sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

AMIGOS E IRMÃOS , TENHAM UM EXELENTE FINAL DE SEMANA , DEUS OS ABENÇOE

Igreja Batista de Montes Claros completa 93 anos


Igreja 
Batista de Montes Claros completa 93 anos Comemorações entre os dias 18 e 20 de fevereiro
 
O trabalho Batista teve seu início no Norte de Minas na localidade de Malhada Grande, Juramento e em Buritizal no município de Bocaiuva.

A Primeira Igreja Batista de Montes Claros foi organizada com o nome de Igreja Evangélica Batista em Juramento, em 17 de fevereiro de 1918, pela Primeira Igreja Batista de Belo Horizonte, num trabalho iniciado pelo evangelista Domingos de Novais Neves , que fez os primeiros contatos com as pessoas em Juramento, Buritizal e Malhada Grande no ano de 1914.

As primeiras pessoas a ouvir o Evangelho foram Benedito Rodrigues Sobrinho e família, e José Custódio de Almeida e família, sendo que este por último.

Nos dias 18, 19 e 20 de fevereiro os batistas norte-mineiros celebrarão 93 anos. E para comemorar o aniversário traz a Montes Claros o articulista do Jornal Batista, na seção Bilhetes de Sorocaba, para uma série de conferências.

Informações pelo telefone (38) 3221-8706


Fonte: O Norte

´Todos Verão Jesus`em Araruama (RJ)

´Todos Verão Jesus`em 
Araruama (RJ)

Evento é parte da comemoração dos 152 anos de emancipação da cidade
O fim de semana em Araruama (RJ) terá atrações para todos os públicos. Além dos shows “seculares” na Praça Antonio Raposo, a Prefeitura de Araruama, por conta da programação dos 152 anos de Emancipação Político-Administrativa da cidade, promove, nesta sexta e sábado, o evento gospel “Todos Verão Jesus”, na Praça de Eventos da Pontinha, sempre a partir das 21 horas.

Abrindo o evento, quem sobe ao palco nesta sexta-feira é Natinho Batera e Oficina G3. No sábado tem grupo Kainon, Comunidade Evangélica de Nilópolis, Os Arrebatados e Davi Sacer. Todos os shows são gratuitos e abertos ao público.


Fonte: Nova Saquarema / Guia-me

Alta nos preços deixa cristãos sem comida no Egito

Alta 
nos preços deixa cristãos sem comida no Egito

Fundo Barnabé oferece auxílio a cristãos que tiveram negócios afetados
Novos protestos estão sendo marcados após o anúncio do presidente do Egito Hosni Mubarak de que não deixaria o cargo até as eleições em setembro. Desde que as manifestações iniciaram, há duas semanas, o preço do arroz, batatas e lentilha dobraram.

O Fundo Barnabé, que apoia os cristãos perseguidos em todo o mundo, disse que a comida é a necessidade mais importante para muitas famílias cristãs atualmente.

O diretor internacional do Fundo Barnabé, Dr. Patrick Sookhdeo pede para que outras pessoas ajudem os irmãos egípcios neste momento de grande incerteza e turbulência. "A maioria dos cristãos egípcios já vivia em extrema pobreza e a crise atual fez com que a situação lamentável piorasse muito".

O ministério disse que os cristãos sofrem grande discriminação no país de maioria muçulmana, e que estão "extremamente vulneráveis" a ataques.

Em janeiro, mais de 20 cristãos foram mortos em um ataque com carro-bomba em uma igreja em Alexandria. Uma semana depois um cristão foi morto a tiros em um trem com destino a Cairo. Na semana passada, duas famílias cristãs foram mortas por militantes islâmicos.

Apesar da violência, muitos cristãos têm saído às ruas para protestar lado a lado com os muçulmanos. Alguns cristãos têm sido fotografados segurando a cruz em uma mão e o braço de um muçulmano segurando o alcorão na outra.

No entanto Fundo Barnabé advertiu que os cristãos enfrentam um futuro incerto. Enquanto vice-presidente Omar Suleiman tem estado em conversações com a Irmandade Muçulmana sobre a liderança do país pós-Mubarak, o grupo diz que os cristãos estão sendo excluídos do diálogo.

Igrejas no país desejam uma nova Constituição que defenda os princípios democráticos, que atualmente trata os cristãos como cidadãos de segunda classe.

O Fundo Barnabé disse que já está planeja dar assistência, a longo prazo, para os cristãos, cujos negócios foram severamente danificados.


Fonte: Christian Today / Redação CPAD News
 

Sirley Oliveira: Um testemunho de milagre em sua vida e ministério


Sirley Oliveira: Um
 testemunho de milagre em sua vida e ministério “Porque para Deus não há impossíveis” (Lc 1.37). Esse versículo do evangelho de Lucas é uma verdade na vida de Sirley Oliveira, que tem em sua vida marcas do amor de Deus, de milagres e vitórias sobre situações que eram impossíveis de serem superadas, mas que Deus transformou em um testemunho forte e impactante na vida da cantora, que o compartilha com as pessoas através de seu ministério de louvor.

Em 2006, Sirley foi atropelada por uma motocicleta em Portugal. Arremessada cerca de dois metros para o alto e oito para a frente, a cantora teve como conseqüência daquele grave acidente diversos problemas. Ao bater a cabeça sofreu traumatismo craniano, o que trouxe ainda outros agravantes: dois coágulos no cérebro. Ela também sofreu múltiplas fraturas na bacia e no fêmur. Os coágulos representavam um enorme risco de morte para Sirley e deixavam os médicos preocupados, pois se a operassem a jovem poderia não sobreviver, ou ainda ficar com sequelas físicas ou mentais. Era uma situação grave, da qual os familiares estavam cientes e informados pela equipe médica.

Mas, Deus começou a interferir na vida de Sirley. De forma sobrenatural os coágulos desapareceram! Porém, devido às fraturas a medula óssea espalhou-se para o sangue, causando a embolia gorda, um quadro que poderia tirar sua vida a qualquer instante. Mais um motivo para que os médicos não dessem esperanças para os familiares, pois o único procedimento para manter a cantora viva, era ministração de remédios para afinar o sangue, que só tempo poderia dizer se estava ou não funcionando. Era, portanto, necessário esperar. Mais uma vez a família, angustiada, foi alertada sobre o pior.

De novo, porém, o milagre alcançou a vida de Sirley e Deus a protegeu daquela circunstância que poderia levá-la à morte e a trouxe para cumprir seus propósitos e promessas. Recuperada, a cantora fala de milagres não apenas porque a Bíblia os relata, mas pelo fato dela própria ser um milagre! “Com toda certeza, Deus fez, faz e fará o impossível acontecer na sua vida”, declara.

Hoje Sirley Oliveira agradece a Deus pela oportunidade de ser usada por Ele com sua voz e talento, louvando o seu Nome através de seu testemunho e ministério. “Milagres têm acontecido para a honra e glória de Deus”, agradece.

Durante toda essa batalha, a cantora teve o amparo de sua família, a qual faz questão de agradecer, especialmente de seu marido Márcio Martins e do filho Kelvy Martins. Contou ainda com o apoio incondicional de muitos, conhecidos e desconhecidos, que oram por sua vida e ministério. “Deus abençoe a todos vocês!”, retribui Sirley Oliveira.

==

O álbum “Com Cristo e Vencer ”, da Cantora Sirley de Oliveira , já conquistou o Brasil. Desde que foi Lançada para as rádios do Brasil a Música Prá quer Temer

Ela não para de receber convites para apresentações em igrejas e participação em programas de rádio e TV. Por parte do público, os elogios são constantes e já se tornaram comuns em seu perfil no site de relacionamentos Orkut.

As manifestações de carinho pelo ministério da Cantora incluem testemunho, agradecimento e mensagens de fé e encorajamento.

Os recados podem ser conferidos em www.sirleydeoliveira.com . O CD “ Com Cristo e vencer ” está à venda nas principais lojas do País

A Cantora, que mora na europa, cumpre agenda de divulgação em são Paulo.

Dentre os compromissos, estão apresentações em igrejas e participação em programas de rádio e TV.

Acompanhe a agenda:

A genda da cantora nao para por ai , entra agora mesmo no site e conheça mais sobre sirley de oliveira www.sirleydeoliveira.com.

Fonte : Assessoria de Imprensa

Congresso Mundial de Evangelização na Cidade do Cabo III Congresso Mundial de Evangelização conclama Igreja global à reconciliação.


Congresso Mundial 
de Evangelização na Cidade do Cabo Exultante ao celebrar a Ceia do Senhor, o arcebispo anglicano de Uganda, Henry Orombi, não se conteve: “É uma alegria ver que o céu começa a aqui!” A afirmação expressa bem o sentimento que tomou conta dos 4 mil participantes do III Congressio Mundial de Evangelização, realizado entre 17 e 25 de outubro de 2010 na Cidade do Cabo, África do Sul. Durante nove dias, representantes da Igreja Evangélica global, oriundos de 198 países, discutiram a fé cristã contemporânea, os desafios da religião ante a agenda da modernidade e os rumos da obra missionária. Mas a tônica do encontro foi o reconhecimento à consolidação de um novo modelo de Igreja, em que os polos de influência têm migrado do Primeiro Mundo para regiões menos privilegiadas economicamente, mas onde a fé tem experimentado avanço muito maior.

Por conta da presença de gente como Orombi, a atmosfera do congresso Lausanne III foi de descoberta contínua. À volta das centenas de mesas de discussão que se formavam após cada plenária, crentes das mais diversas origens expressavam a diversidade de um mundo cada vez mais globalizado – lembrando, de maneira inequívoca, a expressão bíblica que fala em discípulos de “todas as tribos, povos e raças”. O centro de convenções da Cidade do Cabo foi, durante pouco mais de uma semana, o coração e o cérebro da Igreja evangélica mundial.

Os líderes presentes a Cape Town 2010 saíram da África do Sul com a certeza de que é hora de discutir, da maneira mais plural possível, a natureza da missão cristã. “Vamos manter a estrada aberta e deixar o diálogo fluir. Só assim vamos aprender uns com os outros sobre como participar na missão de Deus respeitando os outros como membros do mesmo Corpo de Cristo”, salientou o pastor norueguês Olav Fyske Tveit, secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas. “Somos chamados a ser um, para que o mundo creia que Deus reconcilia o mundo em Cristo”, pregou, lembrando o lema do evento.

Já na noite de abertura do congresso, o presidente-executivo do Comitê Lausanne, Doug Birdsall, recepcionou os participantes lembrando a relevância do momento: “Os resultados deste congresso estarão na forma como todos nós olhamos para Deus e como isso pode ajudar a mudar o curso da evangelização do mundo para as próximas décadas”. O executivo também enfatizou a urgência de desenvolver a tolerância e amizade entre a família evangélica mundial: “O Evangelho da reconciliação é o que nos une”.

“Capacidade de se maravilhar” – Intencionalmente programado para evitar o destaque a personalidades, Cape Town 2010 não assistiu pregações arrebatadoras. As falas de ícones do pensamento teológico presentes, como Os Guinness, René Padilla, John Piper, Samuel Escobar e Michael Herbst chamaram a atenção mais pelo conteúdo, e não pelos preletores. A cada manhã, todos participavam de devocionais e momentos de reflexão bíblica sobre a Epístola de Paulo aos Efésios em pequenos grupos, onde era possível ouvir, tocar e orar por gente que, muito provavelmente, não se encontrará novamente nesta vida. Em um deles, o pastor cingalês Ajith Fernando foi extremamente feliz na conclusão: “Quando perdemos a capacidade de nos maravilhar com o Evangelho, perdemos o foco e, consequentemente, a razão de viver e ser Igreja na história.”

Naturalmente, nem tudo saiu conforme o previsto no III Congresso Lausanne. A começar pela ausência dos quase 200 membros da delegação chinesa, impedidos de viajar na última hora pelo governo de seu país. As cadeiras vazias na plenária foram lamentadas por todos os presentes por representar o desperdício de um rico diálogo com líderes de uma das igrejas nacionais que mais crescem no mundo. E o grandioso sistema GlobaLink, programado para levar Cape Town 2010 em tempo real para 95 países, por pouco não entrou em colapso. Um ataque maciço de hackers praticamente tirou do ar, nos dois primeiros dias, os 700 pontos da rede. Quem salvou a pátria foram Vilay Kumar e Daniel Singh, dois pastores indianos especializados em computação que viajaram à África do Sul como voluntários para ajudar no sistema de impressoras da conferência. Eles conseguiram restabelecer a comunicação externa via internet. “Creio que Deus, em sua soberania, os trouxe até nós”, respirou aliviado Joseph Vijayam, presidente de Tecnologia do Movimento Lausanne.

Outro detalhe do congresso foi o pouco espaço dado aos preletores latinoamericanos, fato que desagradou os 59 brasileiros presentes. “Cremos que o Brasil e a América Latina têm muito que dizer e contribuir à missão mundial da Igreja”, opina o pastor presbiteriano Ricardo Agreste, integrante da delegação. Além disso, os delegados ficaram constrangidos pela maneira como a região foi retratada na apresentação preparada pela organização. “Falaram apenas de pobreza, violência e corrupção”, reclama Agreste. “Mas não é só isso que caracteriza nosso continente e nosso país.”

Contudo, os pastores e líderes brasileiros também tiveram momentos marcantes. O grupo entregou um manifesto aos representantes da África, emocionante documento em que pediam perdão pelas atrocidades cometidas no passado do Brasil contra os escravos negros. “Precisamos pedir a vocês perdão por algo imperdoável. Por favor, perdoem os pecados do nosso povo contra vocês. Perdoem os pecados de nossa nação contra as nações de vocês”, diz um trecho. Agreste diz que os dias na Cidade do Cabo o fizeram refletir “Ouvindo acerca do sofrimento de muitos cristãos em outros países e vendo a alegria deles em se relacionar com outros irmãos, sinto-me envergonhado com a forma como, muitas vezes, lidamos com nossos relacionamentos e a facilidade com que rompemos com nossas comunidades.”

NÚMEROS

4 mil congressistas, 198 nações representadas, 59 brasileiros participaram do evento, 400 sites transmitiram o evento em tempo real

==

Cristianismo Hoje - Por Tim Stafford

Sociedade Bíblica do Egito pede orações pela situação política do país

Em meio a crise política que vem se estendo no Egito, a Sociedade Bíblica do Egito vem a público pedir oração pelo país.

O pedido foi escrito pelo secretário-executivo, o irmão Ramez Atallah, para que a paz seja restaurada no Egito e que a Sociedade Bíblica local consiga dar continuidade a seu trabalho, levando os valores bíblicos e o conforto da Palavra de Deus àquela população.

Em sua mensagem, o líder cristão dá diz que essa situação fez com que em alguns momentos segmentos religiosos divergentes tem se unido para superar essa crise. “Sem contar com a proteção policial, os cidadãos, tanto os cristãos quanto os muçulmanos, estão se organizando em turnos para proteger seus bairros e bens durante a noite”.

Ele conta que depois que a polícia se ausentou das ruas do Cairo, do fogo ateado às delegacias e da fuga de milhares de prisioneiros, alguns se aproveitaram do caos para saquear e roubar. Ao anoitecer, quando se aproxima o toque de recolher, barris, sacos e caixotes são posicionados em barricadas. Todos os carros são parados e as pessoas, interrogadas por homens armados com bastões, paus, pistolas e facas.

Ramez Atallah diz que apesar desse união dar à maioria um sentimento de segurança e de boa vontade, a situação pode piorar à medida que os civis tomem a lei pelas próprias mãos.

Segue a lista de pedidos de oração feita por Atallah:

a) Orem para que a situação volte ao controle muito rapidamente e com urgência. Há perdas massivas a cada minuto. Hoje, o número oficial de feridos, muitos deles graves, é superior a 600 pessoas, com pelo menos oito mortos. O canal de TV oficial anunciou prejuízos financeiros da ordem de 200 bilhões de libras egípcias (USD 36 bilhões) nos últimos oito dias.

b) Orem pelos pobres e miseráveis, os que mais sofrem neste momento.

c) Orem para que os cristãos no Egito (tanto os nativos quanto os expatriados) não fiquem tentados a “correr” quando as coisas ficarem difíceis. Libby Little, cujo marido, Tom, foi assassinado no Afeganistão no ano passado, disse que, durante aquela guerra terrível, ela e suas filhas eram conhecidas como “as pessoas que ficaram”! Lucien Accad, ex-chefe da Sociedade Bíblica do Líbano, permaneceu com sua família durante a perigosa guerra civil, embora todos tivessem passaportes suíços e pudessem ter partido. Embora muitos estrangeiros estejam sendo obrigados a sair devido a políticas das empresas, nós oramos para que a pouca população cristã do Oriente Médio não diminua ainda mais devido aos atuais acontecimentos.

d) Orem para que a Sociedade Bíblica do Egito pense em formas criativas e adequadas de levar a Palavra de Deus ao povo durante esses tempos difíceis (afinal, grande parte da Escritura foi redigida em contextos de perigo). Nossos funcionários estão trabalhando de suas casas na elaboração de materiais impressos e de áudio a serem produzidos assim que retornemos ao escritório. A Feira do Livro, que estava marcada para 29 janeiro – 8 fevereiro, foi adiada indefinidamente. As mesas de livros (uma extensão das ofertas da Feira do Livro) e os Domingos da Bíblia foram cancelados em todas as igrejas. Como esta é a temporada de picos de venda,certamente sentiremos o impacto negativo sobre grande parte de nossa distribuição da Bíblia e sobre a renda das vendas e captação de recursos. Por favor, orem conosco enquanto estudamos a melhor maneira de sanar esse hiato no faturamento.

e) Orem por sabedoria para que os líderes políticos e do exército saibam controlar a situação sem recorrer a meios brutais.

f) Orem pela futura liderança do país. Há uma profunda preocupação sobre quem vai governar o Egito. A porta será aberta para todas as ideologias políticas e religiosas, inclusive os extremistas e fundamentalistas.

g) Finalmente, por favor, orem por mim, a fim de que me recupere de um problema súbito de coração (arritmia), que me acometeu na última quarta-feira, forçando-me a passar oito dias na Unidade Coronariana. Ontem foi meu primeiro dia em casa.

Obrigado por suas orações, é o que mais precisamos! Com amor, me despeço de todos vocês em nome da equipe da Sociedade Bíblica do Egito.”

Ramez Atallah, Secretário-Geral da Sociedade Bíblica do Egito.

Fonte: Gospel Prime

Pastor que organiza evento cristão lamenta falta de apoio do governo

O pastor presidente da Visão Nacional para a Consciência Cristã lamentou falta de apoio do governo da Paraíba no apoio a evento evangélico.

O pastor presidente do Vinacc (Visão Nacional para a Consciência Cristã ), Euder Faber Guedes Ferreira, entidade que organiza o Encontro para a Consciência Cristã, em Campina Grande, que será realizado de 2 a 8 de março, lamentou nesta quinta-feira o fato de ter sido negado, por parte do governo do estado da Paraíba, o apoio para a realização do evento que reúne evangélicos de todo Brasil.

Em um desabafo a equipe do ClickPB, o pastor descreveu sua decepção: “O governo tem suas prioridades, por certo o Encontro para a Consciência Cristã não está entre elas”, criticou.

Apesar da insatisfação com o governo da Paraíba, o pastor se mostrou grato a prefeitura municipal de Campina Grande, que, segundo ele, já acertou uma parceria com a organização do evento. “O apoio do governo municipal está garantido”, resumiu.

Como começou o evento:

Há 13 anos acontecia em Campina Grande, no interior da Paraíba o Primeiro Encontro para a Consciência Cristã. Poucos poderiam imaginar que o evento, que durou apenas quatro dias e só contava com dois preletores, os pastores Joaquim de Andrade e Jorge Issao Noda, fosse chegar tão longe.

O Primeiro Encontro para a Consciência Cristã foi realizado no antigo Museu Vivo das Ciência e Tecnologia, hoje o evento acontece no Parque do Povo, o maior espaço de eventos da cidade, o mesmo espaço que abriga o assim chamado " Maior São João do Mundo", o maior evento turístico de Campina Grande, seguido pela Consciência Cristã.

Nos seus primeiros anos o Encontro para a Consciência Cristã era uma realização do ITESMI – Instituto Teológico Superior de Missões, com o apoio de diversas denominações evangélicas da cidade.

A VINACC – Visão Nacional para a Consciência Cristã só foi criada em 2001, dois anos após a estréia do evento. Hoje, a Consciência Cristã considerado o maior evento do gênero da América Latina tem como coordenador geral o pastor Euder Faber, que também preside a VINACC.

Como fruto do crescimento do evento, a VINACC, paralelamente a Consciência Cristã, desenvolve outros projetos como um Programa de TV, um Jornal, site, várias redes sociais na internet, campanhas de cunho evangelistico e defesa da fe, todos voltados para o fortalecimento da Consciência Cristã. O mais novo desses projetos, talvez o maior desafio que a VINACC já emplacou seja a Primeira Consciência Cristã Internacional, que vai acontecer em outubro de 2011, em Jerusalém - Israel.

Ao longo desses 13 anos de história, a ser completados em Março de 2011, a Consciência Cristã é exemplo nacional de iniciativa da comunidade cristã, onde muitas pessoas são alcançadas pela Palavra de Deus e, através das inúmeras palestras e seminários oferecidos gratuitamente no evento, têm acesso a uma gama de conhecimentos importantes para o crescimento e fortalecimento espiritual da Igreja.

De 2 a 8 de março de 2011, com o tema “O Retorno ao Evangelho da Cruz”, o Encontro para a Consciência Cristã estará comemorando seu décimo terceiro aniversário. A próxima edição do Encontro já conta com 20 eventos paralelos, 37 preletores, mais de 100 palestras com temática diversificada, tudo isso com entrada franca e aberta para o público em geral. A expectativa dos organizadores é que a Consciência Cristã 2011 supere a anterior, assim como vem acontecendo todos os anos.

Fonte: Click PB

Senado Kentucky Aprova Projeto para Ensinar Bíblia em Escolas Públicas

Bible-christian-postO Senado aprovou um projeto de Kentucky quarta-feira que objetiva acrescentar classes de Bíblia para o currículo nas escolas públicas.
  • (Foto: by DrGBB)
    O Senado aprovou um projeto de Kentucky, quarta-feira, 09 de fevereiro de 2011, que objetiva acrescentar classes de Bíblia para o currículo nas escolas públicas.
O Senado votou 34-1 para aprovar no Senado o projeto de lei 56.
A medida direciona à Diretoria de Ensino de Kentucky para criar diretrizes em um currículo em torno da Bíblia. Segundo a proposta, os alunos seriam capazes de fazer um curso de Bíblia como um dos estudos sociais eleitorais centrados na Bíblia hebraica, o Antigo Testamento da Bíblia, o Novo Testamento, ou uma combinação das Escrituras Hebraicas e o Novo Testamento da Bíblia.
O senador Joe Bowen (R-Owensboro), defensor do projeto, disse que o objetivo da legislação é a alfabetização Bíblica.
Ele disse que a intenção é familiarizar os estudantes com um livro que teve enorme impacto sobre a sociedade americana e da cultura ocidental, de acordo com a Associated Press.
O conhecimento de personagens bíblicos e narrativas serve como "pré-requisitos para a compreensão da sociedade contemporânea e da cultura, incluindo a literatura, arte, música, costumes, oratória e políticas públicas," afirmou a proposta.
Enquanto as escolas em Kentucky podem dar aulas sobre a Bíblia, a lei iria padronizar o curso.
O senador David Boswell (D-Owensboro) patrocinou uma lei semelhante no ano passado, que foi aprovada pelo Senado de Kentucky, mas falhou na Câmara. Boswell ano passado, disse que a lei era constitucional porque a Bíblia não poderia ser ensinada a partir de um ponto de vista religioso, mas sim literário.
O projeto de lei 56 do Senando agora segue para a Câmara estadual.

Marco Feliciano apresenta projeto de Lei para ensino religioso nas redes públicas

O Deputado Federal Pastor Marco Feliciano protocolou na última quarta-feira, dia 9, junto aos órgãos competentes sua primeira Proposição de Projeto de Lei.
Trata-se de da apresentação do Projeto de Lei n. 309/2011, pelo Deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que: “Altera o art. 33 da Lei n.º 9.394/96, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino do país”.
Segundo o texto da Lei de Diretrizes e Bases (LDB 9394/96), de dezembro de 1996, o ensino religioso é de matrícula facultativa, a ser ministrado dentro do horário normal das escolas de ensino fundamental sem que haja ônus para os cofres públicos.
Se for aprovada, a lei apresentada pelo pastor Marco Feliciano tornará obrigatório, não mais facultativo, o ensino religioso no Brasil.

Saúde

Em seu primeiro discurso durante uma Sessão Ordinária na Câmara dos Deputados, o pastor Marco Feliciano faz um agradecimento aos mais de 200 mil votos recebidos, ao partido PSC e diz que em conversa com o Ministro da Saúde, falou sobre a falta de atendimento médico nos hospitais públicos.
“Ontem a noite tivemos uma reunião com sua Excelência, Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em conversa com ele fiquei emocionado, porque  talvez eu seja um dos poucos parlamentares que sepultou um filho por falta de atendimento médico”, disse. Segundo o pastor, ao ouvir sua história o Ministro se comprometeu em mudar esse quadro tão drástico na saúde pública do Brasil. “Tive da palavra do senhor Ministro que ele vai trabalhar com muito afinco por isso”, encerra Marco Feliciano.
Fonte: Gospel Prime

Mubarak controlou o Egito com mão de ferro por 3 décadas

Khaled Desouki/AFPAliado dos EUA, o presidente que escapou a seis atentados foi derrubado por protestos.

Khaled Desouki/AFP
Mubarak viu o apoio internacional que tinha desaparecer e não resistiu ao poder das ruas; caiu no 17º dias de protestos, da mesma forma que na Tunísia

Aos 82 anos, Hosni Mubarak parecia ser mais um líder árabe a ficar no poder até a morte ou deixar o governo de herança a um dos filhos, como é tradição no norte da África e no Oriente Médio. Após três décadas no poder, com apoio dos EUA, o homem que escapou de seis atentados não resistiu à força das ruas. Após 18 dias de protestos, o presidente egípcio renunciou nesta sexta-feira (11), abrindo caminho para esperanças e incertezas no Egito.

Mubarak assumiu o Egito em 1981, oito dias após o assassinato do ex-presidente Anwar el Sadat, morto por oficiais do Exército descontentes com o acordo de paz assinado com Israel. Com o tratado, o Egito foi o primeiro país árabe a reconhecer o Estado judeu (hoje também reconhecido pela Jordânia). Tornou-se, assim, uma espécie de guardião de Israel e garantia de estabilidade para a região repleta de petróleo e inflamada por extremistas.
Casado com uma britânica, Suzzane Mubarak, o militar que foi primeiro-ministro de Sadat assumiu o poder com mão-de-ferro. Desde 1981, Mubarak governava o país sob Estado de sítio (ou seja, sem a garantida de direitos fundamentais, uma ditadura na prática). Apesar do regime autoritário, era um aliado e até considerado amigo por autoridades do Ocidente, sobretudo dos Estados Unidos.
As três décadas no poder fizeram crescer a fortuna pessoal de Mubarak. Embora não existam números oficiais, o patrimônio do líder egípcio é equivalente a R$ 117 bilhões (US$ 70 bilhões), segundo o jornal The Guardian.
Carona para primeiro-ministro francês e amigo dos Clinton
Acuado pelos milhares de manifestantes, que há 18 dias acampam na praça Tahir, no coração do Cairo, Mubarak viu o amplo apoio ocidental que tinha desaparecer.
Embora a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, já tenha chamado Mubarak de amigo no passado, o governo dos EUA passou a pedir uma transição ordeira no país. Outros países influentes, como a França, preferiram o silêncio – inclusive depois que se soube que o primeiro-ministro François Fillon viajou de carona num jatinho de Mubarak.
À medida que cresciam os protestos na praça Tahrir, ninguém parecida disposto a defender o líder egípcio. Uma das poucas exceções do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, que classificou o egípcio como “sábio” -  nos dias em que ele mesmo corre o risco de cair por causa de um escândalo sexual.
Perda de apoio dos militares foi crucial para a queda
Desde sua independência, em 1953, o Egito é um país estruturado no poder do Exército. Todos os presidentes foram militares. Mas após 30 anos de regime, a opinião no quartel não parecia ser toda favorável a Mubarak.

Pouco a pouco, as divisões nas Forças Armadas começaram a aparecer. O anúncio de que o Exército poderia reprimir os manifestantes nos protestos desta sexta-feira (11) parece colocado os militares contra a parede e forçado que eles definissem de que lado estavam. Nos últimos dias, as negociações eram feitas pelo vice-presidente, o militar Omar Suleiman, nomeado após 30 anos de cargo vago. Após 18 dias de protestos, mais de 300 mortos (segundo a ONU), a revolta que explodiu inspirada na Revolução de Jasmim na Tunísia (que dias antes também derrubou o regime autoritário vizinho) atingiu seu primeiro objetivo – derrubar Mubarak. O golpe final, mais uma vez, foi dado pelo Exército, que ficou do lado dos manifestantes.
Para os EUA e Israel, o grande temor é que a Irmandade Muçulmana, o principal grupo da oposição, assuma o governo e transforme o país numa república islâmica. Mas líderes do movimento negam isso.
Se o Egito com o Mubarak era sinônimo de autoritarismo, o Egito sem Mubarak é um país com esperanças democráticas e muitas incertezas.

FONTE   R7   

ESTUDO PARA OS CASADOS - Segurança no Lar

Segurança no Lar

Qualquer pessoa que mora numa grande capital entende a importância de segurança no lar. Sabendo que existem alguns maus elementos no mundo, procuramos minimizar o perigo de assaltos e invasões das nossas casas. Muitas casas são cercadas por muros altos. Outras têm grades nas janelas. Algumas têm sistemas sofisticados de alarmes ou guardas para as defender. E qual rua não têm, pelo menos, alguns dez cachorros que latem em coro quando alguém passa na rua? É normal querer segurança em casa.
O que é que procuramos proteger dentro de casa? Alguns bens materiais, talvez. Mas, de maior importância, protegemos a vida física e o bem-estar emocional das pessoas queridas que chamamos família.
Enquanto protegemos nossas famílias de alguns riscos físicos, freqüentemente negligenciamos uma outra questão de segurança no lar. Nossas famílias são sujeitas a muitas ameaças espirituais. Como podemos defendê-las? O que podemos fazer para criar e manter lares seguros e capazes de resistir os males que destroem muitas famílias e estragam as vidas de muitas vítimas inocentes? Neste artigo, consideraremos alguns princípios bíblicos que asseguram lares mais sólidos e tranqüilos.
1 + 1 = 1
Quando Deus criou o ser humano, ele fez duas pessoas: um homem e uma mulher. Desde o princípio, Deus ordenou que o casamento fosse um relacionamento especial e íntimo de dois: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24). Milhares de anos depois, Jesus repetiu o mesmo princípio como a vontade de Deus para todos (Marcos 10:6-9; Mateus 19:4-6). Paulo divulgou a mesma regra quando ensinou que cada homem pode ter "sua própria esposa" e cada mulher "seu próprio marido" (1 Coríntios 7:2).
Muitos dos problemas de lares inseguros, hoje em dia, resultam da desobediência deste princípio fundamental. Vamos ver alguns exemplos desses abusos e suas conseqüências:
Deixa o homem pai e mãe. O ato de casar-se cria uma nova família, independente das famílias dos pais. O ponto deste aspecto do mandamento não é distância física, pois encontramos exemplos de pessoas fiéis que moraram perto dos pais (Gênesis 24:67). É possível morar perto dos pais e ainda desenvolver uma família independente, mas não é fácil. Há duas tendências erradas que freqüentemente atrapalham famílias: Œ Pais que interferem nos assuntos dos filhos casados, e  Filhos casados que não assumem a responsabilidade na própria família. Enquanto esses problemas podem acontecer em qualquer família, são mais comuns quando os filhos ficam pertinho dos pais depois de casar. Às vezes, a noiva demora para aprender como cozinhar e manter a casa porque não estabelece um lar independente. Muitos novos maridos não aprendem a responsabilidade de sustentar a família e administrar o dinheiro, porque os pais continuam ajudando financeiramente. Alguns novos pais não sabem criar filhos, porque as crianças estão sempre na casa dos avós. Muitos casais nunca aprendem como resolver problemas entre si, porque sempre procuram refúgio na casa dos pais, ao invés de conversar como dois adultos para achar soluções para suas diferenças. Quando recém-casados respeitam a vontade de Deus para deixar pai e mãe e formar uma nova e independente família, aprendem depender um do outro, resolvendo problemas e criando laços fortes.
Se une à sua mulher. Nestas palavras encontramos dois aspectos importantíssimos de um bom casamento: Œ Se une à sua mulher. O ato de unir-se sugere o compromisso do casamento. Os costumes e as leis mudam de uma época para outra e de um país para outro, mas a idéia de assumir um compromisso de casamento com uma pessoa é essencial. No Brasil, atualmente, essa união exige um casamento lícito, devidamente registrado no cartório. Pessoas que vivem amigadas estão evitando o compromisso do casamento, deixando aberta uma porta de saída. O relacionamento de tais pessoas não se trata de casamento, mas sim de fornicação, um pecado contra o par e contra Deus (Hebreus 13:4; 1 Coríntios 7:9). Relações sexuais antes ou fora do casamento do casamento são pecaminosas.  Se une à sua mulher. Em três palavras, Deus já excluiu muitos dos motivos de lares instáveis. Deus, na Bíblia, autoriza cada homem a casar-se com uma mulher. A prática comum de divorciar e casar com outra não é da vontade de Deus. Deus não criou Adão e Eva e Ana e Sara. Ele criou um homem e uma mulher. O casamento hoje é um relacionamento fechado e exclusivo entre duas pessoas. Eu não tenho direito nem de pensar em me separar da minha esposa para achar outra. Devemos observar outra coisa importante nessas palavras. Deus criou um homem e uma mulher. Deus não autorizou que o homem tivesse relações sexuais com animais, nem com outros homens. Ele já tinha criado diversos animais, mas nenhum deles foi feito para ser companheiro íntimo do homem (Gênesis 2:20). Também, é óbvio que Deus não criou Adão e João. Não importa quantas teorias que os homens inventam, ou quantas leis que os políticos fazem, as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo sempre serão condenadas pela palavra de Deus (Romanos 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-11). Os homossexuais precisam parar de cometer esse pecado e voltar para Deus.
Tornando-se os dois uma só carne. No meio da libertinagem do nosso mundo, a idéia de fidelidade matrimonial parece antiquada. Filmes, novelas, revistas e jornais sugerem que a paixão é incontrolável e a traição inevitável. O mesmo antigo mentiroso que enganou Eva no jardim do Éden continua enganando milhões com essas mentiras. O privilégio de ter relações sexuais é uma das melhores coisas que Deus deu para o prazer do homem e da mulher, mas pessoas pecaminosas procuram estragar esse dom de Deus. A intenção de Deus é que, logo depois de assumir o compromisso de casamento, o homem e sua mulher começarão uma vida de relações íntimas que trarão prazer para os dois. O bom marido vai se preocupar com a satisfação sexual de sua esposa, e ela, por sua vez, vai responder aos desejos naturais dele. Pessoas que respeitam a vontade de Deus não admitem a possibilidade de se envolver sexualmente com outras pessoas (1 Coríntios 7:3-5; Provérbios 5:1-23; Mateus 5:27-28; Hebreus 13:4; 1 Coríntios 6:9-11; Romanos 7:1-3). As pessoas que encontram mais prazer sexual na vida são as pessoas que se dedicam ao desenvolvimento do relacionamento íntimo com seu legítimo parceiro. Essas pessoas não sofrem da culpa que vem com lembranças de pecados cometidos no passado, nem da insegurança que a infidelidade traz para a vida de muitos. No casamento lícito, o sexo se torna uma parte especial do amor verdadeiro e completo entre duas pessoas.
O cristão que respeita a Deus vai contrariar as tendências pecaminosas de uma sociedade que defende a libertinagem. Um artigo recente na revista Época acertou quando descreveu uma grande parte do problema de jovens terem relações sexuais: "Quem é adolescente, hoje, tem nos pais o exemplo de uma geração que derrubou barreiras para tornar o sexo antes do casamento algo moral e socialmente aceitável" (12/04/99, página 50). Temos que mudar este quadro. A fornicação pode ser socialmente aceitável, mas nunca será moralmente aceitável. Mesmo se não conseguirmos mudar o pensamento de todos, podemos e devemos começar nos nossos próprios lares e igrejas. Pais, assumam compromissos com seus filhos para ajudá-los a manter sua pureza, assim se preparando para felicidade verdadeira no casamento e no céu.
Famílias Seguras
Abandono e divórcio são fontes de muito sofrimento. A vida de muitas crianças e jovens se torna um pesadelo, devido às promessas quebradas dos pais. Muitos adultos sofrem feridas incuráveis de rejeição por alguém que, alguns anos antes, prometeu amor e fidelidade até a morte. Deus autorizou o casamento, mas a destruição de lares é obra do diabo. Muitas coisas mudam depois de casar, mas o compromisso é irrrevogável. Geralmente, o homem de 50 anos não é tão bonito, fisicamente, como era quando tinha 20 anos. A mulher de 80 anos pode ter alguns problemas de saúde que não tinha aos 30 anos. Problemas mais difíceis, incluindo doenças mentais, podem se desenvolver depois do casamento, mas o compromisso não muda. Uma doença ou acidente pode deixar a pessoa incapaz de cumprir seu papel normal, mas o compromisso continua o mesmo. A sua esposa ou o seu marido merece a segurança de saber que vocês vão ficar juntos até a morte.
Seus filhos precisam da mesma segurança. Lares tumultuados e quebrados por divórcio deixam muitas vítimas. Pesquisa publicada na revista Veja prediz uma grande mudança na família brasileira: "Em apenas duas décadas, o número de famílias nucleares, compostas por pai, mãe e filhos de um primeiro casamento, será menor do que o de novas uniões resultantes de separações e divórcios." O mesmo artigo observa o fato óbvio: "Mas é ilusão achar que exista separação sem dor e sofrimento. O fim de um casamento é uma das situações mais estressantes que um ser humano pode enfrentar....Para as crianças, significa lidar com emoções desconhecidas, na maioria das vezes traumáticas...." (17/03/99, páginas 110-111).
Cumprindo nossos papéis com amor
Existem muitas outras coisas que contribuem à segurança no lar. Homens responsáveis devem trabalhar e sustentar a família (1 Tessalonicenses 4:11; 2 Tessalonicenses 3:10; 1 Timóteo 5:8). Mulheres piedosas serão boas donas de casa, contentes com as necessidades da vida e livres da avareza (Tito 2:3-5; 1 Timóteo 6:7-10). Pais que temem ao Senhor vão instruir seus filhos por palavra e exemplo, os corrigindo em amor (Efésios 6:4). Violência, bebidas, drogas, imoralidade e diversas outras más influências serão eliminadas das nossas famílias, deixando um ambiente saudável para o desenvolvimento de pessoas aptas para o reino de Deus. Vivendo bem no lar exige sacrifício e determinação. Mas, lembre-se de dois fatos importantes: Œ O amor de Deus exigiu um sacrifício maior (João 3:16; Efésios 5:25), e  Estamos tratando de seres humanos, feitos à imagem de Deus, que têm espíritos eternos. Você terá uma grande influência na eternidade de seu companheiro e de seus filhos. Vale a pena ser fiel!


COMENTEM.
ESTUDO   2  .


    O Propósito de Deus para a Família

"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela" (Salmo 127:1).
Deus nos criou e designou o casamento e a família como a mais fundamental das relações humanas. Em nosso mundo de hoje em dia, vemos famílias atormentadas pelo conflito e arrasadas pela negligência e o abuso. O divórcio tornou-se uma palavra comum, significando miséria e dureza para os múltiplos milhões de suas vítimas. Muitos homens jamais aprenderam a ser esposos e pais devotados. Muitas mulheres estão fugindo de seus papéis dados por Deus. Pais que não têm nenhuma idéia de como preparar seus filhos estão assim perturbados pelo conflito com seus rebentos rebeldes. Outros simplesmente abandonam seu dever, deixando filhos sem qualquer preparação ou provisão.
Para muitas pessoas, hoje em dia, a frase familiar e confortadora "Lar, Doce Lar" não é mais do que uma ilusão vazia. Não há nada doce ou seguro num lar onde há o abuso, a traição e o abandono.
Haver  uma solução? Poderemos evitar tais tragédias em nossas famílias? Poderão os casais jovens manter o brilho do amor e do otimismo décadas depois de fazerem os votos no casamento? Haverá esperança de recuperação dos terríveis erros do passado?
A resposta para todas estas perguntas é SIM! As soluções raramente são fáceis. A construção de lares sólidos não acontece por pura sorte. Somente pelo retorno ao padrão de Deus para nossas famílias poderemos começar a entender as grandes bênçãos que ele preparou para nós em lares construídos sobre a rocha sólida da sua palavra. Consideremos brevemente alguns princípios básicos ensinados na Bíblia sobre a família.

O Propósito Básico de Deus para a Família

Quando temos dificuldade com a geladeira, entendemos que o fabricante, que escreveu o manual do usário, sabe mais sobre o aparelho do que nós. Lemos o manual para resolver o problema. Quando vemos tantos problemas nas famílias de hoje, só faz sentido que nosso Criador, que escreveu o "manual do usuário", sabe mais a respeito da família do que nós. Precisamos ler o manual para achar como construir e manter bons lares. Encontramos estas instruções na Bíblia. Ela nos guia em cada aspecto do serviço a ele, incluindo a realização de nossos papéis na família.
Casamento
A família começa com o casamento. Quando Deus criou Adáo e Eva, ele revelou seu plano básico para o casamento: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24). Este plano é claro. Um homem ligado a uma mulher. Milhares de anos mais tarde, Jesus afirmou que este ainda é o plano de Deus. Ele citou este versículo e acrescentou: "Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6). Este casamento é uma relação para toda a vida. Somente a morte deve cortar este laço (Romanos 7:1-3).
Deus aprovou as relações sexuais somente dentro do casamento. Não há nada de mal ou impuro sobre as relações sexuais dentro de um casamento aprovado por Deus (Hebreus 13:4). Esposos e esposas têm a responsabilidade de satisfazer os desejos sexuais (dados por Deus) aos seus companheiros (1 Coríntios 7:1-5).
Todas as outras relações sexuais são sempre e absolutamente erradas. Relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são absolutamente proibidas por Deus (Romanos 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-11). Deus não criou Adão e João. Ele fez uma mulher, Eva, como uma parceira apropriada para Adão. As relações sexuais antes do casamento, mesmo entre pessoas que pretendem se casar, são condenadas por Deus (1 Coríntios 7:1-2, 8-9; Gálatas 5:19). As relações sexuais extra-conjugais são também claramente proibidas (Hebreus 13:4).
Filhos
Casais assim unidos diante de Deus pelo casamento gozam o privilégio de terem filhos. Deus ordenou a Adão e Eva e aos filhos de Noé que tivessem filhos (Gênesis 1:28; 9:1). Ainda que nem todas as pessoas tenham que se casar, e que nem todas terão filhos, é ainda o plano básico de Deus que os filhos nasçam dentro de famílias, completas com pai e mãe (1 Timóteo 5:14). Em lugar nenhum da Bíblia encontramos autorização para uma mulher ter relações sexuais para conceber um filho, antes ou sem casamento. A paternidade solteira, que está se tornando moda em nossa sociedade moderna é um afastamento do plano de Deus que terá  sérias conseqüências para as gerações vindouras.

Papéis Dados por Deus Dentro da Família

Dentro desta estrutura do propósito Divino, consideremos os papéis que Deus atribuiu aos homens, mulheres e filhos.
Homens: Esposos e Pais
A responsabilidade dos esposos é bem resumida em Efésios 5:25: "Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela". O esposo tem que colocar as necessidades de sua esposa acima das suas próprias, mostrando devoção desprendida aos melhores interesses da "parte mais frágil" que necessita da sua proteção. Ele tem que trabalhar honestamente para prover as necessidades da família (2 Tessalonicenses 3:10-11; 1 Timóteo 5:8).
Os pais são especialmente instruídos por Deus para preparar seus filhos na instrução e na disciplina do Senhor (Efésios 6:4). Este é um trabalho sério e, às vezes, difícil, mas com resultados eternos! Os espíritos de seus filhos existirão eternamente, ou na presença de Deus ou separados dele. A maior meta de um pai para seus filhos deveria sempre ser a salvação eterna deles.
Mulheres: Esposas e Mães
Uma esposa tem um papel muito desafiador no plano de Deus. Ela tem que complementar seu esposo como uma auxiliar submissa, que partilha com ele as experiências da vida. As pressões da sociedade moderna para rejeitar a autoridade masculina não obstante, a mulher devota aceita seu papel como aquela que é cuidadosamente submissa ao seu esposo (Efésios 5:22-24; 1 Pedro 3:1-2). As mulheres de hoje em dia que rejeitam este papel dado por Deus estão na realidade difamando a palavra dele (Tito 2:5).
Deus instrui as mulheres para mostrarem terna afeição aos seus esposos e filhos, e a serem honestas e fiéis donas de casa (Tito 2:4-5). Apesar dos esforços de algumas pessoas para desvalorizar o papel das mulheres que são dedicadas a suas famílias, Deus tem em alta estima a mulher que é uma boa dona de casa e uma amorosa esposa e mãe. Tais mulheres devotas são também dignas de respeito e apreciação de seus esposos e filhos (Provérbios 31:11-12,28).
Filhos: Seguidores Obedientes
Deus também definiu o papel dos filhos. Paulo revelou em Efésios 6:1-2 que os filhos deverão:
1. Obedecer a seus pais. Deus colocou os pais nesta posição de autoridade e os filhos têm que respeitá-los. Muitas pessoas consideram a rebeldia de uma criança como uma parte comum e esperada do "crescimento", mas Deus coloca-a na lista com outros terríveis pecados contra ele (2 Timóteo 3:2-5).
2. Honrar seus pais. Os pais que sustentam, instruem e preparam seus filhos devem ser honrados. Jesus mostrou que esta honra inclui prover as necessidades dos pais idosos (Mateus 15:3-6).

Lares Piedosos Nestes Dias?

É, freqüentemente, muito difícil corrigir anos ou mesmo gerações de erros. Mas está claro que o único modo pelo qual podemos esperar ter boas famílias construídas nos princípios divinos é voltar ao plano que Deus tem revelado. Temos que estudar a Bíblia, aprender estes princípios, aplicá-los em nossas vidas, e ensiná-los aos nossos filhos e aos outros. Lembre-se, os benefícios serão eternos!
Você está construindo seu lar sobre a fundação da palavra de Deus?
- por Dennis Allan

Sinais dos últimos tempos!



O amor vem esfriando na medida em que crescem a iniqüidade, o individualismo, o narcisismo
Os discípulos de Cristo, um dia, perguntaram a ele quais seriam os sinais que antecederiam a sua vinda. Ele respondeu esta pergunta numa longa pregação, conhecido como “sermão profético”. Entre os sinais apresentados por Jesus, destaca-se o surgimento de falsos Cristos e falsos profetas, que iriam enganar muitas pessoas. O Filho de Deus falou também de guerras entre as nações e de abalos sísmicos. No entanto, há um sinal que me chama a atenção de forma particular: trata-se daquele que fala do esfriamento do amor. Jesus disse: “E por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos” (Mateus 24.12).
A relação que Jesus apresenta é inversamente proporcional: o crescimento da iniqüidade implica no enfraquecimento do amor. Vejam se não é esse o nosso caso. Na medida em que cresce o pecado em suas mais variadas formas, da corrupção ao crescimento da miséria social, da pornografia a todas as formas de banalização sexual, a violência nas ruas e nos lares, o individualismo autocentrado e narcisista, esfria o amor genuíno e sincero no ser humano. Somos uma geração que vem desaprendendo a amar. Não estou me referindo a uma forma platônica de amor ou aos modelos hollywoodianos que enchem nossa sala de estar todos os dias, mas ao amor conforme Deus o revela nas Escrituras. Amos naquela forma como ele mesmo nos têm amado e celebrado uma aliança com seu povo. Provavelmente não há nenhum texto mais completo sobre o amor do que I Coríntios 13, um texto que precisa ser revisitado por nós diante daquilo que vemos todos os dias.
Naquela epístola, Paulo fala de um amor que é paciente, que não se perde diante da primeira crise ou da primeira desilusão; um sentimento bondoso, não ciumento e humilde. Um amor que não se comporta de forma inconveniente, mas é altruísta, e está sempre procurando atender o interesse dos outros e não o seu próprio. É também um amor que não se ira facilmente, que não guarda rancor, que não se alegra com a injustiça, mas que salta de júbilo quando a verdade triunfa. É um amor que sabe que o sofrimento sempre acompanha aquele que ama. Um amor que se sustenta sob fundamentos sólidos e verdadeiros, que não tem a pressa dos egoístas, mas que sabe esperar e possui uma enorme capacidade de suportar adversidades.
Este amor que Paulo nos descreve vem diminuindo e esfriando na medida em que cresce o egoísmo alimentado pelo individualismo da cultura narcisista, onde o que importa sou eu, meus desejos, meus interesses, meu momento, minhas necessidades, minha realização, meus projetos, o que eu penso, quero e preciso. Imagino que quando duas pessoas modernas, com este espírito individualista e narcisista, se encontram e resolvem se amar, envolvem-se num modelo de relacionamento onde, à primeira vista, tudo indica que se trata de um belíssimo e invejável romance. Contudo, diante do primeiro obstáculo, da primeira frustração, de um simples desentendimento, da dor e do sofrimento, ou do cansaço e da vontade de experimentar “novos ares”, abandonam aquele amor que foi grande apenas enquanto durou em troca de um outro que atenda as necessidades de um ego inflado, imaturo e insaciável.
É por causa da iniqüidade deste espírito individualista e narcisista que os pais vão abandonando os seus filhos porque têm coisas mais importantes a fazer, como ganhar dinheiro ou buscar o sucesso, do que cuidar deles e amá-los; alguns tornam-se indiferentes e os abandonam à própria sorte na esperança de que na escola ou na vizinhança encontrarão quem os ame e eduque. Outros há que tentam manipulá-los e controlá-los em virtude da mesma iniqüidade, da mesma falta de tempo e da mesma insegurança. Os mais modernos já preferem não tê-los porque sabem que o amor que possuem não ultrapassa a epiderme – não são capazes de amar nada além do seu próprio ego. Por outro lado, os filhos vêm se rebelando contra seus pais, negando-lhes o respeito e a honra. São também filhos da iniqüidade do nosso tempo, do mesmo individualismo, do mesmo egoísmo.
Os jovens trocaram o amor pelo sexo para descobrirem lá na frente, depois de tantas idas e vindas e muitas “ficadas”, que são bons de cama, mas frios e imaturos na arte de construir um amor que supera as fronteiras do egoísmo e que cresce na medida em que o tempo passa. Os escândalos de corrupção que mais uma vez abalam o país têm, na sua raiz, o mesmo mal. Todos buscam o que é seu e nunca o que é dos outros. A epidemia que hoje toma conta da nação não é a corrupção – ela é apenas mais uma expressão de uma nação, onde a iniqüidade cresceu tanto que fez o amor murchar.
Eu nunca fui um desses crentes interessados em decifrar os códigos para adivinhar quando é que Jesus Cristo volta. Tal aritmética não me interessa. Apenas sei que ele voltará, e isso me basta. No entanto, devo confessar que olhando para o cenário do mundo hoje, tenho orado por uma intervenção divina e espero que ela aconteça logo, seja na forma de um novo avivamento – daqueles que penetram na raiz do coração humano e o transforma e não esta panacéia religiosa que alguns chamam de “derramamento do Espírito” – ou de uma intervenção escatológica, final ou não. Oro por isto porque não é mais possível suportar tanta injustiça, tanta miséria, tanta imoralidade, tanto pecado.
Oro também para que Deus nos preserve fiéis a ele e à sua Palavra, para que aqueles que reconhecem o amor divino e são alimentados e inspirados por ele cresçam cada vez mais amparando o pobre, cuidando do necessitado, lutando pela justiça, permanecendo fieis aos termos da aliança com Deus e com o próximo. Jesus, naquele sermão profético, afirma que “o amor se esfriará de quase todos”. E é nesta pequena exceção que quero me incluir, a mim e a você, mesmo que sejamos apenas um pequeno remanescente, mas um remanescente que não se curva diante dos Baalins do mundo moderno.

Mubarak renuncia no Egito e entrega poder ao Exército, diz vice-presidente Presidente tinha ido para balneário no Mar Vermelho, segundo seu partido. Povo, que pedia saída imediata havia 18 dias, celebrou nas ruas do Cairo.

O vice-presidente do Egito, Omar Suleiman, disse nesta sexta-feira (11) em pronunciamento na TV estatal que o presidente Hosni Mubarak renunciou., após 18 dias de violentos e crescentes protestos de rua que deixaram mais de 300 mortos e 5.000 feridos.
Depois de 30 anos no poder, ele entregou o poder ao Exército, disse Suleiman.
A notícia da renúncia, exigida pelos manifestantes, /foi imediatamente celebrada com festa nas ruas do Cairo e das outras grandes cidades do Egito.


G1

MÚSICOS CRISTÃOS SÃO FAVORECIDOS POR MANDATO DE SEGURANÇA




"DIVULGUEM ESSE TEXTO


Sou a advogada da Igreja Bola de Neve, Taís Amorim de Andrade Piccinini e manifesto-me para informar que no Mandado de Segurança que impetramos foi concedida a segurança e confirmada a sentença em segunda instância, de modo que a Igreja está isenta da penalidade indevidamente aplicada pela OMB, bem como seus músicos (levitas) estão dispensados da apresentação da tal carteira de músico.

Sugiro que esta informação seja repassada ao maior número de Igrejas possível, para subsídio de cada ministério, que poderá se valer de tal decisão para também não ser compelido a promover os cadastros dos músicos e recolher as taxas cobradas pela OMB.

Maiores informações, estou à disposição.



Atenciosamente

Taís Amorim de Andrade Piccinini

Iraque: “Não enganem os cristãos!”


Arquidiácono exige defesa dos seguidores de Jesus


KÖNIGSTEIN IM TAUNUS, terça-feira, 18 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) - O arquidiácono Emanuel Youkhana, coordenador da ajuda humanitária às famílias cristãs no Iraque, exigiu, numa conversa com a associação católica Ajuda à Igreja que Sofre, que o mundo ocidental e o governo iraquiano "'deem nomes aos bois', ou seja, que reconheçam que os cristãos são vítimas de ataques sistemáticos que buscam fazê-los abandonar o país".

O Pe. Emanuel criticou o fato de o governo iraquiano negar isso e de que, na comunidade internacional, cada vez mais surjam vozes que afirmam que o terror "não se dirige aos cristãos, mas a todos". Também enfatizou que não é suficiente condenar o que aconteceu.

"A Constituição deve dar aos cristãos os mesmos direitos e não convertê-los em cidadãos de segunda ou terceira", exigiu o arquidiácono, acrescentando que tampouco basta "simplesmente limitar-se a proteger as igrejas, porque... o que acontece então com as escolas, com as casas, com a vida cotidiana?".

O presbítero disse que a vida dos cristãos sofre cada vez mais restrições e muitos só pensam em fugir. De um milhão de cristãos que havia, restam apenas cerca de 300 mil, afirmou.

Em sua opinião, a tarefa mais importante das Igrejas cristãs é infundir a confiança e esperança. "Mesmo antes que o país caísse, as pessoas desmoronaram psicologicamente. O país inteiro está traumatizado", explicou, ressaltando que as terapias para tratar dos traumas são especialmente importantes para crianças e jovens.

O arquidiácono vê a necessidade de reparar o dano social, resultado de guerras e conflitos internos violentos, e restaurar a consciência da dignidade humana.

Para ele, a Igreja tem um papel importante aqui, porque transmite uma mensagem de esperança e porque diz: "Não tenham medo!". No entanto, reconheceu que é importante também o apoio material, pois o próprio Jesus não se limitou a pregar, mas ajudou de forma concreta e material.

Em sua opinião, o futuro dos cristãos do Iraque não depende deles. O governo iraquiano não faz nada e os cristãos estão "indefesos, mas não desesperados". O arquidiácono disse que a esperança não pode se basear em palavras, mas, no entanto, é importante que a mídia informe sobre a situação dos cristãos.
A Igreja e as associações como a Ajuda à Igreja que Sofre são um "forte apoio moral e material", mas a Igreja não dispõe dos recursos necessários para preparar toda a infraestrutura ou para operar mudanças políticas. "Aqui, disse o Pe. Youkhana, os governantes têm de agir."

Alguns especialistas dizem que a contínua perseguição de cristãos no Iraque é a pior de todos os tempos. Algumas semanas atrás, uma célula iraquiana do grupo terrorista Al Qaeda declarou a todos os cristãos do Oriente Médio "objetivos legítimos" de ataques. E os atentados e sequestros não param.

Cristãos afirmam que independência do Sudão do Sul é cumprimento de profecia descrita na Bíblia

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel A independência de sua nação teria sido anunciada na Bíblia mais de 2.000 anos atrás, em uma das várias passagens que se refere à terra de Cuche, e os descreve como pessoas de estatura elevada e pele lisa, cuja terra os rios dividem.
Comemoração do resultado do referendo
“Lemos muitas vezes esse texto bíblico no domingo”, disse Ngor Kur Mayol, imigrante sudanês residente nos EUA que votou no referendo realizado no início deste mês para decidir a independência. ”O texto menciona muito a maneira como estávamos sofrendo durante tantos anos e como esse sofrimento irá terminar depois que votamos pela independência.”
A interpretação não é de todo inverosímil, defende o professor Ellen Davis, da Escola Teológica de Duke, que tem colaborado desde 2004 com a Igreja Episcopal do Sudão a fim de reforçar a educação teológica naquele país .
“Não há dúvidas que Isaías 18 fala sobre o povo do Alto Nilo. Realmente está falando sobre o povo sudanês”, explica Davis. Segundo ele, a crença na profecia é quase unanimidade entre os cristãos daquele país.
“De modo geral, os cristãos sudaneses  creem muito mais que a maioria dos cristãos norte-americanos que a Bíblia fala de acontecimentos atuais. Em especial dos acontecimentos políticos”, disse o professor.
Líder de uma Igreja Presbiteriana de imigrantes sudaneses em Nashville, o pastor Jock Paleak explica como Isaías 18 tem sido interpretada como uma referência para a independência.
“A Bíblia diz que quando eles levantarem a bandeira sobre os montes, o mundo inteiro vai ver.” Para ele, os olhos do mundo todo estão agora sobre o  Sudão do Sul.
Os resultados divulgados na semana passada mostram que a separação  foi aprovada por quase 99% dos eleitores. Os sudaneses que moram em outros países também puderam votar.
Para Paleak, Isaías 18 termina com uma indicação que aponta o fim do regime  muçulmano do norte. O versículo 7 diz: “Eles levarão seus presentes para a monte Sião”. “Significa que serão livres para louvar a Deus do seu jeito em sua própria terra”, explica ele.
Mesmo assim, Paleak não afirma estar “100% seguro” de que a profecia realmente se refere à independência do Sudão do Sul. Já o pastor Malok Deng, da Igreja Bíblica Sudanesa de Nashville, não tem dúvidas disso.
Ele viu o sofrimento dos sudaneses do Sul durante a guerra civil que deixou dois milhões de mortos e a fuga de muitas pessoas que saíram do país durante o conflito como parte de um plano divino descrito no capítulo dois de Sofonias, entre outras passagens.
“O texto diz que Deus enviaria inimigos para nos castigar, assim poderemos nos arrepender de nossos pecados e voltar para Deus”, disse o pastor. ”É por isso que tudo isso está acontecendo.” Deng conta que a guerra provocou sua conversão.
“Quando era adolescente, fui para o norte de Darfur por causa da guerra. Foi então que conheci o Senhor e fui salvo. Se não fosse isso, teria morrido no paganismo.”
Martin Drani, pastor Igreja Comunitária Sudanesa, em Nashville, não tem dúvidas de que Deus é a verdadeira força por trás do referendo. Ele afirma: ”É uma profecia. Se você acredita na Bíblia, então sabe que toda profecia deve se cumprir. Os israelitas também tinham profecias sobre eles que foram cumpridas.”
Outros estudiosos também veem a possibilidade de que o norte muçulmano estará envolvido no ataque a Israel profetizado em Ezequiel 38, onde afirma-se que a terra de Cuche fará aliança com a Pérsia (Irã) e Pute (Líbia) no fim dos tempos. Assim, apenas países muçulmanos atacariam Israel segundo o profeta Ezequiel. O Sudão do Sul será majoritariamente cristão, pois após a decisão pela independência muitos moradores do norte que seguem a fé cristã estão mudando para o sul.
Mesmo assim, nem todos os sudaneses veem a situação da mesma maneira. Ayak Duot, por exemplo, discorda que trate-se de uma profecia cumprida. ”Ouvi falar disso, mas não acredito. Quando o sul do Sudão se tornar um país novo,  será porque muitas pessoas, inclusive meu pai, lutaram e morreram por esta causa”, afirma.
Depois do anúncio oficial do resultado do referendo, países ligados à ONU devem reconhecer a independência, que só deve ser formalizada em 9 de julho. Ainda há disputas bilaterais sobre a demarcação definitiva da fronteira, por conta da divisão dos preciosos recursos hídricos do Nilo e das reservas de petróleo do país.
800px LocationSouthernSudan.svg  Para cristãos, independência do 
Sudão do Sul é cumprimento de profecia bíblica
Fonte: Pavablog

GRITOS DE ALERTA - O CANAL DA VERDADE - BISPO ROBERTO TORRECILHAS

Rebelião com 18 mortos termina após Pastor Marcos Ferreira realizar culto em presídio

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel O saldo das cerca de 30 horas de rebelião foram 18 presos mortos com três decapitações, cinco monitores reféns, mas liberados e um agente penitenciário baleado (continua no hospital e corre risco de ficar paraplégico).
Dos assassinados, 15 foram mortos no prédio anexo Presídio São Luís durante toda a rebelião, e três dentro de Pedrinhas, sendo que o detento conhecido como “Gaguinho” foi executado na noite de segunda-feira. Os outros dois, Romuel Antônio Souza Santos, o “Bruce Lee”, e Francisco Wellington Pinto da Silva, o “Cagão”, foram mortos no começo da manhã desta terça-feira (9) em um motim iniciado por alguns presos.
Após a entrega dos reféns, a policiais militares, com o apoio do GTA, entraram no presídio, colocaram todos os detentos no pátio, iniciaram uma revista e recontagem dos presos. Durante a vistoria, três armas de fogo foram apreendidas: dois revólveres calibre 38, um destes é do agente penitenciário Raimundo de Jesus Coelho, o “Dica”, e um calibre 32.
O Pastor Marcos Pereira aproveita a presença dos presos no pátio para continuar pregando a Palavra de Deus enquanto a PM faz uma vistoria completa no presídio.

Fonte: O Imparcial On Line / Gospel+
Via: Portal Padom

GOVERNOS MUÇULMANOS COVARDES - Dezenas de cristãos são presos em batidas policiais durante a madrugada

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Armados, à paisana, agentes de segurança especiais invadiram as casas dos cristãos, enquanto eles dormiam. Dezenas de cristãos, muitos deles convertidos do islamismo, foram verbal e fisicamente torturados antes de ser algemados e levados para interrogatório. Entre os presos havia líderes da igreja, os casais (dois dos quais foram separados das crianças) e jovens solteiras.
Alguns dos detidos foram liberados mais tarde, após assinar declarações de que deixariam de participar de atividades cristãs. Davood Kaboli (31) disse: “Eles tornaram impossível a reunião para os cristãos. Eles querem criar medo em nós, para que abandonemos o cristianismo.”
Kaboli foi interrogado sobre o trabalho das igrejas em Teerã com os olhos vendados, antes de ser liberado. Muitos outros continuam na prisão.
Outros 16 cristãos teriam sido detidos, mas não estavam em casa quando as autoridades chegaram. Seus parentes foram perseguidos e obrigados a dizer a esses cristãos que deveriam se entregar às autoridades.
O governador geral da província de Teerã, Morteza Tamadon, confirmou em 04 de janeiro que cristãos haviam sido presos. Ele descreveu os obreiros de igrejas domésticas como “pervertidos” e “parasitas”, além de advertir quanto a novas prisões.


Fonte: Missão Portas Abertas  /  www.gritosdealerta.com

Regime de Mubarak fala de ameaça de golpe

O regime do presidente egípcio Hosni Mubarak, encurralado por protestos que nesta quinta-feira não deram mostras de perder a força, aventou a ameaça de um golpe de Estado e denunciou a ingerência dos Estados Unidos, seu principal aliado que também reclama uma aceleração das reformas no país árabe.
Milhares de manifestantes, em aberto desafio ao toque de recolher, voltaram a passar a noite na praça Tahrir do Cairo, convertida em reduto da rebelião desde 25 de janeiro.
Durante a madrugada, os manifestantes gritaram "o povo quer a queda do regime", frase que resume os protestos contra Mubarak, que está no poder há quase 30 anos.
Os manifestantes também gritaram frases contra Alaa, filho mais velho do presidente.
Muitos exibiam fotos dos "mártires", as vítimas da violência que já matou 300 pessoas, segundo a ONU e a ONG Human Rights Watch, desde o início do movimento.
Novas foram instaladas na praça situada no centro do Cairo, que virou o símbolo da revolta iniciada em 25 de janeiro e é ocupada desde o dia 28 do mês passado.
Os tanques do Exército permanecem posicionados nas proximidades do Museu Egípcio, perto da praça.
Na quarta-feira, centenas de pessoas cercaram o Parlamento e a sede do governo, que ficam frente a frente, e passaram a noite na calçada que leva ao Parlamento.
Nesta quinta-feira, as duas entradas da avenida que leva ao Parlamento estavam bloqueadas.
"Não a (Omar) Suleiman (o vice-presidente)!" "Não aos agentes americanos!". "Não aos espiões israelenses!", "Abaixo Mubarak!", gritavam os manifestantes.
"Se não morrermos aqui, morreremos na prisão. Prefiro morrer aqui", afirmou à AFP Attiya Abu El Ela, um desempregado de 24 anos.
Na terça-feira, adotando um tom mais duro, o ministro das Relações Exteriores, Ahmed Abul Gheit, advertiu que o Exército atuaria no caso de caos para retomar o controle da situação.
O presidente Barack Obama, por sua vez, pediu que o Exército egípcio continue "demonstrando a mesma moderação dos últimos dias", informou a Branca.
O -voz da Casa Branca, Robert Gibbs, criticou, além disso, a timidez as reformas feitas pelo governo egípcio para aplacar o clamor popular.
"Está que o que o governo promoveu até o momento não alcançou o limite mínino para o povo egípcio", afirmou.
Gheit replicou acusando os Estados Unidos de ingerência.
"Quando vocês falam de rápidas e imediatas em um grande país como o Egito, com quem sempre mantiveram as melhores relações, vocês impõem a ele sua vontade", denunciou.
Entre as medidas tomadas para tentar apaziguar a situação, na quarta-feira a comissão encarregada pelo presidente Mubarak de sugerir emendas à Constituição no Egito propôs a mudança de seis artigos polêmico.
Como pede a oposição, as modificações seriam feitas no artigo 76, que exige condições muito restritas às candidaturas políticas; no 77, que não fixa limite ao número de mandatos presidenciais e no artigo 88, que define as modalidades de supervisão das eleições.
No domingo, o vice-presidente Omar Suleiman iniciou um diálogo com as forças de oposição, entre elas a poderosa Irmandade Muçulmana e personalidades políticas independentes para debater as reformas.
A Irmandade Muçulmana, principal força de oposição no Egito, por sua vez, assegurou que não busca o poder, apesar de seus inúmeros pedidos para que Mubarak renuncie de imediato.
"Não queremos participar no momento. Não queremos apresentar um candidato à presidência" (nas eleições previstas para setembro), afirmou Mohamed Mursi, um alto dirigente do movimento, em coletiva no Cairo.
"Não é uma pessoa, um partido ou um grupo que encabeçam as manifestações. Ninguém pode fingir que dirige a multidão", acrescentou o dirigente da poderosa confraria, oficialmente proibida pelas autoridades egípcias há meio século.
"Estamos com a vontade do povo, com a maioria do povo egípcio. Nós não somos a maioria", insistiu.

FONTE   AFP

Sul do Sudão votou esmagadoramente pela independência


 
 
Igreja cristã no Sudão  
SUDÃO (35º) - Cerca de 99% dos eleitores no referendo de janeiro foram a favor da divisão do maior país da África. Até julho, a mais jovem nação do mundo será criada e a África ganhará seu 54º estado.

Na segunda-feira, dia 7 de fevereiro, o presidente Al-Bashir emitiu um Decreto Republicano aceitando o resultado final do referendo, que apoia a separação do Sul, após a promulgação oficial dos resultados, em Cartum.

O resultado final foi apresentado formalmente ao presidente do Norte do Sudão, Omer Hassan Al-Bashir, pelo presidente da Comissão do Referendo do Sul do Sudão (SSRC, sigla em inglês), Mohamed Ibrahim Khalil, que disse que um total de 98,83% dos eleitores optou pela independência na semana do referendo.

"Declaramos nossa aceitação quanto à escolha do povo do Sul do Sudão e nos comprometemos a trabalhar para resolver as questões pendentes e estabelecer relações construtivas entre o norte e o sul do Sudão", informou um decreto lido pelo ministro dos assuntos presidenciais, Bakri Hassan Salih.

Khalil também disse que nenhuma contestação legal foi interposta contra o resultado e que o referendo foi realizado de forma "justa e transparente", segundo o jornal The Sudan Tribune.

Após a recepção dos resultados no Palácio Presidencial de Cartum, o presidente Al-Bashir disse que saúda a escolha dos sudaneses do sul.

O anúncio foi rápido para receber aceitação e gerar compromissos de reconhecimento de um número de países e organizações internacionais.

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama disse que se sentia honrado de anunciar a intenção dos Estados Unidos em reconhecer formalmente o Sul do Sudão como um estado soberano e independente em julho de 2011.

Em Londres, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, congratulou-se com os resultados do referendo e a reação positiva do governo de Cartum. Ele também prometeu que o Reino Unido continuará a apoiar a resolução das questões remanescentes.

O representante da União Europeia (UE) no Sudão, Carlo de Filippi, disse: "A UE aguarda com expectativa o desenvolvimento de uma estreita parceria e de longo prazo com o Sul do Sudão".

O Painel do Secretário Geral das Nações Unidas sobre o Referendo no Sudão, que foi criado a pedido dos sócios do CPA no sentido de acompanhar o referendo, deu processo de seu selo de aprovação.

Depois de décadas de guerra civil, a votação do Sul do Sudão pela independência é o último grande marco do acordo de paz de 2005.

Pedidos de oração

1. Ore pelo processo de construção do novo país.
2. Ore para que haja logo um acordo de paz entre o Norte e o Sul do Sudão baseado no pós-referendo, incluindo Abyei.
3. Ore por uma resolução das questões pendentes e para que os dois governos, Norte e Sul, tenham relações construtivas.
4. Ore pela igreja no norte do Sudão, já que terão de enfrentar novos desafios nos próximos dias.

Tradução: Carla Priscilla Silva


O BEIJO DA MORTE - Jovem britânica morre minutos após beijar rapaz pela 1ª vez

A jogadora de hóquei e nadadora Jemma Benjamin, 18 anos, morreu 
logo após ser beijada, em 2009. Foto: Wales news Service/BBC Brasil

A jogadora de hóquei e nadadora Jemma Benjamin, 18 anos, morreu logo após um beijo, em 2009
Foto: Wales news Service/BBC Brasil

Uma jovem universitária britânica morreu minutos após ser beijada por um rapaz pela primeira vez, segundo informações ouvidas durante um inquérito na cidade de Aberdare, no País de Gales.
A jogadora de hóquei e nadadora Jemma Benjamin, de 18 anos, estava na casa do colega de universidade Daniel Ross, de 21, quando ela desmaiou no sofá e morreu na frente dele, em abril de 2009.
Durante o inquérito, foi dito que a jovem sofreu de síndrome da Morte Súbita Cardíaca (MSC).
No entanto, a estudante não tinha nenhum histórico de problemas do coração. A autópsia também não conseguiu determinar a causa exata da falência cardíaca.
Em uma a cada 20 ocorrências de Morte Súbita Cardíaca não é possível identificar o problema.
Desmaio
Ross, que conhecia a estudante há 3 meses, tentou salvá-la antes da chegada dos paramédicos. Ele disse à polícia que eram amigos e que aquela era a primeira vez em que haviam se beijado. "Não era um relacionamento sexual, mas nos encontrávamos algumas vezes por semana", disse o jovem.
Segundo Daniel Ross, ele e Jemma estavam a caminho de um bar para comer quando tiveram que voltar para sua casa, porque ele havia esquecido o cartão de crédito.
"Nós estávamos conversando e acabamos nos beijando no corredor perto da porta da frente. Fomos para a cozinha e depois para a sala, e Jemma se sentou no sofá", contou.
Ele disse ainda que as pálpebras de Jemma "começaram a cair subitamente" e sua boca espumou antes que ela desmaiasse. "Eu liguei para a mãe dela para perguntar se ela tinha epilepsia. Ela voltava a si e desmaiava outra fez."
Em seguida, o rapaz ligou para um número de emergência local e recebeu instruções de como tentar reanimar Jemma Benjamin antes da chegada do socorro, mas não conseguiu.
A investigação concluiu que o atraso da ambulância que atendeu Jemma não teve responsabilidade por sua morte, e que nada poderia ter sido feito para salvá-la.
Inquérito
O investigador Richie Andrews, que entrevistou Daniel, disse no inquérito que "é possível que fosse a primeira vez que Jemma e Daniel se beijaram".
Nos depoimentos também foi dito que a menina era tímida e praticante de esportes, mas que estava "estressada" com as provas de ciência esportiva que teria que fazer.
Sua mãe, Charlotte Garwood, disse que Jemma "era o retrato da saúde em um momento e, no momento seguinte, foi tirada de mim."
Daniel Ross terminou seus estudos na Universidade de Glamorgan, em Pontypridd, South Wales, e voltou para sua cidade natal, Birmingham.
BBC Brasil

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...