sexta-feira, 10 de abril de 2015

O PASTOR DO CAVACO NA IGREJA BATISTA ! SERA QUE DEU CERTO?VEJAM-PR MAICO...

Obama evita falar em cristianismo ou islamismo, ao comentar o massacre no Quênia e gera divergências


Barack Obama emitiu uma declaração escrita, condenando os ataques e afirmou que "homens e mulheres inocentes foram descarada e brutalmente massacrados".

Após o massacre que matou cerca de 147 cristãos em uma universidade de Garrisa (Quênia), o presidente Barack Obama emitiu um comunicado em resposta ao ataque, mas não identificou as vítimas como os cristãs e também não citou o grupo extremista como tendo motivações islâmicas.

Na quinta-feira passada (2), militantes do grupo terrorista Al Shabaab invadiram o campus da "Garissa University College", separando muçulmanos dos não-muçulmanos e mataram cerca de 147 cristãos, além de deixarem 79 feridos.

Na sexta-feira (3), Obama emitiu uma declaração escrita, condenando os ataques e afirmou que "homens e mulheres inocentes foram descarada e brutalmente massacrados".

"Michelle e eu reunimos o povo americano para expressar nosso horror e tristeza com os relatos que nos chegam de Garissa, no Quênia. Palavras não podem condenar de forma adequada as atrocidades terroristas que ocorreram em 'Garissa University College', onde homens e mulheres inocentes foram descaradamente e brutalmente massacrados", declarou o presidente norte-americano. "Juntamo-nos ao mundo em luto por eles, muitos dos quais eram alunos que buscam uma educação e uma vida melhor para si e para seus entes queridos".

A declaração de Obama passou a explicar que, após o povo do Quênia sofrer com o ataque, os Estados Unidos vão "ficar lado a lado" com o país africano, contra o "flagelo do terrorismo."

Assim como Obama citou os 21 cristãos coptas na Líbia que foram degolados por ISIS em fevereiro deste como "cidadãos egípcios", A declaração de Obama na sexta-feira (3) deixou de mencionar o fato gritante que as vítimas foram mortas apenas por confessarem a fé cristã.

Daveed Gartenstein-Ross, um membro sênior da Fundação para a Defesa das Democracias, disse ao The Christian Post na última terça-feira (7) que a recusa de Obama para rotular grupos extremistas e suas vítimas martirizados por afiliação religiosa é simplesmente para evitar ser acusado de sectarismo.

"É um padrão em termos de comunicações administrativas", explicou Gartenstein-Ross. "Basicamente, é uma estratégia de remover a religião da retórica e não é sem mérito... mas, ao mesmo tempo que é contrário à realidade da situação. As pessoas em Garissa foram mortas porque eram cristãs. Os coptas na Líbia foram mortos porque eram cristãos. É um dispositivo retórico excruciante".

Embora Gartenstein-Ross suponha de que a recusa de Obama mencionar fé cristã das vítimas do terrorirsmo 'faça parte de uma retórica de comunicação mais ampla', Nina Shea, diretora do Instituto Hudson para a Liberdade Religiosa, disse ao Christian Post que a administração de Obama nem sempre omite a filiação religiosa quando se discute as vítimas de ataques e deu a entender que poderia haver alguma hipocrisia na omissã da fé cristã das vítimas por parte de Obama.

"Em um ataque na Síria, no final de semana passado, a administração não teve problemas para expressar condolências aos alauítas e ismaelitas que foram assassinados", disse Shea. "Isso está em contraste gritante com o presidente Obama e a falha do Departamento de Estado de mencionar que os cristãos foram perseguidos e executados no Quênia durante o mesmo período. Este é um padrão típico para a administração. Pode ser que a administração tenha sido informada pelo seu conselheiros muçulmanos que os muçulmanos ficariam ofendidos pela crítica da ideologia violentamente intolerante do Al-Shabaab, um grupo extremista islâmico".

O presidente do Conselho de Pesquisa da Família, Tony Perkins também observou comentários de Obama sobre cristãos na tradicional oração matinal de Páscoa da última terça-feira.

"Quando se trata de cristãos perseguidos, não só não temos ação, raramente temos palavras. Como vimos esta manhã no na oração matinal de Páscoa, parece que o presidente e seu governo só trazem os cristãos à pauta quando querem ataca-los", disse Perkins.

Continuando com seu padrão de recusar-se a rotular grupos extremistas como islâmicos, Obama mais uma vez, não mencionou o fato de que a organização terrorista Al-Shabaab, um ramo da Al-Qaeda, é inspirado para realizar seus ataques mortais por causa do apelo de sua doutrina islâmica extrema para a jihad.

Kyle Shideler, o diretor do Centro de escritório de informações de ameaças da Política de Segurança disse ao Christian Post que a incapacidade de Obama para identificar grupos extremistas mortais como o Al-Shabaab, ISIS e Boko Haram como tendo intenções islâmicos poderia ser uma indicação de que o presidente não tem uma estratégia para derrotar tais grupos islâmicos.

"Se não temos uma compreensão clara da doutrina do inimigo, torna-se muito difícil de desenvolver estratégias para derrota-lo. Quando o presidente indica que ele não entende por que é que as pessoas realizam esses ataques [interesses], é indicativo de que o governo não tem uma estratégia que possa ter sucesso", disse Shideler. "Enquanto ele não reforçar ou enfraquecer a Al-Shabaab de uma forma ou de outra, isso enfraquece os Estados Unidos e sua capacidade de lidar com as ameaças, quando não falamos sobre eles de forma honesta e clara".

Fonte: Guia-me

Neste fim de semana a Portas Abertas estará em Manaus


Neste fim de semana a Portas Abertas estará em Manaus
De sexta a segunda-feira (10 a 13 de abril), os coordenadores de jovens, mulheres, correspondentes locais e viagens da Portas Abertas visitarão treze igrejas em Manaus. Os horários e endereços estão disponíveis no site.
Uma das formas que você tem para se aproximar da Igreja Perseguida é por meio dos ministérios da Portas Abertas. São eles: o Underground (de jovens), o Mulheres do Caminho (de mulheres que intercedem pelos cristãos perseguidos), o Colaboradores Locais (de cristãos brasileiros que representam a Portas Abertas em suas igrejas e ajudam a divulgar as histórias de perseverança, assim como as necessidades de nossos irmãos) e o Sem Fronteiras (de viagens de apoio a países onde há perseguição). 
Para conhecer melhor cada um desses ministérios, programe-se para o Fim de Semana da Igreja Perseguida em Manaus. Confira a agenda aqui
Mora longe de Manaus e por isso não conseguirá estar presente? Ore por nós! Enquanto nós lançamos a semente da causa da Igreja Perseguida, interceda para que ela cresça e renda muitos frutos. Os cristãos perseguidos contam conosco.

Quantidade de brasileiros convertidos ao islamismo está crescendo rapidamente, diz jornal francês


Quantidade de brasileiros convertidos ao islamismo está crescendo rapidamente, diz jornal francês
O plano de expansão do islamismo pelo mundo, traçado pelos principais líderes da religião, vem surtindo efeito visível em países dos continentes europeu e africano, mas também no Brasil.
O relato de aumento de muçulmanos em terras tupiniquins levou o jornalista Nicolas Bourcier a produzir uma extensa reportagem para o jornal francês Le Monde, relatando que em São Paulo, tem sido constatado um aumento significativo das conversões ao islamismo.
De acordo com Bourcier, aproximadamente um terço dos frequentadores da principal mesquita da capital paulista vem do Oeste da África, atraídos pela promessa de uma vida sem perseguição religiosa e sem conflitos armados motivados por diferenças étnicas.
No entanto, comenta a reportagem, a grande maioria dos frequentadores é composta por brasileiros, e quase metade se converteu recentemente.
Um fenômeno recente, evidenciado nos últimos 15 anos. O ritmo de conversões pode ser comparado ao de uma pequena congregação pentecostal: a cada semana, entre quatro e seis brasileiros se convertem ao islamismo na mesquita visitada, que fica no bairro do Cambuci.
O imã Abdelhamid Metwally, responsável pela mesquita, disse que a explicação desse crescimento está na “tolerância formidável que existe no Brasil, onde é possível exprimir sua crença com muita liberdade, o que não é o caso em alguns países da Europa”.
Atualmente, os muçulmanos estimam que existam, no Brasil, até 1,5 milhão de adeptos da religião, e entre 30% e 50% seriam convertidos por aqui mesmo.
A antropóloga Francirosy Ferreira, diz que as primeiras conversões ao islamismo no país foram registradas em 1920, com os imigrantes sírios, libaneses e palestinos, mas que a grande propaganda da religião foi feita pela televisão: “O lançamento em 2001 na TV Globo da novela ‘O Clone’, que tinha o início de sua intriga situada no Marrocos, suscitou o entusiasmo [pela religião muçulmana]”, explicou.
Islamismo cresce em periferias de São Paulo
Elaine Novais Braga conheceu o Islã há dois anos, por influência de um colega de trabalho. Aniza Zafira, como prefere se chamada, é gestora cultural em uma associação na Favela Cultura Física, em Embu das Artes, na Grande São Paulo.
Marcada por uma juventude difícil em Paraisópolis, uma das maiores comunidades da América Latina, ela conta que se separava do pai do filho dela, usuário de drogas, quando decidiu buscar uma religião.
No Islã, ela reza cinco vezes ao dia sempre em direção a Meca, a cidade sagrada para os muçulmanos. Antes do culto, Anisah se 'purifica' lavando seu o corpo em um ritual ablução.
No Brasil, segundo o Censo mais recente, divulgado em 2010 pelo IBGE, há cerca de 30 mil fiéis. No entanto, segundo a Federação das Associações Muçulmanas do Brasil, esse número saltou de 600 mil, há cinco anos, para um milhão atualmente.
A maioria das pessoas da comunidade islâmica no Brasil é de origem árabe e vive em bairros de classe média, mas uma parte dos novos adeptos está em regiões carentes como as visitadas pela reportagem CBN.
O fenômeno chama atenção do mundo acadêmico. A professora Francirosy Barbosa Ferreira estuda o islã há 17 anos e diz que a religião tomou uma característica brasileira. ‘Acho que houve uma identificação principalmente com esses movimentos reinvindicatórios, dessa construção de identidade.’
Elaine Novais Braga ainda não sabe falar o árabe. Por isso, reza, na maioria das vezes, com outros religiosos. Mora em Embu das Artes com o filho. Prefere a comunidade da Grande São Paulo, pois diz que ali é mais respeitada. De acordo com Elaine, o Islã já trouxe alguns problemas, mas isso não abalou sua fé.
A intolerância também já afetou a vida de Geizianne Guedes. Moradora do Jardim Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo, ela se converteu ao Islã há quatro anos. Conheceu o Alcorão enquanto estudava para ser freira em um convento. Foi um amigo seminarista que entregou a ela o livro sagrado para os muçulmanos.
Sarah Ghuraba, como prefere ser chamada, deixou o convento e hoje não abandona o véu que só deixa o rosto da jovem de 27 anos a mostra. Sempre que possível se dedica a difundir a palavra do profeta Maomé.
A internet é a principal ferramenta usada por Sarah que mantém um blog sobre o assunto. Ela aponta o preconceito como o pior problema para um muçulmano no Brasil.

Globo fará debate entre Silas Malafaia e Jean Wyllys

O apresentador Pedro Bial convidou o deputado federal Jean Wyllys, o apresentador Jô Soares e o pastor Silas Malafaia para participar de um debate na nova temporada do programa Na Moral, da Rede Globo. O programa debaterá temas ligados à família e será gravado no próximo dia 18.
Não é a primeira vez que Malafaia participa do programa. Em 2013 o pastor evangélico esteve no programa falando sobre assuntos polêmicos e a emissora registrou um recorde de audiência.
Pelo seu perfil polêmico sempre que aparece em um programa da TV aberta o pastor garante o sucesso da audiência. O líder evangélico já esteve no programa “De Frente com Gabi”, do SBT, que marcou recorde de audiência e no “Programa do Ratinho” que também foi sucesso.
O ex-BBB Jean Wyllys tornou-se um dos principais opositores aos projetos cristãos na Câmara dos Deputados. Em janeiro, ao comentar os crimes contra homossexuais, o parlamentar chegou a dizer que os agressores recitam trechos da Bíblia enquanto espancam e matam as vítimas.
Wyllys também é considerado por muitos como o deputado que mais trabalha para desconstruir a imagem tradicional da família e propôs, entre outros projetos, legalizar a prostituição no Brasil e obrigar os pais a consentir com a mudança de sexo em crianças pelo SUS.
Já o apresentador Jô Soares tem um perfil liberal e comanda um dos programas com maior audiência na emissora. Jô já entrevistou diversas personalidades evangélicas e recentemente atacou o pastor evangélico Marco Feliciano.

Estatuto da Família

O assunto que será tema do debate ganhou força com a apresentação de um projeto apresentado na Câmara dos Deputados pelo deputado federal Anderson Ferreira (PR-PE) que reconhece como família núcleos sociais formados a partir da união entre um homem e uma mulher.
Uma enquete promovida pelo site da Câmara dos Deputados atraiu mais de 5 milhões de internautas desde fevereiro de 2014 questionando se as pessoas concordam com a definição de família como núcleo formado a partir da união entre homem e mulher.


GP

As Melhores de Thalles Roberto

AS MELHORES DE THALLES ROBERTO  - O MELHOR DE THALLES ROBERTO



Thalles Roberto



UMA BENÇÃO DE DEUS . UMA BÍBLIA  QUE TRAZ COMO INTRODUÇÃO O TESTEMUNHO DO THALLES ROBERTO .







Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...