terça-feira, 18 de outubro de 2011

STJ julga reconhecimento de casamento gay

De acordo com a coluna do jornalista Ancelmo Gois, do jornal “O Globo”, deste domingo, O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidirá nesta semana, pela primeira vez, se valida ou não um casamento gay.
De acordo com a publicação, estará em julgamento o processo de duas empresárias gaúchas que querem se casar no civil, mas o cartório não autorizou. A decisão foi mantida pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, mas elas recorreram ao STJ.
O pastor Silas Malafaia lembra que “mesmo o Supremo Tribunal Federal aprovando a união homoafetiva (uma verdadeira afronta a constituição brasileira, no artigo 226, parágrafo 3 que reconhece a união estável entre homem e mulher e sua conversão em casamento), esperamos que o STJ não caia no ridículo do STF, porque casamento pertence as relações heterossexuais com o objetivo de preservação da espécie humana”.
Multiplique esta informação!
Relação de e-mails do STJ:
Presidência do STJ: presidencia@stj.jus.br
Vice-Presidência do STJ: vice.presidencia@stj.jus.br
Ministro Felix Fischer: Gab.Felix.Fischer@stj.jus.br
Ministro Gilson Dipp: stj.gmgd@stj.jus.br
Ministra Eliana Calmon: Gab.Eliana.Calmon@stj.jus.br
Ministro João Otávio de Noronha: Gab.Joao.Otavio@stj.jus.br
Ministro Geraldo Og Nicéas Marques Fernandes: Secretaria.GMOG@stj.jus.br


VIA GRITOS DE ALERTA
INF. VERDADE GOSPEL

Digno é o pastor do seu salário? Veja o que a Justiça do Trabalho acha disso

 





PASTOR EVANGÉLICO NÃO CONSEGUE VÍNCULO DE EMPREGO


A pessoa que exerce a atividade de pastor não desenvolve vínculo de emprego com a igreja. O entendimento é da 8ª Turma do TRT/RJ, que julgou improcedente o pedido feito por um religioso perante a Igreja Universal do Reino de Deus.

Em seu pedido inicial, o evangélico afirmou que foi admitido na função de pastor em 1997, sendo injustamente dispensado 10 anos depois, quando recebia a quantia mensal de R$2.368,08. Ele informou que realizava diversas atividades religiosas – como celebração de cultos diários, ceias, batismos, cerimônias, programas de rádio, obras sociais em prol da igreja e arrecadação de contribuições – além de outras relacionadas à administração e conservação do templo.

A Igreja foi condenada em primeira instância, mas recorreu da decisão, alegando que a relação com o pastor decorria de fé e vocação espiritual. Afirmou ainda que, em 1997, o autor sentiu o chamado de Deus, abraçando por definitivo a vontade de se tornar uma pessoa dedicada à vida religiosa, de forma livre e espontânea.

AUSÊNCIA DOS REQUISITOS DA RELAÇÃO EMPREGATÍCIA

Segundo o desembargador Alberto Fortes Gil, relator do recurso ordinário interposto pela Igreja, aquele que exerce atividade de pastor – difundindo os ensinamentos religiosos, pregando e auxiliando os fiéis, por vocação e pela fé – não é considerado empregado nos termos da legislação trabalhista, por ausência dos elementos que caracterizam a relação de emprego.

Um desses elementos é a subordinação jurídica, não observada no caso concreto, pois o pastor estava submetido a um eclesiástico superior em obediência à hierarquia e às regras internas da instituição religiosa.

Também estava ausente o requisito da onerosidade, já que a ajuda de custo recebida pelo religioso não se confunde com um salário. De acordo com o relator, é perfeitamente natural o recebimento de uma ajuda financeira por quem se dedica integralmente à atividade religiosa, exatamente para viabilizar a sua subsistência e a de sua família.

Não havia, ainda, a pessoalidade na prestação dos serviços, pois, caso o pastor precisasse se ausentar nos cultos, outro pastor ou colaborador era chamado para realizá-los, sem que houvesse qualquer advertência ou desconto na ajuda de custo concedida aos religiosos.

“A jurisprudência também tem entendido que as atividades desenvolvidas por padres, pastores e afins não constituem vínculo de emprego com as respectivas instituições religiosas, tendo em vista a própria natureza comunitária e acentuadamente voluntária da atividade sacerdotal”, afirmou o desembargador.

Por esses motivos, a 8ª Turma do Tribunal indeferiu o pedido de vínculo empregatício do pastor e, consequentemente, das verbas trabalhistas, como horas extras, férias, 13º salário, FGTS, aviso prévio e seguro desemprego, entre outras.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (Rio de Janeiro)

VIA GRITOS DE ALERTA

PARA RELEMBRAR REPUBLICO ESSA MATÉRIA - ALERTA TOTAL - Muçulmanos vão dominar o Brasil ! !!!???

 






Pr. Eli Fernandes de Oliveira

Estive, dias atrás, na Turquia, acompanhado do Pr Walmir
Vargas, Ministro de Educação Cristã da LIBER. Em Istambul, unimo-nos a uma caravana de 45 membros da Igreja Palavra Viva, liderada por seu pastor e meu querido amigo, Lamartine Posella, conhecido líder evangélico no Brasil. Visitamos as cidades das sete igrejas do Apocalipse, depois do que voltamos para o Brasil em vôo da Turkiesh Airlines, Istambul/São Paulo, com escala em Dakar, capital do Senegal. Assentou-se ao meu lado um jovem universitário senegalês, muçulmano, El Hadí, com 26 anos, muito educado. Orei ao Senhor e, percebendo que ele falava também inglês, abordei-o acerca de Jesus. El Hadí ouviu-me atentamente, também formulou algumas perguntas interessantes, e até aceitou orar comigo, erguendo suas mãos como eu, repetindo as palavras à medida em que eu orava. Pedi que Jesus Cristo entrasse no seu coração e o ajudasse em sua compreensão espiritual.

Qual não foi minha surpresa quando um homem barbudo, de sorriso estranho, maldoso, com veste e turbante brancos, veio à nossa poltrona, dizendo que ouvira nossa conversa. Dirigindo-se ao jovem senegalês, perguntou-lhe:“Por que você, muçulmano, está ouvindo as palavras desse cristão que o quer converter? Você é quem deveria lhe falar de Maomé”. Aquele lugar foi tomado de uma forte opressão. A cada palavra que eu ministrava sobre Jesus, o único Senhor e Salvador, aquele homem desprezava-O, ressaltando o nome de Maomé, sempre em tom arrogante e agressivo. Quando lhe perguntei se desceria no Senegal, disse-me que estava indo para São Paulo.

Mostrou-me umas anotações, nas quais estava escrito: Santo Amaro, de 9 a 11. Ainda falou-me o que aconteceria no bairro de Santo Amaro: um encontro de líderes muçulmanos, para planejar a conversão da América do Sul para o islamismo. “O Brasil será de Maomé em breve, a Europa também logo será muçulmana”. “O cristianismo está para se acabar e o mundo será islâmico”. E repetiu: “Maomé é o Profeta de Deus! Noé, Abraão, Moisés e Jesus foram profetas, mas Maomé é o maior, o último e o mais importante”.

Enquanto o enfrentava, os evangélicos no avião davam-me cobertura espiritual, percebendo a luta e orando com fervor. Deus concedeu-me, por seu poder, a firmeza e a autoridade espiritual para encarar aquele homem desdenhador de Jesus Cristo.

Após reafirmar-lhe que, um dia, diante de Jesus. “todo joelho se dobrará e toda lingua confessará que Jesus é o Senhor, para a Glória de Deus Pai” e de assegurar que Jesus “é o único caminho, verdade e vida, e que ninguém vai ao Pai, senão por Ele”, encerrei aquela tensa conversa, ordenando-lhe que se afastasse. Aquele homem retirou-se, diante da autoridade com que Deus me investira para o enfrentamento firme, e por minha inabalável convicção acerca de Jesus.

Em conversa com meu amigo e colega Lamartine, e em espírito de oração, resolvemos que, ao chegar a São Paulo, quando fôssemos retirar nossas bagagens, abordaríamos aquele líder muçulmano, declarando-lhe que o Brasil é de Jesus Cristo! E que Deus fecharia as portas para a ação evangelizadora muçulmana em nosso país.

Ontem, dia 06, tive a oportunidade de pregar na PIB de São Paulo, pela manhã, na reunião dos pastores das igrejas batistas do centro, na qual também estavam presentes 4 obreiros da Missão junto aos árabes. Ali tomei conhecimento da magnitude desse encontro Islâmico com a presença significativa de líderes de diversos países. O quadro ficou completo: Entendi que Deus nos permitiu o enfrentamento do líder muçulmano, fanático, naquele vôo, a fim de que nós cristãos obtivéssemos, dele mesmo, as informações do que planejam: discutir estratégias de forma a, segundo ele, converter o Brasil e o mundo à fé islâmica. Não fosse assim, dificilmente saberíamos tanto, com tanta antecipação.

Mas, agora, o que fazer? O que Deus quer de nós? Sei que não é oportuno o simples uso de chavões inconsequentes, corriqueiros. Volto às circunstâncias em que se deu aquele episódio: A ira do kwaitiano ao me ouvir evangelizando um muçulmano senegalês durante o vôo de regresso ao Brasil. A Bíblia dá-nos conta de que os crentes daquelas sete igrejas da Ásia Menor, de onde estavamos vindo, se descuidaram, um dia, do padrão do Senhor, não deram ouvido às advertências a elas dirigidas pelo Cristo ressurreto, e foram derrotados, banidas totalmente! E hoje, 99% dos moradores daquele país, a Turquia, são muçulmanos! Deu para entender? Lá fomos derrotados mesmo!

À vista destes acontecimentos, quero conclamá-los a que nos unamos, neste momento, em fervorosas orações. Apelo-lhes a que reconheçam as razões pelas quais o cristianismo foi derrotado nas 7 igrejas. Arrependamo-nos e voltemos a uma vida de santidade e de compromisso única e absolutamente com Jesus, com as Escrituras e com Sua Igreja, para que a derrota não se repita mais! O recado do Apocalipse continua sendo o mesmo para nós, hoje: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”!

Ora, fomos derrotados quando perdemos o primeiro amor (Ap 2.4); quando não fomos fieis até a morte (Ap 2.10); quando permitimos heresias em nosso meio (Ap 2.14,15); quando deixamos de ser como Jesus (Ap.2.20); quando matamos nossa vida espiritual (Ap. 3.1); quando não retivemos as bênçãos recebidas (Ap. 3.11); quando nos permitimos permanecer sob o jugo de dois senhores (Ap.3.15,16).

O jovem senegalês desceu em Dakar, deixando-me seus contatos e pedindo que eu não me esquecesse dele, inclusive convidando-me a visitar o Senegal, hospedando-me em sua casa. O fanático e agressivo Kuaitiano está agora aqui em São Paulo, ultimando os preparativos para a sua ofensiva religiosa, juntamente com outros líderes, para converter o Brasil e a América do Sul a Maomé.

Lá, na Turquia, terra do apóstolo Paulo e onde ele foi pastor em Éfeso por cerca de dois anos e meio, onde João também exerceu profícuo pastorado – é repetido constantemente pelos guias turísticos que quando João chegou em Filadélfia a cidade inteira se converteu – , onde também Policarpo foi pastor na Igreja de Esmirna, no segundo século. Sim, lá na Turquia mataram nossos profetas, homens de Deus, e nos expulsaram violentamente daquele País. Após a "tomada" de Constantinopla pelos turcos, o País inteiro se “converteu” sob imposição ao Islamismo, e os cristãos se retiraram cabisbaixos, derrotados.

Será que vamos permitir que quadros semelhantes venham se repetir, e agora em nossa amada terra e Continente? Em nome de Jesus, outra vez NÃO!

Para que sejamos vitoriosos contra estas investidas devemos pagar o preço, conforme está dito em II Crônicas 7.14:
“SE MEU POVO QUE SE CHAMA PELO MEU NOME ORAR, BUSCAR A MINHA FACE E SE CONVERTER DE SEUS MAUS CAMINHOS, ENTÃO EU OUVIREI DOS CÉUS, PERDOAREI OS SEUS PECADOS E SARAREI A SUA TERRA!”

Coloquemo-nos, pois, de joelhos, jejuemos, oremos a nosso Deus e Ele nos ouvirá, certamente. E o Brasil será de Jesus, até Sua volta!
Esse é tempo de oração, de luta espiritual! Estejamos em oração nestes dias!

Ore e divulgue essa matéria àqueles que fazem parte de seus grupos de e-mails de intercessão. Vençamos através da, para a glória de Deus e para o feliz estabelecimento do Seu Reino que é de paz, perdão e vida eterna, na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo, único e suficiente Salvador!

Amém!

Pr. Eli Fernandes de Oliveira
IB da Liberdade – São Paulo
Presidente da CBESP

VIA GRITOS DE ALERTA

INTIMOS DE DEUS


Jesus escolheu doze homens para fazer parte de sua comitiva particular e transformou-os em discípulos. Mas tinha três que sempre estava com Ele: Pedro, Tiago e João. Tinha um grau de intimidade mais elevado com Senhor Jesus. Vale ressaltar que entre os três, João teve exclusividade reclinou a cabeça sobre o peito de Jesus e escutou as batidas do coração do mestre. Não basta ouvir falar sobre Deus Jó 42.5, adorar sem conhecer Jo. 4.22, crer sem se comprometer Jo.12.42,43. Através de muitas experiências.
Foi assim com os antepassados.
1) Abraão “Você, porem, ó Israel, meu servo, Jacó, a quem escolhi vocês descendentes de Abrão, meu amigo” Is. 41.8, hoje nós os crentes, somos os filhos na fé do patriarca Abraão.
a) Obediência e relacionamento. Abraão não apenas obedecia a Deus, mas buscava o Senhor para conhecê-lo Gn .12.8; 13.4
b) Abraão foi é o único na bíblia chamado de amigo de Deus Tg. 2.23. Além de servos ou filhos, o Senhor deseja que sejamos seus amigos Jo. 15.14,15.
c) Abraão é o primeiro na bíblia chamado de profeta Gn.20.7.
2) Moisés “ O Senhor falava com Moisés face a face, como quem fala com seu amigo” Ex. 33.11
3) Davi “depois de Deus ter rejeitado a Saul, levantou-lhes Davi como rei, sobre quem testemunhou: ‘encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração’; ele fará tudo o que for da minha vontade” At. 13.22.
4) Elias “Profetizou segundo a sua própria palavra 1Rs. 17.1
Podemos citar quatro pontos que define a intimidade do crente com Deus:
1. Sacrifício Ef. 5.1,2
2. Privilegio Sl. 25.14
3. Desafio Is. 55.6
Cinco razões pelas quais ainda hoje é possível ter intimidade com Deus
1. Temer a Deus Sl. 25.4
2. Ousadia para entrar no Santuário Hb. 10.19
3. Ser atraente a gloria de Deus Hb. 12.28
4. Ter Equilíbrio espiritual Ef. 4.14 (Maturidade)
5. Ter um relacionamento de pai com filho Rm. 8.16
Conclusão: Ser intimo de Deus é um privilegio para aquele que é sincero, porque o perverso é abominável ao Senhor, mas os sinceros ele tem intimidade Pv. 3.32

Rinaldo Santana
VIA GRITOS DE ALERTA

AOS MACONHEIROS DE PLANTÃO - MACONHA SERÁ REPRIMIDA NA HOLANDA . QUERO VER AGORA O ARGUMENTO DESSES MACONHEIROS.

Sempre que se fala na liberação da maconha vem junto, aquela história de que na Holanda o consumo da droga é liberado nos bares e cafés, e que isso é bom para enfraquecer os traficantes e por aí vai. Só que a Holanda percebeu que a maconha hoje é mais pesada do que no passado por causa de sementes geneticamente alteradas em laboratórios e novos processos de produção que aumentam a concentração de THC, o princípio ativo da droga. Ou seja, os efeitos da maconha são mais intensos, consequentemente aumenta também a dependência.

O resultado é que a Holanda vai aumentar a repressão à venda de maconha. Segundo o ministro da Economia da Holanda, Maxime Verhagen, a nova maconha "causa um prejuízo crescente na saúde pública do país".

É bom que Cabral e seu secretário Carlos Minc, grande defensores da liberação das drogas, se por acaso não sabem disso, que peçam às suas assessorias para pesquisarem notícias sobre o que está acontecendo na Holanda. Até os holandeses tão liberais já perceberam que a maconha não é mais tão inofensiva, como alegam os defensores da liberação.

VIA GRITOS DE ALERTA

SEM MORDAÇA :CRIADO CORPO DE PSICÓLOGOS PRÓ FAMÍLIA. CPF .QUE LUTARÃO PELAS CAUSAS DA FAMILIA EM TODO BRASIL

 


Criado em Manaus- Pela psicóloga do Paraná Marisa Lobo durante o congresso do FENASP o CFP-Corpo de Psicólogo pró Família..

Para debater assuntos ligados a causa familiar, como aborto, eutanásia, ortotanásia, infanticídio, ditadura gay, kit gay, pedofilia, abuso sexual infantil, familiar, violência doméstica, preconceito, enfim todos os assuntos que norteiam, não somente questão social, mas a saúde mental do cidadão, além de fiscalizar, o conselho de psicologia, saber o que estão fazendo, as ações, e se estas não estão sendo, relativistas demais, e totalmente parciais, contrariando o código de ética. E criando uma ética contrária o da psicologia para favorecer alguns.
Vivemos na lei da mordaça, nos psicólogos, temos vistos, o Conselho de psicologia, fazer o que quiser, com apoio de um grupo restrito, que ele mesmo coloca pessoas contra princípios familiares, estão transformando nossa sociedade EM ANIMAIS, onde o que mais vale é o prazer egoísta.
O CPF. Corpo de Psicólogo pró família vai como primeira ação entrar com um processo contra o conselho de psicologia para rever a mensalidade, que é abusiva em todos os estado, a exemplo de uma psicóloga de Curitiba, que ganhou a ação e sua mensalidade passou para R$ 90,00 reais, além de receber os atrasados,

Creio que como sociedade, temos que nos ajudar e apoiar, nosso código de ética nos limita, mas o Conselho federal faz o que bem entende sem se preocupar com ética imparcial alguma, eles mesmos abriam esta possibilidade, de questionamento, quando usam seu poder, como ferramenta política, contrariando seu código.

A Diretoria já é composta por 17 psicólogos, sendo como membros até a data de hoje , 40 , em apenas 5 dias de criação, convido você que é psicólogo cristão e se juntar a nós.



Marisa Lobo

Presidente do CFP. Corpo de psicólogos Pró Família

VIA GRITOS DE ALERTA / A SERVIÇO DO REI JESUS

Governador Evangélico Promete Construção de Parque Gospel no Acre

O governador do Acre, Tião Viana (PT), anunciou a construção do primeiro Parque Gospel do país, em Rio Branco, Acre. O deputado pretende destinar R$ 5 milhões por ano em emendas ao Orçamento da União para a obra.
De acordo com o Terra, o Parque Gospel terá uma área total de 6 hectares, com ginásio, campo de futebol, quadras polivalentes, centro de formação, restaurante, piscina e trilhas para caminhada na floresta.
O empreendimento será construído dentro de uma área reservada pelo governo estadual para construção de 10 mil casas populares para famílias com renda mensal de até três salários mínimos. O terreno foi desapropriado previamente para a construção do conjunto habitacional e também contempla espaços institucionais.
O deputado Henrique Afonso (PV-AC) solicitou ao governador Tião Viana que disponibilizasse a área de 6 hectares para construção do parque.
O governador petista anunciou na quinta-feira (13) a disposição de tocar a construção do Parque Gospel durante reunião com membros da Associação dos Ministros do Evangelho no Acre (Ameacre).
De acordo com o secretário estadual de obras, o arquiteto Wolvenar Camargo Filho, só o Ginásio que será construído terá capacidade para 3 ou 4 mil pessoas e custará de R$ 15 a R$ 20 milhões. Portanto, “apenas o ginásio vai consumir o valor total das emendas do deputado”, assinalou o secretário, em declaração ao Terra.
De acordo com a publicação, pastores evangélicos ficaram exultantes com a magnitude do projeto do Parque Gospel apresentado pelo governo estadual.
De acordo com o pastor Marco Mardine, “o Parque Gospel será um marco na história da comunidade evangélica não só do Estado do Acre, mas para todo povo evangélico brasileiro. No momento não há registro de nenhum Parque Gospel nesta envergadura, com sua estrutura na área de esporte, lazer, cultura e religião” - afirmou Mardine.
O governador do acre está empreendendo esforços para conquistar eleitores evangélicos e ajudar o PT a ganhar as eleições em Rio Branco no próximo ano. Além do Parque Gospel, Tião Viana prometeu construir um hospital evangélico.

Informativo produzido pela AMME Evangelizar, missão que existe para ajudar as igrejas evangélicas brasileiras a cumprir sua missão bíblica de evangelizar todo mundo.

AMME infor+
Casa da Palavra, 18 de outubro de 2011
+ PACIFICADORES: só mais três dias com descontoAté dia 20 de outubro você ainda pode fazer sua pré-inscrição para PACIFICADORES e pagar com desconto, de R$ 490,00 por R$ 404,00 em três vezes. Para inscrição de grupos, a sétima pessoa não paga. Faça sua inscrição agora! [infor+]
+ PACIFICADORES: não tem café-com-leite
Infelizmente, o plano malígno de tornar os adolescentes improdutivos, irresponsáveis e alienados tem atingido também a Igreja. Muitos pensam que serão poupados só porque são jovens, mas estão sendo destruidos. Reaja! Venha para PACIFICADORES [infor+].

PACIFICADORES não tem café com leite

+ Jogos Pan-AmericanosA missionária Vasti Bernardo da AMME integra o grupo de missionários e voluntários da JMM que está atuando nos Jogos Pan-Americanos em Guadalajara no México. A missionária é responsável pela intercessão. Ore por esse trabalho missionário.

Saudações em Cristo.

Peço sua oração por uma importante reunião de que a AMME participará na Índia, na próxima semana, para discutir a evangelização de crianças e adolescentes na realidade de um mundo digital. Ore por sabedoria e graça.

Seu para evangelizarmos todo mundo,
José Bernardo
Importante: A AMME Evangelizar é sustentada biblicamente, pelas ofertas de irmãos que amam a obra missionária. Para ofertar, deposite para AMME no Banco do Brasil, Ag. 3279-4, cc 20279-7. Para se tornar mantenedor e ofertar mensalmente entre em contato com nossos missionários pelo telefone (11) 4423 3222.

MAÇONÁRIA - O LADO ESCURO DA LUZ.



Também chamada Franco-maçonaria, essa sociedade secreta está presente em todos os países ocidentais e em alguns países do Oriente. A Maçonaria não se considera um religião, embora os maçons creiam num Ser Supremo, venerado como o "Grande Arquiteto do Universo", ou simplesmente G.A.D.U..
A Maçonaria teve origem nas associações profissionais dos pedreiros-livres da Inglaterra, na Idade Média. Esses pedreiros-livres(Free-Masons) eram arquitetos e construtores de igrejas, suntuosos palácios e prédios civis, que se uniram para preservar seu especializado ofício e defender sua classe profissional. A princípio, somente os artífices desse ofício eram aceitos como membros da Franco-maçonaria. Mais tarde, cerca dos séculos XVI e XVII, foram aceitos antiquários e nobres como membros da organização, que enveredou pelos caminhos do ocultismo. Os cultos maçônicos visam atingir "a corporação mundial da luz" para o exercício da "arte imperial", ou seja, do apurado "trabalho de pedreiro" realizado no próprio Eu, e da edificação do "templo da humanidade".
A Maçonaria tem se destacado pelas suas atividades caritativas e sociais, e também por sua participação ativa nos movimentos libertários dos últimos séculos, como a independência dos Estados Unidos da América; a Revolução Francesa, cujo lema "Liberdade, Igualdade e Fraternidade" é claramente extraído do lema maçônico; e na Inconfidência Mineira, que adotou a triângulo maçônico como símbolo que até hoje consta na bandeira do Estado de Minas Gerais.
Grandes vultos da história e da política mundial foram maçons notáveis como Voltaire, Mozart, Göethe, Mark Twain, Benjamim Franklin, e George Washington dentre outros. No Brasil, grandes nomes da nossa história pertenciam à Maçonaria como Frei Caneca, Tiradentes, Aleijadinho, Castro Alves, Dom Pedro I, José Bonifácio, Padre Diogo Feijó, José Garibaldi, Duque de Caxias, Bento Gonçalves, Marechal Deodoro da Fonseca, Marechal Floriano, Rui Barbosa, Campos Sales, o Senador Vergueiro e atualmente temos como maior exemplo o presidente Fernando Henrique Cardoso ou simplesmente F.H.C. e muitos outros.
Um mês após proclamar a Independência, Dom Pedro I foi aclamado Grão - Mestre geral da maçonaria no Brasil
Marechal Deodoro da Fonseca ocupa o cargo de Grão - Mestre Geral da Maçonaria no Brasil quando proclamou a República
De todos os movimentos libertários, foi na Revolução Francesa que a maçonaria teve uma participação mais forte, e que resultou no massacre de milhares de pessoas e na anulação do conceito de religião, quando a França "aboliu" a existência de Deus e entronizou em seu lugar uma prostituta como a deusa "Razão"; passando à perseguição dos religiosos e à destruição de todos exemplares das Escrituras Sagradas, o que resultou em caos e trevas morais. Após três anos e meio, a situação política e social da França chegou a um estágio de degradação tal que os franceses se viram obrigados a permitir novamente as práticas religiosas abolidas.
Na história contemporânea recente, grandes personalidades do mundo, políticos de expressão internacional e presidentes dos EUA foram e são membros da Maçonaria. Franklin Roosevelt, Harry Truman, Lyndon Johnson, Gerald Ford, Ronald Reagan e Geoge Bush são apenas alguns exemplos de maçons que chagaram ao topo da pirâmide.
Dentro dos rituais maçônicos predominam os símbolos ocultistas e as coisas profundas de Satanás ( Apocalipse 2:24). A numerologia está intimamente ligada à geometria que, por força da profissão dos antigos franco-maçons ( pedreiros-livres) era utilizada na construção de catedrais, palácios e outros prédios. Na base dessa numerologia esotérica estão os números 3 e 5 como pontos de partida para a construção de figuras geométricas como o triângulo e o pentágono.
O triângulo é a figura geométrica que dá origem à pirâmide e ambos são parte da simbologia maçônica. O triângulo é símbolo da luz. Como o vértice para cima representa o fogo e a virilidade. Com o vértice para baixo representa a água e o sexo feminino. O triângulo eqüilátero é usado como símbolo da divindade maçônica e representa os três atributos divinos: força, beleza e sabedoria, e também os três reinos: mineral, vegetal e animal. O triângulo com um olho no centro representa a onipotência, a onisciência e a onipresença divina; também conhecido como o olho que tudo vê de Satanás. (Veja na Ilustração).


Muitas vezes podemos encontrar este símbolo nos vidros dos carros e em vitrinas das lojas de membros da Maçonaria:


A pirâmide é o sólido derivado do triângulo e simboliza o homem em busca da divindade e das energias cósmicas que seriam captadas pelo ápice e irradiadas até a base. A pirâmide é o símbolo da hierarquia espiritual da Nova Era, e é no seu ápice que se encontra o olho do deus da Maçonaria: Lúcifer, o originador desse movimento sinistro.

POR QUE PODEMOS ACREDITAR QUE OS EUA
TEM A MAIOR INFLUÊNCIA DESSE MOVIMENTO?


Agora observe a reprodução da nota de um dólar abaixo:

 

Nela está impresso o Grande Selo dos Estados Unidos que contém o desenho dessa pirâmide ocultista da Maçonaria. Veja melhor esse detalhe ampliado:

Acima do olho de Lúcifer está escrito em latim: ANNUIT COEPTIS, que significa: "Ele tem favorecido nossos empreendimentos". Aqui há dois pontos a considerar. "Ele" é um pronome pessoal indefinido, muito vago; podendo ser qualquer pessoa. Como ao lado do Grande Selo existe escrita a frase: IN GOD WE TRUST ( Em Deus Nós Confiamos) podemos ser levados a crer que "Ele" é Deus. Mas como logo abaixo entre ANNUIT COEPTIS está o triângulo com o olho de Lúcifer ( mais um dos símbolos Maçônicos), e também sabemos que o deus da Maçonaria não e o mesmo Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Não nos deixa dúvidas de que o sentido literal é: "Ele (Lúcifer) tem favorecido nossos empreendimentos". O segundo ponto a considerar aqui é que a grande maioria dos maçons crê que está associado a uma organização que lhe permitirá obter sucesso e vantagens financeiras em seus negócios e empreendimentos, e, para isso, não medem esforços, submetendo-se a todo tipo de ritual que o credo maçônico recomenda para alcançar os objetivos desejados. Daí o sentido literal: "Lúcifer abençoa os nossos negócios".
Analisemos, agora, a outra frase escrita em latim abaixo da pirâmide maçônica. Ela diz: NOVUS ORDO SECLORUM, que significa NOVA ORDEM MUNDIAL.
O que faz um símbolo maçônico no dinheiro da maior nação democrática do mundo?
Conforme afirmamos antes, nada menos do que treze ex-presidentes americanos eram destacados membros da Maçonaria. E foi um deles, Franklin Roosevelt, que, em 1933, mandou colocar o Grande Selo Maçônico nas notas de dólar.

Porém, há ainda outros vestígios da presença da Maçonaria nesta mesma nota de um dólar. A outra fase do Grande Selo do Estados Unidos à direita traz o desenho de uma águia segurando um ramo de oliveira numa das garras e um feixe de flechas na outra garra. A águia é um símbolo da Maçonaria que representa audácia, inteligência, perspicácia, conquista e vitória. O ramo de oliveira simboliza paz e o feixe de flechas representa a guerra. Estes dois símbolos nos fazem lembrar da besta que se parece com um cordeiro (paz) mas fala como dragão (guerra), uma nítida referência profética aos EUA em Apocalipse 13:11.
Acima da cabeça da águia há ainda treze estrelas de cinco pontas ou pentagramas que são também símbolos maçônicos de Lúcifer. Contudo, se virarmos esta nota de um dólar, veremos do outro lado, ao centro, a figura do herói da independência americana e o primeiro presidente dos EUA, George Washington, um mestre-maçon do 33° grau. Além, disso, à direita há um brasão do Departamento do Tesouro logo abaixo do nome da capital americana, Washington, D.C., impresso na cor verde-claro sob a palavra ONE. Esse brasão traz outros símbolos da Maçonaria: a balança que representa a justiça ( lembre-se de que este símbolo maçônico está presente nos tribunais e cortes de justiça de quase todo o mundo); um esquadro, que simboliza eqüidade e retidão; e uma chave, que representa os segredos da Maçonaria. (Veja na ilustração).


Reformas feita na Casa Branca, a sede do governo do EUA, revelaram que os tijolos originais da época da construção estão igualmente marcados com símbolos da Maçonaria.

E mais: a capital dos Estado Unidos tem como um de seus pontos turísticos o obelisco do Memorial de George Washington. Obeliscos são comuns em grandes cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e outras em todo o mundo. Mais do que uma escultura ou marco, o obelisco é um antigo símbolo fálico adotado pela Maçonaria com intuito de afrontar ao Deus verdadeiro.
Tudo na Maçonaria está impregnado do simbolismo derivado as antigas religiões egípcias, babilônica, hindu e greco-romana dentre outras. Quase todo ensino maçônico é apresentado através dessa simbologia. Símbolos sempre tem um significado, caso contrário não seriam utilizados. O Senhor Deus chama a esses símbolos de abominações em Ezequiel 8:1-18, onde há o relato de idolatria dentro do templo de Deus em que os anciãos de Jerusalém desenhavam símbolos de répteis e outros animais abomináveis que causou "ciúme" e irritação ao Senhor Deus.
O outro ponto predominante na Maçonaria é o número cinco, que dá origem à figura geométrica de cinco lados denominada pentágono, dentro do qual tem origem o pentagrama, a estrela de cinco pontas que é um dos símbolos maçônicos. Dentro do pentágono invertido ( de cabeça para baixo) escreve-se o pentagrama igualmente invertido que se assemelha à cabeça de um bode. Todos estes símbolos são representações de Lúcifer, a Estrela da Alva que caiu do Céu. (Isaías 14:12-14).
O prédio do Ministério da Defesa e do Comando das Força Armadas dos Estados Unidos da América, em Washington, tem a forma exata de um pentágono e, por isso, ficou conhecido pelo nome desse polígono. O edifício do comando militar da maior nação democrática do mundo os EUA tem o formato de um símbolo da Maçonaria. Será isso coincidência?

Dentro dos rituais secretos dessa sociedade ocultista há ainda senhas e sinais que só os iniciados têm conhecimento. São frases, sinais e posturas que, para uma pessoa de fora, nada representam, mas que um maçom identifica prontamente. Um desses sinais ou senhas da Maçonaria é expresso com a mão aberta, espalmada para frente com os cinco dedos estendidos.
A Maçonaria tem ainda uma versão "light" própria para iludir os cristão incautos, como eles mesmos, os maçons, definem suas intenções: "Propagar o Evangelho cristão por meio da simbologia maçônica, ou inversamente, as verdades maçônicas revestidas das alegorias evangélicas" .
As Escrituras Sagradas, porém, nos advertem que o próprio Satanás se transforma em anjo de luz (2 Coríntios 11:14), para enganar, se possível, os próprios eleitos[de Deus]. (Marcos 13:22). É por isso que a Maçonaria está bastante infiltrada nas igrejas evangélicas. Porém, foi na Igreja Mórmon que a Maçonaria deixou suas marcas mais acentuadas, pois Hyrum e Joseph Smith, os fundadores do Mormonismo, eram maçons e introduziram os rituais maçônicos na Igreja Mórmon, com algumas alterações.
Em sua busca pela luz do conhecimento, a Maçonaria revela através dos seus frutos o lado escuro da luz.

A fé cristã e a Maçonaria são mutuamente exclusivas e portanto absolutamente incompatíveis.
"Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz... E não sejais cúmplices das obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as." (Efésios
 
RECEBIDO E PUBLICADO .
COMENTEM.
VIA GRITOS DE ALERTA

Grupo cristão cria festa para concorrer com o Dia das Bruxas

Um grupo cristão do Canadá quer criar uma festa para competir com o Halloween: o Jesus Ween (Jesus Venceu – um trocadilho que adapta a palavra Win, vencedor). Como na festa de Halloween as crianças pedem doces de casa em casa, fantasiados de monstros e bruxas, os organizadores do Jesus Ween pretendem que sua ideia substitua essa tradição, incentivando as pessoas a doarem Bíblias nesse dia.
Grupo cristão cria festa para concorrer com o Dia das BruxasVisite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A festa de halloween, que acontece na noite do dia 31/10 segue uma tradição que cultuava a noite em que o mundo dos mortos e o mundo dos vivos transformavam-se em um só. No Brasil, popularizou-se com o nome Dia das Bruxas.
O Pastor Paul Ade, líder do movimento, afirmou em entrevista ao site Gawker que a festa de Halloween não condiz com o cristianismo. “Eu acho que é uma festa que não tem nada a ver com os cristãos. Muitas famílias cristãs não são conhecedoras do que é o Halloween. Muitos sentem-se desconfortáveis naquele dia, e por isso, desenvolvemos uma atividade alternativa”, explicou Paul.
A iniciativa do Pastor e seus liderados recebeu algumas críticas desde que foi anunciada e vem tendo dificuldades para atrair pessoas que queiram ajudá-los a transformar uma ideia em uma festa de verdade. Segundo Paul, se os cristãos canadenses e norte-americanos abraçarem a ideia, a iniciativa pode transformar-se em uma festa famosa em todo o mundo: “não estamos buscando lucro, mas sim uma forma de fazer as pessoas terem uma vida melhor”.

VIA GRITOS DE ALERTA
COM INF. G+

O Desenvolvimento de Líderes de Igrejas

O gerenciamento eclesiástico precisa lidar com a formação de líderes locais, verificando a pertinência da importação de lideranças. O melhor para a igreja é um líder vindo de fora ou alguém moldado na própria comunidade?

Os dons espirituais e o paradigma de importação

Ordinariamente, trabalhos pioneiros exigem liderança de fora. O Espírito Santo comissiona Paulo e Barnabé para servirem em localidades nas quais não há igrejas organizadas (At 13.1-3). A implantação e consolidação de igrejas exige investimento planejado – envio de obreiros para o atendimento de necessidades em localidades incipientes (Rm 10.14-15; Fp 4.15-18).

Na medida em que uma igreja cresce, pessoas devem ser treinadas para o desempenho de diversas funções, de acordo com os dons espirituais recebidos (Ef 4.16, 1Pe 4.10). No contexto dos ministérios surgem, naturalmente, novos líderes, aprimorados no discipulado (2Tm 2.1-2).

A Escritura estabelece os pastores e presbíteros como treinadores envolvidos na capacitação diária de novos líderes. Por isso eles devem ser altamente comprometidos com o reino de Deus, e são considerados dignos de maior honra aqueles dedicados ao ensino (1Tm 5.17). A chamada primeira liderança (pastores e presbíteros) é chamada por Deus a cuidar do rebanho com espontaneidade, como modelos para os fiéis (1Pe 5.1-3). Isso resulta na publicação de um padrão de liderança reprodutiva, produzindo líderes de departamento que, por sua vez, estão comprometidos com a geração de novos líderes, conforme o desígnio de Deus.

Conclui-se que uma igreja organizada há vários anos, em cujos quadros ministeriais falte liderança, exigindo a contratação sistemática de líderes de fora, revela uma disfunção orgânica: o corpo não está funcionando adequadamente.

A ausência de novas lideranças pode decorrer da ausência de ensino sobre vocação, dons, ministérios e mutualidade, ou ao destaque indevido da profissionalização. De modo geral, os cristãos passam a priorizar suas vidas pessoais e deixam a igreja sob os cuidados de obreiros contratados. Isso destoa do ensino da Bíblia, que destaca o sacerdócio dos crentes e sua designação para o serviço frutífero (Jo 15.16; Rm 12.1; 1Pe 2.9; Ap 1.5-6). À medida em que surgem novas necessidades no ministério, a solução é contratar “novos profissionais”, vindos “de fora”. Novos líderes não estão sendo formados, os santos não estão ministrando, nem estão sendo treinados pelos líderes antigos.

Desenvolver líderes locais, de acordo com os moldes bíblicos, é mais trabalhoso do que contratar alguém de fora. O desenvolvimento local exige uma realocação de tempo, na agenda da liderança. Além de gerar processos ministeriais convencionais, os líderes envolvem-se na geração de novas lideranças, continuamente.

O status da liderança “importada”

Investir em uma jovem que cresceu na igreja não parece uma tarefa empolgante. De modo geral, toda a igreja conhece o seu passado, sabe que ela teve espinhas, brigou com dois namorados, passou dois anos longe da igreja, na adolescência – enfim, todos sabem de suas fraquezas. Por isso, seu interesse atual em servir a Deus não parece convincente. Ela sempre será considerada por alguns como muito comum, menos capaz ou espiritual. A nova educadora cristã, contratada recentemente, veio da Austrália e cursou um seminário de renome. Em seu currículo consta que ela trabalhou eficientemente durante vários anos, em uma grande igreja de São Paulo. Ela parece mais capacitada do que a jovem nascida no bairro e que talvez esteja ainda estudando em um seminário da cidade. A pessoa vinda de fora é desconhecida, chega com uma certa “auréola” de unção e dignidade eclesial. Ela é diferente, fala com sotaque, traz novas historietas e representa “novidade”. É melhor porque é “importada”.

Depois de algum tempo, o calor da labuta eclesial “derrete a maquiagem” da nova obreira. Torna-se notório que possui defeitos e talvez apresente alguns problemas bem maiores do que os que podem ser percebidos na jovem nascida e criada na igreja local. Ademais, ela não conhece a igreja, não absorveu a visão do corpo pela experiência, nem está inserida entranhadamente com os valores da comunidade. Alguns meses e muitos recursos despendidos depois, conclui-se que foi cometido um erro. A “mulher-maravilha australiana” foi um fiasco em seu ministério tupiniquim e deve ser “demitida”. Lastimavelmente, há igrejas que não aprendem com os erros do passado. Acham que a solução está em buscar outros líderes disponíveis no “mercado religioso.”

Tempo e seminários

Outro obstáculo ao investimento intramuros é o tempo. A produção de uma liderança local é mais demorada. Além disso, é possível ter que esperar quatro ou cinco anos para preparar alguém em um seminário, para que ele comece a assumir oficialmente aquela área de necessidade da igreja.

Há quem considere que todo novo líder deve fazer um curso formal de teologia; basta que alguém se destaque para que seja logo rotulado como alguém que precisa estudar em um seminário. Essa é uma característica do clericalismo que considera os “chamados” apenas como os ministros formados em seminários. Pessoas que não foram vocacionadas para o ministério pastoral e que poderiam desenvolver excelentes trabalhos, com cosmovisão e testemunho cristãos, nas áreas do jornalismo, direito, administração, publicidade ou educação, são encaminhadas para o estudo dos tempos verbais do grego, a biografia de Ambrósio de Antioquia ou os prolegômenos metafísicos de Aristóteles. Depois são “devolvidas” às igrejas, prontas a desenvolverem ministérios desastrosos e a assumirem, posteriormente, a bandeira da frustração.

Outro ponto de vista comum é que a preparação em um seminário denominacional é sempre a melhor opção de treinamento. Tal posicionamento decorre de alguns pressupostos. Primeiramente, há a ideia de que quem estuda em um seminário é mais ortodoxo, o estudo em uma instituição confessional previne contra a heresia. Isso seria verdadeiro se não pudesse ser verificado que alguns que cursam bons seminários abandonam a sã doutrina.

Um segundo pressuposto, que alimenta a ideia de que a formação em um seminário é sempre a melhor opção, é o de que a pessoa que estuda em um seminário exerce um ministério mais produtivo. Nem sempre. A pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Desenvolvimento de Igrejas, da Alemanha, mostra que 42% das igrejas que apresentam alta qualidade de ministério e que estão crescendo, não possuem pastor com curso teológico completo (SCHWARZ, 1996, p. 23). A capacitação para qualquer serviço na igreja provém, primeiramente, do Espírito Santo. Parece ser precipitado afirmar que um curso formal de teologia possa, por si só, definir a eficiência do ministério. Sem dúvida o seminário é valioso para os que desejam aprofundar-se nas matérias bíblicas, exegéticas, históricas e filosóficas. É bom poder estudar numa instituição que ofereça um currículo voltado para o conhecimento piedoso do saber teológico. No entanto, progride em teologia quem é pesquisador arguto, quem tem fome de leitura, quem corre atrás de informações continuamente, quem considera o estudo e a reflexão como atividades estimulantes e diárias.

Um terceiro pressuposto, que alimenta a ideia de que a formação em um seminário é sempre a melhor opção, é o de que a preparação do líder eclesiástico implica no estudo distante da igreja de origem. O processo envolve o isolamento do seminarista do serviço prático na igreja local, pelo menos durante o período de seu treinamento. “Seminarista”, então, dentro da concepção tradicional, é alguém que estuda longe da igreja, recebe ajuda para sua subsistência precária durante algum tempo, e aparece de vez em quando, nas férias, para visitar sua comunidade de origem. Nesse período, ele desvincula-se do corpo de Cristo, ministerialmente falando, para preparar-se. Não é difícil tal estudante ser convidado, e aceitar o convite, para trabalhar em uma igreja próxima do seminário; não é incomum que um seminarista realize trabalhos extras na proximidade do campus. A igreja local “viu nascer” a vocação ministerial, investiu recursos durante um certo tempo e, agora, o líder em potencial decide servir em outro lugar. A roda da preparação ministerial girou e a igreja continuou sem vislumbrar a multiplicação de sua liderança.

Um caminho recomendável para os que não foram chamados para o ministério ordenado da Palavra é investir no treinamento local e verificar, junto às instituições mais próximas da igreja, qual oferece um ensino que atenda às necessidades de formação no serviço específico que será desempenhado pelo líder em potencial. O novo líder é formado à medida em que recebe ministração de seus lideres eclesiásticos locais, obtém ferramentas nos cursos dos quais participa e aperfeiçoa o que aprende no serviço prático da comunidade. A pessoa vai estabelecendo sua liderança na medida em que é testada e aprimorada na rotina eclesial (1Tm 3.6-7, 10, 5.21).

Seminários internos para novas lideranças

A Escritura enfatiza a formação através da experiência, no discipulado pessoal (2Tm 2.1-2). Deus concedeu os oficiais como um dom à igreja, com o objetivo de que estes treinem ao restante dos membros para o desempenho de seus serviços (Ef 4.7-12).

A necessidade de preparação

A igreja cristã nasce em um contexto judaico, que prima pela teologia. Seus integrantes de origem judaica têm uma sólida base doutrinária fundamentada no estudo da Tora, na sinagoga. O apóstolo Paulo é um erudito do Antigo Testamento, um fariseu treinado pelo mestre Gamaliel e um cidadão cosmopolita, dotado de amplo conhecimento da cultura grega e romana (At 22.3). Ao discursar aos areopagitas, ele cita poetas gregos, Epimênedes ou Cleantes e Arato (At 17.28 – EPIMÊNEDES, Cretica; CLEANTO, Hino a Zeus, 4; ARATO, Phaenomena, 5; cf. BÍBLIA DE ESTUDO DE GENEBRA, 2. ed. (BEG2), 2009, p. 1453). Ao escrever aos cristãos de Corinto, ele cita um provérbio grego, extraído de uma comédia de Menandro (1Co 15.33 – BEG2, p. 1529).

O Senhor Jesus Cristo movimenta-se em uma sociedade multifacetada, uma mescla das culturas grega, judaica e romana. Era comum aos palestinenses se articularem em mais de uma língua.

A sociedade judaica na Palestina do século I era trilíngue. Hebraico (o idioma da sinagoga e do Templo), aramaico (a língua tradicional do dia-a-dia) e grego (a língua erudita dos países a leste do Mediterrâneo, desde sua conquista pelos gregos) eram acessíveis a todos, nas formas falada e escrita (THIEDE; D’ANCONA, 1996, p. 179-180).

Jesus falava de modo comum o aramaico, e, como judeu, dominava o hebraico, língua na qual foram redigidas as Escrituras. Ele utilizava bem o grego (Mc 7.26, que pode ser traduzido como “e a mulher falava em grego”) e seu diálogo com Pilatos provavelmente foi em latim (THIEDE; D’ANCONA, op. cit., p. 182). Jesus não era rico, e, em todo o seu ministério esteve entre os pobres e simples. No entanto, ele era um homem de seu tempo, capaz de dialogar em vários ambientes e a partir de diversos paradigmas, em três ou quatro idiomas diferentes. Tanto ele como seus discípulos possuíam uma preparação adequada para o desenvolvimento de seus ministérios.

O modelo do NT: Líderes preparados

Segundo o Novo Testamento, líderes devem ser amadurecidos e preparados teológica, emocional e espiritualmente (At 6.3; 1Tm 4.13-16; 2Tm 2.15). Os crentes, como vimos acima, também devem ser auxiliados e treinados pela liderança, a fim de desempenharem suas tarefas (Ef 4.11-12). Independentemente das justificativas apresentadas, a igreja que não forma novos líderes e não investe na qualificação de cada cristão para o serviço está deixando de funcionar conforme a Palavra de Deus.

A criação de seminários locais

Uma solução para o problema é a criação de seminários ou cursos rápidos em cada igreja, dirigidos pela primeira liderança. Esses seminários devem ser o principal centro de formação de novos líderes. Isso é, sem dúvida, um desafio que envolve um maior desgaste por parte dos líderes atuais, mas que traz muitos resultados compensadores.

Inicialmente o pastor investe na formação da primeira liderança (líderes oficiais). Isso implica tanto no discipulado pessoal quanto no estabelecimento de um currículo e na elaboração de programas e materiais didáticos que permitam a multiplicação da capacitação. Em seguida, estende-se o ensino aos líderes departamentais. Isso pode exigir alguns anos, mas não existem atalhos para a formação de obreiros locais. Como cada líder é motivado a praticar imediatamente o que aprendeu, a igreja começa a ser aperfeiçoada imediatamente após o início do processo.

Com isso a igreja investe em pessoas conhecidas, movida pela convicção de que o Espírito Santo capacita, transforma e posiciona cada um no corpo, como lhe apraz (1Co 12.18). Ocorre valorização e abertura do ministério. O novo líder desenvolve-se dentro de um contexto de maturação e aprofundamento da visão local, o que reduz choques posteriores. A equipe do ministério passa a constituir-se, majoritariamente, de membros originados na comunidade, deixando de valorizar apenas os obreiros importados. A jovem nascida na igreja encontra, então, o seu lugar de serviço e pode trabalhar no poder do Espírito Santo, contribuindo para o crescimento natural do corpo de Cristo (Ef 4.16).

Conclusão

Ao vislumbrar as demandas do reino de Deus, o Senhor Jesus Cristo afirma que há muito trabalho a ser feito, mas existem poucos trabalhadores. Seus discípulos devem orar para que Deus chame mais obreiros para a seara (Mt 9.35-38). Em seu ministério terreno, o Senhor demonstra como produzir novos líderes. A igreja dos primórdios compreendeu o princípio e levou adiante a obra do Mestre.

Igrejas da atualidade podem multiplicar seus quadros de lideranças. O caminho é árduo, mas possível. O corpo de Cristo responderá ao empenho com saúde e crescimento.

Autor: Rev. Misael Nascimento
Via: GRITOS DE ALERTA / A SERVIÇO DO REI JESUS

GOVERNO ISLâMICO A SERVIÇO DO MAL - Forças de segurança no Irã levam criança de seus pais cristãos


Forças de segurança no Irã levam criança de seus pais cristãos
Ambiente para os cristãos no país está se tornando cada vez mais insuportável e desumano

De acordo com a Mohabat News, um casal, que devido a questões de segurança chamamos de “N” e “K”, adotou um órfão há algum tempo. Agora os agentes de segurança do Irã levaram a criança de volta, assim podem exercer pressão sobre a família cristã.

Os agentes de segurança também os ameaçaram, dizendo: “Se vocês querem seu filho de volta, vocês devem apresentar uma queixa contra seus companheiros cristãos que estão presos.”Esse relatório também relata que o casal teve de esperar anos para adotar uma criança legalmente e, quando o sonho se realizou, tornou-se algo muito doloroso. A pressão emocional pela perda da guarda da criança fez com que a senhora “N” fosse levada ao hospital.

A comunidade cristã no Irã nunca conseguiu experimentar momentos de paz na república islâmica. Eles têm sido alvos de ameaças e pressões. Vários cristãos convertidos foram presos e mantidos em prisões.

As pressões aumentaram muito nos últimos tempos. Hoje, andar na rua carregando uma Bíblia ou até mesmo falar sobre o amor de Deus e de Jesus Cristo é considerado crime.

O ambiente para os cristãos no país está se tornando cada vez mais insuportável e desumano.


Fonte: Portas Abertas
VIA GRITOS DE ALERTA

Minorias cristãs árabes temem ascensão do extremismo islâmico

Minorias cristãs estão preocupadas com a derrubada de ditaduras que as protegiam e a ascensão de um islamismo radical.

Para muitos a chamada primavera árabe representa a eclosão das liberdades e a conquista de novos direitos. As minorias cristãs no Oriente Médio, por sua vez, vivem "com grande preocupação" a derrubada de ditaduras que as protegiam e a ascensão, às vezes, de um islamismo radical, explica o patriarca Ignatius Joseph III Younan, a autoridade máxima da Igreja Católica síria, implantada no Iraque, Líbano e Síria.

No Egito, se multiplicam desde fevereiro os incidentes entre muçulmanos e cristãos coptas (12% da população); os mais graves ocorreram no último fim de semana. Na Síria, os cristãos (7,4% da população), amparados pela minoria muçulmana alauíta (10%), que detém o poder, não foram agredidos pela maioria sunita que desde março se manifesta contra o regime. Sua repressão já deixou mais de 3 mil mortos, segundo a ONU.

Nas ruas da Síria, entretanto, não só se grita "Alá é o maior", como em algumas ocasiões se entoaram slogans fanáticos como "Os cristãos para Beirute, os alauítas para a tumba!". Alguns hierarcas das igrejas sírias também viajaram à Europa para pedir a seus governos que não pressionem tanto o presidente Bashar el Assad e fomentem uma saída dialogada.

"Foram empurrados pelo regime a fazer essa gestão", afirma Elias el Maleh, um opositor sírio residente em Bruxelas. "Há cristãos nos protestos na Síria, e inclusive alguns os coordenam localmente", acrescenta.

"Todos os cristãos estamos ameaçados, exceto talvez no Líbano", onde ostentam o grosso do poder político, responde por telefone de Beirute o patriarca de 66 anos, originário de Hassake, Síria.

"Temos em mente o exemplo do Iraque, o lugar onde minha Igreja tinha a maior implantação", lembra. "O número de cristãos diminuiu em 20 anos de um milhão para pouco mais de 300 mil", indica. "Os que puderam emigraram para a Suécia, América do Norte e Curdistão", que é quase um Estado independente.

"Se o Ocidente continuar atuando assim, no futuro não haverá cristãos no Oriente", adverte o patriarca. "Aqui nesta região o Ocidente não atua conforme seus princípios", lamenta.

Prova disso é que, segundo ele, "aperta os parafusos de um regime com tendências laicas e que respeita a liberdade de culto como o sírio, enquanto faz gentilezas para os países do golfo Pérsico, começando pela Arábia Saudita, onde os cristãos não podem praticar sua fé e as mulheres não gozam de nenhum direito. Claro, os interesses econômicos, o petróleo, explicam tudo."

A minoria governante alauíta cuidou dos cristãos. O presidente El Assad voltou a elogiá-los há um mês ao receber em Damasco uma delegação de católicos americanos aos quais prometeu reformas. "Não haverá democracia na Síria sem os cristãos", disse-lhes Assad. "Um país totalmente muçulmano não teria o contrapeso necessário para a democracia", acrescentou.

Apesar desses elogios, o patriarca não duvida em taxar o regime sírio de "policial". Com exceção do Líbano, "os cristãos são nesta região cidadãos de segunda", acrescenta. "Sofremos uma discriminação aparente e latente. Mas na Síria não nos impedem de viver nossa fé e, diferentemente do Egito, podemos construir igrejas nos novos núcleos urbanos. Não é aqui que estamos pior."

O patriarca da Igreja Católica síria teme, entretanto, que a rebelião "mergulhe o país no caos e na guerra civil. Seria uma guerra confessional, em nome de Deus, que é a pior de todas, pior inclusive que no Iraque. Nos dá muito medo".

Com suas sanções, "o Ocidente empurra para o poder uma maioria religiosa [sunita] que arde em desejos de vingança", afirma o patriarca. Seus responsáveis "pronunciam para os cristãos palavras apaziguadoras, mas lemos na Internet sua literatura salpicada de ódio".

"Depois do que aconteceu no Iraque não nos bastam as palavras para aplacar nossos temores", diz. Se no final essa maioria "subir ao poder haverá ainda mais discriminação contra aqueles que não compartilham sua fé".

O que deve fazer então o Ocidente? "Promover um diálogo pacífico que desemboque em verdadeiras reformas democráticas, em uma sociedade na qual todas as comunidades religiosas gozem dos mesmos direitos", responde. "É pedir muito?"

"Como Mubarak havia mais segurança"
"Com [Hosni] Mubarak havia mais segurança para os cristãos." O padre Rafic Greich, porta-voz das igrejas católicas do Egito, faz essa constatação através de telefone, quase uma semana depois que uma manifestação de coptas terminou no Cairo com 25 mortos e 329 feridos, a maioria deles cristãos caídos por causa dos disparos do exército.

O Egito é o país árabe com a maior comunidade cristã, composta por entre 8 e 9 milhões de pessoas - 12% da população - em sua maioria coptas ortodoxos, mas também coptas católicos, melquitas, etc.

"Os militares não teriam atuado [no domingo 9 de outubro] da mesma maneira se os manifestantes fossem muçulmanos", prossegue penalizado esse sacerdote melquita, braço-direito do patriarca copta católico de Alexandria, Antonios Naguib.

"Darei outra prova da discriminação que sofremos", acrescenta, endurecendo o tom. "Desde que caiu Mubarak [o presidente foi derrubado em fevereiro], nenhum muçulmano envolvido em incidentes com cristãos se sentou no banco dos réus, mas em troca muitos coptas foram acusados."

Desde que o ditador se foi, três correntes "ameaçadoras" do islã estão em ascensão, segundo o padre Rafic: "A Fraternidade Muçulmana, os salafistas e os jihadistas herdeiros dos assassinos do presidente Anuar el Sadat", em 1981.

Diante dessa deterioração da segurança, "não é de estranhar que a hemorragia da emigração dos cristãos se acentue", indica o porta-voz eclesiástico. "Nos últimos oito meses o Canadá recebeu 200 mil solicitações de imigração de cidadãos egípcios; dois terços dos que querem ir para lá são cristãos."

"No ritmo em que vamos, dentro de meio século não haverá mais cristãos no Iraque, Palestina e Síria, e no Egito e Líbano seremos muitos menos", lamenta. "O Ocidente deveria pressionar nossos governos para que nos deixem viver nossa fé em nossa própria terra."

Com Mubarak, entretanto, o Egito não era um paraíso para os fiéis de Jesus. "Tínhamos grandes dificuldades para conseguir autorizações de construção de novas igrejas e agora continuamos tendo", lembra.
"Quando enviamos um pedido, a resposta é o silêncio administrativo."
Apesar dessas restrições, "a elite muçulmana precisa de nós", afirma. "Eles dão empurrões uns nos outros para mandar seus filhos às170 escolas cristãs do país. Pedem-me recomendações."

Como muitos sacerdotes das igrejas orientais, o padre Rafic é casado e tem duas filhas. "Elas participaram em Madri da Jornada Mundial da Juventude e voltaram contentes", comenta por telefone, já descontraído. "Os sacerdotes casados também somos discriminados", conclui, rindo. "Não podemos chegar a bispos!"

Fonte: El País

Crianças africanas são usadas em rituais de curandeiros na Europa


A BBC divulgou uma matéria sobre o tráfico de crianças na África que são sequestradas para serem usadas em rituais de curandeiros na Europa. Nos últimos quatro anos pelo menos 400 crianças foram tiradas de seus pais e levadas para a Grã-Bretanha, mas acabaram sendo resgatadas pelas autoridades britânicas.
De acordo com um relatório do Departamento de Estado americano, a Uganda é um dos principais países de onde saem estas crianças, cerca de 9 mil delas desapareceram no país nos últimos quatro anos. Os vilarejos ao redor da capital, Campala, são os lugares preferidos dos sequestradores que as levam para países europeus para terem o sangue usado em rituais.
A reportagem da BBC chegou a conversar com um sequestrador africano que disse que cada criança custa mais de US$ 15 mil (quase R$ 27 mil) para ser sequestrada. Os produtores do canal inglês também visitou curandeiros da Grã-Bretanha e dois deles ofereceram rituais com sangue humano, mesmo sendo proibido pela legislação local o sangue encontrado não pode ser apreendido pois não tem como saber se foi tirado contra a vontade do doador.


Com informações BBC Brasil

VIA GRITOS DE ALERTA

MEDITAÇÃO DO DIA

Podemos Continuar Intercedendo

Orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz. Tiago 5:16


Há alguns anos, o Departamento de Cardiologia do Hospital Geral de San Francisco fez um estudo sobre o efeito da oração em seus pacientes. Eles foram divididos em dois grupos. No grupo que recebia orações, estavam 192 pacientes; e no grupo que não recebia orações, havia 201 pacientes. Ninguém do staff médico sabia da experiência.


Havia pessoas pertencentes a grupos de orações espalhados por todo o país. Resultado: o grupo pelo qual se estava orando teve cinco vezes menos infecções, menos casos de febre e menor número de óbitos. Alguém, depois de saber o resultado, reagiu dizendo que “a oração funciona”.


O grupo pelo qual ninguém orou teve cinco vezes mais infecções e três vezes mais complicações pulmonares e cardíacas.


Deus também pode nos usar como intercessores em favor dos vizinhos na comunidade.


Quando oramos pelos amigos, pelo que devemos orar? O correto seria orar quase da mesma maneira como pais oram pelos filhos. O movimento de oração intercessora tem crescido nas igrejas e nas instituições. Ora-se para que as pessoas conheçam Jesus como seu Senhor; para que sejam protegidas do inimigo; para que sirvam a Jesus com inteireza de coração.


Nos escritórios das Associações, nos colégios e demais instituições da igreja, há sempre pessoas, lugares e assuntos nessa lista de oração intercessora. Muitos grupos procuram revitalizar suas congregações com os “guerreiros de oração”, com ideias como: orar um minuto por uma pessoa à uma hora da tarde; orar cinco minutos por cinco pessoas durante cinco dias; etc.


“A oração é a chave nas mãos da fé para abrir os depósitos do Céu, onde estão armazenados os ilimitados recursos da Onipotência” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 94, 95).


Deus é capaz de fazer todas as coisas sem nossa ajuda. Ele é cheio de sabedoria, amor e poder. Em Seu poder, é capaz de fazer o melhor. Ele não precisa de nós. Mas, em Sua sabedoria, Ele nos escolheu para nos envolver na oração intercessora a fim de cumprir Seu querer.


Que privilégio o nosso: pedimos, Deus age e o trabalho se realiza. É uma combinação poderosa! Ele nos habilita para construir Seu reino.

Esconderijo do Altíssimo (Salmo 91)



(Imagens Google)
A prática de deixar a Bíblia aberta no Salmo 91, tem sido muito comum entre os cristãos. Esse comportamento é digno de respeito para com a crença de quem possui esse costume, porém o mais importante é a necessidade de entendermos o significado das palavras ali escritas, para que elas possam produzir o efeito desejado em nossas vidas.
Já ouvi muitas vezes a frase “A Bíblia fechada é apenas um livro, mas aberta é a Palavra de Deus”. Concordo apenas em parte com esta frase, pois a Bíblia passa a ser a Palavra de Deus a partir do momento em que é lida; aí sim, o Espírito Santo nos oferece o entendimento e a interpretação da vontade de Deus para conosco.
Meu objetivo neste artigo não é questionar essa prática, mas sim expor uma interpretação para esse Salmo tão conhecido e que tem abençoado muitas vidas. Quando o salmista escreveu “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo à sombra do Onipotente descansará”, ele estava falando de sua própria experiência com Deus.
Creio ser importante, antes de mais nada, conhecermos onde é o esconderijo do Altíssimo, para que nele possamos habitar. Deus nos disponibilizou um lugar especial onde podemos habitar com toda segurança e esse lugar é Jesus Cristo seu próprio Filho. Da mesma forma que o sangue passado no batente da porta das casas dos filhos de Israel, sinalizou a salvação para os primogênitos, simbolicamente o sangue de Jesus Cristo derramado na cruz do Calvário, também nos proporciona salvação e nos livra da morte e separação eterna de Deus.
Em Jesus Cristo podemos nos refugiar do inimigo das nossas almas, o qual nunca encontrará espaço nem condições de nos prejudicar. Em Jesus estamos protegidos como os filhotes dos pássaros que se aninham embaixo das asas do pássaro-mãe. Em Jesus possuímos um arsenal imbatível (o capacete da salvação, o escudo da fé e a Espada do Espírito) para combater os ataques mortíferos que o inimigo lança em nossa mente, tentando nos atingir.
Da mesma forma que o trabalhador chega cansado do seu trabalho e encontra amor, descanso e conforto em seu lar, em Jesus encontramos ambiente para descansarmos, repousarmos e também sermos revigorados espiritualmente. Jesus é o esconderijo que Deus nos disponibilizou.
Quando verdadeiramente habitamos no esconderijo de Deus, ou seja, quando estamos em Jesus, Ele nos livra das armadilhas e das doenças mortais, nos protege debaixo das suas asas, onde nos sentimos seguros; sua fidelidade nos protege como escudo; nEle não tememos a escuridão e nem a violência durante o dia. Não ficaremos assustados com a doença que se espalha nas trevas, nem com a destruição que acontece ao meio-dia.
Mil podem ser feridos e caírem ao nosso lado e outros dez mil morrerem à nossa direita, mas não seremos atingidos; somente contemplaremos a recompensa dos ímpios. Em Jesus nenhum mal nos sucederá e nossa casa não será atingida por desgraças. Ele dá ordem aos seus anjos para que nos guardem em todos os nossos caminhos. Somos sustentados em Suas mãos para que não tropecemos nas pedras do caminho.
Para todos os que aceitaram habitar em Jesus Cristo, cremos que por inspiração divina, o salmista profetiza as seguintes palavras, como sendo o próprio Deus falando conosco: “Pois assim diz o Senhor sobre ti: Ele se entregou a mim de todo o coração, por isso eu o salvarei! Ele me conhece pessoalmente e por isso Eu o colocarei num lugar alto e seguro. Ele me pedirá ajuda e eu lhe responderei. Quando estiver em dificuldades, Eu estarei ao seu lado, resolverei seus problemas e lhe darei uma posição de honra. Darei a ele uma vida longa e feliz, e a minha salvação”.
Satanás certamente sabia que o Salmo 91 se referia a Jesus Cristo, o Messias, pois Ele seria o esconderijo divino para todos aqueles que O aceitassem como seu único e suficiente Salvador; por isso utilizou as palavras deste Salmo para tentar a Jesus, mas Jesus conhecendo a astúcia do adversário, utilizou a própria Palavra de Deus para repreender a Satanás. (Bíblia Sagrada, Lucas 4:1-13).
Assim, quero deixar um conselho a todos os cristãos simpatizantes do Salmo 91, que não apenas deixem suas Bíblia abertas nele, mas que leiam este texto Bíblico, meditando em cada palavra e então vocês sentirão o Espírito Santo de Deus revelando segredos divinos e mostrando o verdadeiro esconderijo do Altíssimo.



VIA GRITOS DE ALERTA
 
POR : Sonia Valerio da Costa
 

 

Propaganda de partido cristão brasileiro causa revolta em homossexuais

Propaganda de partido cristão brasileiro causa revolta em homossexuais
Um comercial do Partido Social Cristão exibido no horário político na última semana causou grande repercussão entre homossexuais, que entenderam que o conteúdo era homofóbico. A propaganda mostrava uma imagem onde aparecia escrito “Homem+Mulher+Amor=Família”.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Segundo o site Lado A, a afirmação, apesar de discreta, representa a opinião de vários líderes do partido, que são membros ou pastores de igrejas evangélicas e que o partido quer colocar os ensinamentos cristãos acima da Constituição.
O site do partido já havia chamado a atenção dos ativistas gays por causa da nota de repúdio emitida pelo PSC quando o Supremo Tribunal Federal reconheceu a legalidade da união civil entre pessoas do mesmo sexo. A nota afirmava: “O Partido Social Cristão repudia a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que equipara as relações estáveis de heterossexuais e de homossexuais. A Corte Suprema do País adotou uma posição contrária aos anseios da maioria esmagadora da população brasileira”.
Membros do PSC afirmam que o partido não é homofóbico, porém defendem o ponto de vista cristão e defendem o conceito de Família Cristã. O site Lado A, que visa o público homossexual ironiza a postura do partido: “Sob o slogan bíblico ‘Deus fez Macho e Fêmea’, rejeitam o reconhecimento dos direitos dos homossexuais. Como usam a frase missão do partido ‘O ser humano em primeiro lugar’, logo, rejeitam também a humanidade dos homossexuais”. O PSC não divulgou nota sobre a reportagem do site Lado A.

Vídeos: Comercial do PSC sobre família





POR BISPO ROBERTO TORRECILHAS.

Esse grupo é dos muito  folgado .
Querem que as coisas sejam feitas segundo a vontade deles ?
Oras , vão aprender a ser feliz de verdade,sem se preocupar com que os outros falem ou pensem.

VIA GRITOS DE ALERTA.
INF. GOSPEL MAIS