quarta-feira, 18 de julho de 2018

Polícia investiga desaparecimento de pastor em Londrina

O pastor Edvaldo Oliveira, de 57 anos, saiu de casa dizendo que ia ao banco pagar contas e desapareceu
O pastor Edvaldo Oliveira, de 57 anos, saiu de casa dizendo que ia ao banco pagar contas e desapareceu
Um pastor de duas unidades da Igreja Pentecostal Monte Sião de Londrina (norte do Paraná) está desaparecido desde a última sexta-feira (13).
A família relatou à polícia que Edvaldo Oliveira, de 57 anos, saiu de casa dizendo que ia ao banco pagar contas.
O boletim de ocorrência foi registrado na segunda-feira (16), de acordo com o superintendente da Polícia Civil de Londrina, José Márcio Ilkiu.
Ilkiu acrescentou o carro do pastor, um Vectra vermelho, foi encontrado na manhã desta terça-feira (17), na zona norte de Londrina.
A polícia tenta rastrear o caminho do religioso com várias equipes em diligências.
De acordo com o amigo do pastor, Antônio Silva, amigos e familiares estão preocupados com Edvaldo, pois ele toma insulina e estaria sem desde a última sexta-feira, quando saiu para pagar contas.
A família e amigos têm medo que o pastor tenha perdido a noção por estar sem insulina.

Ahok pode ser solto antecipadamente da prisão

Ahok pode ser solto antecipadamente da prisão
O ex-governador cristão de Jacarta, capital da Indonésia, Ahok (Basuki Tjahaja Purnama) recusou a liberdade condicional devido a possibilidade de libertação antecipada no mês de agosto. A irmã de Ahok, Fifi Lety Indra, escreveu nas redes sociais que ele decidiu esperar até que possa estar completamente livre.
De acordo com Fifi, ele poderá ser solto antecipadamente após ter cumprido quase dois terços de sua sentença. Em maio de 2017, Ahok foi condenado a dois anos de prisão por suposta blasfêmia e em breve teria direito a liberdade condicional de quatro horas diárias.
Caso seja solto, esse controverso caso terá um fim, já que é visto como motivação política. Durante o julgamento, o ex-governador disse a corte que ele foi alvo de ataques racistas, por ser de origem chinesa, e religiosos desde que foi eleito ao cargo público em 2005. Apesar de ter entrado com um pedido de recurso em fevereiro, a Suprema Corte da Indonésia rejeitou o pedido.
Pedidos de Oração
- Ore para que Ahok seja solto e essa situação chegue ao fim.
- Apresente as autoridades indonésias, que elas possam ser alcançadas pelo amor de Cristo e não estabeleçam leis que afetem a liberdade religiosa de nossos irmãos.
- Interceda pelos cristãos, que eles possam compartilhar o evangelho apesar da perseguição.

Como Reconhecer Sinais de Abuso em Crianças ou Bebês




É um sentimento muito assustador desconfiar que uma criança que você conhece está sendo abusada. Identificar esse fato entre crianças e bebês pode ser difícil, principalmente pela incapacidade dos pequenos de comunicar a situação, seja por não falarem ou por conta do desconforto do ocorrido. Como são ativos e estão se desenvolvendo, distinguir o que é normal e o que indica abuso pode ser algo muito desafiador a eles. Mudanças de comportamento e certos indícios emocionais, no entanto, podem ser sinais de abuso; os físicos nem sempre estão presentes. Ao suspeitar que uma criança está sendo agredida sexualmente, aja entrando em contato com as autoridades.

1
Procurando alterações no comportamento

  1. 1
    Verifique se o comportamento da criança mudou repentinamente. É normal que, ao serem abusadas, elas comecem a agir de forma diferente; as que são normalmente ativas e falantes acabam ficando quietas, introvertidas, enquanto as que são mais calmas e gentis podem se tornar agressivas. Geralmente, todas acabam tendo um comportamento mais ansioso.[1]
    • Por exemplo, você poderá notar que o filho do vizinho, que era ativo e cheio de vida, agora aparenta estar com medo de sair de casa e de ir brincar com a sua criança.
    • Até mesmo os bebês podem se comportar de forma diferente, implicando e choramingando constantemente sem qualquer causa aparente.
  2. 2
    Fique atento aos comportamentos que a criança já havia deixado para trás, mas que recentemente voltou a apresentar. Agressões sexuais podem fazer com que elas se sintam inseguras e comecem a agir como no passado. Por exemplo: a criança já sabe ir ao banheiro e não molhava a cama mais a cama, porém, voltou a encharcá-la, enquanto outra que havia parado de chupar o polegar está novamente fazendo isso.[2]
  3. 3
    O comportamento de se submeter a tudo ou exigir muita coisa também é um sinal de alerta. Normalmente, bebês e criancinhas gostam de agradar os adultos e a testar limites. No entanto, ao serem abusadas, elas podem chegar a um dos extremos, obedecendo a todas as ordens ou desafiando e querendo muitas coisas.[3]
    • Por exemplo: você está observando um pequeno na creche, e nota que ele fica irritado em todas as atividades sempre que um adulto pede para que ele faça algo. É uma razão que pode causar preocupação.
  4. 4
    Verifique se a criança mudou os hábitos alimentares. É normal que bebês e crianças que estão começando a andar queiram apenas alguns alimentos e se recusem a comer outros. No entanto, ao notar que uma delas mudou bruscamente a maneira de se alimentar sem uma razão clara (como uma doença ou “pico de crescimento”), algo pode ter ocorrido. Em certos casos, ela também experimenta ganho ou perda de peso em um curto espaço de tempo.[4]
    • Caso esteja cuidando de um pequeno que foi abusado, verifique se ele emagreceu ou não mostra interesse em comer.
  5. 5
    Problemas com o sono também podem aparecer. Bebês que costumavam dormir bem começam a acordar durante a noite, enquanto crianças falarão de pesadelos. Caso não a tenha observado dormindo dorme, outros indícios poderão aparecer, como cansaço excessivo ou fraqueza devido à falta de sono.[5]
  6. 6
    Fique atento a mudanças na escola ou creche. Ao serem abusados, os pequenos podem faltar muito na creche sem qualquer razão (como férias ou doença), além de apresentarem mudanças no comportamento quando estiverem em tais locais.[6]
    • Quando a criança voltar a frequentar a pré-escola ou creche após muito tempo, pergunte ao pai ou cuidador o porquê de ela ter ficado tanto tempo ausente. Perceba se a pessoa hesita na hora de falar sobre esse assunto, ou parece mentir (“Fizemos uma viagem para visitar os avós delas no outro lado do país”, mas você sabe que eles moram na mesma cidade).
    • Pode ser complicado confrontar um dos pais ou a cuidadora do pequeno, mas ao menos pergunte a razão da ausência, em prol dele.

2
Observando sinais emocionais

  1. 1
    Verifique se a criança parece ter medo de algum cuidador ou de ficar em casa.Às vezes, ela choramingará na hora de ir para casa, já que é lá que foi abusada, evitando pais ou um cuidador. Além disso, ela poderá se agarrar a um professor na escolinha na hora de voltar para casa (ou vice-versa).[7]
    • Apresentar um pouco de tristeza e ansiedade na hora de se separar de alguém que ele gosta é normal entre crianças bem pequenas, e não indica necessariamente que houve agressão sexual.
    • Lembre-se de que, mesmo ao apresentar medo em relação a um cuidador, isso nem sempre significa que ele abusou de uma criança. Se houver algum problema, outra pessoa da casa pode ser a culpada.
    • Se estiver sendo babá ou for responsável pelo pequeno na creche, converse com ele e tente perceber se há receio de ir para casa. Pensar sobre um possível caso de abuso também será psicologicamente difícil para você, mas não esqueça que está tentando ajudá-lo de uma forma ou outra.
  2. 2
    Identifique o quanto a criança está obcecada com o trauma. É provável que ela não entenda direito o que aconteceu ao sofrer um abuso; consequentemente, o jovem poderá falar muito sobre eventos violentos ou traumáticos, bem como situações em que machucaria outras pessoas ou a si próprio.[8]
    • Por exemplo: você está sendo babá de uma garotinha que sempre diz que tem medo de sofrer uma queimadura pelas mãos do pai ou mãe. É um sinal que causa preocupação.
  3. 3
    Desconfie ao perceber que a criança possui conhecimento sexual muito precoce. O desenvolvimento sexual é um processo longo, e certos estágios já se desenvolvem na infância. No entanto, quando um pequeno demonstrar que possui conhecimento avançado em relação ao sexo e fala frequentemente do assunto, é um indício claro de que já sofreu abuso sexual.[9]
    • No entanto, saiba que curiosidade sobre alguns aspectos sexuais (como a diferença entre meninos e meninas) é natural em certas fases;
    • Ao perceber que um dos amigos de seu filho simula atos sexuais de forma explícita, o fato deve ser investigado, já que é um comportamento incomum.

3
Analisando sinais físicos

  1. 1
    Identifique lesões incomuns. Bebês e crianças que estão começando a andar adoram explorar o mundo, e é totalmente normal que acabem sofrendo arranhões ou hematomas em suas “aventuras”. No entanto, ao notar que eles possuem diversas feridas ou machucados mais graves (que não parecem pancadas ou arranhões normais), há possibilidade de que ela está sofrendo agressões.[10]
    • Marcas de pancadas, mordidas, arranhões ou queimaduras que aparentemente foram feitas com um objeto são alguns dos possíveis sinais;
    • Contusões incomuns em bebês e criancinhas também poderão ser evidentes, como olhos roxos;
    • Às vezes, será possível perceber hematomas ou lesões que já estão sumindo, em especial se o jovem ficou alguns dias sem ir à escola ou creche;
    • Ao perguntar a um pai ou cuidador sobre os machucados, o indivíduo poderá dar uma desculpa claramente falsa ou improvável, como “O João se queimou porque quis fazer uma fogueira no quintal!";
    • Apesar da disciplina física (como as “palmadas” em crianças e adolescentes) não ser considerada abuso, no passado, isso mudou com a instituição da Lei Menino Bernardo, que faz com que os agressores sejam passíveis de punição e medidas (como retirar a guarda do filho).[11]
  2. 2
    Fique de olho na aparência geral do pequeno. Criancinhas que são abusadas também podem ser negligenciadas, apresentando, por exemplo, roupas sujas ou que parecem apertadas, ou cabelo despenteado e um odor desagradável.[12]
  3. 3
    Observe se a criança tem dificuldade em andar ou sentar. Isso pode ocorrer após um abuso sexual, que deixa um trauma físico como consequência; às vezes, os pequenos não estarão dispostos a contar que foram agredidos sexualmente. No entanto, verifique se há outros indícios, como dificuldade em andar ou sentar corretamente.[13]
  4. 4
    Converse com um pediatra imediatamente se você suspeitar de abuso. Além de ajudar no tratamento de ferimentos causados pelo abuso, um pediatra pode ajudar você a entrar em contato com a polícia e com o conselho tutelar para começar uma investigação. Eles podem encaminhar a criança a um hospital para que deem o diagnóstico inicial, façam os exames e realizem o tratamento. Seu pediatra também pode encaminhar você a uma clínica especial ou a um psicólogo infantil para que a criança aprenda a lidar melhor com suas emoções.
    • Leve às autoridades qualquer evidência de abuso disponível, como fotos de machucados, registros de faltas escolares ou declarações da criança.
  5. 5
    Mantenha a criança longe do suspeito de abusos. Mantenha a criança o mais longe possível do abusador enquanto as autoridades não começarem a investigação. Não ameace o abusador e nem tente fazer justiça com as próprias mãos.

Avisos

  • O abuso ocorre com todos os tipos de criança. Qualquer uma pode sofrer essa violência, independentemente de sua aparência, se é rico ou pobre ou se são de outro estado ou país.
  • As crianças estão constantemente em desenvolvimento, portanto, é normal constatar alterações no comportamento e nas emoções delas no dia a dia. Ao verificar um padrão e notar que essa mudança está se fixando nela, bem como provas de uma ameaça iminente, será preciso agir.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

JORNAL DIGITAL DO BRASIL - JORNAL DIGITAL DE JAGUARIÚNA

JORNAL DIGITAL DO BRASIL





https://www.facebook.com/jornaldigitalJORNAL DIGITAL DO BRASIL - JORNAL DIGITAL DE JAGUARIÚNA dejaguariuna/





Após ser esfaqueado, membro de gangue é convidado para ir a igreja e se entrega a Jesus

Após ser esfaqueado, membro de gangue é convidado para ir a igreja e se entrega a Jesus
Desde criança, Gilbert idolatrava os membros de sua família que eram ativos nas gangues de rua na Califórnia (EUA). Para ele, essas pessoas eram suas grandes inspirações. Toda essa admiração fez com que ele fosse membro de uma gangue no futuro, mas não era esse o propósito de Deus para sua vida.
“Eu queria ser aceito por meus tios e minha mãe. Eu queria assumir a tradição de ser um membro de gangue. Eu queria ser rude como eles e ser forte como eles. Roubar, matar. Queria fazer parte disso”, disse ele.
Gilbert se mudou para o Arkansas, mas aos 16 anos seu tio foi visitá-lo e oficialmente o colocou na gangue. “Ele começou a me dar um soco na cara, como se ele estivesse me machucando. Foi uma briga, meu próprio tio estava me espancando. Imediatamente, pensei que eu era um novo homem, membro da King Kobras”.
Lutas semanais e guerras com outras gangues foram alimentadas pelo abuso diário de drogas e álcool. Gilbert diz: “Usava cocaína e não me importava. Isso era normal para nós. Se não tivéssemos drogas, era simplesmente estranho. Fazia parte da cultura das gangues, usar drogas, ficar chapado e bêbado”, lembrou.
Esfaqueado
Uma noite Gilbert foi esfaqueado durante uma briga. Ele diz que a realidade de suas escolhas finalmente afundou. “Eu me lembro de ter sido levado para o pronto-socorro e eles teriam de me costurar. Eu estava muito machucado nas costas. Parei para pensar na vida. Queria mudar, pois já não poderia mais viver desse jeito ou acabaria morrendo”, contou.
Mas ele ainda continuou um gangster. Logo depois, ele foi preso por intoxicação pública. Gilbert ligou para sua namorada para que ela pagasse a fiança, pois ele estava sem dinheiro. Karen teve de pedir dinheiro a sua mãe, que por sua vez disse que daria o dinheiro se Gilbert aceitasse ir com ela para a igreja.
Gilbert diz: “E eu lembro de ir. Eu ainda estava de ressaca. Não prestei atenção ao sermão porque eu estava com medo da mãe de Karen, ela estava cantando no coro. Ela desceu os degraus e achei que ela ia me dar um tapa, mas ela estendeu a mão para mim e isso me chocou”.
Um novo homem
Ele começou a frequentar a igreja regularmente com Karen. Então, um dia, ela foi para a frente durante o apelo. “Eu pensei, ela realmente vai fazer isso? Ela realmente vai seguir Jesus? Como ela fez esse compromisso?”. Nas semanas seguintes, ele se encontrou com o pastor e ouviu sobre o amor e a graça de Deus de uma forma que ele não tinha ouvido antes.
Gilbert lembra: “Ele me disse quem é Jesus e o que Ele fez por nós. E sabendo que esse Deus amoroso morreu por meus pecados, eu estava sentindo tanto peso em meu coração, porque eu nunca havia me arrependido do que fiz. Nunca me senti culpado pelas pessoas que espanquei ou feri, ou quase matei”, disse.
“Lembro de entrar no quarto e ficar de joelhos e chorar. Eu nunca havia chorado tanto. Lembro também de colocar tudo em Deus, pois queria mudar. Não queria mais ter aquele estilo de vida. “Estou cansado de beber. Me perdoe por todas as coisas do passado que eu fiz na minha vida, de espancar as pessoas”, orou.
Terminar com as coisas da gangue, terminei com tudo isso. A maneira que eu senti naquele momento foi com muita paz. Sabendo de tudo o que eu fiz na minha vida, Ele me perdoou naquele momento”, finalizou.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Mais de 3 mil cristãos nigerianos estão sem moradia após massacre que deixou 200 mortos

Mais de 3 mil cristãos nigerianos estão sem moradia após massacre que deixou 200 mortos
Milhares de cristãos nigerianos foram desalojados devido ao massacre em massa nas aldeias ao redor de Jos, no estado de Plateau. De acordo com um missionário local, que trabalha para a Portas Abertas, eles estão vivendo um "inferno vivo" de agonia.
"Os cristãos deslocados estavam em uma situação caótica", disse na última terça-feira (3) um funcionário da Portas Abertas dos Estados Unidos, identificado como Kerrie.
"A vida se tornou um inferno para eles. Eles perderam entes queridos, casas e tudo pelo que tinham em um piscar de olhos. É difícil de descrever a agonia que eles estão passando. Vimos pessoas que ainda estavam de luto com o que acabaram de passar. As crianças choravam histericamente, talvez por causa da fome ou talvez por causa do trauma", disse ele.
Portas Abertas, juntamente com algumas igrejas indígenas, está levando ajuda às pessoas da área. Estima-se que pelo menos 3 mil cristãos foram desalojados pelo massacre de mais de 200 pessoas em uma série de ataques no final de junho.
Líderes cristãos na Nigéria disseram que cerca de 6 mil pessoas, a maioria mulheres e crianças, foram mortas por muçulmanos de etnia Fulani, desde o início do ano.
"O que está acontecendo no estado de Plateau e outros estados seletos na Nigéria é puro genocídio e deve ser interrompido imediatamente", disse a Associação Cristã da Nigéria e os chefes denominacionais da Igreja em Plateau, na semana passada.
"Estamos particularmente preocupados com a insegurança generalizada no país, onde ataques e assassinatos arbitrários de pastores, bandidos e terroristas armados vêm acontecendo diariamente em nossas comunidades, apesar dos enormes investimentos nas agências de segurança", acrescentou a organização acusando a administração do presidente Muhammadu Buhari de falhar em seus deveres.
Em um artigo publicado no início dessa semana, a Portas Abertas revelou que sua equipe pôde levar alimentos para dois campos onde os cristãos deslocados encontraram abrigo. "Quando viram a van, eles gritaram de alegria. Alguns simplesmente explodiram em lágrimas", disse Kerrie.
"Imediatamente, as mulheres nos campos começaram a cozinhar para as famílias e a compartilhar a comida entre elas". Os cristãos deslocados agradeceram ao grupo de vigilância.
"Agradeço a Deus que alguns de nós puderam escapar, e agora nos encontramos aqui neste acampamento. Quero agradecer a Portas Abertas. Eu me lembrei que nos visitaram para ver a situação em que estamos. Dissemos que há muita fome, falta de abrigo e nada de roupas. Tudo foi destruído e, no acampamento, não há comida para comer", disse a mulher.
"Mas agradecemos a Deus por usar a Portas Abertas para trazer ajuda para nós. Em apenas um dia, vocês responderam ao nosso pedido. Até o governo não fez o que vocês fizeram conosco. Vocês trouxeram itens de alimentos e produtos de higiene para nós. Somos realmente gratos", finalizou.

sábado, 7 de julho de 2018

Casamento: Esboço da cerimonia



Não é o guia definitivo, mas tem como objetivo ajudar a orientar aos pastores no momento da celebração de um casamento, desejo que possa ser de edificação para sua vida.
O casamento é um evento muito importante para o pastor que vai celebrar pelo menos por dois grandes motivos:
·         É um dia único e especial na vida dos noivos.
·         Presença de várias pessoas que não são cristãs ou estão desviadas.
Por ser evento que ocorre ocasionalmente para a maioria dos pastores e ainda conter várias variáveis (dia, local da cerimonia, alterações na liturgia por parte dos noivos, sistema de som etc.) é imprescindível que o pastor esteja atento a todos os detalhes.
1. QUANDO TEMPO DURA A CERIMONIA DE CASAMENTO?
Por norma toda a cerimonia de casamento nunca deve ultrapassar 1 hora de duração, um tempo indicado seria de 45 minutos a 1 hora. Caso os noivos desejam estender mais a cerimonia para dar oportunidade a mais canções ou intervenção de outras pessoas, o pastor deverá informa-los que um cerimonial muito longo cansa os ouvintes.
2. QUANTAS MÚSICAS SE CANTAM NUMA CERIMONIAL DE CASAMENTO?
Não há regra para quantas canções serão cantadas na cerimonia de casamento, caberá aos noivos escolherem quantas musica desejam em sua cerimonia. Entretanto como base fica aqui uma sugestão de 05 músicas para a cerimonia.
3. O QUE PREGAR NUMA CERIMONIA DE CASAMENTO?
Umas das grandes dificuldades dos pastores é o conteúdo da mensagem a ser ministrada, alguns erroneamente aproveitam para dar conselhos e exortações aos noivos diante de seus familiares e convidados, outros aproveitam para pregar uma mensagem evangelistica para aqueles que não são crentes ou estão desviados, outros no decorrer da mensagem tocam em temas polêmicos e constrangedores para alguns convidados (divorcio, homossexualidade etc.), alguns parecem que copiam da internet um esboço e são mecânicos ao transmitir a mensagem pelo fato de ela estar em sua mente mas nunca em seu coração, outros aproveitam a oportunidade para “brilhar” mais que os noivos relatando testemunho de seu próprio casamento e estende-se demasiadamente a mensagem provocando sono e distração nos convidados.
Devemos ter a sensibilidade do que a ocasião pede:
Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
Eclesiastes 3:1
Com base a mensagem do pastor deve ter entre 15 minutos, podendo chegar ao máximo 20 minutos, tenho a conciencia que para nós pastores isso “não dá para nada” é apenas para a introdução da mensagem, mas note que um grande parte da familia dos noivos e seus amigos, talvez nunca entraram numa igreja evangélica, nunca ouviram uma mensagem, seu coração está marcado com um preconceito (conceito criado previamente sobre um assunto) e temos estes preciosos 15 minutos para gerar em seus corações o desejo que querer ouvir mais sobre o assunto.
4. AS ALIANÇAS
O ápice da cerimonia de casamento é o momento das entregas das alianças, é importante lembrar que o pastor precisa “facilitar” o trabalho dos fotógrafos e equipa de filmagem (caso exista), geralmente uma criança leva as alianças até ao pastor que depois de fazer um breve comentário sobre o seu significado e importância:
Exemplo: “Aliança significa aliar-se a algo ou a alguém, intenções de acordo, pacto entre partes, convênios entre pessoas ou nações que buscam objetivos comuns. A Bíblia fala de muitas alianças, especialmente das alianças que Deus fez com a humanidade. Aqui, nesta cerimônia de casamento, estas alianças significam um compromisso voluntário, consciente e responsável estabelecido entre duas pessoas que se amam”.
Uma sugestão seria do pastor realizar uma breve oração com a bíblia aberta antes dos noivos realizarem os votos (as fotos e filmagem ficam muito destacadas); posteriormente o pastor oferece as alianças ao noivo para que possa fazer o voto para sua noiva:
OS VOTOS DO NOIVO:
 “[Pronuncie o nome completo do noivo]… estás disposto a prometer diante de Deus e de todos aqui presentes a tomar a esta mulher [pronuncie o nome completo da noiva] por tua legítima esposa, para viveres com ela segundo foi ordenado por Deus? Prometes amá-la, honrá-la, consolá-la e conservá-la, tanto na saúde como na enfermidade, na prosperidade como em seus sofrimentos, e te conservares exclusivamente para ela enquanto ambos viverem?”
OS VOTOS DA NOIVA
     “[Pronuncie o nome completo da noiva]… estás disposta a prometer diante de Deus e de todos aqui presentes a tomar a este homem [pronuncie o nome completo do noivo] por teu legítimo esposo, para viveres com ele segundo foi ordenado por Deus? Prometes amá-lo, honrá-lo, consolá-lo e conservá-lo, tanto na saúde como na enfermidade, na prosperidade como em seus sofrimentos, e te conservares exclusivamente para ele enquanto ambos viverem?”
5. A TROCA DAS ALIANÇAS
Logo após a realização dos votos, geralmente pode haver uma apresentação de uma canção, mas se não houver, siga com a cerimonia.
Pegue as alianças (geralmente elas são trazidas por crianças ou pelo noivo) e levante-as para o público ver.
Faça uma brevíssima consideração sobre o significado da aliança. Ex.:
“Aliança significa aliar-se a algo ou a alguém, intenções de acordo, pacto entre partes, convênios entre pessoas ou nações que buscam objetivos comuns. A Bíblia fala de muitas alianças, especialmente das alianças que Deus fez com a humanidade. Aqui, nesta cerimônia de casamento, estas alianças significam um compromisso voluntário, consciente e responsável estabelecido entre duas pessoas que se amam”.
Coloque as aliança sobre a sua bíblia e faça um breve oração, essa ação fica muito bonita e destacada na filmagem e fotos.
     Entregue a aliança da noiva → para o → noivo.
.       – Peça para ele repetir as seguintes palavras, enquanto coloca a aliança na mão dela:
          “Que esta aliança seja o símbolo puro e imutável do nosso amor”.
Entregue a aliança do noivo → para a → noiva.
– Peça para ela repetir as seguintes palavras, enquanto coloca a aliança na mão dele:
          “Que esta aliança seja o símbolo puro e imutável do nosso amor”.

6. O ENCERRAMENTO
Após a troca das Alianças, se for possível, peça para o casal se ajoelhar, convide os pais se achar conveniente para se aproximarem, peça para que todos estendam sua mão em direção ao altar e faça uma oração pedindo a bênção de Deus sobre o casal.
Depois que eles ficarem em pé, declare solenemente: “Na qualidade de Ministro do Evangelho, eu vos declaro marido e mulher”.
Espere dois segundos e diga, sorrindo, a frase que todo mundo quer ouvir: “Pode beijar a noiva”.
Após este momento pode uma canção pode ser cantada ou combinado previamente o refrão.
7. A BENÇÃO
Deve ser combinado previamente com os noivos, no momento da saída em passos lentos os noivos quando estiverem no meio do local do casamento, o pastor chama os noivos que olham para o pastor a meio corpo então o pastor levanta sua mão direita aos céus e diz:
“Que o Senhor te abençoe e te guarde que o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre vós e tenha misericórdia de vos, que o Senhor guarde a vossa entrada e a vossa saída desde agora como para sempre amém”







http://igrejanovodia.com/sermon/como-realizar-casamento-evangelico/

Polícia investiga desaparecimento de pastor em Londrina

O pastor Edvaldo Oliveira, de 57 anos, saiu de casa dizendo que ia ao banco pagar contas e desapareceu Um pastor de duas unidades da Igr...