segunda-feira, 19 de março de 2012

Valdemiro manda um recado para o reporter da Record : "Marcelo Rezende precisa de oração"

Foi ao vivo em seu programa, exibido pelo Canal 21, que o apóstolo Valdemiro Santiago respondeu as acusações que recebeu da matéria exibida pelo Domingo Espetacular, da Rede Record.
Em reportagem assinada pelo repórter Marcelo Rezende, o apóstolo é vítima de um série de denuncias sobre seu enriquecimento e respondendo a elas ressaltou que é inocente e que tudo era patrimônio da igreja.
Valdemiro aproveitou também para enviar recado para o jornalista e para a TV de Bispo Edir Macedo: "Marcelo Rezende precisa de oração" e "Record vive de restos da Globo" disse ele.
Assista o vídeo: :
 

Nova novela da Rede Globo mostrará uma ex-atriz pornô que se torna evangélica

Nova novela da Rede Globo mostrará uma ex-atriz pornô que se torna evangélica
De acordo com a coluna de Patrícia Kogut, do jornal O Globo, a atriz Paula Burlamaqui está frequentando igrejas evangélicas para observar o comportamento de mulheres que se converteram e deixaram o passado.
O estudo vai servir para o papel que a atriz terá na próxima novela das Globo “Avenida Brasil” com estreia prevista para 26 de março. Paula será Soninha Catatau, uma ex-atriz de filmes adultos que vai se tornar evangélica e passar a usar o nome de Dolores.
“Vou começar a frequentar cultos na igreja e observar o comportamento das mulheres. Estou louca para começar a gravar”, disse a atriz que na semana que vem já entra no estúdio de teledramaturgia da Rede Globo.
A personagem, que promete gerar polêmica, entra na trama de João Manuel Carneiro a partir do capítulo 20 tentando esconder seu passado dos moradores da nova cidade.
“Terei um filho com Silas, personagem de Aílton Graça, e vou chegar à cidade escondendo o meu passado. Adoro personagens polêmicos. É sempre gostoso fazer. Vai ser um bafão”, adianta Paula que está ansiosa para estrear seu personagem.


VIA GRITOS DE ALERTA / OVERBO
Fonte Gospel Prime

Movimento tenta limitar ensino religioso em escolas públicas

Se depender de organizações educacionais e ligadas a direitos humanos, o ensino religioso nas escolas públicas do país será restringido.

Na semana passada, a posição entrou formalmente na discussão no Supremo Tribunal Federal, que analisa a constitucionalidade de artigo sobre a matéria presente em acordo entre o Brasil e Igreja Católica, de 2010.

O grupo de cinco associações quer proibir políticas como a do governo de São Paulo, que prevê o ensino religioso do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental de forma "transversal" --ou seja, dado junto com outros conteúdos.

Querem vetar também a opção do governo do Rio.

Fizeram o pedido ao Supremo a Ação Educativa, Relatoria Nacional para o Direito Humano à Educação, Conectas Direitos Humanos, Ecos e Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher.

CONSTITUIÇÃO

Para as entidades, os Estados infringem a Constituição. No caso de São Paulo, um dos princípios feridos, dizem, é o de que o ensino religioso deve ser optativo. Se o conteúdo é espalhado, o aluno não tem a opção de não assisti-lo.

A corte aceitou incluir a argumentação das entidades no processo. Entidades religiosas e não religiosas também serão ouvidas.

Há debate jurídico porque a Constituição, além de fazer restrições, prevê ainda que o "ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental", que atendem 28 milhões de alunos.

SANTA SÉ
A discussão foi parar no Supremo porque o Ministério Público Federal viu como inconstitucional decreto presidencial que confirma acordo entre Brasil e Igreja Católica.

O texto cita a presença nas escolas do ensino "católico e de outras confissões".

Para o Ministério Público, a norma abre espaço para que haja catequese nas escolas, ao usar o temo "confissões".

O órgão defende que o ensino religioso deve se restringir a exposição de práticas e da história das religiões.

Para as cinco entidades, a restrição precisa ser mais ampla, vetando, por exemplo, as aulas "transversais" em SP.

Ainda não há data para a votação na Corte. O grupo de entidades espera que o relator, Carlos Ayres Britto, defina seu voto ainda neste mês.

Fonte: Jornal Floripa

Crescente no meio evangélico, ordenação de mulheres ao pastorado causa polêmica entre cristãos

Crescente no meio evangélico, ordenação de mulheres ao pastorado causa polêmica entre cristãosNo cristianismo protestante atual, diversas denominações vêm abrindo espaço para a ordenação eclesiástica de mulheres. Entretanto, uma polêmica paira em cima dessa prática, pois o assunto não é unanimidade entre líderes e fiéis.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Há denominações mais tradicionais contrárias à consagração de pastoras, presbíteras, diaconisas ou qualquer outro cargo religioso. No debate, os contrários a mulheres em cargos de comando dentro das denominações argumentam que Jesus não ordenou mulheres em seu ministério.
O professor de teologia Waldyr Carvalho Luz, do Seminário Presbiteriano do Sul, explica que a questão cultural do tempo que Jesus viveu, era um fator determinante para que ele não ordenasse uma mulher entre seus discípulos, e que Jesus também não deixou nenhum indício de que houvesse outro motivo para isso: “a questão da ordenança feminina às funções eclesiásticas (diaconato, presbiterato, ministério sagrado) nem sequer é ventilada através do Novo Testamento. Jesus, tanto no caso dos doze, como, quanto parece, na chamada Missão dos Setenta, aliciou apenas homens, como, aliás, era a norma no mundo contemporâneo. Se alguma outra motivação teve ele, não a explicitou. E conjecturar a esse respeito é irrelevante. Na Palestina dos dias de Jesus não haveria lugar para matriarcado e mulher em posição de autoridade”, declarou Carvalho, em entrevista à revista Ultimato.
O professor Waldyr Carvalho, porém, entende que a questão cultural nos dias atuais está superada, e que portanto, perante a luz do evangelho, é normal que uma mulher seja ordenada a um cargo eclesiástico. “Mercê da obra redentora de Cristo, cancela-se a disposição vigente e implanta-se um regime de paridade e equalização, abolidas as distinções prévias, homem e mulher a fazer jus ao mesmo ‘status’ em Cristo”, argumenta o professor.
Waldyr afirma ainda que a inclusão das mulheres nas atividades da igreja se dá por ação do Espírito Santo, e que não possui relação com a volta de Cristo: “A lenta, mas progressiva inclusão da mulher nos ministérios da igreja é a resultante lógica e natural da operação iluminadora do Espírito Santo a superar limitações e barreiras descabidas que entravam a obra do evangelho. Não se reveste de caráter escatológico, nem é sinal de tempos ou do fim do mundo. É simplesmente, o produto da incoercível dinâmica do evangelho na implantação do reino de Deus ao longo da história”.
Entre os contrários à ordenação feminina, há variados argumentos, entre eles, o de que Deus criou primeiro a Adão, e depois a Eva: “O assunto em questão não é para desmerecer o ministério das mulheres, mas para fazê-las enxergar, que essa ordenação de ‘pastoras’ não é bíblico, é humano, e totalmente carnal. A mulher nunca deve estar na posição de liderança espiritual, pois essa posição foi dada ao homem (Deus disse: Domine o homem). Isso é assim desde o princípio; Primeiro foi formado Adão, e depois Eva. Quando Deus criou Eva, a criou para ser ajudadora, auxiliadora. Ele não a criou para liderar. “Pastora” é uma posição de liderança e contrária à instituição Divina. Isto que está acontecendo em nosso meio é uma afronta ao nome de Deus”, opina o articulista do blog “O Bereano”.
Há críticas também ao fato de muitas igrejas considerarem que a esposa de um pastor também é pastora, devido à união conjugal: “Uma frase terrível que tem surgido nos seguimentos que ordenam mulheres ao pastorado é: Mulher de pastor é pastora, pois, Deus disse que seriam uma só carne. Que absurdo! Ainda usam a Palavra de Deus para tentarem dar bases as suas loucuras. O chamado é pessoal, o ministério é individual. Esposa de pastor não é pastora”, afirma o texto.
Há também, além dos argumentos relacionados ao ministério de Jesus, que notadamente não incluiu mulheres entre seus discípulos, o argumento de que na Bíblia, que possui diversos escritores, não existe nenhuma mulher: “Isso não significa que a mulher tenha menos capacidade intelectual ou espiritual. Entretanto, isso é uma clara mensagem de Deus para o Seu povo: Ele quer usar o homem na liderança. Isso é um fato incontestável que nenhuma feminista poderá jamais refutar. Ir de encontro a isso será uma rebeldia que cada uma irá carregar, arcando com as conseqüências”, pontua o artigo.
Porém, o bispo anglicano e Doutor em Escatologia e Ciências da Religião Hermes Carvalho Fernandes, afirma que “A atividade pastoral é, antes de tudo, um dom– O argumento usado por Pedro para justificar a inclusão dos gentios na igreja foi o dom do Espírito que lhes fora concedido da mesma maneira como aos judeus. Como os apóstolos poderiam impedir a sua inclusão? Semelhantemente, a igreja deve reconhecer o dom pastoral que tem sido concedido a indivíduos do sexo feminino. Ordenar nada mais é do que reconhecer o dom. Negar-se a reconhecer o dom conferido por Deus é o mesmo que resistir a Deus”, argumenta, citando a passagem bíblica de Atos 11.
Fernandes afirma que há denominações que reconhecem o dom mas não atribuem o título, o que para ele, é errado: “Se os líderes atuais reconhecessem o dom pastoral que Deus tem concedido à mulheres, toda discussão cessaria. Alguns, mesmo reconhecendo do dom, negam o título. Algumas denominações preferem chamá-las de ‘missionárias’, ‘doutoras’, mas jamais ‘pastoras’. Chega a ser ridículo. Em contrapartida, encontramos muitos homens que ostentam o título sem jamais terem sido vocacionados para o desempenho do pastorado”.
O bispo Fernandes pontua que no protestantismo, todos os crentes são sacerdotes, e refuta o argumento de que na Bíblia, nenhuma mulher foi ordenada a cargos eclesiásticos: “Alguém poderá argumentar que embora encontremos profetizas nas Escrituras, jamais encontramos sacerdotisas. Mas peraí… Cristo não substitiu o sacerdócio levítico por um eterno, onde todos somos igualmente sacerdotes? Eis um dos pilares da reforma protestante. Todos os crentes são sacerdotes, sem importar seu gênero. Manter a distinção entre clero e leigos é um ranço indesejável que herdamos do romanismo”, critica o bispo, mencionando a passagem bíblica de 1 Pedro, capítulo 2.

VIA GRITOS DE ALERTA
Fonte: Gospel+

No Twitter, Rick Warren manda recado aos brasileiros: “façam o seu melhor”

No Twitter, Rick Warren manda recado aos brasileiros: “façam o seu melhor”

O famoso pastor norte-americano Rick Warren, líder da mega-igreja Saddleback Church, enviou mensagem aos brasileiros seguidores de seu perfil no Twitter.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A mensagem, escrita na última sexta-feira, 16/03, era um incentivo à busca por sempre fazer o melhor: “For my friends in Brazil: o sucesso não é ser o melhor, mas fazendo o seu melhor”, publicou, com metade da frase em inglês e a outra metade em português. O significado da primeira parte da publicação é, em tradução livre, “para os meus amigos no Brasil”.
Rick Warren também enviou a mesma mensagem aos seus seguidores na Espanha, Alemanha e Indonésia, além dos próprios norte-americanos.

As mensagens publicadas pelo pastor e direcionada a seguidores em países específicos agradaram ao público-alvo, e foram retransmitidas por seus seguidores no Twitter. Nas publicações seguintes, Warren não revelou se foi ajudado para escrever as frases.
Rick Warren, que também é escritor de Best-sellers como “Uma vida com propósitos”, afirma que é fluente em línguas como o espanhol, o japonês, o hebraico e o grego. Devido ao sucesso como conferencista e escritor, Warren abriu mão de seu salário como pastor da Saddleback e vive com a renda de suas publicações e palestras, segundo informações do “The Christian Post”.
Fonte: Gospel+

DOMINGO ESPETACULAR ( EDIR MACEDO ) X APOSTOLO VALDOMIRO Cobra engolindo cobra; assim é a natureza e a humanidade também

A semana em Esquisitices foi marcada por crianças e criaturas. Não importa o tamanho, mas sim a esquisitice.
 
A cobra da foto, por exemplo, foi uma das cr...
Essa semana começa com mais round da luta do Edir Macedo contra seu ex Pupilo , Apostolo Valdomiro Santiago .
Que depois da  matéria exibida no domingo expetacular  ficou meio de queixo caido .
Fazendas que somam 2  vezes o tamanho de Israel , criações de gado , aviões , helicopeteros etc.
Claro que como um bom aluno , e seguindo os bons exemplos de como ficar rico as custas dos seus fiéis , ensinados pelo então ex professor Edir macedo.
O triste de tudo isso é que mais uma vez o nome do verdadeiro cristão , por culpa desses incautos, foi jogado na boca do sapo.
Pois , em quanto esses lideres  ficam se abocanhando ,pois um preocupado com seu imperio que pode ruir caso o outro leve embora seus investidores, contra ataca com essa matéria que ao meu ver é exclarecedora , mas muito tendenciosa.
É triste de ver a quantas anda as igrejas no Brasil , pois esses dois são apenas a ponta do iciberg.
Assista a reportagem na íntegra:

GRITOS DE ALERTA .

Pr. Silas comenta a guerra entre o Bispo Macedo e o Ap. Valdemiro

A emissora do bispo Edir Macedo exibiu neste domingo, no programa Domingo Espetacular, uma série de denúncias contra o apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus. A TV Record utilizou cerca de 30 minutos de seu horário nobre dominical para atacar o rival da Igreja Universal do Reino de Deus.
Pr. Silas comenta o episódio envolvendo a guerra entre o Bispo Macedo e o Ap. Valdemiro
Vou começar pelo fim. O resumo da historia é este: “o sujo falando do mau lavado”. Todos farinha do mesmo saco. O que me impressiona é que Edir Macedo, que já foi vítima de denúncias envolvendo enriquecimento ilícito e reportagens tendenciosas construídas para denegri-lo, feitas pela Rede Globo, principalmente entre os anos 90 e 95 (e que eu mesmo, várias vezes, no vigésima quinta hora, da Rede Record, os defendi), agora usa do mesmo expediente para atacar e denegrir um outro pastor, e com isto expor ao ridículo pastores e as Igrejas evangélicas.
Por algum acaso a Rede Record, que está no nome dele, foi comprada com o dinheiro de quem? Foi comprada com ofertas do povo de Deus.
A outra parte na questão, o Apóstolo Valdemiro, que por um bom tempo eu o julgava inocente, e que tinha boas intenções, no final descubro que é farinha do mesmo saco. Faz igualzinho ao que ele mesmo criticava. Compra espaço na tv que pertencia a outros, oferecendo mais dinheiro, o que aconteceu comigo. Há muito tempo vem debochando e ridicularizando o Macedo, e desdenhando das outras Igrejas, dizendo que a Igreja dele é que mais cresce no Brasil, e agora que a “batata” dele está assando, vem dar uma de espiritual, com aquele choro que já não convence a mais ninguém, em uma pseudo humildade dizendo: ” estou orando pelo Macedo, estou orando pela Igreja Universal”. Porque só agora esta fazendo isto? De 2 anos para cá tem incessantemente baixado o pau no Macedo e na Igreja Universal.
O que eu lamento é que ambos possuem poder na mídia, mas não utilizam isso em prol do Reino de Deus, somente quando são seus interesses no Reino de Deus. O movimento gay quer interferir no lugar do culto, bem como criminalizar nossa pregação e eles não falam absolutamente nada. Quando você viu Macedo, ou Valdemiro defender alguma posição em relação à Igreja evangélica como um todo? Como diz a Bíblia, Deus não se deixa escarnecer, está tratando com os dois, e se bobearem vão se autodestruir.
Para os mais novos na fé e os incautos, deixo uma palavra da Bíblia: É necessário que haja escândalo, mas ai daquele por onde eles vem. E uma outra: Importa que hajam heresias para que os que são fiéis se manifestem. Deus tenha misericórdia destes dois. Tenham a certeza que a Igreja de Jesus continuará sua marcha invencível.

VERDADE GOSPEL
VIA GRITOS DE ALERTA

Evangélicas brasileiras sequestradas no Egito dão testemunho

Uma das evangélicas brasileiras sequestradas no Egito, Sara Lima Silvério, de 18 anos, disse na noite deste domingo (18) que foi bem tratada pelos beduínos, que a levaram para um vale no meio do deserto.
Após chegar ao hotel escoltada por generais do Exército egípcio, testemunhou: "Não me tocaram. Não molestaram nenhuma de nós. Eles não foram agressivos com a gente", afirma Sara, grata a Deus e às orações dos irmãos que sabiam do seqüestro e intercediam por elas (foto). Sara e a missionária Zélia Magalhães de Mello, de 45 anos, foram libertadas do cativeiro sem ferimentos após negociações.
"A gente foi tirada do ônibus, colocada dentro de um carro. Levaram a gente para o meio do deserto, no Vale do Sinai. Lá eles colocaram um tapete no chão, a gente sentou e eles deram várias cobertas. Depois, serviram chá, serviram comida", contou em entrevista, por telefone, do Egito.
Segundo ela, quando iam ao banheiro, os sequestradores não a acompanhavam, preservando sua intimidade. "A gente orou por nove horas, desde o momento em que fomos levadas até o momento em que chegamos ao hotel", afirma testificando a intervenção e o poder de Deus ao livrá-las.
Sara e Zélia fazem parte da Igreja Evangélica Avivamento da Fé, que tem sede em Osasco, na Grande São Paulo. O grupo de 42 pessoas realizou uma excursão ao país.
Os irmãos haviam saído do Cairo e tomado uma estrada rumo ao Monte Sinai. "De repente, dois carros ultrapassaram o ônibus e eles desceram atirando. Foram vários disparos, de metralhadora e de fuzil. Eles atiraram na porta do ônibus. Achei que estavam até atirando na gente. Foi então que eles entraram no ônibus e levaram as duas para fora", afirmou o Pastor Dejair Silvério, pai de Sara.
O ônibus foi interceptado por um grupo de beduínos que sequestrou, além das duas irmãs, o segurança do ônibus, que é egípcio e estava armado, segundo fontes do Itamaraty.
Sara afirmou que fará a viagem ao país novamente "sem problemas". "Volto com certeza", disse confiante e feliz pelo livramento recebido. Ela afirmou ainda que os beduínos "quiseram chamar a atenção do governo". "Foi algo político."
A jovem relata que o guia sequestrado ajudou na comunicação, traduzindo o que os beduínos perguntavam. "Eles sempre perguntavam se a gente estava com frio, fome e falando que tudo ia ficar bem... A gente só achava que ia acontecer alguma coisa quando eles começavam a falar muito alto. Mas a gente não chorou, não gritou, manteve a calma", conta.
Sara definiu o reencontro com a família como algo "lindo". O pai, a mãe e a irmã aguardavam a chegada dela no hotel perto do Monte Sinai. "A gente começou a dançar. Todo mundo abraçou a gente. Foi uma experiência incrível, porque acrescentou muito à minha fé", testemunha.
A intenção do grupo é cruzar a fronteira com Israel nesta semana e voltar ao Brasil no dia 27. Sara, que fez um intensivo de inglês em Dallas, pretende cursar música. A segunda opção é ser tradutora intérprete. Ela disse que atualmente faz cursos de francês e japonês. Após tão grandiosa experiência, quem sabe nossa irmã ainda não usará estes planos pra realizar missões?!


Fonte: G1 / Redação CPAD News

Faculdade paga “dízimo” a igrejas que indicarem universitários

Faculdade paga “dízimo” a igrejas que indicarem universitários
Ministério da Educação vê indícios de irregularidades em cobrança diferenciada de mensalidades para alunos do Fies. Em contrato, instituição se compromete a passar 10% do valor recebido do governo a igrejas que indicam estudantes.
Um dos maiores grupos de ensino de São Paulo, a União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo (Uniesp) reúne 43 faculdades. Segundo a Folha de São Paulo, a instituição tem assinado convênios onde as igrejas que lhe indicarem universitários recebem uma espécie de “dízimo” em troca. Ou seja, Uniesp repassa 10% do que receber do Fies (financiamento estudantil federal) por aluno indicado pelas instituições religiosas que aderiram ao programa da União.
Segundo a Uniesp, 2.000 estudantes já foram matriculados por meio desse tipo de convênio. Dos 65 mil estudantes do grupo, 12,5 mil se beneficiam do Fies. Para a UNIESP, os convênios com igrejas geram envolvimento com essas entidades e isso ajudaria a chamar alunos mais pobres.
A prática do “dízimo” se estende aos indicados que aderirem ao programa Escola da Família, do governo de São Paulo. Neste projeto, o Estado paga 50% das mensalidades de alunos que ajudem as escolas públicas de ensino básico. A Uniesp tem 2.850 alunos inscritos no “Escola da Família”.
Fernando Costa, presidente da Uniesp, explica que o repasse de dízimo serve para que “exista um envolvimento entre a igreja e a instituição. É uma relação de parceria que nós temos”. Também afirma que essa parceria com igrejas de diversos tipos de credo tem como objetivo promover o ingresso de alunos carentes no ensino superior.
A Secretaria de Educação de São Paulo explica que o programa “não prevê terceirização de serviços nem repasse de recursos para entidades não credenciadas” e que vai apurar o caso.
Enquanto isso, o Ministério da Educação também investigará como a escola usa as verbas do financiamento.
Há indícios de irregularidades, pois as mensalidades dos beneficiários do Fies são até três vezes superiores às dos demais estudantes. Tal prática é proibida por lei. No programa do Fies, as mensalidades são pagas pela União e os alunos devolvem o montante após a formatura.
As entidades religiosas que assinaram o convênio se comprometeram a indicar estudantes apenas à Uniesp. Ao mesmo tempo, procuram estimular a transferência de membros matriculados em outras faculdades para o grupo paulista. Esse repasse seria um “dízimo em favor da construção da obra de Deus”.
O grupo educacional não informa quais instituições religiosas indicaram os 2.000 estudantes captados por meio dessa parceria, mas no site da UNIESP, há uma relação de entidades conveniadas. Estão listadas 25 igrejas, evangélicas, adventistas e católicas. Entre elas estão a Paróquia São Francisco de Assis, igreja católica de Presidente Prudente, as Pentecostais Jesus Vem e Vencemos pela Fé, da capital, além de várias Assembleias de Deus. A página, porém, não explica a quais delas a universidade faz o pagamento de dízimo.
A reportagem da Folha perguntou à Costa se não ia contra o interesse dos alunos a Uniesp exigir exclusividade na indicação de fiéis pelas igrejas. Ele afirmou que a prática ocorre também entre outras igrejas e universidades.
“Nossa instituição tem uma responsabilidade social e também a missão de levar ao ensino superior as camadas mais humildes de nossa população”, disse a universidade em nota oficial.
Segundo o Ministério da Educação, a Uniesp já foi proibida, em 17 de suas 43 faculdades, de oferecer o Fies (financiamento estudantil federal). A proibição ocorreu quando se constatou que a instituição usou cursos cadastrados no Fies para conseguir financiamento para alunos de cursos que não estavam habilitados no programa. Financiadora do programa federal, a Caixa Econômica Federal classificou a situação como “fraude”.
Além disso, a UNIESP precisará explicar porque os alunos que cursam a Universidade pelo FIES acabam pagando mais caro pelo curso, em algumas unidades a diferença é de quase 300%.

Com informações Folha de São Paulo


Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/faculdade-paga-dizimo-a-igrejas-que-indicarem-universitarios/#ixzz1pYXfkEYd

Governo do Irã desafia comunidade internacional e volta a condenar cristãos

Lula quer visitar o Irã
LULA , DO PT É AMIGO E APOIADOR DESSE REGIME DE MORTE
Para onde quer que se olhe no Irã, a perspectiva de futuro é catastrófica. Há meses que os países do mundo se mobilizaram para tentar salvar a vida do pastor Yousef Nadarkhani, preso por apostasia e condenado a morte. O que parecia ser apenas um caso isolado, que despertou no mundo uma mobilização contra as leis impostas pelo regime Islâmico no Irã, logo se mostrou o estopim de uma crise que se mantinha latente há anos. A reação do governo do Irã desafia os países do ocidente.
E se não bastasse as tentativas sem sucesso para o programa nuclear iraniano, o país do presidente Mahmoud Ahmadinejad, que sonha varrer Israel do mapa, passou a perseguir de forma veemente e violenta os cristãos, que promovem cultos em “igrejas suberrâneas”, prendendo indiscriminadamente líderes e membros, inclusive igrejas ligas a Assembleia de Deus.
Segundo o Portas Abertas, uma jovem mãe paquistanesa foi falsamente acusada de “blasfemar” contra Maomé, o principal profeta do islamismo, por ter se recusado a se tornar muçulmana todas as vezes que seus familiares tentaram persuadi-la.
Shami Bibi, foi presa em Khichiwala e acusada de blasfêmia depois de ter sido denunciada pelos vizinhos. A jovem é cristã e tem uma criança de cinco meses de idade. Falar contra o profeta Maomé no Paquistão é punível com prisão perpétua ou até a morte, condenação prevista nas leis islâmicas. O irmão de Shamim, Ilyas Masih, e seu cunhado, Shabaz Masih, disseram que ela foi acusada injustamente. Ela apenas resistiu à pressão de sua família para que ela se convertesse ao islamismo.
“Shamim disse para os seus parentes que tinha plena fé de que o Deus que ela servia era um Deus vivo e que, por isso, não havia razão para ela negar o cristianismo e virar uma muçulmana”, disse Masih. Após declarar isso, todos consideraram uma blasfêmia. No dia seguinte, seus vizinhos foram à polícia e relataram que Shamin fez comentários depreciativos contra Maomé.

VIA GRITOS DE ALERTA.
INF . OVERBO

Ex-terrorista mulçumano lança livro sobre sua conversão

 

Um ex-terrorista islâmico e agora convertido ao Evangelho está lançando o livro “O Sangue do Cordeiro”, onde relata seu testemunho de vida e conversão.
Em entrevista à TV CBN, emissora de conteúdo cristão dos Estados Unidos, Kamal Saleem contou suas experiências como terrorista aliado de políticos como Saddam Hussein (ex-presidente iraquiano) e Yasser Arafat (ex-presidente da Autoridade Palestina), além de grupos terroristas, como a Irmandade Muçulmana.
Em seu testemunho, Saleem conta que quando era jovem foi recrutado para estudar nos Estados Unidos e ajudar a destruir o país de dentro de suas fronteiras. No entanto, ao chegar na América acabou se convertendo ao evangelho. Durante a entrevista Saleem explicou à CBN os ideais islâmicos usados para doutrinar os jovens muçulmanos e sobre os fatos mais marcantes de sua conversão.
Saleem contou ainda sobre a experiência espiritual que teve ao ouvir uma voz falando diretamente com ele: “Você é meu guerreiro, você não é o seu guerreiro”. Ao que Saleem respondeu: “Meu Senhor, meu Senhor eu vou viver e morrer por você”. Mas, para seu espanto, Deus respondeu que morrer para Ele era “desnecessário”.
Atualemente, Saleem atua no alertar sobre as ameaças da Jihad Islâmica, conhecida como “guerra santa”, praticada pelos muçulmanos, e que motiva os ataques terroristas.
Fonte: Gospel +

FILHA DO PASTOR E MISSIONÁRIA SÃO LIBERTAS NO EGITO

arte peninsula sinai VALE ESTA  (Foto: Arte G1)

O pastor Dejair Batista Silvério, de 60 anos, afirmou na noite deste domingo (18) que a filha dele Sara Lima Silvério, de 18 anos, e a amiga Zélia Magalhães de Mello, de 45, foram libertadas no Egito. O Itamaraty confirmou a informação.

"Ela está viva. Falei com ela por telefone e ela disse: 'Pai, estou bem", afirmou o pastor, em entrevista ao G1, por telefone, do Egito. Segundo ele, Sara e Zélia, que foram liberadas sem ferimentos, serão levadas para o hotel onde o grupo da excursão foi hospedado. Todos fazem parte da Igreja Evangélica Avivamento da Fé, que tem sede em Osasco, na Grande São Paulo.

As duas foram levadas por beduínos que "metralharam" o ônibus onde eles estavam, a caminho do Monte Sinai. "Foi algo impressionante", desabafou o pastor, após saber da notícia da libertação.
Os turistas brasileiros haviam saído do Cairo e tomado uma estrada rumo ao Monte Sinai. "De repente, dois carros ultrapassaram o ônibus e eles desceram atirando. Foram vários disparos, de metralhadora e de fuzil. Eles atiraram na porta do ônibus. Achei que estavam até atirando na gente já. Foi então que eles entraram no ônibus e levaram as duas para fora", afirmou o pastor.

Amigos oram pelas brasileiras sequestradas no Egito (Foto: Eduardo Carvalho/G1)
Amigos oram pelas brasileiras sequestradas no
Egito (Foto: Eduardo Carvalho/G1)

Silvério disse não saber o porquê da escolha das duas. "Foi muito assustador. A gente pessou que fosse um assalto", afirmou. "No começo, a gente achou que eles iam usar as duas como reféns para roubar as pessoas do ônibus."

O ônibus foi interceptado por um grupo de beduínos que sequestrou, além das duas brasileiras, o segurança do ônibus, que é egípcio e estava armado, segundo fontes do Itamaraty.

Os sequestradores colocaram os reféns em um carro e fugiram para uma região montanhosa, segundo autoridades egípcias.

Os demais brasileiros que estavam no veículo foram escoltados por duas equipes das Forças Armadas egípcias para um hotel perto do Monte Sinai, segundo Silvério.

"Foi uma coisa tão rápida e chocante", afirmou. Ele agradeceu o governo brasileiro pela "rapidez" com que entraram em contato com as autoridades do Egito. "Recebi uma ligação do embaixador. Também fui avisado que o Itamaraty estava tomando as providências."

A intenção do grupo é cruzar a fronteira com Israel nesta semana e voltar ao Brasil no dia 27.

Fieis de igreja de brasileiras sequestradas no Egito oram pela segurança delas, em Osasco (Foto: Eduardo Carvalho/G1)
Fiéis de igreja de brasileiras sequestradas no Egito oram pela segurança delas, em Osasco (Foto: Eduardo Carvalho/G1)



Terceiro caso
Vários casos parecidos, envolvendo estrangeiros, ocorreram na região em 2012.

Em fevereiro, beduínos sequestraram três turistas sul-coreanos, pouco depois de um crime similar contra duas americanas e um guia egípcio, com a exigência de libertação de companheiros detidos.

Os turistas e o guia foram libertados rapidamente e sem ferimentos, assim como 25 trabalhadores chineses que haviam sido sequestrados em janeiro e que ficaram cerca de 20 horas como reféns.

Beduínos foram presos por conta de envolvimento em atentados praticados na região entre 2004 e 2006, que mataram cerca de 130 pessoas.

Além de pedir a libertação dos companheiros, os beduínos também relatam descontentamento em relação à maneira como são tratados pelo governo provisório egpcio, no poder desde a queda do ditador Hosni Mubarak no ano passado.

Os beduínos pegaram em armas para ajudar a rebelião que derrubou Mubarak, mas consideram que não foram recompensados por isso pela junta militar egípcia.

Isso aumentou a tensão e a violência na região, com com ataques a delegacias de polícia e explosões frequentes contra oleodutos que levam gás ao vizinho Israel.

A pouco habitada região abriga a maioria dos luxuosos resorts egípcios, ao mesmo tempo que é o local de moradia de grande parte da pobre população beduína.

VIA GRITOS DE ALERTA.
INF. G1

Pastor diz que igreja está aberta para Naldo, se ele quiser

Jaime Soares, pastor da Assembleia de Deus de Bonsucesso, igreja da Zona Norte do Rio que era frequentada por Naldo Benny desde antes da...