quinta-feira, 31 de maio de 2012

Ministro israelense sugere que o país saia da Cisjordânia sem negociar


Ehud Barak, ministro da Defesa de Israel, sugeriu ontem que Israel considerasse a possibilidade de sair da Cisjordânia (Judeia e Samaria) se as negociações de paz com os palestinos fracassarem. Para ele, Israel já chegou a um estágio em que se não houver avanços, o país “se chocará contra um muro e pagará um preço”.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Ministro israelense sugere que o país saia da Cisjordânia sem negociarO ministro apoia a reativação das negociações de paz, já que o governo atual alcançou uma grande coalizão (94 dos 120 deputados do parlamento israelense), liderada pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.
O porta-voz da Autoridade Palestina, Nabil Abu Rudeina, mostrou-se contrário a qualquer medida unilateral – ou seja, sem negociações com a outra parte envolvida – israelense que se encaminhe para o reconhecimento de um Estado palestino com fronteiras temporárias e que só inclua a Cisjordânia.
Abu Rudeina também deixou claro que o compromisso dos palestinos é “com a solução justa e completa de um Estado nas fronteiras de 1967 com Jerusalém oriental como sua capital”, pois destacou, “sem Jerusalém não se aceitará nada”.
“Se não for possível alcançar um acordo de paz permanente com os palestinos, devemos levar em consideração um acordo provisório ou até mesmo uma atitude unilateral”, frisou o ministro Ehud Barak.
As negociações estão estagnadas desde 2010, quando Israel se negou a frear a expansão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia. Os palestinos exigem que seja cumprido uma série de determinações, incluindo a criação de um Estado palestino tendo como marco as fronteiras anteriores a 1967. Israel considera isso como pauta da própria negociação, não como pré-condição para as negociações.
A Autoridade Palestina, depois da negativa israelense, ainda buscou o reconhecimento de seu Estado na ONU de maneira unilateral – sem negociações com a outra parte envolvida, no caso, Israel.

VIA GRITOS DE ALERTA.
Inf. G+

Irã ameaça: “Se a Síria for atacada, Israel será destruído”


Irã ameaça: “Se a Síria for atacada, Israel será destruído”Ali Larijani, assessor do líder supremo do Irã, disse que o que tem ocorrido na Síria não se assemelha de maneira nenhuma com o que ocorreu na Líbia. Segundo Larijani, uma intervenção militar na Síria “se espalhará pela Palestina, e as cinzas dessa chama enterrarão definitivamente o regime sionista (Israel)”.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A declaração foi recebida como ameaça. Ela foi feita após o Ocidente criticar severamente o massacre promovido pelo governo sírio na cidade de Houla. O ministro da Defesa Ehud Barak afirmou que o silêncio do mundo em relação aos acontecimentos na Síria preocupam Israel devido às ameaças iranianas.
“Israel, diferentemente de outros países e potências mundiais, não pode se abster do desafio. Tendo em consideração o lugar onde nos encontramos, a ameaça iraniana é muito significativa.”
Para o ex-comandante do exército israelense Gaby Ashkenazy, “a estratégia correta e preferível, que corresponde a todos os interesses de Israel, deve ser o que já se tem ouvido falar: um sistema secreto, apoiado em sanções econômicas, políticas e, sobretudo, com a disponibilidade de uma força militar confiável e treinada”.
“Quanto às relações Washington (EUA) e Jerusalém”, acrescentou, “Parece que entre os líderes não há um nível de intimidade suficiente para cristalizar um compromisso mútuo. É importante esgotar todos os recursos antes de escolher a opção militar”.
O porta-voz iraniano deixou bem claro que o parlamento do seu país apoia as reformas “democráticas” realizadas pelo governo de Assad, responsável pela matança de milhares de cidadãos sírios.



VIA GRITOS DE ALERTA.
inf. G+

Israel é acusado de iniciar “guerra cibernética” contra o Irã

Israel é acusado de iniciar “guerra cibernética” contra o Irã
O “super vírus” conhecido como Flame [Chama] está sendo usado para espionar usuários de computador em países do Oriente Médio. Segundo a Kapersky Labs, empresa de segurança sediada na Rússia que desenvolve antivírus para computadores, o software espião foi desenvolvido por um governo e não por um hacker.
Agora, o Flame está sendo classificado como “uma das ameaças mais complexas já descobertas” e países árabes estão afirmando que é uma iniciativa de Israel.
O ataque do Flame grava conversas privadas mantidas pela Internet, manipula o microfone do computador infectado e pode gravar todos os textos digitados.
“Depois que o computador é infectado, o Flame começa uma complicada série de operações. Isso inclui espionar a navegação na internet, gravar imagens de telas de computados e conversas, interceptar teclados, etc”, explicou Vitaly Kamluk, especialista da Kapersky.
As imagens das telas e as gravações de áudio são enviadas pela internet para o autor do ataque e o sistema é atido toda vez que a vítima usa programas de correios eletrônicos ou de mensagens instantâneas.
Kamluk acredita que pelo tamanho do ataque, o software não poderia ter sido criado por criminosos virtuais comuns. Ele tem características de ter sido financiado por um governo. “A geografia dos objetivos e a complexidade dessa ameaça não deixa dúvidas que foi um Estado que patrocinou o projeto”, acrescentou Kamluk.
A acusação de que se trata de um projeto israelense, com auxílio técnico dos Estados Unidos, não é nova. Ano passado, o vírus conhecido como “Stuxnet” atacou instalações militares do Irã. Para Alan Woodward, do departamento de computação da universidade de Surrey, na Inglaterra, o programa “é basicamente um aspirador de informações sensíveis”. Mas é muito sofisticado. “Enquanto o Stuxnet só tinha um objetivo, o Flame é um conjunto de ferramentas. Por isso consegue perseguir qualquer coisa que caia em suas mãos”, explicou.
Por enquanto, os ataques desse vírus afetaram cerca de 600 alvos, entre eles indivíduos, empresários, instituições acadêmicas e sistemas de governo. Os alvos preferenciais do software espião seriam computadores do Irã, de Israel, da Síria, do Líbano, do Egito, da Arábia Saudita e do Sudão.
Segundo autoridades iranianas, trata-se e mais um capítulo na chamada “guerra cibernética” que teria como objetivo prejudicar as comunicações de países hostis a Israel. A indústria do petróleo do Irã foi afetada por esse, disse Gholam Reza Jalali, diretor de uma unidade militar encarregada de combater a sabotagem. Como a receita com petróleo gera 80% da renda do país, sabe-se que o Irã foi forçado a cortar a internet com o principal terminal de exportação do país para conseguir conter a ameaça.
O vice-primeiro-ministro israelense, Moshe Yaalon, não negou que seu país, conhecido pela inovação tecnológica e pela campanha contínua contra o programa nuclear de Teerã, poderia ter lançado o vírus.
Resumiu-se a dizer: “aqueles que consideram a ameaça iraniana significativa, pode tomar várias medidas, incluindo ataque cibernético. Israel é abençoado com alta tecnologia e contamos com ferramentas que abrem todos os tipos de oportunidades para nós”.

VIA GRITOS DE ALERTA .


Traduzido e adaptado de BBC e Al Jazeera / Inf. Gospel Prime

Marco Feliciano entra com representação contra filme brasileiro

Cena do filme, E aí... comeu?
O deputado federal Marco Feliciano, enviou notificação à Polícia Federal e a Vara da Infância e da Juventude, contra a Globo Filmes, pelo trailer da comédia “E Aí, comeu?”, que estreia dia 22 de junho.
O filme com Bruno Mazzeo, Marcos Palmeira e Emilio Orciollo, aborda o relacionamento sexual. Três amigos discutem em uma mesa de bar sobre suas crises sentimentais. O filme é dirigido por Felipe Joffily e tem a participação de Dira Paes, Seu Jorge, Murilo Benício, Tainá Müller e Katiuscia Canoro, entre outros.
Para o Pastor Marco Feliciano o filme deve ser proibido para menores de 18 anos. “A liberação dessa obra que se mostra bem obrada, para menores de 14 anos, demonstra a clara intenção de banalizar os costumes com jargões de duplo sentido”, comentou Marco durante discurso na Câmara dos Deputados.
“Nessa propaganda, apenas pela sinopse já se tem ideia do conteúdo manifestamente impróprio para menores, adolescentes de 14 anos e abaixo de 18 anos”, disse.
No trailer do filme também aparece uma criança questionando em meio à discussão de um casal “o que é tezão?” e comentando “Também quero tezão”.
“Vou notificar o Ministério Público do Menor e a Policia Federal, para que juntamente com o Conselho Tutelar, tome enérgicas providencias no sentido de responsabilizar os produtores desse filme para explicar a exposição dessa criança à situação que a meu ver vilipendia sua inocência”, concluiu o deputado.
Marco Feliciano encaminhou a Ivone Ferreira Caetano, Juíza Titular da Vara da Infância e da Juventude e ao senhor Valmir Lemos de Oliveira, Superintendente da Polícia Federal, cópia de seu discurso na Câmara, pedindo orientação de que tipo de providencia pode ser tomada.
Leia a integra do documento:
Estou encaminhando, em anexo, cópia de pronunciamento que realizei no dia de hoje, manifestando repúdio à propagandas enganosas na TV que, com palavras de baixo calão, acabam expondo as crianças e originando situações de embaraço e constrangimento nas famílias e escolas.
Considerando a relevância do assunto, solicito a Vossa Excelência a gentileza de apurar se situação como esta caracterizaria “ilícito penal” e, se for o caso, quais providencias poder-se-ia tomar.
Ao ensejo, agradeço a atenção e me coloco meu gabinete a disposição para colaborar em tudo que estiver ao meu alcance.
Atenciosamente,
Pr. Marco Feliciano
Deputado Federal PSC/SP

Falsos Mestres e Pastores Infiéis


Amensagem de Ezequiel, como a censura feita por Jesus em Mateus 23, mostra claramente o
problema de líderes espirituais que não são fiéis a Deus, e que não cumprem seu dever para com o povo.


I. Os falsos profetas (13:1-23)


A. Os profetas que ofereciam uma falsa esperança de paz seriam rejeitados por Deus (13:1-

16)

1. A mensagem deles vinha de seus próprios corações, mas era falsamente atribuída a

Deus (13:1-3)

a. Sempre é perigoso quando a pessoa segue seu próprio coração, seu próprio

espírito, seus próprios sentimentos (cf. Provérbios 14:12; Isaías 55:8-9; Jeremias

10:23)

b. Há uma tendência forte, nos dias atuais, de enfatizar sentimentos da própria

pessoa como a coisa mais importante em relação a Deus. Muitos desprezam

ensinamento sobre a doutrina da Bíblia e as exigências de Deus. Foi exatamente

o problema que Ezequiel enfrentou, e a mesma atitude que levava Israel à

destruição

2. Os falsos profetas encorajaram o povo a se defender e a resistir o inimigo, mas eles

mesmos enfraqueceram a nação (13:4-16)

a. O efeito das falsas profecias foi a mesma de raposas entre as ruínas. Raposas

cavam túneis, que enfraqueceriam qualquer muro de defesa construído na

superfície (13:4-5)

b. As falsas profecias não vieram do Senhor (apesar das afirmações dos “profetas”)

e não seriam cumpridas (13:6)

c. Deus confronta os falsos profetas, perguntando diretamente se não haviam

mentido (13:7). Não precisamos ouvir a resposta, pois qualquer defesa seria vã

d. Deus rejeita os falsos profetas, dizendo que não entrariam na assembléia do povo

do Senhor (13:8-9; cf. Malaquias 3:16-18)

e. Os falsos profetas profetizaram

“Paz, quando não há paz” (13:10,16; cf.


Jeremias 8:4-12).

f. O efeito foi o mesmo de chapiscar uma parede fraca, tentando esconder os seus

defeitos, ou de fazer a caiação com cal inadequado, assim deixando a parede

desprotegida. O resultado: a parede ia cair sob a pressão da ira de Deus (13:10-

15)

g. O problema das profecias de paz naquela época (13:16) é comparável à situação

atual na qual muitos pastores pregam doutrinas diluídas, assegurando os ouvintes

da sua salvação sem terem cumprido os requisitos revelados por Deus. Cuidado!

B. Deus libertaria o povo do controle de falsas profetisas e feiticeiras (13:17-23)

1. Deus dirige esta mensagem às profetisas e feiticeiras que enganavam o povo com

suas “revelações” (13:17-19)

a. A base da crítica foi a mesma citada em referência aos falsos profetas: as profecias

vinham do coração da pessoa, e não de Deus (13:17; cf. 13:2-3)
 


b. Estas mulheres evidentemente se vestiam de uma maneira especial (a descrição

até nos lembra das ciganas de hoje) e usavam seus feitiços para conduzirem as

pessoas à morte (13:18)

c. Por motivos financeiros (e parece que ganhavam pouco), elas mentiam a um povo

que queria ouvir as mentiras (13:19). Os que transmitem falsas profecias hoje,

sejam cartomantes, quiromantes, claravidentes ou pastores “evangélicos”,

conseguem enganar as pessoas somente porque muitas pessoas gostam de ouvir

as mentiras e põem sua fé nestas falsas “revelações”, e não na verdade que Deus

já revelou nas Escrituras

2. Deus promete livrar as vítimas das mãos destas enganadoras (13:20-23)

a. Elas caçavam almas, e Deus agiria para tirar as vítimas das mãos delas (13:20-21)

b. Elas fortaleciam a mão dos perversos no seu pecado, não deixando os pecadores

saírem do erro para voltar para Deus (13:22)

c. Deus livraria o povo destas falsas visões (13:23)


II. Os pastores infiéis (34:1-10)


A. Esta palavra é dirigida aos pastores de Israel, os líderes que deveriam ter cuidado das

almas do povo (34:1-2)

B. Ao invés de alimentar e proteger o rebanho, estes líderes satisfaziam seus desejos egoístas

e prejudicavam o rebanho (34:3-4)

C Sob esta liderança irresponsável e cruel, o rebanho foi espalhado e maltratado (34:5-6)

D Deus culpou os pastores por não cuidar de seu rebanho, e prometeu livrar as ovelhas dos

maus tratos destes líderes (34:7-10)

E. Os pastores de Israel foram culpados na queda da nação? Com certeza!

F. Avisos aos pastores de hoje:

1. Só homens qualificados devem servir (1 Timóteo 3:1-7; Tito 1:5-9)

2. Cuidem bem do rebanho

de Deus (Atos 20:28-31)


3. Sejam exemplos, e não dominadores (1 Pedro 5:1-3)


Conclusão:

Hoje, há alguns pastores qualificados e fiéis no seu serviço, e devemos agradar a


Deus por eles. Mas, infelizmente, há muitos outros que se encaixam nestas descrições de

homens egoístas e ambiciosos que dominam os outros para proveito próprio. Tais pessoas

não merecem o respeito de ninguém! E aquelas ovelhas que seguem pastores maus devem

lembrar das palavras de Jesus – não é só o pastor que cairá (Mateus 15:14)

O Que 3 Grandes Homens Não Podem Fazer


Três grandes homens, pessoas de fé e integridade, homens espiritualmente fortes. Mas nenhum

deles, e nem os três juntos, conseguem fazer uma tarefa importante. Vamos falar dos três e,

depois, do que eles não podem fazer.

I. Noé: Um Homem Justo

A. Sua época: de homens maus e rebeldes (Gênesis 6:1-3)

B. A história de Noé (Gênesis 6:9)

C. Noé não seguiu a multidão (“todo mundo faz....”)

D. Achou graça diante do Senhor (Gênesis 6:5-9)

E. Fez o que Deus mandou (Gênesis 6:22; Hebreus 11:7)

F. Pregou a palavra de Deus (2 Pedro 2:5)

G. Foi usado por Deus para salvar os animais e os seres humanos quando Deus mandou o

dilúvio

H. Noé não era perfeito. Homens bons podem tropeçar, mas Deus está pronto para perdoar

(1 João 1:8 - 2:2)

II. Jó: Um Homem Íntegro

A. Deus o achou íntegro e temente a ele (Jó 1:8)

B. Resumo da história de Jó

C. Exemplos da integridade de Jó:

1. Consciência limpa (Jó 13:23)

2. Pureza sexual (Jó 31:1,9-12)

3. Honesto em todos os aspectos da vida (Jó 31:5-8)

4. Tratava bem as pessoas, especificamente os pobres (Jó 31:13-23)

5. Não confiava em coisas materiais (Jó 31:24-28)

6. Não odiava e não se vingava (Jó 31:29-30)

7. Não negava seus erros (Jó 31:33-34)

D. Calou-se em reverência a Deus (Jó 40:3-5)
III. Daniel: Um Homem Determinado e Fiel
A. Um “lenda viva”, citado por Deus como exemplo, junto com Noé e Jó, mas enquanto

Daniel ainda estava vivo!

B. Resumo da história de Daniel

C. Sua determinação na juventude (Daniel 1:8)

D. Sua fé na velhice (Daniel 6)

E. Usado para pregar a imperadores e a gerações futuras, mostrando que Deus tem domínio

sobre todos, e que o reino de Cristo é eterno e inabalável!

IV. O Que Estes Três Não Podem Fazer?
A. Ezequiel 14:12-20 – eles não podiam salvar o povo pecador

B. O próprio Jó percebeu a necessidade de um árbitro (Jó 9:30-32)

C. Este trecho de Ezequiel mostra o problema que nós temos hoje. Não somos capazes de

resolver o nosso próprio problema do pecado!

1. O problema com sistemas de aperfeiçoamento por obras de justiça

2. O problema com qualquer sistema de reencarnação

3. O problema com a idéia de pagar após a morte (purgatório)

D. Temos um problemão que não somos capazes de resolver!

E. Graças a Deus, há solução!

1. Salmo 32:1

2. Efésios 2:4-5

3. João 3:16

Conclusão:
“Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?

Graças a Deus por Jesus Cristo....”
(Romanos 7:24 - 25a). Graças a Deus mesmo!

Pastor morre ao ser picado por cobra durante culto

Pastor morre ao ser picado por cobra durante culto
Mack Wolford, um pastor pentecostal de West Virginia, ficou conhecido por usar serpentes durante seus sermões. Ele foi destaque em novembro passado no jornal The Washington Post.
Parte de sua mensagem se baseava na promessa de Jesus que os cristãos seriam invulneráveis a picadas de serpentes e escorpiões (Marcos 16:17-18). Durante anos ele fez uso desses animais, que criava em uma sala da igreja. Mas no último domingo o inesperado aconteceu.
O pastor costumava fazer cultos na igreja Church of the Lord Jesus e ao ar livre. Quando ele pregava sobre o poder do Espírito Santo, boa parte da plateia falava em línguas estranhas enquanto ele manipulava cobras e assegurava os presentes que aquilo era um teste de fé para os cristãos, pois eles deviam confiar nas promessas de Deus.
Contudo, aos 44 anos de idade, ele faleceu, vítima da picada de uma cascavel que ele tinha em casa há anos. Curiosamente, a tragédia ocorrer na véspera de um grande evento promovido por ele no parque estadual Panther Wildlife Management Área. Nos dias anteriores, Wolford tinha postado várias mensagens na sua página do Facebook, pedindo às pessoas para comparecerem. “Estou esperando um grande movimento neste domingo”, escreveu. “Vai ser como nos velhos tempos. Teremos crentes cheios do Espírito Santo, línguas e sinais”.
Ele também convidou sua família, que em grande parte abandonou a prática de manipular serpentes, para irem ao parque.
“Em um momento ou outro, todos nós já usamos [serpentes], mas tínhamos parado”, explicou sua irmã, Robin Vanover. “Seu aniversário foi sábado, e tudo que ele queria era ver seus irmãos e irmãs na igreja juntos”, lembra.
Após o período de louvor e adoração, com cerca de 30 minutos, Wolford passou uma cascavel para um membro da igreja e sua mãe. Depois, ele se sentou ao lado da serpente. Foi quando ela o mordeu na coxa.
O culto foi interrompido, e Wolford levado para casa de um parente, na cidade de Bluefield, onde pretendia se recuperar apenas com orações, como sempre fez quando sofreu picadas de cobras anteriores. Ao final da tarde, ficou claro que desta vez era diferente, e as mensagens desesperadas começaram a surgir no seu perfil do Facebook, pedindo oração. Mas ele se recusou a ser levado ao hospital.
Um guarda florestal, que trabalha no parque estadual, disse que os funcionários não tinham conhecimento das atividades de Wolford e nem dado autorização para o culto. “Se tivéssemos conhecimento que ele carregava animais peçonhentos, nunca teríamos permitido isso”, disse.
Tragicamente, o pai de Wolford morreu em 1983, depois de ser mordido por uma cobra.
Foi então que parte da família abandonou a prática. Porém, Mack tentava manter viva essa antiga prática, comum no sul dos Estados Unidos, mas proibida na maioria dos estados.
Traduzido e adaptado de WND e Washington Post


Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/pastor-morre-ao-ser-picado-por-cobra-durante-culto/#ixzz1wTdf3WK5

Abraão, Amigo de Deus. O Significado da Fé


Todo ser humano possui aspirações.
 Uns almejam a fortuna, outros a fama, outros o poder, outros paz, outros uma bela família, e assim por diante.
Estou plena e completamente convencido de que a maior aspiração que um ser humano pode ter nesta existência é a amizade do próprio Deus, e assim como Abraão, poder chamar Deus de amigo e ser por Deus assim também chamado.
 Digam-me o céu e a terra se pode haver aspiração mais empolgante, magnífica e grandiosa do que esta? Ser amigo íntimo do Criador!
Estamos aqui falando de um mistério, de um assunto acessível somente aos que a Bíblia chama de crentes, justos e fiéis.
 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.


Deus nos chama em Cristo para dele nos tornarmos filhos pela fé no Evangelho do Filho, pelo novo nascimento, pela operação do Espírito Santo.

E sabemos que em uma grande casa, há filhos mais chegados aos pais, assim como há outros menos chegados, menos íntimos. Estamos aqui nos referindo à santa intimidade de Deus. Examinemos, pois, dois trechos das Escrituras, os quais, para os sem entendimento aparenta ser contraditório, todavia nenhuma contradição há entre eles, muito pelo contrário, mas sim doce, bela e magnífica harmonia.


“Que, pois, diremos ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Porque, se Abraão foi justificado por obras, tem de que se gloriar, porém não diante de Deus.

Pois que diz a Escritura? Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. Ora, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida. Mas, ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça.” Romanos 4:1-5
Antes de passarmos ao segundo trecho bíblico que mencionei, citarei outro que corrobora o que acima está escrito:

“Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei.” Romanos 3:28 


Agora o segundo trecho bíblico, o que para alguns pode aparentar apresentar alguma contradição com os dois trechos bíblicos acima citados:
“Não foi por obras que Abraão, o nosso pai, foi justificado, quando ofereceu sobre o altar o próprio filho, Isaque? Vês como a fé operava juntamente com as suas obras; com efeito, foi pelas obras que a fé se consumou, e se cumpriu a Escritura, a qual diz:

 Ora, Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça; e: Foi chamado amigo de Deus. Verificais que uma pessoa é justificada por obras e não por fé somente.” Tiago 2:21-24


Não somente não há contradição alguma entre estes trechos bíblicos assim como são estes mesmos trechos bíblicos que nos ensinam como nos tornarmos amigos íntimos de Deus, ou seja, sermos seus amigos.
O Caso de Abraão
Abraão era um homem temente a Deus, e diante do Senhor se expunha e externava sua tristeza por não ter um filho e ,consequentemente, não poder deixar descendência.
“Depois destes acontecimentos, veio a palavra do SENHOR a Abrão, numa visão, e disse: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande.

 Respondeu Abrão: SENHOR Deus, que me haverás de dar, se continuo sem filhos e o herdeiro da minha casa é o damasceno Eliézer? Disse mais Abrão: A mim não me concedeste descendência, e um servo nascido na minha casa será o meu herdeiro.

A isto respondeu logo o SENHOR, dizendo: Não será esse o teu herdeiro; mas aquele que será gerado de ti será o teu herdeiro. Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade. Ele creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça.” Gênesis 15:1-6

“Visitou o SENHOR a Sara, como lhe dissera, e o SENHOR cumpriu o que lhe havia prometido. Sara concebeu e deu à luz um filho a Abraão na sua velhice, no tempo determinado, de que Deus lhe falara. Ao filho que lhe nasceu, que Sara lhe dera à luz, pôs Abraão o nome de Isaque.” Gênesis 21:1-3

Certamente Abraão se alegrou muitíssimo com o fato de o Senhor lhe ter concedido um filho, assim como havia prometido, Isaque, e este era seu único filho. Algum tempo se passou e algo surpreendente acontece, Deus pede que Abraão mate seu único filho que Deus lhe dera, que o ofereça como holocauso ao Senhor.


“Depois dessas coisas, pôs Deus Abraão à prova e lhe disse: Abraão! Este lhe respondeu: Eis-me aqui! Acrescentou Deus: Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que eu te mostrarei.” Gênesis 22:1,2


Imaginemo-nos nos lugar de Abraão. Somente aos cem anos de idade foi que Deus lhe concedeu um único filho e a quem Abraão tanto amava. Era a sua grande alegria, uma indescritível motivação para viver, e é justamente a ele, a Isaque, que o Senhor Deus requereu que Abraão matasse, oferecendo-o ao Senhor em holocauso.
Diante disso, Abraão bem que poderia ter dito a Deus algo mais ou menos assim: “O que?! Mas que história é essa?! Então eu passo cem anos aguardando por um filho, o Senhor me dá esse filho, eu com ele me alegro, e agora o Senhor requer de mim que eu o mate, oferecendo-te meu único filho em holocausto?! Nunca! Jamais farei tal coisa! Isto é um absurdo, uma crueldade!”
Porém, diz a Escritura:
“Levantou-se, pois, Abraão de madrugada e, tendo preparado o seu jumento, tomou consigo dois dos seus servos e a Isaque, seu filho; rachou lenha para o holocausto e foi para o lugar que Deus lhe havia indicado. Ao terceiro dia, erguendo Abraão os olhos, viu o lugar de longe. Então, disse a seus servos: Esperai aqui, com o jumento; eu e o rapaz iremos até lá e, havendo adorado, voltaremos para junto de vós. Tomou Abraão a lenha do holocausto e a colocou sobre Isaque, seu filho; ele, porém, levava nas mãos o fogo e o cutelo. Assim, caminhavam ambos juntos.” Gênesis 22:3-6
Abraão não discutiu com Deus, não questionou o Senhor, por mais terrível que fosse a tal prova com a qual Deus estava provando a fé de Abraão. Abraão obedeceu o Senhor.
“Quando Isaque disse a Abraão, seu pai: Meu pai! Respondeu Abraão: Eis-me aqui, meu filho! Perguntou-lhe Isaque: Eis o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? Respondeu Abraão: Deus proverá para si, meu filho, o cordeiro para o holocausto; e seguiam ambos juntos. Chegaram ao lugar que Deus lhe havia designado; ali edificou Abraão um altar, sobre ele dispôs a lenha, amarrou Isaque, seu filho, e o deitou no altar, em cima da lenha; e, estendendo a mão, tomou o cutelo para imolar o filho. Mas do céu lhe bradou o Anjo do SENHOR: Abraão! Abraão! Ele respondeu: Eis-me aqui! Então, lhe disse: Não estendas a mão sobre o rapaz e nada lhe faças; pois agora sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho. Tendo Abraão erguido os olhos, viu atrás de si um carneiro preso pelos chifres entre os arbustos; tomou Abraão o carneiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho. E pôs Abraão por nome àquele lugar—O SENHOR Proverá. Daí dizer-se até ao dia de hoje: No monte do SENHOR se proverá. Então, do céu bradou pela segunda vez o Anjo do SENHOR a Abraão e disse: Jurei, por mim mesmo, diz o SENHOR, porquanto fizeste isso e não me negaste o teu único filho, que deveras te abençoarei e certamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus e como a areia na praia do mar; a tua descendência possuirá a cidade dos seus inimigos, nela serão benditas todas as nações da terra, porquanto obedeceste à minha voz.” Gênesis 22:7-18
A fé de Abraão foi provada, e de que maneira! Porém, o resultado final de toda essa situação foi a grande vitória de Abraão e de cuja descendência, segundo a carne, veio o Messias, Jesus Cristo, ainda que não tenha sido o Senhor Jesus gerado por gametas humanos, mas foi gerado pelo Espírito Santo, no ventre de uma virgem casada com José, o qual era da descendência de Isaque, filho de Abraão.
Abraão foi, e é até hoje, honrado por todos os lados, todavia todas estas honras lhe sobrevieram por ter crido em Deus e por ter consumado de modo grandioso a sua fé.
O Significado da Fé
A fé é um dom de Deus, é um posicionamento espiritual através do qual nosso espírito e alma se alinham em harmonia, em adoração, em honra, temor, respeito e amor para com Deus. É o meio pelo qual nos relacionamos com Deus e dizemos a todos que estamos posicionados ao lado de Deus, negando e rejeitando todos os princípios de Satanás. É também o modo pelo qual proclamamos ao céu e à terra, diante de anjos e diante de homens, que Jesus Cristo é Senhor absoluto sobre nossas vidas, aceitando deste modo tudo o que o Filho nos ensina a respeito do Pai e, consequentemente, rejeitando todas as mentiras que Satanás diz a respeito de Deus.
A fé é o meio, o único meio, a fim de que possamos escapar da ira vindoura, pois Deus, o Criador, está prester a falar ao mundo em grande ira, tomando vingança contra todas as maldades praticadas pelos filhos dos homens ao longo de toda a história. Muitos haverá que sofrerão a ira de Deus ainda neste mundo, e por fim, serão lançados no inferno eterno, onde, segundo nos diz o Senhor:
“Ali haverá choro e ranger de dentes.” Mateus 13:42
Mas aos que são da fé, sobre estes diz a Escritura:
“Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma.” Hebreus 10:39
A Fé não é Igual em Todos
Não é verdade que o homem já nasça com fé. A fé é concedida ao homem por Deus. E um dos trechos bíblicos que evidencial isto é o seguinte:
“Finalmente, irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague e seja glorificada, como também está acontecendo entre vós; e para que sejamos livres dos homens perversos e maus; porque a fé não é de todos.” 2 Tessalonicenses 3:1,2
Ora, se a fé não é de todos, como afirmam as Escrituras, como dizer que os homens nascem com fé, como afirmam alguns?
Em suas próprias palavras, o Senhor Jesus Cristo nos mostra como há diferenças entre fé e fé. Vejamos.
“E eis que uma mulher cananéia, que viera daquelas regiões, clamava: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim! Minha filha está horrivelmente endemoninhada. Ele, porém, não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, aproximando-se, rogaram-lhe: Despede-a, pois vem clamando atrás de nós. Mas Jesus respondeu: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Ela, porém, veio e o adorou, dizendo: Senhor, socorre-me! Então, ele, respondendo, disse: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ela, contudo, replicou: Sim, Senhor, porém os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos. Então, lhe disse Jesus: Ó mulher, grande é a tua fé! Faça-se contigo como queres. E, desde aquele momento, sua filha ficou sã.” Mateus 15: 22-28
“E, quando chegaram para junto da multidão, aproximou-se dele um homem, que se ajoelhou e disse: Senhor, compadece-te de meu filho, porque é lunático e sofre muito; pois muitas vezes cai no fogo e outras muitas, na água. Apresentei-o a teus discípulos, mas eles não puderam curá-lo. Jesus exclamou: Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei? Trazei-me aqui o menino. E Jesus repreendeu o demônio, e este saiu do menino; e, desde aquela hora, ficou o menino curado. Então, os discípulos, aproximando-se de Jesus, perguntaram em particular: Por que motivo não pudemos nós expulsá-lo? E ele lhes respondeu: Por causa da pequenez da vossa fé. Pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível.” Mateus 17:14-20
Vemos, pois, que na primeira situação o Senhor Jesus Cristo claramente manifestou sua apreciação ao ver a grande fé daquela mulher, e o resultado disso foi que a mulher, após ter recebido do Senhor honra e aprovação lhe disse:
“Faça-se contigo como queres” Mateus 15:28
Diferentemente, o Senhor expressou seu desagrado diante da pequenez da fé de alguns de seus discípulos, razão pela qual exclamou:
“Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei?” Mateus 17:17
Todavia, no mesmo trecho bíblico, o Senhor Jesus Cristo nos ensina que esta não é uma situação estanque, mas sim passível de mudança, pois ele disse, ensinando:
“Pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível.” Mateus 17:20
Isto nos mostra que não somente podemos, como também devemos, buscar o aprefeiçoamento da nossa fé, o que se dá através da aceitação submissa da vontade de Deus, em momento algum nos permitindo colocar em resistência diante da vontade de Deus, mas à semelhança de Abraão, darmos ao Senhor seja lá o que for que ele nos solicite. E isto quer o compreendamos ou não, pois a fé está acima da lógica, é superior à razão e por mais poderoso que seja o intelecto humano, a fé não é por ele acessível. A fé se encontra no território espiritual, nesse mesmo território onde Deus habita. A fé transcende a razão, pois é superior a ela, pois ninguém pode conhecer a Deus pela capacidade humana, mas tão somente pela fé, como está escrito:
“Indo Jesus para os lados de Cesaréia de Filipe, perguntou a seus discípulos: Quem diz o povo ser o Filho do Homem? E eles responderam: Uns dizem: João Batista; outros: Elias; e outros: Jeremias ou algum dos profetas. Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus.” Mateus 16:13-17
Agradou-se o Senhor Jesus da grande fé daquela mulher, porém se desagradou ao ver a pequenez da fé de alguns de seus discípulos, como está escrito:
“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus.” Hebreus 11:6
Há, ainda, os que não possuem fé alguma, são indigentes espirituais, autênticos desgraçados, os quais permanecerão na vaidade de seus próprios pensamentos e concatenações mentais, julgando-se sábios, mas esquecendo-se de seu próprios pecados e não podendo atentar para a monstruosidade de sua incredulidade, e é sobre esses que está escrito:
“Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.” Apocalipse 21:8
Murmuração, a Contraposição à Fé
Focando-nos nas atitudes de fé que teve Abraão diante de Deus, e por causa delas tendo sido chamado de amigo de Deus, e isto até hoje, bem podemos entender como nos tornarmos amigos de Deus também nós. Abraão obedeceu a Deus sem questioná-lo, foi-lhe submisso e temente, razão pela qual grandemente se alegrou Deus com a fé de Abraão, pois que pela fé Abraão tornou-se semelhante ao Autor e Consumador da Fé, Jesus Cristo, o qual jamais discutiu com Deus, seu Pai, nunca jamais dele discordou, mas foi obediente até à morte, e morte de cruz.
Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.” Hebreus 12:1-3
E a respeito do Filho, do céu disse o Pai:
E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.Mateus 3:17
O objetivo do Evangelho é a nossa salvação, e esta se dá pela fé em Jesus Cristo, na imagem de quem somos transformados, pelo Espírito Santo, mediante a fé.
“Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” 2 Coríntios 3:17-18
Por outro lado, a incredulidade é a expressão da rejeição da verdade e da inimizade contra Deus. E Deus expressou, de modo terrível, seu descontentamento com a incredulidade dos que, a despeito de terem visto a grandeza de Deus, a ele não se renderam em submissão, mas questionaram-no, dele duvidaram e contra ele se rebelaram, razão pela qual não puderam entrar no descanso de Deus. E a manifestação maior de sua incredulidade foi a murmuração.
“Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado. Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos. Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração, como foi na provocação. Ora, quais os que, tendo ouvido, se rebelaram? Não foram, de fato, todos os que saíram do Egito por intermédio de Moisés? E contra quem se indignou por quarenta anos? Não foi contra os que pecaram, cujos cadáveres caíram no deserto? E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão contra os que foram desobedientes? Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade.” Hebreus 3:12-19
E prossegue a Escritura:
“Temamos, portanto, que, sendo-nos deixada a promessa de entrar no descanso de Deus, suceda parecer que algum de vós tenha falhado. Porque também a nós foram anunciadas as boas-novas, como se deu com eles; mas a palavra que ouviram não lhes aproveitou, visto não ter sido acompanhada pela fé naqueles que a ouviram. Nós, porém, que cremos, entramos no descanso, conforme Deus tem dito: Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso. Embora, certamente, as obras estivessem concluídas desde a fundação do mundo.” Hebreus 4:1-3
Estes incrédulos de quem nos fala a Escritura foram aqueles judeus que, mesmo tendo presenciado a majestade de Deus, o qual com mão poderosa os tirou da escravidão do Egito, tendo visto as maravilhas de Deus, murmuraram contra ele, manifestando sua incredulidade e rebelião, foram considerados inimigos de Deus, para sempre.
“Nossos pais, no Egito, não atentaram às tuas maravilhas; não se lembraram da multidão das tuas misericórdias e foram rebeldes junto ao mar, o mar Vermelho. Mas ele os salvou por amor do seu nome, para lhes fazer notório o seu poder. Repreendeu o mar Vermelho, e ele secou; e fê-los passar pelos abismos, como por um deserto. Salvou-os das mãos de quem os odiava e os remiu do poder do inimigo. As águas cobriram os seus opressores; nem um deles escapou. Então, creram nas suas palavras e lhe cantaram louvor. Cedo, porém, se esqueceram das suas obras e não lhe aguardaram os desígnios; entregaram-se à cobiça, no deserto; e tentaram a Deus na solidão. Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma. Tiveram inveja de Moisés, no acampamento, e de Arão, o santo do SENHOR. Abriu-se a terra, e tragou a Datã, e cobriu o grupo de Abirão. Ateou-se um fogo contra o seu grupo; a chama abrasou os ímpios. Em Horebe, fizeram um bezerro e adoraram o ídolo fundido. E, assim, trocaram a glória de Deus pelo simulacro de um novilho que come erva. Esqueceram-se de Deus, seu Salvador, que, no Egito, fizera coisas portentosas, maravilhas na terra de Cam, tremendos feitos no mar Vermelho. Tê-los-ia exterminado, como dissera, se Moisés, seu escolhido, não se houvesse interposto, impedindo que sua cólera os destruísse. Também desprezaram a terra aprazível e não deram crédito à sua palavra; antes, murmuraram em suas tendas e não acudiram à voz do SENHOR.” Salmos 106: 7-25
E o que lhes sucedeu foi deixado registrado por nossa causa, para nos servir de exemplo, a nós os que, neste final dos tempos, estamos sendo chamados à amizade de Deus. Temos pois o belíssimo exemplo da fé de Abraão, amigo de Deus, e também temos o exemplo dos que murmuraram contra Deus, tendo se tornado seus inimigos, separados de Deus, para sempre.
Vemos, pois, que a fé se expressa por obras, e a incredulidade também. E assim como os atos de obediência e de submissão de Abraão foram a expressão de sua grande fé, não tendo ele negado a Deus aquilo o que lhe era mais precioso, a saber a vida de seu próprio filho Isaque, a murmuração daqueles judeus foi a evidência de sua incredulidade. O homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei, todavia a fé de cada um de nós será posta à prova, como está escrito:
“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo. Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória, obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma. 1 Pedro 1:3-9
Não basta crer em Deus, mas é necessário que a fé que nele depositamos seja posta à prova a fim de que possamos ser aprovados por Deus, pois a fé genuína só pode habitar em corações verdadeiramente submissos a Deus e em espíritos humildes.
“Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.” Mateus 5:3
“Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as obras, te mostrarei a minha fé. Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem. Queres, pois, ficar certo, ó homem insensato, de que a fé sem as obras é inoperante?” Tiago 2:17-20
“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade.” Mateus 7:21-23
“Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando.Senhor Jesus Cristo, João 15:14

VIA GRITOS DE ALERTA

Bíblia e Missões é tema do VIII Fórum de Ciências Bíblicas

A Sociedade Bíblia do Brasil (SBB) tem o prazer de convidar você a participar do VIII Fórum de Ciências Bíblicas. Com o tema “Bíblia e Missões”, o encontro ocorrerá nos dias 21 e 22 de junho, no Centro de Eventos – Museu da Bíblia (MuBi), em Barueri (SP).

Na abertura do evento, no dia 21, a partir das 14h45, será ministrada a palestra “Aspectos transculturais da tradução bíblica e da obra missionária”, a ser conferida por Paulo César Duarte de Oliveira, coordenador de Missiologia da Área das Américas da Associação Linguística Evangélica Missionária (ALEM) e da Aliança Global Wycliffe.
Mais informações sobre inscrições e programação do VIII Fórum de Ciências Bíblicas podem ser obtidas aqui.
VIII Fórum de Ciências Bíblicas

Data:
21 e 22 de junho
Horário:
das 14h30 às 21h30
Local:
Centro de Eventos – Museu da Bíblia Av. Pastor Sebastião Davino dos Reis, 672 – Vila Porto – Barueri (SP)
Inscrições:
R$ 30,00 (grupos com mais de dez pessoas têm 50% de desconto)
Informações:
(11) 3474-5827 begin_of_the_skype_highlighting (11) 3474-5827 end_of_the_skype_highlighting

A EXPERIÊNCIA DE ZACARIAS, O SACERDOTE


Lucas é detalhista em relatar este episódio na vida dos pais de João Batista, aquele que foi o precursor da vinda de Jesus. O texto também nos mostra que havia um grande problema, um desafio na vida desse casal. Izabel era estéril, não podia gerar filhos.
Aqui já se quebra um mito: aquele que diz que a pessoa que passa por provas é porque está em pecado.

 “E eram ambos justos perante Deus, andando sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor

 (Lucas 1:6), este texto nos mostra o contrário.
Embora justos e irrepreensíveis, íntegros, estão vivenciando uma dificuldade, uma impossibilidade. Logo

, lutas na vida do cristão não é para desistirmos ou fracassarmos! Dificuldade na vida de um discípulo desatado é combustível para oração e semente para milagre!
Queridos do Eterno, eu não sei como estava Zacarias naquele tempo, com ou sem dinheiro, desanimado, triste, cansado ou feliz... eu só sei que quando ele foi convidado a entrar no Santuário não perdeu a oportunidade, e aqui o Eterno começa a mudar a sua sorte.
Agora, não adianta chegar no Santuário e ficar somente no Átrio, você tem que entrar no Lugar Santo.
Muitas vezes entrarmos no Santuário como Zacarias:

 “Já conheço as coisas daqui, já conheço a liturgia, o altar, a hora das ofertas”. Só que o Eterno assim como fez com Zacarias, pode fazer com você, surpreendê-lo.
O Eterno vai interromper o seu culto racional para fazer você entender e ver o que você não viu ainda!


Às vezes estamos no Santuário, mas a cabeça está lá fora; os olhos estão voltados para aqueles que sentam e levantam.


Para visualizarmos o que o Eterno tem para nossa vida, precisamos estar focados no Altar! Quando Zacarias olha para o Altar, ele ouve: “E um anjo do Senhor lhe apareceu, posto em pé, à direita do altar do incenso. E Zacarias, vendo-o, turbou-se, e caiu temor sobre ele.

Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João” (Lucas 1:11-13).

1)- Zacarias já servia ao Eterno, mas ainda não tinha intimidade com o Altar, ainda tomava susto, com algumas coisas que ainda o incomodavam. Veja o princípio da dádiva de Deus: “E terás prazer e alegria, e muitos se alegrarão no seu nascimento” (Lucas 1:14).
O Eterno não nos dará nada que nos dê angústia ou tristeza. O prazer do Eterno é de nos abençoar! “Porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe” (Lucas 1:15). Nós precisamos transicionar nossa mente, pois Deus não faz coisas pequenas e mesquinhas. Servimos a um Deus de coisas grandes e grandes coisas!
Imagine se fosse você no lugar de Zacarias? Qualquer discípulo estaria glorificando, saltando na presença do Eterno. Todavia, em (Lucas 1:18) Zacarias está cheio de argumentos da alma: “Disse então Zacarias ao anjo: Como saberei isto? pois eu já sou velho, e minha mulher avançada em idade”
(Lucas 1:18).
Amados, o Eterno não está preocupado em saber quem é você, principalmente quando entra em Sua presença cheio de argumentos; nesse lugar o melindre vai ter que cair por terra! “E, respondendo o anjo, disse-lhe: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui enviado a falar-te e dar-te estas alegres novas” (Lucas 1:19).
E eis que ficarás mudo, e não poderás falar até ao dia em que estas coisas aconteçam; porquanto não creste nas minhas palavras, que a seu tempo se hão de cumprir” (Lucas 1:20).
2)- A reação que eu tenho diante da promessa determinará como eu viverei até que ela se cumpra. Amados, a incredulidade lesiona a alma de discípulos almáticos. Tem muito crente lesionado, não realizando a obra do Eterno como deveria.
E o povo estava esperando a Zacarias, e maravilhava-se de que tanto se demorasse no templo”
(Lucas 1:21). Haverá sempre pessoas te esperando lá fora. Nós, hoje somos responsáveis a levar do Altar o Evangelho para quem está lá fora.
“E, saindo ele, não lhes podia falar; e entenderam que tinha tido uma visão no templo. E falava por acenos, e ficou mudo” (Lucas 1:22). Mas Zacarias só se expressava com acenos, mudo. Isabel, sua esposa, ficou na expectativa, ficou entristecida sem ouvir, sem saber o que aconteceu!
Fique tranqüilo, você serve um Deus Justo! Se quem está do seu lado não produz alegria, o Eterno levará alguém à sua casa para lhe alegrar.
Uma jovem chamada Maria está chegando!
Seis meses se passaram e Zacarias continuava mudo. O Eterno chama o anjo Gabriel à sua presença e lhe concede um outro comando: “E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.” (Lucas 1:26-28).
3)- No Santuário, o Anjo se colocou no Altar, mas em casa, o Anjo sabe de quem pode se aproximar. Quem é discípulo desatado, íntimo do Pai, nunca se assusta com a presença do Anjo e do sobrenatural de Deus!
E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta.
Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;” (Lucas 1:29-32)
Se Zacaria não creu, com Maria foi diferente. Ela não entende, mas não duvida. Amados, Zacarias, o Sacerdote, conhecia a história de Sarai que era estéril e gerou. Ele também conheceu a história de Rebeca, mulher estéril que também foi curada pelo Eterno. Zacarias também conheceu a história de Ana e suas aflições ao se deparar com Penina e sua esterelidade, mas também engravidou. Ainda conheceu a história da mãe de Sansão, que também era estéril.
Mas que história Maria, tão nova conhecia? Daí o porque de não entender em alguns momentos, mas nunca duvidar. “E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?” (Lucas 1:34)
É quando o Anjo de Deus percebe a intenção sincera do coração e afirma: “E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus” (Lucas 1:35).
Em outras palavras, sabe o que o anjo está dizendo? “Deixa comigo, pois quem cumpre a promessa é o Eterno, Aquele que pode todas as coisas.” É nesse texto que vemos a primeiras manifestação da Trindade no Novo Testamento. Existem três pessoas trabalhando hoje para sua promessa se cumprir: O Pai, o Filho e o Espírito Santo!
4)- Sabe o que o Eterno está nos dizendo: “Fica do lado daqueles que acreditam em milagres”. A partir daqui, Zacarias desaparece; ficam só Maria e Isabel. Queridos, a gente sente, percebe quando alguém cheio de fé chega perto da gente. Não é mesmo? Isabel viu e percebeu a chegada de Maria cheia de fé!
Quando nos aproximamos de pessoas cheias do Espírito Santo e fé, o Eterno despertará em nós até dom que ainda não fora despertado. Isabel profetiza: “E exclamou com grande voz, e disse: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. E de onde me provém isto a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor?” (Lucas 1:42-43).
Aleluia, pois a partir daí Maria começa a louvar até mesmo antes de ver cumprida a promessa. E até o feto de Isabel, João Batista, se expressa no ventre.
CONCLUSÃO:
Fique tranquilo, a sua hora vai chegar. A dsciplina não é para lhe castigar, mas sim para lhe fazer crescer. Queridos, falhos ou não, o milagre vai acontecer. E não vão faltar pessoas para querer denominar a sua bênção. “Qual vai ser o nome da criança, Isabel?” R: João!
E disseram-lhe: Ninguém há na tua parentela que se chame por este nome.” (Lucas 1:61). Não pode ser João, por quê? Por que não houve João antes? Você não poderá ser formar porque antes ninguém se formou. Você também não poderá ter casa própria porque ninguém na sua família tem.
O tempo de você ficar mudo (como Zacarias), se expressar com acenos em escrever em tábuas, termina este mês! Pois a incredulidade será removida de sua vida em nome de Jesus! “E logo a boca se lhe abriu, e a língua se lhe soltou; e falava, louvando a Deus.” (Lucas 1:64)
VIA GRITOS DE ALERTA

diferença entre pastor, bispo e presbítero?



No Novo Testamento, as palavras pastor, bispo e presbítero descrevem os mesmos homens (Atos 20:17,28; 1 Pedro 5:1-3; Tito 1:5-7). Eles servem em congregações locais, cuidando do rebanho de Deus.

As várias palavras identificam os mesmos servos, mas cada palavra tem seu próprio significado. Essas variações de sentido ajudam para mostrar aspectos diferentes do trabalho dos homens que cuidam de uma congregação.

Pastor é uma palavra comum na Bíblia. Freqüentemente se refere aos pastores de ovelhas, pessoas responsáveis pelos rebanhos. Tais homens protegiam, guiavam e alimentavam as ovelhas. O Espírito Santo usou esta palavra várias vezes no Antigo Testamento num sentido figurativo, descrevendo guias espirituais. Deus é chamado de Pastor desde a época dos patriarcas (veja Gênesis 49:24-25). Salmo 23 descreve o Senhor como pastor do seu servo fiel. O autor, um pastor de ovelhas na sua juventude, descreve o carinho e a proteção de Deus para com seus seguidores. Moisés descreveu o homem escolhido para guiar o povo como pastor (Números 27:17). Infelizmente, nem todos os pastores são bons. Deus condenou fortemente os pastores egoístas que devoravam o rebanho de Israel (Ezequiel 34:1-10). No Novo Testamento, homens qualificados devem pastorear o rebanho, a congregação do Senhor (1 Timóteo 3:1-7; Atos 20:28-35; 1 Pedro 5:1-3).

Bispo vem da palavra grega episkopos, que quer dizer supervisor ou superintendente. Em 1 Pedro 2:25, se refere ao Senhor. Várias outras passagens usam essa palavra para descrever a responsabilidade de homens escolhidos para guiar os discípulos de Cristo no seu trabalho na igreja (veja Atos 20:28; Filipenses 1:1; 1 Timóteo 3:2; Tito 1:7).

Presbítero (ancião em algumas versões da Bíblia) descreve alguém de idade mais avançada. A palavra é usada na Bíblia para identificar alguns dos líderes entre os judeus. No livro de Atos e nas epístolas, os homens que pastoreavam e supervisionavam as igrejas locais foram freqüentemente chamados de presbíteros (veja Atos 11:30; 14:23; 15:2,4,6,22,23; 16:4; 20:17; 21:18; 1 Timóteo 5:17,19; Tito 1:5; Tiago 5:14; 1 Pedro 5:1; 2 João 1; 3 João 1). São homens de idade suficiente que tenham filhos crentes. Necessariamente são alguns dos mais maduros dos cristãos na congregação. Usam seu conhecimento e experiência para servir como modelos e ensinar o povo de Deus.

Pastores, bispos e presbíteros não são três ofícios diferentes, e sim três palavras que descrevem aspectos diferentes dos mesmos homens.


Igrejas que procuram manter distinções entre pastores, bispos e presbíteros não somente fogem do padrão bíblico como também perdem a riqueza das palavras que o Espírito Santo usou para descrever os guias do povo de Deus.

via GRITOS DE ALERTA