quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Mark Driscoll é acusado de desviar verbas e transformar Mars Hill em seita

Até recentemente, o pastor Mark Driscoll, da megaigreja Mars Hill em Seattle, desfrutava de grande popularidade, especialmente entre os jovens. Ele aliou a teologia tradicional a um visual que lembrava um cantor de rock, escreveu livros que se tornaram best sellers e trechos de suas pregações foram compartilhados milhões de vezes nas redes sociais.
Fundada por ele em 1996, a igreja chegou a ter 14.000 membros e gerou 15 “igrejas-satélites”. Localizadas em outras cidades e estados, todo domingo as pessoas o acompanhavam ao vivo pela internet em telões colocados nessas igrejas associadas.
Ano passado, seus problemas começaram a se multiplicar e a igreja foi perdendo centenas de membros a cada mês. Ele foi acusado de ter plagiado trechos de alguns de seus livros, pagado uma empresa para comprar milhares de cópias de Real Marriage (seu livro sobre casamento) para colocá-lo nas listas dos mais vendidos, e foi acusado de não prestar contas do dinheiro doado por fiéis que seria usado para plantar igrejas na África e na Índia.
No final do mês passado, foi revelado que no ano 2000, ele postava comentários em um fórum on-line da igreja sob o pseudônimo de William Wallace II. Usando esse codinome ele usou palavrões, e usou expressões machistas e até vulgares para se referir às mulheres.
Não bastasse isso, um grupo de ex-membros da igreja começou recentemente a fazer campanhas nas redes sociais contra Driscoll, acusando-o de ter transformado a Mars Hill em seita e ter explorado o trabalho de dezenas de obreiros e “abusado espiritualmente” deles.
Para eles, o pastor tem dividido famílias, amaldiçoado aqueles que decidiram sair da igreja e desprezando quem sempre o ajudou. Ressaltam ainda que muitos de seus ensinamentos recentes são “antibíblicos” e que ele se recusa a corrigir seus erros.
Driscoll tomou uma série de decisões para tentar reverter essa imagem negativa, pedindo oficialmente desculpas pelas palavras ofensivas que usou, justificando que era inexperiente e imaturo na época. Também ordenou que a editora reconhecesse os trechos plagiados de alguns seus livros e parou de colocar na capa dos livros o adesivo onde dizia que ele era um “campeão de vendas”.
Divulgou ainda um vídeo onde esclarece que os fundos que seriam originalmente destinados à plantação de igrejas no exterior, acabaram ficando na Mars Hill para cobrir as despesas das igrejas nos EUA. Por várias vezes veio a público defender-se das acusações, mas sempre apresentava alguma justificativa.
Em relação aos que o atacavam online e diziam ser ex-membros, afirmou ser impossível reconciliar-se com eles ou se desculpar, pois eram “anônimos”. Revoltados, cerca de 600 deles se uniram em protestos nas redes sociais, identificando-se e relatando os motivos pelo qual saíram da igreja. Entre eles estão vários pastores.
Como o pastor Mark não demonstrou publicamente seus erros, 65 desses ex-membros fizeram um protesto em Bellevue, Washington, no último domingo. Eles foram para a rua divulgar os motivos que os fizeram sair da Mars Hill, entre eles os ensinamentos sobre o casamento que oprime as mulheres, o temperamento “difícil” do ex-líder e sua “propensão ao bullying”.
Rob Smith, um ex-diretor de programação da Mars Hill, afirma que “Nesta igreja, as mulheres são apenas objetos. Elas existem apenas para agradar seus maridos. Na minha teologia, Jesus libertou as mulheres. Jesus estava rodeado por mulheres fortes”.
Judy Abolafya, que participou da Mars Hill durante 14 anos, afirmou enfaticamente que Driscoll “precisa renunciar”, pois fez “uso indevido de finanças da igreja” e mantém uma atitude “arrogante e abusiva”.
O pastor Driscoll não apareceu para conversar com as pessoas que faziam o protesto, preferindo publicar um vídeo com um pedido de desculpas genérico. Lembrou que o crescimento meteórico da igreja foi “incrível, surpreendente, maravilhoso, e um grande milagre.”
Disse que preferiu não rebater todas as críticas que tem recebido pois esse processo para ele tem sido “difícil e um pouco confuso”. Mas deixou claro que não abandonaria seu posto de líder da igreja. E acrescentou: “Espero fazer isso pelos próximos, 30, 40 anos e fazê-lo melhor, pela graça de Deus”. Com informações Christian PostSeattle Times e Seattle Pi

Junte-se em oração pelos cristãos ucranianos


Junte-se em oração pelos cristãos ucranianos
Mesmo que a Ucrânia não esteja na Classificação da Perseguição Religiosa publicada anualmente pela Portas Abertas, irmãos e irmãs da Igreja ucraniana pedem para que oremos por eles e pela situação no país.
Durante o conflito armado no leste da Ucrânia, dois filhos do pastor Pavenko da Igreja Pentecostal, Albert Pavenko e Reuben Pavenko foram assassinados. Dois membros da igreja - Victor Bradarskiy e Vladimir Velichko também foram mortos. Um deles era o pai de oito filhos, que são deixados órfãos. 
Pedidos de oração
- Peça ao Senhor que traga consolo, força e poder para essas famílias que perderam seus entes queridos.
- Ore pela Igreja ucraniana para que consiga cumprir o seu papel de abençoadora e pacificadora em meio a esse tempo de grandes conflitos.
PORTAS  ABERTAS

GRITOS DE ALERTA - CHEGAMOS A MARCA DE MAIS DE 14 MILHÕES DE ACESSOS - GLÓRIAS A DEUS POR ISSO .

OBRIGADO  DEUS  .



Chegamos  a  marca  de  mais de  14  milhões  de  acessos  em  nosso blog .

www.gritosdealerta.blogspot.com

São  leitores  e  ouvintes de mais de 160  nações , onde  levamos  dia  a  dia  a  palavra  de  Deus e  as  notícias de  cada  dia.
Vamos  continuar  nessa  batalha . 


DEUS ABENÇOE  SUAS  VIDAS.


BISPO  ROBERTO  TORRECILHAS.

SINAL DO FIM: Grupo judeu retoma sacrifícios em preparação para o “Terceiro Templo”



A maioria dos judeus espera a construção do Terceiro Templo como parte do cumprimento das profecias do Antigo Testamento e anúncio da vinda do Messias. Mas na última Páscoa (29/03), um grupo judeu ortodoxo realizou um sacrifício em frente ao Monte do Templo, em Jerusalém, seguindo o ritual descrito nos Livros de Moisés.

Esse “abate ritual” não foi meramente uma reconstituição histórica, mas, sim um “ensaio profético”  antes da reconstrução do Templo. Nos últimos anos, esses sacrifícios foram realizados com a anuência do governo, mas o de 2013 surpreendentemente recebeu um veto do Serviço de Veterinária de Israel, que se recusou a dar autorização para o evento.

Os organizadores precisaram levar a questão até o tribunal, e conseguiram uma liminar permitindo o ritual. Os diferentes grupos envolvidos no caso foram liderados pelo rabino Yehuda Glick, o qual explica que o ritual foi realizado com o máximo de precisão bíblica possível.

“Nós tomamos o animal, como manda a Torá, fizemos um altar como era antigamente, e uma cozinha construída de acordo com a halachá [lei judaica]. Nós abatemos o animal com os Leviim cantando e usando as roupas sacerdotais, assim como era o sacrifício do Pessach [Páscoa] de nossos antepassados”.

Os leviim são judeus da tribo bíblica de Levi, cujos membros celebravam as cerimônias no antigo Templo. Para o rabino Glick, o ritual foi comovente. ”O simbolismo de ficarmos em pé, diante do Monte do Templo e nos preparando para o sacrifício da Páscoa, sem dúvida, foi um momento especial”, resumiu. Com informações Israel National News.

"EU VI A MÃO DE DEUS ENVIAR AQUELE MÍSSIL PARA O MAR!" - TESTEMUNHO DE MAIS UMA INTERVENÇÃO DIVINA A FAVOR DO SEU POVO ELEITO!


Quem pôs a sua fé no Todo Poderoso Deus já se habituou a vê-l'O agir no sobrenatural. Basta ler os grandes milagres realizados pelo Protetor de Israel nas páginas do Antigo Testamento para perceber que quando se trata de Israel, qualquer guerra que os inimigos lancem contra a nação eleita na terra contará sempre com sobrenaturais intervenções divinas.
Um dos acontecimentos mais divulgados recentemente pela imprensa israelita relacionados com a recente operação em Gaza tem a ver com uma clara e inequívoca intervenção divina no desvio de um míssil disparado pelos terroristas que, se não fosse a "mão de Deus" a intervir, teria causado uma verdadeira tragédia humana numa das maiores cidades de Israel.

A CÚPULA DE FERRO FALHOU, MAS DEUS NÃO...
O sistema de defesa anti-míssil "Cúpula de Ferro" (Iron Dome) tornou-se nesta guerra o verdadeiro e mítico herói para o povo israelita, tendo conseguido detectar e destruir a quase totalidade dos mísseis inimigos disparados contra centros populacionais em Israel, incluindo as grandes metrópoles de Tel Aviv, Haifa, Berseba e até Jerusalém. Mas, apesar das elevadas taxas de sucesso, o sistema não é perfeito e teve algumas falhas. 
Segundo o testemunho de um dos militares operacionais do sistema "Cúpula de Ferro" na região de Tel Aviv, houve uma situação dramática em que o sistema de defesa falhou por 3 vezes seguidas no abatimento de um míssil dirigido a Tel Aviv. 
Eis o relato publicado pelos media deste responsável pela operação do sistema "Cúpula de Ferro":

TORRES AZRIELI, EM TEL AVIV
"Dispararam um míssil de Gaza. A "Cúpula de Ferro" calculou com precisão a sua trajetória. Nós conseguimos saber onde é que esses mísseis vão aterrar dentro de um raio de 200 metros. Este iria atingir Tel Aviv, visando as Torres Azrieli, a Kirya (equivalente ao Pentágono israelita), ou uma estação de comboios central da cidade. Poderiam ter morrido centenas de pessoas.
Disparamos o primeiro interceptor. Falhou. Disparamos o segundo. Falhou. Isso é muito raro. Entrei em pânico. Nessa altura restavam-nos apenas 4 segundos até o míssil aterrar. Tínhamos já alertado os serviços de emergência para convergirem para o local visado, e tínhamos avisado da possibilidade de uma vasta tragédia.
Subitamente, o sistema "Cúpula de Ferro" (que entre outras coisas também calcula a velocidade dos ventos), registou um verto forte que surgia do oriente, um vento tão forte que desviou o míssil inimigo na direção do mar. Ficamos todos embasbacados. Pus-me de pé e gritei a plenos pulmões: "Deus existe!"

E o emocionado militar prosseguiu a narrativa:
"Testemunhei esse milagre com os meus próprios olhos. Não mo contaram nem me foi transmitido: eu vi a mão de Deus enviar aquele míssil para o mar!"

Também na semana passada o coronel Ofer Winter, comandante da brigada de infantaria Givati, descreveu um misterioso nevoeiro que o encobriu favoravelmente a ele e as suas tropas quando avançavam para uma posição inimiga no raiar do dia, após terem adiado a prevista intervenção noturna.
O coronel Winter descreveu esta cobertura misteriosa e providencial como "nuvens de glória."
Coronel Ofer Winter
Foi este coronel que no início da intervenção israelita em Gaza provocou um aceso debate a nível nacional, quando encorajou as suas tropas a avançarem contra um inimigo que"blasfema, difama e provoca o Deus de Israel". O coronel terminou a sua intervenção escrita, fazendo a seguinte oração: 'Que o Senhor teu Deus te acompanhe, lutando contigo contra os teus inimigos e te salvando."
Deus certamente interveio (mais uma vez) a favor do Seu povo!

Shalom, Israel!