quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Estado Islâmico invade vilarejo e sequestra cristãos sírios

Fontes afirmam que em um dos vilarejos todos os homens foram mortos e as mulheres e crianças foram levadas como reféns.

Mais um vilarejo cristão foi atacado pelos terroristas do Estado Islâmico na Síria. Nesta segunda-feira (23) centenas de cristãos, entre mulheres e crianças, foram sequestrados pelos jihadistas no vilarejo de Tall Tamr, no nordeste do país.

Segundo a revista norte-americana Newsweek, os extremistas resolveram separar os homens das mulheres e crianças, enviando os homens para as montanhas de Abd al-Aziz.

Não há informações sobre a quantidade exata de pessoas que foram retiradas de suas casas e levadas pelos soldados do EI, acredita-se que muitos dos reféns serão usados como troca por prisioneiros levados pelos militantes curdos que combatem os terroristas.

Além de levar as pessoas pra fora da vila, os terroristas também incendiaram a igreja católica local.

Ataques em vilas próximas

A segunda-feira foi bastante sangrenta na região nordeste da Síria, pelo Instagram o ministério Eu Escolhi Esperar pediu oração pelos cristãos dos vilarejos de Tal Hermez e Hazaka, localizados a 300 km de Mossul, no Iraque.

Fontes da Missão em Apoio à Igreja Sofredora (MAIS) afirmaram que nessas vilas todos os homens foram mortos e as mulheres e crianças levadas como reféns. As igrejas foram queimadas e as propriedades tomadas pelos jihadistas que estavam fortemente armados.

Orações Sem Resposta

Por que Deus, aparentemente, não responde a certas orações? Você já orou sincera e fervorosamente por alguma coisa que você nunca recebeu? Talvez você tenha orado firmemente por um filho sadio e seu bebê nasceu com defeitos sérios. Ou você orou pela vida de um ente querido, mas, de fato, essa pessoa morreu. Talvez você tenha orado pela possibilidade de um certo trabalho dar certo, e não deu, ou para que um amigo se afastasse do pecado e voltasse ao Senhor, mas o amigo recusou. Por que o Senhor não responde? Consideraremos três razões.
Porque há problemas com a oração
Deus não responde a todas as orações. Ele não dá ouvidos às orações dos perversos. Observe certos textos que mostram claramente Deus recusando ouvir as orações daqueles que fazem o mal: "Então, chamarão ao Senhor, mas não os ouvirá; antes, esconderá deles a sua face, naquele tempo, visto que eles fizeram mal nas suas obras" (Miquéias 3:4). "Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça" (Isaías 59:1-2). "Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males" (1 Pedro 3:12). As Escrituras são unânimes em ensinar que a vida desobediente de uma pessoa impedirá Deus de responder as suas orações.
Não é somente à pessoa perversa que Deus não ouvirá. Ele não ouve as orações da pessoa que está espiritualmente em cima do muro: "Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa; homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos" (Tiago 1:6-8). Uma pessoa cujo compromisso espiritual é incerto não será ouvida. Deus também não dará ouvidos a orações egoístas: "pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres" (Tiago 4:3). Deus não responderá a orações que são feitas para se mostrar: "E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa" (Mateus 6:5). E o Senhor não responde a orações por perdão quando a pessoa está se recusando a perdoar um outro: "se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas" (Mateus 6:15).
Quando minhas orações não são respondidas, seria uma boa idéia eu olhar no espelho e determinar se há algum problema comigo ou com o meu motivo ou com aquilo pelo que estou orando. Porque é possível que o Senhor não responde por falha minha.
Porque Deus não age conforme nosso cronograma
Algumas vezes parece como se Deus não estivesse respondendo a nossas orações por ele não agir tão prontamente como tínhamos esperado. Ou talvez ele esteja agindo mas não o percebemos. Os homens ficam impacientes. Se não vêem alguma resposta imediata, pensam que Deus está adormecido. Habacuque, por exemplo, queixou-se a Deus porque não estava sendo ouvido; Deus lhe disse que ele já estava fazendo alguma coisa da qual ele nem sabia (Habacuque 1:2,5-6). O Senhor lhe disse: "Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará" (Habacuque 2:3). Os mártires sob o altar estavam clamando por vingança e lhes foi dito que esperassem um pouco (Apocalipse 6:9-11). José teve de sofrer por ser raptado e vendido e então esperar durante 13 anos de escravidão e prisão antes que Deus o libertasse. Mas ele mais tarde viu claramente que a mão de Deus estava em tudo o que tinha ocorrido (Gênesis 45:5-8). Abraão esperou até ter 100 anos de idade para receber o filho que o Senhor lhe havia prometido. Jó teve que esperar durante agoniados meses de dor e sofrimento sem saber se o Senhor o havia ouvido ou se cuidava dele. Deus não age apressadamente; age no tempo que ele, em sua infinita sabedoria, determina que seja o melhor. Temos que esperar pacientemente. As palavras no final de Habacuque são um grande lema para nós: "Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, todavia, eu me alegro no Senhor, exulto no Deus da minha salvação" (Habacuque 3:17-18). Não importa o que acontece e não importa como as coisas parecem ficar ruins, precisamos esperar no Senhor e depositar toda a nossa esperança e confiança nele.
Porque não é a vontade de Deus
Jesus orou insistentemente no jardim para que a taça passasse dele, mas acrescentou: "contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua" (Lucas 22:42). Evidentemente, não era essa a vontade de Deus, porque Jesus bebeu a taça até a última gota. Às vezes, nossa idéia do que seria o melhor para nós difere profundamente do que o Senhor pensa que precisamos. Paulo é uma excelente ilustração deste princípio: "E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo" (2 Coríntios 12:7-9). Ainda que Paulo rogasse três vezes que o espinho fosse removido, o Senhor categoricamente disse que não. Uma vez que o Senhor sabe o que é melhor, é uma bênção que ele aja de acordo com sua vontade, e não com a nossa. Os pais, às vezes, desapontam os filhos pequenos porque recusam fazer tudo o que eles querem. Por exemplo, eles recusam permitir que seus filhos brinquem com fósforos ou dirijam um carro. Algumas vezes o jovem pode sentir-se privado e magoado porque seus pais não atendem ao seu desejo — ele até pode pensar que seus pais não o amam — mas na verdade eles mostram muito mais amor dizendo não do que permitindo que ele faça como lhe agrada... e ferir-se. Davi jejuou e orou para preservar a vida de seu filho recém-nascido, mas reconheceu a vontade do Senhor quando Deus não atendeu ao seu rogo e a criança morreu (2 Samuel 12).
Outra verdade importante é que Deus não violará o livre arbítrio do homem ao atender a uma oração. Em geral, podemos ter confiança em que "se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feito" (1 João 5:14-15). Mas o versículo seguinte adverte-nos de que Deus dará vida em resposta a nossas orações somente no caso do irmão que não peca para morte (isto é, que está [disposto a] permitir que Deus o leve a arrepender-se e receber perdão). Mas oração pelo irmão que está determinado a permanecer em pecado e que recusa os oferecimentos de Deus de misericórdia não será respondida.
Quando oramos e a vontade de Deus é diferente da nossa é muito difícil ajustar-nos para aceitar a vontade do Senhor como a melhor. Moisés teve este problema: "Também eu, nesse tempo, implorei graça ao Senhor dizendo: Ó Senhor Deus! Passaste a mostrar ao teu servo a tua grandeza e a tua poderosa mão; porque [que] deus há, nos céus ou na terra, que possa fazer segundo as tuas obras, segundo os teus poderosos feitos? Rogo-te que me deixes passar, para que eu veja esta boa terra que está dalém do Jordão, esta boa região montanhosa e o Líbano. Porém o Senhor indignou-se muito contra mim, por vossa causa[,] e não me ouviu; antes, me disse: Basta! Não me fales mais nisto" (Deuteronômio 3:23-26). Homens como Moisés, Davi e Paulo foram destacados servos do Senhor. Mas nem mesmo eles queriam sempre o que coincidia com sua vontade. Nossa perspectiva é tão limitada e nossa sabedoria tão falha! Às vezes, precisamos dizer (com Abraão): "Não fará justiça o Juiz de toda a terra?" (Gênesis 18:25). Deus fará o certo. Oramos sinceramente, mas então pedimos que a vontade do Senhor se sobreponha à nossa própria se houver qualquer contradição.
Conclusão
Sobre o poder do Senhor para responder a nossa oração, seu amor por nós, e sua vontade de agir em nosso favor não pode haver dúvida. Mas não sabemos sempre como ele escolherá responder. Quando Sadraque, Mesaque e Abede-Nego foram ameaçados com a punição na fornalha, eles replicaram: "Responderam Sadraque,
Mesaque e Abede-Nego ao rei: Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste" (Daniel 3:16-18). Não sabemos sempre qual é a vontade de Deus, mas não importa a conseqüência, que possamos servi-lo fielmente.
 
 
 
VIA GRITOS DE ALERTA

Por que Deus não responde a algumas orações?

A resposta da Bíblia

Existem algumas orações que Deus não responde. Veja dois fatores que levam Deus a não ouvir a oração de alguém.

1. A oração é contrária à vontade de Deus

Deus não responde a pedidos contrários à sua vontade, ou requisitos, conforme expressa na Bíblia. (1 João 5:14) Por exemplo, a Bíblia condena a ganância, que é incentivada pela jogatina. (1 Coríntios 6:9, 10) Então, Deus não responderá se você orar para ganhar na loteria. Deus não é um gênio da lâmpada para você chamar quando quiser. Mas isso na realidade é algo bom. Afinal, imagine as coisas que as pessoas seriam capazes de pedir a Deus! Isso seria preocupante, não concorda? — Tiago 4:3.

2. A pessoa que ora age de forma rebelde

Deus não ouve alguém que ofende a ele de propósito por fazer coisas erradas. Por exemplo, veja o que Deus disse sobre pessoas que afirmavam servi-lo, mas agiam de forma rebelde: “Embora façais muitas orações, não escuto; as vossas próprias mãos se encheram de derramamento de sangue.” (Isaías 1:15) Mas se elas tivessem mudado seu modo de agir e tivessem ‘resolvido as questões’ com Deus, ele teria ouvido as orações delas. — Isaías 1:18.

Magno Malta critica omissão de Dilma sobre perseguição a cristãos do Estado Islâmico


Magno Malta critica omissão de Dilma sobre perseguição a cristãos do Estado Islâmico
O senador Magno Malta (PR-ES) fez duras críticas à presidente Dilma Rousseff (PT) e aos órgãos do governo ligados aos Direitos Humanos por causa da falta de posicionamento do Brasil em relação aos atentados terroristas promovidos pelo Estado Islâmico contra cristãos.
Nas últimas semanas, os extremistas muçulmanos têm assassinado e/ou sequestrado cristãos no Iraque, Síria e Líbia, por exemplo.
Para Magno Malta – que usou um aparte durante discurso da senadora Ana Amélia (PP-RS) – disse que a postura adotada pelo país é incoerente, pois no caso do brasileiro executado na Indonésia por tráfico de drogas, Dilma exigiu explicações do embaixador indonésio e manifestou repúdio ante a decisão da Justiça de levar a condenação adiante. Porém, em relação ao assassinato dos cristãos coptas egípcios na Líbia, o posicionamento foi diferente.
“Se nós não nos manifestarmos, é o que a Bíblia diz: ‘as pedras clamarão’. Onde está a Secretaria de Direitos Humanos? Porque o Estado Islâmico mata e recebe solidariedade? A presidente faz discurso na ONU e diz que é preciso buscar o diálogo com o Estado Islâmico. Com terrorista. Agora, eles acabaram – numa praia – de matar cristãos degolados. Não vi manifestação nenhuma da Secretaria de Direitos Humanos, nem dos militantes”, criticou o senador.
Assista:

Síria
O número de cristãos raptados pelo Estado Islâmico na Síria chegou a 220, de acordo com informações do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).
Os sequestros ocorreram nos últimos três dias, quando Estado Islâmico invadiu dez aldeias habitadas pela minoria cristã antiga perto Hasaka, cidade comandada principalmente pelos curdos.
Centenas de cristãos já fugiram para as duas principais cidades da província de Hasaka, de acordo com informações do Huffington Post: “O Estado Islâmico agora controla dez aldeias cristãs”, disse o chefe do OSDH, Rami Abdulrahman. “Eles levaram as pessoas que sequestraram para longe das aldeias e seu território”, acrescentou.
 
VIA GRITOS DE ALERTA / CPAD

Roberto de Lucena lança campanha pela igreja perseguida


Roberto de Lucena lança campanha pela igreja perseguida
Após chocar o mundo no penúltimo domingo (15), com a divulgação de um vídeo no qual 21 cristãos egípcios foram decapitados, o Estado Islâmico publicou mais imagens no último final de semana, nas quais outros 21 reféns (desta vez, curdos) aparecem presos em jaulas.
O pastor Roberto de Lucena, que já havia se pronunciado sobre o fato – expressando o seu repúdio ao terrorismo – lançou uma campanha de 40 dias de oração pelos cristãos perseguidos em todo o mundo.
Fato é que a legenda do primeiro vídeo publicado pelo grupo terrorista gerou grande repercussão e uma comoção coletiva. “O Povo da Cruz: Seguidores de uma igreja egípcia hostil”, dizia a inscrição para se referir aos cristãos, representados por aqueles 21 homens ali executados.
A campanha lançada por Lucena tem início marcado para o primeiro dia do próximo mês de março e pode ser aderida por todos os que se dispõem a orar pela igreja perseguida, independente da denominação.
“Eu quero convidar a todos para nos organizarmos e, a partir do dia 1º de março nós possamos fazer uma grande cruzada de oração, durante 40 dias, clamando ao nosso Deus e pedindo a Ele pela igreja perseguida e pelo Povo da Cruz, que está sendo afrontado, perseguido e eliminado de maneira brutal, grotesca”, destacou.
Hashtags como ?#‎eufaçoparte e ?#‎opovodacruz? têm sido usadas para divulgar a campanha nas mídias sociais.
Parlamento
Além de convidar a todos os cristãos para se juntarem nesta campanha, o deputado também voltou a falar sobre a importância de que o governo brasileiro se posicione de maneira mais firme contra o terrorismo.
Lucena já apresentou um Projeto de Lei no qual o Congresso Nacional autoriza o presidente da República a suspender relações diplomáticas com países que se mostrem tolerantes ou até mesmo de alguma forma aprovem atos terroristas, perseguição religiosa ou qualquer outro tipo de desrespeito aos direitos humanos.
“Eu quebrei o silêncio no Congresso Nacional e agora vamos fazer força para aprovarmos esta proposta legislativa”, disse.
Lembrando de outro grande massacre registrado na história, Lucena destacou que se a comunidade internacional tivesse se mobilizado poderia ter evitado de alguma forma, a morte de 6 milhões de judeus nos campos de concentração de Adolph Hitler.
“A história parece repetir-se e apresentar-se diante de nós. É preciso que nós rompamos com isso. Por isso a minha indignação e o meu desconforto”, alertou.
Além de integrar a Coalizão Internacional de Parlamentares – que defende a liberdade religiosa no mundo como direito fundamental – Lucena também faz parte da Frente Parlamentar em Defesa da Liberdade Religiosa, que será lançada no próximo mês de março, em Brasília.
 
CPAD

APOIADOR DO ISLÂ. Obama se recusa a chamar os homens decapitados no Egito de `cristãos´ e é fortemente criticado


Obama se recusa a chamar os homens decapitados no Egito de `cristãos´ e é fortemente criticado
O presidente americano Barack Obama tem sido fortemente criticado depois de se recusar a nomear as 21 vítimas de decapitação do Estado Islâmico como cristãos, citando eles como “cidadãos egípcios”. Depois disso, o presidente se explicou na Cúpula da Casa Branca de Luta contra o Extremismo Violento, na quarta-feira (18), e colocou sua opinião sobre os ataques do Estado Islâmico (EI).
"Houve uma quantidade justa de debates na imprensa sobre as palavras que usamos para descrever e enquadrar este desafio, então eu quero ser muito claro sobre como eu vejo isso", disse Obama. "Al-Qaeda e os grupos do Estado Islâmico estão desesperados por legitimidade. Eles tentam se retratar como líderes religiosos, guerreiros santos em defesa do Islamismo. É por isso que o EI pressupõe a se declarar o ‘Estado Islâmico’.”
“Não há um perfil definido de um extremista violento ou terrorista. Não há como de prever quem é que fará o ataque", continuou Obama. "Não estamos em guerra contra o Islamismo. Estamos em guerra contra as pessoas que perverteram o Islamismo.”
Diante do discurso de Obama, o correspondente Fox News, Ed Henry, questionou ao secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, por que Obama não explicou a classificação das vítimas do EI como cristãos em seu discurso.
"Os extremistas do EI que realizaram esse ataque, indicaram que a razão da decapitação não era apenas por eles serem egípcios, mas também porque eles eram cristãos”, disse  Earnest. "Eu não posso explicar o porquê dessa linha específica [de chamar os cristãos de ‘cidadãos’], mas está claro que condenamos o assassinato escandaloso destes cidadãos egípcios por causa de sua fé cristã.”
O secretário de Obama observou que “o grupo terrorista que chamamos de Estado Islâmico tem assassinado civis inocentes, incluindo os americanos, e espalhou sua barbárie para a Líbia com o assassinato de cristãos egípcios.” 
O Presidente do Conselho de Pesquisa da Família, Tony Perkins, também criticou Obama e considerou "preocupante" ele não ter reconhecido a religião das vítimas. “Está muito claro neste vídeo que o Estado Islâmico se tratava de uma execução do 'povo da cruz’. Aparentemente, não há dificuldade para ninguém em dizer 'cristãos', enquanto na Casa Branca isso é algo ruim", disse Perkins.

Sucessão de David Miranda na Deus é Amor poderá causar divisão na igreja

O falecimento de David Miranda deverá proporcionar uma mudança nas características da denominação, segundo o pesquisador Johnny Bernardo.

A sucessão do missionário David Miranda à frente da Igreja Pentecostal Deus é Amor deverá ser definida em breve, e o filho mais velho do falecido líder deverá ser o escolhido.

Miranda faleceu no último sábado, 21 de fevereiro, aos 79 anos, vítima de um infarto fulminante. Em seu velório – que se estendeu até esta terça-feira – milhares de fiéis compareceram à Sede Mundial da denominação para prestar suas homenagens.

Para o pesquisador Johnny Bernardo, colunista do Gospel+, o falecimento de David Miranda deverá proporcionar uma mudança nas características da denominação, que foi conduzida, desde sua fundação, em uma doutrina ultraconservadora pelo missionário.

“Nos próximos anos a denominação fundada em um pequeno salão da Vila Maria, em 1962, e que hoje possui 11 mil filiais e quase um milhão de membros no Brasil, assumirá uma nova configuração. É uma tendência natural, comum após o falecimento de um fundador. As Assembleias de Deus passaram por algo semelhante após a morte de Daniel Berg, em 1963”, escreveu Bernardo.

A hipótese de que, o hoje pastor David Miranda Filho seja o substituto de seu pai na presidência mundial da Deus é Amor é vista como natural, embora existam candidatos ao cargo na direção da denominação.

No entanto, Bernardo aponta que mesmo o nome mais forte dentre os auxiliares do missionário David Miranda não teria apoio político suficiente para vencer a influência da família do fundador da denominação.

“A discussão gira em torno do sucessor de David Miranda. Apesar de possuir grande influência e liderança, o Pr. Lourival de Almeida dificilmente conseguirá romper o núcleo duro da família Miranda. Com 53 anos de história, a Igreja Pentecostal Deus é Amor sempre foi liderada por membros da família Miranda, um dos motivos pelos os quais a denominação tem enfrentado resistências e deserções. O mais provável é que David Miranda Filho será o próximo presidente mundial da IPDA”, analisou o pesquisador.

Segundo Bernardo, David Miranda Filho permitiria à denominação uma flexibilidade maior em suas doutrinas e eventualmente no relacionamento com as demais denominações pentecostais: “Com perfil mais liberal, o novo presidente poderá ser um fator determinante na abertura da denominação. Diferente de seu pai, David Miranda Filho é um entusiasta das redes sociais e tem sido visto em reuniões informais, de forma descontraída e cercado por amigos. Não é o perfil desejável por parte do colegiado de obreiros, mas tende a assumir a presidência. A primeira eleição para a presidência poderá ser marcada por uma forte disputa e possíveis deserções”, antecipou.

10 Erros a Evitar na pregação da Palavra


“Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina” (2 Timóteo 4.2)
 
Creio que essa era a principal preocupação do apóstolo Paulo ao escrever esta segunda carta a Timóteo. De fato, o jovem Timóteo jamais deveria ser levado por outras distrações que lhe desviasse o foco da mensagem cristocêntrica. Podemos dizer que o conselho dado a Timóteo não tem sido muito bem aproveitado por muitos pregadores do século 21. Em muitas igrejas o foco da mensagem cristocêntrica tem sido substituído por outras coisas totalmente alheias e desnecessárias.
Temos visto muitas “pregações” que nos deixam estupefatos e até mesmo preocupados. Devemos esclarecer que o nosso objetivo aqui não é ensinar a pregar a palavra, mas identificar e alertar sobre alguns desvios cometidos no meio do arraial dos santos. Mencionaremos pelo menos 10 incoveniências que freqüentemente ocorrem nos púlpitos de nossas igrejas, os quais devem ser evitados:
 
1. Abandonar o texto
Pregar a Palavra não consiste em ler um texto bíblico e imediatamente abandoná-lo para em seguida falar da própria experiência, dos sonhos, visões e conquistas espirituais e seculares. Por mais que tenha algo de interessante, nada deve substituir a exposição da Palavra. A exposição da Palavra por sua vez não deve ser confundida com a narração de várias histórias sem vínculo algum com a passagem em pauta. Iniciar, por exemplo, com a parábola do filho pródigo e completar com a cura do cego de Jericó e concluir com a mulher samaritana sem fazer a devida contextualização e aplicação prática. Isto feito pouco se aproveita. A falta de objetivo na pregação dificulta a compreensão por parte dos ouvintes. Esse tipo de pregação tem sido muito favorável às conversações paralelas na igreja.
Fomos chamados para dizer o que Deus disse em sua Palavra. Ez 33.7
 
2. Usar citações indevidas
Pregar não é citar intelectuais do mundo secular, dizendo o que eles pensam ou pensavam sobre Deus, sobre o pecado e sobre quaisquer assuntos espirituais. A igreja não está interessada em saber o que um sociólogo, psicólogo, ou filósofo tal disse sobre Deus, sobre o pecado, sobre a família, etc. O que importa para a igreja é o que Deus diz em Sua palavra.
Um homem por mais intelectual que seja, se não for um homem de Deus, a sua teologia não é correta, e portanto descartável. Sempre que o apóstolo Paulo precisava fundamentar seus argumentos ele se expressava assim: “Mas o que diz a Escritura?” (Gálatas 4.30)
 
3. Exagerar falando das novidades do mundo secular
Igualmente, pregar não é gastar boa parte do tempo tempo falando das tecnologias do século 21, de política ou mesmo comentar conteúdo de filmes, novelas ou noticiários veiculados na internet.
Não somos contra a informação e precisamos dela, mas a igreja não se reuniu para isto. O que acontece? Jesus foi bem claro em Lucas 6.45: “O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.” A igreja se reuniu com objetivos específicos voltados à adoração. Ela jamais deve ser confundida com os atenienses, os quais nos dias de Paulo se ocupavam apenas em ouvir ou dizer as últimas novidades.
 
4. Testemunhar negativamente
Pregar não é falar detalhadamente sobre a nossa vida de pecado antes de receber a Cristo como Salvador, isto só gera constrangimento. Sim, testemunhos devem ser dados, mas só são proveitosos quando se tem em mente 1 Pedro 4.11: “Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e poder para todo o sempre. Amém.”
 
5. Ter visão distorcida da glória de Deus
Igualmente pregar a Palavra não é avisar a igreja o tempo todo que vai descer a glória de Deus e nada acontece! A igreja cansa de esperar por esse momento “glorioso” o qual nunca chega. Qualquer crente instruído na Palavra de Deus sabe que a glória de Deus não se manifesta através desses expedientes. O máximo que esses “pregadores” conseguem é transmitir uma ideia errada acerca da glória de Deus, principalmente para os novos convertidos.
 
6. Querer atuar no lugar do Espírito
Pregar não é tratar asperamente a igreja porque ela não está dando “glória a Deus.” Qualquer pessoa sabe que quando o pregador está sob a unção do Espírito a igreja glorifica a Deus naturalmente sem pressão nenhuma. Comandos dessa natureza são indícios de que o pregador não orou, não se consagrou e negligenciou o estudo da Palavra. Ele deveria pelo menos lembrar que a igreja continua sendo a noiva de Cristo! Imagine como Cristo se sente vendo alguém brigando com a noiva dele!
 
7. Dar comandos exclusivistas
Pregar igualmente não é emitir comandos exclusivistas do tipo: “Só quem vai morar no céu levanta a mão ai” Se essa insinuação fosse verdadeira, alguém que sofresse de bursite não iria para o céu! Nem é necessário dizer que a nossa salvação depende destes modismos baratos para ser verdade. Graças a Deus, pela liberdade que temos em Cristo não somos obrigados a obedecer esses tipos de comando.
 
8. Manifestar inimizade
Pregar não é desabafar ou discordar direta ou indiretamente do pastor, dirigente da congregação, ou mesmo de qualquer membro da igreja. Esta “sabedoria” nunca servirá para a edificação da igreja. Em Tiago 3.14-16 temos uma alerta de Deus: “Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa.” Púlpito nunca foi lugar para desabafo!
 
9. Usar lendas e mitos como ilustrações
Pregar não é se valer de mitos ou lendas para ilustrar a mensagem. Embora essas história contenham lições morais, jamais tem autoridade para ilustrar a verdade da palavra de Deus. Diga-se de passagem, Deus jamais precisou de uma ajuda extra do diabo (que é o pai da mentira) para ilustrar a Verdade de sua Palavra. Para isso Deus nos deixou todo o Antigo Testamento e as parábolas de Jesus, estas são perfeitas ilustrações para qualquer doutrina bíblica.
 
10. Gritar em vez de pregar
Pregar não é ordenar publicamente ao sonoplasta que aumente o volume do microfone apenas para exibir a “excelência” do timbre de voz do pregador. Na verdade gritaria nada tem nada a ver com unção. Para muitos pregadores a igreja é composta apenas de surdos e, diga-se de passagem, é também por esta causa que muitos não-crentes não põem mais os pés no prédio da igreja. Que se pregue a Palavra com veemência. A Bíblia diz que Apolo pregava com veemência, mas em Atos 18.24 a qualidade mais destacada de Apolo era esta que ele era eloquente e poderoso nas Escrituras.
Devemos apenas lembrar que a pregação deve ser cristocêntrica do começo ao fim, sem subterfúgios para citações descabidas e modismos absurdos. A exposição do evangelho de Cristo deve ser feita de forma simples e pura. Isto é o suficiente para que a igreja seja edificada e os pecadores entendam o plano de Deus para a salvação.
John MacArhur, pastor norte-americano, quando manifestou a seu pai o desejo de ser pregador, imediatamente o pai lhe deu uma Bíblia na qual escreveu: “Pregue a Palavra”. De fato, quem se propor à pregação da Palavra deve estar atento ao significado de “manejar bem a Palavra da verdade” (2 Tm 2.15)





VIA GRITOS DE ALERTA / RECEBIDO POR EMAIL

O QUE SIGNIFICA 5777--"LEI PERFEITA, LEI DA LIBERDADE"

(TG 2:8; 1:25)(ler -2 Co 3:16 a18)."SE CRISTO VOS LIBERTAR SEREIS VERDADEIRAMENTE LIVRES."(JO 8:36)-- Para que...