segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Valdemiro Santiago alfineta Edir Macedo: “Eu vou ganhar almas, não vou gastar dinheiro com templo de Salomão”

A construção de uma réplica do Templo de Salomão iniciada pela Igreja Universal, foi comentada pelo Apóstolo Valdemiro Santiago em uma de suas ministrações na Igreja Mundial do Poder de Deus.
Na reunião de domingo, 29 de setembro de 2010, Valdemiro Santiago diz o quanto tem sido perseguido “O evangelho nos trás o reino de Deus, assim como atrai a perseguição, a resposta de Deus é o grande galardão, o que sustenta esta nação é o poder de Deus, este país não trata o evangelho como se deve tratar. Esta semana irá sair uma decisão na justiça sobre tudo que esta acontecendo, um dia essa nação vai colher os frutos dessas lágrimas, ninguém pode algemar o poder de Deus ou criar barreiras para que ele não se manifeste, e cada reunião dessa, você vai acumulando vitórias.”
“Eu vou ganhar almas, não vou gastar dinheiro com templo de Salomão e Querubins, eu preciso levar o evangelho e a televisão é cara. Imagine o que Deus iria fazer comigo se eu fosse dono de uma emissora de televisão, ao invés de pregar o evangelho eu iria colocar novelas, piadas, imundicias, entre outros tipos de programação. Eu não posso fazer isso! tem muitas pessoas sofrendo, tem pessoas aqui que um dia estiveram no crime e hoje estão glorificando a Deus” em clara referencia a construção da réplica do Templo de Salomão e criticas a Edir Macedo dono da Rede Record.
“Não quero aplausos de prefeito e nem templo de Salomão, quero sim reformar o lugar que é próprio, vamos reformar nossa sede. Jamais vou colocar um leão de ouro em cima de uma igreja, quero cuidar das pessoas que estão sofrendo, meu povo aplaude o nome de Jesus e não o meu nome”, finaliza o Ap. Valdemiro.

Governo brasileiro ameaça Igreja Católica por causa de oposição à candidata presidencial pró-aborto

(Por Matthew Cullinan Hoffman) — O secretário pessoal do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho, avisou na última quinta a liderança da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que se os ataques contra a candidata presidencial Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores continuarem, o acordo da Igreja Católica com o governo poderá ser revisto, de acordo com uma reportagem originária do jornal Valor Econômico, e foi repetida pela agência noticiosa italiana ANSA.
O acordo, conhecido como “concordata”, é um tipo de tratado assinado pelo governo da Cidade do Vaticano e vários governos mundiais. A concordata brasileira inclui apoio do governo às escolas católicas e outros benefícios, que foram concedidos à Igreja Católica no Brasil em 2009.
A candidatura de Rousseff tem recebido oposição de muitos bispos e padres católicos por causa da clara posição dela a favor da eliminação de penalidades criminais para o aborto propositado, o qual é condenado pelo ensino católico como “crime inexprimível”.
Hoje, depois da reportagem sobre a ameaça, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma declaração distanciando-se de críticas a Rousseff e ao Partido dos Trabalhadores, e ao mesmo tempo continuou a exortar os eleitores a fazer suas decisões à luz dos valores da vida humana e da família.
A liderança da CNBB escreve que “lamentamos profundamente que o nome da CNBB — e da própria Igreja Católica — tenha sido usado indevidamente ao longo da campanha, sendo objeto de manipulação”.
A CNBB prossegue acrescentando que “reafirmamos… que a CNBB não indica nenhum candidato, e recordamos que a escolha é um ato livre e consciente de cada cidadão. Diante de tão grande responsabilidade, exortamos os fiéis católicos a terem presentes critérios éticos, entre os quais se incluem especialmente o respeito incondicional à vida, à família, à liberdade religiosa e à dignidade humana”.
A declaração da CNBB também afirma que “certamente, é direito — e, mesmo, dever — de cada Bispo, em sua Diocese, orientar seus próprios diocesanos, sobretudo em assuntos que dizem respeito à fé e à moral cristã”, num reconhecimento evidente de declarações feitas por proeminentes líderes católicos do Brasil, inclusive o presidente da primeira divisão sudeste da CNBB, o qual denunciou a candidatura de Rousseff em vídeos postados no YouTube no final de setembro no nome de todos os bispos membros da divisão.
Um padre católico muito conhecido que fez um programa na rede de televisão Canção Nova também deu uma recente homília em que ele denunciou o Partido dos Trabalhadores, que está no governo, como pró-aborto, pró-homossexualidade e marxista, e disse que ele jamais votaria neles ou realizaria um “casamento” homossexual. O Partido dos Trabalhadores está agora exigindo tempo igual no canal católico para a campanha de Rousseff responder às acusações feitas contra ela.
Embora Rousseff afirme ser pessoalmente “contra o aborto”, ela continua a chamá-lo de “questão de saúde pública”, e não se retratou de sua posição declarada anteriormente em favor da eliminação das penalidades criminais para o assassinato de bebês em gestação.

Descontente, Kaká pode deixar Renascer em Cristo

O jogador não estaria gostando da administração da igreja.
Dentro da Renascer em Cristo, são fortes os comentários de que Kaká está deixando a instituição, informou a coluna Zapping, do jornal Agora.São Paulo. O jogador estaria descontente com a administração da igreja. Ainda segundo a coluna, há dois meses, uma parte do teto da sede da Renascer na Mooca, na zona leste de São Paulo, teria caído sem deixar feridos. Kaká teria consultado um perito e constatado a negligência.
Em janeiro de 2009, o teto de um templo no Cambuci, na zona sul, também desabou, deixando nove mortos e 106 feridos. A assessoria da igreja negou o novo desabamento e disse que o templo da Mooca passa apenas por reformas. A assessoria de Kaká afirmou não ter autorização para tratar dos assuntos religiosos do jogador.
Fonte: O Verbo / Terra

Milagre: bebê volta a respirar depois de duas horas declarado morto

(Por Hilary White) — Médicos ficaram perplexos em abril quando um bebê prematuro que havia sido declarado como morto por eles pareceu voltar à vida depois de duas horas encostado à sua mãe. A equipe havia entregado o menino, Jamie, um gêmeo, para sua mãe segurar e “dizer adeus” depois que o menino de 27 semanas de gestação havia sido pronunciado como morto. O médico que estava dando atendimento havia passado 20 minutos depois do nascimento tentando fazer o menino respirar.
Kate Ogg, de Sydney, Austrália, segurou o bebê diretamente encostado na sua pele e quando ele mostrou sinas de vida, lhe deu algum leite materno na ponta do dedo.
Mas Kate e seu marido David Ogg dizem agora que temem que seu filho, que nasceu junto com sua irmã gêmea Emily, poderá sofrer danos cerebrais ou sofrer complicações médicas de longo prazo porque seu médico não acreditou neles quando o menino mostrou o que os pais criam eram sinais de vida. Depois que Jamie começou a se mexer, eles pediram que o médico voltasse, mas ele recusou, enviando a parteira para dizer que o bebê estava simplesmente nos últimos momentos de agonia da morte.
“Sabíamos que o medico não estava voltando. Por isso, o chamamos de novo”, Kate Ogg disse mais tarde para um entrevistador na TVl da Austrália. “Nesse meio tempo, a parteira fez algumas filmagens e minha mãe e minha irmã estavam tirando fotos de nós. Meu marido acabou dizendo: ‘Vão e digam ao médico que não estávamos prontos para dar atenção à explicação dele de como o bebê morreu. Será que ele pode vir e explicar isso de novo?’ e foi aí que ele voltou”.
Jamie só acabou recebendo cuidados médicos duas horas mais tarde.
Um amigo do casal Oggs disse para o jornal Daily Mail que “Para ser justo, os médicos acreditam com sinceridade que Jamie estava morto. Quando ele voltou ao quarto, até ele disse para Kate que isso era um milagre”, mas acrescentou que se Jamie sofrer efeitos colaterais pela falta de tratamento, não poderia haver ação legal.
A Sra. Ogg disse para o programa de televisão australiano Today Tonight que ouvir as palavras de que seu bebê estava morto “foi o pior sentimento que já tive”.
Quando Jamie foi entregue a ela, ela disse que queria segurá-lo encostado diretamente na pele dela.
“Tirei a camisola hospitalar e o ajeitei em meu peito com a cabeça dele sobre meu braço e só fiquei ali segurando-o. Ele não estava fazendo nenhum movimento e nós simplesmente começamos a conversar com ele. Nós dissemos a ele qual era o nome dele e que ele tinha uma irmã. Dissemos a ele as coisas que queríamos fazer com ele durante a vida inteira dele”.
Jamie começou a ofegar, mas seus pais foram informados de que isso era apenas ação “reflexa”.
“Mas então o senti se mover como se ele estivesse espantado, então começou a lutar mais para respirar até que sua respiração foi normalizando. Dei para Jamie um pouco de leite materno no meu dedo, ele o recebeu e começou a respirar normalmente”.
“Pensei: ‘Oh, meu Deus! O que está acontecendo?’ Um curto tempo depois ele abriu os olhos. Foi um milagre. Então ele estendeu a mão e agarrou-me o dedo. Ele abriu os olhos e moveu a cabeça de lado a lado. O médico ficava balançando a cabeça e dizendo: ‘Não acredito nisso, não acredito nisso’”.
Fonte: O Verbo

Lula diz que Deus fez a vingança que ele queria e volta a se comparar com Jesus Cristo

Em tom de despedida e desabafo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que Deus fez a vingança que ele desejava com os senadores que votavam contra o governo. E, ao reclamar que no passado era chamado de comunista por ser barbudo, o presidente voltou a se comparar a Jesus Cristo.
Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Lula ressaltou ter derrotado dois candidatos no Piauí que votaram contra a continuidade da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). “Eles pensaram que iam me prejudicar, mas prejudicaram o povo que precisa do SUS, de pronto-socorro, de remédio. Mas Deus escreve certo por linhas tortas. Ele fez a vingança que eu queria”, disse, referindo-se aos senadores Heráclito Fortes (DEM) e Mão Santa (PSC), que não conseguiram se reeleger no dia 3.
Lula de novo investiu no discurso do preconceito, afirmando que diziam que ele não saberia governar, por não ter curso superior. “A arte de governar não se aprende em universidade, senão pegavam um na Academia Brasileira de Letras para ser presidente. A arte de governar é como a arte de ser mãe, cuidar da família, garantir direitos e oportunidades a todos”, afirmou o presidente, durante discurso no Instituto Federal Tecnológico do Piauí, em Teresina.
Ele quebrou o protocolo várias vezes e pegou o microfone para dizer: “Vocês sosseguem o facho, apaguem o fogo, porque aqui é um evento oficial da Presidência”, reclamou com a militância, que gritava o nome da presidenciável Dilma Rousseff (PT) e de Wilson Martins (PSB), que disputa o segundo turno para o governo do Piauí com o tucano Sílvio Mendes. Lula disse que está contando os dias para deixar a Presidência.
Ensinamento. O presidente se empolgou no ataque à oposição. “Não vamos aceitar que dividam o País em primeira classe, que podem tudo, e em segunda classe, onde não podem nada. Cansamos de ser tratados como segunda categoria”, afirmou.
Lula lembrou ter perdido muitas eleições. “Isso serviu de ensinamento e teve muita frustração. Eles tinham medo e por isso contavam muita mentira a meu respeito. Diziam que era comunista, porque tinha a barba comprida. Mas Jesus também tinha barba comprida. Tiradentes também tinha. Quantas vezes tive de responder e pagar o preço, porque a bandeira do meu partido é vermelha, porque tem uma estrela na bandeira, responder sobre aborto, quem é contra fica jogando casca de banana para ver se a gente pisa e cai.”
Bastão. Segundo Lula, “rico não precisa de governo, quem precisa de governo é pobre que precisa de saúde, educação, segurança, emprego”. “Não vamos ficar atrás de números de estatísticas, porque por trás de cada número tem um ser humano. É preciso governar com consciência e com coração”, afirmou. “Hoje pobre pode ser doutor, pode viajar de avião, vai para Europa. Mas o outro governo ficou oito anos e não cuidou do País, não atendeu os pobres. Ao contrário, fez uma lei onde o governo não podia cuidar das escolas técnicas. Então valeu a pena eu passar pelo governo”, enfatizou.
O presidente concluiu: “Eu não saio apenas, não vou apenas passar o bastão. O povo é que é o dono do País. E não pode permitir que voltemos ao passado do desespero, do descaso. Cansamos de ser tratados como vira-latas. E eu não vou descansar quando sair da Presidência. Não vou me trancar para velhice tomar conta de mim. A velhice vai ter de correr atrás de mim.”
Desabafo
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
PRESIDENTE DA REPÚBLICA
“Eles (senadores) pensaram que iam me prejudicar, mas prejudicaram o povo que precisa do SUS (…). Mas Deus escreve certo por linhas tortas. Ele fez a vingança que eu queria”
“Eles (oposição) tinham medo e contavam muita mentira. Diziam que eu era comunista, porque tinha a barba comprida. Mas Jesus também tinha”
Fonte: Estadão / Gospel+

Dilma divulga carta se dizendo contra temas polêmicos e afirma que aprovará a PL 122 com ressalvas. Leia na integra

A campanha da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, divulgou nesta sexta-feira (15) carta intitulada “Mensagem da Dilma”, na qual ela reafirma posições sobre aborto, liberdades religiosas, garantias constitucionais e preceitos que não afrontem a família.
Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel No documento, Dilma manifesta o desejo de pôr “um fim definitivo” aos boatos que envolvem sua campanha, “para não permitir que prevaleça a mentira com arma em busca de votos”
A exemplo de Dilma, um grupo de 168 pessoas, na maioria religiosos, além de professores, intelectuais e artistas, também divulgou nesta sexta manifesto contra boatos e a favor da candidatura da petista.
Na carta, Dilma aponta “adversários eleitorais” como responsáveis pela difusão de “calúnias e boatos”. “Dirijo-me mais uma vez a vocês, com o carinho e o respeito que merecem os que sonham com um Brasil cada vez mais perto da premissa do Evangelho de desejar ao próximo o que queremos para nós mesmos. É com esta convicção que resolvi pôr um fim definitivo à campanha de calúnias e boatos espalhados por meus adversários eleitorais”, diz Dilma na carta.
Em seis pontos abordados na carta, a candidata do PT defende a liberdade religiosa, afirma ser “pessoalmente contra o aborto” e se compromete, se eleita, “não propor alterações de pontos que tratem da legislação do aborto”.
Dilma também afirma que não irá adotar, em um eventual governo, medidas que venham a alterar ‘temas concernentes à família e à livre expressão de qualquer religião no país”. A candidata petista faz referência ao Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH 3) e afirma que, se eleita, não irá promover iniciativas que “afrontem a família”.
Sobre o Projeto de Lei Complementar 122, em tramitação no Senado, que torna crime a discriminação contra idosos, deficientes e homossexuais, Dilma afirma que “será sancionado no meu futuro governo nos artigos que não violem a liberdade de crença, culto e expressão e demais garantias constitucionais individuais existentes no Brasil.”
A petista se compromete a fazer um governo “que tenha a família como foco principal”. “Se Deus quiser e o povo brasileiro me der, a oportunidade de presidir o país, pretendo editar leis e desenvolver programas que tenham a família como foco principal, a exemplo do Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e tantos outros que resgatam a cidadania e a dignidade humana”, afirma Dilma.
Ao final do documento, Dilma pede apoio dos eleitores para “deter a sórdida campanha de calúnias”.
“Com estes esclarecimentos, espero contar com vocês para deter a sórdida campanha de calúnias contra mim orquestrada. Não podemos permitir que a mentira se converta em fonte de benefícios eleitorais para aqueles que não têm escrúpulos de manipular a fé e a religião tão respeitada por todos nós. Minha campanha é pela vida, pela paz, pela justiça social, pelo respeito, pela propriedade e pela convivência entre todas as pessoas.”

Carta de Dilma sobre aborto, casamento gay e PL 122

Clique para ampliar
Fonte: G1 / Gospel+

Pesquisa Ibope de intenção de voto revela: José Serra lidera com folga entre os Cristãos

A primeira pesquisa do Ibope no segundo turno, divulgada nesta quarta-feira, mostrou que o candidato do PSDB conquistou grande parte do voto evangélico e católico no Brasil.
Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Segundo a pesquisa, encomendada pela TV Globo e pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, José Serra tem a preferência de 52% dos evangélicos, contra 41% que dizem que vão votar em Dilma Rousseff (PT). Se comparar com a última pesquisa do primeiro turno, realizada pelo Ibope em 2 de outubro, o ex-governador de São Paulo mais que dobra sua intenção de voto no grupo: naquele momento, 25% dos evangélicos pretendiam votar no tucano, contra 41% dos que preferiam a petista – mesmo percentual de agora.
Dilma ainda lidera a preferência dos católicos (52% na última pesquisa, contra 50% no levantamento anterior), mas Serra cresceu fortemente: passou de 29% das intenções de votos na véspera do primeiro turno para 41% no último levantamento. No grupo que reúne adeptos de outras religiões, agnósticos e ateus, Dilma tem 47% das intenções de voto (era 42% em 2 de outubro) e Serra detém 41% (era cerca de 30% antes do primeiro turno).
A pesquisa Ibope também detalhou a religião dos eleitores. O levantamento indica que 61% da população se declaram católicas, 6% frequentam a Assembleia de Deus, 3% se declaram batista/metodista/presbiteriano. As igrejas Universal do Reino de Deus, Deus é Amor e Evangelho Quadrangular contam com 1% de citação cada uma. Outros 4% se declaram de outras igrejas evangélicas específicas, mas que individualmente não pontuaram, e 3% se declaram apenas evangélicos, sem especificar igrejas.
Entre as outras religiões, 2% são espíritas/kardecistas, 1% se declaram adventistas e 1% são testemunhas de Jeová. Outras religiões somam 1% do eleitorado captado pela pesquisa e 10% se dizem religiosos sem seguir nenhuma igreja e 3% se dizem ateus/sem religião.
O Ibope também aferiu que 2% do eleitorado receberam orientação dentro da igreja ou templo contra o voto em Dilma no primeiro turno. Metade deste eleitorado (1% no total) seguiu a orientação. Em outra pergunta, o instituto questiona se houve pedido de votos para algum candidato em cultos ou missas: 1% disse que sim, em favor da petista, e outro 1% em favor de Marina Silva (PV). De acordo com o Ibope, 10% do eleitorado vão à missa/culto diariamente e 35% ao menos uma vez por semana. A pesquisa indicou que 80% dos brasileiros são contrários à legalização do aborto.
Fonte: O Globo / Gospel+

Após ataque em programa de TV, Bispo Edir Macedo faz críticas e insinuações sobre Silas Malafaia

Em sua participação no programa do Ratinho, do SBT, o Pastor Silas Malafaia criticou o Bispo Edir Macedo por ser a favor do aborto e apoiador de Dilma Rousseff. O líder da Igreja Universal do Reino de Deus respondeu ao líder da Igreja Vitória em Cristo com insinuações a cerca do apoio repentino ao candidato José Serra e suas propostas.
Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Macedo lembrou do histórico de aborto envolvendo a família do candidato do PSDB e de seu claro e assumido apoio a união civil homossexual, temas os quais Malafaia dizia em seu programa ser o que fez ser ativista contra a candidata do PT.
Os dois dos mais famosos líderes evangélicos do Brasil estão discutindo na internet e na tv, abaixo você confere na integra a crítica do Bispo Edir Macedo ao Pastor Silas Malafaia:
Em I Reis 13, encontramos um homem de Deus sendo enganado por aquele que deveria orientá-lo, falar a verdade e guiá-lo no caminho certo.
Temos visto nos últimos dias uma verdadeira demonstração de que o espírito do profeta velho continua atuando e tentando levar as pessoas ao engano.
Veja o que aconteceu com o pastor Silas Malafaia, que iniciou a campanha política apoiando a candidata Marina Silva e depois, usando o argumento frágil de que o partido dela, o PV, apoiava o aborto, mudou de lado e, para justificar que não apoiaria a candidata Dilma, acusou o PT de ser a favor do aborto e apoiar o casamento de homossexuais. Pronto, o caminho estava aberto para, sabe-se lá com que interesse, apoiar o candidato Serra.
Como não há nada escondido que não seja revelado, veio a declaração do próprio Serra, em vários meios de comunicação, de que é favorável ao casamento de homossexuais. E não para por aí não. Explodiu como uma bomba a denúncia de algumas ex-alunas da esposa do candidato, Monica Serra, que ficaram indignadas com a hipocrisia do casal de que, como cristãos, são radicalmente contra o aborto. Inclusive, a Sra. Monica chegou a dizer que se Dilma vencesse, ela iria matar as criancinhas.
Revoltadas, as alunas disseram que em uma aula, muito tempo atrás, a Sra. Monica declarou que havia feito aborto, com o consentimento de seu marido José Serra.
Agora ficam as perguntas: O que fez o pastor Malafaia mudar de lado? Ele vai continuar apoiando o Serra?
Diante desse cenário temos que lembrar o que aconteceu com o homem de Deus (I Reis 13) que seguia o seu caminho e foi levado à morte, enganado pelo profeta velho, porque não guardou a sua fé.

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...