domingo, 21 de fevereiro de 2016

OS PERIGOS DA MOCIDADE

O orgulho

Eis o mais antigo pecado do mundo. Deveras, existiu antes do mundo, pois Satanás e os seus anjos caíram pelo orgulho. Ele se encontra em todo coração humano. Faz-nos pensar muito de nós mesmos, recusar todo conselho, rejeitar o Evangelho de Cristo, seguir o nosso próprio caminho; e o orgulho reina poderosamente no coração do jovem!
Quantos moços não ficam presunçosos, ativos e impacientes, desprezando o conselho dos mais velhos! Muitas vezes descorteses e sem modos, consideram como "puritanos", "chatos" ou "antiquados" aos pais e anciãos que querem orientá-los. Imaginam-se sem necessidade de instrução, pois sabem tudo; insistem em ser independentes, e tornam-se descontrolados. Assim foi o rei Roboão, que desprezou o conselho dos anciãos, ministros de seu pai Salomão, e aceitou os pareceres irresponsáveis dos seus próprios colegas. Ceifou o fruto dessa loucura. Há muitos como ele!
Moço, não se orgulhe dos seus conhecimentos, da sua habilidade, da sua força. Você ainda não se conhece a si mesmo nem conhece o mundo. Lembre-se da Escritura que diz: "Não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação" (Romanos 12.3), e: "Revesti-vos da humildade" (Colossenses 3.12); veja como o Senhor Jesus, lavando os pés aos discípulos disse: "Eu vos dei o exemplo" (João 13.13-17), e leia o Seu caráter descrito em Filipenses 2.7-8. O orgulho faz-nos mais semelhantes a Satanás do que a Cristo!

O amor dos prazeres

Na mocidade as nossas paixões são fortes, e nos querem governar. Temos saúde e energia; a morte parece bem longe, e "gozar a vida" é o que mais nos preocupa. Seguir deleites e prazeres é, sem dúvida, o único desejo de muitos jovens. Porém, "guardai-vos das paixões carnais que fazem guerra contra a alma" (1ª. Pedro 2.11); e Paulo diz: "Subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão" (1ª Coríntios 9.27). O nosso corpo pode servir-nos bem, mas nunca deve nos dominar.
Aqui exorto a todo jovem: lembre-se do sétimo mandamento em Êxodo 20.14. Evite o adultério, a fornicação e toda a forma de impureza sexual. A violação deste mandamento sempre traz conseqüências desastrosas, tanto no corpo como na alma, quer dos casados quer dos solteiros. Disto Ló, Sansão e Davi são terríveis exemplos. O mundo faz pouco caso deste pecado (especialmente nos homens), porém Deus odeia, e declara que o julgará (Hebreus 13.4). Jovens, "ninguém os engane com palavras vãs, pois por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência" (Efésios 5.6). Fujam dos que praticam essa iniqüidade; evitem filmes sujos, e bailes, como também revistas e livros de temas duvidosos. Leiam Mateus 5.28 e evitem conversas e pensamentos que provocam a tentação. Cuidado com os pensamentos lascivos nas horas vagas!

A leviandade

O jovem pouco conhece os perigos desta vida, e anda, sem cuidado. Não tomando tempo para meditar a sério, chega a decisões erradas – e cai em laços e desgostos. Exige-se nesta vida que a gente reflita bem para conseguir a felicidade, especialmente com respeito à nossa alma. "Considerai o vosso caminho", diz a Escritura; pare e pense, moço, a fim de adquirir a sabedoria. Um erro na vida espiritual poderá causar anos de sofrimento, e o pecado quase sempre parece "bom e agradável" na hora da tentação. "Pondera a vereda dos teus pés, e todos os teus caminhos sejam bem ordenados" (Provérbios 4.26). Medita bem na sua conduta, olhe bem para onde vai.

O medo da opinião alheia

É verdade que "o receio do homem" influi muito na conduta da juventude; poucos têm coragem para nadar contra a correnteza. O que os colegas acham certo, é certo; o que a maioria quer fazer, todos devem fazê-lo, ninguém quer ficar o único discordante. "Que pensarão os meus amigos?" torna-se a regra da conduta para muitos.
"Temi o povo, disse Saul, e transgredi o mandamento do Senhor" (1º Samuel 15.24). "Tenho medo dos judeus" disse o rei Zedequias, e recusou o conselho de Jeremias (Jeremias 38.19). Herodes teve medo da opinião dos seus hóspedes e mandou degolar a João Batista (Marcos 6.26). Pilatos receou ofender os chefes judaicos e fez o que a sua consciência condenou – entregou Jesus para ser crucificado. Que escravidão desprezível, e quão comum até hoje!
"Quem pois és tu, para que temas o homem mortal.... e te esqueças do Senhor que te criou?" Is 51.12-13. Afinal o mundo sabe respeitar aqueles que têm coragem de manter as suas convicções e querem servir a deus. Jovens, não se envergonhem de se apresentarem como servos de Deus! Por que agradar aos mundanos? Eles não os agradecerão depois! O mundo não poderá salvar as suas almas, nem dar-lhes uma boa consciência diante de Deus. Tenham coragem, então – "Não temais o opróbrio dos homens, nem vos turbeis pelas suas injúrias" Isaías 51.7, "não seguirás a multidão para fazeres o mal" (Êxodo 23.2); "não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes Aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo" Mateus 10.28.

Adaptado por

Richard Dawson Jones (1895 - 1987)

("Vigiai e Orai" - No.49 - novembro de 1978 e No. 50 – dezembro de 1978)

ANANIAS DE DAMASCO

 O nome Ananias, ou Hananias como encontramos no Velho Testamento,significa “Jeová deu” e encontramos várias pessoas com esse nome na Bíblia. No Novo Testamento encontramos três, todos no livro de Atos, o primeiro sendo um membro da igreja de Jerusalém que caiu e expirou ao ser repreendido por Pedro por mentir à igreja, o segundo residia em Damasco, e o terceiro era o sumo sacerdote no templo de Jerusalém que perseguiu Paulo desejando a sua morte. Vamos aqui refletir um pouco sobre o segundo destes homens.

Esse Ananias só aparece duas vezes na Bíblia, nos capítulos 9 e 22 de Atos, onde é relatada a tarefa importante que lhe foi designada imediatamente após a conversão de Saulo, ou Paulo.
Ananias nos é apresentado como sendo “um certo discípulo” em Damasco. A palavra “discípulo” só é usada nos Evangelhos e no livro de Atos, sendo 28 vezes ao todo. Sempre se refere ao aluno de alguém, em contraste com o mestre ou professor. Em todos os casos entende-se que a pessoa assim denominada não só aceita a opinião do professor, mas também pratica o que ele ensina.
Nos evangelhos lemos sobre os discípulos de João Batista (Mateus 9:14; Lucas 7:18; João 3:25), como também os dos fariseus (Mateus 22:16; Marcos 2:18; Lucas 5:33 ) e os de Moisés (João 9:28).
Mas o uso mais comum dessa palavra é para designar os seguidores de Jesus:
  • No sentido mais amplo (Mateus 10:42, Lucas 6:17, João 6:66, etc.), sendo o único nome dado nos Evangelhos aos que seguiam Cristo;
  • Num sentido mais restrito foi dado especialmente aos doze apóstolos, que eram frequentemente chamados simplesmente de discípulos (Mateus 10:1, 11:1, 12:1 etc.),
  • Em Atos, após a morte e a ascensão do Senhor Jesus, os discípulos se identificam como aqueles que declaram ser Ele o Messias,ou seja, os cristãos (Atos 6:1,2,7;9:36;11:26). Mesmoos cristãos que foram batizados apenas com o batismo de João são também chamados discípulos (Atos 19:1-4).
Ananias era portanto cristão, e seria daqueles que Saulo, respirando ainda ameaças e mortes, desejava conduzir presos a Jerusalém. A qualificação “um certo” parece indicar que não era pessoa de destaque na igreja, mas Paulo fez menção honrosa a ele em seu relato da sua conversão diante do povo em Jerusalém: disse que Ananias era um “varão piedoso conforme a lei” e que tinha bom testemunho de todos os judeus que ali moravam. Isso nos assegura que, mesmo que fosse apenas “um certo discípulo”, ele evidentemente glorificava a Deus com uma vida de obediência aos Seus preceitos.
Se não fosse a parte que lhe foi dada com relação a Paulo, talvez nunca teríamos ouvido a respeito dele, pois era “apenas um discípulo”. Mas Deus conhecia tudo a respeito dele, e o escolheu para uma tarefa especial. Quantas vezes também pensamos que somos “apenas um discípulo” de pouca relevância entre os irmãos, e nos acomodamos à nossa relativa obscuridade. Mas Deus nos conhece perfeitamente, observa a nossa conduta, e somos chamados para usar os nossos dons espirituais especiais na Sua obra.
O Senhor apareceu a Ananias em visão: quando o Senhor tem algo a nos dizer pessoalmente, Ele o faz de maneira que não nos deixa em dúvidas! E a ordem que Ele deu a Ananias nessa ocasião foi, inegavelmente, surpreendente e assustadora: ele devia sair, ir até a casa de um homem chamado Judas (provavelmente uma hospedaria) e ali procurar “um homem de Tarso chamado Saulo”. O Senhor continuou, tranquilizando-o um pouco ao esclarecer que ao orar Saulo havia visto “um homem chamado Ananias entrar e impor-lhe as mãos para que recuperasse a vista”.
Que coisa extraordinária. Não sabemos se Ananias já tivera experiência anterior em operar milagres, mas o Senhor estava instruindo que ele fosse entrevistar Saulo, o notório fariseu que ferozmente perseguia os cristãos, e o curasse da cegueira. No lugar de Ananias iríamos temer que não desse certo, e as consequências poderiam ser muito sérias. Afinal, para que recuperar a vista desse malfeitor?
Por isso, Ananias respondeu que sabia o que Saulo fazia, e o poder que tinha dos principais sacerdotes para prender todos os cristãos. O Senhor então lhe assegurou que Saulo era um vaso escolhido por Ele especialmente para evangelizar os gentios, os reis e os israelitas, e que lhe mostraria quanto lhe cumpria padecer pelo Seu nome.
Ananias então não duvidou mais: fez exatamente o que o Senhor mandou. Estava disposto a ir quando e aonde o Senhor instruísse, e a confiar na fidelidade do Senhor quanto ao resultado. Em nossa vida cristã, por menos importantes que nos consideremos na obra do Senhor, devemos aprender com Ananias a cumprir com a nossa parte obedientemente, confiados na Sua fidelidade em levar a nossa tarefa a bom termo.
A obediência de Ananias nos dá plena evidência do seu amor cristão, da sua lealdade, e da sua humildade e mansidão.
O seu amor cristão se revelou na sua atitude para com Saulo. Ao entrar no aposento onde o terrível perseguidor se achava, agora cego e indefeso, Ananias poderia aproveitar primeiro para recriminá-lo e exaltar o favor não merecido que iria lhe prestar. Mas surpreendentemente, especialmente para o próprio Saulo, Ananias o chamou carinhosamente de “irmão” e ainda colocou as suas mãos sobre ele num gesto de amizade, sem sombra de ressentimento ou amargura.
A sua lealdade ao seu Senhor salta aos olhos quando disse “O Senhor Jesus... enviou-me para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo”. Assim Ananias declarou o senhorio do Senhor Jesus àquele perseguidor sanguinário.
A sua humildade e mansidão foram manifestadas também quando deu ao Senhor todo o crédito pela visita que fez a fim de que Saulo recuperasse a visão e recebesse o Espírito Santo. Não houve qualquer promoção de si próprio, nem sequer disse uma palavra para se apresentar e dizer quem ou o que era, mas contentou-se em ser um mensageiro anônimo do seu Mestre, como bom discípulo que era.
Assim era este servo fiel de Deus: preparado, disposto, fiel, amoroso, leal, e mesmo assim humilde e manso, que entrou nos anais dos Atos e voltou para a obscuridade, sem outra menção qualquer. Como o significado do seu nome, ele é quem foi “dado por Deus” para a importante missão de reconciliar e dar visão a Saulo, para que fosse batizado e fosse cheio do Espírito Santo.
Mediante a sua obediência, recebemos a bênção incalculável para a igreja de Cristo, através dos séculos, que foi o apóstolo Paulo.

MÉXICO : Católicos queimam templo evangélico em meio a visita do papa


Mais de 80% da população do México se declara católica. Mas como em toda a América Latina, os católicos mexicanos vêm perdendo fiéis nas últimas décadas em um ritmo acelerado.

A região sul do país, onde vivem as comunidades indígenas, é onde a Igreja Evangélica tem presença mais forte. O destaque fica para a região de Navenchauc, no estado de Chiapas, onde os católicos são menos de 60%. Esta semana o papa Francisco está em visita ao México e visitou o local.

Horas antes de sua chegada, uma igreja evangélica foi queimada durante a madrugada na cidade de Zinacantán. Segundo o advogado Luis Herrera, os incendiários invadiram o local, empilharam no altar o púlpito, as cortinas, algumas mesas e cerca de 200 cadeiras. Em seguida, colocaram fogo e evadiram-se.

Herrera diz que a igreja Fuente de Fe, Alabanza y Poder sofreu grande prejuízo, ficando quase toda destruído. Contudo, não teve apoio das autoridades para investigar o crime.

Ciro Diaz, pastor da congregação, disse que não conseguiu fazer uma queixa nem contratar facilmente um advogado que desejasse o caso. Mesmo assim, a igreja se diz confiante que “as investigações irão apontar os responsáveis ??e saber o motivo que causou isso”.

Existe um movimento declarado de radicais para expulsar os “não católicos” que é especialmente forte nas regiões mais afastadas.

O ocorrido em Chiapas não é o único nos últimos dias que mostra a perseguição aos evangélicos. A ONG International Christian Concern (ICC) denunciou recentemente que 10 famílias, totalizando 18 adultos e 10 crianças foram expulsas da comunidade de Tuxpan de Bolanos, no estado de Jalisco. Eles eram membros da pequena igreja evangélica da cidade e se recusaram a “negar sua fé protestante”.

Foi realizada uma assembleia na cidade onde decidiram expulsar essas famílias. Homens armados invadiram suas casas, os colocaram em uma caminhonete e abandonaram a todos nas montanhas próximas.

O presidente regional da denominação batista, Omar Rodriguez, conseguiu que a prefeitura cidade de Guadalajara, a capital do estado de Jalisco, desse abrigo paras essas famílias.

O governo federal do México tem ciência dessas situações, mas nada faz para proteger as minorias religiosas. No ano passado, o ICC denunciou o crescimento de uma “onda de perseguição” contra os evangélicos mexicanos.

No ano passado foram mais de 70 casos registrados contra as comunidades “não católicas”, cada uma envolvendo entre 20 e 100 vítimas, nos estados de Chiapas, Hidalgo, Oaxaca, Puebla e Guerrero. 

Fonte: Gospel Prime com informações de Persecution, Charisma News e Evangelical Focus

Bancada evangélica aprova Medida Provisória contrária ao público gay e ao aborto

Imagem redimensionada
A Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quinta-feira, 18, com emendas, a redação final da Medida Provisória 696/2015, que oficializa a reforma administrativa promovida pelo governo federal em outubro do ano passado.

No texto final, foram aprovadas duas emendas apresentados por parlamentares da bancada evangélica, com trechos contrários ao público LGBTT e ao aborto.

Uma dessas emendas foi apresentada pelo PRB, partido composto em sua maioria por parlamentares evangélicos.

A emenda retirou do texto a expressão "da incorporação da perspectiva de gênero" prevista como um dos aspectos que o recém-criado Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos deveria levar em conta na formulação, coordenação, definição de diretrizes e articulação de políticas para as mulheres.

Na prática, o novo texto aprovado retirou a previsão para que, na elaboração de suas políticas para as mulheres, a Pasta leve em consideração os transexuais, pessoas que têm uma identidade de gênero diferente do sexo biológico que nasceram.

Isso porque, de acordo com estudiosos do assunto, pela concepção de perspectiva de gênero, não existe naturalmente o gênero masculino e feminino.

A retirada do trecho foi aprovada por 188 votos a 166.

Para parlamentares evangélicos, a inclusão da expressão significaria a destruição da concepção tradicional de família, formada pela união de um homem com uma mulher, e a aceitação da existência do que chamam de um "terceiro sexo".

"Querem introduzir uma terceira ordem sexual", afirmou o deputado Ronaldo Nogueira (PRB-RS).

Já parlamentares de partidos mais à esquerda, como PT, PCdoB e PSOL, protestaram contra a mudança, alegando que faz parte da pauta conservadora.

"Temos que parar de raciocinar como século 19 e pensar como século 21", criticou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

"O gênero trata da forma como as pessoas percebem a sua presença, construída no âmbito da cultura. É importante que o fundamentalismo não esteja presente nas políticas", afirmou Maria do Rosário (PT-RS).

Aborto

Outra emenda polêmica aprovada foi apresentada pelo deputado Alan Rick (PRB-AC).

A emenda acrescentou ao texto da MP que o Ministério de Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos deverá coordenar a política nacional de direitos humanos em conformidade não só com as diretrizes do Programa Nacional de Direitos Humanos (PNHD), mas com os direitos e liberdades reconhecidos pelo Pacto de São José da Costa Rica.

Reconhecido na Convenção Americana sobre Direitos Humanos, o pacto condena o aborto. Entre outras coisas, o texto do pacto diz que toda pessoa tem direito de que se respeite sua vida e que esse direito deve ser protegido pela lei desde o momento da concepção.

A emenda foi aprovada em votação simbólica, sem que deputados de partidos mais à esquerda pedissem a realização de votação nominal.

O plenário finalizou nesta quinta-feira a votação da MP 696, que reduz de 39 para 31 o números de ministérios do governo Dilma Rousseff.

Fonte: Exame

Pastor é exonerado do cargo de secretário de Direitos Humanos após afirmar que acredita na "cura gay"



Um dia após dizer ao jornal O Globo que acredita na "cura gay", o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, pastor Ezequiel Teixeira, filiado ao Partido da Mulher Brasileira, foi exonerado pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB). A decisão foi divulgada na noite desta quarta-feira.
Imagem redimensionadaO pastor ocupava o cargo desde 15 de dezembro. Desde que o pastor assumiu a pasta, foram fechados quatro centros de assistência a homossexuais no Estado e 78 funcionários que atuavam no programa Rio Homofobia forma demitidos.

Na terça-feira, Ezequel abriu o verbo para atacar uma das principais bandeiras da própria pasta, o Rio Sem Homofobia. Ao tentar explicar as razões do fechamento de quatro centros de assistência à população LGBT e da suspensão do serviço de teleatendimento, ele discorreu sobre sua posição contra o casamento homoafetivo. Afirmou ainda acreditar na cura gay. "Eu não creio só na cura gay, não. Creio na cura do câncer, na cura da aids. Sabe por quê? Porque eu sou fruto de um milagre de Deus também", afirmou. Nesta quarta-feira, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já tinha repudiado as declarações de Ezequiel e pedido a exoneração dele.

Deputado federal licenciado, Teixeira é fundador da igreja evangélica Projeto Nova Vida e diz que foi convidado para assumir a secretaria "com essas convicções". "Todos que me chamaram sabiam das minhas convicções", afirmou ao jornal.

O pastor será substituído por Paulo Melo (PMDB), que ocupava a função de secretário estadual de Governo. Essa pasta será ocupada por Affonso Monnerat, atual chefe de gabinete do governador.

Fonte: Veja e O Globo

Jovem baleado ao evangelizar segue em estado grave, em Fortaleza (CE)

Jovem baleado ao evangelizar segue em estado grave, em Fortaleza (CE)
Um jovem que estava evangelizando na rua foi baleado na perna, braço e cabeça dentro de uma oficina no bairro Planalto Ayrton Senna. Felipe de Sá Bandeira, de 25 anos ainda permanece em estado gravíssimo no Instituto Dr. José Frota (IJF) em Fortaleza (CE).
De acordo com Fabiana Bandeira, irmã da vítima, os atiradores buscavam pelo jovem que Felipe evangelizava. “Ele tinha um trabalho com jovens, no qual ele tirava do crime e levava para a igreja. Ele estava evangelizando um rapaz, chegaram uns homens para atentar contra a vida desse rapaz e balearam ele também", contou.
Já a senhora Raimunda de Sá, mãe do rapaz, ressalta com emoção que apenas a fé para salvar seu filho. "Eu me seguro no Senhor. É só Ele mesmo", comentou chorando.
Felipe recebeu a visita de dezenas de amigos e familiares no IJF. Os visitantes realizaram orações pelo rapaz e se mostraram indignados com acusações contra Felipe. Era de desconfiança dos atiradores que o evangelista estivesse envolvido com o crime pelo fato de estar próximo a jovens delitos.
Eberton Holanda, professor de Educação Física e amigo da vítima, comentou que Felipe é um “homem de Deus” em entrevista para a TV Diário. "A gente, que conhece ele, fica triste. A gente sabe que ele é um homem de Deus. Nós sabemos que isso é mentira", declarou.
De acordo com os amigos, Felipe desenvolve há muitos anos um trabalho de resgate de crianças e adolescentes envolvidos com drogas e violência. De acordo com uma matéria, ele estaria liderando uma célula de evangelização com cerca de 50 jovens no bairro Planalto Ayrton Senna.
Confira a reportagem

DIVINA SEPARAÇÃO

Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14)

A palavra "santificação" é a tradução do grego hagiasmos, usada na Bíblia sob dois aspectos:
  • A separação para Deus.
  • O estilo de vida adequado aos que assim se separaram.
Seguindo o argumento nos versículos precedentes, onde o escritor fala da disciplina de Deus, que “nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes da sua santidade”, temos a impressão que se trata de um esforço nosso. Mas, como sem essa santificação ninguém verá a Deus, ele deve estar se referindo ao primeiro aspecto.
Na verdade ambos os aspectos estão incluídos aqui. A santificação é uma só, não havendo, por assim dizer, um tipo que significa purificação e consagração, e outro tipo limitado a um esforço do crente no dia-a-dia da sua luta contra a carne, o mundo e o diabo. Ninguém pode, por si próprio, santificar-se: não pode sequer separar-se para Deus, muito menos separar-se de suas próprias vontades, do mundo e do diabo.
A santificação é, em essência, um relacionamento com Deus. A única maneira de entrar nesse relacionamento é mediante a fé em Jesus Cristo, no Espírito de Deus (Atos 26:18; 1 Coríntios 6:11), e só se tornou possível mediante a Sua morte expiatória (Efésios 5:25-26; Colossenses 1:22; Hebreus 10:10-29; 13:12). É por isso que o versículo em questão diz que, sem a santificação, “ninguém verá o Senhor”. Quem não tiver esse relacionamento com Deus não pode entrar em Sua presença santa.
Tendo assim entrado nesse relacionamento, o crente é como que “adotado como filho” por Deus. Deus deseja tornar perfeita a santificação do crente (1 Tessalonicenses 4:3), separando-o das coisas e dos caminhos maus pois para isso lhe foi proclamado o Evangelho (1 Tessalonicenses 4:7), e é de Deus que ele vai aprender (1 Tessalonicenses 4:4), à medida que Deus o ensina pela Sua Palavra (João 17:17-19). Como um pai disciplina o seu filho a fim de guiá-lo com sabedoria até alcançar a maturidade, assim também Deus nos disciplina para nosso proveito a fim de sermos participantes da Sua santidade.
Ele nos ensina pela Sua Palavra, na prática da qual ganhamos experiência, e na desobediência da qual sofremos castigo. Dentro da nossa igreja local aprendemos e nos educamos uns aos outros no caminho da santidade.
A nossa fé é provada para o nosso fortalecimento: as provas são suportáveis, pois não somos provados além das nossas forças; são penosas e podem trazer sofrimentos, mas haverá regozijo com as vitórias. E temos ainda, para nosso estímulo, um galardão prometido a cada um que vencer.
Embora dotados de poder pelo Espírito Santo para alcançar vitórias, estamos sujeitos a cansar, esmorecer e mesmo a cair. Esta passagem em Hebreus nos estimula a perseverar em meio à disciplina do Senhor quando somos reprovados por Ele. Uma reprovação não significa abandono, ao contrário, é parte integrante da nossa aprendizagem e prova do empenho amoroso de Deus no Seu sublime objetivo de nos fazer participantes da Sua santidade.
Somos exortados a restabelecer as mãos descaídas e os joelhos trôpegos daqueles que estão fraquejando; fazer caminhos retos para os pés, para que não se extravie o que é manco: tenhamos em consideração os que têm dificuldades em compreender corretamente a vontade de Deus, ensinando-os claramente para que saibam como se conduzir e servindo-lhes de exemplo para seguir; segui a paz com todos (se possível, quanto depender de nós - Romanos 12:18); e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, para a qual dependemos inteiramente do nosso Deus e Salvador, Jesus Cristo.
Como todo o crente é santificado em Cristo Jesus (1 Coríntios 1:2), todo o crente é chamado de santo no Novo Testamento. Logo a santidade, ou santificação, não é algo alcançado pelos méritos de uma pessoa, mas é um estado que Deus concede gratuitamente aos pecadores, e no qual eles iniciam a sua carreira cristã (Colossenses 3:12, Hebreus 3:1).

Com ataque à Globo, Domingo Espetacular debate a arte com apologia à pedofilia

Programa Domingo Espetacular, na Record TV O debate sobre as exposições de arte com apologia à pedofilia e outros temas no Brasil marc...