segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Reduzir níveis de gordura no sangue continua fundamental, dizem médicos


Novas orientações das sociedades americanas de cardiologia estão deixando muita gente em dúvida: pessoas que não tiveram infarto ou derrame e têm colesterol alto devem ou não tomar remédios para baixar esses níveis?

Ao eliminar as chamadas metas de colesterol --o número máximo de LDL, o colesterol "ruim", que cada grupo de pessoas deve ter de acordo com seu perfil de risco para derrame e infarto-, o documento publicado em novembro deixou a impressão de que já não importa qual o nível de gorduras no sangue.

Assim, não seria mais necessário tomar remédios contra colesterol, as estatinas, nem fazer exames para ver o progresso do tratamento.

No sábado retrasado, o oncologista Drauzio Varella, colunista da Folha, escreveu, ao citar as novas diretrizes da American Heart Association e do American College of Cardiology: "Segundo elas, os níveis de colesterol não interessam mais. Se seu LDL é alto, não fique aflito para reduzi-lo: o risco de sofrer ataque cardíaco ou derrame cerebral não será modificado".

Cardiologistas brasileiros envolvidos na elaboração das diretrizes nacionais de controle do colesterol, publicadas também neste ano, discordam do colunista.

Raul Santos Filho, da Faculdade de Medicina da USP, diz que a nova diretriz dos EUA é clara ao recomendar redução de 30% a 50% ou mais dos níveis de colesterol a depender do perfil de risco do paciente como ato eficaz para evitar infarto e derrame.

"Se o nível de colesterol não fosse importante, por que mandariam baixar tanto?"

O cardiologista Hermes Toros Xavier, editor da atual diretriz brasileira sobre o tema, diz que as metas não foram suspensas pela irrelevância dos níveis de colesterol, e sim porque os estudos nos quais as orientações se basearam viam só o efeito da redução das taxas, e não o desempenho em cada nível.

De fato, o texto americano classifica a redução de 50% do colesterol "ruim" como um "fator crítico" para evitar eventos cardiovasculares.

REMÉDIO PRA QUEM?
Tendo como base estudos nos quais a resposta de grupos equivalentes de pacientes a um tratamento ou a um placebo são comparados, a diretriz americana conclui que há quatro tipos de pessoas para as quais o uso de remédios anticolesterol tem mais benefícios do que riscos.

O primeiro grupo é são os que já têm doenças cardíacas, como os infartados. Aqui não há controvérsia. Depois vêm as pessoas com LDL bem alto, maior do que 190 mg/dl. Os diabéticos com LDL entre 70 e 189 mg/dl constituem o terceiro grupo.

O último e mais controverso grupo é tem potencial de incluir o maior número de pessoas: adultos sem doenças cardíacas, com LDL entre 70 e 189 mg/dl e com risco igual ou maior a 7,5% de ter um evento cardiovascular nos próximos dez anos.

Esse risco é calculado por meio de uma fórmula já bem conhecida dos cardiologistas mas que foi atualizada para a nova diretriz --e muito criticada, por superestimar o risco em certos grupos e por subestimá-lo em outros.

A tabela leva em conta os seguintes itens: sexo, idade, raça (afroamericana ou branca e outras), níveis de colesterol, pressão arterial, se a pessoa faz tratamento para baixar a pressão, se tem diabetes e se fuma.

EVIDÊNCIAS
A última pesquisa grande sobre estatinas em pessoas sem doenças cardiovasculares foi publicada neste ano pela Cochrane, entidade de renome que realiza grandes revisões de estudos. Ela concluiu que o tratamento com estatinas é benéfico mesmo para quem nunca teve problemas cardíacos e que não traz efeitos colaterais graves.

John Abramson, da Escola Médica de Harvard, publicou uma análise no "British Medical Journal" questionando conclusões dessa revisão e de outra de 2012, a CTT, uma colaboração internacional.

O problema principal é o número de pessoas que precisam tomar as estatinas para que um evento cardiovascular ou uma morte sejam evitados. Esse número deve ser comparado com o de pessoas que precisam tomar o remédio para que uma tenha um efeito colateral grave. Pesando o benefício e o risco, chega-se a uma indicação.

Mas esses números são controversos. O estudo da CTT mostra que, entre pessoas com risco de 20% ou menor de problemas cardíacos em dez anos, são evitados 11 eventos cardiovasculares por mil pessoas tratadas a cada 39 mg/dl de redução de LDL. As conclusões da CTT classificam esse benefício como mais importante do que o risco trazido pelo tratamento.

Nesse estudo, era preciso tratar 2.000 pessoas para haver um caso de problema nos músculos, um dos efeitos colaterais mais comuns do tratamento. No entanto, Abramson, no "BMJ", cita outros estudos que mostram um número muito maior de casos de dores musculares causados por estatina.

Segundo esses estudos, é preciso tratar só 19 pessoas para que uma sofra de miopatia. O diabetes também aumenta entre os tratados,em especial entre mulheres.

Segundo Xavier, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o risco de diabetes sobe cerca de 9% entre usuários de estatina, risco menor do que o benefício do remédio.

Para Drauzio Varella, o importante é trazer à tona a discussão sobre esse tema. "Quis mostrar [com o artigo] que a questão não é tão simples assim. É preciso discutir."

TENTAIVA DE EVITAR INFARTOS

Por que, afinal, existe um esforço tão grande para saber quem deve tomar um remédio para evitar uma doença que pode nem se manifestar?

As estatinas são classificadas como "blockbusters", drogas responsáveis por grande fatia do faturamento das maiores farmacêuticas. Enquanto as patentes e os preços desses remédios vêm caindo, novas substâncias têm sido testadas para serem usadas como estatinas ou por pessoas que não toleram o tratamento com elas.

Para críticos da indústria farmacêutica, existe um esforço grande em demonstrar benefício desses remédios simplesmente para fazer gente saudável comprar remédio.

Mas a questão não pode ser resumida a uma "teoria da conspiração", segundo Raul Santos Filho, da USP. Cerca de metade das pessoas que infartam nunca teve sintomas de doenças cardíacas antes de sofrer o evento ou até morrer por causa dele.

A esperança dos médicos é identificar pessoas com maior risco de infartar ou ter derrame e evitar que isso aconteça. Daí surgem as escalas de risco futuro e as receitas de estatinas e anti-hipertensivos.

Além das mudanças de estilo de vida, que dependem muito da força de vontade do paciente, o colesterol é um fator no qual os médicos conseguem interferir, principalmente com remédios.

Fonte: Folha de São Paulo

Indústria do aborto é desmascarada em documentário impactante


Sem levantar bandeiras religiosas, o documentário não condena as mulheres que praticaram o aborto, mas, ao contrário, considera que elas também são vítimas de uma indústria milionária que cobra de mil a 1,5 mil dólares por cada aborto.

O filme Blood money - aborto legalizado, cuja defesa é, acima de tudo, pela vida, é uma produção norte-americana independente, assinada pelo diretor David Kyle, que será lançado nesta sexta-feira (15) nos cinemas do Brasil e que disseca a indústria do aborto e suas graves consequências, revelando a experiência prática em um país onde ela é legalizada há 40 anos.

Sem levantar bandeiras religiosas e com argumentos científicos de que "a vida humana inicia no momento da concepção" e "mãe e feto são dois indivíduos independentes e distintos", o documentário não condena as mulheres que praticaram o aborto, mas, ao contrário, considera que elas também são vítimas de uma indústria milionária (e legal), que pratica de 20 a 30 abortos por hora, sendo cobrados de mil a 1,5 mil dólares por cada um, um verdadeiro "massacre sancionado". Tal indústria é personificada pela Paternidade Planejada (Planned Parenthood), um dos maiores distribuidores de recurso de controle de natalidade dos EUA. De acordo com o Dr. Brian Clowes, da Human Life International, a empresa falha dois milhões de vezes por ano. "É uma Open in new windowmaravilhosa forma auto-realimentada de se vender um produto. Ele falha e oferece às mulheres o aborto para corrigir as falhas dos produtos que eles mesmos vendem", denuncia Clowes.

Blood money - aborto legalizado traz depoimentos de mulheres que foram coagidas e pressionadas a praticar o aborto e que, após a intervenção cirúrgica, são tomadas pela vergonha, medo, angústia, vazio e depressão. Mulheres como Kelly, Lisa, Judy, Angele, Dana e Katlynn, quando não ficam com problemas no aparelho reprodutivo, passam por transtornos psicológicos e emocionais. "Todos temos um momento em que percebemos que somos mães e matamos nossas crianças", confessa uma delas.

O documentário é narrado pela cientista e ativista de movimentos negros dos EUA, Alveda C. King, sobrinha do pacifista Martin Luther King e envolvida em discussões sobre o mecanismo de controle racial nos EUA. De acordo com Dra. Alveda, o maior número de abortos é realizado nas comunidades afroamericanas. "A maioria das mulheres não praticaria o aborto se soubesse que está matando um indivíduo", alerta a médica, já que, para a indústria do aborto, aquela vida intrauterina - que tem digitais e batimentos cardíacos de 176 bpm, com direitos inalienáveis garantidos pela Constituição Federal - é considerada apenas um "coágulo" ou "produto da concepção".

Entre os depoimentos mais chocantes está o de Carol Everett (foto ao Open in new windowlado), que colaborou com 35 mil abortos, foi responsável pela morte de uma mulher e pela histerectomia (retirada do útero) de outras 19. Ela fala sobre as condições insalubres das clínicas de aborto, do despreparo da equipe médica e de como os bebês - após serem mortos, aspirados e destroçados - eram despejados junto com o lixo comum. O médico Bernard Nathanson, responsável por 75 mil abortamentos, explica as reações do bebê enquanto está sendo massacrado dentro do útero da mãe.

Segundo Luís Eduardo Girão, diretor da Estação Luz Filmes, que junto com a Europa Filmes lança a produção no Brasil, esta é a primeira vez que o cinema tira o aborto da invisibilidade. "No momento em que a mídia nacional começa a discutir o assunto, acreditamos que vá atrair diversos segmentos sociais e pessoas sensíveis à questão, sejam elas contra ou a favor da legalização do aborto no Brasil".

NO BRASIL
O aborto é considerado crime contra a vida humana pelo Código Penal Brasileiro, de 1984. Apenas não é ato criminoso quando praticado por médico capacitado em três situações: risco de vida para a mulher causado pela gravidez, gravidez resultante de estupro ou se o feto for anencefálico.

Fonte: NE10

ATENÇÃO - A IGREJA GERAÇÃO GRAÇA E PAZ MUDOU DE ENDEREÇO . AGORA ESTA LOCALIZADA NA RUA ANTONIO DA SILVA . NUMERO 329 - NOVA JAGUARIÚNA . CULTOS - TERÇAS - QUINTAS - SÁBADOS AS 19.30 HORAS . E DOMINGOS AS 18.30 HORAS .

ATENÇÃO - A IGREJA GERAÇÃO GRAÇA E PAZ MUDOU DE ENDEREÇO . AGORA ESTA LOCALIZADA NA RUA ANTONIO DA SILVA . NUMERO 329 - NOVA JAGUARIÚNA . CULTOS - TERÇAS - QUINTAS - SÁBADOS AS 19.30 HORAS . E DOMINGOS AS 18.30 HORAS .

Líderes cristãos prestam homenagens e lembram os ensinamentos de Nelson Mandela


Nelson Mandela foi lembrado e homenageado por vários líderes cristãos, que expressaram seus sentimentos de lembrança e tristeza com a notícia de sua morte.

Após o falecimento de Nelson Mandela, ex-presidente e líder histórico da luta contra a segregação racial da África do Sul, inúmeras pessoas por todo o mundo lamentaram sua morte, e prestaram homenagens a ele por sua vida e luta pela igualdade.

Um líder cristão, como afirma em sua autobiografia Long Walk to Freedom (Um Longo Caminho para a Liberdade), e com uma vida dedicada a lutar pela igualdade da espécie humana criada por Deus, Mandela foi lembrado por vários líderes cristãos, que destacaram têm expressado seus sentimentos de lembrança e tristeza com a notícia de sua morte, e relembrado seu exemplo e ensinamentos.

- Nelson Mandela foi um modelo de coragem, visão e funcionários sacrifício. Hoje mais do que nunca precisamos deste tipo de liderança. Que a memória de Nelson Mandela inspirar uma nova geração de líderes em todo o mundo – afirmou Dr. Geoff Tunnicliffe, secretário-geral da Aliança Evangélica Mundial, em um comunicado.

Para o presidente da Conferência Nacional de Liderança Cristã Hispânica (NHCLC), Dr. Samuel Rodriguez, “a vida de Mandela encarna a ideia do ativismo profético com uma insaciável sede de justiça”.

- Sua luta pela igualdade derrubou um dos redutos finais da segregação e, posteriormente, com atribuída competência todo um continente a superar, fazendo justiça e misericórdia amorosa. Sua vida inspirou-nos enquanto sua humilde atitude continuará a nos mover em direção a um mundo mais justo e amoroso – declarou Rodriguez, segundo o The Christian Post.

A sobrinha do ícone dos direitos humanos e pastor Dr. Martin Luther King Jr, Alveda King, também ressaltou os esforços de Mandela, que se tornou um símbolo poderoso para a igualdade racial após passar 27 anos na prisão por causa de sua luta pela igualdade.

- O presidente Nelson Mandela pagou um alto preço por permanecer firme contra o Apartheid, enquanto fazia campanha para a justiça e a dignidade humana. Sua mensagem ainda ressoa, ainda que sua batalha tivesse desgastada e seu corpo cansado, seguiu o caminho daqueles que se foram antes dele – afirmou Alveda King.

- Logo podemos nos lembrar de sua coragem, sua força e seu sorriso gentil, que jamais foram manchados durante os anos de suas batalhas, pela opressão ou pela prisão e nos lembrar também dos anos de restauração após a sua libertação – completou.

O Rev. Aiah Foday-Khabenje, secretário-geral da Associação dos Evangélicos na África, também declarou condolências por Mandela, lembrando-o por seu nome de clã, Madiba.

- A vida de Madiba é mais uma prova e um lembrete sobre a origem, a natureza e a semelhança da espécie humana, criada à imagem de Deus com capacidade de refletir alguns dos atributos de Deus, embora em vão por causa da finitude, caída com pés de barro; Independentemente de raça ou localização geográfica – declarou Foday-Khabenje, que afirmou ainda desejar que “sua liderança exemplar possa inspirar os líderes africanos”.

No Brasil, Mandela também foi tema de diversas homenagens feitas por líderes cristãos, entre eles, o pastor Ed René Kivitz, que publicou no Facebook uma lista com 10 ensinamentos deixados pelo líder africano.

Confira a lista de ensinamentos destacada por Kivitz:

1. As distinções de raça, gênero e religião que caracterizam os seres humanos são menores do que seu estatuto comum de seres criados à imagem e semelhança de Deus.

2. É possível sofrer o mal sem se tornar malvado

3. Valores como integridade, humildade e generosidade andam na contramão do mundo, mas apontam o norte verdadeiro.

4. O amor é maior que o ódio, o perdão é maior que a vingança.

5. A dignidade de um ser humano é seu patrimônio inalienável

6. Grandes mudanças políticas podem acontecer sem derramamento de sangue, e extraordinárias transformações sociais podem ser conquistadas pacificamente.

7. O sofrimento se apequena diante de um coração alegre

8. Um espírito livre jamais pode ser encarcerado

9. O cuidado do pobre, do fraco e do que sofre não é um gesto de caridade, é um ato de justiça.

10. O amor ao poder é maligno e promove à morte, o poder do amor é divino e promove a vida.


Fonte: Gospel+

Pastor Saeed Abedini é transferido de Evin para outra prisão


Essa semana, o Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ, sigla em inglês) confirmou através de membros da família do pastor Abedini no Irã, que ele foi transferido da prisão de Evin, em Teerã, para a prisão Rajai Shahr, em Karaj – um lugar ainda mais perigoso, onde ele deverá enfrentar péssimas condições de tratamento e risco de vida.

Segunda-feira (04), um membro da família do pastor Saeed Abedini chegou à prisão Evin, para a visita semanal regular. Lá, ele foi informado que, no dia anterior, o pastor havia sido transferido para fora de Teerã, distante uma hora e meia de carro. O parente viajou então para a prisão Rajai Shahr. Quando chegou, não lhe foi permitido ver Abedini.

A transferência abrupta e não justificada reforça o sentimento antiamericano no Irã, que está ainda mais intenso. A exemplo disso, segunda-feira também foi o dia em que iranianos saíram às ruas para comemorar o aniversário da tomada da embaixada dos EUA no Irã, em 1979. Durante os protestos, multidões gritavam "Morte à América", em clara oposição à promessa de moderação do presidente atual, Hassan Rouhani.

O ACLJ afirmou que Abedini está agora em uma das prisões mais perigosas do Irã – onde são mantidos os prisioneiros mais violentos – aqueles que foram condenados por assassinato e estupro. Em 2005, Loes Bijnen, um diplomata holandês da embaixada em Teerã, descreveu a prisão Rajai Shahr da seguinte maneira:

"Rajai Shahr é o lugar para onde são encaminhados os prisioneiros políticos vistos como um incômodo ao Estado. Ser condenado a esta prisão é uma punição severa. Uma vez lá dentro, você não é considerado mais como um ser humano. Quem é mantido ali, é tirado do mundo, até mesmo dos direitos humanos, da imprensa, ninguém mais tem conhecimento sobre o que acontece com o prisioneiro. Na Rajai Shahr, os presos políticos têm de conviver com criminosos perigosos, como assassinos, estupradores e viciados em drogas, que não hesitam em atacar seus companheiros de cela. Eles não têm nada a perder: muitos deles estão condenados à morte de qualquer maneira. Assassinatos ou mortes inexplicáveis ​​são ocorrências regulares."

A transferência do pastor Abedini para essa prisão significa um avanço profundamente perturbador do caso e pode ser vista como uma atitude para colocar sua vida em risco. O próprio presidente dos EUA, Barack Obama, falou ao presidente iraniano Rouhani, em setembro, instando-o a libertar Saeed.

Naghmeh, esposa de Abedini, deu a seguinte declaração em resposta a esta última atualização do caso:

"A notícia da transferência de Saeed para esta prisão é ainda mais difícil de suportar. Estou arrasada e não sei o que dizer a meus filhos. Estou mais preocupada agora com sua segurança do que em qualquer outro momento durante a sua prisão. Eu só posso imaginar o tormento e a angústia que ele está experimentando. Imagino-o tão indefeso nesta prisão perigosa; sem proteção contra o abuso e a violência de outros prisioneiros; vulnerável a um governo radical que continua a violar os seus direitos. Eu sou grata por tudo que o nosso governo [americano] fez no passado – mas, agora, durante este tempo mais perigoso e incerto – mais uma vez suplico ao nosso governo – incluindo o presidente Obama – a lutar pela vida de Saeed e sua liberdade – peço para que lutem por este cidadão dos EUA. Estou fortalecida pela fé em Jesus Cristo, e continuo a orar pela segurança de meu marido e de sua libertação. Também sou muito grata por aqueles que apoiam Saeed e nossa família."

Fonte: ACLJ

Um terço dos cristãos sírios já deixou o país


De acordo com um líder cristão sírio, um terço dos cristãos na Síria deixaram o país desde o começo da guerra civil. Gregório III Laham disse à BBC que mais de 450 mil dos um milhão e 750 mil cristãos sírios se foram. Entretanto, ele disse estar certo de que a comunidade cristã do país irá sobreviver.

O número preciso de cristãos na Síria está aberto ao debate, assim como o número dos que deixaram o país. Um colaborador da Portas Abertas considera que a cifra dos que saíram pode ser significativamente menor.

Isso se dá porque a proporção de cristãos no início da guerra civil é questionável. As sugestões de que eles contabilizavam cerca de 8% da população são tidas como otimistas. Entre os que se sabe terem deixado o país, seja para campos de refugiados em países vizinhos ou para países mais distantes, acredita-se que a porcentagem seja menor que 8%.

Laham também afirmou que a perseguição aos cristãos está piorando em todo o mundo. Uma agência católica de ajuda internacional aos necessitados, sob perseguição, alega que o êxodo de cristãos de muitos países ameaça o status do cristianismo como religião mundial.

Os piores problemas, de acordo com um relatório da agência, estão na Coreia do Norte (número um na Classificação de países por perseguição) e na Eritreia (em 10º lugar na Classificação). “A principal descoberta é que em dois terços dos países onde a perseguição é mais severa, os problemas têm se tornado indiscutivelmente ainda piores”, disse John Pontifex, um dos autores da pesquisa. “De fato, a própria sobrevivência da Igreja em algumas partes do mundo, notavelmente no Oriente Médio, está em jogo agora”.

O relatório sugere que a Primavera Árabe se transformou no “Inverno Cristão”, com levantes políticos particularmente dispendiosos para a minoria cristã do Oriente Médio.

“De todos os relatos, os incidentes de perseguição estão agora aparentemente implacáveis e piores: igrejas incendiadas, cristãos sob pressão para se converterem, violência popular contra lares cristãos, sequestro e estupro de moças cristãs, propaganda anticristã na mídia e no governo, discriminação nas escolas e no trabalho. A lista prossegue”, disse Pontifex.

Apoie Síria
Há mais de um ano, a Portas Abertas está envolvida em um trabalho de assistência a pessoas desabrigadas na Síria. Levamos cestas básicas, distribuímos remédios e roupas de frio. Em alguns casos, ajudamos as famílias a pagar o aluguel de suas casas e entregamos Bíblias a todos que quiserem. Faça parte desse trabalho conosco! Apoie a Igreja síria.

Fonte: Portas Abertas Internacional

Cristã morre em prisão na Eritreia


Enquanto a Portas Abertas recebia a notícia da morte do 25º cristão, prisioneiro de consciência, na Eritreia, o governo prendeu outros cristãos que se reuniram para orar e adorar a Deus.

Wehazit Berhane Debesai, uma cristã com 30 anos, morreu na semana passada. O dia exato de sua morte é desconhecido. Ela morreu de pneumonia depois de enfrentar duras condições e privação de tratamento médico na prisão, por ter se recusado a negar sua fé.

Wehazit estava trabalhando, quando autoridades a prenderam, um ano atrás, e a mantiveram incomunicável em Adi Quala, sul de Mendefera, perto da fronteira etíope. Ela foi presa porque estava envolvida em atividades cristãs fora das igrejas Ortodoxa, Católica e Evangélica Luterana.

Não se sabe muito sobre Wehazit além do fato de que ela estava prestes a se casar com um homem conhecido apenas por seu primeiro nome, Yohannes. Ele foi preso no mesmo dia que Wehazit e também foi mantido em Adi Quala.

Enquanto isso, autoridades de segurança prenderam 70 cristãos na capital Asmara, pertencentes a várias denominações. A prisão aconteceu quando os cristãos se reuniram para um encontro de oração especial. É a terceira vez que o pastor que conduzia o evento de oração é preso por suas atividades cristãs. Seu nome não será citado para impedir que as autoridades usem isso contra ele.

Oficiais levaram a maioria deles para o Distrito de Polícia 4, mas um grupo de 27 pessoas, em sua maioria mulheres, está no Distrito de Polícia 2, na capital.

Esta última prisão faz com que o número de cristãos presos este ano chegue a quase 300, o que os cristãos locais têm chamado de ‘a campanha mais severa contra a Igreja até hoje’. Tudo aconteceu assim que a poeira baixou, após cerca de 380 imigrantes, em sua maioria eritreus e somalis, morrerem em duas tragédias de barco, quando tentavam chegar à ilha italiana de Lampedusa, em meados de outubro.

Um colaborador da Portas Abertas comentou: "Nós gostaríamos de pedir para que a Igreja em todo o mundo ore pelas mulheres e homens de todas as idades que permanecem na prisão em calabouços subterrâneos, contêineres de metal e centros de detenção militares por causa de sua fé. Eles enfrentam trabalho duro e são expostos à falta de alimentos, água e higiene. Regularmente, é negado a eles tratamento médico para malária e pneumonia, doenças que eles contraíram enquanto estavam na prisão, ou doenças como diabetes, hipertensão ou câncer que eles já tinham antes de serem presos".

Pedidos de oração

•Ore pela manifestação da graça de Deus sobre a família de Wehazit.
•Interceda pelo consolo do Senhor para Yohannes.
•Peça para que Deus encoraje seus filhos, que têm enfrentado tempos difíceis por mais de dez anos desde que a igreja foi fechada em 2002, na Eritreia. Este último ano tem sido particularmente difícil. Um pastor disse à Portas Abertas que este tempo tem sido como uma noite escura para a Igreja.

Fonte: Portas Abertas Internacional

SODOMIA - Rio celebra casamento gay coletivo; 130 casais participaram da cerimônia

O auditório da Escola de Magistratura do Estado do Rio, no centro da cidade, ficou lotado na tarde deste domingo (8) para a celebração do "maior casamento coletivo gay do mundo", segundo definiu a organização do evento.
Com capacidade para 800 pessoas sentadas, pelo menos 1200 acompanharam a oficialização da união de gays, lésbicas  e uma pessoa transexual que casou com o companheiro. No início da cerimônia, alguns dos 130 casais que participavam da celebração ainda estavam em pé.
O casal Marcos José Carvalho , 51,  e Celso Cândido da Silva, 68, tinha um motivo especial para comemorar o casamento. Eles esperaram trinta e quatro anos – tempo que estão juntos – para que pudessem dizer que estão casados.
"Sempre tive a esperança que esse dia chegaria e finalmente chegou. Enfrentei tempos difíceis. Corri muito da polícia que perseguia os homossexuais. O dia de hoje é uma vitória. Uma conquista de direitos", disse Celso.
O casamento foi apenas no civil, mas muitas noivas não perderam a oportunidade de casar de véu e grinalda. A manicure Sancha Ingrid Camizão, 26, usou o vestido branco tradicional. A esposa Patrícia Venâncio de Aguiar, 26, preferiu o terno.  Elas estavam acompanhadas dos três filhos, Cauã, 9, Cauane, 5, e Patríck,7.
"Achava que esse dia nunca iria chegar. Quando ela me pediu em casamento eu quase desmaiei. Não consigo palavras para dizer o que estou sentindo nesse momento", disse Sancha.
Ela foi pedida em casamento este ano. "Eu pedi a Sancha em casamento no dia do aniversário dela. Contratei um carro de telemensagem e me ajoelhei na frente de todo mundo, amigos, parentes", contou Patrícia. "Achei que iria desmaiar", lembrou Sancha.
A cerimônia teve início com a apresentação do coral do Tribunal de Justiça que cantou a música "Amor, I Love You", sucesso na voz de Marisa Monte, seguido  do hino nacional cantado pela travesti Jane di Castro, célebre figura da cena gay carioca. Logo em seguida, autoridades de órgãos públicos parceiros do evento afirmaram a importância do ato.
O coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia e idealizador do projeto, Cláudio Nascimento, recitou um poema do português Fernando Pessoa. "O amor é que é essencial. O sexo é só um acidente. Pode ser igual. Ou diferente".
Ao fim da cerimônia, os casais trocaram votos e as alianças. As juízas Rachel Cipriano e Rachel de Oliveira declararam os noivos oficialmente casados, e os 130 casais se beijaram ao mesmo. 
"Esse momento é importante para mostrar que a lei é igual para todos. Se um dia eu morrer, tudo o que é meu será do meu esposo. O amor é igual. O direito é o mesmo. É um dever da Justiça, da lei, do país estar a nosso favor. Somos um casal como qualquer  outro casal", disse Ronald da Silva, 23, oficialmente marido de Renato Fernandes Venâncio, 40.
O casamento coletivo foi uma ação conjunta do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, por meio da Superintendência de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos, a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio, a Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro e a Arpen (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Rio de Janeiro).

UOL

Padre Marcelo Rossi revela "dieta maluca": "Alface, cebola e hambúrgueres"



  • Padre Marcelo Rossi em entrevista ao "Fantástico"
    Padre Marcelo Rossi em entrevista ao "Fantástico"
Padre Marcelo Rossi foi entrevistado na edição deste domingo (8) do "Fantástico". Em conversa com a jornalista Renata Vasconcellos, padre Marcelo falou sobre depressão e distúrbio alimentar.
"Deus permitiu que eu passasse pela depressão porque antes eu achava que era frescura, e não é. É uma sensação que não é boa, o que me salvou foi cantar, escrever e a oração", disse o religioso. Padre Marcelo contou ainda sobre a "dieta maluca" ao qual se submeteu durante seis meses para perder peso. "A dieta era assim: alface, cebola, dois hambúrgueres pela manhã e um hambúrguer depois das 18h". 
Ele só se deu conta do problema ao sofrer um acidente enquanto caminhava em uma esteira. "Sou um desses que caiu em dieta maluca. O conselho que eu dou é não fazer essas dietas malucas", frisou ele que há 15 dias tem se alimentado normalmente e não procurou ajuda de nenhum psicólogo ou terapeuta. Padre Marcelo emagreceu mais de 30 quilos.
Um dos líderes religiosos mais famosos do país, Padre Marcelo afirmou se preocupar com o fanatismo e reclamou da exposição. "Perdi todas as liberdades necessárias, hoje em dia todo mundo tem um celular", opinou.
Indagado sobre vaidades, ele garantiu se preocupa apenas com o corpo e doou tudo o que lucrou com venda de CD's, DVD's e livros para a diocese. "Mas continuo tomando remédio para calvície", brincou.
 uol

Número de Bíblias distribuídas bate recorde


As Sociedades Bíblicas Unidas publicaram seu relatório anual, mostrando que a distribuição global de Bíblias passou de 381 milhões de exemplares em 2011 para mais de 405 milhões em 2012, um aumento de 6%.

Entre os 405 milhões de volumes distribuídos, 32,1 milhões eram cópias da Bíblia inteira, igualando o recorde de distribuição de 2011. O restante eram apenas o Novo Testamento ou livretos com trechos selecionados.

Um dos aspectos que mais surpreendeu foi o país que teve o maior aumento na distribuição. Foi a Síria, onde uma guerra civil é travada desde 2011. Mesmo assim, a distribuição de Bíblias por parte de voluntários chegou a 163 mil exemplares no ano passado.

“Os cristãos na Síria estão sob enorme pressão. Há uma grande necessidade de encorajamento. Estamos trabalhando duro para produzir as Escrituras em quantidade suficiente para atender a essas necessidades”, conta Mike Bassous, secretário-geral da Sociedade Bíblica do Líbano, que supervisiona o trabalho da Sociedade Bíblica na Síria.

Outro país onde houve crescimento foi o Iraque, onde também existe uma crise social desde a invasão pelos Estados Unidos. Estima-se que apenas 330.000 cristãos permanecerem no país depois de um êxodo em massa resultante da crescente perseguição. Mas mais de 66.000 volumes das Escrituras foram distribuídos em 2012. Um aumento de 57% em relação ao ano anterior.

Egito, Índia, Laos e Nigéria também viram aumento na distribuição. Esses países, juntamente com a Síria e o Iraque sofrem os mais altos níveis de perseguição. É justamente nesses lugares que a procura pela Bíblia aumentou. Michael Perreau, CEO das Sociedades Bíblicas Unidas comemora: “Mesmo com o aumento da perseguição aos cristãos em algumas partes do mundo, é encorajador e reconfortante ver que a Palavra de Deus é tão procurada e amada”.

Fonte: Gospel Prime com informações CBN

Igrejas lotam para lembrar Mandela

Igrejas lotam para lembrar MandelaIgrejas lotam para lembrar Nelson Mandela
Este domingo, oito de dezembro foi o Dia Nacional da Oração e da Reflexão na África do Sul. Faz parte da semana de celebrações do ex-presidente Nelson Mandela. Ocorreram atos religiosos em todo o país. Um dos mais importantes foi na Igreja Metodista de Bryanston, em Johanesburgo, liderados por Jacob Zuma, atual presidente sul-africano.
Zuma destacou que as orações ajudarão o país a se recuperar do golpe sofrido pela morte de Madiba, apelido do ex-presidente falecido semana passada. “Ele [Mandela] predicou e praticou a reconciliação após o desmantelamento do regime racista do apartheid, que combateu durante grande parte de sua vida”, lembrou Zuma durante o culto.
Thabo Makgoba, uma das principais lideranças da Igreja Anglicana da África Austral, também se manifestou: “Vá para casa Madiba, você fez abnegadamente tudo que é bom, nobre e honrosa para o povo de Deus. Vamos continuar de onde você parou, o Senhor irá nos ajudar… Nós choramos, Senhor, mas acreditamos que irás nos consolar, nos dará força para nossos corações e mentes, e a coragem de decretar em nossas vidas, os valores pelos quais Madiba lutou e representava”.
Também foi realizada uma grande missa, na Regina Mundi, a maior igreja do bairro de Soweto, em Johanesburgo. Construído em 1964, o templo foi um símbolo da luta contra o regime racista do “apartheid” no país. Durante uma manifestação em 1976, jovens negros se refugiaram e foram abrigados ali, mas cerca de 40 deles morreram ao serem alvejados pela polícia dentro da igreja. Até hoje há buracos de bala no edifício.
Por toda África do Sul, igrejas e templos de outras religiões ficaram lotados enquanto se lembrava a vida de Mandela. Em outras partes do mundo também ocorreram homenagens a ele, como na Palestina, onde as igrejas realizaram ontem um serviço religioso especial.
O papa Francisco também emitiu um comunicado oficial: “Rezo para que o exemplo [de Mandela] inspire gerações de sul-africanos em colocar a justiça e o bem comum à frente das ambições políticas. Foi com tristeza que tomei conhecimento da morte e enviei condolências e orações a família Mandela, aos membros do governo e ao povo da África do Sul. Peço a Deus que console e dê força a todos os que choram a morte”.
Apesar de muitas controvérsias sobre a fé de Mandela, em sua biografia ele conta que foi criado em uma igreja evangélica metodista e que cria em Jesus. Com informações de Gazeta do Povo e Christian Post.

Imã roqueiro causa polêmica na Turquia


Imã roqueiro causa polêmica na TurquiaImã roqueiro causa polêmica na Turquia
O imã Ahmet Tuzer está sendo sondado pelo Diretório dos Assuntos Religiosos da Turquia (Dyanet) por conta de sua banda de rock.
No país a religião islâmica é controlada pelo governo que quer saber se o hobby do religioso pode ou não prejudicar suas atividades à frente da mesquita de Pinarkoy, uma pequena aldeia que tem cerca de 80 moradores.
A banda de Tuzer se chama FiRock e a primeira apresentação atraiu milhares de pessoas e a imprensa local, despertando o interesse do governo. Um funcionário do Dyanet chegou a viajar para Pinarkoy para ver se os fiéis sabiam dizer se a banda atrapalha ou não o trabalho do imã.
“Até foram falar com os ateus nos bares de Kas”, contou Tuzer citando a cidade mais próxima de onde ele mora.
Para o músico o que ele faz na banda não tem ligação com sua atividade religiosa. “Não fazemos referência a satanás, nem ao inferno nas nossas músicas. Não somos uma banda de ‘death metal’”, diz.
O problema do governo na Turquia pode não ser um preconceito com o rock, mas sim com os outros imãs artistas que podem surgir. “Eles talvez digam que se me deixarem continuar terão de lidar com um imã de jazz, ou um imã do rapper. Têm medo de perder o controle”, disse Tuker analisando a situação.
A Dinyet pretender decidir se o imã roqueiro pode ou não continuar atuando na mesquita. O jovem teme ser suspenso e já fala em processar o departamento caso perca o cargo. Ele não pensa em desistir da banda.

Valdemiro dá testemunho no SBT e vence Record no ibope. Assista!

Valdemiro dá testemunho no SBT e vence Record no ibope. Assista!Valdemiro dá testemunho no SBT e vence Record no ibope
O programa Domingo Legal, do SBT, apresentado por Celso Portiolli, recebeu hoje o apresentador Ratinho e o apóstolo Valdemiro Santiago. Durante cerca de 30 minutos, o líder da IMPD conversou com os dois no palco, além de interagir com o humorista Pedro Manso, que o imita.
Rouco, Valdemiro contou um pouco de sua vida, das dificuldades que passou na infância e do relacionamento com o pai. Mencionou seu envolvimento com álcool e drogas, e também como foi sua conversão. O apóstolo também recebeu uma espécie de “homenagem” de familiares e amigos, parecido com o quadro “Arquivo Confidencial”, do Domingão do Faustão.
Curiosamente, Santiago e Ratinho estiveram envolvidos em uma polêmica em 2011, quando o apresentador chamou o apóstolo de “estelionatário”. Questionado por Portiolli sobre o assunto, Santiago respondeu: “Não houve nada. Ele nem sabia quem eu era. Eu tenho um grande amigo no Paraná, que é justamente o filho dele [o político Ratinho Jr.]“. Ratinho também selou a paz, deixando um convite para Valdemiro participar de seu programa.
Segundo dados preliminares do IBOPE, o programa do SBT teve média de 5,6 pontos, vencendo o Domingo da Gente (4,3 pontos), da Record, emissora que pertence a Edir Macedo, que tem sido constantemente criticado pelo apóstolo.
Os picos do SBT foram justamente durante a presença de Santiago, quando chegou a ficar com 7,5, menos de dois pontos dos 8,9 da Globo. Hoje comandado por Ticiane Pinheiro, esse foi o pior resultado do programa da Record desde sua estreia, em 10 de novembro, com Adriane Galisteu, quando marcou 4,9 pontos.