sexta-feira, 27 de julho de 2012

Igreja evangélica recorre a lutas de MMA para arrebanhar novos fiéis

Lutador amador de MMA participa de sessão de pesagem em templo da Renascer na Zona Leste de São Paulo (Foto: Marcelo Mora/G1)
Lutador amador de MMA participa de sessão de pesagem em templo da Renascer na Zona Leste de São Paulo (Foto: Marcelo Mora/G1)


Parece estranho e para muitos até assusta, como admite bispo da própria Igreja Renascer. Colado na porta de vidro de um templo de igreja evangélica, um cartaz anuncia um campeonato de artes marciais mistas, conhecido pela sigla em inglês MMA e popularizado como uma espécie de vale-tudo.

O palco das 12 lutas, sendo 11 delas entre atletas amadores e apenas uma envolvendo profissionais, deixa de ser um local de culto e oração a partir das 22h desta sexta-feira (27). O templo da Renascer que receberá a competição fica na Vila Matilde, região da Penha, na Zona Leste de São Paulo.
Na noite desta quinta-feira (26), em uma sala nos fundos do templo, ocorreu a pesagem dos 24 lutadores, distribuídos em quatro categorias – até 62 kg, de 62kg até 70 kg, de 70 kg até 84 kg, e de 84 kg até 93 kg.

É preferível que um atleta perca um pouco de sangue no octógono do que ele perder a vida para as drogas ou para a criminalidade"
George Ramos, bispo

A justificativa, no entanto, é mais do que imediata e direta: “é preferível que um atleta perca um pouco de sangue no octógono (como é chamado o ringue das lutas de MMA) do que ele perder a vida para as drogas ou para a criminalidade”, ressalta o bispo George Ramos.

O objetivo principal do quarto campeonato de lutas de MMA é justamente o de conseguir novos fiéis para a Igreja Renascer. Ao mesmo tempo, o de utilizar o esporte – qualquer que seja – como ferramenta para tirar os jovens do meio do tráfico. Por último, ajudar os lutadores, profissionais e amadores, a ganharem projeção no cenário desportivo.

A opção pelo MMA como instrumento para arrebanhar novos fiéis se deu pela sua crescente popularidade, principalmente entre os mais jovens, nos últimos anos. “Além disso, é um esporte mais fácil de viabilizar em um templo, por exemplo. Nós (da Renascer) já temos um nicho de realização de eventos, com os quais atraímos os jovens. Nós usamos esta estratégia para viabilizar a palavra de Deus”, afirmou Vagner Miguel, mais conhecido como presbítero Baby.

Felipe Gabriel: "Só entra ali quem está preparado". (Foto: Marcelo Mora/G1)Com esta finalidade, a Renascer já havia criado há cerca de 15 anos o Ministério de Lutas, que promovia cursos de jiu-jitsu e muay thai, lutas marciais. Em 2008, teve início, não sem sustos, a promoção das lutas de MMA. “Como se trata de um esporte de contato, isso assusta muitas pessoas em outras igrejas. No começo, na nossa também assustou. Mas tudo o que fazemos aqui é com temor a Deus”, afirmou bispo Ramos, em preleção aos 24 lutadores, a maioria deles, curiosamente, de não evangélicos, antes de se iniciar a pesagem.

Felipe Gabriel: "Só entra ali quem está preparado"
(Foto: Marcelo Mora/G1)

Apesar de as lutas serem autorizadas pela Federação Paulista de MMA, algumas regras, principalmente nas lutas entre atletas amadores, são alteradas para evitar contusões mais sérias nos combates – e, claro, minimizar os efeitos de golpes mais violentos. “É preciso lembrar que alguns aqui vão lutar e nem vão dormir, vão direto para o trabalho”, destacou o presbítero Baby.

Quando os dois lutadores estiverem no chão, não é permitido socar o rosto do adversário, por exemplo. De pé, não valerá nem cotovelada e nem cabeçada no adversário. E quando o oponente recorrer ao terceiro apoio – dois pés e mais o joelho, ou o os dois pés e uma mão no chão, por exemplo – é vetado dar joelhada na cabeça. Alguns golpes que possam causar lesão de joelho também não serão permitidos. Qualquer infração dentre as citadas acima é punida com a eliminação imediata, segundo os organizadores.

Se para os integrantes da Renascer não há qualquer contradição em aliar fé com lutas de MMA, aos lutadores, evangélicos ou não, quando dentro do octógono, interessa apenas a luta em si – e mais nada.

“Só entra ali quem está preparado. As outras coisas ficam de fora. Você pensar em superar o seu adversário. Não há contradição alguma nisso, pois é um evento para atrair fiéis para um caminho melhor”, defendeu o comerciante Felipe Gabriel, de 20 anos e frequentador da Renascer há seis anos. No cartel dele, 10 lutas de MMA, com sete vitórias.

Marcelo Matias: 'Quero visibilidade para lutar' (Foto: Marcelo Mora/G1)Marcelo Matias: 'Quero visibilidade para lutar'
(Foto: Marcelo Mora/G1)

“Não há nenhuma contradição (em ser evangélica e praticar MMA). Porque eu pratico um esporte. Eu penso como esportista, não quero agredir por agredir. Não pode querer ser valentão na rua. Por isso que é um esporte que tem juiz, que tem regras. É uma combinação que funciona: esporte e a palavra de Deus”, completou o professor de jiu-jitsu Aloísio Figueiredo, de 29 anos e frequentador da igreja pentecostal Brasa Viva.

Lutadores de MMA fazem pose após sessão de pesagem na véspera do combate (Foto: Marcelo Mora/G1)Lutador profissional de MMA, Marcelo Matias, de 29 anos, será um dos protagonistas da noite ao fazer a luta de fundo, na disputa pelo cinturão do torneio. Matias, no entanto, não é evangélico. Ele admite conhecer mais de perto a igreja que promove o evento, mas a prioridade dele é outra: “Tenho interesse em conhecer, sim, mas quero mais visibilidade para lutar”, disse.

Para participar de torneios deste tipo, ele costuma receber uma bolsa – um prêmio em dinheiro. Já disputou torneios em Barueri, na Grande São Paulo, e em Sorocaba, no interior. Mas enquanto sonha um dia brilhar no UFC Matias dá duro no dia-a-dia como operador de empilhadeira. “Mas minha vida é o esporte. Pratico lutas marciais desde os 10 anos”, ressalta, diante de mais uma oportunidade de exibir a sua “arte”.

E quem buscar nas palavras da Bíblia argumentos para contestar a utilização das lutas de MMA com o objetivo de arrebanhar novos fiéis será surpreendido por um contragolpe à altura. “Um versículo da Biblía diz ‘Me fiz de louco para ganhar os loucos’. É sobre Davi, que ao se deparar com mais uma morte, começou a babar. Nós usamos justamente esta estratégia para viabilizar a palavra de Deus”, destacou o presbítero Baby.

Lutadores de MMA fazem pose após sessão de pesagem na véspera do combate (Foto: Marcelo Mora/G1)
 
FONTE . www.g1.com.br
 

Dilma se reúne com bispo e age para evitar acordo entre Serra e Russomanno

Dilma se reúne com bispo e age para evitar acordo entre Serra e RussomannoDilma se reúne com bispo e age para evitar acordo entre Serra e Russomanno
A presidente do Brasil Dilma Rousseff se reuniu em Londres como presidente do Partido Republicano Brasileiro (PRB) e bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcos Pereira. Na ocasião fez uma recomendação a Pereira para não fazer acordo com a oposição nas eleições municipais.
“Por favor, não me faça aliança com partidos que não são da base do governo”, disse Dilma, segundo Pereira. De acordo com a Folha de S. Paulo, alguns dias antes ele e o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra haviam se reunido.
A reunião teve o propósito de selar um pacto de convivência durante as eleições entre Serra e Celso Russomanno. Pereira é coordenador da campanha de Russomanno.
A chefe de estado brasileira visitou os estúdios da TV Record construído para a cobertura dos Jogos Olímpicos onde foi recebida pela cúpula da Record, o bispo Edir Macedo e o presidente Alexandre Raposo.
Segundo a publicação, o tema sobre as eleições municipais em São Paulo foi abordado pelo próprio Pereira durante a visita da presidente aos estúdios da TV Record, em Londres. O assunto teria sido abordado em uma reunião reservada de Dilma com o dono da emissora, bispo Edir Macedo, e integrantes da cúpula da Record.
Perguntada se iria apoiar algum candidato, ela disse que por hora esperará o cenário se definir nas cidades em que a base tem mais de um candidato.
Na avaliação do PRB, uma possível neutralidade de Dilma tornará mais difícil a Haddad crescer em setores médios e conservadores que têm resistência a Lula.
Na cidade-sede dos Jogos Olímpicos, Dilma também se reuniu com o primeiro-ministro britânico, James Cameron, e a rainha Elizabeth II. Ela debateu a questão da crise na Europa e adiantou que anunciará um pacote anticrise dentro de três meses no Brasil.
Dilma esteve nos estúdios da Record acompanhado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e da secretária de Comunicação, Helena Chagas.

Polícia chinesa confisca Bíblias de igreja

Autoridades chinesas estão cometendo uma série de abusos de poder contra a igreja não registrada de Chengguan, o ataque mais recente aconteceu com uma membro dessa denominação, Xia Changzhi, que teve sua casa invadida.
Dessa invasão, cinco caixas de Bíblias foram confiscadas sob a alegação de que eram livros pirateados, quando na verdade as Bíblias são publicadas pelo próprio governo da China e vendidas em uma igreja autorizada.
Segundo o ministério Portas Abertas, Xia chegou a ser chamada para um interrogatório podendo explicar que adquiriu as Sagradas Escrituras legalmente em uma igreja que tem autorização para funcionar e para vender esses livros. Mas mesmo assim o oficial da província de Shaanxi afirmou que a igreja não tem licença e que, portanto, não poderiam adquirir aqueles livros.
O ministério de Chengguan tem sido perseguido pelas autoridades há muito tempo chegando a ameaçar os membros e alertando-os para que busquem seus direitos legais. Ao determinar que o caso da apreensão das Bíblias é caso de pirataria a igreja e o pastor terão que pagar multas.

Muçulmanos incendeiam casas de cristãos no Egito

Muçulmanos incendeiam casas de cristãos no EgitoMuçulmanos incendeiam casas de cristãos no Egito
Bombas incendiárias foram lançadas em casas de cristãos egípcios nesta seta-feira (27) por grupos de muçulmanos. Pelo menos uma pessoa ficou ferida nesses ataques ocorridos próximo ao Cairo, na capital do Egito.
De acordo com dados da polícia local, a violência foi motivada por um incidente de trabalho, um cristão comerciante queimou a camisa de um muçulmano ao passar a roupa. No Egito os cristãos são minoria, eles representam entre 6 a 10% da população formada por 82 milhões de pessoas.
Por essa desvantagem, os cristãos se consideram vítimas de discriminações e são alvos de diversos ataques violentos. Para se ter uma ideia, em janeiro de 2010 um atentado a uma igreja deixou seis mortos. Um ano depois, outro atentado, dessa vez em Alexandria, deixou outras 20 pessoas mortas.
Nos últimos anos muçulmanos incendiaram por diversas vezes casas de cristãos, em situações diferentes, muitas delas acompanhadas de atos violentos que criaram grandes conflitos religiosos.
O presidente recém-eleito garantiu que irá respeitar as diferenças religiosas e até prometeu nomear cristãos para ajudar em seu governo. Durante as eleições os cristãos se mostravam apreensivos com a candidatura do islamita Mahamed Mursi, acreditando que esses casos de violência pudessem aumentar.
Com informações Band

Avivamento entre os povos tribais do Rajastão


Avivamento entre os povos tribais do Rajastão

Uma grande parte da população da Índia ainda vive em tribos, e uma das mais numerosas está testemunhando um avivamento cristão. Centenas de homens, mulheres e crianças do Rajastão que seguiam o hinduísmo se consideram seguidores de Cristo.

O Rajastão é o maior Estado da Índia, sua capital é Jaipur e as línguas oficiais são o hindi e o rajastani.

Dinesh Shur falou ao site CBN News sobre por que os povos tribais estão aceitando Jesus Cristo. Durante 10 anos o pastor Dinesh, serviu a Deus em uma grande cidade. Mas ele diz que Deus mostrou que ele precisava voltar para sua aldeia, suas raízes e seu povo para compartilhar as boas novas.

“Eu era como Jonas na Bíblia”, disse Shur. “Eu não quero viver na minha aldeia. Eu queria servir a Deus na cidade, onde as coisas são mais fáceis. Eu queria alcançar outros com o evangelho, mas não o meu próprio povo. Porém, quando você faz a obra de Deus e começar a ver os frutos do seu trabalho, é impressionante. Você vê as vidas transformadas, vê a felicidade eterna no rosto das pessoas”, disse ele.

“A transformação foi quase imediata”, afirma Shur. “As famílias pararam de orar a seus antepassados, pararam de beber e com suas práticas de feitiçaria. Toda a sua vida mudou quando eles aceitaram Jesus.”

Dinesh é um membro da etnia Bhil, uma das maiores tribos dos estados centrais da Índia. “Os Bhil são principalmente agricultores. São muito pobres e ainda fazem o mesmo que seus antepassados faziam séculos atrás”.

O pastor lembra que missionários estrangeiros têm ministrado nesta área há mais de 135 anos, mas nunca tiveram os resultados que ele testemunha no momento. Embora ainda sejam minoria, há relatos de que cerca de 300.000 pessoas da região se tornaram cristãos nos últimos 10 anos, a maioria deles é da etnia Bhil.

“Temos 42 reunião de oração nas casas espalhadas por 22 aldeias. Temos também 32 obreiros de nossa igreja que vão de aldeia em aldeia compartilhar o evangelho. No próximo ano meu objetivo é enviar missionários para os estados vizinhos e visitar todas as aldeias Bhil”, acrescenta.

Jeevani Karadi é uma líder de igreja em uma parte remota do Rajastão. Aos 65 anos, quando não está na estrada, está ajudando o pastor Dinesh a liderar um grupo caseiro. No dia que a CBN News esteve lá, ela reuniu dezenas de fiéis sob uma árvore.

“Nosso grupo está ficando tão grande que não tenho espaço suficiente em minha casa para atender a todas essas pessoas”, disse ela. Ela começa a reunião dando o testemunho de sua vida. Cerca de seis anos atrás, vagava pelas ruas da vila, comportando-se como uma mulher louca, por vezes até nua.

Então que ela teve um encontro com Jesus. Hoje, ela é uma das líderes da igreja local. “Os moradores zombavam de mim. Eles gritavam coisas desagradáveis enquanto eu caminhava pelas ruas”, lembra Karadi. “As pessoas diziam que eu estava amaldiçoada. Então conheci o pastor Dinesh, e ele orou por mim. Fiquei curada na hora. Jesus me libertou”, ela continuou.

Sua cura levou muitos a crerem em Cristo e ajudou a iniciar o primeiro grupo de oração nas casas. O pastor disse que esses testemunhos são apenas um lembrete de como é importante obedecer e confiar em Deus. “Hoje eu estou vivendo os frutos da decisão obedecer e voltar para minha aldeia. É fácil? Não. Enfrentamos desafios? Sim”, disse ele. “Mas temos Cristo para nos apoiar. Ele é tudo que precisamos para ver a mudança entre esse povo”.

Fonte: Gospel Prime

ADULTEROS DA FÉ OU SERVOS DO DIABO ?


É comum nos dias de hoje vivenciarmos tantas barbáries em nome de Deus.
Os chamados psicopatas da fé estão ai a inventarem tantas baboseiras teológicas que levam as pessoas a ficarem confundidas .
Como por exemplo , uma certa igreja que tem levado seus membros a doarem suas casas , a ofertem seus carros , a entregarem seu tudo , com suposta forma de alcançarem uma grande graça.
Esses dias fui informado que correm na justiça Brasileira vários processos contra essas famosas igrejas do

 " É DANDO QUE SE RECEBE"

Fiquei estarrecido , esses dias a trás , quando ouvindo pela rádio , uma certa programação de uma das maiores igrejas do Brasil , onde um famigerado enganador de multidões falava a seguinte proposta.


QUANTOS ANOS TEM SEU AVÓ ?
95 ANOS ?
ELE É CONVERTIDO ?
NÃO ?
ENTÃO VOCÊ VEM A IGREJA E TRAZ CONSIGO 95  REAIS DE OFERTA PELA CONVERSÃO DE SEU AVÓ .

E ASSIM FOI , ATÉ A CONVERSÃO DO RESSEM NASCIDO .

QUE PICARETAGEM É ESSA ?
E DEPOIS VEM COM A BABOSEIRA QUE ESTAMOS SENDO PERSEGUIDOS ?
O JUIZ É ASSUSTADOR PARA O BANDIDO , MAS PARA O QUE FAZ O BEM NÃO É , POIS É JUSTIÇA.
Esses que condicionam a salvação dos perdidos pelo ato de uma oferta são malditos enganadores a serviço do diabo.
São aproveitadores da fé alheia , de um povo que sofrido por tantos desmandos de nossos governantes , são ovelhas sendo abocanhdas por lobos perversos , satanistas , que USAM A  BÍBLIA DA MESMA FORMA QUE O DIABO USOU PAR TENTAR ENGANAR A JESUS CRISTO.
Pois a salvação já teve um preço .
FOI O SANGUE DE JESUS CRISTO , O SACRIFICIO DO SALVADOR , QUE POR NOSSAS VIDAS JÁ PAGOU O PREÇO JUSTO.

Portanto , se você ver , algun lider de igreja , pastor , bispo , apostolo etc , envolvendo dinheiro com a salvação dos perdidos.
DENUNCIE , POIS É LOBO EM PELE DE CORDEIRO.


BISPO ROBERTO TORRECILHAS
pode copiar e usar , cite apenas a fonte.

IRÁ A MAÇONARIA CONSTRUIR O TERCEIRO TEMPLO EM JERUSALÉM?


Nesta onda de escândalos ventilados em Portugal por causa da ligação de muitos deputados à Maçonaria - parece que em Portugal agora não se fala de outra coisa, talvez uma forma de ocultar a grave crise econômica (?) - e, curioso como sou em pesquisar todas as áreas que julgo de interesse profético, cheguei à conclusão que o tão ansiado Terceiro Templo de Jerusalém, a ser "necessariamente" construído para que o Anticristo ali  possa se sentar, pode muito bem ser construído pelos próprios maçons, uma vez que este é um dos grandes propósitos da Maçonaria.
A minha pesquisa ganhou maior vulto após ter descoberto que o próprio atual primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu,  ele próprio é membro de uma loja maçônica, e não só ele, mas uma série de primeiros-ministros que o precederam também fazem parte dessa organização secretista.

OS MAÇONS E O TEMPLO DE JERUSALÉM
Não são só os judeus (particularmente os religiosos) que anseiam ver o Terceiro Templo reconstruído. Para os maçons, o Templo é de vital importância, uma vez que toda a sua estrutura e filosofia gira à volta da ciência do Templo de Salomão.
Numa edição da Bíblia usada nas lojas maçônicas, John Wesley Kelchner escreve na sua introdução:

 "O Templo de Salomão é a casa espiritual de cada maçom."
E o mesmo autor acrescenta: "As tradições e romance do Templo do Rei Salomão são de importância transcendental para os maçons. O Templo é um destacado símbolo na Maçonaria, e a legendária história da construção do Templo é a base fundamental do governo e direção maçônica para a vida".
Na Enciclopédia da Maçonaria Livre, Albert Mackey, do 33º grau, e Charles T. McClenachan, também do 33º grau, afirmam que o templo é o objecto mais importante da Maçonaria:
"De todos os objetos que constituem a ciência maçônica do simbolismo, o mais importante, o mais acarinhado e de longe o mais significa tivo para o maçom é o Templo de Jerusalém. A espiritualização do Templo é o primeiro, o mais proeminente e o mais pervasivo de todos os símbolos da Maçonaria. Tirem da Maçonaria a sua dependência do Templo; retirem dos seus rituais todas as referências, legendas e tradições ligadas a esse edifício sagrado, e o sistema cairá e morrerá de um momento para o outro".
PRECISA-SE: HOMEM PARA CONSTRUIR O TEMPLO
Não só é o Templo de importância vital para a Maçonaria, como existe também uma necessidade de "edificar" o mesmo em favor da verdade:
"O grande corpo da habilidade maçônica, olhando apenas para este primeiro Templo erigido pela sabedoria do Rei Salomão, faz dele o símbolo da vida; e como o grande objectivo da Maçonaria é a busca da verdade, eles são dirigidos para edificar este Templo como um receptáculo apropriado para a verdade". Na sua introdução à Bíblia maçônica, John Wesley Kelchner leva a idéia da "edificação" um passo mais à frente, sublinhando que há tantos detalhes associados ao Templo que tudo o que é necessário é aparecer alguém com visão para reconstruir o templo.
Qualquer estudioso da Bíblia sabe que uma descrição espantosamente detalhada do Templo e sua estruturas associadas tem-nos sido transmitida até nós desde os longínquos tempos de Salomão. Medidas lineares, os materiais empregues e os detalhes ornamentais são graficamente tão bem apresentados que, a restauração do Templo depois de tantos séculos passados espera só pela vinda de um homem com a visão para reconhecer o seu valor histórico e a imaginação para encarar a tarefa.
Na obra "Uma Nova Enciclopédia da Maçonaria e dos Mistérios Cognitivos Instituídos: Os Rituais, Literatura e a História", Edward Waite declara: "Nos altos graus (da Maçonaria) ouvimos de uma intenção secreta de construir um outro templo em Jerusalém. Vemos portanto que existem planos para reconstruir o templo e que eles estão à espera de um homem com visão para assumir a tarefa".

A DECLARAÇÃO DE BALFOUR - FUNDAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL
Declaração de Balfour
Claro que ninguém poderia considerar a reconstrução do Templo se o povo do Templo não estivesse presente na terra. Por isso, era necessário que o povo judeu voltasse à sua terra. Um dos movimentos fundadores desta realidade foi sem dúvida a "Declaração de Balfour", que foi na verdade uma carta escrita em 2 de Novembro de 1917 pelo lord Arthur James Balfour ao lord Rothschild. A carta "representa o primeiro reconhecimento político dos objetivos sionistas por um Grande Poder". O que é ao mesmo tempo intrigante e significa tivo nesta correspondência é que, segundo estudos comprovados, Balfour era um maçom de alta patente!
Temos que lembrar neste ponto que Deus muitas vezes usa e permite que os ímpios venham a cumprir os Seus propósitos, como foi o caso de Ele ter usado os assírios para punirem o reino do norte de Israel no ano 722 a.C, os babilônios para destruírem o templo de Salomão e levarem os judeus cativos para a Babilônia em 586 a.C., etc.
Os maçons foram com efeito os principais responsáveis humanos pelo restabelecimento de Israel.
Na sua obra "Confissão de Fé", o maçom livre Cecil Rhodes escreveu: "O Lord Milner era um maçom do 33º grau, William T. Stead era um espiritualista e teosofista, e Arthur Balfour era um espiritualista, um maçom, e um membro da Sociedade para a Pesquisa Psíquica. Aquilo que a maioria dos pesquisadores esqueceu é que a maioria dos homens que se juntaram à sociedade secreta de Cecil Rhodes estavam envolvidos no ocultismo."O autor e repórter israelita Barry Chamish afirma a administração maçônica sobre o estabelecimento de Israel em termos bem claros:
"Sem a Maçonaria livre britânica não existiria o moderno estado de Israel. O movimento britânico-israelita dos anos 1860 foi iniciado dentro da Maçonaria. O seu alvo era o estabelecimento de um estado judaico-maçônico na província turca da Palestina. Claro que isso implicaria a um certo ponto tratar do assunto com os turcos, mas primeiramente o país teria de ser ocupado com judeus. E a idéia não era trazer mais daqueles mesmos judeus religiosos que já eram a maioria em Jerusalém e em outros lados, mas o tipo de judeus que eventualmente aceitassem a visão maçônica da História."

Inicialmente, famílias britânicas de judeus maçônicos, como a família Rothschild e a família Montefiore providenciaram o capital para construir a infra estrutura para a antecipada onda de imigração em Israel. No entanto provava-se ser difícil convencer os judeus a virem para Israel. A vida na Europa era demasiado confortável para que os judeus a quisessem abandonar. Assim, a Europa teria de se tornar num pesadelo para os judeus. Isso levou ao surgimento dos pogroms e do Sionismo. As coisas começaram então a agitar-se e rapidamente. Maçons britânicos como Arthur Balfour e Herbert Samuel lideraram a campanha durante a 1ª Guerra Mundial para o reconhecimento oficial britânico de um lar para os judeus. E ao mesmo tempo, um milhão de soldados britânicos, tão necessários nas trincheiras europeias, foram enviados para a Palestina, para correr com os otomanos.
Quando a Grande Guerra terminou, a idéia de um estado judaico avançou a todo o vapor em Versailles. O Instituto Real para os Assuntos Internacionais foi fundado em Londres em 1919, e, dois anos depois, o Conselho para as Relações Exteriores começou as suas atividades nefastas em Nova Iorque. As suas agendas apelavam a uma tomada do poder mundial e uma religião global centralizada em Jerusalém.
Todas estas evidências comprovam que os maçons estão por trás do estabelecimento do moderno estado de Israel. O seu intenso interesse na construção do Templo - tão central para os seus dogmas - poderá bem ser a causa humana.
Podemos deduzir que eles desejam o Templo reconstruído porque o seu senhor, Lúcifer, deseja trazer o seu "salvador" a este mundo. Esse "salvador", o Anticristo, entrará no Templo e declarar-se-á como deus.
Já Napoleão sonhava com a construção de um Templo em Jerusalém. Quando ele entrou na Terra Santa, fez reunir o primeiro sinédrio desde a queda de Jerusalém no ano 70 d.C., e idealizou os planos para a reconstrução de um templo. O Anticristo fará certamente um pacto com os judeus mais ricos do mundo para financiarem o projecto do qual ele poderá bem ser o arquitecto.

SERÁ O ANTICRISTO MAÇOM?


Poderá então o Anticristo ser um maçom? Por que não? Se esta organização secretista serve realmente a Lúcifer - o príncipe deste mundo - a reconstrução do Templo será o "grande passo" necessário para a sua ascensão e projeção. Estas movimentações maçônicas fazem parte dos planos sinistros para a "Nova Ordem Mundial" que o Vaticano também declaradamente apóia através do ideal de ver um banco mundial e uma moeda única para o mundo inteiro.

AO SERVIÇO DE LÚCIFER
É necessário que se entenda quem é o verdadeiro "deus" que os maçons veneram. Só nos graus mais elevados desta estrutura secretista é que o maçom descobre quem é de facto o "Grande Arquitecto do Universo", tão referido pela organização. Ao mesmo tempo que muitos maçons de nível inferior - os "iniciados" - são levados a acreditar que esse "Arquitecto" é o Deus dos judeus e dos cristãos, a verdade é que eles estão adorando a Lúcifer, o deus deste mundo.
Albert Pike, um dos grandes historiadores maçônicos revela que o nome do ser que os maçons adoram é na verdade Lúcifer. Ele diz o seguinte:
"Lúcifer, o que carrega a Luz! Estranho e misterioso nome para dar ao Espírito das Trevas! Lúcifer, o Filho da Manhã! É ele que traz a Luz e com os seus esplendores cega intoleravelmente as almas fracas, sensuais e egoístas?"
Contudo, talvez o mais revelador daquilo em que Pike realmente cria foi afirmado em 14 de Julho de 1889 nas Instruções para os 23 Concílios Supremos do Mundo:

"A religião maçônica deve ser, através de todos nós iniciados nos altos graus, mantida na pureza da doutrina luciferiana. Sim, Lúcifer é deus, e infelizmente Adonai também é Deus...e a verdadeira e filosófica religião é a crença em Lúcifer, o igual a Adonai; mas Lúcifer, deus de luz e deus do bem está em conflito com Adonai, o deus das trevas e do mal".


Pike não estava sozinho na sua compreensão de que os maçons (e outras sociedades esotéricas) estavam adorando a Lúcifer. Manly P. Hall, elogiado pelo "Jornal do Ritual Escocês" após a sua morte, em 1990 como "o maior de todos os filósofos maçônicos", divulgou um dos segredos maçônicos mais tenebrosos:

"Quando o maçom aprende que a chave para o guerreiro no bloco é a aplicação apropriada da dinâmica de poder para a vida, já aprendeu o mistério do seu ofício. As agitadas energias de Lúcifer estão nas suas mãos e antes que ele possa avançar e subir, ele terá de provar a sua capacidade para lidar devidamente com a energia".
Ora, são as "agitadas energias de Lúcifer" que o homem que vai ser o Anticristo tentará possuir - essa "dinâmica de poder para a vida". Embora esta pessoa tenha provavelmente tudo o que uma pessoa pode potencialmente desejar (poder, dinheiro, etc.), será a cobiça por mais e maior poder que fará com que essa pessoa se ligue ao tenebroso senhor que agora já serve.

OS JUDEUS EM ISRAEL E A MAÇONARIA
Duas semanas depois da Guerra dos Seis Dias, em 1967 - quando Jerusalém e o Monte do Templo foram reconquistados para os judeus - ocorreu em Londres a maior reunião dos maçons livres da história da cidade, celebrando os 250 anos desde a fundação da Grande Loja Unida da Inglaterra (UGLE), na qual o Duque de Kent foi instalado como o novo Grande Mestre. Pouco tempo depois, a Loja enviou um membro, o físico judeu Dr. Asher Kaufman para começar estudos sobre o local exato onde o Templo permanecia originalmente.
Os "Fiéis do Monte do Templo" foram também estabelecidos nessa altura por Stanley Goldfoot, sendo atualmente dirigidos por Gershon Solomon.
Em Dezembro de 1995, um mês após Rabin ter sido assassinado, a Loja Maçônica de Jerusalém foi estabelecida adjacente ao Monte do Templo, na gruta subterrânea do rei Salomão, para trabalhar na reconstrução do Templo de Salomão.

A loja trabalhava lado a lado com redes de judeus e fundamentalistas cristãos para fomentar uma guerra religiosa pelo controle do Monte do Templo.
O fato dessa loja maçônica ter sido fundada pouco depois dos "acordos de paz de Oslo" e poucas semanas depois do assassinato do primeiro-ministro israelita Yitzhak Rabin, um dos arquiteto dessa "paz", não será coincidência.
A Loja Maçônica de Jerusalém foi fundada pelo Grão-Mestre da Maçonaria Livre Regular Italiana, Giuliano di Bernardo, o braço direito do Lord Northampton no projecto do Monte do Templo. O Lord Northampton é o segundo na maçonaria britânica, considerada a mãe de todas as maçonaria no mundo, e é um dos mais envolvidos no projecto da reconstrução do Templo. Na cerimonia de lançamento da Loja Maçônica de Jerusalém, Di Bernardo declarou o seguinte: "A reconstrução do Templo está no centro dos nossos estudos".
O atual primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu afirmou publicamente em 1994 que, enquanto esteve nos Estados Unidos, iniciou-se numa loja maçônica.
O jornal italiano La Republica confirmou que o agora falecido ex-primeiro ministro israelita Yitzhak Rabin era um membro ativo da Maçonaria e estima em 4.000 os maçons livres israelitas, divididos em 76 lojas.
 A maioria das entidades religiosas e jurídicas em Israel são maçônicas. A própria Universidade Hebraica, financiada pela família Rothschild, erigiu um obelisco egípcio - símbolo da Maçonaria - no seu pátio, e dentro do novo edifício do Supremo Tribunal de Israel está uma biblioteca arquitecturalmente desenhada em forma de pirâmide egípcia.
memorial maçónico em Eilat
Há também o controverso memorial maçônico já observado por nós no meio da única estrada que leva da cidade mais a sul de Israel - Eilat - à fronteira egípcia de Taba.
Há também evidências de que dos 13 primeiros-ministros que Israel já teve, oito deles eram membros da sociedade secretista maçônica. Segundo revelou o repórter de investigação israelita Barry Chamish no dia 18 de Julho de 2008, num artigo intitulado "Insanidade Moderna em Israel":
"O primeiro-ministro de Israel é o chefe do governo israelita e é a figura política mais poderosa em Israel (o presidente é uma figura simbólica).
Ele ou ela exerce poder executivo no país, e tem uma residência oficial na capital de Israel, Jerusalém.
Um total de treze pessoas serviram como primeiro-ministros de Israel. Quatro desses serviram em duas ocasiões não consecutivas. Destas 13 pessoas, a documentação e referências encontradas até agora indicam que pelo menos oito pessoas eram maçons".
Os maçons conhecidos são: David Ben-Gurion, Shimon Peres (atual presidente), Benjamin Netanyahu (atual primeiro-ministro), Ehud Barak, Ariel Sharon, Ehud Olmert.
Tony Blair, maçon e agora católico cumprimenta o seu chefe...
Segundo Camish, a Terra de Israel tem estado há dezoito anos sob o governo de membros de uma ordem secreta mundial que muitos pesquisadores bíblicos crêem irá preparar o Anticristo maçônico a quem chamamos de Anti-Messias. Para qualquer eleição hoje na Terra de Israel, os únicos candidatos são aqueles cuja influência tenha sido "comprada" pelos maçons. Para que se compreenda a História, recordemos que a Revolução Americana emergiu por causa da visão messiânica iniciada pelos maçons livres do ritual escocês que foram os agentes da visão messiânica do anti-Messias Shabbatai Zevi; os judeus Rothschild, com uma vasta influência geo-política e controle económico em todos os continentes do mundo, e ainda Adam Weishaupt, o católico romano treinado pelos jesuítas, fundador da Ordem Bavária dos Illuminati. Sem esquecer o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, responsável pelo "quarteto da paz" entre Israel e os palestinos, ele próprio alegadamente membro de uma loja maçônica em Londres.
Toda esta conjuntura oculta e importantes figuras envolvidas na Maçonaria poderão muito bem ser os instrumentos humanos para a realização do sonho milenar de judeus, cristãos e... neste caso, maçons: a construção do Templo de Jerusalém.
Poderá estar mais próximo do que imaginamos. Estejamos atentos e preparados...
Shalom, Israel!

VIA GRITOS DE ALERTA

DEZ PERGUNTAS SOBRE O DIVÓRCIO

 

O divórcio é um problema persistente, danoso e desorientador. Hoje em dia, nos Estados Unidos, a maioria das famílias já foi afetada por ele. Os pastores estão divididos a respeito de como lidar com pessoas divorciadas. Às vezes as igrejas ficam em dúvida sobre como lidar com um membro divorciado.

Laurence Justice tem averiguado cuidadosamente as Escrituras para delimitar o que a Palavra de Deus diz, de fato, sobre o assunto. Laurence é um estudante meticuloso da Bíblia. Com compaixão, com a segurança da explicação bíblica e com estilo claro e conciso, tem encontrado informação útil que será de grande ajuda a pastores, igrejas e pessoas que tenham sido afetadas pelo divórcio.

Quando o irmão Justice freqüentava a Universidade Batista de Oklahoma, fui seu pastor durante um pequeno período de tempo. O seu pai e eu fomos amigos próximos durante aproximadamente quarenta anos. Vi Laurence crescer, desenvolver-se e amadurecer como pregador, pastor e erudito da Bíblia. Oro para que esta mensagem a respeito do divórcio tenha uma circulação ampla e que seja uma bênção a todos os que a lerem.

Joe L. Ingram

DEZ PERGUNTAS SOBRE O DIVÓRCIO

?E eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério?. Mateus 19.9

Há seis passagens principais, na Bíblia, que tratam especificamente do assunto divórcio; Deuteronômio 24.1-4, Mateus 5.31-32, Mateus 19.3-9, Marcos 10.2-12, Lucas 16.18 e Romanos 7.1-3. Mateus 19.3-9 é a passagem central.

O tema divórcio realmente é muito controverso. Há muitos extremistas e muitos posicionamentos e idéias não bíblicos sobre o divórcio. Nossa responsabilidade é averiguar as Escrituras e descobrir o que a Palavra de Deus diz efetivamente sobre o assunto. Nesta mensagem, necessitamos fazer dez questões sobre o divórcio e tentamos respondê-las a partir das Escrituras.

QUESTÃO UM

UM PASTOR DEVE PREGAR SOBRE O DIVÓRCIO?

Há, pelo menos, quatro razões pelas quais um pastor deve tratar do assunto. Primeiro, o pastor divinamente chamado deve pregar sobre o divórcio porque as Escrituras tratam do assunto, e o pastor divinamente chamado é responsável pela proclamação de todo o conselho de Deus. Paulo procedeu dessa maneira, em Atos 20.27.

Segundo, um pastor deve pregar sobre o divórcio devido à tremenda onda de divórcio que está varrendo nosso mundo nos dias de hoje. Homens e mulheres, meninos e meninas precisam ser informados e advertidos sobre a vontade de Deus a respeito deste assunto muito sério. Oh, se pelo menos um matrimônio fosse poupado, se pelo menos uma pessoa jovem evitasse o pecado e as angústias de um lar desmoronado por intermédio desta mensagem!

O pastor divinamente chamado deve pregar a respeito do divórcio, em terceiro lugar, porque os homens e as mulheres sempre procuram meios de evitar o assunto divórcio a fim de aliviar as suas consciências culpadas e torná-los capazes de externalizar a maldade de seus corações. Por isso, a vontade de Deus revelada a respeito deste assunto deve se fazer conhecida continuamente.

Finalmente, o pastor deve pregar sobre o divórcio porque algumas pessoas estão suportando um fardo desnecessário de culpa e angústia nocivas em relação ao divórcio em suas próprias vidas ou em suas famílias. Estou convencido de que muitas pessoas sofrem desnecessariamente sob fardos de culpa devido a certos enganos, e restrições estabelecidas pelos próprios homens a respeito deste assunto. Usando as Escrituras, o pastor divinamente chamado deve aclarar essas idéias equivocadas e fardos nocivos de culpa.

QUESTÃO DOIS

O QUE É O CASAMENTO?

Ao considerar qualquer assunto, e especialmente um tão controverso como o divórcio, precisamos começar definindo nossos termos. Antes que possamos entender o significado de termos como fornicação, adultério e divórcio, precisamos entender exatamente o que é casamento.

O que é o casamento? O que faz de um casal esposo e esposa? É a cerimônia na igreja? É aquele pequeno pedaço de papel requerido pelo município com a assinatura do pastor? São estas coisas que tornam um homem e uma mulher um aos olhos de Deus? O que é o casamento?

O que faz de um casal esposo e esposa aos olhos de Deus, o que reúne um casal como uma única carne é a união física, sua convivência como marido e mulher. O Senhor Jesus define casamento do seguinte modo, quando diz, em Mateus 19.5-6, "? portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem?.

QUESTÃO TRÊS

O QUE É O DIVÓRCIO?

O Divórcio é ?a dissolução legal da relação de matrimônio?, diz o Dicionário Webster. O divórcio é uma declaração pública de que a união matrimonial entre um homem e uma mulher foi desfeita. Quando um homem se divorcia de sua esposa, declara publicamente, através dos tribunais da lei ou por meio de um documento por escrito, que ele e sua esposa já não estão mais casados. O termo bíblico mais usado para o divórcio é !repúdio?. O Senhor diz, em nosso texto, "Qualquer que repudiar sua esposa?" etc.

QUESTÃO QUATRO

qUAL a VONTADE DE deus revelADA sobre o divórcio?

No casamento, Deus junta um homem e sua mulher, como lemos no versículo 6 de Mateus dezenove. "Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem?. A palavra enlaçar significa, literalmente, juntado com um laço.

O Senhor diz, em Mateus 19.6, que a ordenança de Deus enlaça marido e mulher e, uma vez que a ordenança de Deus enlaça marido e esposa, a ordenança para o homem é que não os ponha separados, e a ordenança para o homem é não desfazer o enlace ou separar marido e esposa, seja essa ordenança redigida pelo próprio parceiro do matrimônio, pelo estado, pela igreja ou por qualquer um que seja. A vontade de Deus revelada é que marido e esposa não se divorciem! Mateus 19.3-9 revela a vontade de Deus a respeito do divórcio e clara e inequivocamente ordena que marido e esposa não se divorciem, que não seja feita a separação de seu casamento.

Malaquias 2.16 informa qual é a visão de Deus sobre o divórcio. As Escrituras contam-nos que Deus odeia o divórcio. "Porque o Senhor, o Deus de Israel, diz que odeia o repúdio?".

QUESTÃO CINCO

QUAL A RELAÇÃO EXISTENTE ENTRE FORNICAÇÃO E ADULTÉRIO?

O motivo para essa pergunta pode não ser aparente no princípio. Porém, é muito pertinente em relação ao assunto divórcio, como será visto em seguida.

Algumas pessoas ensinam que o termo fornicação refere-se apenas a pecados sexuais anteriores ao casamento ou a pessoas solteiras, e que adultério refere-se apenas a infidelidade sexual depois do matrimônio. A Bíblia não confirma isso.

É verdade que o termo ?adultério? aplica-se à deslealdade sexual depois do matrimônio, mas não é verdade que fornicação refere-se apenas a pecados sexuais anteriores ao matrimônio ou cometidos por pessoas solteiras. Na Bíblia, fornicação é um termo amplamente usado para todos os tipos de impureza sexual, o que inclui o adultério, sem se limitar a ele.

Todos os que cometem qualquer tipo de pecado sexual, não importa o momento, são culpados de fornicação. Poderíamos dizer desta maneira: todos os Fords são automóveis, mas nem todos os automóveis são Fords. Todo adultério é fornicação, mas nem toda fornicação é adultério.

A palavra fornicação é usada na Bíblia para descrever todos os tipos de pecados sexuais. Em I Coríntios 5.1, o termo !fornicação? é usado para descrever o pecado de incesto, em I Coríntios 6.18, para descrever prostituição, em I Coríntios 7.2, para descrever sexo antes do casamento, em Judas 7, para descrever sodomia e, em Apocalipse 21.8, a palavra fornicação é usada para descrever relações sexuais ilícitas por comércio.

Às vezes fornicação e adultério são citados separadamente como sendo duas coisas diferentes, como em Gálatas 5.19, passagem em que são listados ambos como obras da carne. Mas a coisa importante aqui é o fato de que a fornicação e o adultério também são usados de maneira intercambiável nas Escrituras para se referir ao mesmo pecado.

O sétimo mandamento diz !NÃO ADULTERARÁS?. Obviamente esse mandamento proíbe imoralidade tanto para pessoas solteiras como também para pessoas casadas, assim, aqui, adultério e fornicação partilham o mesmo significado.

Uma esposa pode ser culpada de fornicação, pois Paulo diz, em I Coríntios 5.1, que o homem que cometeu incesto com a esposa de seu pai foi culpado de fornicação. "Geralmente se ouve que há entre nós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai?.

QUESTÃO SEIS

EXISTE ALGUM SUPORTE DA BÍBLIA PARA QUE UMA PESSOA CASADA SE DIVORCIE DE SEU CÔNJUGE?

O embasamento para as afirmações a respeito do divórcio, feitas por nosso Senhor, em Mateus 19.9, está no versículo 3 do mesmo capítulo. Então, chegaram aos pés dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: !É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?", os fariseus pensaram ter colocado o Senhor em uma armadilha com essa pergunta.

Se Ele dissesse que Sim, o Senhor estaria contradizendo o que Ele mesmo já tinha dito, em Mateus 5.32. "Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério."

Se, por outro lado, o Senhor dissesse Não, Ele contradiria o que Moisés havia dito em Deuteronômio 24.1. Pelo menos, contradiria a interpretação que tinham dessa passagem. "Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela encontrar coisa indecente, far-lhe-á uma carta de repúdio, e lha dará em sua mão, e a despedirá de sua casa." Os fariseus tinham dado uma interpretação tão ampla à frase !se não achar graça em seus olhos?, que permitiriam o divórcio por qualquer razão, não importasse o quanto fosse frívola.

Nosso texto é a parte principal da resposta do Senhor à pergunta dos fariseus. "Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério."

O Senhor diz que o divórcio ou o repúdio da esposa de algum indivíduo não é legal, não importa o motivo, exceto um motivo. O Senhor diz que há um motivo, e somente um, pelo qual uma pessoa casada pode se divorciar de seu cônjuge de maneira justa.

Aos olhos dos homens há muitos motivos para o divórcio hoje em dia. Há crueldade, violência contra a esposa, alcoolismo, falta de apoio, cônjuges condenados à prisão, hospitalização, loucura, um marido ou esposa que se torna uma pessoa relaxada, um casamento que não está dando certo, diferenças irreconciliáveis, incompatibilidade, etc., etc., etc. A Igreja Romana dissolve um matrimônio quando um membro decide tornar-se monge ou freira.

Mas, segundo o Filho de Deus, nenhum desses é motivo para o divórcio. De acordo com o Senhor, só existe uma razão bíblica e legítima para o divórcio, que é a fornicação ou o adultério por parte de um dos cônjuges. "Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério?. O Senhor Jesus explicitamente refere-se tanto aqui quanto em Mateus 5.32 que o divórcio somente é permitido por razão de adultério de um dos cônjuges de um matrimônio.

No entanto, há aqueles que defendem que não há NENHUM motivo bíblico para o divórcio, nem mesmo o adultério. Um exemplo disto é o recente Theodore Epp de !Back To The Bible Broadcast? (Programa de rádio !De volta à Bíblia?). No seu folheto "Deus e o divórcio", nas páginas 38-39, fala do incidente envolvendo nosso texto e diz !? Jesus? não lhes deu absolutamente nenhuma permissão, seja ela qual for, para o divórcio." Outro exemplo é visto no Catolicismo Romano, que diz na questão 1194, de seu Catecismo de Baltimore, "O matrimônio de duas pessoas batizadas que, desde então, viveram juntas como marido e mulher nunca pode ser dissolvido, a não ser pela morte de uma das partes." É difícil de entender esses posicionamentos, quando se leva em conta declarações explícitas de nosso Senhor contrárias a eles.

É interessante notar neste momento que, em Jeremias 3.8-9, Deus descreve-se como que se divorciando de Israel por causa do adultério espiritual dela contra Ele. Ele a repudiou e lhe deu uma carta de divórcio. "E vi que, por causa de tudo isto, por ter cometido adultério a rebelde Israel, a despedi, e lhe dei a sua carta de divórcio, que a aleivosa Judá, sua irmã, não temeu; mas se foi e também ela mesma se prostituiu. E sucedeu que pela fama da sua prostituição, contaminou a terra; porque adulterou com a pedra e com a madeira."

Há aqueles que ensinam que fornicação, em Mateus 19.9, significa apenas ser infiel antes do casamento e, então, essa infidelidade pré-marital, quando descoberta pelo cônjuge depois do matrimônio, é a única razão bíblica para o divórcio. Mas como vimos ao responder a pergunta cinco, as Escrituras não confirmam tal definição.

O motivo bíblico para o divórcio é a fornicação, que inclui o adultério. Vamos pensar por um momento por que o adultério justifica um divórcio. O adultério, na verdade, dissolve um matrimônio. Destrói a verdadeira essência do matrimônio, a relação em que apenas uma única carne existe, descrita pelo Senhor, em Mateus 19.5-9. "? portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem".

A fornicação ou o adultério dissolve um matrimônio porque os cônjuges, depois do adultério, não são mais uma só carne, no sentido misterioso no qual a Bíblia diz que um marido e sua mulher devem ser. Paulo diz, em I Coríntios 6.16, !Ou não sabeis que o que se ajunta com uma meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois uma só carne." Se um homem se torna uma só carne com uma meretriz, é difícil de se imaginar como ele ainda pode ser uma só carne com sua esposa.

Não é a ação de um tribunal ou uma igreja, não é o que está escrito em algum pedaço de papel, não é a assinatura de um juiz que dissolve um casamento. O pecado de adultério dissolve um casamento. Quando o tribunal ou o estado estabelece um divórcio, está simplesmente reconhecendo o que já aconteceu. O Senhor permite divórcio por motivo de adultério pois, dessa maneira, o adultério rompe com o relacionamento de uma só carne existente no matrimônio.

QUESTÃO SETE

UMA PESSOA DIVORCIADA QUE SE CASA NOVAMENTE COMETE ADULTÉRIO AO FAZER ISSO?

Sim, se a pessoa se divorciou por qualquer outra razão que não a razão bíblica. O segundo casamento é uma das coisas que o Senhor trata especificamente, em Mateus 19.9, quando usa as palavras "e casar com outra?. O Senhor diz, nesse trecho, claramente, que "qualquer que repudiar sua mulher? por qualquer outra razão que não seja o adultério !e casar com outra, comete adultério??

Sempre que um casal se divorcia por qualquer motivo não bíblico e um divorciados casa-se novamente, comete adultério. Por quê? Porque, embora possam ter um divórcio reconhecido pelo estado ou por alguma igreja, o seu laço não foi rompido antes da união com a outra pessoa e esta união é, então, um adultério. O divórcio não bíblico deixa a porta aberta para o adultério quando uma das partes casa-se novamente.

Uma pessoa divorciada que se casa novamente comete adultério ao fazer isso? Não, não se ela está divorciada por uma razão bíblica! Como já vimos, o adultério termina a relação de matrimônio, como Deus originalmente instituiu-o. Se um homem se divorcia de sua esposa em acordo com as Escrituras, então, o laço do matrimônio é obviamente dissolvido e as partes já não podem ser chamadas de esposo e esposa. E, se o laço é assim dissolvido, então a parte inocente é certamente livre para se casar novamente sem ser culpada de adultério. Um casamento que foi dissolvido moralmente e legalmente deixou de existir e a parte inocente é, portanto, tão livre para se casar novamente, como se a parte ofensora estivesse morta! Quando há cometimento de adultério, a parte culpada juntou-se a outra pessoa e, assim, a parte inocente não está mais ligada e é livre.

O fato de as pessoas divorciadas biblicamente e que se casam de novo não serem culpadas de adultério também é confirmado pela exceção que nosso Senhor faz em Mateus 19.9. A exceção aqui se aplica ao divórcio e ao segundo matrimônio. !Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, A NÃO SER POR CAUSA DE PROSTITUIÇÃO, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério." O adultério é cometido pela pessoa que se divorciou de maneira não bíblica e que se casa com outra pessoa.

Marcos, ao reportar esse mesmo incidente, cita o Senhor, em Marcos 10.11, dizendo "E ele lhes disse: Qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra, adultera contra ela". Porém, a exceção que faz com que o segundo casamento de uma pessoa divorciada deixe de constituir adultério é que o divórcio tenha ocorrido devido à fornicação ou ao adultério.

Também temos que nos lembrar aqui que Deus não castiga uma pessoa inocente por causa dos pecados do culpado. Em Ezequiel 18.20, Deus diz: "A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele". Todo homem tem que pagar por seus próprios pecados. Deus não castigará uma esposa inocente para o resto de sua vida devido aos pecados cometidos por seu marido e vice-versa.

É importante notar, aqui, que homens eminentes de Deus entenderam as Escrituras do mesmo modo que temos explicado. Spurgeon, em seu comentário sobre Mateus 19, disse: "A fornicação faz de uma pessoa culpada um sujeito ao qual se pode aplicar perfeitamente um divórcio justo e legal: uma vez que isto gera uma anulação virtual do laço matrimonial? dois indivíduos, uma vez casados, à vista de Deus, estão casados para toda a vida, com a exceção de fornicação comprovada".

QUESTÃO OITO

UMA PESSOA DIVORCIADA QUE SE CASOU NOVAMENTE ESTÁ "VIVENDO EM ADULTÉRIO"?

Os ensinamentos da Igreja Protestante Reformada (IPR) nos dizem que sim. Tenho um folheto intitulado "O Laço Irrompível do Matrimônio", de Herman Hoeksema. Hoeksema foi ex-pastor da Primeira Igreja Protestante Reformada de Grand Rapids, Michigan, durante anos, e a principal líder para o movimento dessa igreja. Nesse folheto, o Sr. Hoeksema mostra a posição da IPR quando diz: "Um homem que vive separado da sua primeira esposa, mesmo que divorciado e casado novamente, vive em adultério contínuo e, para que ele corrigir sua situação, teria que se divorciar de sua segunda esposa? mesmo depois do adultério, o casamento não está rompido e nunca pode ser rompido até a morte."

Mas isto certamente não é o que ensina a Palavra de Deus! Infidelidade ou adultério separam o que Deus uniu. A infidelidade de qualquer um dos cônjuges termina com a relação de matrimônio. O homem e a mulher não são mais uma só carne. Um deles une-se a uma outra pessoa de maneira adúltera.

Uma mulher que se divorciou e casou novamente não tem dois maridos. Ela foi casada duas vezes, mas ela não tem dois maridos. O marido do segundo casamento é o seu marido. O marido do seu primeiro casamento é o seu ex-marido.

Deuteronômio 24.4 chama o primeiro marido de uma mulher divorciada de !seu primeiro marido?, exatamente essas palavras. !Seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a tomá-la??

Um divórcio bíblico estabelece que o matrimônio anterior já não existe mais, que o marido anterior já não é marido, e a esposa anterior já não é esposa. Quando Deus se divorciou de Israel devido ao adultério espiritual dela, disse, a respeito de Israel, em Oséias 2.2, "Ela não é minha mulher, e eu não sou seu marido??

QUESTÃO NOVE

POR QUE OS PASTORES FREQÜENTEMENTE SE RECUSAM A EXECUTAR CERIMÔNIAS DE MATRIMÔNIO QUANDO UM OU AMBOS O CASAL SÃO DIVORCIADOS?

Duas razões simples: primeiro, porque para fazer isso seria necessário que o pastor se tornasse juiz para determinar a culpa ou inocência das partes envolvidos e não é justo que ele carregue esse fardo. E segundo, porque, nos casos em que está envolvido um divórcio não bíblico, o pastor responsável pela cerimônia estaria ajudando o casal a cometer o que a palavra de Deus considera pecado.

QUESTÃO DEZ

O QUE DEVERIA SER FEITO COM RELAÇÃO AO PECADO DAQUELES QUE SE DIVORCIARAM DE MANEIRA NÃO BÍBLICA E CASARAM NOVAMENTE?

Algumas pessoas carregam a culpa de tais pecados durante anos e nunca realmente conseguem ter alívio de maneira completa. Infelizmente, os cristãos, às vezes, usam os divórcios de seus companheiros cristãos contra eles como se esse pecado de alguma maneira os tornasse cristãos de segunda classe. O que um indivíduo deveria fazer a respeito desse pecado?

Primeiro, deveria encarar este assunto de modo honesto e franco e, acima de tudo, ele deveria encarar isso levando em conta o que a Bíblia tem a dizer sobre esse assunto. Precisa parar de evitar o assunto e confrontá-lo abertamente.

Segundo, quando descobre, a partir da Bíblia, onde pecou, tem que trazer seus pecados à presença de Deus. Tem que confessar seus pecados e tem que implorar pela purificação e perdão de Deus. I João 1.9 diz "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça."

O que Deus faz com nossos pecados quando os levamos a Ele? Ele os purifica e os perdoa. Algumas pessoas pensam que o pecado abominável do adultério é muito ruim para que Deus o perdoe, mas Deus diz, em Mateus 12.31, que todo tipo de pecado será perdoado aos homens. Deus perdoou a mulher samaritana e que tinha sido cinco vezes casada e divorciada e que estava vivendo com um homem com quem ela não estava casada. Quando um pecador traz o seu adultério a Deus, Deus perdoa esse pecado e o esquece. Em Jeremias 31.34, o Senhor diz: "? porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados". Nem sempre somos capazes de esquecer nossos pecados, mas Deus pode.

Em terceiro lugar, uma pessoa tem que viver para o Senhor em total obediência e proximidade com Ele, começando por hoje, e desse dia em diante. Ele precisa agradecer ao Senhor pela Sua purificação e perdão. Agora é necessário que se esqueça das coisas que atrás ficam e avançar para o alvo.

INF. PALAVRA PRUDENTE.
VIA GRITOS DE ALERTA

Comparando os Estados Unidos a Sodoma e Gomorra, Billy Graham fala sobre a decadência moral do país


Comparando os Estados Unidos a Sodoma e Gomorra, Billy Graham fala sobre a decadência moral do paísEm um artigo escrito para a revista Charisma, o evangelista Billy Graham, listado entre os homens mais influentes dos Estados Unidos, criticou a decadência dos padrões morais do país, e comparou a situação da sociedade norte-americana com a de Sodoma e Gomorra.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
No texto, o pastor conta há alguns anos atrás sua esposa, Ruth, estava lendo uma versão preliminar de um livro que ele estava escrevendo, no qual falava da queda dos padrões morais, quando afirmou que os Estados Unidos mereciam uma punição
- Se Deus não castigar os Estados Unidos, Ele terá de pedir perdão para Sodoma e Gomorra – teria afirmado Ruth Graham.
De acordo com o evangelista, sua esposa estava provavelmente pensando na passagem de Ezequiel 16:49–50 onde Deus diz que destruiu essas cidades: “Ora, este foi o pecado de sua irmã Sodoma: Ela e suas filhas eram arrogantes, tinham fartura de comida e viviam despreocupadas; não ajudavam os pobres e os necessitados. Eram altivas e cometeram práticas repugnantes diante de mim. Por isso eu me desfiz delas conforme você viu.”
- Fico tentando imaginar o que Ruth pensaria dos Estados Unidos se ela estivesse viva hoje. Nos anos desde que ela fez aquele comentário, milhões de bebês foram legalmente abortados e os EUA, em grande parte, não parecem estar nem aí. Os americanos só pensam nos seus próprios prazeres, são arrogantes e não sentem nenhuma vergonha do pecado. Esses pecados são agora emblemas do estilo de vida americano – afirmou o evangelista, segundo tradução feita pelo ativista Julio Severo.
Ele conta ainda que numa importante cidade do Sul dos EUA, capelães cristãos que atuam em delegacias de polícia receberam ordens de não mais mencionar o nome de Jesus em oração, e que durante um recente evento patrocinado pela polícia, a única pessoa que recebeu permissão de orar foi alguém que dirigiu sua oração para “o ser na sala”.
- A sociedade americana está se esforçando para evitar qualquer possibilidade de ofender alguém. Só não se importa de ofender a Deus – ressaltou.
Porém Graham comparou a situação do país à Nínive, ressaltando que ainda pode haver arrependimento e mudança de vida entre o povo norte-americano.
- Quando o profeta Jonas, finalmente, viajou para Nínive e proclamou a advertência de Deus, as pessoas ouviram e se arrependeu. Eu acredito que a mesma coisa pode acontecer novamente, desta vez em nossa nação – concluiu Graham.

GP

Com ataque à Globo, Domingo Espetacular debate a arte com apologia à pedofilia

Programa Domingo Espetacular, na Record TV O debate sobre as exposições de arte com apologia à pedofilia e outros temas no Brasil marc...