quarta-feira, 8 de junho de 2011

Nº 2 da Al-Qaeda promete prosseguir com jihad de Bin Laden

Em vídeo, o egípcio Ayman al-Zawahiri se compromete a prosseguir 
com a jihad contra o Ocidente . Foto: AFPEm vídeo, o egípcio Ayman al-Zawahiri se compromete a prosseguir com a jihad contra o Ocidente
Foto: AFP

Ayman al-Zawahri, número dois no comando da Al-Qaeda, disse que os Estados Unidos enfrentam uma rebelião muçulmana após a morte de Osama bin Laden, segundo uma gravação em vídeo divulgada no YouTube e monitorada nesta quarta-feira. Zawahri, nascido no Egito, dedicou boa parte da gravação de 28 minutos a falar de Bin Laden, morto em um ataque de forças especiais norte-americanas em sua casa no Paquistão, em maio, depois de uma caçada mundial que levou quase dez anos.
"O xeique partiu, que Deus tenha misericórdia dele, ao encontro de Deus, como mártir, e precisamos seguir em seu caminho da jihad para expulsar os invasores da terra dos muçulmanos e purificá-la da injustiça", disse Zawahri. "Hoje, graças a Deus, a América não enfrenta um indivíduo ou um grupo, mas uma nação em revolta, uma nação que despertou em um renascimento jihadista e que enfrenta a América onde quer que ela esteja", acrescentou.
Zawahri é visto há muito tempo como o cérebro da Al-Qaeda e potencial sucessor de Bin Laden, fundador da Al Qaeda, que lançou os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos. Mas a televisão Al Jazeera já disse que desde a morte de Bin Laden outro militante egípcio, Saif al-Adl, foi nomeado líder interino do grupo.
Zawahri elogiou as revoltas em vários países árabes e exortou os paquistaneses a se rebelarem contra seus "líderes corruptos", "assim como fizeram vossos irmãos na Tunísia, no Egito, Líbia e Síria". "Joguem para longe a poeira da humilhação e derrubem aqueles que os venderam para os Estados Unidos no mercado de escravos", disse.
Ele condenou os Estados Unidos por terem atirado o corpo de Bin Laden no mar, em vez de lhe garantir um sepultamento apropriado. "Ele (Bin Laden) aterrorizou a América quando estava vivo e a aterroriza agora, como morto, a tal ponto que eles estremecem diante da perspectiva de lhe dar um túmulo, devido ao que sabem do amor que dezenas de milhões têm por ele."
Zawahri também avisou que Bin Laden vai continuar "a assombrar a América, Israel e seus aliados cruzados, seus agentes corruptos." "A famosa promessa dele de que 'vocês não poderão sonhar com segurança enquanto nós não a vivermos de fato e enquanto vocês não partirem da terra do islã' vai continuar a privá-los de sono", disse Zawahri.
Reuters

CARTA DO DEPUTADO Flávio Bolsonaro ao Gritos de Alerta.

Prezados Amigos,

Quando da votação da PEC em primeiro turno, houve, somente, dois votos em contrário, um deles o meu - Deputado Flávio Bolsonaro.
Após esse resultado, tenho lutado por todos os meios contra a aprovação dessa PEC absurda, que somente permitirá o acirramento de preconceitos e o estabelecimento de ambiente favorável a uma indústria de ações de "dano moral gay".

Veja meu discurso e conheça os argumentos que defendo assistindo ao vídeo no link a seguir: http://www.youtube.com/watch?v=pvEzxAMRw4M.

Atenciosamente,

Flávio Bolsonaro

NOTA DO GRITOS DE ALERTA.

obrigado nobre deputado por sua postura e ética .
Deus abençoe sua vida.

BISPO ROBERTO TORRECILHAS

CONHECENDO UM POUCO MAIS - "Qual a origem da Igreja Católica?"


Resposta:
A Igreja Católica Romana declara que sua origem é a morte, ressurreição e ascensão de Jesus Cristo em aproximadamente 30 d.C. A Igreja Católica proclama a si própria como a Igreja pela qual Jesus Cristo morreu, a Igreja que foi estabelecida e construída pelos Apóstolos. É esta a verdadeira origem da Igreja Católica? Pelo contrário. Mesmo uma leitura superficial no Novo Testamento irá revelar que a Igreja Católica não tem sua origem nos ensinamentos de Jesus, ou de Seus apóstolos. No Novo Testamento, não há menção a respeito do papado, adoração a Maria (ou a imaculada concepção de Maria, a virgindade perpétua de Maria, a ascensão de Maria ou Maria como co-redentora e mediadora), petição por parte dos santos no Céu pelas orações, sucessão apostólica, as ordenanças da igreja funcionando como sacramentos, o batismo de bebês, a confissão de pecados a um sacerdote, o purgatório, as indulgências ou a autoridade igual da tradição da igreja e da Escritura. Portanto, se a origem da Igreja Católica não está nos ensinamentos de Jesus e Seus apóstolos, como registrado no Novo Testamento, qual a verdadeira origem da Igreja Católica?

Pelos primeiros 280 anos da história cristã, o Cristianismo foi banido pelo Império Romano, e os cristãos foram terrivelmente perseguidos. Isto mudou depois da “conversão” do Imperador Romano Constantino. Constantino “legalizou” o Cristianismo pelo Edito de Milão, em 313 d.C. Mais tarde, em 325 d.C., Constantino conclamou o Concílio de Nicéia, em uma tentativa de unificar o Cristianismo. Constantino imaginou o Cristianismo como uma religião que poderia unir o Império Romano, que naquela altura começava a se fragmentar e a se dividir. Mesmo que isto aparente ser um desenvolvimento positivo para a igreja cristã, os resultados foram tudo, menos positivos. Logo Constantino se recusou a abraçar de forma completa a fé cristã, mas continuou com muitos de seus credos pagãos e práticas. Então, a igreja cristã que Constantino promoveu foi uma mistura de verdadeiro Cristianismo e paganismo romano.

Constantino achou que, com o Império Romano sendo tão grande, vasto e diverso, nem todos concordariam em abandonar seus credos religiosos e abraçar o Cristianismo. Então, Constantino permitiu, e mesmo promoveu a “cristianização” de crenças pagãs. Crenças completamente pagãs e totalmente não-bíblicas ganharam nova identidade “cristã”. Seguem-se alguns claros exemplos disso:

(1) O Culto a Ísis, deusa-mãe do Egito e esta religião, foram absorvidas no Cristianismo, substituindo-se Ísis por Maria. Muitos dos títulos que eram usados para Ísis, como “Rainha dos céus”, “Mãe de Deus” e “theotokos” (a que carregou a Deus) foram ligados a Maria. A Maria foi dado um papel exaltado na fé cristã, muito além do que a Bíblia a ela atribui, com o fim de atrair os adoradores de Ísis para uma fé que, de outra forma, não abraçariam. Na verdade, muitos templos a Ísis foram convertidos em templos dedicados a Maria. A primeira indicação clara da Mariologia Católica ocorre nos escritos de Origen, que viveu em Alexandria, Egito, que por acaso era o lugar principal da adoração a Ísis.

(2) O Mitraísmo foi uma religião no Império Romano do 1º ao 5º século d.C. Foi muito popular entre os romanos, em particular entre os soldados romanos, e foi possivelmente a religião de vários imperadores romanos. Mesmo que jamais tenha sido dado ao Mitraísmo um status “oficial” no Império Romano, foi de fato religião oficial até que Constantino e imperadores romanos que o sucederam substituíram o Mitraísmo pelo Cristianismo. Uma das principais características do Mitraísmo era a refeição sacrificial, que envolvia comer a carne e beber o sangue de um touro. Mitras, o deus do Mitraismo, estava “presente” na carne e no sangue do touro, e quando consumido, concedia salvação àqueles que tomavam parte da refeição sacrificial (teofagia, comer o próprio deus). O Mitraísmo também possuía sete “sacramentos”, o que faz com que as semelhanças entre o Mitraísmo e o Catolicismo Romano sejam tão numerosas que não as podemos ignorar. Constantino e seus sucessores encontraram um substituto fácil para a refeição sacrificial do Mitraísmo no conceito da Ceia do Senhor/Comunhão Cristã. Infelizmente, alguns cristãos primitivos já haviam ligado o misticismo à Ceia do Senhor, rejeitando o conceito bíblico de uma simples e adorativa rememoração da morte e sangue derramado de Cristo. A romanização da Ceia do Senhor completou a transição para a consumação sacrificial de Jesus Cristo, agora conhecida como a Missa Católica/Eucaristia.

(3) A maioria dos imperadores romanos (e cidadãos) era henoteísta. Um henoteísta é alguém que crê na existência de muitos deuses, mas dá atenção especial a um deus em particular, ou considera um deus em particular como supremo e acima dos outros deuses. Por exemplo, o deus romano Júpiter era supremo acima do panteão romano de deuses. Os marinheiros romanos eram freqüentemente adoradores de Netuno, o deus dos oceanos. Quando a Igreja Católica absorveu o paganismo romano, ela simplesmente substituiu o panteão de deuses pelos santos. Assim como no panteão romano de deuses havia um deus do amor, um deus da paz, um deus da guerra, um deus da força, um deus da sabedoria, etc, da mesma forma, na Igreja Católica havia um santo “responsável” por cada uma destas coisas, e muitas outras categorias. Assim como muitas cidades romanas tinham um deus específico para ela, também a Igreja Católica providenciou “santos padroeiros” para as cidades.

(4) A supremacia do bispo romano (o papado) foi criada com o apoio de imperadores romanos. Com a cidade de Roma sendo o centro do governo para o Império Romano, e com os imperadores romanos vivendo em Roma, a cidade de Roma alcançou proeminência em todos os aspectos da vida. Constantino e seus sucessores deram apoio ao bispo de Roma como governante supremo da Igreja. Logicamente é o melhor para a unidade do Império Romano que o governo e estado religioso sejam centralizados no mesmo lugar. Mesmo a maioria de outros bispos (e cristãos) resistindo à idéia da supremacia do bispo romano, o bispo romano ascendeu à supremacia, por causa do poder e influência dos imperadores romanos. Quando houve a queda do Império Romano, os papas tomaram para si o título que anteriormente pertencia aos imperadores romanos - Máximo Pontífice.

Muitos outros exemplos poderiam ser dados. Estes quatro devem ser suficientes para demonstrar a verdadeira origem da Igreja Católica. Logicamente a Igreja Católica Romana nega a origem pagã de seus credos e práticas. A Igreja Católica disfarça suas crenças pagãs sob camadas de teologia complicada. A Igreja Católica desculpa e nega sua origem pagã sob a máscara de “tradição da igreja”. Reconhecendo que muitas de suas crenças e práticas são em essência estranhas à Escritura, a Igreja Católica é forçada a negar a autoridade e suficiência da Escritura.

A origem da Igreja Católica é a trágica mistura de Cristianismo com religiões pagãs que o cercavam. Ao invés de proclamar o Evangelho e converter os pagãos, a Igreja Católica “cristianizou” as religiões pagãs e “paganizou” o Cristianismo. Embaçando as diferenças e apagando as distinções, sim, a Igreja Católica se fez atraente às pessoas do Império Romano. O resultado foi que a Igreja Católica se tornou a religião suprema no “mundo romano” por séculos. Contudo, um outro resultado foi a mais dominante forma de apostasia cristã do verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo e da verdadeira proclamação da Palavra de Deus.

II Timóteo 4:3-4 declara: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.”

ORIGEM DA IGREJA CATÓLICA


A origem do catolicismo foi em razão do desvio doutrinário das igrejas primitivas.  Após a morte de Cristo, fundador da Igreja, seus discípulos ficaram vulneráveis aos ataques dos adversários.  Estevão foi morto apedrejado pela multidão enfurecida, Atos 7:57-60.  Mais tarde o apóstolo Tiago foi morto à espada pelo rei Herodes, Atos 12:1-2. Por incrível que pareça, as perseguições dos inimigos colaboraram para surgimento de outras igrejas.  O livro de Atos diz “Mas os que andavam dispersos iam por toda a parte, anunciando a palavra” (Atos 8:4).

Devido a perseguição os discípulos fugiram de Jerusalém e por onde passavam o Evangelho era anunciado.  Filipe, que era um dos fugitivos, pregou na cidade de Samaria e também ao eunuco, homem importante da Rainha da Etiópia.  É bem possível que o eunuco tenha levado o Evangelho ao país da Etiópia.

Porém, as perseguições não se restringiram somente aos ataques físicos.   Satanás é um inimigo muito inteligente e sutil.  Deus criou Lúcifer e não o Diabo.  Lúcifer (portador da Luz) se transformou no Diabo porque queria ser semelhante ao Criador, Ezequiel 28:15-17.  Quando Satanás percebeu que matar os cristãos não estava surtindo efeito, então resolveu mudar de tática.  O Diabo resolveu solapar a fé dos crentes introduzindo idéias estranhas ao Evangelho de Cristo.   Ainda nos dias dos apóstolos alguns crentes começaram a acreditar que a fé em Cristo não era suficiente para a salvação da alma.   As obras foram acrescentadas à fé para alcançar a graça de Deus.  No Livro de Atos podemos confirmar este fato: “ENTÃO alguns que tinham descido da Judéia ensinavam assim os irmãos: Se não vos circuncidardes conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos” (Atos 15:1).   Alguns falsos pregadores entraram sorrateiramente nas igrejas da Galácia e ensinaram que era necessário guardar os preceitos da lei, transtornando assim o verdadeiro Evangelho de Cristo, Gálatas 1:7. Paulo admoestou aos irmãos gálatas que qualquer outro evangelho diferente que ele tinha anunciado deveria ser considerado anátema (maldito), Gálatas 1:8. Paulo não cedeu nenhum momento aos falsos ensinadores, e procurou reconduzir os irmãos gálatas à fé verdadeira, Gálatas 2:5; 3:10-11. 

Depois que os apóstolos morreram as igrejas continuaram sendo atacadas doutrinariamente.  João, o último dos apóstolos a morrer, foi escolhido por Cristo para escrever às sete igrejas da Ásia. Capítulos dois e três de Apocalipse mostram claramente os problemas que cada uma das sete igrejas tinham.  As igrejas foram contagiadas pelo vírus maligno do inimigo. 

Um outro erro que penetrou nas igrejas foi a de alguns homens que se diziam cristãos, assenhorearem da herança de Deus.  O apóstolo Pedro já havia advertido a respeito disso: “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (I Pedro 5:1-2).  Diótrefes, ainda no tempo do apóstolo João, queria dominar a qualquer custo uma igreja local.   “Tenho escrito à igreja; mas Diótrefes, que procura ter entre eles o primado, não nos recebe" (III João 9). 

Depois dos erros citados acima seguiu-se outro que tem sido uma das marcas da Igreja Católica Romana e de outras que dela saíram.  “A Regeneração Batismal”.  A idéia de que o batismo poderia ajudar na salvação da alma começou ainda no final no 2º século.  Neste século muitas igrejas já haviam desviadas dos ensinamentos de Cristo e dos apóstolos.  Muitas igrejas questionavam que se a Bíblia fala tanto do batismo, então ele tem um valor que pode ajudar na remissão da alma. 

No início do ano 313 A.D., o cristianismo tinha alcançado uma poderosa vitória sobre o paganismo.  Um novo imperador veio ocupar o trono do Império Romano.  Ele evidentemente reconheceu algo do misterioso poder dessa religião que continuava a crescer, não obstante a intensidade da perseguição.  A História diz que este Imperador que não era outro senão Constantino, teve uma maravilhosa e real visão.   Divisou no céu uma CRUZ de brilhante luz vermelha na qual estavam escritas a fogo as seguintes palavras: "Com este sinal vencerás". Constantino interpretou isto como uma ordem para que se tornasse cristão. Entendeu ainda que abandonando o paganismo e uniu do o poder temporal do Império Romano ao poder espiritual do Cristianismo o mundo seria facilmente conquistado.  Deste modo, a religião cristã se tornaria uma religião universal e o Império Romano o Império de todo o mundo.  Assim sob a liderança do Constantino veio um descanso, um galanteio e uma proposta de casamento.   O Império Romano por intermédio de seu imperador pediu em casamento o cristianismo.  Para tornar efetiva e consumada esta profunda união, um concílio foi convocado. Em 313 A. D. foi feita uma convocação para que fossem enviados, juntamente, representantes de todas as igrejas cristãs.  Muitas, mas nem todas, vieram. A aliança estava consumada. Uma hierarquia foi formada. Na organização desta hierarquia Cristo foi destronado como cabeça da igreja e Constantino foi entronizado (ainda que temporariamente, já se vê) como cabeça da igreja. 

A hierarquia estava definitivamente começando a desenvolver-se no que conhecemos hoje como Igreja Católica ou Universal. Pode-se dizer que isso tinha começado, se bem que, indefinidamente, já no fim do 2o século ou no início do 3o quando as novas idéias com referência aos bispos e ao governo da Igreja começaram a se formar.   Deve ser também claramente lembrado que, quando Constantino fez a convocação para o citado Concílio houve muitos cristãos (batistas) que deixaram de responder à mesma. Eles não aprovavam o casamento da religião com o estado, nem a centralizarão do governo religioso, nem a criação de um tribunal religioso mais elevado, de qualquer espécie que não fosse a Igreja local. Estes cristãos (batistas) bem como suas igrejas deste tempo ou mais tarde não aceitaram a hierarquia denominacional católica. 

Quando esta hierarquia foi criada, Constantino, que tinha sido feito o seu cabeça, não era ainda cristão. Ele tinha decidido tornar-se, mas como as igrejas que o acompanharam na fundação desta organização hierárquica, tinham adotado o erro da regenerarão batismal, uma série questão se levantou na mente de Constantino: "Se eu sou salvo dos meus pecados pelo batismo, como escapar os meus pecados posteriores ao batismo?" Constantino levantou assim. Uma questão que iria perturbar o mundo em todas as gerações seguintes. Pode o batismo lavar de antemão os pecados não cometidos? (ou sãs) os pecados cometidos antes do batismo lavados por um processo (isto é, pelo batismo) e os cometidos depois do batismo, por um outro processo? 

Não tendo sido possível resolver satisfatoriamente a muitas questões assim levantadas, Constantino resolveu finalmente unir-se aos cristãos, mas adiando o seu batismo para mais perto de sua morte, porque assim todos os seus pecados poderiam ser lavados de uma só vez. Este propósito ele seguiu e não havia sido ainda batizado até pouco antes de sua morte.  <>Abandonando a religião pagã e aderindo ao Cristianismo, Constantino incorreu em séria reprovação por parte do Senado Romano. Eles repudiaram ou, ao menos, opuseram-se à sua resolução. Esta oposição resultou finalmente na mudança da sede do Império de Roma para Bizânico, uma velha cidade reedificada, que logo depois teve o nome mudado para Constantinopla, em honra a Constantino. Como resultado surgiram duas capitais para o Império Romano: Roma e Constantinopla. Essas duas cidades, rivais por vários séculos, por fim se tomaram o centro da Igreja Católica dividida: Romana e Grega. 

Constantino fez cessar a perseguição aos cristãos em todo o império e gradualmente foi cumulando-os de favores. O imperador logo percebeu a clara divisão entre os cristãos. Percebera a importância de ser apoiado pela hierarquia de uma religião poderosa. Mas precisava que essa hierarquia fosse unânime em sua fidelidade ao Estado. Assim, embora pagão, presidiu concílios da Igreja e obrigou-a a unificar-se. Devido a essa atitude foi prontamente contrariado pelos anabatistas. Indignado, e aliando-se aos cristãos errados, baniu e perseguiu os fiéis que não concordaram com sua unificação das igrejas. Começaram as terríveis perseguições das seitas cristãs oficiais - protegidas pelo imperador - contra as não oficiais, os anabatistas, que se mantiveram independentes do governo. Pela primeira vez na história, a partir do ano 313, encontramos a página mais triste da história das igrejas. Encontramos cristãos errados perseguindo os cristãos fiéis. Esta perseguição, além de visar o extermínio dos anabatistas, também foi a mais longa. Durou mais de mil e trezentos anos, vindo a terminar após a Reforma no século XVII. 

Depois que Constantino se tornou o cabeça das igrejas desviadas da verdade, as mudanças doutrinárias nestas igrejas, foram se avolumando a cada ano que passava.  A idéia de que o batismo poderia ajudar na regeneração da alma tinha larga aceitação por parte dos desviados que aceitaram o casamento com o poder temporal.  A igreja que aceitou Constantino como seu cabeça, acreditando que o batismo era um agente ou meio de salvação, achava que quanto mais cedo fosse administrado o batismo, mais garantia poderia ter da salvação.  Foi então que surgiu o “batismo infantil”.  Por que esperar a idade adulta ou mesmo a velhice para ser batizado?  “Ninguém sabe o que pode acontecer amanhã”, pensavam os simpatizantes da “nova igreja”.  Antes disto "crentes" e "crentes" somente, eram considerados em condições de submeterem-se ao batismo.  "Aspersão" e "derramamento" eram formas até então desconhecidas. Vieram muito mais tarde.  Por vários séculos os infantes eram, como os demais, imersos.  A Igreja Ortodoxa Grega (que é um grande ramo da Igreja Católica) até hoje não mudou a forma original de batismo.  Ela pratica o batismo infantil, mas nunca procedeu de outro modo que não o da imersão das crianças. (Nota. alguns historiadores da igreja põem o inicio do batismo infantil neste século, mas eu citarei um pequeno parágrafo das "Robinson's Ecclesiastical Researches" (Pesquisas Eclesiásticas de Robinson):  

 "Durante os primeiros três séculos as congregações espalhadas no oriente funcionaram em corpos independentes e separados, sem subvenção por parte do governo, e, conseqüentemente, sem qualquer poder secular da Igreja sobre o Estado ou vice-versa. Em todo esse tempo as igrejas batizavam e, segundo o testemunho os Pais dos primeiros 4 séculos, até Jerônimo (370, A. D.), na Grécia, Síria e África, é mencionado um grande número de batismos de adultos, sem a apresentação de ao menos um batismo de criança, até o ano 370 A. D." (Compêndio de História Batista por Shackelford, p. 43; Vedder p. 50; Chrishan p. 31; Orchard p. 50, etc.).

A hierarquia organizada sob a liderança de Constantino, rapidamente se concretizou naquilo que agora conhecemos como Igreja Católica. E a novel igreja se associou ao governo temporal, não mais para ser simplesmente a entidade executiva das leis completas do Novo Testamento, mas começou a ser legislativa, começando a emendar e anular leis primitivas, bem como a criar regras completamente estranhas à letra e ao espírito do Novo Testamento. 

Uma das primeira ações legislativas da Igreja, e uma das mais subversivas quanto aos resultados foi o estabelecimento, por lei, do batismo infantil. Em virtude desta lei o batismo infantil tornou-se compulsório. Isto ocorreu em cerca de 416 A. D. Ele já existia, em casos esparsos, provavelmente, um século antes desde decreto. Mas, com a efetivação por lei desta prática dois princípios do Novo Testamento foram naturalmente abordados: - o do "batismo dos crentes" e o da "obediência voluntária ao batismo". 

Como conseqüência inevitável desta nova doutrina e lei, ,as igrejas desviadas foram rapidamente se enchendo de membros inconversos. E de fato não se passaram muitos anos até que a maioria, provavelmente, de seus membros fosse composta de pessoas não regeneradas. Assim os grandes interesses espirituais do Reino de Deus caíram nas mãos de um incrédulo poder temporal. Que se poderia esperar então? 

Em 426 A.D., justamente 10 anos depois do estabelecimento legal do batismo infantil, foi iniciado o tremendo período que conhecemos como "Idade das Trevos" (Idade Média, not. Do trad.). Que período! Quão tremendo e sanguinolento o foi!  A partir de então, por mais uma dezena de séculos o rasto do cristianismo do Novo Testamento foi grandemente regado pelo sangue dos cristãos. Milhões de crentes perderam suas vidas, pagando o preço da fidelidade ao Senhor Jesus Cristo. Preferiram morrer do que negar o nome do Senhor que os resgatou pela cruz do Calvário.  Nossos antepassados sofreram as mais variadas e terríveis perseguições por parte dos que se uniram ao poder temporal.  Creio que nem Constantino tinha a idéia do resultado da união do seu império com os chamados cristãos.

Foi ainda no alvorecer da "Idade das Trevas" que o Papismo tomou corpo definitivo. Seu inicio data de Leão II de 440 a 461 A.D. Este título, semelhantemente ao nome dado à Igreja Católica, tinha possibilidade de um amplo desenvolvimento. O nome aparece aplicado primeiramente, para designar o bispo de Roma, 296-404 A.D. mas foi formalmente adotado pela primeira vez por Cirilo, bispo de Roma 384-398. Mais tarde foi adotado oficialmente por Leão II, 440-461. Sua universalidade foi reclamada em 707.

Alguns séculos mais tarde foi declarado por Gregório VII, ser o titulo exclusivo do Papado. Por falta de espaço, infelizmente, não poderemos descrever neste pequeno estudo todas as mudanças que houve no decorrer dos séculos no seio da Igreja Católica.  Mas vamos dar uma súmula dos mais significativos eventos ocorridos nos primeiros cinco séculos:
1) A mudança gradual do governo democrático da Igreja para o governo eclesiástico.
2) A mudança da salvação pela graça para a salvação pelo batismo.
3) A mudança do batismo de crentes para batismo infantil.
4) A hierarquia organizada. Casamento da Igreja com Estado.
5) A sede do Império mudada para Constantinopla.
6) O Batismo Infantil estabelecido por lei e tornado compulsório .
7) Os cristãos nominais começam a perseguir os cristãos.
8) A "Idade de Trevas" começa em 426 a.D.
9) A espada e a tocha, de referência ao Evangelho, que se tornou o poder de Deus para a salvação.
10) Todo o vestígio de liberdade religiosa é desfeito, coberto e enterrado por muitos séculos.
11) As igrejas fiéis ao Novo Testamento são perseguidas e tratadas por nomes diversos. São ainda açuladas para o mais longe possível do poder temporal católico. O remanescente destas igrejas se espalhou por todo o mundo e é achado, talvez escondido, em florestas, montanhas, vales, antros e cavernas da terra.

A História de Davi e Jônatas



Da Bíblia, acontecido em torno do ano 1060 aC.
Estão referidos à esquerda todos os trechos que fazem referência ao relacionamento,
e transcritos no meio apenas os trechos principais. Vale a pena ler a história inteira!

I Samuel 18:1-4
E aconteceu que, assim que Davi acabou de falar ao rei Saul, a alma de Jônatas (filho de Saul) se ligou à alma de Davi, e Jônatas começou a amá-lo como à sua própria alma.
... Jônatas e Davi fizeram um pacto, pois aquele o amava como à sua própria alma. Além disso, Jônatas despiu-se da túnica sem mangas que usava e a deu a Davi, e também suas vestes, e até mesmo sua espada, e seu arco, e seu cinto.
I Samuel 19:1-7
I Samuel 20:1-43
Quando Davi estava sendo perseguido - v.41-42:
Davi saiu então detrás da colina, lançou-se com o rosto por terra
e curvou-se três vezes; e começaram a beijar-se um ao outro e a chorar um pelo outro . E Jônatas disse a Davi:
'Vai em paz. Quanto ao juramento que nós dois fizemos no nome do Senhor, que o Senhor seja testemunha entre mim e ti, e entre
a minha descendência e a tua.'
I Samuel 23:16-18
II Samuel 1:26
Do lamento de Davi na morte de Jônatas:
'Tenho o coração apertado por tua causa, meu irmão Jônatas. Tu me eras imensamente querido. Teu amor me era mais precioso que o amor das mulheres.'
II Samuel 9:1-13


"David e Jónatas fazem uma aliança".

1 Samuel 20

1 Então fugiu Davi de Naiote, em Ramá, veio ter com Jônatas e lhe disse: Que fiz eu? qual é a minha iniqüidade? e qual é o meu pecado diante de teu pai, para que procure tirar-me a vida?
2 E ele lhe disse: Longe disso! não hás de morrer. Meu pai não faz coisa alguma, nem grande nem pequena, sem que primeiro ma participe; por que, pois, meu pai me encobriria este negócio? Não é verdade.
3 Respondeu-lhe Davi, com juramento: Teu pai bem sabe que achei graça aos teus olhos; pelo que disse: Não saiba isto Jônatas, para que não se magoe. Mas, na verdade, como vive o Senhor, e como vive a tua alma, há apenas um passo entre mim e a morte.
4 Disse Jônatas a Davi: O que desejas tu que eu te faça?
5 Respondeu Davi a Jônatas: Eis que amanhã é a lua nova, e eu deveria sentar-me com o rei para comer; porém deixa-me ir, e esconder-me-ei no campo até a tarde do terceiro dia.
6 Se teu pai notar a minha ausência, dirás: Davi me pediu muito que o deixasse ir correndo a Belém, sua cidade, porquanto se faz lá o sacrifício anual para toda a parentela.
7 Se ele disser: Está bem; então teu servo tem paz; porém se ele muito se indignar, fica sabendo que ele já está resolvido a praticar o mal.
8 Usa, pois, de misericórdia para com o teu servo, porque o fizeste entrar contigo em aliança do Senhor; se, porém, há culpa em mim, mata-me tu mesmo; por que me levarias a teu pai?
9 Ao que respondeu Jônatas: Longe de ti tal coisa! Se eu soubesse que meu pai estava resolvido a trazer o mal sobre ti, não to descobriria eu?
10 Perguntou, pois, Davi a Jônatas: Quem me fará saber, se por acaso teu pai te responder asperamente?
11 Então disse Jônatas a Davi: Vem, e saiamos ao campo. E saíram ambos ao campo.
12 E disse Jônatas a Davi: O Senhor, Deus de Israel, seja testemunha! Sondando eu a meu pai amanhã a estas horas, ou depois de amanhã, se houver coisa favorável para Davi, eu não enviarei a ti e não to farei saber?
13 O Senhor faça assim a Jônatas, e outro tanto, se, querendo meu pai fazer-te mal, eu não te fizer saber, e não te deixar partir, para ires em paz; e o Senhor seja contigo, assim como foi com meu pai.
14 E não somente usarás para comigo, enquanto viver, da benevolência do Senhor, para que não morra,
15 como também não cortarás nunca da minha casa a tua benevolência, nem ainda quando o Senhor tiver desarraigado da terra a cada um dos inimigos de Davi.
16 Assim fez Jônatas aliança com a casa de Davi, dizendo: O Senhor se vingue dos inimigos de Davi.
17 Então Jônatas fez Davi jurar de novo, porquanto o amava; porque o amava com todo o amor da sua alma.
18 Disse-lhe ainda Jônatas: Amanhã é a lua nova, e notar-se-á a tua ausência, pois o teu lugar estará vazio.
19 Ao terceiro dia descerás apressadamente, e irás àquele lugar onde te escondeste no dia do negócio, e te sentarás junto à pedra de Ezel.
20 E eu atirarei três flechas para aquela banda, como se atirasse ao alvo.
21 Então mandarei o moço, dizendo: Anda, busca as flechas. Se eu expressamente disser ao moço: Olha que as flechas estão para cá de ti, apanha-as; então vem, porque, como vive o Senhor, há paz para ti, e não há nada a temer.
22 Mas se eu disser ao moço assim: Olha que as flechas estão para lá de ti; vai-te embora, porque o Senhor te manda ir.
23 E quanto ao negócio de que eu e tu falamos, o Senhor é testemunha entre mim e ti para sempre.
24 Escondeu-se, pois, Davi no campo; e, sendo a lua nova, sentou-se o rei para comer.
25 E, sentando-se o rei, como de costume, no seu assento junto à parede, Jônatas sentou-se defronte dele, e Abner sentou-se ao lado de Saul; e o lugar de Davi ficou vazio.
26 Entretanto Saul não disse nada naquele dia, pois dizia consigo: Aconteceu-lhe alguma coisa pela qual não está limpo; certamente não está limpo.
27 Sucedeu também no dia seguinte, o segundo da lua nova, que o lugar de Davi ficou vazio. Perguntou, pois, Saul a Jônatas, seu filho: Por que o filho de Jessé não veio comer nem ontem nem hoje?
28 Respondeu Jônatas a Saul: Davi pediu-me encarecidamente licença para ir a Belém,
29 dizendo: Peço-te que me deixes ir, porquanto a nossa parentela tem um sacrifício na cidade, e meu irmão ordenou que eu fosse; se, pois, agora tenho achado graça aos teus olhos, peço-te que me deixes ir, para ver a meus irmãos. Por isso não veio à mesa do rei.
30 Então se acendeu a ira de Saul contra Jônatas, e ele lhe disse: Filho da perversa e rebelde! Não sei eu que tens escolhido a filho de Jessé para vergonha tua, e para vergonha de tua mãe?
31 Pois por todo o tempo em que o filho de Jessé viver sobre a terra, nem tu estarás seguro, nem o teu reino; pelo que envia agora, e traze-mo, porque ele há de morrer.
32 Ao que respondeu Jônatas a Saul, seu pai, e lhe disse: Por que há de morrer. que fez ele?
33 Então Saul levantou a lança, para o ferir; assim entendeu Jônatas que seu pai tinha determinado matar a Davi.
34 Pelo que Jônatas, todo encolerizado, se levantou da mesa, e no segundo dia do mês não comeu; pois se magoava por causa de Davi, porque seu pai o tinha ultrajado.
35 Jônatas, pois, saiu ao campo, pela manhã, ao tempo que tinha ajustado com Davi, levando consigo um rapazinho.
36 Então disse ao moço: Corre a buscar as flechas que eu atirar. Correu, pois, o moço; e Jônatas atirou uma flecha, que fez passar além dele.
37 Quando o moço chegou ao lugar onde estava a flecha que Jônatas atirara, gritou-lhe este, dizendo: Não está porventura a flecha para lá de ti?
38 E tornou a gritar ao moço: Apressa-te, anda, não te demores! E o servo de Jônatas apanhou as flechas, e as trouxe a seu senhor.
39 O moço, porém, nada percebeu; só Jônatas e Davi sabiam do negócio.
40 Então Jônatas deu as suas armas ao moço, e lhe disse: Vai, leva-as à cidade.
41 Logo que o moço se foi, levantou-se Davi da banda do sul, e lançou-se sobre o seu rosto em terra, e inclinou-se três vezes; e beijaram-se um ao outro, e choraram ambos, mas Davi chorou muito mais.
42 E disse Jônatas a Davi: Vai-te em paz, porquanto nós temos jurado ambos em nome do Senhor, dizendo: O Senhor seja entre mim e ti, e entre a minha descendência e a tua descendência perpetuamente.   [20:43] Então Davi se levantou e partiu; e Jônatas entrou na cidade.


Do "Eclesiástico"
Livro deuterocanônico (só na Bíblia católica)
Um amigo fiel é um poderoso refúgio
quem o descobriu descobriu um tesouro.
Um amigo fiel não tem preço,
é imponderável o seu valor.
Um amigo fiel é um bálsamo vital
e os que temem o Senhor o encontrarão.
(Eclesiástico 6:14-16)

PERMITAM SEREM LIVRE PELO PODER DO SANGUE DE JESUS CRISTO QUE MORREU PARA DAR A VOCÊS NOVA VIDA.

AFINAL , DAVI AMAVA A JONATAS COM UM AMOR PURO , COMO DE PAI PARA FILHO , COMO ENTRE IRMÃOS  , ATITUDE ESSA  QUE NÃO TEVE NENHUM CUNHO SEXUAL , AFIRMAR QUE ELES ERAM HOMOSSEXUAIS  É COISA DE DEPRAVADO.

BISPO ROBERTO TORRECILHAS
gritosdealerta.blogspot.com

Deputado retira PEC que inclui orientação sexual nos direitos da Constituição estadual


O deputado estadual do Rio de Janeiro Gilberto Palmares optou por retirar da pauta dessa segunda-feira, 6, a proposta de emenda constitucional (PEC) 23/2007 que inclui a orientação sexual entre as características pelas quais um cidadão não pode ser discriminado ou beneficiado, segundo a Constituição do Estado. O texto já tinha sido aprovado em primeira discussão no dia 25 de maio.
Mas, face à campanha encabeçada pelo pastor Silas Malafaia, que acusa a proposta de inconstitucionalidade e que pediu aos seus seguidores no Twitter e aos fiéis da Associação Vitória em Cristo (Avec) para enviarem emails aos deputados do RJ pedindo para não aprovarem o texto, o deputado optou por adiar a discussão da proposta. “Decidi retirar a PEC, porque, antes de ela entrar de novo em pauta, quero conversar com a bancada evangélica para explicar o meu real objetivo com esse texto”, explicou o parlamentar, em entrevista exclusiva à revista Exibir Gospel.
O deputado rebate as críticas do pastor Silas Malafaia, que comparou a PEC 23/2007 à PL 122, que criminaliza a homofobia: “A minha proposta não tem relação nenhuma com a PL 122. O propósito da PEC é evitar que mais homossexuais morram, como aconteceu recentemente em São Gonçalo”. Ele acrescenta que pretende marcar para a próxima semana uma reunião com os deputados evangélicos, para esclarecer toda a polêmica. “O pastor Silas Malafaia tem todo o direito a manifestar a sua opinião, mas eu quero deixar claro que não pretendo entrar nesse debate de discutir relação homoafetiva. O meu objetivo não é apenas que a proposta seja aprovada, é garantir direitos como meio de combate a agressões”, explica. Ele aproveitou para dar a sua opinião sobre a PL 122, que, segundo ele, não deve ser aprovada da maneira como está redigida. “Ninguém pode ser criminalizado por delito de opinião”.

Por Ana Lima/Exibir Gospel

Imperdível: John Piper fala sobre batismo infantil


 1.  Arrependimento e fé precedem toda ordenança e instância de Batismo no Novo Testamento
Atos 2.37-38, 41
 E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos? 38 E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; 41 De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas.

2. Não existe instância de batismo infantil na Bíblia.
E sobre batismos familiares? (Atos 16.15, 33; 1 Coríntios 1.16)
É um argumento do silêncio que crianças foram inclusas nestas três ocasiões[i]. Além disso, em Atos 16.30-33 Lucas aponta que a Palavra de Deus foi pregada a todos aqueles que foram batizados, deste modo, não sugerindo crianças, mas sim aqueles que podiam ouvir a Palavra é que foram batizados. 
Atos 16.30-33
30 “E, tirando-os para fora disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar?” 31 “E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa”. 32 “E lhe pregavam a palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa”. 33 “E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi batizado, ele e todos os seus”.

3. Batismo É descrito por Paulo como uma expressão de fé.
Colossenses 2.11-12
11 No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, a circuncisão de Cristo;12 Sepultados com ele no batismo, nele [isto é, o batismo] também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos.
Assim sendo, o batismo é uma expressão de fé, e o ressuscitar com Cristo que acontece no batismo acontece por virtude do batismo ser uma expressão de fé que os infantes não podem exercer.

4. O batismo é descrito por Pedro como um apelo (indagação) a Deus pela pessoa sendo batizada.
1 Pedro 3.18-21
18 Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito; 19 No qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão; 20 Os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água; 21 Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, o batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo;
O batismo salva no mesmo sentido que de que é uma expressão exterior de um apelo interior a Deus, não como um mero ritual de água. Ele salva da forma que a confissão dos lábios salva em Romanos 10.9 – na medida que a confissão dos lábios é uma expressão de fé do coração.
Mas e acerca do sinal da aliança feita com os filhos dos israelitas na Velha Aliança?
Genesis 17.7-13
7 E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti. 8 E te darei a ti e à tua descendência depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão e ser-lhes-ei o seu Deus. 9 Disse mais Deus a Abraão: Tu, porém, guardarás a minha aliança, tu, e a tua descendência depois de ti, nas suas gerações. 10 Esta é a minha aliança, que guardareis entre mim e vós, e a tua descendência depois de ti: Que todo o homem entre vós será circuncidado. 11 E circuncidareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal da aliança entre mim e vós. 12 O filho de oito dias, pois, será circuncidado, todo o homem nas vossas gerações; o nascido na casa, e o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua descendência. 13 Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; e estará a minha aliança na vossa carne por aliança perpétua.
Catecismo de Heidelberg:
[Crianças filhos de pais cristãos] pertencem à aliança e o povo de Deus… eles também devem ser batizados como um sinal da aliança, inseridas na igreja cristã e distinguidas dos filhos dos incrédulos, como era feito no Antigo Testamento pela circuncisão, em lugar do qual o batismo do Novo Testamento é apontado.
Diretório de Culto [Público] de Westminster
A descendência e posteridade do fiel nascido dentro da igreja têm por seu nascimento um interesse na aliança e direito ao selo dela e aos privilégios externos da igreja sob o evangelho, não menos que os filhos de Abraão na época do Velho Testamento…
Por que o batismo não é realizado aos filhos de pais cristãos na Nova Aliança como a circuncisão era realizada aos filhos de pais judeus na antiga aliança?

5. Porque os membros da nova aliança não são definidos por uma descendência física, como os membros da antiga aliança eram, mas pela escrita de Deus em seus próprios corações e chamando-os para si e trazendo-os ao arrependimento e fé.
De acordo com este estreitamento das pessoas da aliança para aqueles que são verdadeiramente nascidos de Deus, o novo sinal da aliança significa que a pessoa é, de fato, parte da comunidade de nascidos de novo, que é evidenciado pela fé.
Da mesma forma que uma mudança no sinal ocorreu para permitir que homens e mulheres participassem do sinal (batismo no lugar da circuncisão), assim, deixando mais claro que antes que mulheres e homens são igualmente herdeiros da salvação (1 Pedro 3.7), então também uma mudança nos recipientes do sinal aconteceu para deixar mais claro que sob a Nova Aliança o povo de Deus não é determinado por uma descendência física, mas uma transformação espiritual, evidenciada pela fé.
5.1 João Batista chamou para ser batizado aqueles que já possuíam o sinal da aliança, mostrando que um novo significado estava sendo dado ao sinal – não mais apontando para a descendência de Abraão, mas antes a descendência espiritual por meio da fé e arrependimento.
Mateus 3.7-9
 7 E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? 8 Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; 9 E não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que, mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão.
5.2 Jesus confirmou o ministério de João e definiu os filhos de Deus não como aqueles nascidos de certos pais, mas aqueles nascidos de Deus pela fé.
João 1.12-13
12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; 13 Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
5.3 Paulo elucidou que os filhos de Abraão a quem a promessa foi feita não eram aqueles nascidos de acordo com a carne, mas aqueles nascidos de acordo com a promessa. Filhos da promessa e filhos da carne não são a mesma coisa.
Romanos 9.6-8
6 Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos os que são de Israel são israelitas; 7 Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas em Isaque será chamada a tua descendência. 8 Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.
Gálatas 3.6-7
6 Assim como Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. 7 Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão.
5.4. Os filhos a quem a promessa é feita são os filhos que são “chamados”, e a chamada de Deus é livre e não preso à família física.
Atos 2.39
Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.



Tradução: Wellington Mariano
Fonte: http://www.desiringgod.org/resource-library/articles/infant-baptism-and-the-new-covenant-community/print?lang=en

A PRIORIDADE DO MINISTÉRIO


 
O segredo do sucesso de um ministério cristão está em como ele se localiza prioritariamente na vida do cristão. Muitos dizem: "O ministério, certamente, ocupa o primeiro lugar, pois afinal trabalhamos para o Senhor!". Devemos nos lembrar que o ministério é FRUTO de uma vida de adoração e comunhão com Deus, do exercício deste relacionamento na família, servindo a nosso cônjuge e filhos, do nosso trabalho e formação.

Devemos viver em função do direito que Deus tem sobre nossa vida. Este direito tem prioridade sobre os outros interesses humanos. A ordem das prioridades de Deus:

. Deus (Ef 5:18-19)
. Cônjuge (Ef 5:21-33)
. Filhos (Ef 6:1-4)
. Profissão (Ef 6:5-9)
. Ministério (Ef 6:11-12)

É importante entendermos que o ministério, embora seja a nossa quinta prioridade, na verdade refletirá como estamos nos saindo nas quatro primeiras. Mesmo ele sendo a quinta prioridade, isso não indica que deva ser exercido quando possível, ou quando sobrar tempo, pois ele não deixa de ser também uma prioridade. No momento que estou me dedicando a ele, então se torna a minha prioridade. Isto também se aplica as outras.

Um ministério fraco denota um fraco relacionamento com Deus, e não falta de tempo em virtudes das outras prioridades. Um ministério fraco não é aquele que não aparece, mas aquele que, para a própria pessoa que o exerce, é algo pesado, enfadonho, sem alegria, sem entusiasmo, sem perspectiva, sem frutos.

Nossa vida é falar de Cristo, é manifestar a Ele onde quer que estejamos, na família, trabalho, comunidade. E para isto, cada um recebeu de Deus pelo menos um dom ou capacitação especial. O ministério permeia a vida. Ele está embutido naquilo que fazemos, pensamos. Se você atua no ministério da música, com certeza isso sempre estará em sua mente, e merece uma atenção especial. Do mesmo modo se você trabalha com casais, jovens, crianças etc. A multiforme graça de Deus se manifesta não por meio de uma só pessoa ou grupo, mas em todo o Corpo de Cristo.

Se o nosso relacionamento com Deus ultrapassar a barreira da religiosidade, e começarmos a agir como filhos, amigos de Deus, Ele revelará ao nosso coração os seus segredos, os seus pensamentos, anseios e desejos. E como filhos (e não apenas servos), como amigos que merecem confiança, Ele nos revelará como devemos cuidar do nosso cônjuge, filhos, família, profissão e ministério. Ele nos dará o ponto de equilíbrio! Receberemos Palavra fresca pelo seu Espírito que habita em nós, e esta Palavra em nós será uma fonte a jorrar para a vida eterna.

Deus abençoe!

Ronaldo Bezerra
(Para falar com o Ronaldo envie um email para ronaldo_bezerra@hotmail.com)

Comunidade cristã em Nazaré corre risco de extinção

   
 
Igreja Cristã em Nazaré  
  Um membro do alto clérigo católico na Terra Santa diz que a comunidade cristã está sofrendo perigo de extinção em Nazaré, cidade árabe-israelense, onde os cristãos acreditam que Jesus passou sua juventude.

O bispo Giacinto Boulos Marcuzzo disse que muitos cristãos, que são minoria, já começaram a emigrar para outras regiões, em razão das tensões religiosas com os islâmicos locais, que tentaram construir uma mesquita próxima à igreja principal da cidade.

Israel encerrou o projeto da mesquita em 2003 e desde então a cidade tem estado calma. Mas o bispo Marcuzzo afirma que, na região, as ameaças continuam contra as comunidades cristãs, onde a primeira igreja foi construída muito tempo atrás.

O bispo Marcuzzo ainda disse que a emigração dos cristãos que estão deixando Nazaré coloca em risco a sobrevivência da comunidade cristã nesse local de grande importância bíblica.

Ele também diz que a principal causa da emigração é a criação de uma campanha islâmica para aumentar seu poder político em Nazaré. “Nosso problema não é não existir paz, nem justiça ou igualdade entre as pessoas”, disse Marcuzzo.

A tensão explodiu em 1997, quando os muçulmanos montaram uma tenda de oração próxima da Basílica de Nazaré da Anunciação, localizada onde os cristãos acreditam que um anjo disse a Maria que ela daria à luz a Jesus.

Os líderes cristãos se organizaram para que o local fosse preservado para ser uma praça para turistas. Essa ideia irritou alguns muçulmanos, que se revoltaram em Nazaré, no domingo de Páscoa em 1999, quando quebraram e destruíram casas e carros de propriedade de cristãos.

“Para nós, esse problema causou essa reação: muitas famílias querem ir embora, porque a vida se tornou muito difícil aqui em Nazaré, desde aqueles dias até hoje”, afirmou Marcuzzo.

Tradução: Lucas Gregório



Fonte: Voa News
 

COMUNICADO DO PASTOR SILAS MALAFAIA



    Está em trâmite na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro a proposta de emenda à Constituição do Estado do RJ PEC 23/2007, de autoria do deputado Gilberto Palmares, que inclui a orientação sexual (LGBT) no rol dos direitos fundamentais previstos na Constituição. Para que a emenda seja aprovada, precisa passar por duas votações. A primeira aconteceu no dia 25 de maio, que findou com a aprovação da proposta.

    É bem verdade que, naquela ocasião, tanto a bancada evangélica como a católica não perceberam o jogo e votaram a favor da PEC 23/2007, inclusive meu irmão, deputado Samuel Malafaia. Fizeram isso não porque apoiam essa emenda, mas por não terem observado minuciosamente a proposta. Tanto que foram os próprios parlamentares cristãos que me alertaram.

    O que eu acho engraçado é dizerem que eu critiquei a PEC 23/2007 porque não observei que meu irmão havia votado a favor, como se minha postura fosse baseada pela atitude dos outros, sejam membros da minha família ou não. Com todo o respeito, querem insinuar que eu sou um mau-caráter, que ficaria calado se soubesse que meu irmão cometeu um erro. Pelo jeito vocês ainda não me conhecem. A minha consciência não está à venda para ninguém.

SOLAS MALAFAIA

"A perseguição é parte da vocação cristã", diz bispo

Três anos após o massacre em Kandhamal, o número de fiéis na região de Orissa está crescendo, diz o arcebispo da região, John Barwa.

Enquanto a perseguição aos cristãos permanece, a fé das pessoas tem crescido e “o número de fiéis está aumentando”, disse o arcebispo, que foi recentemente empossado como o novo arcebispo de Cuttack-Bhubaneshwar.

“A perseguição existe, enfrentamos muitos desafios, sempre estamos preocupados. Mas acreditamos que a perseguição é parte da nossa vocação cristã e da nossa vida cristã. Não temos medo, nós temos que viver para Deus”, disse o arcebispo em entrevista para a Fides.

“Sabemos que, onde há perseguição, a fé se fortalece e hoje eu tenho orgulho de dizer que a fé do meu povo está se fortalecendo. O sangue derramado por causa da nossa fé em Cristo é sempre a semente de novos cristãos. Em Orissa, o número de cristãos está aumentando.”

De acordo com o Conselho Cristão da Índia, 14 dos 30 distritos do estado de Orissa foram afetados pela violência religiosa. Foram 6 mil casas queimadas em 400 aldeias, incluindo 296 igrejas e lugares onde se realizavam cultos cristãos.

“Em resumo, há ódio e hostilidade contra os cristãos, que resultam em discriminação em nome de alguns setores da sociedade e também para as instituições”, disse o Arcebispo.

John Barwa ainda disse que a população da região não tem confiança na polícia e na segurança deles, pois constantemente sofrem violência e não são ajudados. 


Fonte: Persecution

Jesus orou como muçulmano?




Queridas Zahrahs do Mundo Islamico: 
Geralmente as pessoas cometem vários erros para se estudar a Bíblia. Da próxima vez, tente comentar uma coisa de cada vez. Voce enviou tanto assunto que seria impossível tratar de todos eles em um so artigo. Por exemplo, voce comenta que:
1.    Que os ensinos de Jesus e Maomé são validos hoje,
2.    O jeito que Jesus orou prova que ele era muçulmano,
3.    Que Jesus veio cumprir e não abolir a lei,
4.    Que Jesus foi chamado de bom, e bom é somente Deus, 
5.    Que Jesus disse que somente Deus deve ser adorado, etc. 

Todas estas questões ja foram resolvidas e serão ainda mais esclarecidas em futuros artigos. Então não se apresse. Escolha um bom argumento e nos escreva.
Quando alguém te pergunta se voce ja leu algo, geralmente o que a pessoa quer dizer é se voce ENTENDEU o que voce leu. Ler a Bíblia, não é o mesmo que ler um jornal como o Al-Ahram ou Al-Masry Al-Youm.
A Bíblia traz a pergunta certa em Atos 8: 30
E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? 
No entanto o Etíope foi mais honesto que a maioria dos muçulmanos e respondeu no v. 31:
Como poderei entender, se alguém não me ensinar?
Para instruir a voce a outros aqui vão algumas regras básicas para se entender QUALQUER literatura.
A)  Desde que a Bíblia é um “CORPO LITERÁRIO”, ou seja, não existem fotos, diagramas na Bíblia, mas somente palavras, frases, sentenças, parágrafos, capítulos etc. Então se precisa empregar o método gramatical e literário para entender a Bíblia. O uso de dicionários e leis gramaticais é de fundamental importância neste processo. Assim como no Alcorão.
B)   Desde que a Bíblia é um corpo literário OBJETIVO, ou seja, a Bíblia apresenta o fato como ele é, não embeleza e nem tenta arrumar a realidade das coisas. Então se precisa empregar o método indutivo e não dedutivo ou espiritualizado. Não se pode forçar as nossas próprias opiniões ao texto. Deixe o texto falar por si mesmo. Assim como se deve fazer também com o Alcorão.
C)   Desde que a Bíblia é um corpo COMPLETO de literatura, ou seja, a Bíblia oferece as resposta dentro da próprio Bíblia. Não se necessita sair da Bíblia para se entender as doutrinas da Bíblia. Então, se necessita iniciar, estudando a Bíblia e não os “livros que falam sobre a Bíblia”. A Bíblia interpreta a si mesma. CONTRARIO ao Alcorão, não se entende nada se não se recorrer para as Hadiths. 
D)  Desde que a Bíblia é uma literatura HISTÓRICA, ou seja, os registros da Bíblia falam de tempos antigos, do começo da historia onde Deus começou o seu relacionamento com os seres humanos. Então, se deve empregar o método histórico, ou seja, as culturas, costumes, eventos e personalidades da Bíblia precisam ser entendidos em um contexto histórico e não contemporâneo. Não se pode interpretar o passado com “olhos contemporâneos”. O mesmo se aplica ao Alcorão, mas o Alcorão DIFERE da Bíblia porque não traz nenhuma cronologia, datas, dados culturais etc. O Alcorão foi escrito com uma visão puramente Árabe.
E)   Desde que a Bíblia é um documento literário que demanda o uso da LÓGICA e RACIOCÍNIO, ou seja, a Bíblia não é um livro ESOTÉRICO, de mágicas, ou segredos místicos. Então, o método para se estudar a Bíblia deve ser CONCRETO. Não se alegoriza o que é claramente literal na Bíblia. As palavras tem significados concretos e devem ser entendidos dentro deste contexto. Contrario ao Alcorão, não existe parâmetros que determinam a lógica e o raciocínio. O Alcorão desafia e contradiz a lógica e a ciência em vários capítulos.
F)   Desde que a Bíblia é uma literatura sobre as situações da VIDA, ou seja, a Bíblia não foi escrita em um formato de enciclopédia, ciências, ou um livro de leis, em ordem alfabética contendo informação sobre todos os aspectos da vida, mas registra e mostra a vida normal e cotidiana das pessoas. Deus usou este processo para revelar a sua vontade e seus pensamentos. Então, o método para se entender a Bíblia deve ser DINÂMICO, as historias e situações contidas na Bíblia irão revelar as verdades e princípios sobre Deus, sobre o ser humano, sobre o pecado e sobre a solução para o pecado. A Bíblia também difere do Alcorão neste aspecto, a maioria das historias do Alcorão trazem situações sobre a vida de Maomé que não se aplicam jamais para a vida das pessoas.
G)  Desde que a Bíblia é um corpo literário com dimensão ESPIRITUAL, isto é, ainda que a Bíblia trata de assuntos históricos, contem gramática, leis, cultura etc; POREM o objetivo primário da Bíblia é claramente ESPIRITUAL (Deus se relacionando com o ser humano). Então, a Bíblia precisa ser aproximada com uma compreensão ESPIRITUAL. A própria Bíblia diz que não é cultura, conhecimento, ciência que desvendara o mundo espiritual da Bíblia, mas FÉ e a ação do ESPÍRITO SANTO (“Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus” 1 Cor 2:11-16). O Alcorão afirma que veio de Deus, mas falha para oferecer as provas necessárias.
H) Desde que a Bíblia é um corpo literário que afirma ser a REVELAÇÃO de DEUS, ou seja, homens comuns, porem escolhidos por Deus foram usados para transmitir o pensamento de Deus, que demanda obediência e fé, a Bíblia é ÚNICA nesta categoria. Então, a Bíblia precisa ser estudada com reverencia. Estranhamente, o próprio Maomé reconheceu que a Bíblia foi enviada por Deus e que os Cristãos e Judeus tinham a “Palavra de Deus” nas suas mãos, mas na PRATICA os muçulmanos negam que a Bíblia é a Palavra de Deus.
Espero que tenha sido útil este pequeno comentário acima.
Zahrah, o fato de voce usar um monte de versos da Bíblia, não significa absolutamente nada. A Bíblia é um conjunto literário e precisa ser entendida de acordo com este conjunto. Nao adianta voce usar versos isolados para provar o seu ponto, isso se chama “PICARETAGEM e VIGARICE INTELECTUAL” e o Islam esta cheio de casos assim. 
Seria bom usar a “Lei da não contradição”. Algo não pode ser falso e verdadeiro ao mesmo tempo.
Primeiro, a Palavra de Deus não tem prazo de validade.
Segundo, a Palavra de Deus pode ser progressiva, mas nunca regressiva.
Terceiro, a Palavra de Deus pode ser abrangente mas nunca contradizente.
Veja o que voce disse: (não corrigi os seus erros)   
“Lógico que Jesus na época era o caminho (a palavra de Deus ) naquela época e serve ate hoje seus ensinamentos. Da mesma forma que Mohammad tambem foi o hoje em dia e o caminho para nos.”
Me diz como alguém pode ser o caminho naquela época e ser hoje e ainda assim se harmonizar com os ensinos de Maomé?
Jesus disse para amar os inimigos e Maomé disse para não ser amigo do Cristãos e Judeus: Como podem os ensinos de Jesus serem harmonizados com os ensinos de Maomé? Ou voce não pensou antes de escrever ou voce esta totalmente confusa Voce precisa resolver esta CONTRADIÇÃO primeiro antes de ir adiante.
Mas para o beneficio dos outros leitores irei adiante. Novamente voce disse:
“Jesus dando a prova de que era um humano, criatura de Deus ,e não um Deus como afirmam” 


Eu não sei se o seu problema é a sua falta de conhecimento gramatical ou teológico. Talvez ambos. Teologicamente, nos Cristãos SEMPRE afirmamos que Jesus era HOMEM e DEUS ao mesmo tempo. Gramaticamente, nos Cristãos NUNCA afirmamos que Jesus era “UM” DEUS. Isso não é uma questão numérica e sim qualitativa. Voce consegue ver a diferença?
Somente para dar um exemplo de como voce não conhece nada da Bíblia e infelizmente esta indo para o INFERNO por causa disso, olha so ate que ponto chegou a sua falta de conhecimento.
Voce disse que:
“Mateus 26:39 Jesus rezava igual muçulmanos.
Se seguem seus ensinamentos porque não rezam igual?
- E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.”
e ai tem mais outros profetas que rezavam igual.
 “... Então Josué prostrou-se com o rosto por terra e o adorou...” 
Típico de “PICARETAGEM INTELECTUAL” de Muçulmano: Voces se agarram em uma forma CULTURAL comum em quase todas as culturas e as usa como se fosse uma prova definitiva de que se alguém ora assim, então ele é muçulmano. Isso não passa de VIGARICE intelectual (Falta de integridade).
Espero que voce pelo menos saiba que no Islam, é proibido “REZAR” ou “ORAR” olhando para os céus. Maomé disse que quem ora olhando para o céu, teria a sua visão retirada:
“Narrado por Anas bin Malik: O Profeta disse: “O que há de errado com aquelas pessoas que olham para o céu durante a oração?” Sua fala ficou ríspida ao entregar esse discurso e ele disse: “Eles deveriam parar (olhando para o céu durante a oração), caso contrário as suas visões seriam tiradas.” (Sahih Bukhari 1.717)
Neste caso, então esta provado que Jesus não era muçulmano, pois ele orou OLHANDO para o céu.
Lucas 9 : 16 “Tomando os cinco pães e os dois peixes, e olhando para o céu, deu graças e os partiu. Em seguida, entregou-os aos discípulos para que os servissem ao povo.”
Mateus 19:13 “Depois trouxeram crianças a Jesus, para que lhes impusesse as mãos e orasse por elas. Mas os discípulos os repreendiam.”
João 11:41 “Então tiraram a pedra (da sepultura de Lazaro). Jesus olhou para cima e disse: "Pai, eu te agradeço porque me ouviste.”
João 17:1 “Depois de dizer isso, Jesus olhou para o céu e orou: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique.”
Voce pode ver o absurdo de querer provar o Islam usando vigarices e picaretagens? Jesus não somente olhou para os céus, mas ele orava de pe, sentado, ajoelhado, pregado na cruz etc. A Bíblia NUNCA ensinou que a posição do corpo afeta a oração, mas a Bíblia deixa claro que a posição do CORAÇÃO é a que realmente importa.
Espero que estes ponto esteja claro. A grande totalidade dos problemas que voce apresentou, são facilmente provados, que voce esta simplesmente repetindo o que outros picaretas intelectuais ja fizeram ha muito tempo atrás, ou seja, “torcer as palavras  e o significado daquilo que Jesus realmente quis dizer”.   
Em breve, vou lançar um artigo sobre a questão da LEI. Esta é a questão mais deturpada pelos muçulmanos para poderem justificar as barbaridades de Maomé. Tenha paciência comigo!
Mas antes de terminar, eu gostaria de dizer a todos os muçulmanos: Arrependa-se antes que seja tarde demais, antes que o seu coração esteja endurecido e ja não haja mais jeito de voltar atrás. Jesus esta te esperando com os braços abertos.
 
Copiado do site  RAFIK RESPONDE AO ISLAN.

Ateísmo internacional dá prioridade aos países em desenvolvimento , Brasil é um dos escolhidos.


A recém-criada AAI (Aliança Ateísta Internacional) decidiu que países em desenvolvimento – como o Brasil – vão ter prioridade em seu propósito de incentivar a criação de entidades de ateus e livres pensadores. A entidade foi anunciada no final da semana passada em Dublin (Irlanda), durante a Primeira Convenção Mundial de Ateus.

A direção da AAI é composta por 19 representantes de países da Europa, América do Norte, América do Sul, África e Ásia e da Austrália.

Entre eles está o biólogo britânico Richard Dawkins, autor do livro “Deus, um delírio”. Tanya Smith (foto), da Austrália, é a presidente.

Tanya disse que a AAI vai se empenhar para que haja cooperação entre as organizações ateias e se colocar como porta-voz de reivindicações seculares, e a principal delas é a separação entre o Estado e a religião.

“A Aliança Ateísta Internacional será a voz global das causas ateístas e seculares", afirmou. "A direção [da entidade] está animada em começar a promover e a apoiar o livre pensamento em todo o mundo.”

Com informação do site da Atheist Alliance International.
PAULO LOPES 


VIA GRITOS DE ALERTA