sexta-feira, 13 de maio de 2011

Problema no Blogger impede novos posts e deleta comentários de leitores


A plataforma deste blog, o Blogger, ficou inacessível para atualização de posts e comentários de leitores desde quinta-feira (12) pela manhã. O problema, que ocorreu após uma manutenção de rotina, afetou milhões de blogs em todo o mundo.

Na tarde desta sexta, a plataforma começou a voltar à normalidade, mas neste blog, pelo que notei até agora, sumiu um post, o sobre o filho do Neymar, e comentários de leitores em alguns textos recentes.

O Blogger, que pertence ao Google, informou que continua no trabalho de resgate do que sumiu. Foi a primeira vez, nos últimos anos, que plataforma apresentou esse problema.

OXI (DROGA) - DIGA NÃO!!! - OXI (DROGA) - DIGA NÃO!!! - OXI (DROGA) - DIGA NÃO!!!




A nova droga é uma mistura de base de cocaína com querosene, cal e permanganato de potássio.
No lugar de querosene também já se teve conhecimento de substituição por gasolina, diesel e solução de bateria.
Também vicia mais rápido e é mais barata e seus efeitos são devastadores.É uma droga muito pesada. 
Como o oxi é mais barato e vicia mais rápido do que o crack, há o temor de que o consumo da nova droga se espalhe pelo Brasil.
O efeito do oxi é mais rápido do que o do crack, atingindo órgãos vitais como o pulmão.
Logo nos primeiros dias de consumo, os usuários podem apresentar problemas no sistema digestivo e complicações renais. O dependente também perde muito peso e fica com dificuldade para respirar.
 
 
 

CAMPANHA PELO BOICOTE AO SBT

PEÇO AOS EVANGELICOS COMPROMETIDOS VERDADEIRAMENTE COM O REINO DE DEUS QUE PAREM DE ASSISTIR O SBT .


POIS APOIAR AO HOMOSEXUALISMO É UMA AFRONTA AO DEUS VIVO .

SERÁ QUE ESSE BEIJO GAY É PARA MOSTRAR A ATE DE INTERPRETAR OU POR TENTAR TRASER AUDIÊNCIA A UMA EMISSORA QUE SE ENCONTRA DESESPERADA POR TAL.

Chamada de 'heterofóbica', senadora representa contra Bolsonaro

Senadora Marinor Brito (PSOL-PA) e deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) 
discutem durante reunião na Comissão de Direitos Humanos e Legislação 
Participativa .... Foto: Márcia Kalume/Agência SenadoSenadora Marinor Brito (PSOL-PA) e deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) discutem durante reunião na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa
Foto: Márcia Kalume/Agência Senado

A senadora Marinor Brito (Psol-PA) entrou com representação na Procuradoria do Senado pela instauração de processo disciplinar contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) na noite de quinta-feira, após acalorada discussão com o parlamentar na saída da reunião da Comissão de Direitos Humanos. A senadora Marta Suplicy (PT-SP) concedia entrevista quando Marinor se irritou com Bolsonaro, que exibia para as câmeras panfletos que acusavam o governo de estimular a homossexualidade nas escolas.
A assessoria da senadora informou ao Terra que uma ação penal na Justiça por injúria e danos morais deve ser movida ainda na semana que vem, mas que o advogado de Marinor ainda está "ultimando os estudos para tomar todas as ações jurídicas cabíveis" contra Bolsonaro, que, ao ser chamado de homofóbico por Marinor, rebateu dizendo que a senadora paraense era "heterofóbica".
De acordo com o panfleto erguido por Bolsonaro e correligionários, o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGTB (Lésbicas, Gay, Bissexuais, Travestis e Transexuais) pretende transformar jovens estudantes em homossexuais. "Eles estavam ali com o firme propósito de agredir, de desrespeitar", disse Marinor. Segundo a senadora, o panfleto vinculava o homossexualismo à pedofilia. O plano do governo envolve a distribuição de material em escolas para incentivar a tolerância e o respeito aos homossexuais.
Adiamento da votação
A votação do texto do projeto de lei complementar 122/06, que pune a discriminação a homossexuais, estava prevista para acontecer nesta quinta-feira na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado. Ao justificar a retirada da matéria, Marta Suplicy disse que, no começo, assustou-se com a rejeição por parte de igrejas cristãs com relação ao projeto mas que, ao entender o temor de que ele poderia restringir as liberdades de culto e de expressão, decidiu resguardá-las em seu substitutivo. Como ainda persistem resistências ao projeto, ela se disse disposta a ouvir e prosseguir o debate.
"A sociedade está caminhando para uma maior tolerância. Esse projeto tem a ver com tolerância, respeito, cidadania", disse. O senador Magno Malta (PR-ES), contrário ao projeto, manifestou seu agrado com a retirada do projeto de pauta e a possibilidade de discussão mais aprofundada sobre a matéria. O debate na CDH foi acompanhado por militantes dos movimentos de defesa dos direitos dos homossexuais e por representantes de entidades contrárias ao projeto. Deputados federais também estiveram presentes. Um deles, Jair Bolsonaro, tem se notabilizado por polêmica oposição ao movimentos de grupos homossexuais.
Em seu substitutivo, Marta incorporou algumas modificações que já haviam sido introduzidas pela relatora anterior, a ex-senadora Fátima Cleide, e acrescentou outras. As principais mudanças com relação ao texto original, proveniente da Câmara, foram a inclusão de punições para a discriminação de idosos e de pessoas com deficiência e a especificação de que a pena de três anos de detenção para quem "praticar, induzir ou incitar a discriminação ou o preconceito" não se aplica à "manifestação pacífica de pensamento decorrente de atos de fé, fundada na liberdade de consciência e de crença".
Entre outras coisas, o projeto pune quem impedir manifestações de afetividade entre pessoas homossexuais em locais públicos, quem recusar ou sobretaxar a compra ou a locação de imóveis em razão de preconceito, ou quem, pelo mesmo motivo, prejudicar recrutamento, promoção profissional ou seleção educacional.
Caso passe na CDH, o projeto segue para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e, se aprovado, para o Plenário. Se for aprovada pelos senadores, a matéria retornará à Câmara, uma vez que terá sido modificada.

TERRA.
Com informações da Agência Senado.

Após ''Bate-Boca'' Evangélicos Impedem Votação do Projeto que Criminaliza Homofobia Ao final da sessão na Comissão de Direitos Humanos do Senado, houve troca de ofensas entre o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) e a senadora Marinor Brito (PSOL-PA)

Após ''Bate-Boca'' 
Evangélicos Impedem Votação do Projeto que Criminaliza Homofobia A pressão da bancada evangélica impediu a votação do projeto de lei complementar 122/06 que criminaliza os atos de homofobia, que seria votado na manhã desta quinta-feira, 12, na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado. Numa sessão que ao final contou com troca de xingamentos e ofensas entre o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) e a senadora Marinor Brito (PSOL-PA), o projeto foi retirado de pauta sem previsão de retorno.

Representantes da Frente Parlamentar Evangélica presentes à sessão pediram o adiamento alegando que devem ser realizadas audiências públicas, porque ele não teria sido suficientemente discutido no Congresso. "Precisamos debater à exaustão, sem privilegiar ninguém. Há pelo menos 150 milhões de brasileiros que não foram ouvidos", disse o senador Magno Malta (PR-ES).

O projeto de autoria da ex-deputada Iara Bernardi (PT-SP) tramita há 10 anos no Congresso e somente em 2006 foi aprovado no plenário da Câmara. Relatora do projeto na CDH, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) queria tentar aprovar o seu parecer até a próxima semana, a tempo das comemorações do Dia Nacional de Combate à Homofobia (17 de maio), que vão movimentar a Esplanada em Brasília.

Marta chamou a atenção para esse momento "de maior compreensão e humanidade" que se estabeleceu no País, a partir do recente julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que estendeu às uniões homoafetivas os mesmos direitos e deveres dos casais heterossexuais. "O Judiciário se pronunciou sobre um assunto que há 16 anos o Congresso não consegue se pronunciar", completou a petista. "Esse projeto tem a ver com tolerância, respeito e cidadania, vai ajudar a diminuir a violência contra homossexuais", concluiu.

A proposta modifica a Lei de Racismo para criminalizar também os atos de homofobia, estendendo a eles as mesmas punições impostas aos crimes de preconceito racial. O projeto pune com reclusão de um a três anos condutas discriminatórias como recusar o atendimento a gays em bares e restaurantes e reprimir trocas de afeto em locais públicos, como beijos ou abraços.

O item mais polêmico pune com prisão, de um a três anos, e multa aqueles que induzirem ou incitarem a discriminação ou preconceito contra os homossexuais. A avaliação é de que padres e pastores serão proibidos de pregarem contra a homossexualidade nas igrejas e templos religiosos. Na sessão desta manhã, integrantes da bancada evangélica pregaram adesivos na boca em protesto, alegando que o projeto reprime a liberdade de expressão deles.

Para atender às reivindicações da bancada evangélica, Marta incluiu uma emenda permitindo que todas religiões e credos exerçam sua fé, dentro de seus dogmas, desde que não incitem a violência. "O que temos na fé é o amor e o respeito ao cidadão. Me colocaram que o problema não era intolerância nem preconceito, mas liberdade de expressão dentro de templos e igrejas. O que impede agora a votação? O que, além da intolerância, do preconceito, vai impedir a compreensão dessa lei?", questionou Marta.

Bate-boca

Na saída da sessão, durante uma entrevista coletiva de Marta aos jornalistas, o deputado Jair Bolsonaro e a senadora Marinor Brito trocaram xingamentos e ofensas mútuas. Bolsonaro exibia uma cartilha do Ministério da Educação (MEC), expondo o Plano Nacional de Promoção à Cidadania LGBT, que ele considera moralmente ofensivo à sociedade. Exaltada, Marinor deu um tapa no livreto e chamou o deputado de "criminoso". Bolsonaro retrucou chamando-a de "heterofóbica" e ambos partiram para a discussão.



Com informações AE / Estadão

UM PESSIMO EXEMPLO DE QUEM SE DIZ EVANGELICO - Evangélico, jogador Neymar engravida menina menor de idade

Evangélico, jogador Neymar engravida menina menor de idade Neymar, 19 anos, já vai ser papai. O atacante engravidou uma garota de 17 anos que também mora em Santos. O nome dela é mantido em sigilo para “dar tranquilidade” e “evitar exposição”, segundo o próprio Neymar.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel O jogador foi avisado da gravidez na semana passada. Ele fez questão de entrar em acordo com a família da jovem e avisou que arcará com os custos da gravidez, que já estaria no terceiro mês.
Sobre o caso, Neymar divulgou uma nota em seu site oficial.
Diz a nota:
“Através desta nota venho confirmar a informação de que me tornarei pai ainda este ano. As duas famílias – a minha e a da futura mãe – já conversaram e estão prontas a nos ajudar a trazer o bebê ao mundo, dando a ele toda a assistência necessária e a melhor estrutura possível.
Em comum acordo, decidimos preservar o nome da mãe. Esta medida visa dar tranquilidade a ela durante os próximos meses, evitando sua exposição de forma desnecessária e garantindo, principalmente, a privacidade da criança, que nascerá daqui a alguns meses.
Peço a todos que respeitem esta decisão. A tranquilidade desejada é fundamental para o sucesso da gestação.
Concluo pedindo a Deus que abençoe a vida da nossa criança!!
Ela será muito bem vinda e já tem todo o nosso carinho e amor.
Neymar Jr.”

Nada de casamento

Apesar de assumir a paternidade e dizer que arcará com os custos da gravidez, o atacante não se casará com a mãe da criança. As informações são do “Jornal da Globo”.
Neymar frequentava a casa da adolescente e conhecia seus pais, mas os dois não tinham um relacionamento sério.
No desembarque do Santos, no Aeroporto de Guarulhos, o jogador foi curto e direto ao falar do assunto.
- Estou muito feliz – disse, cercado por seguranças e escoltado até o ônibus do time.
Mais tarde, já em Santos, o atacante seguiu econômico nas palavras sobre o assunto.
- É um momento especial. Que seja muito bem-vinda.

Evangélico

Neymar é evangélico e junto a família visita a Igreja Batista Peniel, onde mensalmente deixa cerca de 40 mil em dízimo.
Fonte: Globo Esporte

SINAIS DOS FINAIS DOS TEMPOS - Pastor larga esposa para ficar com o cunhado e quer a guarda dos filhos

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Flávio Serapião Birschiner estava casado há dois anos com Ana Paula Rochinha Birschiner.
O casamento parecia um conto de fadas até aparecer Pedro Rochinha Siqueira, irmão de Ana Paula, e até então melhor amigo e único confidente.
Pedro Rochinha era conhecido na comunidade de Jardim Clodoaldo como um pastor íntegro e milagreiro. Em seus testemunhos se apresentava como ex-homossexual, e creditava ao Espírito Santo a reorientação de seu desejo sexual.
Ele que por oito anos se apresentou em boates gays sob o pseudônimo de Shirley Mac Lanche Feliz, depois de convertido virou o Pastor Rochinha. Com fama nacional por muitas vezes comparecer na qualidade de debatedor de temas ligados a ‘Religião & Sexualidade’ em programas de TV.
Ana Paula acredita que seu casamento se desfez pela constante recusa em praticar sexo anal com o marido. Ela revela que “ele era obcecado por sexo anal”.
Ela ainda afirma que confidenciou isso ao irmão, que a apoiou.
Ana Paula acha que seu irmão se valeu desta informação para oferecer ao marido um diferencial competitivo.
Flavio deu entrada na justiça em um pedido de guarda definitiva dos filhos gêmeos por acreditar que “é melhor um filho ser criado pelo pai e pelo tio do que por uma mãe solteira”.


Fonte: Portal Correio
08:00:14 (94 leituras)
Criada por evangélicos a petição pública é destinada ao Supremo Tribunal Federal

Um grupo de cristão criou um Twitter para se manifestar contra a aprovação do Projeto de Lei 122/2006 que está para ser votado no Senado. O grupo também criou uma petição pública que pede a assinatura do maior número de pessoas possíveis para que esse projeto não seja aprovado.

A lei é entendida como inconstitucional por punir qualquer pessoa que se manifeste contra homossexuais, sendo que a Constituição Federal garante o direito de liberdade de expressão.

Mas não é só isso, entre muitas outras coisas, o texto torna criminoso não somente as pessoas que comentem atos violentos contra homossexuais como também pessoas que usem de textos filosóficos ou psicológicos para desaprovar a união entre pessoas do mesmo sexo. Sendo assim a Bíblia viraria um livro homofóbico, pois qualquer homossexual poderá reivindicar que se sente constrangido ou intimidado pelos capítulos da Bíblia que condenam a prática homossexual.

Se você acredita que essa lei pode ferir os valores da família e também que ela é inconstitucional assine a petição pública pelo link www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N9558.

Fonte: Gospel Prime
Petição Pública pede anulação do Projeto de Lei 122

Magno Malta teve a transmissão de seu discurso interrompido na TV Senado

Em seu discurso o senador evangélico falava que o PL 122 quer criar um império homossexual no Brasil.

Na manhã desta quinta-feira, 12, o Senador Magno Malta estava discursando sobre o Projeto de Lei 122/2006 que define crimes de preconceito contra homossexuais quando teve seu discurso cortado pela TV Senado que transmitia a sessão dos senadores que examinava o projeto. O sinal foi cortado tanto para quem assistia pela TV como também na Internet.

O PL foi desarquivado em fevereiro pela senadora Marta Suplicy (PT-SP) que se tornou a relatora do projeto e durante a sessão de hoje pediu para que os senadores que são contra que se manifestassem para que ela tentasse entendê-los.

No trecho que foi transmitido o senador Magno Malta falava que o texto referido é já é errado em seu nascedouro “porque o homofóbico quer matar, que destruir, quer enforcar”.

“O projeto de Iara Bernardes arrumava cadeia para todo mundo. Criminalizava a sociedade como um todo. Você era obrigado a gostar e querer o que ela escreveu no texto dela. Uma série de inconstitucionalidades”, diz Magno Malta.

Ele pede uma audiência pública para ouvir a sociedade para saber o que os cidadãos brasileiros pensam sobre isso. Também pede que organizações como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e também entidades religiosas como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se manifestem sobre isso.

No meio desse discurso a TV Senado saiu do ar e muitas pessoas começaram a reclamar e acusar os diretores de promoverem uma ditadura em favor dos homossexuais. Minutos depois o Senador Marcelo Crivella esclareceu que o debate continuou ao vivo pela TV Senado na Internet, no canal digital e pela Rádio Senado.

No final da sessão os Senadores aprovaram o adiamento do debate e os trechos do que foi discutido hoje podem ser vistos na página de notícias do site do Senado: www.senado.gov.br.





















Fonte: Gospel Prime

Bancada evangélica barra votação da PL 122

A Frente Parlamentar Evangélica no Senado Federal pediu o adiamento da votação alegando que devem ser realizadas audiências públicas.

A votação do projeto que define como crime a discriminação por gênero e orientação sexual, assim como idosos e pessoas com deficiência, sairá temporariamente da pauta da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

O pedido foi feito pela relatora da matéria, senadora Marta Suplicy (PT-SP), na reunião desta quinta-feira (12). A ideia é ganhar tempo para um acordo com os que se opõem à proposta, especialmente igrejas evangélicas e seus representantes no Congresso.

- Assim nós teremos como proporcionar maior possibilidade de diálogo e entendimento - disse.

Ao justificar a retirada da matéria, Marta afirmou que, no começo, assustou-se com a rejeição por parte de igrejas cristãs com relação ao projeto, mas que, ao entender o temor de que ele poderia restringir as liberdades de culto e de expressão, decidiu resguardá-las em seu substitutivo. Como ainda persistem resistências ao projeto, ela se disse disposta a ouvir e prosseguir o debate.

Marta afirmou que já havia feito todo esforço para chegar a um texto de consenso, ouvindo para isso senadores ligados a igrejas evangélicas. O resultado disso, segundo ela, foram mudanças para deixar claro o respeito à liberdade religiosa na abordagem do homossexualismo. O texto final exclui do alcance das punições "os casos de manifestação pacífica de pensamento fundada na liberdade de consciência e de crença".

Ao salientar a necessidade de acabar com os preconceitos, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) afirmou ser preciso aprovar um projeto de consenso que estabeleça a punição para ações contra homossexuais, mas que garanta a liberdade de manifestação de pensamento fundada na liberdade de crença.

- Talvez seja a hora de esgotamos todos os diálogos necessários e possíveis e que deixe claro que o Estado regulamenta a criminalização de preconceito, mas que o Estado não se meta na "pecamização" de qualquer coisa. É preciso esgotar as conversas para que o texto final não crie outro preconceito, o preconceito contra as igrejas, contra as crenças - disse.

Audiências públicas
Alguns representantes da Frente Parlamentar Evangélica presentes à sessão alegaram que é necessário realizar audiências públicas, porque o projeto não teria sido suficientemente discutido no Congresso.

Magno Malta (PR-ES) elogiou a decisão de adiar o debate e foi um dos que defenderam a realização de audiências públicas para ouvir todos os segmentos da sociedade que querem se manifestar sobre o assunto, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), os religiosos (católicos e evangélicos), e homossexuais. Ele informou que apresentaria requerimento com esse propósito. "Precisamos debater à exaustão, sem privilegiar ninguém. Há pelo menos 150 milhões de brasileiros que não foram ouvidos”, disse o senador Magno Malta (PR-ES).

O texto do PL 122 é de autoria da ex-deputada Iara Bernardi (PT-SP) e tramita há dez anos no Congresso, mas somente em 2006 foi aprovado no plenário da Câmara. A intenção da senadora Marta Suplicy (PT-SP) que o desarquivou e virou sua relatora, era aprovar a PL até a próxima semana, quando começa as comemorações do Dia Nacional de COmbate à Homofobia, data comemorada no dia 17 de maio e que vai movimentar a Esplanada em Brasília.

Fonte: Portal de notícias do Senado

ESTIVEMOS FORA DO AR POR MOTIVOS ALHEIOS A NOSSA VONTADE , CASO ISSO ACONTEÇA ESTAREMOS EM WWW.GRITOSDEALERTA.COM ----BISPO ROBERTO TORRECILHAS

Pastor diz que igreja está aberta para Naldo, se ele quiser

Jaime Soares, pastor da Assembleia de Deus de Bonsucesso, igreja da Zona Norte do Rio que era frequentada por Naldo Benny desde antes da...