quinta-feira, 7 de abril de 2011

FUNDAMENTALISTA ISLÂMICO EM ATAQUE SUICIDA MATA 11 E FERE VARIAS CRIANÇAS EM ESCOLA NO RIO DE JANEIRO



Atirador também morreu. 18 pessoas estão feridas. Tiroteio ocorreu em escola em Realengo, na Zona Oeste do Rio. 


O secretário de Saúde do Rio, Sérgio Côrtes, corrigiu para 11 o número de mortos no ataque a Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira (7). Mais cedo, ele havia afirmado que 13 pessoas morreram no tiroteio. As vítimas são 9 meninas e 1 menino, entre 12 e 14 anos, além do atirador. O número de feridos também diminuiu: ao invés de 22, são 18 os feridos.
Ainda segundo Côrtes, a maioria das vítimas foi atingida na cabeça e no tórax. "É uma situação muito triste. Nunca ia esperar experimentar na minha vida uma experiência como essa. Vi toda a equipe nos corredores. As pessoas chorando desesperadas. É uma situação de violência desnecessária contra crianças," disse.


Entre os feridos, três já passaram por cirurgia e há outros transferidos para o Instituto Nacional de Traumatologia (Into), Hospital Pedro Ernesto, Hospital de Saracuruna e Hospital da Polícia Militar.   Atirador deixou carta
O atirador foi identificado pela polícia como Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos. Segundo a Polícia Militar, ele era ex-aluno da escola.

De acordo com o coronel da polícia Djalma Beltrami, Wellington deixou uma carta, segundo ele, com inscrições complicadas, no local. "Ele tinha a determinação de se suicidar depois da tragédia", contou Beltrami. A carta foi entregue a agentes da Divisão de Homicídios.
Conhecido na escola por ser ex-aluno, ele teria entrado sob alegação de que iria fazer uma palestra. Segundo a polícia ele usou dois revólveres, que chegou a recarregar várias vezes.
Segundo a polícia, uma equipe da Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV) passava próximo ao local e foi à escola depois de ver crianças correndo pela rua.

Funcionária viu crianças feridas
"O cara entrou, foi para o terceiro andar e começou a atirar. As crianças disseram que foi pai de aluno. Vimos muitas crianças carregadas, desacordadas, baleadas", disse uma funcionária da escola, que preferiu não se identificar.


"Começamos a ouvir tiros. Com o eco, parecia que uma coisa estava desabando. Todo mundo correu. Depois, a professora chegou dizendo que o cara chegou atirando em uma sala. Foi um desespero", afirmou ela.

Secretária de educação volta dos EUA
A subsecretária municipal de Educação do Rio, Helena Bomeny, está a caminho do local. No Twitter, a secretária municipal da Educação do Rio de Janeiro, Claudia Costin, afirmou: "Estou pegando o primeiro avião de volta. Desmarquei a palestra de hoje e não vou ver minha neta." Segundo o twitter da secretaria, ela está em Washington, nos Estados Unidos.



Do G1 RJ

VEJA A CARTA DEIXADA PELO FUNDAMENTALISTA ISLÂMICO QUE ATACOU E MATOU 12 CRIANÇAS DEIXANDO OUTRAS FERIDAS EM ESCOLA NO RIO DE JANEIRO

Reprodução carta atirador (Foto: Reprodução)Reprodução de carta deixada por atirador
Na carta encontrada com o atirador que abriu fogo dentro da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, na manhã desta quinta-feira (7), Wellington Menezes de Oliveira fala de questões religiosas e dá indícios de que o ataque foi premeditado, além de pedir perdão pelo crime. Segundo o hospital para onde foram levadas vítimas, 11 crianças morreram e 13 estão feridas, sendo 4 em estado grave.
Wellington Menezes de Oliveira, homem que atirou contra 
escola municipal Tasso de Oliveira, em Realengo (Foto: Reprodução/TV 
Globo)Wellington Menezes de Oliveira, homem que atirou
contra escola municipal Tasso da Silveira,
em Realengo (Foto: Reprodução/TV Globo)
Leia trechos da carta:
“Primeiramente deverão saber que os impuros não poderão me tocar sem luvas, somente os castos ou os que perderam suas castidades após o casamento e não se envolveram em adultério poderão me tocar sem usar luvas, ou seja, nenhum fornicador ou adúltero poderá ter um contato direto comigo, nem nada que seja impuro poderá tocar em meu sangue, nenhum impuro pode ter contato direto com um virgem sem sua permissão, os que cuidarem de meu sepultamento deverão retirar toda a minha vestimenta, me banhar, me secar e me envolver totalmente despido em um lençol branco que está neste prédio, em uma bolsa que deixei na primeira sala do primeiro andar, após me envolverem neste lençol poderão me colocar em meu caixão. Se possível, quero ser sepultado ao lado da sepultura onde minha mãe dorme. Minha mãe se chama Dicéa Menezes de Oliveira e está sepultada no cemitério Murundu. Preciso de visita de um fiel seguidor de Deus em minha sepultura pelo menos uma vez, preciso que ele ore diante de minha sepultura pedindo o perdão de Deus pelo o que eu fiz rogando para que na sua vinda Jesus me desperte do sono da morte para a vida.”
"Eu deixei uma casa em Sepetiba da qual nenhum familiar precisa, existem instituições pobres, financiadas por pessoas generosas que cuidam de animais abandonados, eu quero que esse espaço onde eu passei meus últimos meses seja doado a uma dessas instituições, pois os animais são seres muito desprezados e precisam muito mais de proteção e carinho do que os seres humanos que possuem a vantagem de poder se comunicar, trabalhar para se alimentarem, por isso, os que se apropriarem de minha casa, eu pelo por favor que tenham bom senso e cumpram o meu pedido, por cumprindo o meu pedido, automaticamente estarão cumprindo a vontade dos pais que desejavam passar esse imóvel para meu nome e todos sabem disso, senão cumprirem meu pedido, automaticamente estarão desrespeitando a vontade dos pais, o que prova que vocês não tem nenhuma consideração pelos nossos pais que já dormem, eu acredito que todos vocês tenham alguma consideração pelos nossos pais, provem isso fazendo o que eu pedi."
Segundo o subprefeito da Zona Oeste, Edmar Peixoto, Wellington também afirmou na carta que era portador do vírus HIV.
Reprodução carta atirador (Foto: Reprodução)Reprodução de outro trecho da carta do atirador

Sargento foi herói, diz Cabral sobre PM que atingiu atirador em escola Segundo governador, policial foi chamado por alunos feridos em chacina.

O governador do Rio, Sergio Cabral, disse que o massacre na escola em Realengo só não foi maior pela ação de um herói da Polícia Militar e uma heroína da escola. "Gostaria de agradecer ao herói, o sargento Alves, 3º sargento da PM, que estava participando de uma operação, a dois quarteirões, do Detro junto com o BPRV. E o sargento Alves foi convocado por dois meninos", disse Cabral.
"Outra heroína é a professora da primeira sala que mandou os meninos chamarem socorro. Eles abordaram os policiais e o sargento Alves veio até aqui e o atingiu, já ele acessando o segundo andar; o atingiu nas pernas e depois se matou. A arma já estava pronta para mais disparos", completou.
Segundo Cabral, a primeira pessoa com quem o atirador falou ao chegar à escola foi uma professora. "A professora da sala de leitura conversou com ele e o reconheceu. Pediu um instante e ele cometeu essa covardia contra crianças inocentes".
O prefeito Eduardo Paes também agradeceu a atuação policial em Realengo. "A gente está diante de uma tragédia que podia ser muito pior se não fosse a ação de um PM, um herói que atingiu esse criminoso e conseguiu impedir que ele continuasse esse massacre aqui. Quero agradecer às forças policiais", disse.


G1

O fundamentalismo islâmico chegando por aqui - GOVERNO DOS EUA AFIRMA QUE "O BRASIL ABRIGA GENUÍNOS RADICAIS ISLÂMICOS"




Embora a comunidade muçulmana no Brasil seja formada majoritariamente por integrantes moderados, o país abriga "elementos radicais genuínos", alguns na região de Foz do Iguaçu (PR) e outros em São Paulo. A avaliação consta de documento confidencial da diplomacia norte-americana datado de 20 de novembro de 2009, produzido pelo Consulado dos EUA em São Paulo. Integra um conjunto de 251.287 relatórios da diplomacia americana produzidos entre 1966 e 2010 e divulgados pela organização Wikileaks, que teve acesso ao material.
O documento produzido pelo Consulado dos EUA em São Paulo teve por objetivo subsidiar a visita ao Brasil, em novembro de 2009, da representante especial da Chancelaria dos EUA para as comunidades islâmicas, Farah Pandith. A íntegra do texto em inglês pode ser lida aqui. "Enquanto a maioria dos muçulmanos do Brasil é moderada em orientação e a esmagadora maioria é moderada em obras e ações, genuínos elementos radicais existem aqui, alguns na área da Tríplice Fronteira em Foz do Iguaçu e outros entre a forte população xiita orientada ao [grupo extremista islâmico] Hizbollah em São Paulo, estimada em 20 mil pessoas", afirma o documento da diplomacia americana.
O documento procura descrever a comunidade árabe no Brasil, que estima em 400 a 500 mil pessoas, segundo cálculos mais confiáveis. Aponta a existência de maioria sunita de descendência libanesa, cujos membros chegaram ao país há muitas décadas e construíram "fortes raízes" no país. Afirma que os libaneses que vivem no Brasil tendem a valorizar as "virtudes de um Líbano tolerante", onde cristãos, judeus e árabes convivem facilmente. Afirma que a marca dessa comunidade é reforçada pela tradição brasileira de tolerância cultural.
Diz, contudo, que há também um fluxo mais recente de imigrantes, também de maioria libanesa e mais pobres e "muito mais xiitas". "A [orientação] política deles é mais radical e eles frequentemente recorrem ao Hizbollah para liderança", diz o documento.
Líder é descrito como promotor de 'linha fundamentalista'O Consulado relata sua busca ao longo dos anos por envolvimento com grupos muçulmanos de São Paulo. Descreve o trabalho conjunto com o cônsul-geral do Líbano na cidade, Joseph Sayah, como responsável pela montagem de uma "crescente rede de amigos entre xeques e líderes entre a comunidade sunita", que inclui abertura ao diálogo com "alguns sunitas fundamentalistas que mantêm visões extremamente críticas em relação aos EUA". O documento também descreve lideranças muçulmanas locais, como o xeque Jihad Hammadeh, de São Bernardo do Campo (Grande SP), descrito como promotor de linha islâmica "fortemente fundamentalista". Essa análise é muito superficial. Eles só aparecem de vez em quando, e para fazer perguntas".
Xeque Jihad Hammadeh
Vice-presidente da ONG Wamy (Assembléia Mundial da Juventude Islâmica), Hammadeh é descrito como alguém que busca manter o governo dos EUA "a uma certa distância". "Hammadeh se encontra conosco, mas nunca frequenta nossos eventos e nos mantém a uma certa distância. Quando sugerimos visitar suas aulas de árabe, ele hesitou", diz o texto. Procurado pelo G1, Hammadeh disse "desqualificar" sua descrição feita pela diplomacia americana. "Essa análise é muito superficial. E que distância eles querem? Eles é que mantêm distância, só aparecem quando convém a eles. A comunidade fica receosa: só de vez em quando aparecem, e para fazer perguntas. Cadê a amizade?", questionou o xeque.
Hammadeh disse ser duro na cobrança de padrões de comportamento da comunidade islâmica, mas negou fanatismo. "Se estão dizendo [que há radicais islâmicos no país], que mostrem as provas e as fontes para que o governo e a Justiça brasileiros corram atrás deles", afirmou. Outro citado no documento, como promotor de "atitudes antiamericanas", o xeque Yamani Abdul Nur Muhammad, de Londrina (PR), também questionou, em entrevista ao G1, a avaliação da diplomacia americana.
Documento sugere cooptação de árabes moderadosA análise destinada à representante do governo Barack Obama para as comunidades islâmicas descreve o cenário "brasileiro-libanês" como um "duplo contexto de tolerância" que já ajuda a promover a inserção da comunidade muçulmana do país. Sugere ainda o trabalho de "engajamento de muçulmanos moderados", para "colocar radicais na defensiva e abrir canais de comunicação que podem levar a mais informações sobre elementos mais distantes da comunidade em razão de maior radicalismo". "Trabalhar com moderados amigáveis não deve ser visto separadamente do monitoramento de elementos mais ameaçadores", diz o documento, que classifica a "pequena comunidade xiita brasileira orientada ao Hizbollah" como uma "preocupação legítima" do governo dos EUA.


Fonte: G1

FUNDAMENTALISTA ISLÂMICO ATACA E MATA 11 CRIANÇAS NO RIO DE JANEIRO

Um homem invadiu na manhã desta quinta-feira (7) a escola municipal Tasso da Silveira, na rua General Bernardino de Matos, em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, 11 crianças morreram, além do atirador que, segundo a PM (Polícia Militar), atirou contra a própria cabeça.
O atirador disparou várias vezes contra os alunos de uma sala de aula de oitava série, com 40 alunos, no primeiro andar. Mais de 400 jovens estudam no local, em 14 turmas do 4º ao 9º ano. Segundo as últimas informações da Secretaria Estadual de Saúde, há 13 feridos, sendo dez meninas e três meninos --quatro estão em estado grave.

Os feridos foram levados para o Hospital Estadual Albert Schweitzer. Algumas crianças em estado mais grave estão sendo redirecionadas para outros hospitais, como o Miguel Couto e o Souza Aguiar.
Com o barulho dos tiros, houve muita gritaria e os professores trancaram as portas das salas para proteger os alunos.
A primeira informação divulgada foi de que o atirador era pai de uma aluna da escola, mas a Polícia Militar confirmou que o homem foi identificado como Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, é ex-aluno da escola.
Ele estaria usando uma roupa que imitava fardamento militar e entrou na escola com duas pistolas e muita munição. Wellington entrou na escola dizendo que iria fazer uma palestra em comemoração aos 40 anos da unidade. Lá dentro, chegou a ser reconhecido por uma professora.
A irmã adotiva do atirador disse em entrevista à rádio Band News, que o atirador estava "muito ligado" ao Islamismo, não saía muito de casa e ficava o tempo inteiro no computador.
Em entrevista à Globo News, o coronel Djalma Beltrame, comandante do 14º BPM (Bangu), confirmou que Oliveira deixou uma carta que indica que ele tinha intenção de se matar. " Foi um ato premeditado", disse Beltrame.


Segundo o coronel, a carta era “confusa” e apresenta conteúdo “fundamentalista islâmico”.
O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que o episódio é uma “tragédia sem precedentes” e que este é um “dia de luto” para a educação brasileira.
Segundo o Corpo de Bombeiros, há oito carros de bombeiros e diversos helicópteros atuando no local, que foi isolado. Há uma multidão ao redor da escola, principalmente de pais em busca de informações.

"Poderia ter sido maior"

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), disse que o massacre  poderia ter sido maior, se um terceiro sargento da Polícia Militar não tivesse interferido. Segundo o governador, o sargento Alves, que cumpria uma operação na região, foi avisado por dois estudantes feridos que fugiram da escola no momento do massacre.
“Ele estava participando de uma operação a dois quarterões da escola e foi avisado por dois meninos que fugiram”, disse. Cabral afirmou que o sargento atingiu o atirador na perna quando ele estava no terceiro andar, quando ele já havia atirando contra os alunos e se preparava para atacar mais crianças. “Sem dúvida nenhuma a atuação dele [o sargento] foi fundamental. Ele já estava preparado para mais disparos."

UOL

ATAQUE DE FUNDAMENTALISTA ISLâMICO CONTRA CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO RIO DE JANEIRO

Homem que abriu fogo em escola no Rio de Janeiro era pessoa retraída

Wellington matou 11 crianças, tinha se convertido ao islamismo e fez menção a práticas terroristas na carta que deixou

Divulgação/ND

Wellington era órfão, adotado, portador do HIV e perdera a mãe adotiva há pouco

As primeiras informações sobre o perfil do atirador que invadiu uma escola na zona oeste do Rio matando ao menos 11 crianças e ferindo outras 18 antes de se matar na manhã desta quinta-feira (7) revelam uma pessoa extremamente retraída.
Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, era o único filho adotivo entre outros cinco irmãos biológicos e seria portador do vírus HIV, segundo ele mesmo relatou em uma carta que deixou na escola antes de se matar.
Segundo relatos de amigos da família, Oliveira era uma pessoa “muito fechada”, quase não tinha amigos e sua rotina se limitava a ir de casa para o trabalho, em uma fábrica de produtos alimentícios.
Após a morte da mãe, há oito meses, segundo os vizinhos, ele teria se retraído ainda mais, conta a promotora de vendas, Elda Lira, de 55 anos, vizinha de uma das irmãs de Oliveira, em Realengo. “Era uma pessoa extremamente isolada, não tinha amizade com ninguém.”

Conversão ao Islã e menção a terrorismo
Segundo policiais da Divisão de Homicídios, na carta deixada por Oliveira havia menções ao islamismo e a práticas terroristas. De acordo com relatos de amigos e conhecidos, ele se converteu à religião após a morte da mãe.
Amiga da família de Oliveira há vários anos, a jornalista Karen Mendes, de 31 anos, confirma o perfil retraído e conta que o atirador ficou ainda mais isolado após se converter. “Conheço o Wellington desde pequeno, sempre foi muito retraído. Ele entrou para o islamismo há um tempo, depois disso ficou ainda mais retraído. Saiu de Realengo e se isolou em Sepetiba”, bairro que fica também na zona oeste.
O atirador entrou na escola com um colete à prova de balas e usava roupa preta e luvas.


ND ONLINE

ATAQUE ISLÂMICO NO RIO DE JANEIRO - ASSASSINO SERIA FUNDAMENTALISTA Carta menciona Islamismo e até práticas terroristas - SERÁ ?


O comandante do 14º Batalhão (Bangu), coronel Djalma Beltrame, afirmou que o atirador responsável por um ataque à Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, teria deixado uma carta de teor fundamentalista.
De acordo com Beltrame, a carta continha frases desconexas, inconpreensíveis e com teror fundamentalista. Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, também menciona o islamismo e até mesmo práticas terroristas.
Wellington teria se apresentado como palestrante  como forma de invadir a escola para cometer os crimes. Durante o ataque, dezenas de crianças foram mortas, assim como o atirador. Outros alunos estão em estado grave e já estão sendo transferidos para outros hospitais da região.
De acordo com testemunhas, Wellington teria disparado pelo menos 50 tiros e estaria com duas armas. Todo de preto, ele ainda vestia luvas e colete à prova de balas.

CREIO

John Piper Compara Queima do Alcorão com Crucificação de Cristo

O altamente respeitado pastor evangélico John Piper fez um comentário surpreendente ainda perspicaz terça-feira quando ele comparou a queima do livro sagrado islâmico com a crucificação de Cristo.
Seu comentário vem em meio a relatos de que pelo menos 24 pessoas morreram, inclusive sete funcionários das Nações Unidas, no Afeganistão, desde sexta-feira por causa da queima do Alcorão por um pastor da Flórida, em março.
Para ajudar a explicar a fúria violenta dos Muçulmanos pela queima do Alcorão, Piper citou escrita do estudioso britânico Andrew Walls, fundador do Centro para o Estudo do Cristianismo no mundo não-ocidental, em seu livro The Cross-Cultural Process in Christian History (Processo Transcultural na História do Cristianismo).
No livro, Walls destacou que a diferença entre o Islã e o Cristianismo é que uma é facilmente traduzível, enquanto a outra resiste à tradução.
"Absolutos islâmicos são fixos em uma determinada língua, e nas condições de um determinado período da história humana. A Palavra divina, é o Alcorão, fixo no céu para sempre em árabe, a língua da revelação original," escreveu Walls. "Para os Cristãos, no entanto, a Palavra divina é traduzível, infinitamente traduzível.
"Muito do mal-entendido entre Cristãos e Muçulmanos, surgiu a partir do pressuposto de que o Alcorão é para os Muçulmanos o que a Bíblia é para os Cristãos," escreveu o Walls, que foi um dos primeiros estudiosos a estudar a mudança global da Igreja longe do Ocidente. "Seria mais correto dizer que o Alcorão é para os Muçulmanos que Cristo é para os Cristãos."
Piper concluiu que o paralelo entre o Cristianismo e o Islã não é Cristo para profeta Maomé e Alcorão para a Bíblia. Pelo contrário, o paralelo é entre Alcorão e Cristo.
"O 'Giving' do Alcorão é no Islã o que a encarnação de Cristo é para o Cristianismo," afirmou Piper em seu blog no site Desiring God. "Se isto é assim, então a queima do Alcorão é paralela à crucificação de Cristo."
A violência atual do Afeganistão relacionada com o Alcorão foi despertado quando o pastor da Flórida, Terry Jones e pregador Wayne Sapp colocou o livro sagrado islâmico em um julgamento simulado em 20 de março e achou-o "culpado de causar estupro, assassinato e terrorismo." Como castigo, o Alcorão foi queimado.
Houve intencionalmente pouca cobertura da mídia nos EUA sobre a queima do Alcorão. Mas a notícia da profanação do livro sagrado islâmico logo chegou ao Afeganistão e Paquistão pela internet. O presidente afegão Hamid Karzai manifestou-se contra a queima do Alcorão e pediu ao governo dos EUA para processar os responsáveis. Oito dias depois de Karzai, condenou a queima Alcorão como "desrespeitosa e abominável," protestos violentos eclodiram.
Em 01 de abril, centenas de afegãos irritados marcharam para a sede da missão da ONU no norte da cidade de Mazar-i-Sharif, após as orações de sexta-feira e atacaram os guardas e incendiaram a embaixada. Quase uma semana depois, os protestos continuaram em erupção no Afeganistão pelo que dois pregadores norte-americanos fizeram com o Alcorão.
Piper em seu blog sustentou que a queima do Alcorão não é o equivalente moral do assassinato de seres humanos. Mas ele observou que a compreensão do paralelo entre o cristianismo e o islamismo ajuda a explicar por que os Muçulmanos estão tão indignados.
No entanto, o pastor Minnesota também apontou a diferença entre a forma como o Islã e o Cristianismo ensinam os seus seguidores a reagir quando o Alcorão é profanado ou Cristo é crucificado. Mesmo quando Jesus enfrentou a crucificação, ele condenou a violência. Jesus repreendeu um de seus seguidores por usar a espada (Mateus 26:52), curou a orelha do inimigo que foi cortada (Lucas 22:51), orou para o perdão de quem o matou (Lucas 23:34), e ensinou seus discípulos a amar os seus inimigos (Lucas 6:27), apontou Piper.
"Assim, o Alcorão foi queimado e Cristo foi crucificado - e continua a ser crucificado," Piper escreveu. "A prova está na resposta."

CRISTIAN POST

Hospitais evangélicos: bisturi, estetoscópio e Bíblia

Com longa tradição no Brasil, hospitais evangélicos buscam recuperar ideais confessionais sem abrir mão da profissionalização.

“Eu me sentia em casa. A equipe médica tornou-se como que da família”. Hospitais, normalmente, não são lugares lembrados com carinho, muito menos saudade, por seus pacientes. Mas a dona de casa Vivian Melhorine guarda boas recordações da instituição na qual passou dois anos ao lado de seu marido, Jaime, cuidando da saúde frágil do filho Julinho. O tempo de hospitalização do menino é quase o mesmo de sua vida. Aos 45 dias de nascido, o garoto foi submetido a uma cirurgia de hérnia num pequeno hospital do interior do Rio Grande do Sul, onde a família vivia. Complicações na anestesia levaram a criança a sofrer com convulsões. A partir dali, começou um calvário de sucessivas internações. “Estamos lutando pela vida do meu filho há dois anos. Neste período, ele não passou mais de quatro meses em casa”, lamenta Vivian. Na penosa sucessão de UTIs e enfermarias, contudo, uma instituição de saúde, em especial, ofereceu aos Melhorine mais que apenas atendimento médico. No Hospital Independência, da Universidade Luterana do Brasil, a Ulbra, em Porto Alegre (RS), o casal e o menino encontraram atenção, carinho e solidariedade cristã.
Com 110 leitos, a unidade atende pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), clientes particulares e conveniados por planos médicos privados. “Os médicos e enfermeiras não nos abandonaram em nenhum momento”, lembra a dona de casa. Embora, nos últimos anos, o Independência tenha passado por sérias dificuldades e até acusações de uso indevido do título de entidade filantrópica, que concede isenções fiscais, a qualidade do atendimento não caiu – ao menos, no quesito humanitário. Com receio de que a situação do hospital prejudicasse os cuidados com Juninho, a equipe médica providenciou sua transferência para outra unidade mais estruturada. Mas os profissionais que atenderam o menino ali, assim como o capelão luterano, fizeram questão de continuar visitando Juninho e seus pais.

A experiência positiva da família Melhorine pode ser exceção nos dias de hoje, mas reflete um comportamento que durante décadas marcou as instituições de saúde ligadas a igrejas e entidades religiosas: o atendimento diferenciado. Surgidos no século 19, logo após a chegada ao país das chamadas denominações de missão, como Batista, Presbiteriana e Luterana, os hospitais confessionais tinham a missão de sanar corpos e almas. Ao lado das instituições de ensino mantidas por organizações eclesiásticas, os sanatórios – como eram chamados naquele tempo – faziam parte do braço social do protestantismo, de grande valia numa nação extremamente carente como o Brasil da época. O tempo passou, a gestão ganhou contornos mais profissionais e muitos desses estabelecimentos viram sua função religiosa esvaziar-se; mesmo assim, os efeitos da confissão espiritual se faz notar em muitos deles.

“As unidades religiosas mantêm características diferenciadas”, afirma a professora de administração hospitalar Teresinha Covas Lisboa. No entender da especialista, embora o caráter assistencial tenha perdido intensidade, ainda é mantido nessas casas. “O respeito pelos funcionários e pacientes é a marca”, diz. Ela tem acompanhado o setor de perto nos últimos anos, e atesta que os estabelecimentos de origem religiosa saem na frente no quesito qualidade do atendimento. “Por muitos anos, o foco dos hospitais privados foi a aquisição de equipamentos”, acrescenta, lembrando ainda a prioridade na construção de grandes estruturas. “No entanto, é por meio dos colaboradores que se alcança todos os objetivos de um hospital, ou seja, a alta qualidade unida aos resultados.” Para Terezinha, outro fator que pesa a favor dos hospitais religiosos é quanto a um processo ainda recente entre as instituições de saúde: a busca de certificação. Seguindo os mesmos moldes de selos como o ISO, o processo de certificação de um hospital avalia diversos fatores, como qualidade, segurança e até o comportamento dos funcionários e a contribuição social da entidade. As mais almejados são o da Organização Nacional de Acreditação (ONA) e da Joint Commission Internacional (JCI). “Com a certificação, os hospitais participam de um padrão internacional de qualidade”, garante a professora.

Referência

O Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (HUEC) tem carregado a bandeira do bom atendimento e dos princípios do Evangelho no que se refere ao cuidado com o próximo. Idealizado pela Sociedade Evangélica Beneficente (SEB) em 1943, o projeto de construção do HEC mobilizou toda a capital paranaense, assim como a classe médica que via na ainda pequena Curitiba uma cidade carente de tratamento especializado de saúde. Entretanto, desde a inauguração do primeiro prédio, em 1959, o HUEC pouco a pouco se transformou no principal parceiro do SUS e hoje possui 750 leitos, 800 médicos e 3,6 mil funcionários. “Atendemos desde o básico até tratamentos de alta complexidade, tendo como ênfase os transplantes. Aqui foi realizado o primeiro transplante de coração no Paraná”, conta André Zacharow, presidente da SEB, organização que reúne treze diferentes denominações. O hospital ainda é referência no tratamento individual e isolado de pacientes queimados. Para se ter um ideia da dimensão do trabalho, somente em um ano são realizados, na média, 20 mil procedimentos desse tipo. O HUEC também está criando o terceiro banco de pele do país, além dos já existentes nas cidades de Porto Alegre e São Paulo.

Mas o Hospital Evangélico de Curitiba também é reconhecido pelo atendimento humanizado. A instituição mantém serviços e parcerias voltados à comunidade evangélica, como o Plano Evangélico Saúde. “A maior parte dos pastores não possui plano de saúde; por essa razão, proporcionamos um atendimento privilegiado a este público”, destaca Zacharow. O hospital também tem convênio com o Lar Esperança, administrado pela Igreja Evangélica Assembleia de Deus local, um tipo de pousada que dá suporte de forma gratuita aos familiares e acompanhantes de pacientes internados, bem como doentes que, após a alta, não podem voltar diretamente para casa. Além disso, o HUEC conta com 20 capelães que também são funcionários da casa, devidamente treinados para o atendimento espiritual. “Mantemos o ideal dos primeiros dias do hospital, de nunca nos cansarmos de fazer o bem. Isso inclui não só o atendimento médico, mas o ensino e até a pregação da Palavra”, diz o presidente.

Encontrar o equilíbrio entre a excelência e a missão nem sempre é possível. No caso dos hospitais de orientação protestante, as consequências do foco estritamente diletante nem sempre são as melhores. Foi o que o aconteceu com o centenário Hospital Evangélico do Rio de Janeiro (HERJ), que apesar das glórias do passado – ali foi realizada a primeira transfusão de sangue do país e existiu a primeira escola de enfermagem nacional – quase foi à bancarrota. “Fomos engolidos pelo mercado”, reconhece o atual diretor-geral da instituição, Lizias Costa Bittencourt. Diante das dificuldades que comprometiam o atendimento, outrora considerado modelo, o HERJ resolveu mexer na estrutura organizacional em 2005. Além dos 34 membros do Conselho interdenominacional que o dirige, foi criado um Conselho Administrativo, integrado por membros não remunerados, e uma nova Diretoria Operacional e Profissional, da qual Bittencourt faz parte. “É preciso fazer dinheiro para poder contribuir socialmente”, pontua. “Com essa mudança, fortalecemos nossa relação com os convênios de saúde e nossos colaboradores também passaram a ser mais treinados e aperfeiçoados na sua área de atuação”. Atualmente, 90% dos atendimentos remunerados da instituição são oriundos de convênios com planos de saúde.

Com as contas em dia, o Hospital Evangélico, situado no coração do bairro carioca da Tijuca, agora está em pleno processo de expansão. Um novo prédio anexo receberá mais 33 leitos clínicos e uma nova emergência, com capacidade para dez pacientes. Além disso, o serviço social do hospital realiza cerca de 400 atendimentos mensais e 50 procedimentos cirúrgicos gratuitos, beneficiando principalmente a comunidade carente em seu entorno. “Com nosso serviço de capelania e assistência social, as pessoas também ganham atenção e respeito”, acredita o diretor.

“Missão”
“Não podemos abrir mão da missão”, defende o diretor administrativo do Hospital Adventista de São Paulo, Sérgio Fernandes dos Reis. Ligado a uma igreja com forte vocação social, o estabelecimento é um dos cinco que os adventistas mantêm no Brasil. Nos Estados Unidos, onde a denominação nasceu no século 19, são noventa unidades, todas com a mesma filosofia. Ciosos do valor da ética e do atendimento tipicamente cristão, os dirigentes adventistas querem que a rede seja referência. Para isso, um grandioso projeto de modernização e aperfeiçoamento tem sido levado a cabo nos últimos cinco anos. “Estamos tentando recuperar o tempo perdido e unir uma administração profissional e moderna com a marca da humanização”, explica Reis. “Como um hospital filantrópico, por muitos anos focamos somente no assistencialismo, e ficamos para trás”.

Cercado por mais de vinte unidades de saúde públicas e privadas na região da Avenida Paulista, centro de São Paulo, o Hospital Adventista hoje é mostrado com orgulho em todas as negociações com fornecedores e propagandas institucionais. “As empresas conveniadas sabem que o custo do procedimento cobrado é o verdadeiro. Não há manipulação; a auditoria dos planos de saúde tem pouco trabalho conosco”, garante o diretor. Para este ano, o Hospital Adventista de São Paulo planeja uma ampliação no atendimento. Um novo centro cirúrgico irá mais do que dobrar a capacidade de atendimento. Há ainda projetos de construção de um novo centro médico no bairro de Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, onde fica uma das universidades adventistas. O diretor só lamenta a mudança de prioridade das igrejas: “Nos últimos tempos, muitas têm abandonado trabalhos sociais, como os hospitais, para investir naquilo que chama mais a atenção, como grandes redes de mídia.”

Contra a discriminação
Foi no século 19 que os primeiros estabelecimentos de saúde de orientação religiosa surgiram no país. Primeiro, foram os católicos, através das Santas Casas de Misericórdia e das Ordens da Penitência. Nada mais natural, uma vez que a fé romana era a confissão oficial do país. Mas essas instituições eram bem diferentes dos hospitais privados de hoje, que acabaram se transformando em verdadeiras empresas. O principal objetivo era atender, gratuitamente, setores menos favorecidos da sociedade, já que as famílias que dispunham de recursos contavam com os chamados médicos de família.
Com a chegada dos missionários protestantes oriundos da Europa e América do Norte, que aqui estabeleceram suas igrejas, criou-se uma situação de discriminação: os cidadãos de confissão evangélica não eram atendidos nos estabelecimentos ligados à Igreja Romana, restrição que se estendia até aos cemitérios públicos. A solução foi montar centros de saúde ligados às denominações, cujo atendimento logo se estendeu à população em geral. A primeira grande instituição do gênero surgiu em 1896, com a fundação do Hospital Evangélico do Rio de Janeiro (HERJ). “Começamos com a ideia de atender o povo evangélico. Mas acabamos recebendo gente de todos os credos”, explica o atual diretor da unidade, Lizias Costa Bittencourt.

Fonte: Cristianismo Hoje

SINAIS DOS FINAIS DOS TEMPOS - Terremoto de magnitude 7,4 atinge Japão e causa alerta de tsunami .

Um terremoto de magnitude 7,4 atingiu nesta quinta-feira a costa leste de Honshu, no Japão. A agência meteorológica do Japão emitiu um alerta de tsunami com ondas de até um metro para a região, a mesma afetada pelas ondas gigantes em 11 de março.
O tremor foi registrado pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) às 23h32 (11h32 em Brasília) e com epicentro a 98 km de Sendai e 144 km de Fukushima, as regiões mais atingidas pelo devastador terremoto e posterior tsunami do último dia 11.
O instituto americano afirma ainda que o tremor, que seria uma réplica do sismo de magnitude 9,0 de 11 de março, ocorreu a uma profundidade de 40 km.
A CNN exibiu imagens registradas durante o tremor, com prédios chacoalhando por cerca de um minuto na capital Tóquio, a 345 km do epicentro.
Ainda não há relatos de danos ou vítimas.
Em 11 de março, o pior terremoto da história do Japão causou um tsunami que devastou a costa nordeste do país, principalmente na região de Fukushima, Sendai e Miyagi.
Ao menos 12.600 pessoas morreram e outras 14.700 estão desaparecidas desde o terremoto de março, segundo o balanço mais recente da Polícia Nacional japonesa. Outras 250 mil pessoas estão desabrigados.
O terremoto danificou ainda a usina nuclear de Fukushima Daiichi, causando uma crise nuclear que afetou até a produção de alimentos no país.
A operadora Tokyo Electric Power Co. (Tepco) afirmou que até às 23h50 (11h50 em Brasília) não houve nenhuma "anormalidade" na usina diante do tremor desta quinta-feira, segundo a agência de notícias Kyodo.
Um porta-voz da empresa afirmou aos jornalistas que nenhum trabalhador ficou ferido e que não houve problemas no fornecimento de energia elétrica aos reatores. Ele afirmou ainda que o trabalho de jogar água nos reatores 1, 2 e 3, para conter o superaquecimento, também não foi interrompido.
A empresa ordenou a retirada imediata de todos os trabalhadores da usina. "Depois do terremoto e do alerta de tsunami, todos os trabalhadores foram evacuados para uma área segura. A companhia confirma que todos os trabalhadores deixaram a usina em segurança", indicou um porta-voz da Tepco.

FOLHA.

‘Ele matou minha amiga’, diz aluna que sobreviveu a ataque em escola

Wellington Menezes de Oliveira, homem que atirou contra 
escola municipal Tasso de Oliveira, em Realengo (Foto: Reprodução/TV 
Globo)

Menina, de 12 anos, estava dentro da sala de aula, na Zona Oeste do Rio.
Em carta, atirador teria dito que era portador o vírus HIV.


Wellington Menezes de Oliveira, homem que atirou
contra escola municipal Tasso de Oliveira,
em Realengo (Foto: Reprodução/TV Globo)
Uma das alunas da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira (7), lembra os momentos de terror na unidade. Aos 12 anos, ela viu o atirador entrar na escola e estava dentro da sala de aula quando ele abriu fogo contra os alunos.
“Ele começou a atirar. Eu me agachei e, quando vi, minha amiga estava atingida. Ele matou minha amiga dentro da minha sala”, conta ela, que afirma que estava no pátio na hora em que Welligton Menezes de Oliveira entrou na escola.
“Ele estava bem vestido. Subiu para o segundo andar e eu ouvi dois tiros. Depois, todos os alunos subiram para suas salas. Depois ele subiu para o terceiro andar, onde é a minha sala, entrou e começou a atirar”, completou.

G1

Dilma chora e pede um minuto de silêncio por crianças assassinadas Presidente disse 'repudiar' violência no Rio de Janeiro. Pelo menos 11 pessoas morreram em massacre em escola.

A presidente Dilma durante cerimônia no Planalto (Foto: 
Reprodução / TV Globo)A presidente Dilma durante cerimônia nesta quinta
no Planalto (Foto: Reprodução / TV Globo)
A presidente Dilma Rousseff pediu, emocionada, nesta quinta-feira (7), um minuto de silêncio em homenagem às crianças mortas em massacre no Rio de Janeiro, quando um atirador matou pelo menos 11 pessoas em uma escola.
Durante cerimônia em comemoração da formalização de 1 milhão de empreendedores individuais, a presidente afirmou "repudiar" o ato de violência "contra crianças indefesas".
Ela chegou a chorar e embargar a voz ao pedir aos presentes "um minuto de silêncio aos brasileirinhos".
"“Hoje, temos também que lamentar o fato que aconteceu em Realengo com crianças indefesas. Não era característica do país ocorrer este tipo de crime. Por isso, considero que todos aqui, homens e mulheres, estamos unidos no repúdio àquele ato de violência, no repúdio a esse tipo de violência sobretudo a crianças indefesas”, afirmou.
Por causa da tragédia no Rio, Dilma não chegou a discursar sobre a marca alcançada de formalização de trabalhadores.


FONTE  G1

PROFESSIAS

PROFESSIAS  SE CUMPREM NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.




Todos fatos ocorridos no Estado do Rio de Janeiro , em relação as catástrofes e mortes , foram e estão sendo anunciadas por verdadeiros profetas de Deus .
Em quanto esses governantes estiverem brincado , Deus estará permitindo que esses fatos ocorram , pois não podemos ficar brincando com Deus.
Povo de Deus , vamos nos unir em oração a favor das familias que tiveram seus filhos mortos nessa onda de violência imposta pelo diabo

BISPO ROBERTO TORRECILHAS

Grupo organiza na Web ato de apoio a Bolsonaro na Paulista


Na contramaré dos manifestos que se espalham pela web em repúdio às declarações dadas pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) no programa "CQC", da Band, um grupo de internautas articula, via Orkut, ato de apoio ao parlamentar. Eles pretendem se reunir no vão do Masp, na Avenida Paulista, no próximo sábado, conforme mensagens divulgadas na comunidade da rede social, intitulada "Sou fã do Dep. Jair Bolsonaro", que conta com mais de 4 mil membros.
- Já está na hora de a gente fazer uma união de verdade... Uma união de brasileiros dignos, de batalhadores e cidadãos honestos! Já está mais do que na hora de a gente fazer uma oposição de verdade ao petismo e toda essa libertinagem que os "direitos humanos" vem impondo para nós e nossas famílias, como Kit gay, Aborto e tentativas de tirar os direitos dos Pais em educar os seus filhos e etc!!! - conclama um dos integrantes:
A mensagem prossegue:
- Vamos dar o nosso apoio ao único Deputado que bate de frente com esses libertinos e comunistas!!! Será um manifesto cívico, portanto, levem a família, esposas, filhos e amigos... Levem cartazes, apitos e fiquem tranqüilos que teremos um pessoal para nos dar proteção no caso de qualquer elemento surpresa.
A comunidade é relacionada com outra, também criada em defesa ao deputado, chamada "Jair Bolsonaro para presidente" - com 2643 membros -, dedicada "a todos aqueles que gostariam de ver o Dep. Jair Bolsonaro na Presidência da República".
- Bolsonaro é nossa esperança de viver em um país sério e respeitador dos bons e velhos preceitos morais e éticos. Persista na luta Bolsonaro, acompanhos suas batalhas no Congresso e muito nos orgulhamos do trabalho que tem feito - diz a apresentação.
A exemplo da outra comunidade, esta também convoca os integrantes para o ato de apoio ao deputado na Avenida Paulista e incentiva a divulgação do manifesto pelos internautas.
A comunidade divulga ainda uma petição, escrita em português e em inglês, pedindo apoio para evitar uma possível cassação de Jair Bolsonaro. Ela tinha quase 1500 adesões.
Em outro abaixo-assinado, endereçado ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, os internautas argumentavam que o deputado seria vítima de "perseguição política como uma forma de autopromoção de parlamentares oportunistas".
- Por conta dos seguidos incidentes, nos quais interpretamos a cassação do mandato do parlamentar algo inconstitucional e contrário ao desejo das mais de cem mil pessoas que confiaram seu voto ao candidato nas últimas eleições - diz a petição, com 230 assinaturas.


Terra.

Os Oito Sinais do Fim - Mortes e violência , nações em guerra etc

“O fim está próximo”? Acredite ou não, de acordo com a Bíblia, sim, haverá um fim ! Jesus Cristo predisse: “E este evangelho [Boas Novas] do reino será pregado em todo o mundo como um testemunho à todas as nações, e então virá o fim” (Mateus 24:14, grifos nossos).

Existem “sinais” legítimos e observáveis deste final se aproximando? Mais uma vez, a resposta é sim. Enquanto muitos supostos “sinais” aparecem diariamente nas capas dos tablóides sensacionalistas de todo o mundo, aqui estão listados oito importantes e verdadeiros sinais bíblicos:



1. Grandes terremotos: Jesus Cristo predisse: “E haverão grandes terremotos em vários lugares…” (Lucas 21:11). Tais terremotos resultarão na perda de muitas vidas, e constituem um dos sinais da proximidade do dia do Senhor. Jesus Continuou “Quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima” (Lucas 21:28).

……………………………………………………………………………………………………….



2. Violência fora de controle: Novamente, Jesus predisse, “Como foi nos dias de Noé, assim também será antes da vinda do filho do homem” (Mateus 24:37). Como foi nos dias de Noé? Eis a resposta: “A terra estava corrompida diante de Deus, e cheia de violência” (Gênesis 6:11). “E Deus disse a Noé: o fim de toda carne é chegado perante mim; porque a terra está cheia de violência dos homens, e eis que os destruirei juntamente com a terra” (Gênesis 6:13). Assim, a “violência” era excessiva nos dias de Noé, como também o é em nossos dias.

……………………………………………………………………………………………………….



3. Sexo fora de controle: Novamente, Jesus predisse, “Do mesmo modo como foi nos dias de Ló … assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar” (Lucas 17:28, 30). Como foi nos dias de Ló, antes de Deus destruir Sodoma e Gomorra? “De modo semelhante a estes, Sodoma e Gomorra e as cidades em redor se entregaram à imoralidade e a relações sexuais antinaturais. Estando sob o castigo do fogo eterno, elas servem de exemplo” Assim, a “imoralidade”, “fornicação” em outras traduções (sexo fora do casamento), e “relações sexuais antinaturais” (a homossexualidade), foram os principais pecados dessas antigas cidades. Em nossos dias através da televisão, revistas de nudez, prostituição, pornografia na Internet, etc, o nosso mundo está passando por um dilúvio sem precedentes de perversão sexual.

……………………………………………………………………………………………………….



4. Crise Ambiental Global: A Bíblia revela que quando Deus finalmente descortinar a história humana, Ele vai, finalmente, “destruir os que destroem a terra” (Apocalipse 11:18). Em outras palavras, antes do fim, a humanidade estará destruindo o próprio planeta em que vive. Isto implica em uma crise ambiental global resultante do crescimento das mega-cidades, do desmatamento, de uma camada de ozônio em extinção devido aos poluentes nocivos liberados pelo homem na terra.

……………………………………………………………………………………………………….



5. Aumento do Stress, confusão e Doenças do Coração: Novamente, Jesus advertiu: ‘Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na Terra as nações ficarão angustiadas e perplexas pelo bramido do mar e das ondas. Homens desmaiarão de terror, na expectativa das coisas que sobrevirão ao mundo, pois os corpos celestes serão abalados”. (Lucas 21:25-26). As pessoas estão estressadas, por toda parte reina a confusão, e a causa número um de morte é a doença de coração. O Mestre viu isso acontecer e previu aflição e perplexidades globais, e “homens desmaiarão de terror”. O medo também eleva o colesterol no sangue.

……………………………………………………………………………………………………….



6. Aumento do Conhecimento: O livro profético de Daniel declara: “Mas tu Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até o fim do tempo. Muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará” (Daniel 12:4). Esta passagem revela que o planeta Terra vai finalmente entrar no seu “tempo do fim”. Ao mesmo tempo, o “conhecimento se Multiplicará”. Na nossa era moderna – mais do que em qualquer outro período na história, o conhecimento tem aumentado além das gerações passadas.

……………………………………………………………………………………………………….



7. Falsos Ensinos e Confusão Religiosa Global: Paulo previu: “Virá o tempo” quando a maioria “desviarão os ouvidos da verdade e se voltarão às fábulas” (2 Timóteo 4:4). O último livro de Deus – o Apocalipse – prevê a ascensão de um sistema religioso global e conglomerado chamado de “Babilônia”, que literalmente significa “confusão”. A mensagem do fim dos tempos proclama: “Caiu, caiu a grande Babilônia, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição”. Esta misteriosa profecia altamente simbólica revela que “todas as nações” irão embriagar-se com o vinho da Babilônia” (Apocalipse 14:8). Esse “vinho” são os falsos ensinamentos das religiões enganosas que levam as pessoas para longe da simplicidade das puras doutrinas do evangelho de Jesus Cristo.

……………………………………………………………………………………………………….



8. A Pregação Global do Evangelho: “E este evangelho [a Boa Nova da salvação através de Jesus Cristo] será pregado em todo o mundo como um testemunho à todas as nações, e então virá o fim” (Mateus 24:14). Com o auxílio do rádio, televisão, Internet e redes de satélites, a mensagem de salvação de Deus através da morte de Jesus Cristo na cruz está agora se espalhando por todo o planeta Terra. Assim, no meio das más notícias, há boas notícias! Temos um Salvador que nos ama, deu a Sua vida por nós, ressuscitou dos mortos por nós, e voltará um dia para nos levar para casa (ver João 14:1-3).

Estejamos Preparados !

Artigo de Steve Wohlberg

“Vi um cenário de chacina”, disse bombeiro que socorreu crianças baleadas em escola

Bombeiro Ronnie de Macedo, um dos primeiros a socorrer as vítimas de chacina, pegou criança baleada na cabeça no colo / Foto: EXTRA / Ana Carolina Torres
Ana Carolina Torres

O bombeiro Ronnie de Macedo, de 22 anos, que foi uma das primeiras pessoas a chegar à Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, disse que encontrou um cenário de chacina no local do tiroteio, na manhã desta quinta-feira. Segundo ele, o assassino, que ainda não foi identificado, começou a atirar nas crianças antes mesmo de entrar na escola, na Rua Pirajara.
Em seguida, entrou na escola e seguiu atirando nos alunos. Ele só teria parado de atirar após a chegada da polícia. O homem morreu na troca de tiros com os policiais que chegaram ao local para atender a ocorrência. O bombeiro disse que pegou um menino no colo, que foi atingido na cabeça, e o levou a uma viatura do Corpo de Bombeiros.
Moradores da região contam que os tiros começaram por volta das 8h30m. Segundo testemunhas, depois dos tiros, muitas crianças correram para sair da escola. O local do tiroteio está isolado. Neste momento, a polícia se prepara para retirar o corpo do assassino. O prefeito Eduardo Paes acaba de chegar ao local.



Fonte :  http://extra.globo.com/casos-de-policia/vi-um-cenario-de-chacina-disse-bombeiro-que-socorreu-criancas-baleadas-em-escola-1524356.html

FINAIS DOS TEMPOS - O CRESCIMENTO DA VIOLÊNCIA - 13 MORTOS E 22 FERINDO NA INVASÃO E ATAQUE CONTRA ALUNOS EM ESCOLA NO RIO DE JANEIRO

O secretário de Saúde do Rio, Sérgio Côrtes, confirmou que 13 pessoas foram mortas na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, no Rio, na manhã desta quinta-feira. De acordo com informações da polícia, o atirador está entre os mortos. Há 22 crianças e funcionários feridos, oito deles em estado grave.
O atirador foi identificado como Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos. Ainda segundo a Polícia Militar, Wellington era ex-aluno da escola.

13 MORTOS EM ATAQUE CONTRA ESCOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Rio - Treze pessoas morreram na manhã de hoje em uma escola em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro, após um homem efetuar diversos disparos dentro do prédio. Conforme o Corpo de Bombeiros, os mortos são alunos e funcionários da Escola Municipal Tasso da Silveira. O episódio ainda deixou sete feridos.
As vítimas estão sendo socorridas por helicóptero e levadas ao Hospital Estadual Albert Schweitzer, próximo ao local da tragédia. Segundo a polícia, o suspeito invadiu a escola e só parou de atirar quando agentes da Polícia Militar (PM) chegaram ao local. Não há confirmação sobre o paradeiro dele nem o motivo dos crimes.

BARBARIE NO RIO DE JANEIRO - Secretário de Saúde do Rio confirma 13 mortes em tiroteio em escola Ex-aluno invadiu prédio na manhã desta quinta-feira. Ataque deixou mais de 22 feridos e atirador foi morto.

O secretário de Saúde do Rio, Sérgio Côrtes, confirmou que 13 pessoas morreram no ataque a Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira (7). Segundo a polícia, o atirador está incluído no total de mortos. Ao todo, já são 22 pessoas feridas.
O atirador foi identificado pela polícia como Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos. Segundo a Polícia Militar, ele era ex-aluno da escola.

Presenciou o caso? Envie fotos e vídeos ao VC no G1

Atirador deixou carta
De acordo com o coronel da polícia Djalma Beltrami, Wellington deixou uma carta, segundo ele, com inscrições complicadas, no local. “Ele tinha a determinação de se suicidar depois da tragédia”, contou Beltrami. A carta foi entregue a agentes da Divisão de Homicídios.
Conhecido na escola por ser ex-aluno, ele teria entrado sob alegação de que iria fazer uma palestra. Segundo a polícia ele usou dois revólveres, que chegou a recarregar várias vezes.
Segundo a polícia,  uma equipe da Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV) passava próximo ao local e foi à escola depois de ver crianças correndo pela rua.
Funcionária viu crianças feridas“O cara entrou, foi para o terceiro andar e começou a atirar. As crianças disseram que foi pai de aluno. Vimos muitas crianças carregadas, desacordadas, baleadas”, disse uma funcionária da escola, que preferiu não se identificar.
“Começamos a ouvir tiros. Com o eco, parecia que uma coisa estava desabando. Todo mundo correu. Depois, a professora chegou dizendo que o cara chegou atirando em uma sala. Foi um desespero”, afirmou ela.
Secretária de educação volta dos EUA
A subsecretária municipal de Educação do Rio, Helena Bomeny, está a caminho do local. No Twitter, a secretária municipal da Educação do Rio de Janeiro, Claudia Costin, afirmou: “Estou pegando o primeiro avião de volta. Desmarquei a palestra de hoje e não vou ver minha neta.” Segundo o twitter da secretaria, ela está em Washington, nos Estados Unidos.


FONTE :   G1

Brasil , um pais de todos , Será ?

Eu sou a favor de um Brasil justo , que lute pelos seus filhos abandonados , crianças sem escola e nem educação , pelos famintos , pelos descamisados etc.
Mas sou contra a barbarie que esses governos sem carater fazem , pois gastam milhões defendendo safadezas em vez de investir no que realmente seria o certo.

De comida ao pobre .
De escola a nossas crianças .
De hospital aos doentes .
De casa aos desabrigados.

Mas parem de gastar o dinheiro do contribuinte em projetos tais como o da homofobia .
Pois cada um faça da sua vida o que bem entender , mas gastar dinheiro do contribuinte para fazer lavagem cerebral já é demais da conta.

um basta contra essas barbaries que esses governos fazem.
Devemos unir nossas forças e lutar por um Brasil Justo .

O caso Bolsonaro e a injusta estupidez


OAB entra com ação contra Jair Bolsonaro pelos “crimes” de racismo e homofobia


O Dep. Jair Bolsonaro está sofrendo todos os tipos de acusação, pois ao participar de um programa de baixaria na televisão, ele deu uma resposta desatenta a uma pergunta de Preta Gil.
Por sua desatenção, a OAB está entrando com uma ação contra ele pelos “crimes” de racismo e homofobia, de acordo com reportagem da revista Época. Ao classificar as opiniões pessoais de Bolsonaro como “crime” de homofobia, a OAB mostrou seu analfabetismo legal e constitucional e, portanto, despreparo para agir na base da justiça.
Como esperar justiça de uma associação de advogados que não sabe ler a Constituição?
Senhores da OAB, qualquer brasileiro semiconsciente e semialfabetizado sabe que não existe lei de “homofobia” no Brasil. E se existisse, deveria punir opiniões também? E a liberdade de expressão, onde é que fica?
Provavelmente, nem se deram ao trabalho de consultar a Constituição. Assistiram aos programas populares de TV e daí tiraram suas interpretações.
Em 2007, a Rede Globo me convidou para participar de um “debate” sobre casamento gay no programa do Serginho Groisman. Recusei o convite, plenamente consciente de que é ridículo participar de um programa onde uns dez ativistas gays têm total liberdade de confrontar você, com a total cobertura do apresentador, enquanto que se você cometer um simples deslize, o linchamento é certo.
O que acontece quando uma criatura do movimento homossexual comete um “deslize”?
* O “deslize” de Luiz Mott, o rei do movimento gay no Brasil, foi defender a pedofilia. A OAB e os noticiários de TV nunca se incomodaram. Ele continua livre e solto.
* O “deslize” de Denílson Lopes, professor universitário e homossexual assumido, foi defender a pedofilia em seu artigo “Amando Garotos: Pedofilia e a Intolerância Contemporânea”. A OAB e os noticiários de TV nunca se incomodaram. Ele continua livre e solto.
* O “deslize” do “filósofo” Paulo Ghiraldelli Jr. foi defender a pedofilia homossexual em seu artigo “Amor e sexo entre pequenos e grandes”. A OAB e os noticiários de TV nunca se incomodaram. Ele continua livre e solto.
* O “deslize” de Isaías Medeiros, blogueiro progressista e homossexual assumido, foi defender a pedofilia em dois artigos denunciados por mim. A OAB e os noticiários de TV nunca se incomodaram. Ele continua livre e solto.
O que Bolsonaro fez que esteja minimamente à altura das “proezas” desses defensores da pedofilia?



O que ele fez foi denunciar publicamente o kit gay, um atentado homossexual contra a inocência das crianças (veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=lCsBc0tm6lc). O que o movimento gay exige é doutrinar os filhos dos outros no vício homossexual. Diante dessa afronta e crime contra seus filhos, qualquer pai normal quereria trucidar o criminoso autor do atentado. Qualquer pai normal faria muito mais do que hacker as páginas de internet de grupos homossexuais.
Apesar da descarada defesa homossexual à pedofilia, a OAB, o MPF e outros órgãos do governo não estão atrás de Luiz Mott, Denílson Lopes, Isaías Medeiros e Paulo Ghiraldelli. Estão atrás de Bolsonaro. Aliás, enquanto a mídia toda está distraindo a população no caso Bolsonaro, o governo está aproveitando para agilizar a distribuição do infame kit gay.
Posso não concordar com todas as ideias de Bolsonaro, mas se ele cometeu algum “crime”, os defensores da pedofilia e kit gay cometeram o quê então?
Kit gay
Acordem: há razões muito mais graves para se colocar na cadeia a OAB, por analfabetismo constitucional e por não entrar com ações contra defensores da pedofilia; Luiz Mott, Denílson Lopes, Isaías Medeiros e Paulo Ghiraldelli, por defesa à pedofilia; e Toni Reis, por promover o atentado imoral contra as crianças brasileiras mediante o kit gay.
Faça-se justiça, e rápido!

CUIDADO COM OS FALSOS PASTORES QUE ESTÃO A SOLTA PARA ENGANAR , ROUBAR , MATAR

Conheça as 46 Diferenças Básicas entre Pastores e Lobos
Pastores e lobos têm algo em comum: ambos se interessam e gostam de ovelhas, e vivem perto delas. Assim, muitas vezes, pastores e lobos nos deixam confusos para saber quem é quem. Isso porque lobos desenvolveram uma astuta técnica de se disfarçar em ovelhas interessadas no cuidado de outras ovelhas. Parecem ovelhas, mas são lobos.
No entanto, não é difícil distinguir entre pastores e lobos. Urge a cada um de nós exercitar o discernimento para descobrir quem é quem.
  1. Pastores buscam o bem das ovelhas, lobos buscam os bens das ovelhas.
  2. Pastores gostam de convívio, lobos gostam de reuniões.
  3. Pastores vivem à sombra da cruz, lobos vivem à sombra de holofotes.
  4. Pastores choram pelas suas ovelhas, lobos fazem suas ovelhas chorar.
  5. Pastores têm autoridade espiritual, lobos são autoritários e dominadores.
  6. Pastores têm esposas, lobos têm coadjuvantes.
  7. Pastores têm fraquezas, lobos são poderosos.
  8. Pastores olham nos olhos, lobos contam cabeças.
  9. Pastores apaziguam as ovelhas, lobos intrigam as ovelhas.
  10. Pastores têm senso de humor, lobos se levam a sério.
  11. Pastores são ensináveis, lobos são donos da verdade.
  12. Pastores têm amigos, lobos têm admiradores.
  13. Pastores se extasiam com o mistério, lobos aplicam técnicas religiosas.
  14. Pastores vivem o que pregam, lobos pregam o que não vivem.
  15. Pastores vivem de salários, lobos enriquecem.
  16. Pastores ensinam com a vida, lobos pretendem ensinar com discursos.
  17. Pastores sabem orar no secreto, lobos só oram em público.
  18. Pastores vivem para suas ovelhas, lobos se abastecem das ovelhas.
  19. Pastores são pessoas humanas reais, lobos são personagens religiosos caricatos.
  20. Pastores vão para o púlpito, lobos vão para o palco.
  21. Pastores são apascentadores, lobos são marqueteiros.
  22. Pastores são servos humildes, lobos são chefes orgulhosos.
  23. Pastores se interessam pelo crescimento das ovelhas, lobos se interessam pelo crescimento das ofertas.
  24. Pastores apontam para Cristo, lobos apontam para si mesmos e para a instituição.
  25. Pastores são usados por Deus, lobos usam as ovelhas em nome de Deus.
  26. Pastores falam da vida cotidiana, lobos discutem o sexo dos anjos.
  27. Pastores se deixam conhecer, lobos se distanciam e ninguém chega perto.
  28. Pastores sujam os pés nas estradas, lobos vivem em palácios e templos.
  29. Pastores alimentam as ovelhas, lobos se alimentam das ovelhas.
  30. Pastores buscam a discrição, lobos se autopromovem.
  31. Pastores conhecem, vivem e pregam a graça, lobos vivem sem a lei e pregam a lei.
  32. Pastores usam as Escrituras como texto, lobos usam as Escrituras como pretexto.
  33. Pastores se comprometem com o projeto do Reino, lobos têm projetos pessoais.
  34. Pastores vivem uma fé encarnada, lobos vivem uma fé espiritualizada.
  35. Pastores ajudam as ovelhas a se tornarem adultas, lobos perpetuam a infantilização das ovelhas.
  36. Pastores lidam com a complexidade da vida sem respostas prontas, lobos lidam com técnicas pragmáticas com jargão religioso.
  37. Pastores confessam seus pecados, lobos expõem o pecado dos outros.
  38. Pastores pregam o Evangelho, lobos fazem propaganda do Evangelho.
  39. Pastores são simples e comuns, lobos são vaidosos e especiais.
  40. Pastores tem dons e talentos, lobos tem cargos e títulos.
  41. Pastores são transparentes, lobos têm agendas secretas.
  42. Pastores dirigem igrejas-comunidades, lobos dirigem igrejas-empresas.
  43. Pastores pastoreiam as ovelhas, lobos seduzem as ovelhas.
  44. Pastores trabalham em equipe, lobos são prima-donas.
  45. Pastores ajudam as ovelhas a seguir livremente a Cristo, lobos geram ovelhas dependentes e seguidoras deles.
  46. Pastores constroem vínculos de interdependência, lobos aprisionam em vínculos de co-dependência.
Os lobos estão entre nós e é oportuno lembrar-nos do aviso de Jesus Cristo: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores” (Mateus 7:15).

Após matar filhos, acusada se diz possuída


http://www.alagoas24horas.com.br/legba/admin/temp/Thumbs/4/6/%7B467c34c1-caa6-47df-8981-99275c30a645%7D_dsc_0015_500x390x0.jpghttp://www.alagoas24horas.com.br/legba/admin/temp/Thumbs/3/6/%7B3693ddd3-7684-4307-84dd-142a44520404%7D_dsc_0016_500x385x0.jpgMomentos após matar dois dos três filhos, Anthony Pedro Santos Nobre, 7, e Abelardo Pedro Nobre Neto, 11, Arlene Régis dos Santos, de 35 anos, disse que teria ‘incorporado’ uma entidade. A manifestação ocorreu no começo da manhã desta terça-feira, na cela da Delegacia de Plantão II, no Salvador Lyra, e obrigou o delegado Antonio Carlos Lessa a acionar uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para sedá-la.
A dona-de-casa, que durante mais de dez anos teria participado de ritos do candomblé, de acordo com familiares, teria deixado a religião e entrado para uma igreja evangélica. Durante sua suposta ‘incorporação’, a entidade teria dito que veio buscar ‘as coisas que ela (Arlene) mais amava'. A manifestação foi acompanhada pelo delegado e policiais, que precisaram conter Arlene.

Ainda no local do crime, enquanto familiares e vizinhos acompanhavam o trabalho dos policiais e a remoção do corpo das crianças, o sogro da acusada falou com a reportagem do Alagoas24horas. Segundo Abelardo Pedro, Arlene tinha um comportamento bastante controvertido, inclusive destruindo e se desfazendo dos objetos pessoais da família.
O sogro afirma que viajou por diversas vezes a Caruaru, onde comprava confecções para que a nora revendesse em Maceió e ela sempre se desfazia da mercadoria. O casal, segundo o sogro, estaria mais uma vez separado. Nas separações anteriores, o filho teria voltado depois que Arlene teria ameaçado matá-lo e posteriormente se matar.
Indagados sobre o comportamento de Arlene com as crianças, vizinhos afirmaram que a acusada teria uma ligação muito forte, sobretudo, com o caçula, que foi morto por asfixia.
Na cena do crime, os policiais encontraram velas acesas em meio a fotografias das crianças, comida espalhada pela residência, além de uma grande bagunça.
Já no Instituto Médico Legal Estácio de Lima, para onde foi levada para fazer exame de corpo de delito, Arlene Régis - bastante transtornada - negou que estivesse separada do marido e afirmou ter dado um calmante para as crianças dentro do suco. A acusada deverá ser encaminhada, agora, para o Presídio Feminino Santa Luzia, onde permanecerá por alguns dias na triagem.

Alagoas 24 Horas/Notícias Cristãs

Assessor da presidência critica Igreja Católica


O ex-deputado sandinista e assessor do presidente da República, Bayardo Arce Castaño, lançou duras críticas à igreja Católica em programa de TV no canal 12, na terça-feira.
"Supõe-se que a igreja deveria ser imparcial, mas usa a batina querendo manipular a população em temas políticos. Isso a vem debilitando. Por um lado, a politização e, pelo outro, toda a pederastia em que têm estado metidos", comentou Arce. Ele agregou: "Apoio aos evangélicos porque os considero transparentes, casam-se, têm famílias e é um setor que cresce rápido."
Castaño afirmou que apóia as obras sociais de muitos sacerdotes católicos, "mas não posso entregar recursos para a política. A Igreja Católica ataca, gratuitamente, o governo. Desgraçadamente, na Igreja Católica há muita gente politizada e comprometida com partidos, como é o caso do Partido Liberal Constitucionalista”.
Arce disse que o presidente Ortega é um católico praticante que conduz, diretamente, a política com a Igreja Católica. Um dos maiores críticos ao governo Ortega é o bispo Abelardo Matta. Ele assinalou, reportando-se à recente marcha de oposição contra a administração federal, que a polícia cai em descrédito porque só obedece ordens do governo. “O
povo tem o direito de manifestar-se e ganhar espaço nas ruas pela democracia.”
O deputado sandinista José Figueroa frisou que os protestos das organizações civis e dos partidos da oposição, que se manifestaram no dia 2 de abril, violaram as leis constitucionais quando militantes agrediram 18 polícias.

Notícias Cristãs com informações da ALC

Filhote de pit bull encontrado queimado em Jaguariúna (SP) é disputado para adoção

  • Filhote de pit bull, no colo do veterinário 
Danilo Testa, ganhou nome de Burne após ser queimadoFilhote de pit bull, no colo do veterinário Danilo Testa, ganhou nome de Burne após ser queimado
Um filhote de pit bull, que foi encontrado com o corpo todo queimado em um matagal perto de uma linha férrea em Jaguariúna (a 113 km de São Paulo), está sendo disputado por interessados em adotá-lo. A suspeita é de que o cão tenha sido queimado com óleo quente. Ele recebeu o nome de Burne pela equipe veterinária que está realizando os tratamentos.
Burne foi encontrado no dia 28 de fevereiro por dois funcionários da prefeitura que carregavam pedras perto da linha férrea. O cão não conseguia abrir os olhos e quase não se mexia. Os dois funcionários decidiram levar Burne para a clínica do veterinário Danilo Testa. De acordo com ele, o cachorro chegou ao local praticamente em estado de choque, desnutrido e desidratado.
O irmão do veterinário decidiu, então, demonstrar a sua indignação com a crueldade contra o animal postando fotos no Facebook e um vídeo no YouTube, que recebeu cerca de dez mil acessos num só dia. Testa afirma que o futuro do animal ainda é incerto.
Após a divulgação, Burne está sendo disputado por interessados na adoção. Há até gente do exterior querendo levar o cachorro para casa. Mas, por enquanto, os dois funcionários que encontraram o animal terão prioridade. Burne também pode virar mascote da clínica.
De acordo com o veterinário, o tratamento do animal foi complicado no começo porque o cachorro chorava muito quando era necessário manipular as feridas. Quase um mês depois, Burne já consegue se alimentar e passa o dia brincando com uma poodle que também vive na clínica.
Na próxima semana, o cão passará por uma cirurgia plástica reparadora para a reconstituição das pálpebras. O objetivo é uma correção fisiológica para a lubrificação dos olhos. Atualmente está sendo necessário o uso de colírio. A cirurgia deve demorar cerca de 50 minutos e deve ser utilizada pele do dorso para o enxerto. A chance de sucesso é de 95%.

UOL.

POVO CRISTÃO DE SÃO PAULO - NÃO VOTEM EM CANDIDATOS QUE SÃO CONTRA A BÍBLIA SAGRADA - SÃO LOBOS EM PELE DE CORDEIRO

Temos visto que muitos políticos são verdadeiros aproveitadores e usam de meios para atingirem seus objectivos.
Muitos Políticos , que passam anos sem sequer estar em nenhuma igreja , mas quando chega perto das eleições , tomam uma bíblia nas mãos , visitam igrejas , fazem suas orações , mas somente para aparecerem em frente as filmadoras e flasches de maquinas fotográficas.
Fico indignado como temos em nosso meio pessoas que são enganadas tão facilmente.
Pessoas que sabem que o carater desses tipos de politico não valem nada , mas votam neles , e depois ficam reclamando .
Oras , se sabemos que não prestam , porque votar nesse tipo de bandido de colarinho branco , que somente querem se aproveitar da boa indole do povo Brasileiro?
Povo do Brasil , ano que vem teremos eleições , e que em nome do Senhor Jesus todos nós venhamos aprender a votar , e votar em pessoas que nos representem de verdade , baseadas  em princípios bíblicos , morais e éticos.

Deus os abençoe em nome de Jesus.

Bispo Roberto Torrecilhas

Abuso sexual: Há cura para o corpo, alma e mente


Abuso 
sexual: Há cura para o corpo, alma e mente 36% das meninas e 29% dos meninos com menos de 14 anos já foram molestados sexualmente pelo menos uma vez
Não saia dessa página ainda! Você precisa ler sobre isto. Neste exato momento milhares de crianças e adolescentes ao redor do mundo têm a sua sexualidade agredida, muitos sem consciência disso. Outros tantos não vivenciam mais esse pesadelo, porém as consequências do passado ainda os perseguem. Eles podem estar ao seu lado. Ser um amigo próximo. Ou até mesmo ser alguns de vocês que lêem essas linhas. A maioria sofre silenciosamente e nunca fala sobre o que aconteceu devido aos sentimentos de medo, vergonha e até culpa (sem fundamento). Infelizmente, o assunto não respeita idade, posição social, religião nem parentesco. Pelo contrário. Ele não é abordado com frequência, entretanto, as ocorrências são constantes em todas as camadas da sociedade e, segundo estatísticas, esses casos estão muito mais perto do que você imagina. Estamos falando sobre um tema “evitado”, cujo silêncio só favorece aos que o praticam: Abuso sexual.

Estudos mostrados pela jornalista Carla Leirner em seu livro sobre o assunto indicam que 36% das meninas e 29% dos meninos com menos de 14 anos já foram molestados sexualmente pelo menos uma vez. Esses dados, que foram coletados em diferentes partes do mundo, também evidenciam que o tempo médio que uma vítima sofre o abuso é cerca de três anos. Segundo a Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência (Abrapia), no Brasil, aproximadamente 168 crianças ou adolescentes sofrem abuso sexual por dia. Isso significa, em outras palavras, que a cada hora, sete são abusados.

“É importante deixar claro que o número de vítimas é superior às estatísticas, porque muitos casos são encaminhados diretamente às autoridades e outros tantos não são denunciados”, diz a sexóloga Selma Regina Marques, que também é orientadora educacional e psicanalista.

Os disfarces da agressão

É considerado abuso sexual qualquer situação em que a criança ou adolescente é usado por outro para se satisfazer sexualmente. O que muitos não sabem é que isso pode acontecer até mesmo sem houver contato físico, como foi o caso da Mariana (nome fictício), 12 anos. Ela acordou no meio da noite e viu seu próprio pai se masturbando ao observá-la dormindo.

De acordo com o Guia escolar: métodos para identificação de sinais de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes (Secretaria Especial dos Direitos Humanos/MEC), nessas situações, que totalizam cerca de 70% dos casos, inicialmente o agressor se satisfaz ao ver a criança tomar banho, ao observá-la se despir, ao mostrá-la seu órgão genital, imagens pornográficas em revistas e vídeos ou simplesmente sentá-la no seu colo. Isso tudo é abuso sexual e deve ser denunciado!

Quem são eles?

Oitenta por cento dos casos o abuso sexual são praticados por familiares ou por amigos da família, alguém que tem liberdade de ficar com a criança ou adolescente sem levantar suspeitas. Aparentemente uma pessoa normal, o abusador tende a dissimular suas intenções sexuais, demonstrando muito afeto, “bondade”, sendo solícito, comprando presentes e distribuindo agrados. Para conseguir o que quer sem ser descoberto, usa de astúcia, chantagem, manipulação, ameaças, terror psicológico, etc. Trata-se da violência emocional e não física. Por isso, ele pode levar anos ou até mesmo nunca ser desmascarado, explica a sexóloga Selma Regina.

Diante da Lei

Caso a vítima seja menor de 14 anos, mesmo sem evidências físicas, o acusado pode ser enquadrado no crime de atentado violento ao pudor e receber pena de seis a dez anos de cadeia. Dos 14 aos 18 anos, é necessário haver provas físicas de que o abuso ocorreu e o acusado será julgado por estupro, já que não existe uma legislação específica que proteja os jovens do abuso sexual sem evidências concretas.

Feridas abertas

Muitos que vivenciaram o problema e não trataram o trauma podem enfrentar dificuldades como insônia ou sono agitado, constante lembrança do trauma, apatia, depressão, culpa, baixa auto-estima, insegurança, mágoa (não só do abusador, como também daqueles ao seu redor que acredita não terem lhe protegido, inclusive, mágoa de Deus), dificuldade de acreditar que Cristo o ama, resistência a relacionamentos mais próximos, desconfiança nas pessoas, postura rigorosa consigo e com o próximo, dificuldades sexuais, etc.

A caminho da cura

É muito raro que a criança consiga escapar do abusador ou denunciá-lo a um adulto que leve o caso adiante e possa protegê-la de novos ataques. Por isso, o trauma se torna mais difícil de ser comentado no decorrer da adolescência e fase adulta. Porém, falar com alguém sobre o assunto é o primeiro passo para a cura.

Ana Paula, por exemplo, aos 7 anos de idade, foi abusada pelo filho do pastor da igreja em que sua família congregava, enquanto ele a levava para um culto. Como toda criança “escolhida” por abusadores, ela era tímida e introspectiva. As consequências, no entanto, foram externadas de outras maneiras. “Tive incontinência urinária por anos e sempre culpei meus pais por não terem percebido que algo errado tinha acontecido comigo, por não terem me levado a um médico, que fosse”, afirma Ana, hoje com 36 anos. Ela nunca percebeu que o silencio mantido por mais de 20 anos lhe fazia mal, até que um dia contou seu caso para uma conhecida que era psicanalista. “Antes de falar com alguém sobre esse assunto vivia atormentada pelas imagens do passado. Absolutamente todos os dias eu pensava nisso, me culpava por não ter reagido e me fechava para qualquer relacionamento de intimidade. Não confiava em ninguém”, explica. “Após enfrentar o meu trauma, consegui perdoar meu agressor, fiz as pazes com Deus e hoje busco uma nova chance para viver todas as bênçãos que Jesus tem para mim”, diz emocionada.

Assim como Ana, muitas vítimas dessa agressão só foram capazes de seguir adiante, em paz com Deus e consigo, após a confissão, enfrentamento e o perdão. “Toda jornada de restauração começa com esse primeiro grande passo: falar com alguém de confiança, buscar ajuda especializada”, diz a doutora Selma.

Superar é possível

Pela graça de Deus e para a Glória dEle, ao escrever essa matéria com tantos dados alarmantes e extremamente lamentáveis, também conheci pessoas (e não poucas) que deram a volta por cima. Mulheres e homens que não aceitaram serem vítimas de suas histórias e se fizeram protagonistas na mudança de muitas outras vidas. Como é o caso da Marisa Mello. Em seu livro Uma parábola real, ela conta como superou o abuso do pai e a omissão da mãe ao ser estuprada aos 11 anos e constantemente maltratada por ambos. Casou aos 14 anos para sair de casa e viu se repetir através do marido as mesmas agressões do passado. Aos 17, com dois filhos pequenos, sentia-se desesperada e tentou suicídio. “Fui socorrida por uma mulher chamada Elma, que não sei de onde veio, mas ela me disse que Deus a tinha enviado para cuidar de mim. Dali em diante nasceu uma nova Marisa”, conta.

A partir de então, Marisa conheceu a Cristo e obteve forças para tirar de sua dor o bálsamo de cura para muitos outros. “Criei coragem e denunciei meus pais para o juizado de menores. Aos 18 anos, consegui a guarda do meu irmão caçula e me separei. Comecei uma vida nova e um trabalho social”, afirma. Marisa montou um grupo de teatro chamado Parábola que leva sua mensagem contra a violência doméstica e o abuso infantil a um número maior de pessoas.

“Casei de novo e nessa relação descobri o amor e respeito. Dessa união nasceu a Priscila, que tem 15 anos. Do primeiro casamento, tenho a Márcia, de 20 anos, e o Marco, de 19 anos. Ao todo temos 30 filhos”.

Em 1994, o projeto Parábola foi registrado como ONG e tornou-se referência mundial na área de violência doméstica. “Já recebemos e investigamos cerca de 6 mil denúncias de abuso. Oitocentas crianças e jovens receberam tratamento integral ou parcial. Esse trabalho foi a melhor forma de transformar a minha dor”.

Marisa se levantou, e não somente isso, levantou também a muitos. Não existe caso difícil que Deus não possa transformar. A especialista Selma Regina enfatiza: “Como profissional da área, posso dizer aos jovens que para tudo tem uma solução, ainda mais quando estamos em Cristo Jesus. Por isso, não desistam de serem felizes”.

O Co-Pastor da AD em Petrópolis (RJ), Luiz Rogério de Oliveira, trabalha com aconselhamento pastoral há 17 anos e com tantas experiências vendo o Senhor transformar casos impossíveis em milagres, afirma: “Deus é o mais interessado em restaurar sua vida. Independente do que tenha acontecido no seu passado, que não pode ser mudado, lembre-se de que o Senhor é maior que o passado e tem preparado para o seu presente e futuro amor, alegria e vida abundante. Desfrute da cura e do restabelecimento obtidos NEle. Cristo te ama e tem um plano especial para sua vida. Medite no texto bíblico: ‘Uma coisa faço e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus’”, Filipenses 3.13,14.

 
Por Paula Renata Santos/Redação CPADNews

ESCRAVIDÃO . A HISTORIA QUE NINGUÉM CONTA . ACORDA PARA A VERDADE .

Você sabia que quem escravizava os negros eram os próprios “negros”??? Isso mesmo, no artigo de hoje você vai descobrir como os brancos co...