz Vermelha e Viva Rio, disponibilizaram pontos de coleta de donativos. Mais de 60 toneladas de mantimentos e 2 mil colchões já foram enviados pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos para as principais cidades atingidas.

A solidariedade surpreendeu até os funcionários do Instituto Estadual de Hematologia do Rio de Janeiro (Hemorio). Cerca de mil doadores compareceram ao local - a média diária é de 300, mas cai para 200 nas férias -, a fila de espera chegou a três horas e a instituição foi obrigada a estender o horário de atendimento. Até as 20 horas, mais de 600 bolsas tinham sido coletadas.

O Hemorio abastece cerce de 180 hospitais no Estado e havia pedido doação especial anteontem. A instituição lembra que só as pessoas entre 18 e 65 anos podem doar sangue. É preciso pesar mais de 50 quilos, estar bem de saúde e levar um documento oficial com foto. São 26 postos de atendimento, que funcionam das 7 às 18 horas. Para saber qual é o mais próximo, basta ligar para 0800-282-0708.

Necessário

Em situações de calamidade, uma das dificuldades para distribuir os donativos é o tamanho das embalagens. Muitas vezes, não há nem voluntários suficientes para triagem nem espaços adequados para a separação sem que a qualidade dos alimentos seja comprometida. Por isso, é melhor doar água mineral em garrafas, por exemplo. Além dos alimentos não-perecíveis, os de pronto consumo - como massas e sopas desidratadas, biscoitos e cereais - facilitam o atendimento aos desabrigados e desalojados.

Leite em pó, cestas básicas, materiais de higiene e limpeza, fraldas descartáveis, absorventes, velas, isqueiros, agasalhos, roupas de cama e banho, cobertores e colchões estão na lista de prioridades. Em Sumidouro, por exemplo, a prefeitura comprou todos os colchões que estavam à venda na cidade, mas não foram suficientes. Já a prefeitura de Teresópolis pede também gelo, termômetros, luvas descartáveis, lanternas e motosserras. A Viva Rio também recebe eletrodomésticos.

Internet

Usuários de redes sociais trocavam telefones ontem para combinar o transporte de mantimentos. Também divulgavam endereços de postos de arrecadação e contas bancárias. Até Petkovic, jogador do Flamengo, divulgou ter aberto uma conta para ajudar (veja abaixo).

As Estações de Metrô Ipanema-General Osório, Siqueira Campos, Botafogo, Carioca, Glória, Largo do Machado, Catete, Central, Saens Peña, Nova América-Del Castilho e Pavuna viraram postos de arrecadação. Assim como as Lojas Americanas e os Shoppings Bangu, Carioca, Duque de Caxias, Passeio, Santa Cruz, Grande Rio, Via Parque, Iguatemi e Leblon, o Ministério Público Estadual, a Defesa Civil e as filiais fluminenses do Sesc, Senac, Sesi e Senai.

Saiba como fazer doações para as vítimas das chuvas

O governo do Estado e as prefeituras de cidades atingidas pelas chuvas na região serrana do Rio estão recebendo doações em dinheiro e de materiais diversos. Mais de 500 pessoas já morreram nas cinco cidades afetadas.

A Prefeitura de Teresópolis abriu uma conta bancária para receber as doações. A conta, do Banco do Brasil, aceita depósitos de qualquer valor. O número da agência é 0741-2 e o número da conta é 110000-9.

Doações de alimentos, roupas, cobertores, colchonetes e itens de higiene pessoal (sabonete, pasta dental, fralda descartável, absorvente) podem ser entregues no ginásio Pedro Jahara ("Pedrão"), à rua Tenente Luiz Meirelles, 211, centro.

O local também recebe famílias desabrigadas pelo temporal, e uma estrutura emergencial está sendo montada, com tendas e banheiros públicos.

Em Petrópolis, a Secretaria de Trabalho, Ação Social e Cidadania montou dois postos para doações de água, colchonetes e materiais de limpeza e higiene na região de Itaipava.

Um deles fica na Igreja Wesleyana, no vale do Cuiabá, e outro na Igreja de Santa Luzia, na estrada das Arcas. Um terceiro posto foi montado na sede da secretaria, no centro da cidade, na rua Aureliano Coutinho, 81.

A Secretaria de Governo também está recebendo doações de qualquer tipo de para as vítimas das chuvas. O governo alerta que água mineral e leite em pó são alguns dos itens mais necessitados na região, devido ao grande número de crianças desabrigadas.

Todos os batalhões da Polícia Militar do Rio e os 106 quartéis do Corpo de Bombeiros também estão recebendo doações.

A Secretaria de Assistência Social montou postos de doações na capital e nas cidades afetadas: rua Voluntários da Pátria, 120, Botafogo, no Rio; rua General Castrioto, 589, Barreto, em Niterói; rua General Osório, 12, centro de Petrópolis; estrada União Indústria, 11.850, Itaipava; rua Josafá Cupelo, 390, Fátima, em Teresópolis; avenida Julius Antônio Thuller, 480, Olaria, em Nova Friburgo.

A ONG Viva Rio também realiza campanha de arrecadação de roupas e alimentos para a região serrana. As doações podem ser feitas na sede da ONG na cidade do Rio, na rua do Russel, 76, Glória. Mais informações pelo 0/xx/21/2555-3750.

A Polícia Rodoviária Federal no Rio está colaborando no atendimento às vítimas. Todos os postos, delegacias e a sede da corporação estão recebendo doações --são cerca de 25 locais ao longo dos 1.400 km de rodovias federais no Estado.

Quem quiser colaborar pode ligar para o telefone 191 e se informar sobre o ponto mais próximo. Os donativos serão repassados à Cruz Vermelha Brasileira, que vai fazer a triagem e distribuição dos mantimentos.

O Ministério Público do Rio também está recebendo doações, que serão encaminhadas à Defesa Civil estadual. As doações são aceitas na sede da instituição, à avenida Marechal Câmara, 370, no centro do Rio. O local funciona das 10h às 17h, de segunda a sexta-feira.

A Defesa Civil de Angra dos Reis, cidade fluminense arrasada por deslizamentos no início de 2010, vai montar dois postos de arrecadação no centro: na Casa Laranjeiras, em frente à praça Zumbi dos Palmares; e na praça Codrato de Vilhena. As equipes estarão nos pontos das 9h às 16h30.

"É um momento de nos solidarizar com essas cidades que enfrentam a dor da perda de seus cidadãos e de seus bens materiais. Nós já passamos por isso, e a ajuda de todos foi imprescindível para a retomada de nossas vidas", afirmou o secretário de governo, Alexandre Soares.

Nas lojas do grupo Pão de Açúcar na Grande São Paulo e no Rio foram montados postos de coleta de arrecadação de donativos às vítimas dos dois Estados. São 330 estabelecimentos das redes Pão de Açúcar, CompreBem, Extra e Assaí que recebem alimentos, roupas e cobertores até o dia 26 de janeiro.

A Federação Israelita do Rio montou três postos de arrecadação na capital fluminense: rua Barata Ribeiro, 489, Copacabana; rua das Laranjeiras, 364, Laranjeiras; e rua São Francisco Xavier, 104, Tijuca.

O Itaú Unibanco abriu uma conta para receber doações para o Fundo de Assistência Social do Rio. A conta aceita depósitos de qualquer valor. O número da agência é 5673, e o da conta é 00594-7. O CNPJ do fundo é 02932524/0001-46.

As agências do banco no Rio também recebem roupas, cobertores, materiais de limpeza e higiene, água e alimentos.

O Bradesco também abriu uma conta, em nome da Obra Social do Rio, para receber doações. Os dados da conta são: agência 3176-3, conta 500001-7.

A Caixa Econômica Federal abriu uma conta para a Defesa Civil estadual. As doações, destinados ao atendimento dos moradores da região serrana, podem ser feitas na conta 2011-0, agência 0199, operação 006.

Os 63 restaurantes do McDonald's na cidade do Rio estão recebendo donativos --menos alimentos. A rede de fast food pede fraldas, cobertores, toalhas, e produtos de higiene e limpeza.

SANGUE

O Hemorio, órgão da Secretaria de Saúde, precisa de cerca de 300 bolsas de sangue para as vítimas das chuvas no Rio de Janeiro. Esse número pode aumentar dependendo da demanda dos hospitais locais.

Por problemas de infraestrutura, falta de luz e bloqueio das estradas, os postos de coletas nas três cidades da região serrana não estão funcionando.

Para doar sangue é preciso ter entre 18 e 65 anos de idade, pesar mais de 50 quilos, estar bem de saúde e levar um documento oficial de identidade com foto.

A população pode comparecer ao hemocentro (r. Frei Caneca, 8, região central), das 7h às 18h, ou em um dos 26 postos de coleta de sangue no Estado. Para informações sobre endereços e horários basta ligar no 0800-282-0708.


QUATRO PERGUNTAS PARA...

Ana Angélica Ferreira Couto, PSICANALISTA

1. Por que as pessoas se mobilizam para ajudar os atingidos por tragédias como a do Rio?

Apesar de as pessoas estarem distantes fisicamente desses grandes desastres, a TV e os jornais as colocam emocionalmente muito próximas dos fatos. Essa emoção faz agir. Forma-se uma corrente que afeta mesmo quem nada sofreu diretamente. São pessoas que hoje também se sentem cada vez mais vulneráveis.

2. Essa emoção com os recentes acontecimentos no Rio aparece no consultório?

Sim. Em todas as sessões que fiz nos últimos dias, o tema das enchentes no Rio veio à tona. As pessoas chegam ao consultório e choram. A cena daquela senhora sendo resgatada no meio da enxurrada, por exemplo, foi muito citada pelos pacientes. É uma mistura de medo, angústia, que provoca a solidariedade.

3. Como o impacto dessas tragédias se reflete no dia a dia?

Desde a tragédia de Angra dos Reis, no ano passado, tive de conversar com crianças que ficaram impressionadas com as cenas. As mães me contam que, quando começa a chover, elas ficam com medo de que a casa onde moram sofra os males ocorridos nesses locais de tragédia. (No dia 1.º de janeiro de 2010, a chuva em Angra fez 52 vítimas)

4. Como a senhora lidou pessoalmente com a tragédia?

Fiquei muito nervosa. O consultório está localizado em Nova Iguaçu e uma paciente havia viajado a Petrópolis para passar férias. Fiquei muito apreensiva, sem notícia dela. Mas consegui contato e soube que está tudo bem. Mas a comoção desse caso é incomparável. O sofrimento parece mais visível e também estou muito emocionada.

A tragédia em imagens:
Veja mais de cem fotos das enchentes no Rio de Janeiro. Clique aqui.

Fonte: Estadão e Folha Online

corpos de 2 vítimas da chuva são achados em cidade vizinha

A Defesa Civil de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, informou nesta sexta-feira que dois dos 41 corpos encontrados no município são de pessoas que desapareceram na cidade vizinha de São José do Vale do Rio Preto. Segundo os bombeiros que atuam no trabalho de resgate, as vítimas teriam sido arrastadas pela enxurrada. A distância entre as duas cidades é de cerca de 50 km.


Terra.

Elizabeth Bathory – Elite Negra – Satanismo‏


A CONDESSA SANGRENTA

No livro de David Icke, intitulado “The Biggest Secret”, [Clique Aqui] o autor desfila vários exemplos de membros da monarquia e milionários que no passado exibiram um comportamento completamente sádico, absolutamente “maldoso” e sanguinolento.

Elizabeth Bathory, a Condessa sangrenta

Hábitos de tão mau gosto que a própria ciência não consegue explicar por que essas pessoas tiveram essas tendências tão estranhas. Afinal qual a graça de empalar centenas e centenas de inocentes e exibi-los mortos a volta de sua casa? (Vlad III, Príncipe da Valáquia, atual Romênia, fazia isso).

Mesmo exemplos mais modernos, como por exemplo, o maníaco do parque (que matava suas vitimas a mordidas) não é explicável, pois o ser humano é um ser vivo herbívoro, que deveria se alimentar apenas de vegetais.

Que anomalias tão estranhas são essas que faz com que herbívoros se comportem como carnívoros? A ciência primitiva da Terra ainda não tem como explicar...

Já David Icke diz que esses fatos são uma evidencia a favor de suas descobertas, ele diz que essas pessoas na verdade são reptilianos encarnados como seres humanos.

Os reptilianos são, segundo as pesquisas tem atestado, seres que tem como base genética o DNA de repteis, são então humanos híbridos repteis, tais como cobras e crocodilos.

Segundo Icke, muitas das pessoas da realeza foram (e são) almas de reptilianos encarnados

Então são como monstros criados geneticamente, onde uma grande porcentagem de DNA animal é misturado com o DNA humano para produzir um ser diferenciado.

Bem claro que essa hipótese é altamente polemica, mas que tem muitas evidencias que a fundamenta, isso tem...

Assim é de se pensar se os crocodilos e cobras acham “horrível” matar outros seres vivos e comer suas carnes ainda quentes...

Será que um crocodilo acharia um corpo esquartejado feio? Como algo repugnante?

Acho que não né? Senão eles morreriam de fome.

E se os crocodilos pudessem pensar racionalmente como um ser humano? Ele teria a mesma tendência de comer outros seres, mordendo-os e esquartejando-os. Mas agora pensariam racionalmente sobre o assunto.

Como seria o comportamento deles? O que falariam?

Bem... é isso que é um “reptiliano”, é um réptil em forma humanóide que tem as fortes tendências dos animais repteis, porém com racionalidade de seres humanos.

Na coroa dos Faraós do Egito, tem duas figuras, uma serpente naja e de um abutre, uma Ave que se alimenta de carniça. Ambas as imagens dão pistas sobre a real natureza das almas que governavam como deuses a humanidade. Ainda hoje essa situação não mudou...

Segundo Icke, e eu concordo com a lógica dele, ao se encarnar almas de reptilianos em corpos humanos, partes da tendência da natureza de animais como cobras e crocodilos permanecem em certa quantidade.

E uma vez que essas pessoas com almas de reptilianos tem um ambiente favorável podem acabar por manifestar essa natureza interna em atos escabrosos, o que explicaria o muito estranho prazer que homens e mulheres no passar da história tiveram em torturar, assassinar e até mesmo beber sangue e comer carne humana de vitimas inocentes.

Um dos casos mais horrorosos que temos na história, e não citado no livro de David Icke, é da condessa Elizabeth Bathory, uma aberração que teve todo o tempo, dinheiro e oportunidade de matar centenas de mulheres inocentes em meio há terrificantes sessões de Terror da pior espécie, e que no entanto era tido como um “festa” para ela e seus cúmplices.

Vejamos a caso então:

Condessa Elizabeth Bathory, tida como a maior assassina de todos os tempos, matou pessoalmente pelo menos 600 mulheres jovens

Ela tinha um prazer sádico em torturar até a morte mulheres jovens e inocentes.

Mais conhecida como "A Condessa Sangrenta", devido aos macabros e depravados crimes que cometeu, Elizabeth Bathory foi uma aristocrata húngara pertencente a uma das mais ilustres famílias da Europa.

De fato desta mesma família também foram Estevam e Sigmund Bathory, que ocuparam os tronos da Polônia e da Transilvânia, respectivamente. Além disso, também vieram dessa mesma família vários dignitários do clero e alguns ministros da Hungria.

Acreditavam que madame Bathory matava jovens donzelas para banhar-se em seu sangue, uma vez que acreditava que, assim fazendo, se manteria sempre jovem e bela.

Dizem que chegou a assassinar perto de 650 pessoas com este propósito.

Cantora Lady Gaga (Lady... entenderam né?) reconhecendo que as pessoas da monarquia são na sua maioria reptilianos encarnados, aqui em seu Clip Bad Romance ela está vestida com uma roupa com obvias referencias as roupas da monarquia, vejam que ela faz posses irônicas se referindo a garras, uma clara referencia aos répteis, achou forçado? Veja o Clip e confiram todas as cenas que vão se sucedendo [Clique Aqui] claro que acho que esse clip é uma brincadeira, mas não deixa de ser interessante notar essas referencias na indústria de entretenimento dos EUA

Atualmente e depois das investigações, não se sabe se o propósito era realmente este, mas de qualquer forma, pode-se assegurar que cometeu realmente uma grande quantidade de crimes, e com extrema crueldade.

A historia de Elizabeth começa em 1560. Seu castelo se encontrava em Cachtice, cidade situada na Slovakia. Também passou parte de sua vida em Viena, onde tinha uma mansão próxima do palácio real, no centro da cidade.

Ali Elizabeth fez construir uma jaula de ferro, dentro da qual torturava as jovens donzelas.

O grande e belo palácio de Elizabeth Bathory, tem uma pessoa nessa foto, consegue ver? Não? Então clique na imagem e veja-a ampliada

Entre seus familiares havia numerosos antecedentes de práticas de magia negra e satanismo. Aliás seu irmão Stephem e sua tia, ambos de marcada tendência homossexual, foram conhecidos libertinos, além disso, deve-se citar o caso de sua antepassada Cara Báthory que além de praticar todo tipo de aberrações sexuais, envenenou seu próprio marido.

Aos onze anos, como era costume entre algumas famílias, Elizabeth foi prometida para Ferenc Nadasdy, filho de outra família aristocrática húngara. Foi viver com a família de Ferenc, no sombrio castelo de Csejthe.

Ali gostava de manter intimidades com outros moços, chegando a engravidar de um deles. Devido a este incidente aos 13 anos, teve o filho em segredo e este lhe foi tomado, casando-se dois anos depois com Ferenc Nadasdy.

Ferenc, posteriormente conhecido como "O Cavaleiro Negro" por suas proezas como general no campo de batalha, era tão cruel como sua mulher.

Esteve a maior parte de seu matrimônio lutando contra os turcos e quando voltava para casa, distraia-se torturando os prisioneiros...

De fato Ferenc ensinou várias técnicas de tortura a Elizabeth. Uma das técnicas de tortura preferidas por Elizabeth era introduzir finas agulhas sob as unhas de suas servas, ou simplesmente, cravá-las em sua pele.

Também diziam que se divertia dando chaves ou moedas aquecidas ao fogo para queimar as mãos dessas moças, ou as atirava nuas na neve para então encharcá-las com água fria e deixá-las ali até morrerem congeladas.

Perversidade além da imaginação

Conta-se que Ferenc ensinou a Elizabeth como manter a disciplina de suas donzelas às custas dessas torturas.

Por Ferenc estar sempre fora de casa, Elizabeth buscou o consolo de numerosos amantes, e de ambos os sexos. Aborrecia-se facilmente com todos e vivia buscando novos divertimentos.

Depois da morte de seu marido em 1604, iniciou obsessivamente certas práticas de bruxaria.

Esta experiência deu à Elizabeth liberdade e criatividade para desenvolver suas próprias perversões. Segundo registros da justiça de 1611, Elisabeth foi presa por atear fogo aos pelos púbicos de uma de suas criadas, mas rapidamente foi solta, já que era uma “condensa”.

A origem da história sobre sua utilização de sangue para fins cosméticos se deu num dia em que, depois de dar uma violenta bofetada numa criada que a estava penteando, esta começou a sangrar e seu sangue salpicou na mão da condessa.

Ela então convenceu-se de que a pele onde havia caído o sangue rejuvenesceu e, a partir daí, começou a tomar banhos de sangue humano para manter sua juventude e beleza eternamente.

Depois dessa macabra experiência cosmética começou uma orgia desenfreada de assassinatos que se prolongou por dez anos, durante os quais seus criados saiam à caça de jovens virgens da região, quando não era ela mesma que as atraia ao castelo com a promessa de emprego.

Banhos com sangue humano, moças adolescentes eram mortas as centenas para encher a banheira da condensa

Citam mais de seiscentos e cinqüenta assassinatos durante esse período. No castelo as moças eram encarceradas nas masmorras à espera de serem degoladas para que seu sangue enchesse a banheira da cruel condessa.

Um dia em que a condessa esteve doente de cama, mandou que lhe trouxessem uma jovem donzela para fazer-lhe companhia, mas quando a moça se aproximou a condessa avançou sobre ela cravando-lhe os dentes no pescoço e no tronco arrancando-lhe pedaços de carne, o que inspirou os autores de romances sobre vampiros anos mais tarde.

Chegou um momento em que guardar tal número de corpos vitimados pela condessa no castelo era um grande problema. Inicialmente a condessa queria que os corpos fossem deixados sob as camas, mas o cheiro era tão insuportável que alguns empregados tomaram a iniciativa de levar esses corpos para um campo nas imediações da cidade.

E foi exatamente esse esparramo de corpos sem sangue que levaram as pessoas a acreditarem na existência de vampiros.

Lady Gaga faz referencia a Lady Bathory, notem como a roupa que ela usa na cena é verde, e as lantejoulas parecem escamas...

Madame Bathory era mais rica que o próprio Rei Mathias II. Por causa disso, quanto chegaram notícias do que estava ocorrendo no castelo da condessa, o rei decidiu atuar de imediato, motivado até por razões econômicas (ou despeito).

Consideraram Bathory culpada de bruxaria e todas suas posses passariam diretamente ao rei.

Entretanto, o conde Thurzo, encarregado do processo contra a condessa, era um grande amigo da família Bathory e acabou fazendo um trato com ela, condenando à morte com terríveis torturas seus cúmplices, e ela própria acabou sendo condenada à prisão perpétua no castelo de Esei.

Morreu aos 54 anos, segundo as informações que pesquisei ficou 4 anos presa.

Inúmeros documentos demonstram a união entre a família Bathory e a família de Vade Tepes, "O Conde Drácula". De fato, um membro da família Bathory, Stephem Bathory, encabeçou o movimento que devolveu a "Drácula" ao trono em 1476.

Ai está, ela e família tiveram todas as chances e recursos para incutir enormes sofrimentos as pessoas, e não desperdiçaram a chance, seguiram suas vidas torturando por prazer, bebendo sangue humano, tomando banho e fazendo rituais satânicos.

No egito, base da inspiração para dizer que pessoas especiais podiam governar as outras por direito divino, as referencias a serpentes é constante e farta, como pode-se ver aqui nessa figura

Mesmo depois de “passar dos limites” (por que ela começou a matar as jovens de outros nobres), ela própria (Elizabeth) foi tratada com muito respeito e no máximo foi presa no próprio palácio em que residia, o que é estranho... sei lá, se ela na verdade deixou uma inocente lá pagando a pena por ela, e partiu para outras cidades onde continuou com suas “diversões” sádicas.

Assim são os reptilianos, quando se encarnam procuram ter o máximo de poder material, uma posição privilegiada na sociedade, para serem uteis na condução dessa sociedade a favor dos interesses dos escravisadores.

O poder nas mãos dos maníacos psicóticos

Segundo Icke (e eu concordo com ele), geralmente as famílias da elite são escolhidas pelas almas de reptilianos para se encarnarem, principalmente as da realeza no tempo da idade média.

Um filme foi lançado em 2008 baseado nessa história, mas o filme é estranhamente tendencioso, pois ele procura suavizar a figura da condensa, o diretor muito suspeitamente escreveu um roteiro a favor da sanguinolenta Condesa, quase que a inocentando aos olhos do publico.

Mas os documentos da época provam ao contrario, ela até é tida pelo Guinness Book como a maior assassina de todos os tempos, já que matou pessoalmente mais de 600 pessoas (todas elas mulheres jovens)

A estátua da liberdade é Verde, já notou isso? Tem uma coroa (referencia a monarquia) e está acentada sobre uma estrela, referencia aos círculos de magia para invocação de espíritos. O verde é claro é uma homenagem a quem realmente governa, os reptilianos

Caio Fábio pode ser chamado para depor sobre Lula, na operação Lava Jato

Caio Fábio Nesta sexta-feira (8), o site O Antagonista informou que integrantes do Ministério Público Federal (MPF) poderão chamar o pas...