terça-feira, 22 de setembro de 2015

DEUS CONFIRMA A ALIANÇA COM JACÓ


Betel era o lugar onde Deus dissera a Jacó que as promessas feitas a Abraão e Isaque passariam a ele e à sua descendência (capítulo 28:10-19). Depois do triste episódio em Siquém, Deus mandou que ele voltasse até ali, uns 24 quilômetros ao sul de onde estava, e fizesse um altar para Ele.
Parece surpreendente que a sua família e os que com ele estavam tivessem ídolos (deuses estranhos). Os ídolos não eram usados tanto para adoração e culto como para dar boa sorte - eram uma espécie de amuletos ou talismãs, assim como boje em dia muita gente carrega consigo diversos tipos de medalhões, pendentes, colares, etc., por superstição.
Jacó decidiu que sua casa não era lugar para ídolos, pois ele e os seus estavam debaixo da proteção das promessas de Deus. Ele então ordenou que todos se desfizessem deles, e se purificassem e mudassem suas vestes antes de prosseguirem a Betel (casa de Deus). Um bom exemplo para nós: devemos lançar fora tudo o que estiver se interpondo entre nós e nosso Deus e Salvador, purificarmo-nos de todo o pecado que nos polui, confessar e pedir perdão pelos pecados cometidos, e trocarmos de roupa, santificando a nossa vida (2 Coríntios 7:1, Hebreus 10:22, Tiago 4:8, 1 Pedro 2:1, 2).
Ele ainda mandou que todos se levantassem e subissem com ele a Betel, para fazer ali um altar ao Deus que o atendeu em sua angústia e o acompanhou por onde andou.
Todos então deram a Jacó os seus ídolos, e os brincos de suas orelhas: brincos representam uma palavra original que significa encantamentos, sendo, portanto, amuletos para proteção contra bruxarias, mau-olhado, etc., pendurados do pescoço ou das orelhas de pessoas de ambos os sexos. Jacó os escondeu, enterrando-os debaixo dum carvalho junto a Siquém: séculos mais tarde, lemos sobre o caminho do carvalho dos adivinhadores (Juizes 9:37), que pode ser este carvalho, talvez porque Jacó enterrou os deuses estrangeiros e as argolas ali, para que nunca mais fossem usados.
Deus impediu que os cananeus vingassem o massacre dos siquenenses, enchendo-os de terror. Chegando ao lugar que ele chamara Betel, Jacó construiu um altar chamando o local El-Betel (o Deus de Betel).
Débora (abelha) morreu e foi sepultada ali. Ela era a ama de Rebeca e a havia acompanhado quando fora ao encontro do seu noivo Isaque (capítulo 24:59). Como estava com Jacó quando morreu, assume-se que Rebeca já havia morrido (embora a Bíblia não nos diga quando).
Jacó não mais encontrou sua mãe, talvez para maior tristeza ainda dela, que pensava que ele iria somente por alguns dias. Débora aparentemente levou a noticia da morte de Rebeca até Jacó e ficou fazendo parte do seu grupo. 0 carvalho debaixo do qual foi sepultada chamou-se Alom Bacute (carvalho de pranto).
Deus lembrou Jacó do seu novo nome Israel (ele peleja com Deus), um tributo ao seu desejo de permanecer perto de Deus através das dificuldades e privações por que havia passado.
Muitos pensam que a vida do crente deve ser um mar de rosas, sem dificuldades, e quando as tribulações surgem, afastam-se desapontados. Ao contrário, a vida do crente é uma viagem através de um mar turbulento, em que temos vitória mediante o poder de Deus. Os dolorosos problemas e dificuldades são inevitáveis, mas consistem em oportunidades para crescimento espiritual e aperfeiçoamento de nosso caráter, aproximando-nos ao de Cristo.
Deus abençoou novamente a Jacó e renovou suas promessas concernentes à sua descendência, e a posse da terra. Em seguida Ele se afastou, elevando-se do lugar - não era um sonho, portanto, e nos lembra a maneira semelhante em que Cristo se elevou da terra depois da sua ressurreição.
Jacó então:
  1. erigiu uma coluna de pedra: monumento primitivo usado na antigüidade para marcar um acontecimento memorável, para ser lembrado através dos anos.
  2. derramou sobre ela uma libação: uma oferta na forma de bebida alcoólica, geralmente vinho (Números 15:5,7), que ajudava a queimar o holocausto. Era sempre derramado, nunca bebido, e pode ser considerado uma figura de Cristo (Salmo 22:14, Isaias 53:12). Esta é a primeira vez que aparece na Bíblia. O apóstolo Paulo se refere a esta libação quando diz que se alegra e congratula com os crentes em Filipos mesmo que ele fosse oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da sua fé (Filipenses 2:17), referindo-se ao seu possível martírio.
  3. deitou-lhe óleo: era usado azeite de oliva da mais alta qualidade e pureza. Custava caro, e era a maneira de mostrar como o objeto ungido era precioso. Jacó estava externando o maior respeito ao lugar onde se encontrou com Deus.
Deixando Betel, seguiram para o sul e, pouco antes de chegarem a Efrata (frutífera), Raquel com grande dificuldade deu à luz o seu segundo filho. Ela não sobreviveu ao parto, mas antes de morrer deu o nome de Benoni (filho da minha aflição) ao seu filho. Jacó, porém preferiu chamá-lo Benjamim (filho da mão direita). Ele assim se torna em um tipo dos dois aspectos de Cristo: como Benoni Ele foi o Sofredor e por isso uma espada traspassou a alma da sua mãe (Lucas 2:35), mas como Benjamim, que deu origem a uma tribo de guerreiros (capítulo 49:27) firmemente ligada à tribo real de Judá (capítulo 49:8-12; 1 Reis 12:21), Cristo é o grande Vencedor.
Efrata era o antigo nome de Belém (casa de pão), aparecendo os dois nomes juntos em Miquéias 5:2, e ali perto Raquel foi sepultada - Jacó levantou uma coluna para marear o lugar, e o túmulo esta ali até hoje, sendo agora uma atração turística.
Entre Belém e Hebrom, seu destino final, havia uma torre de vigia para pastores, chamada torre de Eder, onde Israel se deteve por mais algum tempo. Esta nova pausa trouxe mais aborrecimento para Jacó, com o adultério cometido por seu filho mais velho, Rúben, filho de Lia, com a serva de sua falecida esposa Raquel, Bila, que lhe havia dado dois filhos a pedido de Raquel: Dã e Naftali. Jacó soube do caso, e Rúben foi castigado perdendo seu direito à primogenitura, que passou para José, filho mais velho de Raquel (capítulo 49:4,22-26).
A seguir termina esta narração sobre os filhos de Isaque com uma recapitulação dos nomes dos filhos de Jacó e suas mães, a chegada de Jacó ao seu destino junto ao seu pai Isaque em Hebrom, e a morte de Isaque com a idade avançada de cento e oitenta anos.
Isaque foi sepultado por seus filhos Esau e Jacó (ambos já com cento e vinte anos de idade).



Via  GRITOS DE ALERTA BIBLE FACTS

QUAL O SIGNIFICADO DO YOM KIPUR ?

Na noite desta terça-feira, cerca de 14 milhões de judeus de todo o mundo, 120 mil no Brasil, iniciam as comemorações do Yom Kipur, o Dia do Perdão, considerada a data mais sagrada do calendário judaico.
Yom Kipur é o Dia da Expiação, sobre o qual declara a Torá: "No décimo dia do sétimo mês afligirás tua alma e não trabalharás, pois neste dia, a expiação será feita para te purificar; perante D'us serás purificado de todos teus pecados."
Esclarecendo a natureza de Yom Kipur, o Rambam escreve: "É o dia de arrependimento para todos, para o indivíduo e para a comunidade; é o tempo do perdão para Israel. Por isso todos são obrigados a se arrepender e a confessar os erros em Yom Kipur."
A expiação obtida através de Yom Kipur é muito mais elevada que aquela conseguida através do arrependimento, pois neste dia os judeus e D'us são apenas um. O judeu une-se com D'us para revelar um vínculo intocável pelo pecado, sem obstáculos.
Teshuvá, o retorno do judeu ao bom caminho, não está restrito apenas a Yom Kipur. Há muitas outras épocas que são propícias para que isto ocorra, e na verdade, um judeu pode, e deve, ficar em estado de reflexão, alerta e arrependimento todos os dias do ano.
Fonte: Chabad

'Jamais mataria meu marido', diz Tania Levy, cantora gospel presa por homicídio



Depois de ficar dois meses na prisão, a cantora gospel Tania Levy, acusada de matar o marido em São Pedro (SP)[/url], afirmou que viu “a mão de Deus” durante o tempo que ficou na penitenciária. Em entrevista ao G1, a artista de 38 anos contou detalhes sobre o período de detenção, falou sobre a relação com a vítima e a acusação de assassinato, além da dificuldade para retomar a carreira enquanto responde ao processo de homicídio. (veja no vídeo acima os trechos da entrevista).

O marido de Tania Levy, o guarda municipal Eliel Silveira Levy, morreu em 2013. O corpo dele foi encontrado no porta-malas de um carro incendiado. Após quase dois anos de investigação, a cantora foi presa no dia 16 de julho de 2015. Ela estava em uma casa no Jardim Ibirapuera, em Piracicaba (SP). Segundo a advogada da artista, a polícia trabalha com a hipótese de crime passional.

Tania teve habeas corpus concedido pela Justiça na última quinta-feira (17). Pelo menos 20 quilos mais magra após o período na cadeia, ela afirmou que a prisão a fez perder a “ingenuidade” e que se apoiou na religião para superar as dificuldades e a solidão na penitenciária. A cantora afirma que recebeu um “aviso” de que seria solta.
Imagem redimensionada“Foram dias muito difíceis. Eu tive que ficar por dez dias em um local onde a porta era fechada e só meus olhos e minhas mãos podiam ser vistos, mas antes desse tempo acabar, decidiram abrir a porta e eu não precisei mais ficar trancada sem ver ninguém. Eu vi a mão de Deus, ele me deu um aviso de que eu poderia me apoiar nele mais ainda e que eu seria solta em breve”, disse Tania, que ficou na Cadeia Pública de Santa Bárbara d’ Oeste (SP) e na Penitenciária Feminina de Mogi Guaçu (SP).

‘Envolvido com crime’

A suspeita da polícia de que Tania estaria envolvida na morte do marido surgiu logo depois que o corpo do guarda municipal foi encontrado. De acordo com a artista gospel e com a advogada Manuela Guedes, que acompanhou a entrevista nesta segunda-feira (21), a polícia trabalha com a hipótese de que a cantora matou o marido depois de descobrir uma relação extraconjugal.
Imagem redimensionada“A relação existiu sim, meu marido teve um caso com uma mulher, mas eu perdoei, eu entendi as razões dele, eu amava meu marido, eu jamais mataria meu marido por qualquer motivo que seja. Eu não merecia estar sendo acusada. Não entendo porque estão me acusando”, afirmou Tania.

Além de dizer que é inocente, a cantora gospel afirmou à reportagem que, meses antes da morte do guarda municipal, descobriu o envolvimento dele com criminosos e que isso, segundo ela, pode explicar a morte do marido. Tania, no entanto, disse que não poderia dar detalhes sobre quais eram as atividades ilegais do companheiro.

“Ele se envolveu com o crime, inclusive já havia sido preso duas vezes. Tinha gente que queria matá-lo. Eu fiquei com medo de ser alvo desses criminosos também. A polícia também tem que trabalhar com essa hipótese. Meu marido tentou esconder esse envolvimento com o crime, mas acabei descobrindo”, disse.

'Acredito naquilo que canto'

Depois de ser libertada da cadeia, a artista retornou a Piracicaba e agora pretende retomar a carreira interrompida pela prisão e pela acusação de assassinato. Ainda sem saber se vai a julgamento, Tania contou que chegou a ficar com receio de ter que parar de cantar pelo risco de perder a confiança das pessoas no meio evangélico.

"Eu acredito naquilo que eu canto. Eu louvo a Deus porque foi assim que eu fui criada. Eu sou assim. Nós temos que ser aquilo que a gente prega, assim nós podemos ajudar as pessoas também. Tive medo, mas depois decidi seguir em frente por ter a certeza de que eu sou inocente e de que mais cedo ou mais tarde o culpado vai aparecer", disse.

Na época da prisão, a Polícia Civil informou que havia chegado até a cantora através de apurações e coleta de provas. No entanto, Tania contraria a versão da investigação e afirma que não existem provas contra ela. "Eu não deveria ter sido presa porque eu quero ajudar nas investigações. Eu não matei ninguém e vou tentar provar isso", afirmou a cantora.

Fonte: G1

Sete cristãos são assassinados em ataque terrorista em Camarões


Sete cristãos são assassinados em ataque terrorista em Camarões
Na vila Aïssa Harde, em Yaoundé, Camarões, pelo menos sete cristãos adventistas morreram em ataque terrorista na noite de 17 de setembro.
O pastor Richard Hendjena, líder da Igreja Adventista do Sétimo Dia no norte de Camarões, falou sobre o ocorrido. "Homens fortemente armados invadiram a vila de Aïssa Harde, localizada a 11 quilômetros a leste de Mora, capital de Mayo Sava, na região do extremo norte de Camarões. Era por volta da 23 horas, de acordo com algumas testemunhas. Esses indivíduos não identificados invadiram várias casas e mataram nove pessoas, incluindo sete adventistas.Muitos imóveis foram queimados, provocando significativas perdas materiais", explicou.
Embora não haja autoria reivindicada e confirmada, há indícios de que os ataques tenham relação com o grupo terrorista Boko Haram.
Segundo o pastor Hendjena, após os assassinatos, “muitas famílias também esvaziaram a vila, deixando uma vila desolada, definhando em pânico e psicose. Essa é a primeira vez que a Igreja Adventista do Sétimo Dia viu essa catástrofe provocar a perda de tal número de membros, desde que iniciaram os abusos no extremo norte de Camarões”

ANTI CRISTO DECLARADO- 'O Alcorão é um livro de paz', afirma o Papa Francisco, após visita à Turquia

No avião que o levou de volta à Itália depois de uma visita de três dias à Turquia, o Papa conversou com jornalistas durante quase uma hora.
“O Alcorão é um livro de paz”. A declaração do Papa Francisco, durante a viagem de volta à Roma, repercutiu no mundo inteiro.
"Não se pode dizer que todos os islâmicos são terroristas, assim como não se pode dizer que todos os cristãos são fundamentalistas", completou o Papa.
Para ele, é preciso que os líderes islâmicos - sejam eles políticos, religiosos ou acadêmicos - condenem claramente o terrorismo. Uma condenação mundial, segundo o pontífice, ajudaria a maioria dos muçulmanos a se livrar das reações negativas que enfrentam em vários lugares do planeta.
Sobre o momento em que rezou na Mesquita Azul, disse que estava ali como um peregrino e que fez orações pela Turquia e pela paz. A viagem à Turquia foi um dos passos mais importantes que um líder da Igreja Católica romana deu na aproximação com os cristãos ortodoxos desde que eles se separaram no século XI.
O Papa também manifestou o desejo de se encontrar com o patriarca de Moscou. A Igreja Ortodoxa Russa é a que mantém as relações mais delicadas com o Vaticano.

O Papa Francisco declarou ainda que não acredita que a Síria possua armas químicas e afirmou que gostaria de viajar para o Iraque, mas reconhece que neste momento criaria um problema de segurança para as autoridades iraquianas.

INF. G1

Denúncia: Empresas fantasmas no Brasil estão financiando o Estado Islâmico

A Polícia Federal (PF) investiga a ligação de apoiadores da rede terrorista Estado Islâmico (EI) com empresas fantasmas em Indaiatuba e São Paulo, que seriam utilizadas para enviar dinheiro ao Líbano a fim de financiar ações terroristas. No dia 28 de agosto, a Operação Mendaz da PF cumpriu 18 mandados judiciais de busca e apreensão nas duas cidades. Na ocasião, a PF realizou ação sigilosa e não deu detalhes da apuração, limitando-se a informar que tinha o objetivo de combater uma quadrilha responsável por evasão de divisas. Os policiais recolheram notas fiscais, computadores e contratos.

Reportagem da revista Época publicada no último final de semana informou que a operação teve o objetivo de investigar um grupo suspeito de movimentar dinheiro ilegalmente para apoiar o terrorismo. O líder da organização criminosa seria o libanês Firas Allameddin. 

Conforme revelou o Correio no final de agosto, foram movimentados mais de R$ 50 milhões pelo grupo suspeito em cinco anos para o Exterior. Porém, não havia informações sobre quais países ou grupos seriam os beneficiários. 

A PF não revelou os endereços e os nomes dos investigados em Indaiatuba, porque as informações são sigilosas. A corporação cita apenas que a operação teria desbaratado uma rede de empresas e CPFs falsos, montada para enviar dinheiro para fora do País. 

A reportagem do Correio apurou ainda que empresas de Indaiatuba do ramo de importação estão entre as investigadas. Uma casa de câmbio de São Paulo, cujo proprietário reside em Indaiatuba, também está na mira da PF. 

Conforme a reportagem da Época, a Operação Mendaz foi conduzida pela Diretoria de Inteligência da Polícia Federal e acompanhada pela Embaixada dos Estados Unidos. A Embaixada de Israel também foi avisada pela PF sobre a ação. O ponto de partida da investigação seria o egípcio Hesham Eltrabily, acusado pelo governo egípcio de ter praticado ação terrorista em 1997 e residente no Brasil desde meados de 2000. O egípcio foi sócio de Allameddin em um comércio de roupas na Capital, que está fechado. 

Segundo a reportagem da Época, a PF apura que o grupo de Allameddin utilizava empresas de fachada e nomes falsos para repassar valores ao Líbano. A suspeita é de que o dinheiro tenha origem em estelionato, cheques sem fundo e empréstimos fraudados. 

O grupo usaria então uma corretora especializada em transferências de dinheiro e fazia repasses de baixo valor, sem a necessidade de conta bancária. Em cerca de 300 operações realizadas em menos de dois anos foram enviados cerca de R$ 2,5 milhões ao Líbano. Uma casa de câmbio clandestina localizada na Rua Frei Caneca, na Consolação, em São Paulo, transferia o dinheiro para a corretora, que por sua vez remetia ao Exterior, dificultando o rastreamento do dinheiro. A PF apurou que o dono da casa de câmbio é morador de Indaiatuba. 

“Foram colhidos indícios da existência de uma quadrilha que se dedica à prática de crime de falso, remessa de divisas à margem do controle cambial (...) bem como lavagem de ativos. Tal rede se utilizaria de informações falsas para a obtenção de documentos que propiciaria a criação de pessoas físicas e jurídicas fantasmas”, afirmou a decisão da 10ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo, que autorizou as investigações. 

Além de Firas Allameddin, a tarefa de enviar dinheiro ao Líbano — segundo apuração, para as mãos de pessoas ligadas ao Islâmico — caberia a seus dois irmãos, através de empresas de fachada e pagamento da fatura de cartões de crédito com valores acima do total, para o excedente ser sacado no Líbano. O trio publicava na internet imagens e mensagens de apoio ao Estado Islâmico, incluindo a execução de prisioneiros pela organização. O perfil na rede social foi apagado.


Informações: http://correio.rac.com.br/

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...