quinta-feira, 28 de julho de 2011

EM QUANTO EXISTEM MILHÕES DE BRASILEIROS PASSANDO FOME , Governo DO PT diz que enviará 53 mil t de alimentos para África

O governo brasileiro anunciou nesta quinta-feira que aprovou o envio de 53 mil t de alimentos a Somália e Etiópia, que enfrentam uma crise de fome, no leste da África. As doações serão realizadas através do Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas, organismo que coordena a ajuda internacional.
No total, serão enviadas 38 mil t de alimentos à Somália e 15 mil t serão destinadas aos campos de refugiados na Etiópia. Na semana passada, a ONU declarou estado de crise de fome em duas regiões do sul da Somália, Bakool e Baixa Shabelle, e, desde então, o PMA arrecadou US$ 252 milhões de diversas fontes, segundo informou nesta quinta-feira o organismo. Na quarta-feira foi estabelecida uma ponte aérea entre Nairóbi e Mogadíscio para canalizar as ajudas.
Quase a metade da população somali, cerca de 3,7 milhões de pessoas, se encontra em uma situação crítica pela falta de alimentos. A crise de fome se estende para a grande parte da região do Chifre da África, devido a uma seca persistente, a pior em 60 anos, segundo a ONU.


EFE

Quem É John Stott?

stott-grahamO jornalista que famosamente descreveu John Stott como o "papa" presumível dos evangélicos também se queixou de que o mundo sabia muito pouco sobre o homem que ganhou honras excepcionais e foi celibatário, humilde, articulado, e uma vez até mesmo controverso.
(Foto: Langham Partnership International)
John Stott (esquerda) e Billy Graham nos primeiros anos.
"O mundo evangélico perdeu um de seus maiores porta-vozes, e eu perdi um de meus amigos pessoais e um conselheiro", disse Billy Graham, em homenagem ao Rev. John Robert Walmsley Stott, que morreu aos 90 anos de idade na quarta-feira.
Um ano antes a revista Time classificou John Stott entre as 100 pessoas mais influentes do mundo em 2005, o judeu jornalista David Brooks do The New York Timesdisse que a razão "por que tantas pessoas estão tão mal informadas sobre os Cristãos evangélicos" na América é que os seus críticos, ou seja, a mídia e os democratas, não conseguem identificar "representantes autênticos" do movimento global evangélico, apontando para Stott.
 
"Pode ser que você nunca tenha ouvido falar de John Stott," Brooks escreveu. "Eu não culpo você. Tanto quanto eu posso dizer, Stott nunca apareceu em um importante programa de notícias americano".
Brooks comentou que os escritos de Stott tinham uma voz "simpática, cortês e natural." "Era humilde e autocrítico, mas também confiante alegre e otimista. A missão de Stott missão é romper através de todas as incrustações e compartilhar o contato direto com Jesus. Stott diz que a mensagem central do evangelho não é o ensinamento de Jesus, mas o próprio Jesus, a figura humana/divina. Ele está sempre trazendo pessoas de volta à realidade concreta da vida e do sacrifício de Jesus".
Se os evangélicos pudessem eleger um papa, Brooks acrescentou, "Stott é a pessoa que provavelmente escolheriam."
Como presidente do Grupo Lausanne Teologia e Educação de 1974 a 1981, John Stott contribuiu poderosamente para a crescente compreensão evangélica da relação entre evangelismo e ação social. Ele também chefiou o comitê de redação do Manifesto de Manila, um documento produzido pelo segundo Congresso Internacional em 1989.
é digno de nota que Stott, um clero da Igreja da Inglaterra, não chamou publicidade mesmo quando ele publicamente desviou da abordagem tradicional evangélica para a doutrina do inferno, defendendo o ponto de vista aniquilatório que o inferno é a incineração na não existência, e não no tormento consciente eterno.
"Questiono se o 'tormento consciente eterno' é compatível com a revelação bíblica da justiça divina, a não ser talvez a impenitência dos perdidos também continue por toda a eternidade", Stott, foi citado no livro de David Edwards, Essentials: Um Diálogo Liberal-Evangélico, em 1988.
Citando Apocalipse 14:11, onde se lê: "E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre", Stott passou a argumentar: "O próprio fogo é chamado de 'eterno' e 'inextinguível', mas seria muito estranho se o que é jogado na prova indestrutível. Nossa expectativa seria o oposta: seria consumido para sempre, não atormentado eternamente. Por isso, é a fumaça (evidência de que o fogo fez o seu trabalho) que 'sobe para todo o sempre."
A aniquilação final do ímpio, Stott acrescentou, "deve pelo menos ser aceita como uma alternativa legítima biblicamente fundada para seu tormento eterno e consciente." No entanto, ele reconheceu que sua opinião sobre o inferno não foi baseada somente em suas emoções.
"Emocionalmente, acho o conceito [de tormento consciente eterno] intolerável e não compreendo como as pessoas podem viver com isso sem cauterizar seus sentimentos ou fissuras, sob a tensão. Mas nossas emoções são um guia, oscilando pouco confiável para a verdade e não deve ser exaltado no lugar da suprema autoridade em determiná-lo ... a minha pergunta deve ser - e é -? não o que meu coração diz, mas o que a palavra de Deus diz", disse Stott cerca de cinco anos mais tarde, de acordo com seu biógrafo autorizado Timothy Dudley-Smith.
Stott também defendeu a ordenação de mulheres no diaconato e presbíteros que ele não disse que elas devem estar em posições de liderança, Dudley-Smith mencionou.
Comparado com as reações que autor americano e pastor, Rob Bell, um universalista, despertou depois de seu livro, O amor vence, recentemente, Stott foi tratado com cuidado pelos outros líderes.
"Eu o considero como um irmão em Cristo, que é diferente neste ponto em particular [inferno]," Banner of Truth citou o Dr. Barker, do Seminário Teológico Dean of Covenant da Igreja Presbiteriana na América, em St. Louis, em dezembro de 1999. "Não há dúvida em minha mente que John Stott é um Cristão evangélico", acrescentou Barker, que estava comentando sobre um sermão que Stott tinha feito seminário.
John Stott, que permaneceu solteiro, já escreveu mais de 40 títulos, o mais conhecido entre eles, sendoCristianismo Básico, e centenas de artigos e outras contribuições à literatura cristã. Ele também formou a Langham Partnership International, que hoje tem seis movimentos nacionais, incluindo os USA John Stott Ministries.
As realizações de Stott poderiam ser parcialmente atribuídas a seu celibato, o que ele viu como um "presente", mas acreditava que, "o dom do celibato é mais uma vocação do que uma capacitação", como ele foi citado como tendo dito em Singles at Crossroads (Solteiros nas Encruzilhadas).
Além de suas realizações, John Stott era conhecido por seus notáveis atributos pessoais.
O biógrafo Dudley-Smith diz sobre ele: "Para aqueles que conhecem e encontrá-lo, respeito e afeto caminham lado a lado. A figura-mundial está perdido em amizade pessoal, interesse desarmando, não fingido, humildade e uma pitada de humor travesso e charme. "Por outro lado, Stott pensou em si mesmo como" simplesmente uma criança amada por um Pai celestial, um indigno servo de seu amigo e mestre, Jesus Cristo; um pecador salvo pela graça para a glória e louvor de Deus".
Talvez devido a esta rara combinação qualidades trabalho- vida que John Stott foi nomeado Capelão para Elizabeth II da Reino Unido em 1959, e um capelão extra na sua aposentadoria em 1991. Ele também foi nomeado Comendador da Ordem do Império Britânico (CBE) em 2006.
Embora Stott tenha sido confirmado em uma Igreja anglicana em 1936, ele aceitou a Cristo pessoalmente, dois anos depois. Quando ele tinha 17 anos e estudava na Escola de Rugby, ele ouviu um sermão intitulado "O que farei então com Jesus, que é chamado o Cristo?" Pelo Rev. Eric Nash. O sermão levou Stott convidar Cristo para sua vida. O mesmo sacerdote anglicano, popularmente conhecido como Bash, orientou-o através de cartas semanais.
"Como um adolescente típico, eu estava ciente de duas coisas sobre mim", disse Stott descrevendo sua experiência de conversão ao seu biógrafo. "Primeiro, se havia um Deus, eu estava distante dele. Eu tentei encontrá-lo, mas ele parecia estar envolto em uma névoa eu que eu não poderia penetrar. Em segundo lugar, eu estava derrotado. Eu sabia o tipo de pessoa que eu era, e também o tipo de pessoa que eu desejava ser. Entre o ideal e a realidade, houve um grande abismo. Eu tinha altos ideais, mas uma vontade fraca ... O que me trouxe a Cristo foi essa sensação de derrota e de estranhamento, e as notícias surpreendentes que o Cristo histórico ofereceu para atender às necessidades de que eu estava consciente. "
Stott nasceu para Sir Arnold, um agnóstico, e Emily Stott, membro de uma Igreja luterana, em Londres, em 1921. Ele estudou teologia na Trinity College Cambridge, e foi treinado para o pastorado em Ridley Hall, Cambridge. Em 1945, foi ordenado em sua Igreja local, All Souls, Langham Place, em Londres. Ele obteve o doutorado em divindade Lambeth em 1983 e têm doutorados honorários das escolas nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e Canadá.
Na Igreja da Inglaterra, Stott desempenhou um papel fundamental como um líder de evangelismo, e foi considerado como fundamental em persuadir os evangélicos a desempenhar um papel ativo na denominação ao invés de deixá-la.
Enquanto o mundo pode não tê-lo conhecido bem, Stott conhecia o mundo. Um sagaz observador de aves e fotógrafo, além de ser um evangelista, ele viajou o mundo, inclusive para os Estados Unidos, armado com sua Bíblia, binóculos e câmera. Fielmente dedicou três meses de cada ano para viajar por mais de três décadas.


Bispo Roberto.
Com Informações
Cristiam Post
Via Gritos de Alerta

Mais uma do PT: Projeto de Lei 1780/2011 quer o ensino obrigatório do Islamismo nas escolas



Veja a lei que tramita no Câmara dos Deputados, por iniciativa do PT:






PL 1780/2011 Inteiro teor (Link para baixar o PDF com texto completo do Projeto de Lei)

Projeto de Lei

Situação: Aguardando Despacho do Presidente da Câmara dos Deputados na Seção de Registro e Controle de Análise da Proposição/SGM (SECAP(SGM))


Identificação da Proposição


Autor
Miguel Corrêa - PT/MG

Apresentação
06/07/2011

Ementa
Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "cultura árabe e tradição islâmica" e dá outras providências.

PERIGO NO BRASIL - E DE NOVO VEM DO PT - PT quer tornar obrigatório o ensino do islamismo nas escolas.


Mídia trata islamismo como “religião de paz”, mas trata terrorista darwinista como se fosse cristão conservador. Enquanto isso,


O terrorista norueguês Anders Behring Breivik proclamava abertamente a supremacia da “ciência” de Charles Darwin sobre a Bíblia. Darwin não reconhecia Deus como a origem da vida humana, mas a atribuía às amebas e aos macacos. Essa “ciência” era a base da Alemanha nazista e da União Soviética, sistemas políticos e ideológicos hostis ao Cristianismo.
Entretanto, em resposta ao ato terrorista do darwinista fundamentalista, a imprensa esquerdista aproveitou a oportunidade para cometer um grande atentado terrorista: dizer que o norueguês era cristão conservador. E por que não aceitar essa mentira?
Essa é mesma imprensa que idolatra como “ciência” as teorias de Darwin, tornando Breivik muito mais próximo do secularismo da mídia do que os cristãos conservadores, que sempre desprezaram Darwin, Alemanha nazista e União Soviética.
Mas e se o norueguês realmente fosse um cristão conservador? O que a imprensa faria?
Desde os sistemáticos e frequentes ataques terroristas islâmicos contra o Ocidente, a resposta dos meios de comunicação ocidentais é repetir cansativamente: “O islamismo é uma religião de paz”. Não há atentado ou monstruosidade islâmica, por mais mortífera que seja, que desvie a mídia de sua pregação da religião de Maomé como verdadeira pomba de paz na terra.
Semana após semana islâmicos cometem atos terroristas. E semana após semana, a imprensa repete seu mantra da “religião de paz”.
O Brasil sofreu recentemente o caso do massacre do Realengo, nitidamente islâmico, mas a imprensa apressadamente protegeu e acobertou a “religião de paz”.
E para garantir que o Brasil esteja em sintonia com as pregações da mídia, o PT apresentou no Congresso Nacional o projeto de lei PL 1780/2011 para tornar obrigatório nas escolas o ensino da “cultura árabe e da tradição islâmica”. A finalidade do PT é “combater a intolerância e o preconceito” contra a “religião da paz”. O projeto inteiro pode ser baixado em PDF aqui.
Não há nenhuma incoerência no PT, que segue as conveniências do Partido dos Trabalhadores Nacional Socialista, também conhecido como nazismo, que tinha aliança com árabes muçulmanos.
Se os adeptos do islamismo não fossem responsáveis por milhares de atentados e se os terroristas fossem na verdade seguidores de Darwin, seria correto ensinar nas escolas que os islâmicos não são os autores dos milhares de atos terroristas que estão ocorrendo em nossos dias. Mesmo assim, não daria para chamá-lo de “religião de paz”, pois os cristãos são perseguidos e mortos aos milhares em países islâmicos.
De forma igual, não seria correto dizer que o darwinismo não tem nenhuma ligação com atrocidades na humanidade. Assim como o islamismo, o darwinismo não tem frutos de paz. A liderança soviética e nazista e Breivik amavam a “ciência” de Darwin da mesma forma que um cristão ama Jesus. Dá para igualar os frutos deles com os frutos dos cristãos?
Na escola, quando o professor explicou a origem do homem usando a “ciência” de Darwin, pedi permissão de contestar, e li para a classe o capítulo 1 inteiro do livro de Gênesis. Então, o professor respondeu que a criação do homem por Deus era teoria. Tenho certeza de que nazistas, comunistas soviéticos e Breivik teriam se oposto à minha postura. Mas essa é a eterna incompatibilidade entre seguir Darwin e seguir Deus.
Se Breivik realmente fosse um cristão conservador e a mídia realmente não tivesse nenhum rancor e inveja dos cristãos conservadores, os jornalistas seguiriam a mesma lógica que eles aplicam ao islamismo: Eles apresentariam sistematicamente o Cristianismo conservador como “religião de paz”. E o PT apresentaria um projeto de lei para tornar obrigatório nas escolas o ensino do conservadorismo cristão, para combater a intolerância e preconceito contra o conservadorismo cristão.
Eu, como conservador cristão, teria de agir rápido se estivesse naquela ilha da Noruega presenciando um criminoso massacrando adolescentes. E, é claro, eu precisaria de uma arma de defesa, que seria o único recurso contra um criminoso armado. A polícia norueguesa levou exatamente uma hora e meia para atender ao primeiro telefonema de socorro. Com tal absurda demora policial, qualquer terrorista teria tempo suficiente para cometer qualquer massacre que quisesse.
Esse episódio também derruba a falácia do desarmamento, pois se houvesse na ilha homens armados para se defender (como é comum na Suíça), o terrorista darwinista não teria tido liberdade e tempo de matar tantos adolescentes.
Como cristão conservador, me oponho totalmente ao darwinista que assassinou adolescentes. E me oponho aos terroristas islâmicos. E também tenho de me opor à imprensa tendenciosa, que protege o terrorismo islâmico e lança sobre os cristãos conservadores a culpa dos crimes de um darwinista fundamentalista.
A Bíblia, que está acima da “ciência” de Darwin, não mente quando diz que o mundo está debaixo da autoridade do maligno. Essa autoridade é visível na imprensa, que nunca joga sobre o islamismo a culpa dos ataques terroristas islâmicos, mas aproveita qualquer mentira para jogar sobre cristãos conservadores crimes que eles nunca cometeram, desde assassinatos de prostitutos homossexuais às altas horas das madrugadas em áreas perigosas até o massacre cometido por Anders Behring Breivik.
Não é “intolerância e preconceito” jogar sobre o islamismo o que muitos de seus adeptos fazem. Mas é verdadeira intolerância e preconceito jogar sobre os cristãos conservadores o massacre cometido por um seguidor das teorias de Darwin. É também verdadeira difamação e incitação ao ódio.
É impossível destruir um grupo cultural ou religioso sem antes difamá-lo sistematicamente. O assassinato em massa de judeus na Alemanha nazista só foi possível depois de anos de difamações da imprensa, onde se atribuía aos judeus todo e qualquer tipo de crime.
Com a ajuda uma imprensa que mente descaradamente, o PT agora está pronto para ensinar o islamismo nas escolas e como combater a intolerância e o preconceito contra a “religião da paz”, como se o Brasil já não estivesse sofrendo de aliciamentos suficientes do islamismo. O islamismo agora se juntará ao darwinismo como matéria escolar obrigatória.
E não há dúvida de que, no que depender de sua malícia, essa imprensa fará tudo o que puder para combater não o darwinismo — que tanto radicalismo assassino gerou na humanidade —, mas o conservadorismo cristão que é seu principal alvo e vítima.
Versão em inglês deste artigo: Media terrorism
Fonte Julio Severo .
www.juliosevero.com
Via Gritos de Alerta

GRAÇAS A DEUS - Mais da metade dos brasileiros são contra união gay, diz Ibope

    
Uma pesquisa do Ibope Inteligência divulgada nesta quinta-feira mostra que 55% dos brasileiros são contrários à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que reconheceu a união de casais do mesmo sexo.
O estudo, realizado entre os dias 14 e 18 de julho, identifica que as pessoas menos incomodadas com o tema são as mulheres, os mais jovens, os mais escolarizados e as classes mais altas.
Sobre a decisão do STF, 63% dos homens e 48% das mulheres são contra. Entre os jovens de 16 a 24 anos, 60% são favoráveis, enquanto 73% dos maiores de 50 anos são contrários.
Considerando a escolaridade, 68% das pessoas com a quarta série do fundamental são contra a decisão, enquanto apenas 40% da população com nível superior compartilha a opinião.
Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, 60% são contra. Já no Sul a proporção cai para 54% e, no Sudeste, 51%.
"Os dados mostram que, de uma maneira geral, o brasileiro não tem restrições em lidar com homossexuais no seu dia a dia, tais como profissionais ou amigos que se assumam homossexuais. Mas ainda se mostra resistente a medidas que possam denotar algum tipo de apoio da sociedade a essa questão, como o caso da institucionalização da união estável ou o direto à adoção de crianças", afirma Laure Castelnau, diretora do Ibope Inteligência.
Questionados se aprovam a adoção de crianças por casais do mesmo sexo, a proporção de pessoas contrárias é a mesma dos que não querem a união gay: 55%.
A pesquisa ouviu 2.002 pessoas com mais de 16 anos em 142 municípios do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, com 95% de intervalo de confiança.

 Gritos de Alerta
com informações da FOLHA/UOL

VOCÊ QUER ISSO AQUI NO BRASIL ? SE CUIDE , TA CHEGANDO . Brasileiro convertido ao islã afirma: 'Mundo precisa de apedrejamento'

Aprendiz de aiatolá

O paulistano Rodrigo Jalloul, 25, se converteu aos 18 e mudou-se três anos depois para o santuário iraniano de Qom, onde são formados os principais líderes do xiismo. De passagem por São Paulo, dá aulas na mesquita do Brás. Quer se tornar clérigo para ajudar a difundir o islã xiita no Brasil. Orgulha-se de já ter ajudado a converter quatro pessoas em 2010. Elas também estudarão no Irã.

depoimento a Samy Adghirni, da Folha


Nasci numa família de comerciantes. Meu avô paterno era libanês muçulmano sunita, minha avó era brasileira.

A família da minha mãe é espanhola e brasileira. Fui criado num ambiente católico não praticante, sou batizado, mas não fiz comunhão.

Por causa do alcoolismo do meu pai, trabalho duro desde os 12 anos de idade. Já entreguei folheto em farol, vendi saco de lixo e trabalhei em feira. Cresci na Zona Leste de São Paulo.

Me converti ao islã num período de muita briga lá em casa. Precisava de algo que me acalmasse espiritualmente.

Tinha 17 anos e resolvi ir à mesquita do Brás, frequentada por muitos libaneses com que eu trabalhava na Santa Efigênia [bairro comercial no centro de São Paulo].

Gostei e comecei a ir às aulas de religião aos sábados. Aos 18 me tornei xiita. Xiita é quem segue a linhagem da família de Maomé, especialmente Ali, primo e genro do profeta. Os sunitas seguem os companheiros de Maomé, que não têm os mesmos laços com a família dele.

Aos 21 anos, decidi estudar fora para me tornar um religioso dedicado a ensinar o islã no Brasil. Há uma necessidade para atender o grande número de pessoas que vêm atrás da religião islâmica.

Em 2006 quis ir ao Líbano, mas veio a guerra contra Israel. Um xeque iraniano que visitava nossa mesquita sugeriu então que eu fosse para Qom, no Irã, coração dos xiitas do mundo inteiro.

A Embaixada do Irã no Brasil me deu o visto, mas não teve nenhum envolvimento na minha ida. Um amigo me deu a passagem e US$ 1.000 para passar um mês. Fui ver se gostava, sem compromisso, e acabei ficando.

Era a primeira vez que eu ia ao exterior. Não falava inglês nem farsi [idioma do Irã]. Ao chegar em Qom, a universidade me submeteu a entrevistas, testes de lógica, exames de sangue, urina etc. Fiquei um ano aprendendo farsi até começar os estudos.

Sou o único brasileiro no curso. Além dos iranianos, há russos, turcos, americanos, ingleses, indonésios etc.

A escola dá dormitório e comida. Recebo uma bolsa mensal de estudos de US$ 150. Parece pouco, mas no Irã tudo é muito barato.

Quando visito o Brasil, como agora, a universidade paga minha passagem. Em troca, dou aulas na mesquita. Há alunos católicos, evangélicos e até um judeu. Cheguei faz alguns dias e fico até o mês de setembro. Em 2010 quatro alunos se converteram. Eles vão comigo ao Irã.

Daqui a dois anos devo passar os exames para me tornar xeque. Gostaria de me tornar um aiatolá, nível mais alto dos estudos xiitas, mas é difícil e levaria décadas. Pretendo mesmo é retornar à mesquita do Brás.

Sim, o Irã está divulgando o xiismo no Brasil, e daí?

A Constituição de 1988 não estipula liberdade de culto? Vamos proibir universidades católicas por causa dos padres pedófilos? Por que outras religiões, incluindo o islã sunita, podem ser divulgadas e o islã xiita, não?

É um problema político. Se eu estivesse no Líbano, ninguém ligaria para o que faço.

Fiquei chocado com a matéria da "Veja" [de abril de 2011, que o citava] falando que o Irã divulgava ideias terroristas no Brasil.

Conheço o Moshen Rabbani [acusado de ser mentor de atentados contra alvos judaicos em Buenos Aires nos anos 90], ele tem escritório na nossa universidade. Já fui à casa dele, mas não somos amigos.

Ele ficou irritado com a matéria e botou a culpa em mim.

Discutimos, mas não acredito que ele tenha cometido aquilo. Na única vez em que tocou no assunto, ele chorou e disse acreditar que um dia acabará inocentado.

Não há nada no Corão ou no islã que estimule bombas e mortes, são pessoas desviadas que cometem isso.

Muita gente fala mal do Irã. Algo como o apedrejamento é, para nós, brasileiros, algo cruel. É uma regra dura, sim, mas o mundo precisa disso. O Brasil tem assassinatos, estupros etc. No Irã a segurança é total, já que as leis são temidas. Além disso, ninguém fala que nos EUA existe pena de morte com tortura.

Também fala-se muito da rixa entre o presidente Mahmoud Ahmadinejad e o líder supremo Ali Khamenei. São coisas de política, acontece em todo o mundo.

Fonte Paulopes

Professor de escola islâmica espancou até a morte aluno de 7 anos

A polícia da Malásia está investigando um professor de uma escola islâmica acusado de espancar até a morte um aluno de 7 anos.

Na quinta-feira, o estudante Saiful Syazani Saiful Sopfidee (foto) teria tido suas mãos amarradas a uma janela e teria sido espancado por duas horas, após ter sido acusado de roubar o equivalente a R$ 3,70 de um colega.

Na sexta-feira, o menino deu entrada em um hospital com múltiplos ferimentos na cabeça e havia sofrido uma hemorragia interna. Após ter entrado em coma, ele foi transferido para a unidade intensiva do hospital.

No domingo, ele acabou morrendo, em decorrência dos ferimentos sofridos.

O pai da criança disse ter ficado chocado ao ver o corpo do menino, cujo rosto estava coberto por hematomas.

O professor de 26 anos se entregou para a polícia na sexta-feira e poderá ser acusado de assassinato, crime que pode ser punido com a pena de morte por enforcamento.

Os jornais da Malásia disseram que o episódio foi o maior caso de violência nas escolas nos últimos 15 anos.

Fonte BBC BRASIL

Decapitado , o cristão Mansur Mohamed



"Eu instilarei terror nos corações dos infiéis, golpeai-os acima dos seus pescoços e arrancai todas as pontas dos seus dedos. Não fostes vós quem os matastes; foi Alá" (Alcorão, Sura 8: 13-17).


Extremistas islâmicos do grupo Al Shabab (a juventude) que lutam contra o governo de transição na Somália, cortaram  a cabeça do cristão Mansur Mohamed, 25 anos, trabalhador humanitário, diante de espectadores horrorizados da vila Manyafulka, a 10 quilômetros de Baidoa.
Os militantes interceptaram Mohamed e um motorista que conseguiu fugir no início da manhã. Fontes próximas a Mohamed, gente de sua família, disse que ele se converteu do islamismo ao cristianismo em 2005.
A testemunha, que pediu anonimato, por razões de segurança, disse que os militantes se reuniram à tarde com os moradores de Manyafulka, dizendo-lhes que iriam preparar-lhes uma festa. As pessoas se reuniram pensando que seria abatido uma ovelha, cabra ou camelo, segundo o costume local.
Cinco homens mascarados apareceram carregando armas (espadas somalis) e trouxeram Mohamed algemado. Um deles puxou Mohamed pela cabeça, expondo seu rosto e passando a espada sobre o seu cabelo curto. Um outro recitou o Alcorão e proclamou que Mohamed era um "murtid", termo árabe para designar aquele que se converte ao cristianismo.
Os militantes anunciaram que Mohammed era um infiel e um espião dos soldados etíopes.
Mohamed permaneceu calmo, com o rosto inexpressivo e não proferiu uma palavra, disse a testemunha.
Com o canto de "Deus é maior", um dos milicianos torceu-lhe a cabeça para que os expectadores vissem cortar-lhe o pescoço. Quando a cabeça foi finalmente separada do tronco, os assassinos comemoraram exibido-a para o público petrificado.
Os militantes permitiram que um dos seus cúmplices fizesse a filmagem do massacre usando um telefone celular. O vídeo foi posteriormente divulgado e vendido secretamente na Somália e nos países vizinhos; muitos vêem nesse vídeo uma estratégia para instilar o medo entre aqueles que desejam se converter do islamismo ao cristianismo.
 
Obs.: o vídeo 1, por ser extremamente pesado,
é aconselhável somente para maiores de 18 anos.

ENCORAJADOS A SERVIR



“Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva.” 
Mt 20.26

Um verdadeiro cristão é servo do Senhor. Ainda que pensemos ser outra coisa, não passamos de servos inúteis. Servo do Senhor é também posição de confiança na presença de Deus.  Alguns personagens da Bíblia receberam o título de servo do Senhor: Abraão, Jacó, Moisés, Josué, Davi. Jesus é apontado como o Servo Sofredor. Os servos do Senhor passam por tribulações. Há, porém, grande herança prometida. Em Marcos 10, Jesus diz que a sua igreja ou o seu reino não é uma empresa.

Na empresa, quem tem poder manda. Na igreja, quem tem poder serve. Na empresa, as pessoas querem ser servidas e na igreja estamos para servir. Há gente que vê a igreja como se fosse prestadora de serviços. Jesus quando esteve no mundo, deixou-nos o exemplo. Porque somos servos, que existem para servir. Porque temos tarefa a cumprir. Ninguém vive por acaso. Porque seremos recompensados por Deus. Jesus recompensa os seus servos. Ele não é injusto para esquecer o que realizamos.

Cristão é libertado após 114 dias de prisão no Irã


Cristão
 é libertado após 114 dias de prisão no Irã Ele é condenado por causa da fé cristã e por organizar cultos dentro de casa
Masoud Delijani, um dos cristãos presos em Kermanshah, foi libertado temporariamente após o pagamento da fiança. Ele ficou preso por 114 dias em uma cela solitária. Tudo aconteceu no dia em que ocorreram prisões simultâneas de cristãos em todo o país.

Citado pela agência iraniana cristã de notícias, Mohabat News, Masoud Dejani, preso em 18 de março de 2011 pela força de segurança em Kermanshah, foi libertado no sábado, dia 9 de julho, após 114 dias sob detenção e vigilância do Ministério de Inteligência do país.

Ele foi preso por policiais à paisana em Kermanshah, juntamente com outros nove cristãos convertidos do islamismo e também sua esposa, Nahid Shirazi. Depois de ter ficado todo esse tempo na prisão, onde passou por muitas privações, Masoud está em um estado de fragilidade física e espiritual.

Os relatórios recebidos pela Mohabat News indicam que ele não está com boa situação física e agora aguarda o dia em que o tribunal o chamará novamente, para esclarecer as datas dos novos julgamentos e dar-lhe a sentença final, pois ele está em liberdade provisória.

As acusações do Tribunal iraniano contra Masoud Dejani incluem quesitos relacionados à sua fé cristã e também ao fato de Masoud organizar reuniões cristãs e cultos dentro de sua casa, secretamente.
 

Fonte: Adiberj/Redação CPADNews

Via Gritos de Alerta

A síndrome de UZÁ








1Cr 13.9: E levaram a arca de Deus, da casa de Abinadabe, sobre um carro novo; e Uzá e Aió guiavam o carro. E Davi e todo o Israel, alegraram-se perante Deus com todas as suas forças; com cânticos, e com harpas, e com saltérios, e com tamborins, e com címbalos, e com trombetas.E, chegando à eira de Quidom, estendeu Uzá a sua mão, para segurar a arca, porque os bois tropeçavam. Então se acendeu a ira do SENHOR contra Uzá, e o feriu, por ter estendido a sua mão à arca; e morreu ali perante Deus.

A intenção de Uzá era proteger a Arca da Aliança. Tal gesto parece ter sido automático, normal para quem estava ali com este objetivo. Provavelmente o fez com a melhor das intenções. Analisado em primeira instância, Uzá seria absolvido, mas apesar de possíveis jurispridências, há pontos a serem ponderados por instâncias superiores. 
Deus sabe o que está por detrás dos nossos gestos mais nobres, e esse texto é um convite para este tipo de avaliação. 

A Arca era o símbolo máximo da presença de Deus. Ela caminhava à frente do povo durante as suas andanças pelo deserto e indicou o ponto exato por onde Israel deveria atravessar o Jordão.

Depois da construção de um Templo Fixo, permaneceu intocável no compartimento mais nobre da construção. Perante ela o Sacerdote intercedia pelo povo.

Em resumo, o maior protege o menor.
Na dispensação atual, a Igreja assumiu a posição de indicadora do caminho que leva a Deus. 

Alguém que conduz adiante a Obra de Deus, pode ser tentado a ter uma postura paternal em sua relação com a Igreja. Uma enganosa sensação de essencialidade ministerial. 

Ora, quem leva adiante a Obra de Deus não leva a Deus. 

A Obra é resultado da misericórdia do Senhor para conosco, inclusive para com aqueles que a conduzem.

Isto nos coloca na posição de absoluta e total submissão a direção dada pela Arca.

Somos prestadores de serviço, um meio e não o fim. Servos e não os donos. Aqueles a quem servimos são os nossos patrões e não a nossa propriedade. A Igreja e não o seu condutores está em posição privilegiada em relação ao governo de Deus. Estamos sob a liderança da a Igreja (Arca) e não sobre ela. Uma atitude diferente desta é um sintoma de fomos mordidos pelo vírus causador da perigosa síndrome de Uzá. Estamos sob ameaça de iminente extermínio ministerial e talvez eterno (Leia mais em Et 3.4 e Hb 13.17).
Faça isto: Coloque-se no seu devido lugar.




Via Gritos de Alerta

(VOCÊS NÃO PODEM , SOMENTE EU E O PALOFFI HEHE) Político Indonésio que ajudou a aprovação de leis anti-pornografia apanhado a vêr pornografia


Em Abril último, um membro do parlamento indonésio - que ajudou a aprovação de controversas leis anti-pornografia demitiu-se depois de ter sido filmado a visionar vídeos explícitos no seu computador durante uma sessão parlamentar.
Arifinto, 55 anos, foi filmado a observar pornografia durante vários minutos enquanto que os seus colegas debatiam planos para se construir um novo edifício parlamentar.
O político mais tarde pediu desculpas aos seus constituintes e disse aos repórteres durante a conferência de imprensa convocada do um modo meio apressado que ele abandonaria o parlamento imediatamente.
É a minha decisão. . . . Ninguém me coagiu.


Mais pontos para a "moralidade islâmica".

Site pró-gay chama Silas Malafaia de “a besta profana dos evangélicos”

Blogueiro gay diz que tem nojo dos evangélicos e afirma que todos os seguidores de Silas Malafaia (foto) vivem na "fossa" enquanto o pastor ganha dinheiro com a fé.

Em um dos blogs do site MixBrasil o pastor Silas Malafaia é chamado de “besta profana”, “lixo de pessoa” e ainda diz que os evangélicos que seguem o pastor são “otários”.

O texto foi escrito no Blog Carioca, assinado apenas por Marcos que diz sentir nojo das pessoas que acreditam nas palavras do pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

“Silas Malafaia é produto de um grupo religioso que quer cada dia mais poder para fazer ainda pior do que os católicos fizeram no passado: controlar qualquer atitude humana e enriquecer mais e mais”, escreveu.

A revolta responde o último programa do pastor que falou sobre os militantes gays que querem cassar seu registro de psicólogo por suas declarações contra o homossexualismo no programa Vitória em Cristo.
“Os homossexuais são as atuais vitimas da inquisição que este lixo de pessoa berra contra e vendo estes vídeos irônicos de sua última encenação de anti-cristo pros seus fieis seguidores fico com vontade de vomitar em cima dele…” expressou o blogueiro.

Sobre os evangélicos ele disse que seria melhor ser um verme porque entre os vermes não existem lixos como o pastor Silas Malafaia. “Mas sabe o que me dá mais nojo: é saber que existem milhares de mentes que pensam igual e pior, o seguem… Triste de mais saber que entre os vermes a vida pode ser melhor porque não existe lixos como o Malafaia e toda aquela corja do mal.”

Ele também afirma que os evangélicos vivem “na fossa” enquanto Malafaia leva uma vida confortável. “Eles [pastores] são piores que o demônio que usam pra vender o mal e ganhar dinheiro anos rios de um bando de otário que nunca vai sair da fossa, enquanto Silas Malafaia se veste com ternos caros, anda de carros milionários e mora em mansões.”

Fonte: Gospel Prime
Via Gritos de Alerta

Parlamento de Israel rejeita projeto de lei para instaurar casamento civil

Em Israel, só existe o casamento religioso, o que impede que pessoas de distintas religiões possam casar entre si.

O Parlamento israelense (Knesset) rejeitou um projeto de lei que pretendia legalizar o casamento civil, em uma sessão à qual dezenas de cidadãos apareceram vestidos de noivos, informou a imprensa local nesta quinta-feira.

A proposta, apresentada ontem pelo partido esquerdista Meretz, teve 17 votos a favor e 40 contra, em uma sessão na qual estiveram ausentes muitos dos 120 parlamentares, segundo o diário israelense "Ha'aretz".

"A enorme maioria de israelenses apoia a liberdade de opção para se casar. No entanto, as facções ultra-ortodoxas conseguiram novamente que a coalizão (governamental) rejeitasse o projeto de lei", declarou o deputado Nitzan Horowitz, que propôs a fracassada legislação.

"A Knesset novamente se deixou vencer pela coerção religiosa e a covardia política, e está roubando um direito civil básico de centenas de milhares de israelenses", acrescentou o legislador.

Em Israel, só existe o casamento religioso, o que impede que pessoas de distintas religiões possam casar entre si, e obriga os ateus e agnósticos a submeterem-se aos procedimentos confessionais para formalizar uma união.

Os divórcios e outras questões de direito de família também são controlados pelos rabinos, sacerdotes e imames.

O Ministério do Interior israelense, no entanto, reconhece os casamentos civis celebrados fora de suas fronteiras, pelo que centenas de israelenses viajam todos os anos à vizinha ilha do Chipre para formalizar sua união.

Segundo uma pesquisa elaborada por pesquisadores da universidade de Ben Gurion, no Neguev, dois terços da população israelense apoiam a legalização dos casamentos civis, embora apenas um terço queira se casar dessa forma.

Fonte: EFE

Arqueólogos acham túmulo do apóstolo Filipe

O túmulo teria sido encontrado na cidade turca de Pamukkale, local turístico conhecido por suas águas termais.

Uma equipe de arqueólogos dirigida pelo italiano Francesco d'Andria afirmou ter encontrado na cidade turca de Pamukkale, antiga Hierápolis (oeste), o túmulo de São Filipe, um dos doze apóstolos de Jesus, informou nesta quarta-feira a agência Anatólia.

"Tentamos encontrar há anos o túmulo de São Filipe. Finalmente a encontramos entre os escombros de uma igreja que escavamos há cerca de um mês", explicou o arqueólogo, acrescentando que a tumba ainda não foi aberta.

"Um dia será aberta, sem dúvida. Esta descoberta é de grande importância para a arqueologia e o mundo cristão", afirmou ainda.

Originário da Galileia, atual Israel, Filipe foi um dos discípulos de Cristo. Teria viajado para evangelizar as regiões da Ásia Menor, teria sido lapidado e depois crucificado pelos romanos em Hierápolis, na Frígia.

A atual Pamukkale é um local turístico conhecido por suas águas termais, suas rochas sedimentares e sua pedra calcárea branca, de onde vem o nome da cidade, que significa em turco "castelo de algodão".

Fonte: Band

Controle Mental - Programação neurolinguística da Tv!

 




Um dos vídeos que iremos mostrar como a televisão atua na area da programação neurolinguística afetando a forma de pensar da população e fazendo assim a doutrinação da mente da sociedade.

Isto é algo muito sério - Cristão! Acordem! tudo está acontecendo ao nosso redor e não estamos percebendo - existe muito mais Verdades que estão sendo ocultadas de nós!

Tudo está sendo preparado para a formação da nova ordem mundial, um só Governo Mundial, um só governante, um só Banco Mundial, uma só moeda mundial entre outras coisas.

Tudo está se encaminhando para o que a Bíblia alerta no apocalipse, ACORDE e SE NÃO ESTÁ DORMINDO - FALE PARA OUTROS!
 
 
 
 
Fonte www.reinomanifesto.com.br