quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Mulher mata leopardo em luta de foice na Índia


Mulher mata leopardo em luta de foice na Índia
Uma mulher atacada por um leopardo na Índia se defendeu com uma foice e uma pá e – depois de lutar por meia hora – acabou matando o felino.
Kamla Devi, de 56 anos, sobreviveu ao ataque no Estado de Uttarakhand, no norte do país, com várias mordidas e fraturas.
Devi buscava água no domingo quando o leopardo surgiu de um arbusto e deu um bote. "Pensei, 'já era', mas não perdi a paciência e a coragem", contou.
Ela carregava água de um canal para a sua plantação, próxima ao vilarejo de Sem Nauti, no distrito de Rudraprayag.
'Mano a mano'
Durante a luta, Devi diz ter quebrado alguns dos dentes do animal.
"Lutamos no mano a mano por quase meia hora. Então, percebi que ele estava morto", disse a mulher, que foi internada em um hospital próximo à cidade de Srinagar Garhwal.
Médicos disseram ter ficado surpresos que ela tenha sobrevivido e acharam que ela teve sorte.
"Ela teve duas fraturas na mão direita e uma na esquerda, além de ferimentos profundos na cabeça e nas pernas. Havia marcas de mordidas no corpo inteiro", disse o médico que a atendeu, Abdul Rahul.
Pankaj Bist, um dos vizinhos que ajudaram a levar Devi ao hospital, contou que ela foi buscar água por volta de 10h.
"Ela é muito corajosa. Atacou o leopardo e encarou a luta com a foice."
Perda de hábitat
Na semana passada, leopardos mataram uma mulher em outra localidade de Uttarakhand, e feriram outra em Rudraprayag.
Moradores dizem que os felinos estão sendo vistos com cada vez mais frequência nas proximidades de povoados, à medida em que a população crescente reduz os hábitats dos leopardos.
Rudraprayag ganhou renome internacional na década de 1920 graças a um livro de um ex-caçador que virou ambientalista, Jim Corbett.
O livro Man Eater of Rudraprayag (Comedor de Gente em Rudraprayag, em tradução livre) registra as tentativas de Corbett de localizar um leopardo macho mais velho que tinha a fama de ter matado mais de 125 pessoas, antes de ser caçado por Corbett, em 1925.

6ª ESLAVEC - ESCOLA DE LÍDERES



CONGRESSO DE MISSÕES 2014



CONTATOS: (67)96465230(vivo) e (67)3028.6230 
Pr. Ricardo Poquiviqui

Mais da metade das pessoas se arrepende de divórcio

Mais da metade das pessoas se arrepende de divórcio
Decidir pelo divórcio é sempre difícil. Tanto que, passado o calor do momento, mais da metade das pessoas se arrepende. Foi o que mostrou uma pesquisa realizada no Reino Unido com 2 mil pessoas: nada menos do que 54% admitiram que ficaram se perguntando se fizeram mesmo a escolha certa, e a resposta foi “não”.
Para alguns, o arrependimento foi tão grande que 42% consideraram dar uma nova chance ao relacionamento. Desses, 21% estão juntos do ex-parceiro novamente.
Segundo a psicóloga e terapeuta de casais Daniela Ervolino, do Psicolink, situações como essas são comuns também no Brasil.
"Muitos casais se separam por impulso. Cada vez mais as pessoas querem resolver tudo instantaneamente e têm menos paciência para se dedicar ao relacionamento" avalia.
Para a especialista, em geral, o arrependimento no divórcio se deve à falta de flexibilidade e de abertura para o diálogo enquanto a relação existia, dois erros que levam à separação precipitada.
"As pessoas não conversam sobre os problemas por medo de iniciar uma discussão, por preguiça e por achar que o outro já deveria saber determinada coisa. Falar e ouvir é fundamental" afirma a psicóloga.

CPAD

Brasil pode ter seu primeiro museu cristão

Brasil pode ter seu primeiro museu cristão
O projeto do Museu Cristão Brasileiro foi iniciado esta semana na Assembleia Legislativa de São Paulo. A obra teria cerca de 10 mil m² (equivalente ao Masp), com capacidade para 1.500 visitantes.
Trata-se de uma iniciativa do deputado estadual Fernando Capez (PSDB-SP). Ele afirma que está buscando ajuda de patrocinadores e também recursos da Secretaria da Cultura do Estado. Para ele, o foco do museu deve ser “histórico e cultural”, e não religioso. “O Estado é laico, não posso mandar dinheiro para a igreja, mas posso me associar a entidades religiosas”, assegura. Capez diz ser “um cristão que apoia o movimento evangélico” e frequenta igrejas como a Bola de Neve.
“Não vai ter culto no museu”, faz coro Luciana Mazza, uma das idealizadoras do projeto. Ela e o jornalista Marcelo Rebello, seu marido pretendem recorrer a leis de incentivo fiscal como a Rouanet, do governo federal, para conseguir financiamento para o projeto (ainda não orçado). Luciana esclarece que os ingressos do museu terão “preços bem acessíveis a todos”. O casal tem experiência com o público-alvo, pois são responsáveis pelo Salão Internacional Gospel, feira de negócios que ocorre em São Paulo.
Com o lançamento do “primeiro tijolo simbólico” nesta quarta (20), é possível ver como será a aparência do lugar. Quatro pilastras gregas sustentam a entrada. No topo, uma cruz. Na fachada, duas Menorás e a inscrição: “A Deus toda honra e toda glória” sobre a porta. Contudo, não foi divulgado onde ficará o museu e nem quando começaria sua construção.
Entre as diferentes divisões do Museu estão uma dedicada a “declarações polêmicas”. Entre elas o cantor gospel Thalles Roberto (ex-Jota Quest) mandando as mulheres “segurar a periquita”. Outra seção reunirá notícias que agitaram o universo religioso nacional. Entre as selecionadas está o pastor Lucinho cheirando a Bíblia para convidar as pessoas para o culto “Quarta Louca por Jesus”. Também terá destaque a pastora e cantora Ana Paula Valadão, que imitou “profeticamente” um leão durante uma apresentação e foi muito criticada por isso.
Uma das alas trará uma compilação dos nomes mais curiosos de igrejas no Brasil. Entre eles estão: Assembleia de Deus Pavio que Fumega, Pentecostal Cristã Ore com Moderação, A Serpente de Moisés Aquela que Engoliu as Outras e Associação Fiel Até Debaixo D’Água.
Embora tenha o nome de “cristão”, o projeto inicial não mostra nenhuma ala dedicada aos católicos nem aos ortodoxos, ramificações do cristianismo também presentes no país. Para quem tem interesse em museus religiosos, há mais de 10 anos funciona em Barueri, São Paulo, um museu totalmente dedicado à Bíblia e à cultura bíblica. Com informações de Folha de SP.

Mulheres iraquianas sofrem por sua fé em Cristo

Todos os anos, centenas de meninas cristãs são estupradas por muçulmanos extremistas no Iraque. Cada uma delas tem medo de que a sua situação se torne pública. Algumas dessas meninas são obrigadas a se casar com seus estupradores; outras se sentem tão sem esperança que acreditam que a sua única solução é cometer suicídio.
A pesquisadora Jane explica que o estupro de mulheres cristãs no Iraque é parte de um quadro maior. "Todo ato de violência contra a mulher faz parte da perseguição à qual elas são submetidas aqui", compartilha Jane. Amala, a mulher cuja história você está prestes a conhecer, é apenas uma das muitas vítimas cristãs no Iraque.
26_Iraq_0380000503_site0600.jpgQuando Amala decidiu estudar, ela teve o cuidado, reconhecendo os perigos de ser uma mulher cristã. Ela tomou medidas para proteger-se, mas suas precauções não foram suficientes. Quando Amala estava prestes a se casar, um dos homens envolvidos em seus estudos disse que sua esposa suspeitava de que ele tinha um relacionamento com Amala. Ela conhecia e confiava no homem e concordou em visitar a sua casa, a fim de explicar as coisas para a sua esposa. O que aconteceu depois que Amala chegou à casa do homem mudou a sua vida em um instante: durante as horas mais escuras da sua vida Amala foi estuprada.
Neste exato momento, diversas mulheres cristãs, como Amala, estão lutando com o que aconteceu com elas. A Portas Abertas tem atuado em treinamentos pós-trauma no Iraque na esperança de que cada uma dessas mulheres possa, eventualmente, ter alguém que irá ajudá-la a reconhecer e lidar com o trauma, e que irá ajudá-la a encontrar esperança novamente em Cristo.

Mantenha a Igreja viva no IraqueRecentemente, a situação que já era difícil para a Igreja no Iraque, piorou por conta do avanço do Estado Islâmico nas cidades do país. Você pode ajudar a manter a Igreja viva no Iraque. Participe!

Pedidos de oração
  • Ore para que todas as vítimas de estupro experimentem o amor sobrenatural, a cura, o perdão e a graça de Deus sobre suas vidas.
  • Interceda também por mais oportunidades da Portas Abertas de formar líderes capazes de acolher pessoas que sofram com algum trauma, para que a Igreja pode ser ensinada a reconhecer e cuidar de cristãos que enfrentam forte perseguição.
*Nome alterado por motivos de segurança
FontePortas Abertas Internacional

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...